SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudos do Evangelho 
Capítulo 8 – Bem aventurados os puros de coração 
Leonardo Pereira
Questões de 
“O Livro 
dos 
Espíritos”
Instruções dos espíritos ll - 
Bem-Aventurados Os Que Têm 
Os Olhos Fechados 
VIANNEY Cura de D’ars, Paris, 1863(1) canonizado pelo papa Pio XI, em 1925 
- (1) Esta comunicação foi dada a respeito de uma pessoa cega, para a qual havia sido evocado o 
Espírito de J.B. Vianney, Cura de D’ars.
Que queres que eu te faça? 
E o cego lhe disse: 
Mestre, que eu veja.
Conceito de Ver?
A palavra ver é o termo que se 
refere ao sentido da visão que 
dispõe os seres humanos e os 
animais, juntamente com o 
paladar, a audição, o olfato e o 
tato, ela é uma das disposições 
sensoriais mais destacadas 
do ser humano.
O termo também é usado para 
outras questões e situações da 
linguagem coloquial, tais como: 
A percepção que obtemos de algo, 
seja com inteligência ou com 
qualquer um dos sentidos; 
O reconhecimento com atenção de 
alguma questão analisada;
O reconhecimento que uma pessoa 
realiza sobre o estado físico de 
outro ser; 
A visita que se faz a alguém; 
A apreciação de um espetáculo; 
Constatar que algo ou alguém se 
encontre num lugar indicado ou que 
se sabe que pode estar;
Adiantar-se a 
um acontecimento futuro 
e preveni-lo; e como 
sinônimo de ações, tais 
como: considerar, julgar, 
refletir, entre outras. 
Artigo: http://queconceito.com.br/ver#ixzz3DXoqhCFB
Ver além 
Da matéria 
Das 
aparências!
21 – NOTA:
Quando uma aflição não é a 
consequência dos atos da 
vida presente, é necessário 
procurar a sua causa numa 
vida anterior. Isso que 
chamamos caprichos da 
sorte nada mais são que os 
efeitos da justiça de Deus.
Ele não aplica punições 
arbitrárias, pois quer sempre 
que entre a falta e a pena exista 
correlação. Se, na sua bondade, 
lança um véu sobre os nossos 
atos passados, entretanto nos 
aponta o caminho a dizer:
“Quem matou 
pela espada, pela 
espada perecerá”
...palavras que podemos 
traduzir assim: “Somos 
sempre punidos naquilo em 
que pecamos”. Se, pois, 
alguém é afligido com a 
perda da visão, é que a vista 
foi para ele uma causa de 
queda.
Talvez também tenha sido 
causa da perda da vista para 
outro; pode alguém ter 
ficado cego pelo excesso de 
trabalho que lhe impôs, ou 
ainda em consequência de 
maus tratos, de falta de 
cuidados, etc.,
e então sofre agora a pena de 
talião. Ele mesmo, no seu 
arrependimento, pode ter 
escolhido esta expiação, 
aplicando a si próprio estas 
palavras de Jesus: “Se vosso 
olhos for motivo de escândalo, 
arrancai-o”. 
•
O Espírito que expia as suas culpas 
numa nova existência passa apenas 
por sofrimentos materiais. Assim, 
não será exato dizer que após a 
morte a alma só tem sofrimentos 
morais? Em . LE. 983.
— É bem verdade que, 
reencarnada, a alma encontra nas 
tribulações da vida o seu 
sofrimento; mas apenas o corpo 
sofre materialmente. Dizeis em geral 
que o morto já não sofre mais, mas 
isso nem sempre é verdade. 
Como Espírito, não sofre mais dores 
físicas, mas, segundo as faltas que 
tenha cometido, pode ter dores
morais mais cruciantes, e numa 
nova existência pode ser ainda mais 
infeliz. O mau rico passará a esmolar 
e estará submetido a todas as 
privações da miséria; o orgulhoso, a 
todas as humilhações; aquele que 
abusa de sua autoridade e trata os 
seus subordinados com desprezo 
e dureza será forçado a obedecer a 
um senhor mais duro do que ele
tenha sido. Todas as penas e 
atribulações da vida são expiações 
de faltas de outra existência, 
quando não se trata de 
consequências das faltas da 
existência atual. (... O homem que 
se crê feliz na Terra porque pode 
satisfazer suas paixões é o 
que faz menos esforços para se 
melhorar).
Em geral, ele começa a expiar 
essa felicidade efêmera na própria 
vida que leva, mas certamente a 
