SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Vírus e Doenças Associadas
Vírus e Doenças Associadas Definição 	Os vírus são agentes infecciosos acelulares que, fora das células hospedeiras, são inertes, sem metabolismo próprio, mas dentro delas, seu ácido nucléico torna-se ativo, podendo se reproduzir. 2) Características Gerais Possuem um envoltório protéico que protege o material genético denominado capsídeo. O capsídeo pode ou não ser revestido por um envelope lipídico derivado das membranas celulares. Possuem um único tipo de ácido nucléico, DNA ou RNA. Existem vírus com DNA de fita dupla, simples, RNA de fita dupla ou simples. São parasitas intracelulares obrigatórios. Multiplicam-se dentro de células vivas usando a maquinaria de síntese das células. Não possuem metabolismo. Toda energia que utilizam provém da célula hospedeira.
Vírus e Doenças Associadas Características Gerais Tamanho dos vírus 	Tamanho dos vírus 300 nm 225 nm 90 nm Hemácia 10.000 nm 24 nm 150 nm 1.000 nm E. Coli (bactéria) nm = nanômetro
Vírus e Doenças Associadas 2)  Características Gerais Os vírus são organismos vivos? 	A vida pode ser definida como um complexo de processos resultantes da ação de proteínas codificadas por ácidos nucléicos. Os ácidos nucléicos das células vivas estão em constante atividade. 	Dessa maneira, os vírus não são considerados organismos vivos porque são inertes fora das células hospedeiras. 	No entanto, quando penetram em uma célula hospedeira, o ácido nucléico vitral torna-se ativo e funcional. 	Sob este ponto de vista, os vírus estão vivos quando proliferam dentro da célula hospedeira infectada
Vírus e Doenças Associadas 3)  Estrutura dos vírus Vírion= Partícula viral completa (ácido nucléico + capsídeo protéico). 		    Serve como veículo na transmissão de um hospedeiro para o outro. Os demais são exemplos de vírus não envelopados. O vírus da gripe é um exemplo de vírus envelopado. Existem vírus de diferentes formas geométricas (helicoidais, poliédricos, icosaédricos, cilíndricos...) Podemos classificar os vírus em dois grandes grupos: o grupo dos vírus Envelopados e o dos não Envelopados. No grupo dos vírus envelopados o capsídeo é coberto pelo envelope que é formado quando o vírus é exocitado da célula hospedeira. Dessa maneira, o envelope é formado por uma porção da membrana citoplasmática da célula hospedeira. No grupo dos não envelopados o capsídeonão se encontra envolvido pelo envelope, dessa maneira dizemos que o vírus é nu.
Vírus e Doenças Associadas 4)  Quem são os hospedeiros dos vírus? 	Praticamente todos os organismos vivos podem ser infectados pelos vírus. 	Os vírus podem infectar células de animais, vegetais, fungos, bactérias e protistas. Protozoário Vírus Célula Animal Fungo Célula Vegetal Bactéria
Vírus e Doenças Associadas 5)  Reprodução Viral ,[object Object]
O ácido nucléico dos vírus possui somente uma pequena parte dos genes necessários para a síntese de novos vírus.
As demais enzimas necessárias para a síntese protéica, síntese de ribossomos, RNAt, RNAm e ATP são fornecidas pela célula hospedeira.
Portanto, os vírus necessitam da via metabólica da célula para replicarem-se.Para estudarmos a reprodução viral vamos analisar a reprodução do bacteriófago, parasita intracelular de bactérias. Bacteriófago
Vírus e Doenças Associadas 5)  Reprodução Viral ,[object Object],Ciclo lítico: Termina com a lise e a morte da célula hospedeira. Ciclo lisogênico: A célula hospedeira permanece viva.
Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas 7) Ciclo Lisogênico O processo é semelhante ao ciclo lítico, porém o DNA do fago se insere ao DNA bacteriano. O vírus é agora chamado de profago. Toda vez que a bactéria replicar seu cromossomo o DNA do profago também é replicado, permanecendo latente nas células filhas. Genoma viral Genoma viral Porém, o DNA viral pode ser removido do cromossomo bacteriano e iniciar um ciclo lítico Cromossomo bacteriano Genoma viral No ciclo lisogênico as células não morrem e os vírus neste caso são chamados de temperados. Ciclo Lítico
Vírus e Doenças Associadas Ciclo Lítico e Lisogênico Ocasionalmente, o profago solta-se do cromossomo bacteriano e inicia um ciclo lítico DNA do fago As sucessivas divisões celulares geram uma população de bactérias portadoras do profago Cromossomo bacteriano Ciclo lisogênico Ciclo lítico A célula é lisada liberando os fagos Ou Genoma viral A bactéria se reproduz normalmente, copiando o profago e transmitindo-o às células-filhas O fago multiplica-se na bactéria hospedeira
