SlideShare uma empresa Scribd logo
FOCO DE ATENÇÃO E
APRENDIZAGEM MOTORA
Ms. Marcos Soares
OBJETIVOS DA AULA
COMPREENDER AATENÇÃO COMO UM CONCEITO RELACIONADO
AS CAPACIDADES DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO.
ENTENEDER AS DIFERENTES FORMAS DE MANIPULAÇÃO DO FOCO
DE ATENÇÃO NA ÁREA DAAPRENDIZAGEM MOTORA.
ANALISAR O ESTADO DAARTE EM RELAÇÃO AS PESQUISAS ATUAIS
SOBRE O FOCO DE ATENÇÃO.
ATENÇÃO
ATENÇÃO
ATENÇÃO
Mecanismo que permite a seleção eficiente da informação (NORMAN, 1968)
Processo que direciona, seleciona, alerta, delibera, contempla (THE RANDOM
HOUSE THESAURUS, 1987)
Termo global utilizado para definir vários processos que variam da concentração
a vigilância (ABERNETHY, 1993)
ATENÇÃO
Vigília / Estado de alerta/ Concentração
Estimulação da Percepção
Informações captadas pelos sentidos
Processamento Cognitivo
Ação motora
ATENÇÃO
Estimulação dos Sentidos
Identificação do estímulo (Percepção)
Seleção da resposta (Decisão)
Programação da resposta
(Realização)
*Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar
(SCHMIDT & WRISBERG 2010)
ATENÇÃO
Estimulação dos Sentidos
Identificação do estímulo (Percepção)
*Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar
(SCHMIDT & WRISBERG 2010)
Dois ou mais fluxos de informação, podem entrar no
sistema ao mesmo tempo e serem processados juntos
sem interferência.
EQUIPE 1
RESPONDA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL!
NOME DA FIGURA GEOMÉTRICA E SUA COR.
QUADRADO VERMELHO
EQUIPE 2
RESPONDA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL!
NOME DA FIGURA GEOMÉTRICA E SUA COR.
TRIÂNGULO VERDE
EQUIPE 1 E 2
RESPONDAM O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL O NOME
DAS CORES!
ATENÇÃO
Vermelho
ATENÇÃO
Cinza
ATENÇÃO
Verde
ATENÇÃO
Azul
ATENÇÃO
BrancoEFEITO STROOP – dois estímulos são processados
inicialmente juntos em paralelo. A interferência é
causada tardiamente por ambos os estímulos
competirem por respostas diferentes.
ATENÇÃO
Estimulação dos Sentidos
Seleção da resposta (Decisão)
*Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar
(SCHMIDT & WRISBERG 2010)
Durante a execução de duas tarefas que envolvem
operações mentais a determinação da escolha entre
duas respostas possíveis é realizada por algumas
formas de processamento que demandam maior
ou menor nível de atenção.
ATENÇÃO
(SCHNEIDER & SHIFFRIN 1977)
PROCESSAMENTO
CONTROLADO
PROCESSAMENTO
AUTOMÁTICO
Operações de processamento Lento Rápido
Organização de processamento Seriado – efetuação sequenciada
de uma função cognitiva por vez.
Diferentes funções cognitivas
ocorrem de forma paralela
Intencionalidade Função mental ou cognitiva
interrompida a qualquer instante
Funções de processamento
disparadas automaticamente
Interferência entre tarefas Interferência de tarefas executadas
de forma simultânea
Não sofre interferência de tarefas
executadas de forma simultânea
TAREFAS - EQUIPE 1 E 2
ATENÇÃO
Estimulação dos Sentidos
*Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar
(SCHMIDT & WRISBERG 2010)
Organização do movimento ocorre serialmente.
Programação da resposta
(Realização)
ATENÇÃO
(TEIXEIRA 2006)
Sistema
Sensorial
Processamento
Central
Coordenação
Nível Pré-
Atencional
Nível Atencional
Nível Sub-
Atencional
Sistema Nervoso
Informação
Ambiental
Sistema
Muscular
Modelo – Fluxo de informações no controle de movimentos voluntários.
ATENÇÃO
Atenção = Capacidade limitada – Atenção seletiva de informações.
