SlideShare uma empresa Scribd logo
Língua Portuguesa
Prof. Erick Naldimar
Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações:
 transmitimos informações
 tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer) algo
 assumimos compromissos
 ordenamos, pedimos
 demonstramos sentimentos
 construímos representações mentais sobre nosso mundo
Qual o objetivo de um texto?
 Diferenciar que objetivo predomina em cada
situação de comunicação auxilia a compreender
melhor o que foi dito.
 As funções da linguagem estão centradas nos
elementos da comunicação.
Lembre-se:
 Emissor - emite, codifica a mensagem
 Receptor - recebe, decodifica a mensagem
 Mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor
 Referente - contexto relacionado a emissor e receptor;
assunto
 Código - conjunto de signos usado na transmissão e
recepção da mensagem
 Canal - meio pelo qual circula a mensagem
Elementos da comunicação
 Toda comunicação apresenta uma
variedade de funções, mas elas se
apresentam hierarquizadas, sendo uma
dominante, de acordo com o enfoque que
o destinador quer dar ou do efeito que
quer causar no recebedor.
 As funções da linguagem são as
seguintes:
Qual o objetivo de um texto?
Função emotiva (ou expressiva)
 Centralizada no emissor, revela sua opinião, sua
emoção.
 Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e
exclamações.
 É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas
e cartas de amor.
Ex.: “Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco
de medo. A que me levará minha liberdade? O que é
isto que estou te escrevendo? Isto me deixa solitária”.
Funções da Linguagem
Função Emotiva
Função Emotiva
Observe que este texto está centrado na
expressão dos sentimentos, emoções e
opiniões de um eu-lírico. É um texto
subjetivo, pessoal. Perceba que o destaque
dado ao emissor é reforçado pela
presença de verbos e pronomes na
primeira pessoa: “Às vezes me pinto
nuvem”. Os textos líricos que expressam o
estado de alma do emissor exemplificam a
função emotiva da linguagem.
Função referencial (ou denotativa)
 Centralizada no referente, quando o emissor procura
oferecer informações da realidade.
 Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa
do singular.
 Usada nas notícias de jornal e livros científicos,
descrições de fatos.
Ex.: Em 1665¸ Londres foi assolada pela peste negra
(peste bubônica) que dizimou grande parte de sua
população, provocando a quase total paralisação da
cidade e acarretando o fechamento de repartições
públicas.
Funções da Linguagem
Função Referencial
Função Referencial
Observe que o objetivo do texto é
simplesmente o de informar ao leitor, com o
máximo de clareza, o que é o cravo da pele
e como ele se constitui. A ênfase, portanto, é
dada ao conteúdo, às informações. Os
textos cuja linguagem têm função
referencial são dotados de objetividade,
uma vez que visam informar, traduzir ou
explicar fatos da realidade.
Função apelativa (ou conativa)
 Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar
o comportamento do receptor.
 Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso
de “tu” e “você”, além de verbos no imperativo.
 Usada nos discursos, sermões e propagandas que se
dirigem diretamente ao consumidor.
Ex.: Meu estimado povo. Que as bênçãos de Deus,
senhor todo-onipotente, desçam sobre vocês.
Funções da Linguagem
Função Apelativa
Função Apelativa
Função fática
 Centralizada no canal da comunicação.
 Testa a sua eficiência, a fim de observar se o receptor
entendeu o emissor.
 Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares.
Ex.: Alô, Pedro! Tô passando aí pra te pegar, ok? Tá me
ouvindo? Alô!!
Funções da Linguagem
Função Fática
Função Fática
Observe que a preocupação do emissor é
manter contato com o destinatário, testando o
canal de comunicação. As falas do professor
têm uma função fática, para saber se Beto
está atento. O mesmo ocorre com o famoso
“plim! plim!” da Rede Globo, que tem a função
de chamar a atenção do espectador (que se
“distraiu” durante o intervalo comercial) para o
canal, no caso, a televisão.
Função poética
 Centralizada na mensagem, revelando recursos
imaginativos criados pelo emissor.
 Valorizam-se as palavras e suas combinações.
 É a linguagem figurada apresentada em obras literárias,
letras de música e em algumas propagandas.
Ex.: Moça do corpo dourado/ Do sol de lpanema/ O seu
balançado é mais que um poema/ É a coisa mais linda
que eu já vi passar...
Funções da Linguagem
Função metalingüística
 Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela
mesma.
 A poesia que fala da poesia, um texto que comenta
outro texto, palavras que explicam o significado de outra
palavra, escrever sobre o ato de escrever, falar sobre o
ato de falar.
Ex.: protuberância s.f do Lat. *protuberantia, de
protuberare, fazer bojo; saliência; parte saliente;
elevação. excrescência, bossa; apófise.
Funções da Linguagem
Funções da linguagem
As funções da linguagem não existem isoladas em
predominando,