Vírus e Doenças Associadas 7) Conseqüências do ciclo lisogênico Genoma viral Células contendo o genoma viral (profago) são imunes à reinfecção por um fago da mesma espécie. As células hospedeiras podem vir a apresentar novas características. Ex: A toxina produzida pela bactéria causadora do botulismo Clostridiumbotulinum, é codificada por um gene de um profago. Permite a transdução bacteriana (tipo de reprodução sexuada em bactérias)
Vírus e Doenças Associadas 7) Vídeo mostrando ação do vírus bacteriófago T4
Vírus e Doenças Associadas 8) Retrovírus - HIV Atenção: Para ser considerado retrovírus, não basta possuir RNA é necessário a presença da enzima transcriptase reversa. ,[object Object]
  Possui duas fitas idênticas de RNA.
  Possui a enzima transcriptasereversa.
  O HIV é um retrovírus pois possui a capacidade de produzir DNA a partir de RNA.Envelope Lipoprotéico Capsídeo 2 moléculas de RNA Enzimas transcriptaseReversa
Vírus e Doenças Associadas 8) Ciclo de um Retrovírus - HIV
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Bucal 	Agente Etiológico: Herpes simplex tipo I 	Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. 	Sintomas: Formação de bolhas e feridas no tecido epitelial dos lábios. Acomete cerca de 90% da população mundial. A grande maioria das pessoas possuem o vírus, mas são assintomáticos. Os sintomas aparecem quando a pessoa apresenta elevados níveis de stress, 	        disfunção hormonal ou excessiva exposição à raios solares. 	Tratamento: Utilização de pomadas que inibem o desenvolvimento viral. 	Profilaxia: Evitar o contato com pessoas que apresentam os sintomas Evitar o compartilhamento de copos e talheres.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Bucal - Sintomas  Herpes simplex tipo I Vírus Capsulado
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Genital 	Agente Etiológico: Herpes simplex tipo II 	Forma de transmissão: Contato sexual 	Sintomas: Formação de ferimentos na base do pênis e na região externa da vagina. Os ferimentos liberam um líquido viscoso contendo o vírus. No estágio mais avançado, o uso de camisinha é pouco eficiente. Os principais sintomas são: dor, coceira, ardor e dificuldade ao urinar. 	Tratamento: Utilização de pomadas que inibem o desenvolvimento viral. 	Profilaxia: Abstinência sexual quando os sintomas estiverem presentes e utilização de preservativos.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Genital - Sintomas Herpes simplex tipo II Vírus Capsulado
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite A 	Agente Etiológico: Vírus da Hepatite A 	Forma de transmissão: Ingestão de água ou alimentos contaminados com o vírus. 	Sintomas: Inflamação do fígado Febre 		        Pele e olhos amarelados (Icterícia) 		        Náuseas 		        Vômitos 	Tratamento: Medicamentos que reduzem os sintomas. Geralmente o sistema imune consegue eliminar o vírus. 	Profilaxia: Educação Sanitária e saneamento básico.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite A - Sintomas Vírus da hepatite A Vírus Capsulado
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite B e C 	Agente Etiológico: Vírus da Hepatite B e C 	Forma de transmissão: Contato com o sangue de pessoas contaminadas. Geralmente o contágio se dá por contato sexual, compartilhamento de seringas e transfusão de sangue. 	Sintomas: Inflamação do fígado Dores de cabeça e do corpo 		        Pele e olhos amarelados 		        Náuseas 		        Vômitos 	Tratamento: Utilização de medicamentos que inibem a ação viral. 	Profilaxia: Vacina – Hepatite B. Medicamentos antiviruais Hepatite C - Uso de preservativos nas relações sexuais, controle dos bancos de sangue, utilizar somente seringas descartáveis e não as compartilhar. A hepatite C se não tratada rapidamente pode evoluir para o quadro de cirrose.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite B e C Vírus da hepatite B e C Vírus Capsulado
