SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
BIOLOGIA
FUNGOS
Os fungos não possuem nenhum pigmento fotossintético, não
formam um tecido verdadeiro, não apresentam celulose na parede
celular (com exceção de alguns fungos aquáticos inferiores) e não
armazenam amido como substancia de reserva. Na sua parede
celular, há a presença de uma substância quitinosa. Sua estrutura
somática é representada por hifas, cujo conjunto constitui o
denominado micélio. Pode apresentar o fenômeno denominado
dicariofase (fase dicariótica prolongada, em que a fruitificação é
composta de hifas binucleadas com presença simultânea de dois
núcleos haplóides sexualmente opostos. São heterotróficos,
eucariotos.
Até pouco tempo, eram considerados como pertencentes ao reino
Vegetalia, mas pelas considerações feitas acima a tendência atual é
considera-los num reino a parte, O reino Fungi ou Mycetalia.
• FUNGOS,
DEFINIÇÃO.
Definição: é uma infecção cutânea, com uma variedade em aspectos clinicos,
cujos agentes etiológicos atacam com predileção a queratina da pele, pêlo e
unhas. a infecção é geralmente restrita às camadas não vivas da superficie
corpórea. A maioria destas infecções são causadas por um grupo homogêneo
de fungos queratinofilicos chamados dermatófitos.
Modo de Infecção:
Inicia-se por um esporo ou articulo miceliano depositado sobre a pele e
provavelmente do solo, de animais ou do homem.
Os filamentos micelianos crescem excentricamente na camada córnea da
pele e se ramificam. Após espaços de uma semana há uma reação
cutânea e formação de vesiculas ao redor da lesão.
O pêlo é penetrado secundariamente, o dermatófito vai utilizando a
queratina do pêlo e benetrando em direção ao bulbo. Os cabelos
parasitados, frágeis, podem se quebrar (tinhas tonsurantes).
O aspecto dos elementos fúngicos dentro e ao redor dos pêlos e a
presença de hifas septadas, ramificadas, artrosporadas nas escamas de
pele e unhas, indicam seguramente uma infecção por dermatófitos.
• FUNGOS PRODUTORES DE MICOSES CUTÂNEAS
(DERMATOFITOSES)
• Os fungos apresentam um conjunto de características próprias que permitem sua
diferenciação das plantas: não sintetizam clorofila, não tem celulose na sua parede
celular, exceto alguns fungos aquáticos e não armazenam amido como substância de
reserva.
• Os fungos são seres vivos eucarióticos, com um só núcleo, como as leveduras, ou
multinucleados, como se observa entre os fungos filamentosos ou bolores.
Seu citoplasma contém mitocôndrias e retículo endoplasmático rugoso.
• São heterotróficos e nutrem-se de matéria orgânica morta - fungos saprofíticos, ou
viva—fungos parasitários.
• Fungos do gênero Cryptococcus, como o Cryptococcus neoformans apresentam cápsula
de natureza polissacarídica, que envolve a parede celular.
• Protoplastos de fungos podem ser obtidos pelo tratamento de seus cultivos, em
condições hipertônicas, com enzimas de origem bacteriana ou extraídas do caracol Helix
pomatia.
• Os fungos são ubíquos, encontrando-se no solo, na água, nos vegetais, em
animais, no homem e em detritos, em geral. O vento age como importante veiculo
de dispersão de seus propágulos e fragmentos de hifa.
Os fungos podem se desenvolver em meios de cultivo especiais formando colônias de
dois tipos:
- leveduriformes;
- filamentosas.
As colônias leveduriformes são pastosas ou cremosas, formadas por microrganismos
unicelulares que cumprem as funções vegetativas e reprodutivas.
As colônias filamentosas podem ser algodonosas, aveludadas ou pulverulentas;
são constituídas fundamentalmente por elementos multicelulares em forma de tubo—as
hifas.
As hifas podem ser contínuas ou cenocíticas e tabicadas ou septadas. Possuem
hifas septadas os fungos das Divisões Ascomycota, Basidiomycota e Deuteromycota e
hifas cenocíticas, os das Divisões Mastigomycota e Zygomycota.
Ao conjunto de hifas, dá-se o nome de micélio. O micélio que se desenvolve no
interior do substrato, funcionando também como elemento de sustentação e de
absorção de nutrientes, é chamado de micélio vegetativo.
O micélio que se projeta na superficie e cresce acima do meio de cultivo é o micélio
aéreo.
Quando o micélio aéreo se diferencia para sustentar os corpos de frutificação ou
propágulos, constitui o micélio reprodutivo.
ESTRUTURA DOS FUNGOS
- Blastoconídios.
- Artroconídios.
- Clamidoconídios.
Os blastoconídios, também denominados gêmulas, são comuns nas leveduras e se
