SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNGOS Profª: Alessandra Vieira
Os fungos e sua importância
O Reino Fungi (fungos) reúne organismos eucariontes heterótrofos por absorção, ou seja,
organismos que absorvem nutrientes do meio onde vivem. Para isso, liberam enzimas digestivas
que atuam no meio orgânico, degradando- o em moléculas simples que são absorvidas.
Os fungos mais conhecidos são bolores, mofos, leveduras, orelhas-de-pau, trufas
os cogumelos, como o champignon, o shiitake e o shimeji empregados na alimentação do ser
humano.
há os que são empregados na indústria de laticínios para a fabricação de certos tipos de queijo,
como o roquefort e o gorgonzola.
Fungos também são empregados na produção de antibióticos, caso das espécies de Penicillium
chrysogenum e do P. notatum, utilizados na produção de penicilina.
Existem fungos venenosos para o ser humano, capazes de causar a morte da pessoa que o ingere.
Alguns deles produzem efeitos alucinógenos semelhantes aos causados pelo LSD (derivado do ácido
lisérgico), provocando sérios danos ao sistema nervoso.
Os fungos são, em sua maioria, decompositores, também chamados sapróbios (sapro = podre), pois
nutrem-se da matéria orgânica em decomposição; assim, são fundamentais na reciclagem da
matéria orgânica.
Os fungos podem atuar como parasitas de plantas e de animais. Em plantas, por exemplo, a doença
conhecida por ferrugem afeta plantações de café, trigo, entre outras. Em animais, podemos citar as
micoses que afetam a pele humana, o sapinho (infecção na boca), a candidíase vaginal (doença
sexualmente transmissível) e a histoplasmose (infecção nos pulmões).
AS MICORRIZAS
Algumas espécies de fungo vivem em associação mutualística com outros organismos. Entre os
fungos mutualísticos, existem os que vivem associados a raízes de plantas, formando as
micorrizas (raízes que contêm fungos).
Cerca de 95% das plantas vasculares formam micorrizas.
Características gerais dos fungos
A ciência que estuda os fungos é chamada Micologia (do grego: mykes = cogumelo).
• eucariontes heterótrofos por absorção.
• parede celular formada principalmente por quitina.
• glicogênio como substância de reserva.
•reprodução por esporos
•corpo formado por filamentos chamados hifas. O conjunto de hifas recebe o nome de micélio.
Muitos fungos realizam apenas respiração aeróbia; outros realizam somente fermentação. Alguns,
entretanto, são anaeróbios facultativos, pois na presença de gás oxigênio realizam respiração e, na
ausência, realizam fermentação.
É o caso da espécie Saccharomyces cerevisiae, uma levedura utilizada em condição anaeróbica nos
processos de preparação de pães e de fabricação de bebidas alcoólicas, como cerveja e vinho.
Nesses casos, o fungo realiza fermentação alcoólica, ou seja, o açúcar é absorvido e degradado por
fermentação, originando etanol (álcool etílico, importante na produção das bebidas alcoólicas) e gás
carbônico (CO2, importante no crescimento da massa de pão).
Reprodução dos Fungos
O ciclo de vida
dos fungos
pode ser
dividido em
duas fases:
assexuada e
sexuada. Em
ambas ocorre
formação de
esporos
haploides.
Os esporos sexuados são sempre imóveis, e seu transporte depende do vento. Eles podem ser de
dois tipos principais:
• ascósporos: formados no interior de uma estrutura especial denominada asco
• basidiósporos: formados em uma estrutura denominada basídio (do latim: basidium = pequeno
pedestal).
Os principais tipos de corpos de frutificação
são:
• ascocarpos ou ascomas: abrigam os ascos
com os ascósporos.
• basidiocarpos ou basidiomas: abrigam os
basídios com os basidiósporos
Em outro grupo de fungos ocorre
a formação de um tipo de esporo
bastante diferente dos demais: o
zigósporo. Ele se forma quando
hifas de micélios distintos
presentes no mesmo meio
crescem uma em direção à outra.
Classificação dos fungos
A classificação
dos fungos
ainda é um