expiará numa outra existência tão 
material como essa.
As vicissitudes da vida são 
sempre a punição das faltas 
atuais? 
Em . LE. 984.
— Não. 
Já o dissemos: são provas impostas 
por Deus ou escolhidas por vós 
mesmos quando no estado de 
Espírito e antes da vossa 
reencarnação, para expiar as faltas 
cometidas numa outra existência.
Porque jamais a infração das leis de 
Deus, e sobretudo da lei de justiça, 
fica impune; se a punição não é feita 
nesta vida, será necessariamente 
em outra. E por isso que aquele que 
é justo aos vossos olhos vê-se 
frequentemente atingido pelo 
seu passado.
Que queres que eu te faça? 
E o cego lhe disse: 
Mestre, que eu veja.
Em uma noite do ano de 1863, um 
dos componentes do grupo levou 
para a reunião uma menina que 
havia ficado cega, com a intenção 
de rogar a intercessão dos amigos 
espirituais, em favor dela. Os 
demais companheiros do grupo 
aceitaram a sugestão.
E, após os estudos de praxe, ocasião 
em que tiveram a oportunidade de 
buscarem o contato com a 
espiritualidade, através da 
mediunidade, um dos presentes 
lembrou-se de um Espírito muito 
amado na França, e resolveu evocar a 
presença de Jean-Marie Baptiste 
Vianney, também conhecido como 
Cura de Ars.
E, para alegria de todos os 
presentes, o benfeitor 
espiritual se manifestou, e, 
utilizando-se das faculdades 
mediúnicas de um dos 
participantes da reunião, 
falou a todos os presentes, 
deixando uma mensagem de 
consolação e de 
esclarecimento. Eis a 
mensagem:
20 – Meus bons amigos, 
porque me chamastes? 
Para que eu imponha as 
mãos sobre esta pobre 
sofredora que está aqui, e 
a cure?
Não é isso que todo 
mundo quer?
Por que alguns não são 
curados?
Por que mesmo curado 
dessa ou daquela doença, 
surgem novas doenças?
A cura dos 10 Leprosos
11- E aconteceu que, indo ele a 
Jerusalém, passou pelo meio da 
Samaria e da Galileia; 
12 - E, entrando numa certa aldeia, 
saíram-lhe ao encontro dez homens 
leprosos, os quais pararam de longe, 
13- E levantaram a voz, dizendo: 
Jesus, Mestre, tem misericórdia de 
nós. 
14- E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide e 
mostrai-vos aos sacerdotes. E 
aconteceu que, indo eles, ficaram 
limpos. Lucas 17:11/19
15 - E um deles, vendo que estava 
são, voltou, glorificando a Deu em 
alta voz; 
16 - E caiu aos seus pés, com o rosto 
em terra, dando-lhe graças; e este 
era samaritano. 
17 - E, respondendo Jesus, disse; 
Não foram dez os limpos? E onde 
estão os nove?
18 - Não houve quem voltasse, 
para dar glória a Deus, senão este 
estrangeiro? 
19 - E disse-lhe: Levanta-te, 
e vai; a tua fé te 
salvou.
Ah, que sofrimento, bom 
Deus! Perdeu a vista, e as 
trevas se fizeram para ela. 
Pobre criança! Que ore e 
espere.
Eu não sei fazer milagres, eu, sem à 
vontade do bom Deus. Todas as 
curas que obtive, e que conheceis, 
não se atribuais senão Aquele que 
é o Pai de todos nós. Nas vossas 
aflições, voltai sempre os vossos 
olhos para o céu, e dizei, do fundo 
do vosso coração:
“Meu Pai, curai-me, mas fazei que 
a minha alma doente seja curada 
antes das enfermidades do corpo; 
que minha carne seja castigada, se 
necessário, para que a minha alma 
se eleve para vós com a brancura 
que possuía quando a criastes”.
O Espiritismo tem a 
proposta de curar o 
corpo?
Após esta prece, meus bons 
amigos, que o bom Deus sempre 
ouvirá a força e a coragem vos 
serão dadas, e talvez também a 
cura que temerosamente pedistes, 
como recompensa da vossa 
abnegação.
•Força. 
•Coragem. 
•abnegação. 
•Resignação.
O que acontece com o 
homem que, sem praticar o 
mal, nada fez para se libertar 
da influência da matéria? Em . LE. 987.
— Desde que não deu nenhum 
passo na direção da perfeição, 
deve recomeçar uma existência 
semelhante a que deixou. Fica 
estacionário e é assim que pode 
prolongar os sofrimentos de sua 
expiação.
Mas desde que aqui me encontro, 
