SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
MODERNISMO(1930-1945)
2ªFASE
POESIAMODERNA
CONSTRUÇÃOOURECONSTRUÇÃO
CONTEXTOHISTÓRICO
● Era Vargas
● Revolução Constitucionalista
● Guerra Civil Espanhola
● Terceiro Reich (Hitler)
● 2ª Guerra Mundial
● Bombas Atômicas
CARACTERÍSTICAS
● Literatura politizada
● Amadurecimento
● Interpretar o “eu” no mundo
● Intimismo/Espiritualismo
● Questionamento da realidade
● Verso livre e poesia sintética
MANUELBANDEIRA
● Desejo insatisfeito
● Infância
● Tristeza da vida
● Morte
● Temática social
PORQUINHO-DA-ÍNDIA
Quando eu tinha seis anos
Ganhei um porquinho-da-índia.
Que dor de coração me dava
Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
Levava ele prá sala
Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos
Ele não gostava:
Queria era estar debaixo do fogão.
Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas...
- O meu porquinho-da-índia foi minha primeira namorada
OBICHO
Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
CECÍLIAMEIRELES
● Intimismo
● Linguagem elevada
● Melancolia
● Existencialismo
● Passagem do tempo
Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?
MOTIVO
Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.
RomanceirodaInconfidência
Na Idade Média, romance era o nome
que se atribuía a uma obra poética de
caráter narrativo. Uma reunião de
romances formava um romanceiro. O
Romanceiro da Inconfidência narra a
história da Conjuração Mineira, movimento
revoltoso de 1789 promovido por colonos
brasileiros que pretendiam tornar a
região de Vila Rica (Minas Gerais)
independente do domínio português. O
sucesso poderia levar à utilização da
riqueza produzida pelo ouro na própria
região, acabando com a sangria monetária
promovida pelos interesses
metropolitanos.
Em uma “Fala inicial”, o narrador,
assumindo a primeira pessoa, manifesta a
sensação imperativa de tornar pública a
revolta que toma conta da colônia, o que
funciona como justificativa para a
própria obra. A partir daí, a história
narrada é dividida em “Cenários”,
obedecendo à ordem cronológica dos
acontecimentos.
“Era uma história feita de coisas eternas
e irredutíveis: ouro, amor, liberdade,
traições”[...]
VINÍCIUSDEMORAES
● Canta o amor
● Exaltação da mulher
● Mistérios da alma
● Cotidiano e social
● Bossa Nova
SONETODEFIDELIDADE
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
SONETODOAMORTOTAL
Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade
Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante
Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente
E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude
SONETODESEPARAÇÃO
De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.
ROSADEHIROSHIMA
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.
MÁRIOQUINTANA
● Solidão/Morte
● Ironia/Humor
● Tristeza das coisas
● Existencialismo
● Surreal
OMORTO
Eu estava dormindo e me acordaram
E me encontrei, assim, num mundo estranho e louco...
E quando eu começava a compreendê-lo
Um pouco,
Já eram horas de dormir de novo!
espelho
Por acaso, surpreendo-me no espelho:
Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (...)
Parece meu velho pai - que já morreu! (...)
Nosso olhar duro interroga:
"O que fizeste de mim?" Eu pai? Tu é que me invadiste.
Lentamente, ruga a ruga... Que importa!
Eu sou ainda aquele mesmo menino teimoso de sempre
E os teus planos enfim lá se foram por terra,
Mas sei que vi, um dia - a longa, a inútil guerra!
Vi sorrir nesses cansados olhos um orgulho triste..."
SEISCENTOSESESSENTAESEIS
A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas: há tempo…
Quando se vê, já é 6ª-feira…
Quando se vê, passaram 60 anos…
Agora, é tarde demais para ser reprovado…
E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio
seguia sempre, sempre em frente…
E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.