derivam por brotamento da célula-mãe. As vezes, os blastoconídios permanecem
ligados à célula-mãe, formando cadeias, as pseudo-hifas, cujo conjunto é o
pseudomicélio.
Os artroconídios são formados por fragmentação das hifas em segmentos retangulares.
São encontratos nos fungos do gênero Geotrichum, em Coccidioides immitis e em
dermatófitos.Os clamidoconídios têm função de resistência, semelhante a dos esporos
bacterianos. São células, geralmente arredondadas, de volume aumentado, com
paredes duplas e espessas, nas quis se concentra o citoplasma. Sua localização no
micélio pode ser apical ou intercalar. Formam-se em condições ambientais adversas,
como escassez de nutrientes, de água e temperaturas não favoráveis ao
desenvolvimento fúngico.
Entre outras estruturas de resistência devem ser mencionados os esclerócios ou
esclerotos, que são corpúsculos duros e parenquimatosos, formados pelo conjunto de
hifas e que permanecem em estado de dormência, até o aparecimento de condições
adequadas para sua germinação. São encontrados em espécies de fungos das Divisões
Ascomycota, Basidiomycota e Deuteromycota
• Estes elementos são denominados de taloconídios e
compreendem os:
Os fungos se reproduzem em ciclos assexuais, sexuais e parassexuais.
Segundo Alexoupolos, a reprodução assexuada abrange quatro modalidades:
1) fragmentação de artroconídios;
2) fissão de células somáticas;
3) brotamento ou gemulação do blastoconídios-mãe;
4) produção de conídios.
Reprodução assexuada interna.
Os esporos sexuados se originam da fusão de estruturas diferenciadas com caráter de
sexualidade. O núcleo haplóide de uma célula doadora funde-se com o núcleo haplóide de uma
célula receptora, formando um zigoto. Posteriormente, por divisão meiótica, originam-se quatro ou
oito núcleos haplóides, alguns dos quais se recombinarão, geneticamente.
Reprodução sexuada.
Os esporos sexuados internos são chamados ascosporos e se formam no interior de
estruturas em forma de saco, denominadas ascos. Os ascos podem ser simples, como em
leveduras dos gêneros Saccharomyces e Hansenula, ou se distribuir em lóculos ou cavidades do
micélio, dentro de um estroma, o ascostroma ou ainda estar contidos em corpos de frutificação, os
ascocarpos.
Três tipos de ascocarpos são bem conhecidos: cleistotécio, peritécio e apotécio.
O cleistotécio é uma estrutura globosa, fechada, de parede formada por hifas muito unidas,
com um número indeterminado de ascos, contendo cada um oito ascosporos.
O peritécio é uma estrutura geralmente piriforme, dentro da qual os ascos nascem de uma
camada hemenical e se dispõem em paliçada, exemplo, Leptosphaeria senegalensis, Neotestudina
rosatii.
O apotécio é um ascocarpo aberto, em forma de cálice onde se localizam os ascos.
• REPRODUÇÃO DOS FUNGOS
Os fungos são agentes responsáveis em grande parte pela decomposição das
substâncias orgânicas e como tal, nos afetam de modo direto, pela destruição
dos alimentos, tecidos, couro e outros artigos de consumo manufaturados com
materiais sujeitos a seus ataques.
Causam a maior parte das enfermidades das plantas e também muita
enfermidade dos animais e dos homens constituem a base de uma quantidade
de processos industriais de fermentação, tais como a elaboração do pão, vinho,
cerveja, a fermentação da semente de cacau e a preparação de certos queijos;
são empregados na produção de muitos ácidos orgânicos e de algumas
preparações vitamínicas, e são responsáveis pela manufatura de certas drogas
antibióticas entre as quais destaca a penicilina.
Os fungos são tão prejudiciais como benefícios à agricultura. Por uma parte
prejudicam a colheita ocasionando perda de milhões de dólares por causa das
plantações, enquanto por outra parte aumentam a fertilidade do solo por trocas
que originam, que dão como resultado a produção de alimentos que são
aproveitados pelas plantas verdes, além de ser muito utilizado como alimento.
• CONCLUSÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Reino fungi
Reino fungi Reino fungi
Reino fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos e evasao
Fungos e evasaoFungos e evasao
Fungos e evasao
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Botânica aula2 fungos
Botânica aula2 fungosBotânica aula2 fungos
Botânica aula2 fungos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
2 s fungi_ maio 2015
2 s fungi_ maio 20152 s fungi_ maio 2015
2 s fungi_ maio 2015
 