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS  -  (Síndrome da Imunodeficiência Humana) 	Agente Etiológico: Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) 	Forma de transmissão: Contato com os seguintes líquidos corporais infectados: Sangue Esperma Secreções vaginais Leite materno Acredita-se que o vírus possa atravessar a placenta e infectar o feto. 	Sintomas: Febre, calafrios, dores musculares, aparecimento de ínguas no pescoço, náusea, vômito. 	Tratamento: Não há cura – O tratamento consiste na utilização de medicamentos que inibem a reprodução viral e aumentam dessa maneira a sobrevida dos pacientes. 	Profilaxia: Educação sexual, uso de preservativos nas relações sexuais, controle dos bancos de sangue, utilizar somente seringas descartáveis e não as compartilhar, esterilização de instrumentos cirúrgicos e odontológicos, evitar a amamentação quando as mães são soropositivas.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS  -  (Síndrome da Imunodeficiência Humana) ,[object Object]
Os linfócitos CD4 são responsáveis por “alertar” o organismo quando há a invasão de agentes estranhos (antígenos).
Com a morte de células CD4 o sistema imune se torna deficiente e começam a surgir doenças oportunistas.	As principais doenças oportunistas são: Tuberculose Candidíase Câncer Pneumonia Assim, a maioria das pessoas que adquirem o vírus HIV não morrem de AIDS, mas sim de doenças oportunistas que aproveitam a deficiência do sistema imune para se manifestar.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS  -  (Síndrome da Imunodeficiência Humana) ,[object Object]
Os vírus HIV podem permanecer “inativos” por cerca de 10 anos no organismo e o paciente nesse período não manifesta nenhum sintoma.
Por motivos ainda inexplicáveis os vírus tornam-se ativos e iniciam a reprodução via ciclo lítico e a partir disso o paciente começa a desenvolver os sintomas da doença.
Todo HIV positivo ou (Soropositivo) é aidético?Pessoas que possuem o vírus, mas não desenvolveram os sintomas da AIDs, pelo fato dos vírus ainda estarem em estado latente (ciclo lisogênico) são denominadas Soropositivas ou HIV positivas. (HIV Positivo = Portador do vírus) Pessoas que são soropositivas ou HIV positivas, apesar de não manifestarem nenhum sintoma, podem transmitir ao vírus. São chamados de aidéticos aqueles pacientes que já apresentam os sintomas da AIDS (febre, calafrios, dores musculares, aparecimento de ínguas no pescoço, náusea, vômito) e também sintomas de doenças oportunistas.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS  -  (Síndrome da Imunodeficiência Humana)
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS  -  Sintomas
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Sarampo 	Agente Etiológico: Vírus do sarampo 	Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. 	Sintomas: Febre alta 		         Tosse seca 		         Aparecimento de manchas vermelhas pelo corpo 	Tratamento: Não possui. Geralmente o sistema imune consegue eliminar o vírus. 	Profilaxia: Vacinação na infância (tríplice viral)
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Sarampo Vírus do sarampo Vírus Capsulado
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Catapora – (Varicela) 	Agente Etiológico: Varicela zoster 	Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. 	Sintomas: Lesões na pele que causam ardor e coceira 		        Em crianças: catapora ou varicela 		        Em aduto: cobreiro 	Tratamento: Não possui. Geralmente o sistema imune consegue eliminar o vírus. 	Profilaxia: Vacinação na infância 		        Evitar contato com pessoas contaminadas
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Catapora – (Varicela)
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela I) Agente Etiológico Vírus da Febre Amarela (Flavivírus – Vírus de RNA) 	II) Agente Vetor  Aedesaegypti(Ambiente Urbano)  Haemagogos (Ambiente Silvestre) III) Hospedeiros Vertebrados Macacos e Roedores (Ambiente Silvestre) Homem (Quando este invade o ambiente silvestre sem vacinação prévia) Obs: A febre amarela urbana não é mais relatada no Brasil desde 1960.
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela IV) Transmissão  Através da picada do mosquito Hemagogoscontaminado em regiões endêmicas, que no Brasil, se referem as regiões Norte e Centro-Oeste. 	V) Ciclo Biológico Haemagogos Aedes aegypti
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela V) Áreas de Risco
Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela 	VI) Sintomas ,[object Object]
 Hemorragia (vômito escuro)
 Insuficiência renal aguda (albuminúria intensa)
 Febre de início súbito, com duração máxima de 12 dias
 Calafrios
 Dor de cabeça intensa,
 Dores musculares,
 ProstraçãoForma grave (50% dos infectados) ,[object Object]
Anóxia Tissular
 ChoqueDestruição de células do fígado e células endoteliais (hemorragias).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 