assunto
polêmico.
Vamos adotar
uma
classificação
simplificada e
que está
resumida no
cladograma ao
lado
uniflagelados
Zigósporo
Ascocarpo
Ascósporo
Basidiocarpo
Basidiósporo
Corpo de frutificação
Perda de flagelo
Essa classificação dos fungos considera principalmente os tipos de esporos formados
durante os ciclos de vida desses organismos.
Os fungos que formam zoósporos estão adaptados a viver em ambiente aquático,
como oceanos, rios e lagos. São classificados como Chytridiomycota
(quitridiomicetos ou quitrídios).
Muitos ocorrem em solos úmidos, onde os zoósporos podem se deslocar na água
acumulada.
Na evolução dos fungos, houve a perda do flagelo, propiciando a ocupação do
ambiente terrestre por esses organismos.
Os fungos terrestres são classificados com base no tipo de esporo sexuado que
produzem:
• Zygomycota (zigomicetos): formam zigósporos. O bolor negro do pão é um
zigomiceto.
• Ascomycota (ascomicetos): formam ascósporos. Os ascomicetos reúnem o maior número de
espécies de fungos.
São exemplos: as leveduras Saccharomyces cerevisiae, o Penicillium sp. e as trufas (gênero Tuber),
apreciadas na alimentação humana.
• Basidiomycota (basidiomicetos): formam basidiósporos. São exemplos: orelhas-de-pau
champignon, shiitake, shiimeji e os fungos alucinógenos do gênero Amanita.
Antigamente, havia o grupo Deuteromycota (deuteromicetos), o qual reunia fungos que, por
não apresentar a fase sexuada do ciclo de vida, eram chamados “fungos imperfeitos”.
Hoje, sabe-se que há fungos que perderam a fase sexuada do ciclo de vida durante a evolução.
Por análises moleculares, sabe-se que a maior parte dos deuteromicetos pode ser classificada
como ascomicetos ou, mais raramente, como basidiomicetos.
Assim, o grupo dos deuteromicetos não é mais considerado um grupo taxonômico válido.
Liquens
Os liquens (ou líquenes) são associações geralmente
mutualísticas entre fungos e algas verdes unicelulares
ou entre fungos e cianobactérias.
De maneira geral, os fungos que participam dessa
associação são ascomicetos; raramente há liquens com
basidiomicetos.
Nos liquens, a alga, que é autótrofa, realiza fotossíntese
e, assim, produz o alimento utilizado por ela e pelo
fungo. Este, que é heterótrofo, oferece proteção à alga,
além de reter sais e umidade, necessários a ambos. Os
liquens podem se instalar em troncos de árvores,
rochas, muros e postes. O formato dos liquens varia
muito de espécie para espécie
A reprodução se faz principalmente por meio de propágulos vegetativos denominados sorédios. Cada
sorédio é formado por poucas algas envoltas por algumas hifas dos fungos.
É uma estrutura pequena, facilmente transportada pelo vento. As algas e os fungos podem se
reproduzir independentemente da formação de sorédios. Os fungos formam corpos de frutificação
que ficam evidentes nos liquens.
Os liquens têm crescimento muito lento, de cerca de 0,1 a 10 mm/ano. Alguns estudos indicam que há
liquens com cerca de 4 500 anos.
Importância Ecológica dos Liquens
Esses organismos são importantes ecologicamente, sendo os primeiros a
colonizar superfícies nuas de rochas, propiciando a sucessão primária no local.
Economicamente são importantes, pois são ricos em pigmentos que podem
ser extraídos e empregados como corantes, em especial de tecidos.
Algumas espécies produzem substâncias utilizadas na produção de fármacos.
Muitos liquens são bioindicadores de poluição atmosférica por serem
sensíveis a ela.
Os liquens servem de alimento para diversos animais vertebrados e
invertebrados. Constituem uma importante fonte de alimento no inverno para
renas e caribus nas regiões do extremo norte da América do Norte e da Europa
e são consumidos por ácaros, insetos e lesmas.
Referências Bibliográficas
Lopes, Sônia Bio, volume 2 / Sônia Lopes, Sergio Rosso. -- 3. ed. -- São Paulo : Saraiva, 2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
Adrianne Mendonça
 
Estudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celular
Estudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celularEstudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celular
Estudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celular
Ronaldo Santana
 
Aula reino-fungi
Aula reino-fungiAula reino-fungi
Aula reino-fungi
Adrianne Mendonça
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
César Milani
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
bradok157
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Características dos Seres Vivos
Características dos Seres VivosCaracterísticas dos Seres Vivos
Características dos Seres Vivos
Fábio Roque
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Silvana Sanches
 
Fungos
FungosFungos
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
Nayara de Queiroz
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
Rebeca Vale
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
profatatiana
 
Teoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoTeoria sintética da evolução
Teoria sintética da evolução
Felipe Haeberlin
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
lucianabio
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
Marcos Santos
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
Daniela Silveira
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
Patricia Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
 
Estudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celular
Estudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celularEstudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celular
Estudo dirigido de Biologia: citologia e divisão celular
 
Aula reino-fungi
Aula reino-fungiAula reino-fungi
Aula reino-fungi
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Características dos Seres Vivos
Características dos Seres VivosCaracterísticas dos Seres Vivos
Características dos Seres Vivos
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Teoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoTeoria sintética da evolução
Teoria sintética da evolução
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 

Semelhante a Fungos

Fungos
FungosFungos
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
Leandro De Lima
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
AdemirSantos70
 
Aula fungos 2018
Aula fungos 2018Aula fungos 2018
Aula fungos 2018
Andre Luiz Nascimento
 
Fungos e Bactérias
Fungos e BactériasFungos e Bactérias
Fungos e Bactérias
Mariolina Rodrigues Oliveira
 
Fungos e Bactérias
Fungos e BactériasFungos e Bactérias
Fungos e Bactérias
Gilda Maria Santana Silva
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
Markelly Marques
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
URCA
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
eebniltonkucker
 
REINO FUNGI
REINO FUNGIREINO FUNGI
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
Plínio Gonçalves
 
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Albano Novaes
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 

Semelhante a Fungos (20)

Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
 
Aula fungos 2018
Aula fungos 2018Aula fungos 2018
Aula fungos 2018
 
Fungos e Bactérias
Fungos e BactériasFungos e Bactérias
Fungos e Bactérias
 
Fungos e Bactérias
Fungos e BactériasFungos e Bactérias
Fungos e Bactérias
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
REINO FUNGI
REINO FUNGIREINO FUNGI
REINO FUNGI
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
 
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 

Mais de Alessandra Vieira da Silva

Filo echinodermata
Filo echinodermataFilo echinodermata
Filo echinodermata
Alessandra Vieira da Silva
 
Plantas
PlantasPlantas
Diversidade animal ii
Diversidade animal iiDiversidade animal ii
Diversidade animal ii
Alessandra Vieira da Silva
 
Protistas
ProtistasProtistas
Fluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicos
Fluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicosFluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicos
Fluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicos
Alessandra Vieira da Silva
 
Gravidez e parto
Gravidez e partoGravidez e parto
Gravidez e parto
Alessandra Vieira da Silva
 
Vírus 2017
Vírus 2017Vírus 2017
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
Alessandra Vieira da Silva
 
Convivendo com a diversidade
Convivendo com a diversidadeConvivendo com a diversidade
Convivendo com a diversidade
Alessandra Vieira da Silva
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Alessandra Vieira da Silva
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Reflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa de
Reflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa deReflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa de
Reflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa de
Alessandra Vieira da Silva
 
Relação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativaRelação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativa
Alessandra Vieira da Silva
 
Metodologia de pesquisa
Metodologia de pesquisaMetodologia de pesquisa
Metodologia de pesquisa
Alessandra Vieira da Silva
 
Escola não seriada e progressão continuada
Escola não seriada e progressão continuadaEscola não seriada e progressão continuada
Escola não seriada e progressão continuada
Alessandra Vieira da Silva
 

Mais de Alessandra Vieira da Silva (15)

Filo echinodermata
Filo echinodermataFilo echinodermata
Filo echinodermata
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Diversidade animal ii
Diversidade animal iiDiversidade animal ii
Diversidade animal ii
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Fluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicos
Fluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicosFluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicos
Fluxo de energia no ecossistema e Ciclo biogeoquímicos
 
Gravidez e parto
Gravidez e partoGravidez e parto
Gravidez e parto
 
Vírus 2017
Vírus 2017Vírus 2017
Vírus 2017
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
 
Convivendo com a diversidade
Convivendo com a diversidadeConvivendo com a diversidade
Convivendo com a diversidade
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
Reflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa de
Reflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa deReflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa de
Reflexões sobre a teoria da aprendizagem significativa de
 