ATENÇÃO
Atenção Seletiva = determina o que é percebido e codificado na memória que por sua vez
poderá facilitar a recuperação da informação (TREISMAN 1992; CRAIK, 1996)
ATENÇÃO
TAREFA - EQUIPE 1 E 2
VAMOS OBSERVAR SE A ATENÇÃO SELETIVA DE
VOCÊS ESTÁ BOA. DESCREVAM EM 1 MINUTO O
QUE AS RESPECTIVAS FIGURAS DEMONSTRAM!
ATENÇÃO
Possíveis explicações sobre os mecanismos da atenção.
(WELFORD 1952; BROADBENT 1958; DEUTSCH & DEUTSCH 1963; KEELE, 1973)
ATENÇÃO
Invasão/ Perturbação do espaço de atenção.
Existe um espaço de atenção esse espaço tem capacidade
limitada de processar informações.
Natureza Seriada da atenção: primeiro uma coisa, depois
outra – tarefa primária e secundária.
ATENÇÃO
Tarefa primária e secundária.
Espaço de atenção da tarefa secundária é reduzido quando a tarefa primária é complexa.
Relação com estágio de aprendizagem (SCHMIDT & LEE 2011)
Iniciante – Processamento mais lento, seriado, + atenção.
Habilidoso – Processamento mais rápido, paralelo, - atenção.
ATENÇÃO
ESTÁGIOS DE APRENDIZAGEM E ATENÇÃO
COGNITIVO
*Compreensão da tarefa / * Sobrecarga em mecanismos de atenção/ *Performance
inconsistente.
ASSOCIATIVO
AUTÔNOMO
*Detecção de erros / * Diminuição da sobrecarga em mecanismos de atenção/
*Performance mais estável.
*Detecção de erros / * Mínima exigência no processo de atenção/ *Performance
consistente.
(FITTS & POSNER, 1967)
Qual das alternativas abaixo não é
verdadeira?
X A atenção não permite que dois estímulos sejam
inicialmente processados em paralelo.
Atenção é seriada, mudando de uma fonte para outra ao
longo do tempo.
A atenção limita a capacidade de fazer duas tarefas ao
mesmo tempo.
Atenção é limitada em capacidade.
PERGUNTA - EQUIPE 1 E 2
MAS !!! COMO EU POSSO
INVESTIGAR A VARIÁVEL
ATENÇÃO, NO PROCESSO DE
AQUISIÇÃO DE HABILIDADES
MOTORAS ???
FOCO DE ATENÇÃO
Amplitude do foco.
Direção do foco.
Instrutor deve auxiliar no direcionamento do foco de atenção.
Fontes mais relevantes.
FOCO DE ATENÇÃO
AMPLITUDE DO FOCO
Foco Amplo
Foco Estreito
* Prestar atenção em um número pequeno de informações ao mesmo tempo.
* Prestar atenção em um número grande de informações ao mesmo tempo.
(NIDEFFER, 1995)
FOCO DE ATENÇÃO
DIREÇÃO DO FOCO
Foco Interno
Foco Externo
* Prestar atenção em um objeto no ambiente ou no resultado da ação.
* Prestar atenção na execução do movimento, isto é, em informações no
organismo (pessoa que executa).
(NIDEFFER, 1995)
FOCO DE ATENÇÃO
EXEMPLOS
Foco Externo estreito
Foco Interno Estreito
* Paciente: o que está sentindo no joelho esquerdo.
* Goleiro: focar no pé de apoio do batedor do pênalti.
Foco Interno Amplo
* Jogador de tênis: sentir o movimento do balanço do braço com a raquete.
Foco Externo Amplo
* Zagueiro: focar o movimento dos atacantes adversários.
FOCO DE ATENÇÃO
ZAGUEIRO Amplitude do Foco
Estreito Amplo
Focar no movimento
do pé durante um
chute
Focar no movimento
do membro inferior
durante um chute
Focar no movimento
da bola
Focar no movimento
dos atacantes
adversários
DireçãodoFoco
InternoExterno
Um jogador de tênis percebe ao realizar o saque que seu adversário
acaba de torcer o tornozelo. Qual seria o tipo de foco utilizado na
presente situação?
x
Foco Interno amplo
Foco estreito interno
Foco externo amplo
Foco externo estreito
PERGUNTA - EQUIPE 1 E 2
FOCO DE ATENÇÃO
Qual o foco de atenção ótimo para
aprendizagem de habilidades
motoras ?
FOCO DE ATENÇÃO
EM RELAÇÃO AAMPLITUDE DO FOCO.....
Foco estreito para iniciantes
