SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Língua Portuguesa
Profª. Luana Lopes
Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações:
 transmitimos informações
 tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer) algo
 assumimos compromissos
 ordenamos, pedimos
 demonstramos sentimentos
 construímos representações mentais sobre nosso mundo
Qual o objetivo de um texto?
 Diferenciar que objetivo predomina em cada
situação de comunicação auxilia a compreender
melhor o que foi dito.
 As funções da linguagem estão centradas nos
elementos da comunicação.
Lembre-se:
 Emissor - emite, codifica a mensagem
 Receptor - recebe, decodifica a mensagem
 Mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor
 Referente - contexto relacionado a emissor e receptor;
assunto
 Código - conjunto de signos usado na transmissão e
recepção da mensagem
 Canal - meio pelo qual circula a mensagem
Elementos da comunicação
 Toda comunicação apresenta uma
variedade de funções, mas elas se
apresentam hierarquizadas, sendo uma
dominante, de acordo com o enfoque que
o destinador quer dar ou do efeito que
quer causar no recebedor.
 As funções da linguagem são as
seguintes:
Qual o objetivo de um texto?
Função emotiva (ou expressiva)
 Centralizada no emissor, revela sua opinião, sua
emoção.
 Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e
exclamações.
 É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas
e cartas de amor.
Ex.: “Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco
de medo. A que me levará minha liberdade? O que é
isto que estou te escrevendo? Isto me deixa solitária”.
Funções da Linguagem
Função Emotiva
Função Emotiva
Observe que este texto está centrado na
expressão dos sentimentos, emoções e
opiniões de um eu-lírico. É um texto
subjetivo, pessoal. Perceba que o destaque
dado ao emissor é reforçado pela
presença de verbos e pronomes na
primeira pessoa: “Às vezes me pinto
nuvem”. Os textos líricos que expressam o
estado de alma do emissor exemplificam a
função emotiva da linguagem.
Função referencial (ou denotativa)
 Centralizada no referente, quando o emissor procura
oferecer informações da realidade.
 Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa
do singular.
 Usada nas notícias de jornal e livros científicos,
descrições de fatos.
Ex.: Em 1665¸ Londres foi assolada pela peste negra
(peste bubônica) que dizimou grande parte de sua
população, provocando a quase total paralisação da
cidade e acarretando o fechamento de repartições
públicas.
Funções da Linguagem
Função Referencial
Função Referencial
Observe que o objetivo do texto é
simplesmente o de informar ao leitor, com o
máximo de clareza, o que é o cravo da pele
e como ele se constitui. A ênfase, portanto, é
dada ao conteúdo, às informações. Os
textos cuja linguagem têm função
referencial são dotados de objetividade,
uma vez que visam informar, traduzir ou
explicar fatos da realidade.
Função apelativa (ou conativa)
 Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar
o comportamento do receptor.
 Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso
de “tu” e “você”, além de verbos no imperativo.
 Usada nos discursos, sermões e propagandas que se
dirigem diretamente ao consumidor.
Ex.: Meu estimado povo. Que as bênçãos de Deus,
senhor todo-onipotente, desçam sobre vocês.
Funções da Linguagem
Função Apelativa
Função Apelativa
Função fática
 Centralizada no canal da comunicação.
 Testa a sua eficiência, a fim de observar se o receptor
entendeu o emissor.
 Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares.
Ex.: Alô, Pedro! Tô passando aí pra te pegar, ok? Tá me
ouvindo? Alô!!
Funções da Linguagem
Função Fática
Função Fática
Observe que a preocupação do emissor é
manter contato com o destinatário, testando o
canal de comunicação. As falas do professor
têm uma função fática, para saber se Beto
está atento. O mesmo ocorre com o famoso
“plim! plim!” da Rede Globo, que tem a função
de chamar a atenção do espectador (que se
“distraiu” durante o intervalo comercial) para o
canal, no caso, a televisão.
Função poética
 Centralizada na mensagem, revelando recursos
imaginativos criados pelo emissor.
 Valorizam-se as palavras e suas combinações.
 É a linguagem figurada apresentada em obras literárias,
letras de música e em algumas propagandas.
Ex.: Moça do corpo dourado/ Do sol de lpanema/ O seu
balançado é mais que um poema/ É a coisa mais linda
que eu já vi passar...
Funções da Linguagem
Função metalingüística
 Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela
mesma.
 A poesia que fala da poesia, um texto que comenta
outro texto, palavras que explicam o significado de outra
palavra, escrever sobre o ato de escrever, falar sobre o
ato de falar.
Ex.: protuberância s.f do Lat. *protuberantia, de
protuberare, fazer bojo; saliência; parte saliente;
elevação. excrescência, bossa; apófise.
Funções da Linguagem
Funções da linguagem
As funções da linguagem não existem isoladas em
predominando,
cada texto. Embora
elas
uma delas acabe
convivem, mesclam-se,
entrecruzam-se o tempo todo, obtendo-se de suas
combinações os mais diferentes efeitos. O
importante é saber qual a função predominante no
texto, para então defini-lo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Funções da linguagem 1º.pptx

Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
nixsonmachado
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
Sônia Sochiarelli
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Nicolle Souza
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Valeria Nunes
 
10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
Ana Castro
 
C:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãOC:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãO
Crys Bastos
 

Semelhante a Funções da linguagem 1º.pptx (20)

Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason lima
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
funcoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdffuncoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdf
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para EnemRevisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
 
trabalho de português (1).pptx
trabalho de português (1).pptxtrabalho de português (1).pptx
trabalho de português (1).pptx
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
O Processo de Comunicação
O Processo de ComunicaçãoO Processo de Comunicação
O Processo de Comunicação
 
ComunicaçãO
ComunicaçãOComunicaçãO
ComunicaçãO
 
C:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãOC:\Fakepath\ComunicaçãO
C:\Fakepath\ComunicaçãO
 

Mais de Luana Lopes Martins (7)

Barroco no Brasil e no mundo, contexto histórico
Barroco no Brasil e no mundo, contexto históricoBarroco no Brasil e no mundo, contexto histórico
Barroco no Brasil e no mundo, contexto histórico
 
E-BOOK ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.pdf
E-BOOK ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.pdfE-BOOK ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.pdf
E-BOOK ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.pdf
 
variedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.pptvariedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.ppt
 
AULA 25 - ESTRUTURA DA CONCLUSÃO.pptx
AULA 25 - ESTRUTURA DA CONCLUSÃO.pptxAULA 25 - ESTRUTURA DA CONCLUSÃO.pptx
AULA 25 - ESTRUTURA DA CONCLUSÃO.pptx
 
As preposições e sua construção de sentidos no texto..ppt
As preposições e sua construção de sentidos no texto..pptAs preposições e sua construção de sentidos no texto..ppt
As preposições e sua construção de sentidos no texto..ppt
 
_Funções.ppt
_Funções.ppt_Funções.ppt
_Funções.ppt
 
Walt Wit
Walt WitWalt Wit
Walt Wit
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