Relação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativaRelação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativa
 
Metodologia de pesquisa
Metodologia de pesquisaMetodologia de pesquisa
Metodologia de pesquisa
 
Escola não seriada e progressão continuada
Escola não seriada e progressão continuadaEscola não seriada e progressão continuada
Escola não seriada e progressão continuada
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 

Fungos

  • 2. Os fungos e sua importância O Reino Fungi (fungos) reúne organismos eucariontes heterótrofos por absorção, ou seja, organismos que absorvem nutrientes do meio onde vivem. Para isso, liberam enzimas digestivas que atuam no meio orgânico, degradando- o em moléculas simples que são absorvidas. Os fungos mais conhecidos são bolores, mofos, leveduras, orelhas-de-pau, trufas os cogumelos, como o champignon, o shiitake e o shimeji empregados na alimentação do ser humano.
  • 3. há os que são empregados na indústria de laticínios para a fabricação de certos tipos de queijo, como o roquefort e o gorgonzola. Fungos também são empregados na produção de antibióticos, caso das espécies de Penicillium chrysogenum e do P. notatum, utilizados na produção de penicilina.
  • 4. Existem fungos venenosos para o ser humano, capazes de causar a morte da pessoa que o ingere. Alguns deles produzem efeitos alucinógenos semelhantes aos causados pelo LSD (derivado do ácido lisérgico), provocando sérios danos ao sistema nervoso.
  • 5. Os fungos são, em sua maioria, decompositores, também chamados sapróbios (sapro = podre), pois nutrem-se da matéria orgânica em decomposição; assim, são fundamentais na reciclagem da matéria orgânica. Os fungos podem atuar como parasitas de plantas e de animais. Em plantas, por exemplo, a doença conhecida por ferrugem afeta plantações de café, trigo, entre outras. Em animais, podemos citar as micoses que afetam a pele humana, o sapinho (infecção na boca), a candidíase vaginal (doença sexualmente transmissível) e a histoplasmose (infecção nos pulmões).
  • 6. AS MICORRIZAS Algumas espécies de fungo vivem em associação mutualística com outros organismos. Entre os fungos mutualísticos, existem os que vivem associados a raízes de plantas, formando as micorrizas (raízes que contêm fungos). Cerca de 95% das plantas vasculares formam micorrizas.
  • 7. Características gerais dos fungos A ciência que estuda os fungos é chamada Micologia (do grego: mykes = cogumelo). • eucariontes heterótrofos por absorção. • parede celular formada principalmente por quitina. • glicogênio como substância de reserva. •reprodução por esporos •corpo formado por filamentos chamados hifas. O conjunto de hifas recebe o nome de micélio.
  • 8. Muitos fungos realizam apenas respiração aeróbia; outros realizam somente fermentação. Alguns, entretanto, são anaeróbios facultativos, pois na presença de gás oxigênio realizam respiração e, na ausência, realizam fermentação. É o caso da espécie Saccharomyces cerevisiae, uma levedura utilizada em condição anaeróbica nos processos de preparação de pães e de fabricação de bebidas alcoólicas, como cerveja e vinho. Nesses casos, o fungo realiza fermentação alcoólica, ou seja, o açúcar é absorvido e degradado por fermentação, originando etanol (álcool etílico, importante na produção das bebidas alcoólicas) e gás carbônico (CO2, importante no crescimento da massa de pão).
  • 9. Reprodução dos Fungos O ciclo de vida dos fungos pode ser dividido em duas fases: assexuada e sexuada. Em ambas ocorre formação de esporos haploides.
  • 10. Os esporos sexuados são sempre imóveis, e seu transporte depende do vento. Eles podem ser de dois tipos principais: • ascósporos: formados no interior de uma estrutura especial denominada asco • basidiósporos: formados em uma estrutura denominada basídio (do latim: basidium = pequeno pedestal).
  • 11. Os principais tipos de corpos de frutificação são: • ascocarpos ou ascomas: abrigam os ascos com os ascósporos. • basidiocarpos ou basidiomas: abrigam os basídios com os basidiósporos