A considerar a capacidade de processamento de informação e as fases de
aprendizagem motora:
* Se prestam atenção em mais de um elemento ao mesmo tempo, o
desempenho pode ser prejudicado.
Foco amplo para habilidosos
* Conseguem prestar atenção em mais de um elemento ao mesmo tempo.
FOCO DE ATENÇÃO
Em relação
à direção do foco........
FOCO DE ATENÇÃO
Quais são as possíveis explicações
para superioridade do foco externo
de atenção na aprendizagem
motora?
FOCO DE ATENÇÃO
Foco Externo
*Acelera o processo de aprendizagem alcançando de forma mais rápida um estado de
automaticidade.
*Primeiros estágios de aprendizagem encurtados.
CAMINHOS A SEGUIR!!!
REFERÊNCIAS
ABERNETHY, B. Attention. In: SINGER, R.; Murphey, M.; Tennant, L. K. Handbook of research on sport psychology, new York, Mcmillan, p. 127-170,
1993.
BROADBENT, D.E. Perception and communication. London, Pergamon, 1958.
CRAIK, F. I. M. Encoding and retriveal processes: Similarities and diferences . In: INTENATIONAL CONFERENCE AND MEMORY, 2., padua, 1996.
DEUTSCH, J. A.; DEUTSCH, D. Attention: Some theoretical considerations. Psychological Review, v.70, p. 80-90, 1963.
FITTS, P. M.; POSNER. M. I. Human performance. Belmont, Brooks/Colemann, 1967.
KEELE, S. W. Attention and human performance. Pacific Palisades, goodyear, 1973.
NIDEFFER, R. M. Attention control training . In, Handbook of Research on Sport Psychology, R. N. Singer, M. Murphey, and L. K. Tennant (Eds.),
Mcmillan, Nova York, p. 542-556, 1995.
NORMAN, D. A. Toward a theory of memory and attention. Psychological Review, v. 75, n. 6, p. 522- 536, 1968.
SCHNEIDER, W.; SHIFFRIN, R. M. Controlled and automatic humam information processing: I. Detection, search, and attention. Psychological Review.
American Psychological Association, v. 84, n. 1, january, 1977.
SCHMIDT, R. A.; LEE T. D. Motor learning control and learning: a behavioral emphasis. 5. ed. Champaign: Human Kinects, 2011.
SCHMIDT, R. A.; WRISBERG, C. A. Aprendizagem e desempenho motor. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.
REFERÊNCIAS
TEIXEIRA, L. A. Controle motor. São Paulo: Manole, 2006.
TREISMAN, A. M. Perceiving and reperceiving objects. American Psychologist, v. 47, p. 210-37, 1992.
WELFORD, A.T. The psychological refractory period and the timing of high-speed performance: a review and a theory. British Journal of
Psychology, v.43, p.2-19, 1952
WULF, G.; SHEA, C.; PARK, J. H. Attention and Motor Performance: Preferences for and Advantages of an External Focus, Research Quarterly for
Exercise and Sport, 72:4, 335-344, 2001
WULF, G.; WEIGELT, M.; POULTER, D.; MCNEVIN, N. Attentional Focus on Suprapostural Tasks Affects Balance Learning. Quarterly Journal of
Experimental Psychology , vol 56, Issue 7, p. 1191 – 1211, 2003.
ZACHRY, T.; WULF, G.; MERCER, J.; BEZODIS, N. Increased movement accuracy and reduced EMG activity as the result of adopting an external
focus of attention. Brain Research Bulletin. v. 67, p. 304-309, 2005.
Obrigado!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia do Desporto
Psicologia do DesportoPsicologia do Desporto
Psicologia do Desporto
Ivo Madureira
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Psicologia do desporto
Psicologia do desportoPsicologia do desporto
Psicologia do desporto
Flávia Vieira
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicosDesenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Cassio Meira Jr.
 
