SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Funções da
Linguagem
Profª Andriane
Qual o objetivo de um texto?
Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações:
● transmitimos informações;
● tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer) algo;
● assumimos compromissos;
● ordenamos, pedimos;
● demonstramos sentimentos;
● construímos representações mentais sobre nosso mundo.
Lembre-se
Diferenciar que objetivo predomina em cada
situação de comunicação auxilia a
compreender melhor o que foi dito.
As funções da linguagem estão centradas nos
elementos da comunicação.
Função Emotiva
● Centralizada no emissor, revela sua opinião, sua emoção.
● Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e exclamações.
● É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor.
Ex.: “Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco de medo. A que me
levará minha liberdade? O que é isto que estou te escrevendo? Isto me deixa
solitária”.
Função Emotiva
Função Emotiva
Observe que este texto está centrado na expressão dos
sentimentos, emoções e opiniões de um eu-lírico. É um texto subjetivo,
pessoal. Perceba que o destaque dado ao emissor é reforçado pela
presença de verbos e pronomes na primeira pessoa: “Às vezes me
pinto nuvem”. Os textos líricos que expressam o estado de alma do
emissor exemplificam a função emotiva da linguagem.
Função Referencial (ou denotativa)
● Centralizada no referente, quando o emissor procura oferecer informações da
realidade.
● Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular.
● Usada nas notícias de jornal e livros científicos, descrições de fatos.
Ex.: Em 1665, Londres foi assolada pela peste negra (peste bubônica) que dizimou
grande parte de sua população, provocando a quase total paralisação da cidade e
acarretando o fechamento de repartições públicas.
Função Referencial (ou denotativa)
Função Referencial (ou denotativa)
Observe que o objetivo do texto é simplesmente o de informar ao
leitor, com o máximo de clareza, o que é o cravo da pele e como ele se
constitui. A ênfase, portanto, é dada ao conteúdo, às informações. Os
textos cuja linguagem têm função referencial são dotados de
objetividade, uma vez que visam informar, traduzir ou explicar fatos da
realidade.
Função Apelativa (ou conativa)
● Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar o comportamento
do receptor.
● Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de “tu” e “você”,
além de verbos no imperativo.
● Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente
ao consumidor.
Ex.: Meu estimado povo. Que as bênçãos de Deus, senhor onipotente, desçam
sobre vocês.
Função Apelativa (ou conativa)
Função Apelativa (ou conativa)
Função Fática
● Centralizada no canal da comunicação.
● Testa a sua eficiência, a fim de observar se o receptor entendeu o
emissor.
● Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares.
Ex.: Alô, Pedro! Tô passando aí pra te pegar, ok? Tá me ouvindo?
Alô!!
Função Fática
Observe que a preocupação do emissor é manter contato com o
destinatário, testando o canal de comunicação. As falas do professor
têm uma função fática, para saber se Beto está atento. O mesmo
ocorre com o famoso “plim! plim!” da Rede Globo, que tem a função de
chamar a atenção do espectador (que se “distraiu” durante o intervalo
comercial) para o canal, no caso, a televisão.
Função Poética
● Centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo
emissor.
● Valorizam-se as palavras e suas combinações.
● É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música
e em algumas propagandas.
Ex.: Moça do corpo dourado/ Do sol de lpanema/ O seu balançado é mais
que um poema/ É a coisa mais linda que eu já vi passar...
Função Poética
O Anel de Vidro
Aquele pequenino anel que tu me deste,
— Ai de mim — era vidro e logo se quebrou
Assim também o eterno amor que prometeste,
— Eterno! era bem pouco e cedo se acabou.
Frágil penhor que foi do amor que me tiveste,
Símbolo da afeição que o tempo aniquilou, —
Aquele pequenino anel que tu me deste,
— Ai de mim — era vidro e logo se quebrou
Não me turbou, porém, o despeito que investe
Gritando maldições contra aquilo que amou.
De ti conservo no peito a saudade celeste
Como também guardei o pó que me ficou
Daquele pequenino anel que tu me deste.
Manuel Bandeira
Função Metalinguística
● Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela mesma.
● A poesia que fala da poesia, um texto que comenta outro texto, palavras que
explicam o significado de outra palavra, escrever sobre o ato de escrever, falar
sobre o ato de falar.
Ex.: protuberância s.f do Lat. *protuberantia, de protuberare, fazer bojo; saliência;
parte saliente; elevação.
Função Metalinguística
Importante
As funções da linguagem não existem isoladas em
cada texto. Embora uma delas acabe predominando, elas
convivem, mesclam-se, entrecruzam-se o tempo todo,
obtendo-se de suas combinações os mais diferentes
efeitos. O importante é saber qual a função predominante
no texto, para então defini-lo.
Atividade 1
Desabafo
Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem como disfarçar: esta é
uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que esqueci ontem à noite. Seis recados para serem
respondidos na secretária eletrônica. Recados chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado.
CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento).
Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções da linguagem, com o predomínio, entretanto, de uma
sobre as outras. No fragmento da crônica Desabafo, a função da linguagem predominante é a emotiva ou expressiva, pois
a) o discurso do enunciador tem como foco o próprio código.
b) a atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito.
c) o interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem.
d) o referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais.
e) o enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação.
Resposta
Comentário da questão: É possível observar que a atitude do enunciador
sobrepõe-se àquilo que está sendo dito, com predominância da função
emotiva da linguagem, já que a mensagem está voltada para aspectos
subjetivos do enunciador.
Resolução da questão: Alternativa “b”.
Atividade 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Quezia Neves
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
colveromachado
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Valeria Nunes
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
Sandra Paula
 