numa assembleia em que se trata 
sobretudo de estudar, eu vos direi 
que os que estão privados da vista 
deviam considerar-se como os 
bem-aventurados da expiação. 
Lembrai-vos de que o Cristo disse 
que era necessário arrancar o 
vosso olho, se ele fosse mau, e que
mais valia atirá-lo ao fogo que ser 
a causa da vossa perdição. Ah, 
quantos existem sobre a Terra que 
um dia maldirão, nas trevas, por 
terem visto a luz! Oh, sim, como 
são felizes os que, na expiação, 
foram punidos pelos olhos! Seu 
olho não será causa de escândalo e 
de queda, e eles podem viver
completamente a vida das almas, 
podem ver mais do que vós que 
tendes boa visão. 
Quando Deus me permite abrir as 
pálpebras de algum desses pobres 
sofredores e devolvê-los à luz, digo 
a mim mesmo:
Alma querida, por que não 
conheces todas as delícias do 
Espírito, que vive de contemplação 
e de amor? Então não pediríeis 
para ver as imagens menos puras e 
menos suaves, que aquelas que 
podes entrever na tua cegueira.
Por isso Jesus disse: 
Cegos guiando Cegos! 
Não compreendemos o que 
realmente importa.
Há pessoas para as 
quais a vida flui 
numa serenidade perfeita; que, não 
tendo necessidade de fazer qualquer 
coisa para si mesmas, estão livres de 
cuidados. Essa existência feliz é uma 
prova de que nada têm a expiar de 
uma existência anterior? 
Em . LE. 903
— Conheces muitas assim? Se o 
acreditas, enganas-te. Em geral 
essa serenidade não é mais do 
que aparente. Podem ter 
escolhido essa existência, mas, 
quando a deixam, percebem que 
ela não os ajudou a progredir; 
então, como os preguiçosos,
lamentam o tempo perdido. 
Sabei que o Espírito não pode 
adquirir conhecimento e se 
elevar senão através da 
atividade; se ele adormece na 
despreocupação, não se adianta. 
E semelhante àquele que, de 
acordo com os vossos costumes,
tem necessidade de trabalhar e 
vai passear ou dormir para nada 
fazer. Sabei também que cada 
qual terá de prestar contas da 
inatividade voluntária durante a 
sua existência; essa inutilidade é 
sempre fatal à felicidade futura.
A soma da felicidade 
futura está na razão da 
soma do bem que tiver 
feito; a da infelicidade, na 
razão do mal e dos 
infelizes que se tenham 
feito.
Oh, sim, bem-aventurado o cego 
que quer viver com Deus! Mais 
feliz do que vós que estais aqui, ele 
sente a felicidade, pode tocá-la, vê 
as almas e pode lançar-se com elas 
nas esferas espirituais, que nem 
mesmo os predestinados da vossa 
Terra conseguem ver.
O olho aberto está sempre 
pronto a fazer a alma cair; 
o olho fechado, pelo 
contrário, está sempre 
pronto a fazê-la subir até 
Deus.
Nós devemos buscar "as 
coisas lá do alto" e 
pensar "nas coisas lá do 
alto“ 
Colossenses 3:11 (3:1-2).
Saulo precisou ficar 
“cego” para ver, e vendo 
se tornou Paulo!
Crede-me, meus bons e 
queridos amigos, a cegueira 
dos olhos é quase sempre a 
verdadeira luz do coração, 
enquanto a vista é quase 
sempre o anjo tenebroso que 
conduz à morte.
E agora algumas palavras 
para ti, minha pobre 
sofredora: espera e tem 
coragem! Se eu te dissesse: 
Minha filha, teus olhos vão 
abrir-se, como ficarias 
alegre! E quem sabe se esta 
alegria não te perderia?
• Tem confiança no bom Deus, 
que fez a felicidade e permite a 
tristeza! 
• Farei tudo o que me for 
permitido em teu favor; mas, 
por tua vez, ora, e sobretudo, 
pensa em tudo o que venho de 
dizer-te.
Antes de me afastar, vós todos 
que estais aqui, recebei a minha 
benção.
• 21 – NOTA: Quando uma aflição 
não é a consequência dos atos da 
vida presente, é necessário 
procurar a sua causa numa vida 
anterior.
Uma linda noite e uma Feliz Semana!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO
BEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃOBEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO
BEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO
Sergio Menezes
 