Destaque

LAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYA
LAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYALAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYA
LAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYALAEC UNIVAG
 
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaZika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaFelipe Batista
 
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e EsclarecendoZika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e EsclarecendoAlexandre Naime Barbosa
 
dengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunyadengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunyaAllison Domecht
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaPaulo Firmino
 

Destaque (10)

Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Slide bacterias
Slide bacteriasSlide bacterias
Slide bacterias
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Doenças vírais
Doenças víraisDoenças vírais
Doenças vírais
 
LAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYA
LAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYALAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYA
LAEC - Liga Acadêmica de Emergências Clínicas - ZIKA, DENGUE e CHIKUNGUNYA
 
Dengue e Chikungunya
Dengue e ChikungunyaDengue e Chikungunya
Dengue e Chikungunya
 
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaZika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
 
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e EsclarecendoZika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
 
dengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunyadengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunya
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 

Semelhante a Virus e viroses

Características dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusCaracterísticas dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusMateusAlexandre21
 
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoCEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoPCachoeira
 
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............xcaracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............xGracyPacheco1
 
Aula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasAula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasbiologiajr
 
Virusa1 110221201614-phpapp02
Virusa1 110221201614-phpapp02Virusa1 110221201614-phpapp02
Virusa1 110221201614-phpapp02Paula Cruz
 
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfTiagoSantos74563
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?Berenice Damasceno
 

Semelhante a Virus e viroses (20)

Aula virus (1)
Aula virus (1)Aula virus (1)
Aula virus (1)
 
Vírus.ppt
Vírus.pptVírus.ppt
Vírus.ppt
 
Vírus.pptx
Vírus.pptxVírus.pptx
Vírus.pptx
 
Virus-aula.ppt
Virus-aula.pptVirus-aula.ppt
Virus-aula.ppt
 
Virus.ppt
Virus.pptVirus.ppt
Virus.ppt
 
Virus.ppt
Virus.pptVirus.ppt
Virus.ppt
 
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusCaracterísticas dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoCEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
 
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............xcaracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
 
Aula virus 3
Aula virus 3Aula virus 3
Aula virus 3
 
Aula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasAula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticas
 
1 vírus
1 vírus1 vírus
1 vírus
 
Virus a.1
Virus a.1Virus a.1
Virus a.1
 
Virusa1 110221201614-phpapp02
Virusa1 110221201614-phpapp02Virusa1 110221201614-phpapp02
Virusa1 110221201614-phpapp02
 
Virus a1
Virus a1 Virus a1
Virus a1
 
Aula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercíciosAula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercícios
 
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
Virus
VirusVirus
Virus
 

Mais de Elizabete Costa

Mais de Elizabete Costa (11)

Angiospermas2
Angiospermas2Angiospermas2
Angiospermas2
 
Proctista
ProctistaProctista
Proctista
 
Reino vegetal
Reino vegetalReino vegetal
Reino vegetal
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
áCidos nucléicos
áCidos nucléicosáCidos nucléicos
áCidos nucléicos
 
Métodos contraceptivos gerais
Métodos contraceptivos geraisMétodos contraceptivos gerais
Métodos contraceptivos gerais
 
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Evolucao e especiação
Evolucao e especiaçãoEvolucao e especiação
Evolucao e especiação
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
Introdução ao desenvolvimento embrionário
Introdução ao desenvolvimento embrionárioIntrodução ao desenvolvimento embrionário
Introdução ao desenvolvimento embrionário
 

Último

Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 

Último (20)

Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 

Virus e viroses

  • 1. Vírus e Doenças Associadas
  • 2. Vírus e Doenças Associadas Definição Os vírus são agentes infecciosos acelulares que, fora das células hospedeiras, são inertes, sem metabolismo próprio, mas dentro delas, seu ácido nucléico torna-se ativo, podendo se reproduzir. 2) Características Gerais Possuem um envoltório protéico que protege o material genético denominado capsídeo. O capsídeo pode ou não ser revestido por um envelope lipídico derivado das membranas celulares. Possuem um único tipo de ácido nucléico, DNA ou RNA. Existem vírus com DNA de fita dupla, simples, RNA de fita dupla ou simples. São parasitas intracelulares obrigatórios. Multiplicam-se dentro de células vivas usando a maquinaria de síntese das células. Não possuem metabolismo. Toda energia que utilizam provém da célula hospedeira.
  • 3. Vírus e Doenças Associadas Características Gerais Tamanho dos vírus Tamanho dos vírus 300 nm 225 nm 90 nm Hemácia 10.000 nm 24 nm 150 nm 1.000 nm E. Coli (bactéria) nm = nanômetro
  • 4. Vírus e Doenças Associadas 2) Características Gerais Os vírus são organismos vivos? A vida pode ser definida como um complexo de processos resultantes da ação de proteínas codificadas por ácidos nucléicos. Os ácidos nucléicos das células vivas estão em constante atividade. Dessa maneira, os vírus não são considerados organismos vivos porque são inertes fora das células hospedeiras. No entanto, quando penetram em uma célula hospedeira, o ácido nucléico vitral torna-se ativo e funcional. Sob este ponto de vista, os vírus estão vivos quando proliferam dentro da célula hospedeira infectada
  • 5. Vírus e Doenças Associadas 3) Estrutura dos vírus Vírion= Partícula viral completa (ácido nucléico + capsídeo protéico). Serve como veículo na transmissão de um hospedeiro para o outro. Os demais são exemplos de vírus não envelopados. O vírus da gripe é um exemplo de vírus envelopado. Existem vírus de diferentes formas geométricas (helicoidais, poliédricos, icosaédricos, cilíndricos...) Podemos classificar os vírus em dois grandes grupos: o grupo dos vírus Envelopados e o dos não Envelopados. No grupo dos vírus envelopados o capsídeo é coberto pelo envelope que é formado quando o vírus é exocitado da célula hospedeira. Dessa maneira, o envelope é formado por uma porção da membrana citoplasmática da célula hospedeira. No grupo dos não envelopados o capsídeonão se encontra envolvido pelo envelope, dessa maneira dizemos que o vírus é nu.
  • 6. Vírus e Doenças Associadas 4) Quem são os hospedeiros dos vírus? Praticamente todos os organismos vivos podem ser infectados pelos vírus. Os vírus podem infectar células de animais, vegetais, fungos, bactérias e protistas. Protozoário Vírus Célula Animal Fungo Célula Vegetal Bactéria
  • 7.
  • 8. O ácido nucléico dos vírus possui somente uma pequena parte dos genes necessários para a síntese de novos vírus.
  • 9. As demais enzimas necessárias para a síntese protéica, síntese de ribossomos, RNAt, RNAm e ATP são fornecidas pela célula hospedeira.
  • 10. Portanto, os vírus necessitam da via metabólica da célula para replicarem-se.Para estudarmos a reprodução viral vamos analisar a reprodução do bacteriófago, parasita intracelular de bactérias. Bacteriófago
  • 11.
  • 12. Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
  • 13. Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
  • 14. Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
  • 15. Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
  • 16. Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
  • 17. Vírus e Doenças Associadas 6) Ciclo Lítico
  • 18. Vírus e Doenças Associadas 7) Ciclo Lisogênico O processo é semelhante ao ciclo lítico, porém o DNA do fago se insere ao DNA bacteriano. O vírus é agora chamado de profago. Toda vez que a bactéria replicar seu cromossomo o DNA do profago também é replicado, permanecendo latente nas células filhas. Genoma viral Genoma viral Porém, o DNA viral pode ser removido do cromossomo bacteriano e iniciar um ciclo lítico Cromossomo bacteriano Genoma viral No ciclo lisogênico as células não morrem e os vírus neste caso são chamados de temperados. Ciclo Lítico
  • 19. Vírus e Doenças Associadas Ciclo Lítico e Lisogênico Ocasionalmente, o profago solta-se do cromossomo bacteriano e inicia um ciclo lítico DNA do fago As sucessivas divisões celulares geram uma população de bactérias portadoras do profago Cromossomo bacteriano Ciclo lisogênico Ciclo lítico A célula é lisada liberando os fagos Ou Genoma viral A bactéria se reproduz normalmente, copiando o profago e transmitindo-o às células-filhas O fago multiplica-se na bactéria hospedeira