QUINTANARES(EPIGRAMAS)
CARTAZ PARA UMA FEIRA DO LIVRO
Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem.
O TRÁGICO DILEMA
Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um
dos dois é burro.
BIOGRAFIA
Era um grande nome - ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia
adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele.
CARLOSDRUMMONDDEANDRADE
● Temas infinitos
● Humor
● Existencialista
● Temática social
● Metalinguagem
POEMADESETEFACES
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta
meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do -bigode,
Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.
NOMEIODOCAMINHO
No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.
JOSÉ
E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
Você que é sem nome,
que zomba dos
outros,
Você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?
Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?
E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de
febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio, - e agora?
Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais!
José, e agora?
Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse,
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!
Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja do galope,
você marcha, José!
José, para onde?
QUADRILHA
João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi pra os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
MODERNISMO(1930-1945)
2ªFASE
ROMANCEDE30
(REGIONALDE30)
CARACTERÍSTICAS
● Literatura engajada
● Denúncia da opressão
● Miséria/Problemática social
● Busca da verossimilhança
● Questões ideológicas
● Tipificação social (marginais)
INTÉRPRETESDOBRASIL
ESTUDOS/TESES/ENSAIOS SOBRE A SOCIEDADE BRASILEIRA
Gilberto Freyre
- Casa-Grande e Senzala
(1933)
Freyre apresenta a importância da casa-
grande na formação sociocultural brasileira,
assim como a da senzala na complementação da
primeira. Além disso, Casa-Grande & Senzala
enfatiza a formação da sociedade brasileira
no contexto da miscigenação entre os
brancos, principalmente portugueses, dos
negros das várias nações africanas e dos
diferentes indígenas que habitavam o Brasil.
Sérgio Buarque de Holanda
- Raízes do Brasil (1936)
"Raízes do Brasil" aborda aspectos
centrais da história da cultura brasileira. O
texto consiste de uma macrointerpretação do
processo de formação da sociedade brasileira. A
tese central é a de que o legado personalista
da experiência colonial constituía um
obstáculo, a ser vencido, para o
estabelecimento da democracia política no
Brasil. Destaca, nesse sentido, a importância
do legado cultural da colonização portuguesa do
Brasil e a dinâmica dos arranjos e adaptações
que marcaram as transferências culturais de
Portugal para a sua colônia americana.
JOSÉAMÉRICODEALMEIDA
● Denúncia da seca
● Visão do sertanejo
● Oligarquias
● Engenhos
● Temática social
OBRAS
● Reflexões de uma cabra, 1922
● A Paraíba e seus problemas, 1923
● A bagaceira, 1928
● O boqueirão, 1935
● Coiteiros, 1935
● Ocasos de sangue, 1954
● Discursos de seu tempo, 1964
● A palavra e o tempo, 1965
● O ano do nego, 1968
● Eu e eles, 1970
● Quarto minguante, 1975
● Antes que me esqueça, 1976
● Sem me rir, sem chorar, 1984
● A Maldição da Fábrica
ABAGACEIRA
O romance se passa entre 1898 e 1915, os dois períodos de seca. Tangidos pelo sol
implacável, Valentim Pereira, sua filha Soledade e seu afilhado Pirunga abandonam a
fazenda do Bondó, na zona do sertão. Encaminham-se para as regiões dos engenhos, no rejo,
onde encontram acolhida no engenho Marzagão, de propriedade de Dagoberto Marçau, cuja
mulher falecera por ocasião do nascimento do único filho, Lúcio.
Passando as férias no engenho, Lúcio conhece Soledade, e por ela se apaixona. O