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Mayara Rodrigues
 
Ginastica Laboral
Ginastica Laboral Ginastica Laboral
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
Dr. Rafael Higashi
 
Psicologia desportiva
Psicologia desportivaPsicologia desportiva
Psicologia desportiva
Raquel Tavares
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
Natha Fisioterapia
 
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da AtençãoPsicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Alexandre Simoes
 
Flexibilidade
FlexibilidadeFlexibilidade
Flexibilidade
Amarildo César
 
Variabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem Motora
Variabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem MotoraVariabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem Motora
Variabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem Motora
Cassio Meira Jr.
 
AVC
AVCAVC
Novas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHANovas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHA
Leandro Carvalho
 
alavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteoalavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteo
Bruno Mendes
 
Reabilitação do Idoso
Reabilitação do IdosoReabilitação do Idoso
Reabilitação do Idoso
Dany Romeira
 
Noções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografiaNoções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografia
resenfe2013
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
Anderson Santana
 
Goniometria do cotovelo
Goniometria do cotoveloGoniometria do cotovelo
Goniometria do cotovelo
Daniel Brandão
 

Mais procurados (20)

Psicologia do Desporto
Psicologia do DesportoPsicologia do Desporto
Psicologia do Desporto
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Psicologia do desporto
Psicologia do desportoPsicologia do desporto
Psicologia do desporto
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicosDesenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
 
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
 
Ginastica Laboral
Ginastica Laboral Ginastica Laboral
Ginastica Laboral
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
 
Psicologia desportiva
Psicologia desportivaPsicologia desportiva
Psicologia desportiva
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da AtençãoPsicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
 
Flexibilidade
FlexibilidadeFlexibilidade
Flexibilidade
 
Variabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem Motora
Variabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem MotoraVariabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem Motora
Variabilidade e estrutura de prática em Aprendizagem Motora
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Novas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHANovas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHA
 
alavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteoalavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteo
 
Reabilitação do Idoso
Reabilitação do IdosoReabilitação do Idoso
Reabilitação do Idoso
 
Noções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografiaNoções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografia
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Goniometria do cotovelo
Goniometria do cotoveloGoniometria do cotovelo
Goniometria do cotovelo
 

Semelhante a Foco de atenção em Aprendizagem Motora

Atenção tt marques_2012
Atenção tt marques_2012Atenção tt marques_2012
Atenção tt marques_2012
Cassio Meira Jr.
 
Tdha th t ansiedade retardo mental e aprendizagem
Tdha  th  t ansiedade retardo mental e aprendizagemTdha  th  t ansiedade retardo mental e aprendizagem
Tdha th t ansiedade retardo mental e aprendizagem
Caio Grimberg
 
AULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptx
AULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptxAULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptx
AULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptx
ssuser187a51
 
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...
Billy Nascimento
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
IFRS - Campus Sertão
 
Introdução a Cognição
Introdução a CogniçãoIntrodução a Cognição
Introdução a Cognição
Sergio Luis dos Santos Lima
 
IHC Parte2
IHC Parte2IHC Parte2
IHC Parte2
Sebulba Dug
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
Instituto Consciência GO
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Juazeiro do Norte e Região do Cariri
 
testes de rastreio cognitivo .pptx
testes de rastreio cognitivo .pptxtestes de rastreio cognitivo .pptx
testes de rastreio cognitivo .pptx
LaisSalamene
 
Processo ..
Processo ..Processo ..
2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb
Jéssica Guidolin
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
Amyris Fernandez
 
Aula Sensação Percepção.pdf
Aula Sensação Percepção.pdfAula Sensação Percepção.pdf
Aula Sensação Percepção.pdf
Thiago397505
 