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados purosPalestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Tiburcio Santos
 
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechadosBem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
Helio Cruz
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra Espirita De Onde Vem as Tentacoes - KSSF
Palestra Espirita De Onde Vem as  Tentacoes - KSSFPalestra Espirita De Onde Vem as  Tentacoes - KSSF
Palestra Espirita De Onde Vem as Tentacoes - KSSF
Clea Alves
 
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espiritoPalestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
Tiburcio Santos
 
Limpeza do coração
Limpeza do coraçãoLimpeza do coração
Limpeza do coração
Helio Cruz
 
Serie conhecendo Kardec 1
Serie conhecendo Kardec 1Serie conhecendo Kardec 1
Serie conhecendo Kardec 1
Graça Maciel
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
Helio Cruz
 
Evangelho Cap8 item1
Evangelho Cap8 item1Evangelho Cap8 item1
Evangelho Cap8 item1
Patricia Farias
 
Carta 3
Carta 3Carta 3
O que sucede após a morte
O que sucede após a morte O que sucede após a morte
O que sucede após a morte
Graça Maciel
 
LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28
Patricia Farias
 
LE Q629 e ESE cap.5 item26
LE Q629 e ESE cap.5 item26LE Q629 e ESE cap.5 item26
LE Q629 e ESE cap.5 item26
Patricia Farias
 
Evangelho Cap4 item 25 e 26 LE
Evangelho Cap4 item 25 e 26 LEEvangelho Cap4 item 25 e 26 LE
Evangelho Cap4 item 25 e 26 LE
Patricia Farias
 
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Patricia Farias
 
A Prece é agradável a Deus?
A Prece é agradável a Deus?A Prece é agradável a Deus?
A Prece é agradável a Deus?
Graça Maciel
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
Graça Maciel
 
LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27
Patricia Farias
 

Mais procurados (20)

BEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO
BEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃOBEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO
BEM AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO
 
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados purosPalestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
 
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechadosBem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Palestra Espirita De Onde Vem as Tentacoes - KSSF
Palestra Espirita De Onde Vem as  Tentacoes - KSSFPalestra Espirita De Onde Vem as  Tentacoes - KSSF
Palestra Espirita De Onde Vem as Tentacoes - KSSF
 
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espiritoPalestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
 
Limpeza do coração
Limpeza do coraçãoLimpeza do coração
Limpeza do coração
 
Serie conhecendo Kardec 1
Serie conhecendo Kardec 1Serie conhecendo Kardec 1
Serie conhecendo Kardec 1
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
 
Evangelho Cap8 item1
Evangelho Cap8 item1Evangelho Cap8 item1
Evangelho Cap8 item1
 
Carta 3
Carta 3Carta 3
Carta 3
 
O que sucede após a morte
O que sucede após a morte O que sucede após a morte
O que sucede após a morte
 
LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28
 
LE Q629 e ESE cap.5 item26
LE Q629 e ESE cap.5 item26LE Q629 e ESE cap.5 item26
LE Q629 e ESE cap.5 item26
 
Evangelho Cap4 item 25 e 26 LE
Evangelho Cap4 item 25 e 26 LEEvangelho Cap4 item 25 e 26 LE
Evangelho Cap4 item 25 e 26 LE
 
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
 
A Prece é agradável a Deus?
A Prece é agradável a Deus?A Prece é agradável a Deus?
A Prece é agradável a Deus?
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
 
LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27
 

Destaque

Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
igmateus
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
Leonardo Pereira
 