estudante retorna à academia e quando de novo volta, em férias, à companhia do pai, toma
conhecimento de que Valentim Pereira se encontra preso por ter assassinado o feitor Manuel
Broca, suposto sedutor e amante de Soledade. Lúcio, já advogado, resolve defender Valentim
e informa o pai do seu propósito : casar-se com Soledade. Dagoberto não aceita a decisão
do filho. Tudo é esclarecido : Soledade é prima de Lúcio, e Dagoberto foi quem realmente a
seduziu.
Pirunga, tomando conhecimento dos fatos, comunica ao padrinho (Valentim) e este lhe
pede, sob juramento, velar pelo senhor do engenho (Dagoberto), até que ele possa executar
o seu "dever": matar o verdadeiro sedutor de sua filha. Em seguida, Soledade e Dagoberto,
acompanhados por Pirunga, deixam o engenho e se dirigem para a fazenda do Bondó.
Cavalgando pelos tabuleiros da fazenda, Pirunga provoca a morte do senhor do engenho
Marzagão, herdado por Lúcio, com a morte do pai.
Em 1915, por outro período de seca, Soledade, já com a beleza destruída pelo tempo,
vai ao encontro de Lúcio, para lhe entregar o filho, fruto do seu amor com Dagoberto.
RACHELDEQUEIROZ
● Efeitos da seca
● Sertanejo
● Mundo patriarcal
● Perspectiva feminina
● Consciência
PRINCIPAISOBRAS
• O QUINZE, 1930
• CAMINHO DAS PEDRAS, 1937
• AS TRÊS MARIAS, 1939
• DORA, DORALINA, 1975
• MEMORIAL DE MARIA MOURA, 1992
JOSÉLINSDOREGO
● Ciclo da cana-de-açúcar
(sociedade)
● Memórias
● Engenho x Usina
● Cangaço
OBRAS
● Menino de engenho (1932)
● Doidinho (1933)
● Banguê (1934)
● O Moleque Ricardo (1935)
● Usina (1936)
● Pureza (1937)
● Pedra bonita (1938)
● Riacho doce (1939)
● Água-mãe (1941)
● Fogo morto (1943)
● Eurídice (1947)
● Cangaceiros (1953)
● Histórias da velha Totonha (1936)
● Meus Verdes Anos (memórias) (1956)
Romances do ciclo da cana-de-açúcar Enredo
Menino de Engenho Carlos de Melo; infância no engenho do
avô, Coronel Zé Paulino; engenho Santa
Rosa.
Doidinho Carlinhos no internato;
Banguê Carlos forma-se em Direito; volta ao
Engenho; decadência do Engenho; doença e
morte do avô.
Usina Carlos é obrigado a vender o engenho;
Dr. Juca o transforma na Usina Bom
Jesus.
Moleque Ricardo Ricardo simboliza o negro escravo do
engenho; fuga para Recife; torna-se
líder grevista; prisão e exílio em
Fernando de Noronha.
Fogo Morto História do Engenho Santa Fé; obra
dividida em três partes: 1ª Mestre José
Amaro; 2ª O Coronel Lula de Holanda
Chacon; 3ª Capitão Vitorino.
GRACILIANORAMOS
● Miséria/Seca
● Injustiças sociais
● Análise psicológica
● Retirante/Sertanejo
● Autobiográfico
PRINCIAISOBRAS
● CAETÉS, 1933
● SÃO BERNARDO, 1934
● ANGÚSTIA, 1936
● VIDAS SECAS, 1938
● INFÂNCIA, 1945
● MEMÓRIAS DO CÁRCERE, 1956
ÉRICOVERÍSSIMO
● Narrativa urbanas
● Classe média
● Formação do RS
● Análise política
● Uso do alegórico
OBRAS-1ªFASE(ROMANCESURBANOS)
● Porto Alegre - anos
30/40
● Valores e costumes da
pequena burguesia
● CLARISSA, 1933
● CAMINHOS CRUZADOS, 1935
● OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO, 1938
● O RESTO É SILÊNCIO, 1943
OBRAS-2ªFASE(ROMANCEHISTÓRICO)
● O TEMPO E O VENTO, 1949, 1951,
1962
● O SENHOR EMBAIXADOR, 1965
● O PRISIONEIRO, 1967
● INCIDENTE EM ANTARES, 1971
● SOLO DE CLARINETA, 1973
O TEMPO E O VENTO
Trilogia: 200 anos de RS
● O CONTINENTE (1745-1895)
Formação do RS à partir das famílias
Terra, Caré, Cambará e Amaral.
● O RETRATO (1909-1915)
Modernização das elites gaúchas
● O ARQUIPÉLAGO (1922-1945)
Fim da unidade familiar
JORGEAMADO
● Ciclo do Cacau
● Rural/ Popular
● Coronelismo
● Sensualidade
● Humor
OBRAS-1ªFASE
● O PAÍS DO CARNAVAL, 1931
● CACAU, 1933
● MAR MORTO, 1936
● CAPITÃES DE AREIA, 1937
● TERRAS DO SEM FIM, 1943
● SÃO JORGE DE ILHÉUS, 1944
OBRAS-2ªFASE
● GABRIELA, CRAVO E CANELA, 1958
● DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS, 1966
● TENDA DOS MILAGRES, 1969
● TIETA DO AGRESTE, 1977
● TOCAIA GRANDE, 1984