Psicofisiologia Da Atenção 2009
Psicofisiologia Da Atenção 2009Psicofisiologia Da Atenção 2009
Psicofisiologia Da Atenção 2009
guestd2d3fb
 
Parte II
Parte IIParte II
Parte II
jullyandry
 
Seminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrosSeminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barros
tvf
 
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto MultimídiaFatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
Wanderley Pavão Junior
 
Amyris emotions isa15
Amyris emotions isa15Amyris emotions isa15
Amyris emotions isa15
Amyris Fernandez
 
Psicotenis apresentação
Psicotenis   apresentaçãoPsicotenis   apresentação
Psicotenis apresentação
psicotenis
 

Semelhante a Foco de atenção em Aprendizagem Motora (20)

Atenção tt marques_2012
Atenção tt marques_2012Atenção tt marques_2012
Atenção tt marques_2012
 
Tdha th t ansiedade retardo mental e aprendizagem
Tdha  th  t ansiedade retardo mental e aprendizagemTdha  th  t ansiedade retardo mental e aprendizagem
Tdha th t ansiedade retardo mental e aprendizagem
 
AULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptx
AULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptxAULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptx
AULA 1- ATENÇÃO E MEMÓRIA - OUTUBRO - NOVEMBRO 2023.pptx
 
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 3 - Atenção ...
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
 
Introdução a Cognição
Introdução a CogniçãoIntrodução a Cognição
Introdução a Cognição
 
IHC Parte2
IHC Parte2IHC Parte2
IHC Parte2
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
 
testes de rastreio cognitivo .pptx
testes de rastreio cognitivo .pptxtestes de rastreio cognitivo .pptx
testes de rastreio cognitivo .pptx
 
Processo ..
Processo ..Processo ..
Processo ..
 
2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
 
Aula Sensação Percepção.pdf
Aula Sensação Percepção.pdfAula Sensação Percepção.pdf
Aula Sensação Percepção.pdf
 
Psicofisiologia Da Atenção 2009
Psicofisiologia Da Atenção 2009Psicofisiologia Da Atenção 2009
Psicofisiologia Da Atenção 2009
 
Parte II
Parte IIParte II
Parte II
 
Seminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrosSeminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barros
 
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto MultimídiaFatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
 
Amyris emotions isa15
Amyris emotions isa15Amyris emotions isa15
Amyris emotions isa15
 
Psicotenis apresentação
Psicotenis   apresentaçãoPsicotenis   apresentação
Psicotenis apresentação
 

Mais de Cassio Meira Jr.

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Cassio Meira Jr.
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Cassio Meira Jr.
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Cassio Meira Jr.
 
Metas2022.ppt
Metas2022.pptMetas2022.ppt
Metas2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.pptVariabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
AprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.pptAprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
AprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.pptAprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.pptTransferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Fracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.pptFracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
DifsInds2022.ppt
DifsInds2022.pptDifsInds2022.ppt
DifsInds2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Fases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.pptFases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Experts_2022.ppt
Experts_2022.pptExperts_2022.ppt
Experts_2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisadorCiência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Cassio Meira Jr.
 
Busca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dadosBusca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dados
Cassio Meira Jr.
 
Etapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaEtapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa Científica
Cassio Meira Jr.
 
Ética na pesquisa científica
Ética na pesquisa científicaÉtica na pesquisa científica
Ética na pesquisa científica
Cassio Meira Jr.
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
Cassio Meira Jr.
 
Cronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.pptCronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científicaIntrodução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Cassio Meira Jr.
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 

Mais de Cassio Meira Jr. (20)

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Metas2022.ppt
Metas2022.pptMetas2022.ppt
Metas2022.ppt
 
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.pptVariabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
 
AprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.pptAprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.ppt
 
AprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.pptAprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.ppt
 
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.pptTransferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
 
Fracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.pptFracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.ppt
 
DifsInds2022.ppt
DifsInds2022.pptDifsInds2022.ppt
DifsInds2022.ppt
 
Fases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.pptFases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.ppt
 