Escândalos
Escândalos Escândalos
Escândalos
Almy Alves
 
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIIIO evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
Sermão do Monte
Sermão do Monte Sermão do Monte
Sermão do Monte
Ponte de Luz ASEC
 
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Leonardo Pereira
 
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentososA Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
Eder Freyre
 
Estudos do evangelho19
Estudos do evangelho19Estudos do evangelho19
Estudos do evangelho19
Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho 20
Estudos do evangelho 20Estudos do evangelho 20
Estudos do evangelho 20
Leonardo Pereira
 
As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)
Mirian De Lima Mendes
 
Estudos do evangelho 7
Estudos do evangelho 7Estudos do evangelho 7
Estudos do evangelho 7
Leonardo Pereira
 
6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos 6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos
Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho 9
Estudos do evangelho 9Estudos do evangelho 9
Estudos do evangelho 9
Leonardo Pereira
 
Estudos do Evangelho - 10
Estudos do Evangelho - 10Estudos do Evangelho - 10
Estudos do Evangelho - 10
Leonardo Pereira
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Leonardo Pereira
 
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Leonardo Pereira
 

Destaque (20)

Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
 
Escândalos
Escândalos Escândalos
Escândalos
 
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIIIO evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
 
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
 
Sermão do Monte
Sermão do Monte Sermão do Monte
Sermão do Monte
 
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
 
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentososA Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
 
Estudos do evangelho19
Estudos do evangelho19Estudos do evangelho19
Estudos do evangelho19
 
Estudos do evangelho 20
Estudos do evangelho 20Estudos do evangelho 20
Estudos do evangelho 20
 
As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)
 
Estudos do evangelho 7
Estudos do evangelho 7Estudos do evangelho 7
Estudos do evangelho 7
 
6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos 6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos
 
Estudos do evangelho 9
Estudos do evangelho 9Estudos do evangelho 9
Estudos do evangelho 9
 
Estudos do Evangelho - 10
Estudos do Evangelho - 10Estudos do Evangelho - 10
Estudos do Evangelho - 10
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
 
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
 
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
 
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
 

Semelhante a Estudos do evangelho 17

Evangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechados
Evangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechadosEvangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechados
Evangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechados
Antonino Silva
 
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechadosBem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Izabel Cristina Fonseca
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Leonardo Pereira
 
Não estás deprimido
Não estás deprimidoNão estás deprimido
Não estás deprimido
Dr. Walter Cury
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
Patricia Farias
 
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Patricia Farias
 
Gratidão
GratidãoGratidão
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
Aula M1 (16 e 17) (19/07/12) - Caridade
Aula M1 (16 e 17) (19/07/12) - CaridadeAula M1 (16 e 17) (19/07/12) - Caridade
Aula M1 (16 e 17) (19/07/12) - Caridade
Mocidade Espírita União Fraternal
 
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismoPalestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Paulo Farias
 
Evangelho segundo o e spiritismo
Evangelho segundo o e spiritismoEvangelho segundo o e spiritismo
Evangelho segundo o e spiritismo
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2
Silvio Dutra
 
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas HookerA Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
Silvio Dutra
 
O empréstimo
O empréstimoO empréstimo
O empréstimo
Helio Cruz
 
Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14
Leonardo Pereira
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
Decepções
DecepçõesDecepções
Decepções
Dalila Melo
 
Tomada de consciência
Tomada de consciênciaTomada de consciência
Tomada de consciência
Helio Cruz
 
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
Patricia Farias
 

Semelhante a Estudos do evangelho 17 (20)

Evangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechados
Evangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechadosEvangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechados
Evangeliza - Bem aventurados os que tem os olhos fechados
 
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechadosBem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechados
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
 
Não estás deprimido
Não estás deprimidoNão estás deprimido
Não estás deprimido
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
 
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
 
Gratidão
GratidãoGratidão
Gratidão
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
Aula M1 (16 e 17) (19/07/12) - Caridade
Aula M1 (16 e 17) (19/07/12) - CaridadeAula M1 (16 e 17) (19/07/12) - Caridade
Aula M1 (16 e 17) (19/07/12) - Caridade
 
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismoPalestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
 