  • 20. Vírus e Doenças Associadas 7) Conseqüências do ciclo lisogênico Genoma viral Células contendo o genoma viral (profago) são imunes à reinfecção por um fago da mesma espécie. As células hospedeiras podem vir a apresentar novas características. Ex: A toxina produzida pela bactéria causadora do botulismo Clostridiumbotulinum, é codificada por um gene de um profago. Permite a transdução bacteriana (tipo de reprodução sexuada em bactérias)
  • 21. Vírus e Doenças Associadas 7) Vídeo mostrando ação do vírus bacteriófago T4
  • 22.
  • 23. Possui duas fitas idênticas de RNA.
  • 24. Possui a enzima transcriptasereversa.
  • 25. O HIV é um retrovírus pois possui a capacidade de produzir DNA a partir de RNA.Envelope Lipoprotéico Capsídeo 2 moléculas de RNA Enzimas transcriptaseReversa
  • 26. Vírus e Doenças Associadas 8) Ciclo de um Retrovírus - HIV
  • 27. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Bucal Agente Etiológico: Herpes simplex tipo I Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Sintomas: Formação de bolhas e feridas no tecido epitelial dos lábios. Acomete cerca de 90% da população mundial. A grande maioria das pessoas possuem o vírus, mas são assintomáticos. Os sintomas aparecem quando a pessoa apresenta elevados níveis de stress, disfunção hormonal ou excessiva exposição à raios solares. Tratamento: Utilização de pomadas que inibem o desenvolvimento viral. Profilaxia: Evitar o contato com pessoas que apresentam os sintomas Evitar o compartilhamento de copos e talheres.
  • 28. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Bucal - Sintomas Herpes simplex tipo I Vírus Capsulado
  • 29. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Genital Agente Etiológico: Herpes simplex tipo II Forma de transmissão: Contato sexual Sintomas: Formação de ferimentos na base do pênis e na região externa da vagina. Os ferimentos liberam um líquido viscoso contendo o vírus. No estágio mais avançado, o uso de camisinha é pouco eficiente. Os principais sintomas são: dor, coceira, ardor e dificuldade ao urinar. Tratamento: Utilização de pomadas que inibem o desenvolvimento viral. Profilaxia: Abstinência sexual quando os sintomas estiverem presentes e utilização de preservativos.
  • 30. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hespes Genital - Sintomas Herpes simplex tipo II Vírus Capsulado
  • 31. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite A Agente Etiológico: Vírus da Hepatite A Forma de transmissão: Ingestão de água ou alimentos contaminados com o vírus. Sintomas: Inflamação do fígado Febre Pele e olhos amarelados (Icterícia) Náuseas Vômitos Tratamento: Medicamentos que reduzem os sintomas. Geralmente o sistema imune consegue eliminar o vírus. Profilaxia: Educação Sanitária e saneamento básico.
  • 32. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite A - Sintomas Vírus da hepatite A Vírus Capsulado
  • 33. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite B e C Agente Etiológico: Vírus da Hepatite B e C Forma de transmissão: Contato com o sangue de pessoas contaminadas. Geralmente o contágio se dá por contato sexual, compartilhamento de seringas e transfusão de sangue. Sintomas: Inflamação do fígado Dores de cabeça e do corpo Pele e olhos amarelados Náuseas Vômitos Tratamento: Utilização de medicamentos que inibem a ação viral. Profilaxia: Vacina – Hepatite B. Medicamentos antiviruais Hepatite C - Uso de preservativos nas relações sexuais, controle dos bancos de sangue, utilizar somente seringas descartáveis e não as compartilhar. A hepatite C se não tratada rapidamente pode evoluir para o quadro de cirrose.
  • 34. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Hepatite B e C Vírus da hepatite B e C Vírus Capsulado
  • 35. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS - (Síndrome da Imunodeficiência Humana) Agente Etiológico: Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) Forma de transmissão: Contato com os seguintes líquidos corporais infectados: Sangue Esperma Secreções vaginais Leite materno Acredita-se que o vírus possa atravessar a placenta e infectar o feto. Sintomas: Febre, calafrios, dores musculares, aparecimento de ínguas no pescoço, náusea, vômito. Tratamento: Não há cura – O tratamento consiste na utilização de medicamentos que inibem a reprodução viral e aumentam dessa maneira a sobrevida dos pacientes. Profilaxia: Educação sexual, uso de preservativos nas relações sexuais, controle dos bancos de sangue, utilizar somente seringas descartáveis e não as compartilhar, esterilização de instrumentos cirúrgicos e odontológicos, evitar a amamentação quando as mães são soropositivas.
  • 36.
  • 37. Os linfócitos CD4 são responsáveis por “alertar” o organismo quando há a invasão de agentes estranhos (antígenos).
  • 38. Com a morte de células CD4 o sistema imune se torna deficiente e começam a surgir doenças oportunistas. As principais doenças oportunistas são: Tuberculose Candidíase Câncer Pneumonia Assim, a maioria das pessoas que adquirem o vírus HIV não morrem de AIDS, mas sim de doenças oportunistas que aproveitam a deficiência do sistema imune para se manifestar.
  • 39.