cada texto. Embora
elas
uma delas acabe
convivem, mesclam-se,
entrecruzam-se o tempo todo, obtendo-se de suas
combinações os mais diferentes efeitos. O
importante é saber qual a função predominante no
texto, para então defini-lo.
ENEM 2009
ENEM 2009
Questão 1 – Analise o fragmento e identifique quais as funções da
linguagem predominantes:
“O que o poeta quer dizer
no discurso não acaba
e se o diz é pra saber
o que ainda não acaba.”
Ferreira Gullar
A) Conativa e fática
B) Referencial e metalinguística
C) Conativa e poética
D) Referencial e fática
E) Metalinguística e poética
2. (ENEM – Inep)
A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, divide-se em
unidades menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma floresta, um deserto e até um
lago. Um ecossistema tem múltiplos mecanismos que regulam o número de organismos dentro
dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações.
DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
Predomina no texto a função da linguagem:
A) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia.
B) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação
C) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem.
D) conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor.
E) referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.
3. ENEM – Inep)
Texto I
Ser brotinho não é viver em um píncaro azulado; é muito mais! Ser brotinho é sorrir bastante
dos homens e rir interminavelmente das mulheres, rir como se o ridículo, visível ou invisível,
provocasse uma tosse de riso irresistível.
CAMPOS, Paulo Mendes. Ser brotinho. In: SANTOS, Joaquim Ferreira dos (Org.). As cem
melhores crônicas brasileiras. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. p. 91.
Texto II
Ser gagá não é viver apenas nos idos do passado: é muito mais! É saber que todos os amigos
já morreram e os que teimam em viver são entrevados. É sorrir, interminavelmente, não por
necessidade interior, mas porque a boca não fecha ou a dentadura é maior que a arcada.
FERNANDES, Millôr. Ser gagá. In: SANTOS, Joaquim Ferreira dos (Org.). As cem melhores
crônicas brasileiras. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. p. 225.
Os textos I e II utilizam os mesmos recursos expressivos para definir as fases da
vida de uma pessoa. Tal afirmação é confirmada pelo uso de:
A) expressões coloquiais com significados semelhantes.
B) afirmações enfáticas no aspecto contraditório da vida dos seres humanos.
C) recursos específicos de textos escritos em linguagem formal.
D) termos denotativos que se realizam com sentido objetivo.
E) metalinguagem que explica com humor o sentido de palavras.
4. (UEMG-2006)
Assinale a alternativa em que o(s) termo(s) em negrito do fragmento citado NÃO
contém (êm) traço(s) da função emotiva da linguagem.
A. Os poemas (infelizmente!) não estão nos rótulos de embalagens nem
junto aos frascos de remédio.
B. A leitura ganha contornos de “cobaia de laboratório” quando sai de
sua significação e cai no ambiente artificial e na situação inventada.
C. Outras leituras significativas são o rótulo de um produto que se vai
comprar, os preços do bem de consumo, o tíquete do cinema, as placas do
ponto de ônibus (…)
D. Ler e escrever são condutas da vida em sociedade. Não são ratinhos
mortos(…) prontinhos para ser desmontados e
montados, picadinhos (…)
5. Desabafo
Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá.
Não tem como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa
da sala que esqueci ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária
eletrônica. Recados chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou
zangado.
CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento).
Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções
da linguagem, com o predomínio, entretanto, de uma sobre as outras. No
fragmento da crônica Desabafo, a função da linguagem predominante é a
emotiva ou expressiva, pois
A) o discurso do enunciador tem como foco o próprio código.
B) a atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito.
C) o interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem.
D) o referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais.
E) o enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação.
6. “A pandemia do Coronavírus tem, certamente, modificado muito dos nossos
hábitos. Neste novo normal, a tecnologia, que já vinha ocupando um espaço
significativo nas relações humanas, passou a ser o centro das comunicações e a unir
a sociedade de um modo nunca visto antes.”
O contexto acima apresenta:
A) Função fática.
B) Função metalinguística.
C) Função conativa.
D
D) Função referencial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º anoLinguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Flavia Barretto Corrêa Catita
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literárias
Renally Arruda
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
Ivan Barreto Dos Santos
 