Experts_2022.ppt
Experts_2022.pptExperts_2022.ppt
Experts_2022.ppt
 
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisadorCiência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
 
Busca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dadosBusca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dados
 
Etapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaEtapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa Científica
 
Ética na pesquisa científica
Ética na pesquisa científicaÉtica na pesquisa científica
Ética na pesquisa científica
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Cronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.pptCronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.ppt
 
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científicaIntrodução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científica
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Foco de atenção em Aprendizagem Motora

  • 1. FOCO DE ATENÇÃO E APRENDIZAGEM MOTORA Ms. Marcos Soares
  • 2. OBJETIVOS DA AULA COMPREENDER AATENÇÃO COMO UM CONCEITO RELACIONADO AS CAPACIDADES DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO. ENTENEDER AS DIFERENTES FORMAS DE MANIPULAÇÃO DO FOCO DE ATENÇÃO NA ÁREA DAAPRENDIZAGEM MOTORA. ANALISAR O ESTADO DAARTE EM RELAÇÃO AS PESQUISAS ATUAIS SOBRE O FOCO DE ATENÇÃO.
  • 5. ATENÇÃO Mecanismo que permite a seleção eficiente da informação (NORMAN, 1968) Processo que direciona, seleciona, alerta, delibera, contempla (THE RANDOM HOUSE THESAURUS, 1987) Termo global utilizado para definir vários processos que variam da concentração a vigilância (ABERNETHY, 1993)
  • 6. ATENÇÃO Vigília / Estado de alerta/ Concentração Estimulação da Percepção Informações captadas pelos sentidos Processamento Cognitivo Ação motora
  • 7. ATENÇÃO Estimulação dos Sentidos Identificação do estímulo (Percepção) Seleção da resposta (Decisão) Programação da resposta (Realização) *Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar (SCHMIDT & WRISBERG 2010)
  • 8. ATENÇÃO Estimulação dos Sentidos Identificação do estímulo (Percepção) *Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar (SCHMIDT & WRISBERG 2010) Dois ou mais fluxos de informação, podem entrar no sistema ao mesmo tempo e serem processados juntos sem interferência.
  • 9. EQUIPE 1 RESPONDA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL! NOME DA FIGURA GEOMÉTRICA E SUA COR. QUADRADO VERMELHO
  • 10. EQUIPE 2 RESPONDA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL! NOME DA FIGURA GEOMÉTRICA E SUA COR. TRIÂNGULO VERDE
  • 11. EQUIPE 1 E 2 RESPONDAM O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL O NOME DAS CORES!
  • 16. ATENÇÃO BrancoEFEITO STROOP – dois estímulos são processados inicialmente juntos em paralelo. A interferência é causada tardiamente por ambos os estímulos competirem por respostas diferentes.
  • 17. ATENÇÃO Estimulação dos Sentidos Seleção da resposta (Decisão) *Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar (SCHMIDT & WRISBERG 2010) Durante a execução de duas tarefas que envolvem operações mentais a determinação da escolha entre duas respostas possíveis é realizada por algumas formas de processamento que demandam maior ou menor nível de atenção.
  • 18. ATENÇÃO (SCHNEIDER & SHIFFRIN 1977) PROCESSAMENTO CONTROLADO PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO Operações de processamento Lento Rápido Organização de processamento Seriado – efetuação sequenciada de uma função cognitiva por vez. Diferentes funções cognitivas ocorrem de forma paralela Intencionalidade Função mental ou cognitiva interrompida a qualquer instante Funções de processamento disparadas automaticamente Interferência entre tarefas Interferência de tarefas executadas de forma simultânea Não sofre interferência de tarefas executadas de forma simultânea