Mais procurados (20)

Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Objeto direto e indireto
Objeto direto e indiretoObjeto direto e indireto
Objeto direto e indireto
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Períodos simples e composto
Períodos simples e compostoPeríodos simples e composto
Períodos simples e composto
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 

Destaque

Funções da linguagem 3
Funções da linguagem   3Funções da linguagem   3
Funções da linguagem 3
nixsonmachado
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
nixsonmachado
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
julilp10
 
Metas e desafios na comunicação.
Metas  e desafios na comunicação.Metas  e desafios na comunicação.
Metas e desafios na comunicação.
Eloy Bezerra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
CrisBiagio
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
Sônia Sochiarelli
 

Destaque (20)

Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Função de linguagem
Função de linguagemFunção de linguagem
Função de linguagem
 
Funções da linguagem 3
Funções da linguagem   3Funções da linguagem   3
Funções da linguagem 3
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
 
Metas e desafios na comunicação.
Metas  e desafios na comunicação.Metas  e desafios na comunicação.
Metas e desafios na comunicação.
 
Orientação técnica "Estratégias de leitura
Orientação técnica   "Estratégias de leituraOrientação técnica   "Estratégias de leitura
Orientação técnica "Estratégias de leitura
 
Funções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason LimaFunções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason Lima
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Função_fatica
Função_faticaFunção_fatica
Função_fatica
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Seminário do CCR - Função Fática
Seminário do CCR - Função FáticaSeminário do CCR - Função Fática
Seminário do CCR - Função Fática
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
 
Modalidades De Leitura
Modalidades De LeituraModalidades De Leitura
Modalidades De Leitura
 

Semelhante a Funções da linguagem

10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
Ana Castro
 
fun documentary qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjj
fun documentary  qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjjfun documentary  qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjj
fun documentary qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjj
learnislamic595
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Nicolle Souza
 

Semelhante a Funções da linguagem (20)

Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptxFunções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptx
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason lima
 
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médioFunções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Funções da Linguagem e Comunicação Pronto.docx
Funções da Linguagem e Comunicação Pronto.docxFunções da Linguagem e Comunicação Pronto.docx
Funções da Linguagem e Comunicação Pronto.docx
 
funções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdffunções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdf
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
 
fun documentary qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjj
fun documentary  qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjjfun documentary  qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjj
fun documentary qwsjiii hhhhhhhhhhhhhh jjjj
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para EnemRevisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
 
figuras de linguagem.ppt
figuras de linguagem.pptfiguras de linguagem.ppt
figuras de linguagem.ppt
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Estudo dirigido português instrumental (1).pdf
Estudo dirigido português instrumental (1).pdfEstudo dirigido português instrumental (1).pdf
Estudo dirigido português instrumental (1).pdf
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
 
FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt
FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).pptFUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt
FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 

Mais de Andriane Cursino

Mais de Andriane Cursino (20)