Fungos aula
Fungos aulaFungos aula
Fungos aula
 
Reino fungos
Reino fungosReino fungos
Reino fungos
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Apresentação de Micologia
Apresentação de Micologia Apresentação de Micologia
Apresentação de Micologia
 
Reinofungi
ReinofungiReinofungi
Reinofungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
1239460666 reinofungi
1239460666 reinofungi1239460666 reinofungi
1239460666 reinofungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 

Destaque (20)

Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Grupo - 3
Grupo - 3 Grupo - 3
Grupo - 3
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
 
PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
 
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
 
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Algas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelularesAlgas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelulares
 
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
 
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
 

Semelhante a Fungos noturno 3 D

Semelhante a Fungos noturno 3 D (20)

5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Morfologiafisiologiaeclassificaodosfungos
MorfologiafisiologiaeclassificaodosfungosMorfologiafisiologiaeclassificaodosfungos
Morfologiafisiologiaeclassificaodosfungos
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Fungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e ProtistaFungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e Protista
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
fungos
fungosfungos
fungos
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Reino fungi.
Reino fungi.Reino fungi.
Reino fungi.
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego (20)

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Morsa 3ºB
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Foca 1º C
 
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Baleias 3º A
 
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
Pinguins-2º C
 
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Pinguins2ºC
 
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Leão 1 B
 
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Panda 1 C
 
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
Girafas 1 C
 
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
ÁGuia 1 A
 
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
 

Último

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Fungos noturno 3 D

  • 2. Os fungos não possuem nenhum pigmento fotossintético, não formam um tecido verdadeiro, não apresentam celulose na parede celular (com exceção de alguns fungos aquáticos inferiores) e não armazenam amido como substancia de reserva. Na sua parede celular, há a presença de uma substância quitinosa. Sua estrutura somática é representada por hifas, cujo conjunto constitui o denominado micélio. Pode apresentar o fenômeno denominado dicariofase (fase dicariótica prolongada, em que a fruitificação é composta de hifas binucleadas com presença simultânea de dois núcleos haplóides sexualmente opostos. São heterotróficos, eucariotos. Até pouco tempo, eram considerados como pertencentes ao reino Vegetalia, mas pelas considerações feitas acima a tendência atual é considera-los num reino a parte, O reino Fungi ou Mycetalia. • FUNGOS, DEFINIÇÃO.