  • 20. ATENÇÃO Estimulação dos Sentidos *Visão *Tato *Audição * Olfato *Paladar (SCHMIDT & WRISBERG 2010) Organização do movimento ocorre serialmente. Programação da resposta (Realização)
  • 21. ATENÇÃO (TEIXEIRA 2006) Sistema Sensorial Processamento Central Coordenação Nível Pré- Atencional Nível Atencional Nível Sub- Atencional Sistema Nervoso Informação Ambiental Sistema Muscular Modelo – Fluxo de informações no controle de movimentos voluntários.
  • 22. ATENÇÃO Atenção = Capacidade limitada – Atenção seletiva de informações.
  • 23. ATENÇÃO Atenção Seletiva = determina o que é percebido e codificado na memória que por sua vez poderá facilitar a recuperação da informação (TREISMAN 1992; CRAIK, 1996)
  • 24. ATENÇÃO TAREFA - EQUIPE 1 E 2 VAMOS OBSERVAR SE A ATENÇÃO SELETIVA DE VOCÊS ESTÁ BOA. DESCREVAM EM 1 MINUTO O QUE AS RESPECTIVAS FIGURAS DEMONSTRAM!
  • 25. ATENÇÃO Possíveis explicações sobre os mecanismos da atenção. (WELFORD 1952; BROADBENT 1958; DEUTSCH & DEUTSCH 1963; KEELE, 1973)
  • 26. ATENÇÃO Invasão/ Perturbação do espaço de atenção. Existe um espaço de atenção esse espaço tem capacidade limitada de processar informações. Natureza Seriada da atenção: primeiro uma coisa, depois outra – tarefa primária e secundária.
  • 27. ATENÇÃO Tarefa primária e secundária. Espaço de atenção da tarefa secundária é reduzido quando a tarefa primária é complexa. Relação com estágio de aprendizagem (SCHMIDT & LEE 2011) Iniciante – Processamento mais lento, seriado, + atenção. Habilidoso – Processamento mais rápido, paralelo, - atenção.
  • 28. ATENÇÃO ESTÁGIOS DE APRENDIZAGEM E ATENÇÃO COGNITIVO *Compreensão da tarefa / * Sobrecarga em mecanismos de atenção/ *Performance inconsistente. ASSOCIATIVO AUTÔNOMO *Detecção de erros / * Diminuição da sobrecarga em mecanismos de atenção/ *Performance mais estável. *Detecção de erros / * Mínima exigência no processo de atenção/ *Performance consistente. (FITTS & POSNER, 1967)
  • 29. Qual das alternativas abaixo não é verdadeira? X A atenção não permite que dois estímulos sejam inicialmente processados em paralelo. Atenção é seriada, mudando de uma fonte para outra ao longo do tempo. A atenção limita a capacidade de fazer duas tarefas ao mesmo tempo. Atenção é limitada em capacidade. PERGUNTA - EQUIPE 1 E 2
  • 30. MAS !!! COMO EU POSSO INVESTIGAR A VARIÁVEL ATENÇÃO, NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE HABILIDADES MOTORAS ???
  • 31. FOCO DE ATENÇÃO Amplitude do foco. Direção do foco. Instrutor deve auxiliar no direcionamento do foco de atenção. Fontes mais relevantes.
  • 32. FOCO DE ATENÇÃO AMPLITUDE DO FOCO Foco Amplo Foco Estreito * Prestar atenção em um número pequeno de informações ao mesmo tempo. * Prestar atenção em um número grande de informações ao mesmo tempo. (NIDEFFER, 1995)
  • 33. FOCO DE ATENÇÃO DIREÇÃO DO FOCO Foco Interno Foco Externo * Prestar atenção em um objeto no ambiente ou no resultado da ação. * Prestar atenção na execução do movimento, isto é, em informações no organismo (pessoa que executa). (NIDEFFER, 1995)
  • 34. FOCO DE ATENÇÃO EXEMPLOS Foco Externo estreito Foco Interno Estreito * Paciente: o que está sentindo no joelho esquerdo. * Goleiro: focar no pé de apoio do batedor do pênalti. Foco Interno Amplo * Jogador de tênis: sentir o movimento do balanço do braço com a raquete. Foco Externo Amplo * Zagueiro: focar o movimento dos atacantes adversários.