Conto de enigma
Conto de enigmaConto de enigma
Transitividade Verbal
Transitividade VerbalTransitividade Verbal
Transitividade Verbal
Angela Santos
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Segunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textual
ma.no.el.ne.ves
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
CarolinaVieira741
 
Projeto interdisciplinar sobre o livro
Projeto interdisciplinar sobre o livroProjeto interdisciplinar sobre o livro
Projeto interdisciplinar sobre o livro
Angela Junquer
 
Slide aposto
Slide   apostoSlide   aposto
Slide aposto
Matheus Augusto
 
Roteiro de cinema
Roteiro de cinemaRoteiro de cinema
Roteiro de cinema
ProfFernandaBraga
 
Verbos
Verbos  Verbos
Verbos
Juliana Mota
 
Relação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotaçãoRelação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotação
iamraphael
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
Atitude Digital
 
Simulado língua portuguesa 3º
Simulado língua portuguesa 3ºSimulado língua portuguesa 3º
Simulado língua portuguesa 3º
Marcia Oliveira
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
Diego Prezia
 
Roteiro trabalho pre modernismo 1
Roteiro trabalho pre modernismo 1Roteiro trabalho pre modernismo 1
Roteiro trabalho pre modernismo 1
Vera Oliveira
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
Lany da Silva
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
Elaine Maia
 
Denotação e conotação
Denotação e conotaçãoDenotação e conotação
Denotação e conotação
Professora Francisca Martins
 

Mais procurados (20)

Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º anoLinguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literárias
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Conto de enigma
Conto de enigmaConto de enigma
Conto de enigma
 
Transitividade Verbal
Transitividade VerbalTransitividade Verbal
Transitividade Verbal
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Segunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2018: Compreensão textual
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Projeto interdisciplinar sobre o livro
Projeto interdisciplinar sobre o livroProjeto interdisciplinar sobre o livro
Projeto interdisciplinar sobre o livro
 
Slide aposto
Slide   apostoSlide   aposto
Slide aposto
 
Roteiro de cinema
Roteiro de cinemaRoteiro de cinema
Roteiro de cinema
 
Verbos
Verbos  Verbos
Verbos
 
Relação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotaçãoRelação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotação
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Simulado língua portuguesa 3º
Simulado língua portuguesa 3ºSimulado língua portuguesa 3º
Simulado língua portuguesa 3º
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Roteiro trabalho pre modernismo 1
Roteiro trabalho pre modernismo 1Roteiro trabalho pre modernismo 1
Roteiro trabalho pre modernismo 1
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
Denotação e conotação
Denotação e conotaçãoDenotação e conotação
Denotação e conotação
 

Semelhante a Funções da Linguagem para alunos de ensino médio

Funções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptxFunções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptx
Luana Lopes Martins
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Verônica Carvalho
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
efcamargo1968
 
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptxSlides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
MauricioOliveira258223
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Maria De Lourdes Ramos
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
tatianesouza923757
 
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para EnemRevisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
Rogério Souza
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Funções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason LimaFunções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason Lima
jasonrplima
 
C:\Fakepath\FunçõEs Da Linguagem
C:\Fakepath\FunçõEs Da LinguagemC:\Fakepath\FunçõEs Da Linguagem
C:\Fakepath\FunçõEs Da Linguagem
Eneida da Rosa
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ruddy's Santos
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
funcoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdffuncoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdf
Rogério Martins
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Nicolle Souza
 
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Antônio Carlos Zeferino
 
Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.
Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.
Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.
AnaPaulaSilva359199
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
Lilian Lima
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
Lukas Mello
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Andriane Cursino
 

Semelhante a Funções da Linguagem para alunos de ensino médio (20)

Funções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptxFunções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptx
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
 
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptxSlides sobre as Funções da Linguagem.pptx
Slides sobre as Funções da Linguagem.pptx
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
 