  • 12. Em outro grupo de fungos ocorre a formação de um tipo de esporo bastante diferente dos demais: o zigósporo. Ele se forma quando hifas de micélios distintos presentes no mesmo meio crescem uma em direção à outra.
  • 13. Classificação dos fungos A classificação dos fungos ainda é um assunto polêmico. Vamos adotar uma classificação simplificada e que está resumida no cladograma ao lado uniflagelados Zigósporo Ascocarpo Ascósporo Basidiocarpo Basidiósporo Corpo de frutificação Perda de flagelo
  • 14. Essa classificação dos fungos considera principalmente os tipos de esporos formados durante os ciclos de vida desses organismos. Os fungos que formam zoósporos estão adaptados a viver em ambiente aquático, como oceanos, rios e lagos. São classificados como Chytridiomycota (quitridiomicetos ou quitrídios). Muitos ocorrem em solos úmidos, onde os zoósporos podem se deslocar na água acumulada. Na evolução dos fungos, houve a perda do flagelo, propiciando a ocupação do ambiente terrestre por esses organismos. Os fungos terrestres são classificados com base no tipo de esporo sexuado que produzem: • Zygomycota (zigomicetos): formam zigósporos. O bolor negro do pão é um zigomiceto.
  • 15. • Ascomycota (ascomicetos): formam ascósporos. Os ascomicetos reúnem o maior número de espécies de fungos. São exemplos: as leveduras Saccharomyces cerevisiae, o Penicillium sp. e as trufas (gênero Tuber), apreciadas na alimentação humana. • Basidiomycota (basidiomicetos): formam basidiósporos. São exemplos: orelhas-de-pau champignon, shiitake, shiimeji e os fungos alucinógenos do gênero Amanita.
  • 16. Antigamente, havia o grupo Deuteromycota (deuteromicetos), o qual reunia fungos que, por não apresentar a fase sexuada do ciclo de vida, eram chamados “fungos imperfeitos”. Hoje, sabe-se que há fungos que perderam a fase sexuada do ciclo de vida durante a evolução. Por análises moleculares, sabe-se que a maior parte dos deuteromicetos pode ser classificada como ascomicetos ou, mais raramente, como basidiomicetos. Assim, o grupo dos deuteromicetos não é mais considerado um grupo taxonômico válido.
  • 17. Liquens Os liquens (ou líquenes) são associações geralmente mutualísticas entre fungos e algas verdes unicelulares ou entre fungos e cianobactérias. De maneira geral, os fungos que participam dessa associação são ascomicetos; raramente há liquens com basidiomicetos. Nos liquens, a alga, que é autótrofa, realiza fotossíntese e, assim, produz o alimento utilizado por ela e pelo fungo. Este, que é heterótrofo, oferece proteção à alga, além de reter sais e umidade, necessários a ambos. Os liquens podem se instalar em troncos de árvores, rochas, muros e postes. O formato dos liquens varia muito de espécie para espécie
  • 18. A reprodução se faz principalmente por meio de propágulos vegetativos denominados sorédios. Cada sorédio é formado por poucas algas envoltas por algumas hifas dos fungos. É uma estrutura pequena, facilmente transportada pelo vento. As algas e os fungos podem se reproduzir independentemente da formação de sorédios. Os fungos formam corpos de frutificação que ficam evidentes nos liquens. Os liquens têm crescimento muito lento, de cerca de 0,1 a 10 mm/ano. Alguns estudos indicam que há liquens com cerca de 4 500 anos.
  • 19. Importância Ecológica dos Liquens Esses organismos são importantes ecologicamente, sendo os primeiros a colonizar superfícies nuas de rochas, propiciando a sucessão primária no local. Economicamente são importantes, pois são ricos em pigmentos que podem ser extraídos e empregados como corantes, em especial de tecidos. Algumas espécies produzem substâncias utilizadas na produção de fármacos. Muitos liquens são bioindicadores de poluição atmosférica por serem sensíveis a ela. Os liquens servem de alimento para diversos animais vertebrados e invertebrados. Constituem uma importante fonte de alimento no inverno para renas e caribus nas regiões do extremo norte da América do Norte e da Europa e são consumidos por ácaros, insetos e lesmas.
  • 20. Referências Bibliográficas Lopes, Sônia Bio, volume 2 / Sônia Lopes, Sergio Rosso. -- 3. ed. -- São Paulo : Saraiva, 2016.