Funções da linguagem 1º.pptx

  • 2. Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações:  transmitimos informações  tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer) algo  assumimos compromissos  ordenamos, pedimos  demonstramos sentimentos  construímos representações mentais sobre nosso mundo Qual o objetivo de um texto?
  • 3.  Diferenciar que objetivo predomina em cada situação de comunicação auxilia a compreender melhor o que foi dito.  As funções da linguagem estão centradas nos elementos da comunicação. Lembre-se:
  • 4.  Emissor - emite, codifica a mensagem  Receptor - recebe, decodifica a mensagem  Mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor  Referente - contexto relacionado a emissor e receptor; assunto  Código - conjunto de signos usado na transmissão e recepção da mensagem  Canal - meio pelo qual circula a mensagem Elementos da comunicação
  • 5.  Toda comunicação apresenta uma variedade de funções, mas elas se apresentam hierarquizadas, sendo uma dominante, de acordo com o enfoque que o destinador quer dar ou do efeito que quer causar no recebedor.  As funções da linguagem são as seguintes: Qual o objetivo de um texto?
  • 6. Função emotiva (ou expressiva)  Centralizada no emissor, revela sua opinião, sua emoção.  Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e exclamações.  É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor. Ex.: “Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco de medo. A que me levará minha liberdade? O que é isto que estou te escrevendo? Isto me deixa solitária”. Funções da Linguagem
  • 8. Função Emotiva Observe que este texto está centrado na expressão dos sentimentos, emoções e opiniões de um eu-lírico. É um texto subjetivo, pessoal. Perceba que o destaque dado ao emissor é reforçado pela presença de verbos e pronomes na primeira pessoa: “Às vezes me pinto nuvem”. Os textos líricos que expressam o estado de alma do emissor exemplificam a função emotiva da linguagem.
  • 9. Função referencial (ou denotativa)  Centralizada no referente, quando o emissor procura oferecer informações da realidade.  Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular.  Usada nas notícias de jornal e livros científicos, descrições de fatos. Ex.: Em 1665¸ Londres foi assolada pela peste negra (peste bubônica) que dizimou grande parte de sua população, provocando a quase total paralisação da cidade e acarretando o fechamento de repartições públicas. Funções da Linguagem
  • 11. Função Referencial Observe que o objetivo do texto é simplesmente o de informar ao leitor, com o máximo de clareza, o que é o cravo da pele e como ele se constitui. A ênfase, portanto, é dada ao conteúdo, às informações. Os textos cuja linguagem têm função referencial são dotados de objetividade, uma vez que visam informar, traduzir ou explicar fatos da realidade.
  • 12. Função apelativa (ou conativa)  Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar o comportamento do receptor.  Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de “tu” e “você”, além de verbos no imperativo.  Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. Ex.: Meu estimado povo. Que as bênçãos de Deus, senhor todo-onipotente, desçam sobre vocês. Funções da Linguagem
  • 15. Função fática  Centralizada no canal da comunicação.  Testa a sua eficiência, a fim de observar se o receptor entendeu o emissor.  Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. Ex.: Alô, Pedro! Tô passando aí pra te pegar, ok? Tá me ouvindo? Alô!! Funções da Linguagem
  • 17. Função Fática Observe que a preocupação do emissor é manter contato com o destinatário, testando o canal de comunicação. As falas do professor têm uma função fática, para saber se Beto está atento. O mesmo ocorre com o famoso “plim! plim!” da Rede Globo, que tem a função de chamar a atenção do espectador (que se “distraiu” durante o intervalo comercial) para o canal, no caso, a televisão.
  • 18. Função poética  Centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor.  Valorizam-se as palavras e suas combinações.  É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música e em algumas propagandas. Ex.: Moça do corpo dourado/ Do sol de lpanema/ O seu balançado é mais que um poema/ É a coisa mais linda que eu já vi passar... Funções da Linguagem
  • 19. Função metalingüística  Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela mesma.  A poesia que fala da poesia, um texto que comenta outro texto, palavras que explicam o significado de outra palavra, escrever sobre o ato de escrever, falar sobre o ato de falar. Ex.: protuberância s.f do Lat. *protuberantia, de protuberare, fazer bojo; saliência; parte saliente; elevação. excrescência, bossa; apófise. Funções da Linguagem
  • 20. Funções da linguagem As funções da linguagem não existem isoladas em predominando, cada texto. Embora elas uma delas acabe convivem, mesclam-se, entrecruzam-se o tempo todo, obtendo-se de suas combinações os mais diferentes efeitos. O importante é saber qual a função predominante no texto, para então defini-lo.