  • 35. FOCO DE ATENÇÃO ZAGUEIRO Amplitude do Foco Estreito Amplo Focar no movimento do pé durante um chute Focar no movimento do membro inferior durante um chute Focar no movimento da bola Focar no movimento dos atacantes adversários DireçãodoFoco InternoExterno
  • 36. Um jogador de tênis percebe ao realizar o saque que seu adversário acaba de torcer o tornozelo. Qual seria o tipo de foco utilizado na presente situação? x Foco Interno amplo Foco estreito interno Foco externo amplo Foco externo estreito PERGUNTA - EQUIPE 1 E 2
  • 37. FOCO DE ATENÇÃO Qual o foco de atenção ótimo para aprendizagem de habilidades motoras ?
  • 38. FOCO DE ATENÇÃO EM RELAÇÃO AAMPLITUDE DO FOCO..... Foco estreito para iniciantes A considerar a capacidade de processamento de informação e as fases de aprendizagem motora: * Se prestam atenção em mais de um elemento ao mesmo tempo, o desempenho pode ser prejudicado. Foco amplo para habilidosos * Conseguem prestar atenção em mais de um elemento ao mesmo tempo.
  • 39. FOCO DE ATENÇÃO Em relação à direção do foco........
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51. FOCO DE ATENÇÃO Quais são as possíveis explicações para superioridade do foco externo de atenção na aprendizagem motora?
  • 52. FOCO DE ATENÇÃO Foco Externo *Acelera o processo de aprendizagem alcançando de forma mais rápida um estado de automaticidade. *Primeiros estágios de aprendizagem encurtados.
  • 54. REFERÊNCIAS ABERNETHY, B. Attention. In: SINGER, R.; Murphey, M.; Tennant, L. K. Handbook of research on sport psychology, new York, Mcmillan, p. 127-170, 1993. BROADBENT, D.E. Perception and communication. London, Pergamon, 1958. CRAIK, F. I. M. Encoding and retriveal processes: Similarities and diferences . In: INTENATIONAL CONFERENCE AND MEMORY, 2., padua, 1996. DEUTSCH, J. A.; DEUTSCH, D. Attention: Some theoretical considerations. Psychological Review, v.70, p. 80-90, 1963. FITTS, P. M.; POSNER. M. I. Human performance. Belmont, Brooks/Colemann, 1967. KEELE, S. W. Attention and human performance. Pacific Palisades, goodyear, 1973. NIDEFFER, R. M. Attention control training . In, Handbook of Research on Sport Psychology, R. N. Singer, M. Murphey, and L. K. Tennant (Eds.), Mcmillan, Nova York, p. 542-556, 1995. NORMAN, D. A. Toward a theory of memory and attention. Psychological Review, v. 75, n. 6, p. 522- 536, 1968. SCHNEIDER, W.; SHIFFRIN, R. M. Controlled and automatic humam information processing: I. Detection, search, and attention. Psychological Review. American Psychological Association, v. 84, n. 1, january, 1977. SCHMIDT, R. A.; LEE T. D. Motor learning control and learning: a behavioral emphasis. 5. ed. Champaign: Human Kinects, 2011. SCHMIDT, R. A.; WRISBERG, C. A. Aprendizagem e desempenho motor. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.
  • 55. REFERÊNCIAS TEIXEIRA, L. A. Controle motor. São Paulo: Manole, 2006. TREISMAN, A. M. Perceiving and reperceiving objects. American Psychologist, v. 47, p. 210-37, 1992. WELFORD, A.T. The psychological refractory period and the timing of high-speed performance: a review and a theory. British Journal of Psychology, v.43, p.2-19, 1952 WULF, G.; SHEA, C.; PARK, J. H. Attention and Motor Performance: Preferences for and Advantages of an External Focus, Research Quarterly for Exercise and Sport, 72:4, 335-344, 2001 WULF, G.; WEIGELT, M.; POULTER, D.; MCNEVIN, N. Attentional Focus on Suprapostural Tasks Affects Balance Learning. Quarterly Journal of Experimental Psychology , vol 56, Issue 7, p. 1191 – 1211, 2003. ZACHRY, T.; WULF, G.; MERCER, J.; BEZODIS, N. Increased movement accuracy and reduced EMG activity as the result of adopting an external focus of attention. Brain Research Bulletin. v. 67, p. 304-309, 2005.