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Elaine Blogger
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
Érika Lúcia
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
rkhelena
 

Mais procurados (20)

Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
 
Literatura Afro-brasileira
Literatura Afro-brasileiraLiteratura Afro-brasileira
Literatura Afro-brasileira
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 

Semelhante a 2ª fase Modernismo (1930-1945)

Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
André Damázio
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andrade
Rita Santana
 
2ª segundo momento
2ª   segundo momento2ª   segundo momento
2ª segundo momento
Susy Guedes
 
2ª segundo momento
2ª   segundo momento2ª   segundo momento
2ª segundo momento
profelaine10
 
AULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
AULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptxAULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
AULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
ProfessoraAline7
 
Quintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapalloQuintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapallo
Patrizia Ercole
 

Semelhante a 2ª fase Modernismo (1930-1945) (20)

Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andrade
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
2ª segundo momento
2ª   segundo momento2ª   segundo momento
2ª segundo momento
 
2ª segundo momento
2ª   segundo momento2ª   segundo momento
2ª segundo momento
 
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].pptMODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
 
AULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
AULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptxAULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
AULÃO LITERATURA - MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
 
MODERNISMO BRASILEIRO 1 (2).pptx
MODERNISMO BRASILEIRO 1 (2).pptxMODERNISMO BRASILEIRO 1 (2).pptx
MODERNISMO BRASILEIRO 1 (2).pptx
 
MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptxMODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
MODERNISMO BRASILEIRO 1.pptx
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
 
Modernismo 2ª fase
Modernismo 2ª faseModernismo 2ª fase
Modernismo 2ª fase
 
Quintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapalloQuintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapallo
 
Keilla
KeillaKeilla
Keilla
 
Keilla
KeillaKeilla
Keilla
 
2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poema
 

Mais de Andriane Cursino

Mais de Andriane Cursino (20)

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

2ª fase Modernismo (1930-1945)