  • 40. Os vírus HIV podem permanecer “inativos” por cerca de 10 anos no organismo e o paciente nesse período não manifesta nenhum sintoma.
  • 41. Por motivos ainda inexplicáveis os vírus tornam-se ativos e iniciam a reprodução via ciclo lítico e a partir disso o paciente começa a desenvolver os sintomas da doença.
  • 42. Todo HIV positivo ou (Soropositivo) é aidético?Pessoas que possuem o vírus, mas não desenvolveram os sintomas da AIDs, pelo fato dos vírus ainda estarem em estado latente (ciclo lisogênico) são denominadas Soropositivas ou HIV positivas. (HIV Positivo = Portador do vírus) Pessoas que são soropositivas ou HIV positivas, apesar de não manifestarem nenhum sintoma, podem transmitir ao vírus. São chamados de aidéticos aqueles pacientes que já apresentam os sintomas da AIDS (febre, calafrios, dores musculares, aparecimento de ínguas no pescoço, náusea, vômito) e também sintomas de doenças oportunistas.
  • 43. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS - (Síndrome da Imunodeficiência Humana)
  • 44. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses AIDS - Sintomas
  • 45. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Sarampo Agente Etiológico: Vírus do sarampo Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Sintomas: Febre alta Tosse seca Aparecimento de manchas vermelhas pelo corpo Tratamento: Não possui. Geralmente o sistema imune consegue eliminar o vírus. Profilaxia: Vacinação na infância (tríplice viral)
  • 46. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Sarampo Vírus do sarampo Vírus Capsulado
  • 47. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Catapora – (Varicela) Agente Etiológico: Varicela zoster Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Sintomas: Lesões na pele que causam ardor e coceira Em crianças: catapora ou varicela Em aduto: cobreiro Tratamento: Não possui. Geralmente o sistema imune consegue eliminar o vírus. Profilaxia: Vacinação na infância Evitar contato com pessoas contaminadas
  • 48. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Catapora – (Varicela)
  • 49. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela I) Agente Etiológico Vírus da Febre Amarela (Flavivírus – Vírus de RNA) II) Agente Vetor Aedesaegypti(Ambiente Urbano) Haemagogos (Ambiente Silvestre) III) Hospedeiros Vertebrados Macacos e Roedores (Ambiente Silvestre) Homem (Quando este invade o ambiente silvestre sem vacinação prévia) Obs: A febre amarela urbana não é mais relatada no Brasil desde 1960.
  • 50. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela IV) Transmissão Através da picada do mosquito Hemagogoscontaminado em regiões endêmicas, que no Brasil, se referem as regiões Norte e Centro-Oeste. V) Ciclo Biológico Haemagogos Aedes aegypti
  • 51. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Febre Amarela V) Áreas de Risco
  • 52.
  • 54. Insuficiência renal aguda (albuminúria intensa)
  • 55. Febre de início súbito, com duração máxima de 12 dias
  • 57. Dor de cabeça intensa,
  • 59.
  • 61. ChoqueDestruição de células do fígado e células endoteliais (hemorragias).
  • 62.
  • 63. Ambiente rural: morcegos hematófagos. Sintomas nos animais doentes: Encefalite, agressividade excessiva, aumento da salivação, incapacidade de deglutição (hidrofobia). Sintomas no homem: Insônia, dor de cabeça, convulsões, salivação excessiva, febre, espasmo dos músculos da glote, dificuldade de deglutição (hidrofobia). Profilaxia: Não possui cura. Vacinação dos animais domésticos. Vacina anti-rábica para seres humanos.
  • 64. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Raiva
  • 65. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Poliomielite Agente Etiológico: Poliovírus (vírus da paralisia infantil) Forma de transmissão: Ingestão de água e alimentos contaminados com o vírus e contato pessoa-pessoa. Sintomas: O vírus atinge o sistema nervoso, onde sua multiplicação pode levar à destruição de neurônios motores, levando a paralisia de membros. Tratamento: Não possui tratamento específico. Profilaxia: Não possui cura. Vacinas Sabin e Salk Erradicada no Brasil desde 1989
  • 66. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Poliomielite
  • 67. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Dengue Agente Etiológico: Vírus da dengue Forma de transmissão: Através da picada da fêmea do mosquito Aedesaegyptie Aedesabopictus. Sintomas: Dores lombares, tonteiras, desmaios e febre aguda. Tratamento: O tratamento consistem apenas na tentativa de remediar os sintomas. A aspirina é contra-indicado por interferir na coagulação sanguínea. Profilaxia: Eliminação de criadouros do mosquito (objetos que acumulem água parada) Utilização de inseticidas e repelentes. Na forma hemorrágica, além dos sintomas acima, ocorre alterações no sistema de coagulação sanguínea onde pequenos vasos podem sangrar na pele e em órgãos internos, levando a hemorragias.
  • 68. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Dengue