Evangelho segundo o e spiritismo
Evangelho segundo o e spiritismoEvangelho segundo o e spiritismo
Evangelho segundo o e spiritismo
 
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 2
 
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas HookerA Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
 
O empréstimo
O empréstimoO empréstimo
O empréstimo
 
Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
 
Decepções
DecepçõesDecepções
Decepções
 
Tomada de consciência
Tomada de consciênciaTomada de consciência
Tomada de consciência
 
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 

Estudos do evangelho 17

  • 1. Estudos do Evangelho Capítulo 8 – Bem aventurados os puros de coração Leonardo Pereira
  • 2. Questões de “O Livro dos Espíritos”
  • 3. Instruções dos espíritos ll - Bem-Aventurados Os Que Têm Os Olhos Fechados VIANNEY Cura de D’ars, Paris, 1863(1) canonizado pelo papa Pio XI, em 1925 - (1) Esta comunicação foi dada a respeito de uma pessoa cega, para a qual havia sido evocado o Espírito de J.B. Vianney, Cura de D’ars.
  • 4. Que queres que eu te faça? E o cego lhe disse: Mestre, que eu veja.
  • 6. A palavra ver é o termo que se refere ao sentido da visão que dispõe os seres humanos e os animais, juntamente com o paladar, a audição, o olfato e o tato, ela é uma das disposições sensoriais mais destacadas do ser humano.
  • 7. O termo também é usado para outras questões e situações da linguagem coloquial, tais como: A percepção que obtemos de algo, seja com inteligência ou com qualquer um dos sentidos; O reconhecimento com atenção de alguma questão analisada;
  • 8. O reconhecimento que uma pessoa realiza sobre o estado físico de outro ser; A visita que se faz a alguém; A apreciação de um espetáculo; Constatar que algo ou alguém se encontre num lugar indicado ou que se sabe que pode estar;
  • 9. Adiantar-se a um acontecimento futuro e preveni-lo; e como sinônimo de ações, tais como: considerar, julgar, refletir, entre outras. Artigo: http://queconceito.com.br/ver#ixzz3DXoqhCFB
  • 10. Ver além Da matéria Das aparências!
  • 12. Quando uma aflição não é a consequência dos atos da vida presente, é necessário procurar a sua causa numa vida anterior. Isso que chamamos caprichos da sorte nada mais são que os efeitos da justiça de Deus.
  • 13. Ele não aplica punições arbitrárias, pois quer sempre que entre a falta e a pena exista correlação. Se, na sua bondade, lança um véu sobre os nossos atos passados, entretanto nos aponta o caminho a dizer:
  • 14. “Quem matou pela espada, pela espada perecerá”
  • 15. ...palavras que podemos traduzir assim: “Somos sempre punidos naquilo em que pecamos”. Se, pois, alguém é afligido com a perda da visão, é que a vista foi para ele uma causa de queda.
  • 16. Talvez também tenha sido causa da perda da vista para outro; pode alguém ter ficado cego pelo excesso de trabalho que lhe impôs, ou ainda em consequência de maus tratos, de falta de cuidados, etc.,
  • 17. e então sofre agora a pena de talião. Ele mesmo, no seu arrependimento, pode ter escolhido esta expiação, aplicando a si próprio estas palavras de Jesus: “Se vosso olhos for motivo de escândalo, arrancai-o”. •
  • 18. O Espírito que expia as suas culpas numa nova existência passa apenas por sofrimentos materiais. Assim, não será exato dizer que após a morte a alma só tem sofrimentos morais? Em . LE. 983.
  • 19. — É bem verdade que, reencarnada, a alma encontra nas tribulações da vida o seu sofrimento; mas apenas o corpo sofre materialmente. Dizeis em geral que o morto já não sofre mais, mas isso nem sempre é verdade. Como Espírito, não sofre mais dores físicas, mas, segundo as faltas que tenha cometido, pode ter dores
  • 20. morais mais cruciantes, e numa nova existência pode ser ainda mais infeliz. O mau rico passará a esmolar e estará submetido a todas as privações da miséria; o orgulhoso, a todas as humilhações; aquele que abusa de sua autoridade e trata os seus subordinados com desprezo e dureza será forçado a obedecer a um senhor mais duro do que ele
  • 21. tenha sido. Todas as penas e atribulações da vida são expiações de faltas de outra existência, quando não se trata de consequências das faltas da existência atual. (... O homem que se crê feliz na Terra porque pode satisfazer suas paixões é o que faz menos esforços para se melhorar).