  • 2. CONTEXTOHISTÓRICO ● Era Vargas ● Revolução Constitucionalista ● Guerra Civil Espanhola ● Terceiro Reich (Hitler) ● 2ª Guerra Mundial ● Bombas Atômicas
  • 3. CARACTERÍSTICAS ● Literatura politizada ● Amadurecimento ● Interpretar o “eu” no mundo ● Intimismo/Espiritualismo ● Questionamento da realidade ● Verso livre e poesia sintética
  • 4. MANUELBANDEIRA ● Desejo insatisfeito ● Infância ● Tristeza da vida ● Morte ● Temática social
  • 5. PORQUINHO-DA-ÍNDIA Quando eu tinha seis anos Ganhei um porquinho-da-índia. Que dor de coração me dava Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão! Levava ele prá sala Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos Ele não gostava: Queria era estar debaixo do fogão. Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas... - O meu porquinho-da-índia foi minha primeira namorada
  • 6. OBICHO Vi ontem um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato, Não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem.
  • 7. CECÍLIAMEIRELES ● Intimismo ● Linguagem elevada ● Melancolia ● Existencialismo ● Passagem do tempo
  • 8. Retrato Eu não tinha este rosto de hoje, assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo. Eu não tinha estas mãos sem força, tão paradas e frias e mortas; eu não tinha este coração que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: - Em que espelho ficou perdida a minha face?
  • 9. MOTIVO Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta. Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento. Atravesso noites e dias no vento. Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço, - não sei, não sei. Não sei se fico ou passo. Sei que canto. E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada. E um dia sei que estarei mudo: - mais nada.
  • 10. RomanceirodaInconfidência Na Idade Média, romance era o nome que se atribuía a uma obra poética de caráter narrativo. Uma reunião de romances formava um romanceiro. O Romanceiro da Inconfidência narra a história da Conjuração Mineira, movimento revoltoso de 1789 promovido por colonos brasileiros que pretendiam tornar a região de Vila Rica (Minas Gerais) independente do domínio português. O sucesso poderia levar à utilização da riqueza produzida pelo ouro na própria região, acabando com a sangria monetária promovida pelos interesses metropolitanos. Em uma “Fala inicial”, o narrador, assumindo a primeira pessoa, manifesta a sensação imperativa de tornar pública a revolta que toma conta da colônia, o que funciona como justificativa para a própria obra. A partir daí, a história narrada é dividida em “Cenários”, obedecendo à ordem cronológica dos acontecimentos. “Era uma história feita de coisas eternas e irredutíveis: ouro, amor, liberdade, traições”[...]
  • 11. VINÍCIUSDEMORAES ● Canta o amor ● Exaltação da mulher ● Mistérios da alma ● Cotidiano e social ● Bossa Nova
  • 12. SONETODEFIDELIDADE De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.
  • 13. SONETODOAMORTOTAL Amo-te tanto, meu amor... não cante O humano coração com mais verdade... Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante E te amo além, presente na saudade Amo-te, enfim, com grande liberdade Dentro da eternidade e a cada instante Amo-te como um bicho, simplesmente De um amor sem mistério e sem virtude Com um desejo maciço e permanente E de te amar assim, muito e amiúde É que um dia em teu corpo de repente Hei de morrer de amar mais do que pude
  • 14. SONETODESEPARAÇÃO De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mãos espalmadas fez-se o espanto. De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez-se o drama. De repente, não mais que de repente Fez-se de triste o que se fez amante E de sozinho o que se fez contente. Fez-se do amigo próximo o distante Fez-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente.
  • 15. ROSADEHIROSHIMA Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas oh não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroxima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A antirrosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada.
  • 16. MÁRIOQUINTANA ● Solidão/Morte ● Ironia/Humor ● Tristeza das coisas ● Existencialismo ● Surreal
  • 17. OMORTO Eu estava dormindo e me acordaram E me encontrei, assim, num mundo estranho e louco... E quando eu começava a compreendê-lo Um pouco, Já eram horas de dormir de novo!