  • 3. Definição: é uma infecção cutânea, com uma variedade em aspectos clinicos, cujos agentes etiológicos atacam com predileção a queratina da pele, pêlo e unhas. a infecção é geralmente restrita às camadas não vivas da superficie corpórea. A maioria destas infecções são causadas por um grupo homogêneo de fungos queratinofilicos chamados dermatófitos. Modo de Infecção: Inicia-se por um esporo ou articulo miceliano depositado sobre a pele e provavelmente do solo, de animais ou do homem. Os filamentos micelianos crescem excentricamente na camada córnea da pele e se ramificam. Após espaços de uma semana há uma reação cutânea e formação de vesiculas ao redor da lesão. O pêlo é penetrado secundariamente, o dermatófito vai utilizando a queratina do pêlo e benetrando em direção ao bulbo. Os cabelos parasitados, frágeis, podem se quebrar (tinhas tonsurantes). O aspecto dos elementos fúngicos dentro e ao redor dos pêlos e a presença de hifas septadas, ramificadas, artrosporadas nas escamas de pele e unhas, indicam seguramente uma infecção por dermatófitos. • FUNGOS PRODUTORES DE MICOSES CUTÂNEAS (DERMATOFITOSES)
  • 4. • Os fungos apresentam um conjunto de características próprias que permitem sua diferenciação das plantas: não sintetizam clorofila, não tem celulose na sua parede celular, exceto alguns fungos aquáticos e não armazenam amido como substância de reserva. • Os fungos são seres vivos eucarióticos, com um só núcleo, como as leveduras, ou multinucleados, como se observa entre os fungos filamentosos ou bolores. Seu citoplasma contém mitocôndrias e retículo endoplasmático rugoso. • São heterotróficos e nutrem-se de matéria orgânica morta - fungos saprofíticos, ou viva—fungos parasitários. • Fungos do gênero Cryptococcus, como o Cryptococcus neoformans apresentam cápsula de natureza polissacarídica, que envolve a parede celular. • Protoplastos de fungos podem ser obtidos pelo tratamento de seus cultivos, em condições hipertônicas, com enzimas de origem bacteriana ou extraídas do caracol Helix pomatia. • Os fungos são ubíquos, encontrando-se no solo, na água, nos vegetais, em animais, no homem e em detritos, em geral. O vento age como importante veiculo de dispersão de seus propágulos e fragmentos de hifa.
  • 5. Os fungos podem se desenvolver em meios de cultivo especiais formando colônias de dois tipos: - leveduriformes; - filamentosas. As colônias leveduriformes são pastosas ou cremosas, formadas por microrganismos unicelulares que cumprem as funções vegetativas e reprodutivas. As colônias filamentosas podem ser algodonosas, aveludadas ou pulverulentas; são constituídas fundamentalmente por elementos multicelulares em forma de tubo—as hifas. As hifas podem ser contínuas ou cenocíticas e tabicadas ou septadas. Possuem hifas septadas os fungos das Divisões Ascomycota, Basidiomycota e Deuteromycota e hifas cenocíticas, os das Divisões Mastigomycota e Zygomycota. Ao conjunto de hifas, dá-se o nome de micélio. O micélio que se desenvolve no interior do substrato, funcionando também como elemento de sustentação e de absorção de nutrientes, é chamado de micélio vegetativo. O micélio que se projeta na superficie e cresce acima do meio de cultivo é o micélio aéreo. Quando o micélio aéreo se diferencia para sustentar os corpos de frutificação ou propágulos, constitui o micélio reprodutivo. ESTRUTURA DOS FUNGOS