  • 22. Em geral, ele começa a expiar essa felicidade efêmera na própria vida que leva, mas certamente a expiará numa outra existência tão material como essa.
  • 23. As vicissitudes da vida são sempre a punição das faltas atuais? Em . LE. 984.
  • 24. — Não. Já o dissemos: são provas impostas por Deus ou escolhidas por vós mesmos quando no estado de Espírito e antes da vossa reencarnação, para expiar as faltas cometidas numa outra existência.
  • 25. Porque jamais a infração das leis de Deus, e sobretudo da lei de justiça, fica impune; se a punição não é feita nesta vida, será necessariamente em outra. E por isso que aquele que é justo aos vossos olhos vê-se frequentemente atingido pelo seu passado.
  • 26. Que queres que eu te faça? E o cego lhe disse: Mestre, que eu veja.
  • 27. Em uma noite do ano de 1863, um dos componentes do grupo levou para a reunião uma menina que havia ficado cega, com a intenção de rogar a intercessão dos amigos espirituais, em favor dela. Os demais companheiros do grupo aceitaram a sugestão.
  • 28. E, após os estudos de praxe, ocasião em que tiveram a oportunidade de buscarem o contato com a espiritualidade, através da mediunidade, um dos presentes lembrou-se de um Espírito muito amado na França, e resolveu evocar a presença de Jean-Marie Baptiste Vianney, também conhecido como Cura de Ars.
  • 29. E, para alegria de todos os presentes, o benfeitor espiritual se manifestou, e, utilizando-se das faculdades mediúnicas de um dos participantes da reunião, falou a todos os presentes, deixando uma mensagem de consolação e de esclarecimento. Eis a mensagem:
  • 30. 20 – Meus bons amigos, porque me chamastes? Para que eu imponha as mãos sobre esta pobre sofredora que está aqui, e a cure?
  • 31. Não é isso que todo mundo quer?
  • 32. Por que alguns não são curados?
  • 33. Por que mesmo curado dessa ou daquela doença, surgem novas doenças?
  • 34. A cura dos 10 Leprosos
  • 35. 11- E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passou pelo meio da Samaria e da Galileia; 12 - E, entrando numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez homens leprosos, os quais pararam de longe, 13- E levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós. 14- E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, indo eles, ficaram limpos. Lucas 17:11/19
  • 36. 15 - E um deles, vendo que estava são, voltou, glorificando a Deu em alta voz; 16 - E caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças; e este era samaritano. 17 - E, respondendo Jesus, disse; Não foram dez os limpos? E onde estão os nove?
  • 37. 18 - Não houve quem voltasse, para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? 19 - E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou.
  • 38. Ah, que sofrimento, bom Deus! Perdeu a vista, e as trevas se fizeram para ela. Pobre criança! Que ore e espere.
  • 39. Eu não sei fazer milagres, eu, sem à vontade do bom Deus. Todas as curas que obtive, e que conheceis, não se atribuais senão Aquele que é o Pai de todos nós. Nas vossas aflições, voltai sempre os vossos olhos para o céu, e dizei, do fundo do vosso coração:
  • 40. “Meu Pai, curai-me, mas fazei que a minha alma doente seja curada antes das enfermidades do corpo; que minha carne seja castigada, se necessário, para que a minha alma se eleve para vós com a brancura que possuía quando a criastes”.
  • 41. O Espiritismo tem a proposta de curar o corpo?
  • 42. Após esta prece, meus bons amigos, que o bom Deus sempre ouvirá a força e a coragem vos serão dadas, e talvez também a cura que temerosamente pedistes, como recompensa da vossa abnegação.
  • 44. O que acontece com o homem que, sem praticar o mal, nada fez para se libertar da influência da matéria? Em . LE. 987.
  • 45. — Desde que não deu nenhum passo na direção da perfeição, deve recomeçar uma existência semelhante a que deixou. Fica estacionário e é assim que pode prolongar os sofrimentos de sua expiação.
  • 46. Mas desde que aqui me encontro, numa assembleia em que se trata sobretudo de estudar, eu vos direi que os que estão privados da vista deviam considerar-se como os bem-aventurados da expiação. Lembrai-vos de que o Cristo disse que era necessário arrancar o vosso olho, se ele fosse mau, e que