  • 18. espelho Por acaso, surpreendo-me no espelho: Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (...) Parece meu velho pai - que já morreu! (...) Nosso olhar duro interroga: "O que fizeste de mim?" Eu pai? Tu é que me invadiste. Lentamente, ruga a ruga... Que importa! Eu sou ainda aquele mesmo menino teimoso de sempre E os teus planos enfim lá se foram por terra, Mas sei que vi, um dia - a longa, a inútil guerra! Vi sorrir nesses cansados olhos um orgulho triste..."
  • 19. SEISCENTOSESESSENTAESEIS A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são 6 horas: há tempo… Quando se vê, já é 6ª-feira… Quando se vê, passaram 60 anos… Agora, é tarde demais para ser reprovado… E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade, eu nem olhava o relógio seguia sempre, sempre em frente… E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.
  • 20. QUINTANARES(EPIGRAMAS) CARTAZ PARA UMA FEIRA DO LIVRO Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem. O TRÁGICO DILEMA Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro. BIOGRAFIA Era um grande nome - ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele.
  • 21. CARLOSDRUMMONDDEANDRADE ● Temas infinitos ● Humor ● Existencialista ● Temática social ● Metalinguagem
  • 22. POEMADESETEFACES Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada. O homem atrás do bigode é sério, simples e forte. Quase não conversa. Tem poucos, raros amigos o homem atrás dos óculos e do -bigode, Meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era Deus se sabias que eu era fraco. Mundo mundo vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução. Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração. Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo.
  • 23. NOMEIODOCAMINHO No meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho no meio do caminho tinha uma pedra.
  • 24. JOSÉ E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, você? Você que é sem nome, que zomba dos outros, Você que faz versos, que ama, protesta? e agora, José? Está sem mulher, está sem discurso, está sem carinho, já não pode beber, já não pode fumar, cuspir já não pode, a noite esfriou, o dia não veio, o bonde não veio, o riso não veio, não veio a utopia e tudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou, e agora, José? E agora, José? Sua doce palavra, seu instante de febre, sua gula e jejum, sua biblioteca, sua lavra de ouro, seu terno de vidro, sua incoerência, seu ódio, - e agora? Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não há mais! José, e agora? Se você gritasse, se você gemesse, se você tocasse, a valsa vienense, se você dormisse, se você cansasse, se você morresse... Mas você não morre, você é duro, José! Sozinho no escuro qual bicho-do-mato, sem teogonia, sem parede nua para se encostar, sem cavalo preto que fuja do galope, você marcha, José! José, para onde?
  • 25. QUADRILHA João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi pra os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história.
  • 27. CARACTERÍSTICAS ● Literatura engajada ● Denúncia da opressão ● Miséria/Problemática social ● Busca da verossimilhança ● Questões ideológicas ● Tipificação social (marginais)
  • 28. INTÉRPRETESDOBRASIL ESTUDOS/TESES/ENSAIOS SOBRE A SOCIEDADE BRASILEIRA Gilberto Freyre - Casa-Grande e Senzala (1933) Freyre apresenta a importância da casa- grande na formação sociocultural brasileira, assim como a da senzala na complementação da primeira. Além disso, Casa-Grande & Senzala enfatiza a formação da sociedade brasileira no contexto da miscigenação entre os brancos, principalmente portugueses, dos negros das várias nações africanas e dos diferentes indígenas que habitavam o Brasil. Sérgio Buarque de Holanda - Raízes do Brasil (1936) "Raízes do Brasil" aborda aspectos centrais da história da cultura brasileira. O texto consiste de uma macrointerpretação do processo de formação da sociedade brasileira. A tese central é a de que o legado personalista da experiência colonial constituía um obstáculo, a ser vencido, para o estabelecimento da democracia política no Brasil. Destaca, nesse sentido, a importância do legado cultural da colonização portuguesa do Brasil e a dinâmica dos arranjos e adaptações que marcaram as transferências culturais de Portugal para a sua colônia americana.
  • 29. JOSÉAMÉRICODEALMEIDA ● Denúncia da seca ● Visão do sertanejo ● Oligarquias ● Engenhos ● Temática social
  • 30. OBRAS ● Reflexões de uma cabra, 1922 ● A Paraíba e seus problemas, 1923 ● A bagaceira, 1928 ● O boqueirão, 1935 ● Coiteiros, 1935 ● Ocasos de sangue, 1954 ● Discursos de seu tempo, 1964 ● A palavra e o tempo, 1965 ● O ano do nego, 1968 ● Eu e eles, 1970 ● Quarto minguante, 1975 ● Antes que me esqueça, 1976 ● Sem me rir, sem chorar, 1984 ● A Maldição da Fábrica