  • 69. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Caxumba Agente Etiológico: Vírus da Parótida infecciosa Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Sintomas: Aumento das glândulas parótidas (salivares). Tratamento: Não possui. Profilaxia: Vacinação (tríplice viral) Raramente pode acometer o sistema nervoso e os testículos.
  • 70. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Caxumba
  • 71. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Rubéola Agente Etiológico: Vírus da Rubéola Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Sintomas: Surgimento de manchas vermelhas na pele Tratamento: Soro. Profilaxia: Vacinação (tríplice viral), Exame pré-natal em mulheres grávidas. Vacinação de mulheres que estão no período fértil, mas que ainda não estão imunes ao vírus. Perigo! O vírus da Rubéola em mulheres grávidas é capaz de atravessar a barreira placentária e infectar o feto, causando cegueira, surdez e retardo mental.
  • 72. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Rubéola
  • 73. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Gripe Agente Etiológico: Vírus Influenza Forma de transmissão: Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoa-pessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Sintomas: Febre, calafrios, dores de cabeça e musculares. Tratamento: Não existe. Há medicamentos que aliviam os sintomas. Profilaxia: Evitar o contato com pessoas infectadas, evitar permanecer por longos períodos em ambientes fechados, vacina.
  • 74. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Gripe Aviária Agente Etiológico: Vírus Influenza H5N1 Forma de transmissão: Contato direto com secreções de aves infectadas pelo vírus através do ar, água, alimentos ou roupas contaminadas. Sintomas:Febre alta, dores musculares, dificuldades e problemas respiratórios. Tratamento: Não existe. Profilaxia: Sacrificar todos os animais que possam estar infectadas pelo vírus. A maioria das aves morrem 24 horas após o contágio. O vírus atualmente só é transmitido de aves para seres humanos. O grande perigo consiste no vírus sofrer alguma mutação que o permita ser transmitido de humano para humano.
  • 75. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses Gripe Aviária
  • 76. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses - Gripe A As formas de transmissão da gripe A são semelhantes à de qualquer outra gripe. A gripe A, ou gripe suína como era reconhecida até 30 de abril de 2009, é causada pelo vírus Influenza tipo A/H1N1 modificado, denominado A/CALIFORNIA/04/2009. Esse, resultante da união de material genético de cepas da gripe humana, aviária e suina; extrapolou a barreira de espécies e passou a atingir seres humanos.
  • 77. Vírus e Doenças Associadas 9) Contágio da Gripe
  • 78. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses HPV – (Papiloma Vírus Humano) Agente Etiológico: Vírus HPV Forma de transmissão: Contato sexual. Sintomas: Lesões precursoras do câncer no colo uterino, aparecimento de verrugas na pele e principalmente nos órgãos genitais. Tratamento: Retirada das lesões através de procedimentos cirúrgicos. Profilaxia: Uso de preservativos nas relações sexuais, realização de exames periódicos (papanicolau) para detecção de lesões no útero. O HPV pode permanecer durante anos em estado de latência no organismo, suas manifestações podem aparecer ou reaparecer em qualquer momento da vida sem um motivo aparente.
  • 79. Vírus e Doenças Associadas 9) Principais Viroses HPV – (Papiloma Vírus Humano) Lesão causada pelo HPV na parede do colo uterino
  • 80. 9) Principais Viroses HPV – (Papiloma Vírus Humano)
  • 81. Terapia genética usando vírus Na maioria dos estudos a respeito de terapia genética, um gene "normal" é inserido no genoma para substituir um gene "anômalo" causador de doença. Uma molécula transportadora, chamada vetor, precisa ser usada para se enviar o gene terapêutico para as células-alvo do paciente. Atualmente, o vetor mais comum é um vírus que foi geneticamente alterado para transportar DNA humano normal. Vírus evoluíram de forma a encapsular e transportar seus genes para células humanas, causando doenças. Cientistas tentaram aproveitar essa capacidade e manipular o genoma dos vírus, removendo os genes causadores de doença e inserindo genes terapêuticos. Células-alvo, tais como células do fígado ou dos pulmões do paciente, são infectadas com o vetor. O vetor, então, descarrega seu material genético, contendo o gene terapêutico humano, na célula-alvo. A produção de proteínas funcionais pelos genes terapêuticos restauram as células-alvo a um estado de normalidade.
  • 82. Terapia genética usando vírus    Terapia genética usando um Adenovírus como vetor. Um novo gene é inserido no adenovírus, que é usado para introduzir o DNA modificado na célula humana. Se o tratamento for bem sucedido, o novo gene vai produzir uma proteína funcional.