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para EnemRevisão sobre funções da linguagem para Enem
Revisão sobre funções da linguagem para Enem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason LimaFunções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason Lima
 
C:\Fakepath\FunçõEs Da Linguagem
C:\Fakepath\FunçõEs Da LinguagemC:\Fakepath\FunçõEs Da Linguagem
C:\Fakepath\FunçõEs Da Linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
 
funcoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdffuncoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdf
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
 
Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.
Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.
Língua Portuguesa, LER CONTAR, RECONTAR.
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 

Último

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Funções da Linguagem para alunos de ensino médio

  • 2. Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações:  transmitimos informações  tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer) algo  assumimos compromissos  ordenamos, pedimos  demonstramos sentimentos  construímos representações mentais sobre nosso mundo Qual o objetivo de um texto?
  • 3.  Diferenciar que objetivo predomina em cada situação de comunicação auxilia a compreender melhor o que foi dito.  As funções da linguagem estão centradas nos elementos da comunicação. Lembre-se:
  • 4.  Emissor - emite, codifica a mensagem  Receptor - recebe, decodifica a mensagem  Mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor  Referente - contexto relacionado a emissor e receptor; assunto  Código - conjunto de signos usado na transmissão e recepção da mensagem  Canal - meio pelo qual circula a mensagem Elementos da comunicação
  • 5.  Toda comunicação apresenta uma variedade de funções, mas elas se apresentam hierarquizadas, sendo uma dominante, de acordo com o enfoque que o destinador quer dar ou do efeito que quer causar no recebedor.  As funções da linguagem são as seguintes: Qual o objetivo de um texto?
  • 6. Função emotiva (ou expressiva)  Centralizada no emissor, revela sua opinião, sua emoção.  Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e exclamações.  É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor. Ex.: “Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco de medo. A que me levará minha liberdade? O que é isto que estou te escrevendo? Isto me deixa solitária”. Funções da Linguagem
  • 8. Função Emotiva Observe que este texto está centrado na expressão dos sentimentos, emoções e opiniões de um eu-lírico. É um texto subjetivo, pessoal. Perceba que o destaque dado ao emissor é reforçado pela presença de verbos e pronomes na primeira pessoa: “Às vezes me pinto nuvem”. Os textos líricos que expressam o estado de alma do emissor exemplificam a função emotiva da linguagem.
  • 9. Função referencial (ou denotativa)  Centralizada no referente, quando o emissor procura oferecer informações da realidade.  Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular.  Usada nas notícias de jornal e livros científicos, descrições de fatos. Ex.: Em 1665¸ Londres foi assolada pela peste negra (peste bubônica) que dizimou grande parte de sua população, provocando a quase total paralisação da cidade e acarretando o fechamento de repartições públicas. Funções da Linguagem
  • 11. Função Referencial Observe que o objetivo do texto é simplesmente o de informar ao leitor, com o máximo de clareza, o que é o cravo da pele e como ele se constitui. A ênfase, portanto, é dada ao conteúdo, às informações. Os textos cuja linguagem têm função referencial são dotados de objetividade, uma vez que visam informar, traduzir ou explicar fatos da realidade.
  • 12. Função apelativa (ou conativa)  Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar o comportamento do receptor.  Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de “tu” e “você”, além de verbos no imperativo.  Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. Ex.: Meu estimado povo. Que as bênçãos de Deus, senhor todo-onipotente, desçam sobre vocês. Funções da Linguagem
  • 15. Função fática  Centralizada no canal da comunicação.  Testa a sua eficiência, a fim de observar se o receptor entendeu o emissor.  Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. Ex.: Alô, Pedro! Tô passando aí pra te pegar, ok? Tá me ouvindo? Alô!! Funções da Linguagem
  • 17. Função Fática Observe que a preocupação do emissor é manter contato com o destinatário, testando o canal de comunicação. As falas do professor têm uma função fática, para saber se Beto está atento. O mesmo ocorre com o famoso “plim! plim!” da Rede Globo, que tem a função de chamar a atenção do espectador (que se “distraiu” durante o intervalo comercial) para o canal, no caso, a televisão.
  • 18. Função poética  Centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor.  Valorizam-se as palavras e suas combinações.  É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música e em algumas propagandas. Ex.: Moça do corpo dourado/ Do sol de lpanema/ O seu balançado é mais que um poema/ É a coisa mais linda que eu já vi passar... Funções da Linguagem