  • 31. ABAGACEIRA O romance se passa entre 1898 e 1915, os dois períodos de seca. Tangidos pelo sol implacável, Valentim Pereira, sua filha Soledade e seu afilhado Pirunga abandonam a fazenda do Bondó, na zona do sertão. Encaminham-se para as regiões dos engenhos, no rejo, onde encontram acolhida no engenho Marzagão, de propriedade de Dagoberto Marçau, cuja mulher falecera por ocasião do nascimento do único filho, Lúcio. Passando as férias no engenho, Lúcio conhece Soledade, e por ela se apaixona. O estudante retorna à academia e quando de novo volta, em férias, à companhia do pai, toma conhecimento de que Valentim Pereira se encontra preso por ter assassinado o feitor Manuel Broca, suposto sedutor e amante de Soledade. Lúcio, já advogado, resolve defender Valentim e informa o pai do seu propósito : casar-se com Soledade. Dagoberto não aceita a decisão do filho. Tudo é esclarecido : Soledade é prima de Lúcio, e Dagoberto foi quem realmente a seduziu. Pirunga, tomando conhecimento dos fatos, comunica ao padrinho (Valentim) e este lhe pede, sob juramento, velar pelo senhor do engenho (Dagoberto), até que ele possa executar o seu "dever": matar o verdadeiro sedutor de sua filha. Em seguida, Soledade e Dagoberto, acompanhados por Pirunga, deixam o engenho e se dirigem para a fazenda do Bondó. Cavalgando pelos tabuleiros da fazenda, Pirunga provoca a morte do senhor do engenho Marzagão, herdado por Lúcio, com a morte do pai. Em 1915, por outro período de seca, Soledade, já com a beleza destruída pelo tempo, vai ao encontro de Lúcio, para lhe entregar o filho, fruto do seu amor com Dagoberto.
  • 32. RACHELDEQUEIROZ ● Efeitos da seca ● Sertanejo ● Mundo patriarcal ● Perspectiva feminina ● Consciência
  • 33. PRINCIPAISOBRAS • O QUINZE, 1930 • CAMINHO DAS PEDRAS, 1937 • AS TRÊS MARIAS, 1939 • DORA, DORALINA, 1975 • MEMORIAL DE MARIA MOURA, 1992
  • 34. JOSÉLINSDOREGO ● Ciclo da cana-de-açúcar (sociedade) ● Memórias ● Engenho x Usina ● Cangaço
  • 35. OBRAS ● Menino de engenho (1932) ● Doidinho (1933) ● Banguê (1934) ● O Moleque Ricardo (1935) ● Usina (1936) ● Pureza (1937) ● Pedra bonita (1938) ● Riacho doce (1939) ● Água-mãe (1941) ● Fogo morto (1943) ● Eurídice (1947) ● Cangaceiros (1953) ● Histórias da velha Totonha (1936) ● Meus Verdes Anos (memórias) (1956)
  • 36. Romances do ciclo da cana-de-açúcar Enredo Menino de Engenho Carlos de Melo; infância no engenho do avô, Coronel Zé Paulino; engenho Santa Rosa. Doidinho Carlinhos no internato; Banguê Carlos forma-se em Direito; volta ao Engenho; decadência do Engenho; doença e morte do avô. Usina Carlos é obrigado a vender o engenho; Dr. Juca o transforma na Usina Bom Jesus. Moleque Ricardo Ricardo simboliza o negro escravo do engenho; fuga para Recife; torna-se líder grevista; prisão e exílio em Fernando de Noronha. Fogo Morto História do Engenho Santa Fé; obra dividida em três partes: 1ª Mestre José Amaro; 2ª O Coronel Lula de Holanda Chacon; 3ª Capitão Vitorino.
  • 37. GRACILIANORAMOS ● Miséria/Seca ● Injustiças sociais ● Análise psicológica ● Retirante/Sertanejo ● Autobiográfico
  • 38. PRINCIAISOBRAS ● CAETÉS, 1933 ● SÃO BERNARDO, 1934 ● ANGÚSTIA, 1936 ● VIDAS SECAS, 1938 ● INFÂNCIA, 1945 ● MEMÓRIAS DO CÁRCERE, 1956
  • 39. ÉRICOVERÍSSIMO ● Narrativa urbanas ● Classe média ● Formação do RS ● Análise política ● Uso do alegórico
  • 40. OBRAS-1ªFASE(ROMANCESURBANOS) ● Porto Alegre - anos 30/40 ● Valores e costumes da pequena burguesia ● CLARISSA, 1933 ● CAMINHOS CRUZADOS, 1935 ● OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO, 1938 ● O RESTO É SILÊNCIO, 1943
  • 41. OBRAS-2ªFASE(ROMANCEHISTÓRICO) ● O TEMPO E O VENTO, 1949, 1951, 1962 ● O SENHOR EMBAIXADOR, 1965 ● O PRISIONEIRO, 1967 ● INCIDENTE EM ANTARES, 1971 ● SOLO DE CLARINETA, 1973 O TEMPO E O VENTO Trilogia: 200 anos de RS ● O CONTINENTE (1745-1895) Formação do RS à partir das famílias Terra, Caré, Cambará e Amaral. ● O RETRATO (1909-1915) Modernização das elites gaúchas ● O ARQUIPÉLAGO (1922-1945) Fim da unidade familiar
  • 42. JORGEAMADO ● Ciclo do Cacau ● Rural/ Popular ● Coronelismo ● Sensualidade ● Humor
  • 43. OBRAS-1ªFASE ● O PAÍS DO CARNAVAL, 1931 ● CACAU, 1933 ● MAR MORTO, 1936 ● CAPITÃES DE AREIA, 1937 ● TERRAS DO SEM FIM, 1943 ● SÃO JORGE DE ILHÉUS, 1944
  • 44. OBRAS-2ªFASE ● GABRIELA, CRAVO E CANELA, 1958 ● DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS, 1966 ● TENDA DOS MILAGRES, 1969 ● TIETA DO AGRESTE, 1977 ● TOCAIA GRANDE, 1984