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

Funções da linguagem

  • 2. Qual o objetivo de um texto? Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações: ● transmitimos informações; ● tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer) algo; ● assumimos compromissos; ● ordenamos, pedimos; ● demonstramos sentimentos; ● construímos representações mentais sobre nosso mundo.
  • 3. Lembre-se Diferenciar que objetivo predomina em cada situação de comunicação auxilia a compreender melhor o que foi dito. As funções da linguagem estão centradas nos elementos da comunicação.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Função Emotiva ● Centralizada no emissor, revela sua opinião, sua emoção. ● Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e exclamações. ● É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor. Ex.: “Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco de medo. A que me levará minha liberdade? O que é isto que estou te escrevendo? Isto me deixa solitária”.
  • 8. Função Emotiva Observe que este texto está centrado na expressão dos sentimentos, emoções e opiniões de um eu-lírico. É um texto subjetivo, pessoal. Perceba que o destaque dado ao emissor é reforçado pela presença de verbos e pronomes na primeira pessoa: “Às vezes me pinto nuvem”. Os textos líricos que expressam o estado de alma do emissor exemplificam a função emotiva da linguagem.
  • 9. Função Referencial (ou denotativa) ● Centralizada no referente, quando o emissor procura oferecer informações da realidade. ● Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular. ● Usada nas notícias de jornal e livros científicos, descrições de fatos. Ex.: Em 1665, Londres foi assolada pela peste negra (peste bubônica) que dizimou grande parte de sua população, provocando a quase total paralisação da cidade e acarretando o fechamento de repartições públicas.
  • 11. Função Referencial (ou denotativa) Observe que o objetivo do texto é simplesmente o de informar ao leitor, com o máximo de clareza, o que é o cravo da pele e como ele se constitui. A ênfase, portanto, é dada ao conteúdo, às informações. Os textos cuja linguagem têm função referencial são dotados de objetividade, uma vez que visam informar, traduzir ou explicar fatos da realidade.
  • 12. Função Apelativa (ou conativa) ● Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar o comportamento do receptor. ● Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de “tu” e “você”, além de verbos no imperativo. ● Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. Ex.: Meu estimado povo. Que as bênçãos de Deus, senhor onipotente, desçam sobre vocês.
  • 15. Função Fática ● Centralizada no canal da comunicação. ● Testa a sua eficiência, a fim de observar se o receptor entendeu o emissor. ● Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. Ex.: Alô, Pedro! Tô passando aí pra te pegar, ok? Tá me ouvindo? Alô!!
  • 16.
  • 17. Função Fática Observe que a preocupação do emissor é manter contato com o destinatário, testando o canal de comunicação. As falas do professor têm uma função fática, para saber se Beto está atento. O mesmo ocorre com o famoso “plim! plim!” da Rede Globo, que tem a função de chamar a atenção do espectador (que se “distraiu” durante o intervalo comercial) para o canal, no caso, a televisão.
  • 18. Função Poética ● Centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor. ● Valorizam-se as palavras e suas combinações. ● É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música e em algumas propagandas. Ex.: Moça do corpo dourado/ Do sol de lpanema/ O seu balançado é mais que um poema/ É a coisa mais linda que eu já vi passar...
  • 19. Função Poética O Anel de Vidro Aquele pequenino anel que tu me deste, — Ai de mim — era vidro e logo se quebrou Assim também o eterno amor que prometeste, — Eterno! era bem pouco e cedo se acabou. Frágil penhor que foi do amor que me tiveste, Símbolo da afeição que o tempo aniquilou, — Aquele pequenino anel que tu me deste, — Ai de mim — era vidro e logo se quebrou Não me turbou, porém, o despeito que investe Gritando maldições contra aquilo que amou. De ti conservo no peito a saudade celeste Como também guardei o pó que me ficou Daquele pequenino anel que tu me deste. Manuel Bandeira
  • 20. Função Metalinguística ● Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela mesma. ● A poesia que fala da poesia, um texto que comenta outro texto, palavras que explicam o significado de outra palavra, escrever sobre o ato de escrever, falar sobre o ato de falar. Ex.: protuberância s.f do Lat. *protuberantia, de protuberare, fazer bojo; saliência; parte saliente; elevação.
  • 22.
  • 23. Importante As funções da linguagem não existem isoladas em cada texto. Embora uma delas acabe predominando, elas convivem, mesclam-se, entrecruzam-se o tempo todo, obtendo-se de suas combinações os mais diferentes efeitos. O importante é saber qual a função predominante no texto, para então defini-lo.
  • 24. Atividade 1 Desabafo Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que esqueci ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária eletrônica. Recados chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado. CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento). Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções da linguagem, com o predomínio, entretanto, de uma sobre as outras. No fragmento da crônica Desabafo, a função da linguagem predominante é a emotiva ou expressiva, pois a) o discurso do enunciador tem como foco o próprio código. b) a atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito. c) o interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem. d) o referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais. e) o enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação.
  • 25. Resposta Comentário da questão: É possível observar que a atitude do enunciador sobrepõe-se àquilo que está sendo dito, com predominância da função emotiva da linguagem, já que a mensagem está voltada para aspectos subjetivos do enunciador. Resolução da questão: Alternativa “b”.