  • 6. - Blastoconídios. - Artroconídios. - Clamidoconídios. Os blastoconídios, também denominados gêmulas, são comuns nas leveduras e se derivam por brotamento da célula-mãe. As vezes, os blastoconídios permanecem ligados à célula-mãe, formando cadeias, as pseudo-hifas, cujo conjunto é o pseudomicélio. Os artroconídios são formados por fragmentação das hifas em segmentos retangulares. São encontratos nos fungos do gênero Geotrichum, em Coccidioides immitis e em dermatófitos.Os clamidoconídios têm função de resistência, semelhante a dos esporos bacterianos. São células, geralmente arredondadas, de volume aumentado, com paredes duplas e espessas, nas quis se concentra o citoplasma. Sua localização no micélio pode ser apical ou intercalar. Formam-se em condições ambientais adversas, como escassez de nutrientes, de água e temperaturas não favoráveis ao desenvolvimento fúngico. Entre outras estruturas de resistência devem ser mencionados os esclerócios ou esclerotos, que são corpúsculos duros e parenquimatosos, formados pelo conjunto de hifas e que permanecem em estado de dormência, até o aparecimento de condições adequadas para sua germinação. São encontrados em espécies de fungos das Divisões Ascomycota, Basidiomycota e Deuteromycota • Estes elementos são denominados de taloconídios e compreendem os:
  • 7. Os fungos se reproduzem em ciclos assexuais, sexuais e parassexuais. Segundo Alexoupolos, a reprodução assexuada abrange quatro modalidades: 1) fragmentação de artroconídios; 2) fissão de células somáticas; 3) brotamento ou gemulação do blastoconídios-mãe; 4) produção de conídios. Reprodução assexuada interna. Os esporos sexuados se originam da fusão de estruturas diferenciadas com caráter de sexualidade. O núcleo haplóide de uma célula doadora funde-se com o núcleo haplóide de uma célula receptora, formando um zigoto. Posteriormente, por divisão meiótica, originam-se quatro ou oito núcleos haplóides, alguns dos quais se recombinarão, geneticamente. Reprodução sexuada. Os esporos sexuados internos são chamados ascosporos e se formam no interior de estruturas em forma de saco, denominadas ascos. Os ascos podem ser simples, como em leveduras dos gêneros Saccharomyces e Hansenula, ou se distribuir em lóculos ou cavidades do micélio, dentro de um estroma, o ascostroma ou ainda estar contidos em corpos de frutificação, os ascocarpos. Três tipos de ascocarpos são bem conhecidos: cleistotécio, peritécio e apotécio. O cleistotécio é uma estrutura globosa, fechada, de parede formada por hifas muito unidas, com um número indeterminado de ascos, contendo cada um oito ascosporos. O peritécio é uma estrutura geralmente piriforme, dentro da qual os ascos nascem de uma camada hemenical e se dispõem em paliçada, exemplo, Leptosphaeria senegalensis, Neotestudina rosatii. O apotécio é um ascocarpo aberto, em forma de cálice onde se localizam os ascos. • REPRODUÇÃO DOS FUNGOS
  • 8. Os fungos são agentes responsáveis em grande parte pela decomposição das substâncias orgânicas e como tal, nos afetam de modo direto, pela destruição dos alimentos, tecidos, couro e outros artigos de consumo manufaturados com materiais sujeitos a seus ataques. Causam a maior parte das enfermidades das plantas e também muita enfermidade dos animais e dos homens constituem a base de uma quantidade de processos industriais de fermentação, tais como a elaboração do pão, vinho, cerveja, a fermentação da semente de cacau e a preparação de certos queijos; são empregados na produção de muitos ácidos orgânicos e de algumas preparações vitamínicas, e são responsáveis pela manufatura de certas drogas antibióticas entre as quais destaca a penicilina. Os fungos são tão prejudiciais como benefícios à agricultura. Por uma parte prejudicam a colheita ocasionando perda de milhões de dólares por causa das plantações, enquanto por outra parte aumentam a fertilidade do solo por trocas que originam, que dão como resultado a produção de alimentos que são aproveitados pelas plantas verdes, além de ser muito utilizado como alimento. • CONCLUSÃO