  • 19. Função metalingüística  Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela mesma.  A poesia que fala da poesia, um texto que comenta outro texto, palavras que explicam o significado de outra palavra, escrever sobre o ato de escrever, falar sobre o ato de falar. Ex.: protuberância s.f do Lat. *protuberantia, de protuberare, fazer bojo; saliência; parte saliente; elevação. excrescência, bossa; apófise. Funções da Linguagem
  • 20. Funções da linguagem As funções da linguagem não existem isoladas em predominando, cada texto. Embora elas uma delas acabe convivem, mesclam-se, entrecruzam-se o tempo todo, obtendo-se de suas combinações os mais diferentes efeitos. O importante é saber qual a função predominante no texto, para então defini-lo.
  • 23. Questão 1 – Analise o fragmento e identifique quais as funções da linguagem predominantes: “O que o poeta quer dizer no discurso não acaba e se o diz é pra saber o que ainda não acaba.” Ferreira Gullar A) Conativa e fática B) Referencial e metalinguística C) Conativa e poética D) Referencial e fática E) Metalinguística e poética
  • 24. 2. (ENEM – Inep) A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, divide-se em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma floresta, um deserto e até um lago. Um ecossistema tem múltiplos mecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações. DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. Predomina no texto a função da linguagem: A) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia. B) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação C) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem. D) conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor. E) referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.
  • 25. 3. ENEM – Inep) Texto I Ser brotinho não é viver em um píncaro azulado; é muito mais! Ser brotinho é sorrir bastante dos homens e rir interminavelmente das mulheres, rir como se o ridículo, visível ou invisível, provocasse uma tosse de riso irresistível. CAMPOS, Paulo Mendes. Ser brotinho. In: SANTOS, Joaquim Ferreira dos (Org.). As cem melhores crônicas brasileiras. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. p. 91. Texto II Ser gagá não é viver apenas nos idos do passado: é muito mais! É saber que todos os amigos já morreram e os que teimam em viver são entrevados. É sorrir, interminavelmente, não por necessidade interior, mas porque a boca não fecha ou a dentadura é maior que a arcada. FERNANDES, Millôr. Ser gagá. In: SANTOS, Joaquim Ferreira dos (Org.). As cem melhores crônicas brasileiras. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. p. 225. Os textos I e II utilizam os mesmos recursos expressivos para definir as fases da vida de uma pessoa. Tal afirmação é confirmada pelo uso de: A) expressões coloquiais com significados semelhantes. B) afirmações enfáticas no aspecto contraditório da vida dos seres humanos. C) recursos específicos de textos escritos em linguagem formal. D) termos denotativos que se realizam com sentido objetivo. E) metalinguagem que explica com humor o sentido de palavras.
  • 26. 4. (UEMG-2006) Assinale a alternativa em que o(s) termo(s) em negrito do fragmento citado NÃO contém (êm) traço(s) da função emotiva da linguagem. A. Os poemas (infelizmente!) não estão nos rótulos de embalagens nem junto aos frascos de remédio. B. A leitura ganha contornos de “cobaia de laboratório” quando sai de sua significação e cai no ambiente artificial e na situação inventada. C. Outras leituras significativas são o rótulo de um produto que se vai comprar, os preços do bem de consumo, o tíquete do cinema, as placas do ponto de ônibus (…) D. Ler e escrever são condutas da vida em sociedade. Não são ratinhos mortos(…) prontinhos para ser desmontados e montados, picadinhos (…)
  • 27. 5. Desabafo Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que esqueci ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária eletrônica. Recados chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado. CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento). Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções da linguagem, com o predomínio, entretanto, de uma sobre as outras. No fragmento da crônica Desabafo, a função da linguagem predominante é a emotiva ou expressiva, pois A) o discurso do enunciador tem como foco o próprio código. B) a atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito. C) o interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem. D) o referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais. E) o enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação.
  • 28. 6. “A pandemia do Coronavírus tem, certamente, modificado muito dos nossos hábitos. Neste novo normal, a tecnologia, que já vinha ocupando um espaço significativo nas relações humanas, passou a ser o centro das comunicações e a unir a sociedade de um modo nunca visto antes.” O contexto acima apresenta: A) Função fática. B) Função metalinguística. C) Função conativa. D D) Função referencial