  • 47. mais valia atirá-lo ao fogo que ser a causa da vossa perdição. Ah, quantos existem sobre a Terra que um dia maldirão, nas trevas, por terem visto a luz! Oh, sim, como são felizes os que, na expiação, foram punidos pelos olhos! Seu olho não será causa de escândalo e de queda, e eles podem viver
  • 48. completamente a vida das almas, podem ver mais do que vós que tendes boa visão. Quando Deus me permite abrir as pálpebras de algum desses pobres sofredores e devolvê-los à luz, digo a mim mesmo:
  • 49. Alma querida, por que não conheces todas as delícias do Espírito, que vive de contemplação e de amor? Então não pediríeis para ver as imagens menos puras e menos suaves, que aquelas que podes entrever na tua cegueira.
  • 50. Por isso Jesus disse: Cegos guiando Cegos! Não compreendemos o que realmente importa.
  • 51. Há pessoas para as quais a vida flui numa serenidade perfeita; que, não tendo necessidade de fazer qualquer coisa para si mesmas, estão livres de cuidados. Essa existência feliz é uma prova de que nada têm a expiar de uma existência anterior? Em . LE. 903
  • 52. — Conheces muitas assim? Se o acreditas, enganas-te. Em geral essa serenidade não é mais do que aparente. Podem ter escolhido essa existência, mas, quando a deixam, percebem que ela não os ajudou a progredir; então, como os preguiçosos,
  • 53. lamentam o tempo perdido. Sabei que o Espírito não pode adquirir conhecimento e se elevar senão através da atividade; se ele adormece na despreocupação, não se adianta. E semelhante àquele que, de acordo com os vossos costumes,
  • 54. tem necessidade de trabalhar e vai passear ou dormir para nada fazer. Sabei também que cada qual terá de prestar contas da inatividade voluntária durante a sua existência; essa inutilidade é sempre fatal à felicidade futura.
  • 55. A soma da felicidade futura está na razão da soma do bem que tiver feito; a da infelicidade, na razão do mal e dos infelizes que se tenham feito.
  • 56. Oh, sim, bem-aventurado o cego que quer viver com Deus! Mais feliz do que vós que estais aqui, ele sente a felicidade, pode tocá-la, vê as almas e pode lançar-se com elas nas esferas espirituais, que nem mesmo os predestinados da vossa Terra conseguem ver.
  • 57. O olho aberto está sempre pronto a fazer a alma cair; o olho fechado, pelo contrário, está sempre pronto a fazê-la subir até Deus.
  • 58. Nós devemos buscar "as coisas lá do alto" e pensar "nas coisas lá do alto“ Colossenses 3:11 (3:1-2).
  • 59. Saulo precisou ficar “cego” para ver, e vendo se tornou Paulo!
  • 60. Crede-me, meus bons e queridos amigos, a cegueira dos olhos é quase sempre a verdadeira luz do coração, enquanto a vista é quase sempre o anjo tenebroso que conduz à morte.
  • 61. E agora algumas palavras para ti, minha pobre sofredora: espera e tem coragem! Se eu te dissesse: Minha filha, teus olhos vão abrir-se, como ficarias alegre! E quem sabe se esta alegria não te perderia?
  • 62. • Tem confiança no bom Deus, que fez a felicidade e permite a tristeza! • Farei tudo o que me for permitido em teu favor; mas, por tua vez, ora, e sobretudo, pensa em tudo o que venho de dizer-te.
  • 63. Antes de me afastar, vós todos que estais aqui, recebei a minha benção.
  • 64. • 21 – NOTA: Quando uma aflição não é a consequência dos atos da vida presente, é necessário procurar a sua causa numa vida anterior.
  • 65. Uma linda noite e uma Feliz Semana!

Notas do Editor

  1. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  2. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  3. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  4. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  5. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  6. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  7. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  8. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  9. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  10. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido
  11. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo que o Espírito se depura pela encarnação, também concorre por essa forma para o cumprimento dos desígnios da Providencia. Cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido