SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo mensal de março www.forumespirita.net
 Este estudo tem por finalidade a compreensão do
significado das provas e expiações e a razão pela qual
delas devemos tirar o máximo proveito, enfrentando-as
com dignidade, paciência, fé e resignação, com vistas a
apressar o processo — individual, intransferível e
inadiável — de nossa libertação espiritual.
1. Aceitar o mecanismo das provas e expiações como produto
eficaz da bondade divina, para o ressarcimento dos delitos
do passado ou o preparo do futuro, visando à felicidade do
Espírito imperecível.
2. Contribuir para a imprescindível renovação íntima ou
transformação moral, o mais precioso instrumento de
nossa evolução espiritual.
3. Assegurar que a vitória plena do Espírito sobre suas provas
e expiações é a condição indispensável e única para a
conquista do império sobre si mesmo.
1. Você sabe qual a diferença entre provas e expiações?
2. O reconhecimento imparcial de suas tendências instintivas
facilita-lhe a compreensão das tribulações e infortúnios que
você, porventura, vem enfrentando?
3. Que consequências traria para o homem a lembrança
precisa de suas existências anteriores?
4. Considerando que Deus é soberanamente justo e bom, você
consegue explicar a origem das diferentes condições
humanas, mormente das doenças congênitas, abstraindo o
princípio da Reencarnação?
 Provas ou provações são tribulações que guardam
relação com o futuro do Espírito.
 Expiações são tribulações que se referem à quitação de
débitos do passado, contraídos pelo Espírito.
(Cap V, It 8 do ESE)
 Deus não criou os Espíritos maus; criou-os simples e
ignorantes, isto é, com tanta aptidão para o bem quanta
para o mal. Os que são maus, assim se tornaram por vontade
própria, no uso do livre-arbítrio, que se desenvolve à medida
que o Espírito adquire a consciência de si mesmo.
 A causa — das quedas morais — não está no Espírito, mas
fora dele, nas influências a que cede, em virtude da sua livre
vontade, e o acompanham na sua vida de Espírito, até que
haja conquistado tanto império sobre si mesmo, que os maus
desistem de obsidiá-lo (Q 121 e 122 do LE)
 Todos os Espíritos passam pela fieira da ignorância, não
pela do mal, mas com o tempo todos se tornarão perfeitos.
Eles alcançam a perfeição mais ou menos rápido,
conforme o desejo que têm de alcançá-la e a submissão
que testemunham à vontade de Deus. À medida que
avançam, compreendem o que os distancia da perfeição.
Concluindo uma prova, o Espírito fica com a ciência que
daí lhe veio e não a esquece. Pode permanecer
estacionário, mas não retrograda. (Q 116, 117, 118 e 120 do LE)
 A provação é a luta que ensina ao discípulo
rebelde e preguiçoso a estrada do trabalho e da
edificação espiritual. A expiação é a pena
imposta ao malfeitor que comete um crime.
“O Consolador” – Q 246
Emmanuel e Chico Xavier
 Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado
neste mundo denote a existência de uma determinada
falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo
Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu
progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas
nem toda prova é uma expiação. Provas e expiações,
todavia, são sempre sinais de inferioridade, porquanto o
que é perfeito não precisa ser provado.
(Cap V, It 9 do ESE)
 Desprendido da matéria e no estado de erraticidade, o
Espírito procede à escolha de suas futuras existências
corporais, de acordo com o grau de perfeição a que haja
chegado e é nisto que consiste sobretudo o seu livre-
arbítrio. Esta liberdade, a encarnação não a anula. Se ele
cede à influência da matéria, é que sucumbe nas provas
que ele mesmo escolheu. Para ter quem o ajude a vencê-las,
concedido lhe é invocar a assistência de Deus e dos bons
Espíritos. (Q 872 do LE)
 Quando o Espírito é simples e ignorante, carecido de
experiência, Deus lhe supre a inexperiência, traçando-
lhe o caminho a seguir, como fazemos com uma
criancinha. Deixa-o, porém, pouco a pouco, à medida
que o seu livre-arbítrio se desenvolve, senhor de
proceder à escolha e, só então, é que muitas vezes lhe
acontece extraviar-se, tomando o mau caminho, por
desatender os conselhos dos bons Espíritos. A isso é o
que se pode chamar a queda do homem. (Q 262 do LE)
 Deus sabe esperar, não apressa a expiação.
Todavia, pode impor certa existência a um
Espírito, quando este, pela sua inferioridade ou
má-vontade, não se mostra apto a compreender
o que lhe seria mais útil, e quando vê que tal
existência servirá para a purificação e o
progresso do Espírito, ao mesmo tempo que lhe
sirva de expiação. (Q 262 do LE)
 Deus concede a uns as riquezas e o poder, e a outros, a miséria,
para experimentá-los de modos diferentes. Essas provas são
escolhidas pelos próprios Espíritos, que nelas, entretanto,
sucumbem com freqüência. A miséria provoca queixas contra a
Providência e a riqueza incita a todos os excessos. Elas são
igualmente difíceis, mas, pelos arrastamentos a que dá causa,
pelas tentações que gera e pela fascinação que exerce, a riqueza
constitui uma prova mais arriscada, mais perigosa que a miséria.
É o supremo excitante do orgulho, do egoísmo e da vida sensual.
(Q 814 E 815 do LE e Cap XVI, It 7 do ESE)
 A lembrança do passado traria gravíssimos inconvenientes.
Poderia, em certos casos, humilhar-nos singularmente, ou
então, exaltar-nos o orgulho e, assim, entravar o nosso livre-
arbítrio. Em todas as circunstâncias, acarretaria inevitável
perturbação nas relações sociais. Para nos melhoramos,
outorgou-nos Deus, precisamente, o de que necessitamos e nos
basta: a voz da consciência e os pendores instintivos. Priva-nos
do que nos seria prejudicial. Esquecido do seu passado, o
homem é mais senhor de si. (Q 392 do LE e Cap V, It 11 do ESE)
 Ora, tudo o que se chama infelicidade, segundo as acanhadas vistas
humanas, cessa com a vida corporal e encontra a sua compensação
na vida futura. Agireis então como bravos soldados que, longe de
fugirem ao perigo, preferem as lutas dos combates arriscados à paz
que lhes não pode dar glória, nem promoção! Que importa ao
soldado perder na refrega armas, bagagens e uniforme, desde que
saia vencedor e com glória? Que importa ao que tem fé no futuro
deixar no campo de batalha da vida a riqueza e o manto de carne,
contanto que sua alma entre gloriosa no reino celeste? — Delfina
de Girardin (Paris, 1861.) (Cap V, It 24 do ESE)
 Não há faltas irremissíveis que a expiação não possa
apagar. Meio de consegui-lo encontra o homem nas
diferentes existências que lhe permitem avançar,
conformemente aos seus desejos e esforços, na senda
do progresso, para a perfeição, que é o seu destino
final. (Introdução ao LE – Parte VI)
 O arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a
regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a
reparação. A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se
havia feito o mal. É na vida corpórea que o Espírito repara o mal de
anteriores existências, pondo em prática resoluções tomadas na
vida espiritual.
 Até que os últimos vestígios da falta desapareçam, a expiação
consiste nos sofrimentos físicos e morais que lhe são conseqüentes,
seja na vida atual, seja na vida espiritual após a morte, ou ainda em
nova existência corporal. “O Céu e o Inferno” – 1ª Parte, Cap 7
 O homem, pois, nem sempre é punido, ou punido
completamente, na sua existência atual; mas não escapa nunca
às conseqüências de suas faltas. A prosperidade do mau é apenas
momentânea; se ele não expiar hoje, expiará amanhã, ao passo
que aquele que sofre está expiando o seu passado. O infortúnio
que, à primeira vista, parece imerecido tem sua razão de ser, e
aquele que se encontra em sofrimento pode sempre dizer:
“Perdoa-me, Senhor, porque pequei.” É uma alternativa a que
ninguém pode fugir e em que a lógica decide de que parte se acha
a justiça de Deus. (Cap V, It 6 do ESE)
 Como todo efeito tem uma causa, as misérias humanas
são efeitos que devem ter a sua; se esta não estiver na
vida atual, deve estar numa vida anterior. Além disso,
admitindo a justiça de Deus, tais efeitos devem ter uma
relação mais ou menos íntima com os atos precedentes,
dos quais são, ao mesmo tempo, castigo para o passado e
prova para o futuro. São expiações no sentido de que são
conseqüência de uma falta e provas em relação ao
proveito delas tirado.
 Mas , por vezes, a falta não se acha nesta vida. Então acusa-se a
justiça de Deus, nega-se a sua bondade, duvida-se, até, de sua
existência. Aí está a prova mais escabrosa: a dúvida sobre a
divindade. Quem quer que admita um Deus soberanamente justo
e bom deve dizer que só agirá com sabedoria, mesmo naquilo que
não compreendamos; e que se sofremos uma pena, é porque o
merecemos; é, pois, uma expiação. Pela Reencarnação, o
Espiritismo levanta completamente o véu sob o qual esta questão
deixava obscuridade.
Allan Kardec
Revista Espírita – 1863 – Vol 9
 “Em várias existências passei por provas de trabalho
e miséria que voluntariamente havia escolhido para
fortalecer e depurar o meu Espírito; dessas provas
tive a dita de triunfar, vindo a faltar uma última,
porventura de todas a mais perigosa: a da fortuna e
bem-estar materiais, um bem-estar sem sombra de
desgosto. Nessa consistia o perigo. E antes de tentar,
eu quis sentir-me assaz forte para não sucumbir.”
 “Como eu, também vós tereis a vossa prova da riqueza,
mas não vos apresseis em pedi-la muito cedo. E vós
outros, ricos, tende sempre em mente que a
verdadeira fortuna, a fortuna imorredoura, não existe
na Terra; procurai antes saber o preço pelo qual podeis
alcançar os benefícios do Todo-Poderoso.”
Paula, na Terra Condessa de ***
“O Céu e o Inferno” - 2ª Parte – Cap II
 (1) O Evangelho Segundo o Espiritismo (ESE) – Allan Kardec
 (2) O Livro dos Espíritos (LE) – Allan Kardec
 (3) O Céu e o Inferno (CI) – Allan Kardec
 (4) Obras Póstumas (OP) – Allan Kardec
 (5) Espiritismo passo a passo com Kardec (EK) – Cristiano Torchi
 (6) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1860 – Allan Kardec
 (7) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1861 – Allan Kardec
 (8) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1862 – Allan Kardec
 (9) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1863 – Allan Kardec
 (10) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1867 – Allan Kardec[/color][/size][/b]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introducao ao Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Introducao ao Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoIntroducao ao Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Introducao ao Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
CEVP - Divulgação
 
Separação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpoSeparação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpo
Izabel Cristina Fonseca
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
Graça Maciel
 
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
Provas da existencia sobrevivencia do  espiritoProvas da existencia sobrevivencia do  espirito
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
Graça Maciel
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Causas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshareCausas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshare
Almir Silva
 
LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28
Patricia Farias
 
A páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espíritaA páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espírita
Graça Maciel
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
Graça Maciel
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
Guto Ovsky
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
Izabel Cristina Fonseca
 
Provas da Reencarnação
Provas da ReencarnaçãoProvas da Reencarnação
Provas da Reencarnação
igmateus
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Izabel Cristina Fonseca
 
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obrasReconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Izabel Cristina Fonseca
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
Marta Gomes
 
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina EspiritaApostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Gevluz de Luz
 

Mais procurados (20)

Introducao ao Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Introducao ao Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoIntroducao ao Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Introducao ao Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Separação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpoSeparação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpo
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
Provas da existencia sobrevivencia do  espiritoProvas da existencia sobrevivencia do  espirito
Provas da existencia sobrevivencia do espirito
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Indulgencia
 
Causas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshareCausas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshare
 
LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28
 
A páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espíritaA páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espírita
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
Provas da Reencarnação
Provas da ReencarnaçãoProvas da Reencarnação
Provas da Reencarnação
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
 
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obrasReconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
 
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina EspiritaApostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
Apostila ESDE - Tomo I - Estudo Sistematizado Doutrina Espirita
 

Semelhante a ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES

Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3
Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3
Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3
Patricia Farias
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Danilo Galvão
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
Rosângela Elias
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
Patricia Farias
 
Estudos do evangelho 6
Estudos do evangelho 6Estudos do evangelho 6
Estudos do evangelho 6
Leonardo Pereira
 
Plantio e colheita
Plantio e colheitaPlantio e colheita
Plantio e colheita
Dr. Walter Cury
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII  de: O céu e o infernoDinâmica - capitulo VII  de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Eduardo Manoel Araujo
 
2.7.8 Esquecimento do passado
2.7.8   Esquecimento do passado2.7.8   Esquecimento do passado
2.7.8 Esquecimento do passado
Marta Gomes
 
2.4.1 da reencarnacao e justica da reencarnacao
2.4.1   da reencarnacao e justica da reencarnacao2.4.1   da reencarnacao e justica da reencarnacao
2.4.1 da reencarnacao e justica da reencarnacao
Marta Gomes
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
Patricia Farias
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas
Marta Gomes
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
Helio Cruz
 
O verdadeiro cilicio
O verdadeiro cilicio O verdadeiro cilicio
O verdadeiro cilicio
Ponte de Luz ASEC
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
home
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Leonardo Pereira
 

Semelhante a ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES (20)

Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3
Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3
Livro dos Espíritos Q.335 Evangelho cap.28 item 3
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
 
Estudos do evangelho 6
Estudos do evangelho 6Estudos do evangelho 6
Estudos do evangelho 6
 
Plantio e colheita
Plantio e colheitaPlantio e colheita
Plantio e colheita
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII  de: O céu e o infernoDinâmica - capitulo VII  de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
 
2.7.8 Esquecimento do passado
2.7.8   Esquecimento do passado2.7.8   Esquecimento do passado
2.7.8 Esquecimento do passado
 
2.4.1 da reencarnacao e justica da reencarnacao
2.4.1   da reencarnacao e justica da reencarnacao2.4.1   da reencarnacao e justica da reencarnacao
2.4.1 da reencarnacao e justica da reencarnacao
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
O verdadeiro cilicio
O verdadeiro cilicio O verdadeiro cilicio
O verdadeiro cilicio
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
 
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
Estudos do evangelho - Continuação - Bem aventurados os Aflitos 4
 

Mais de LuizHenriqueTDias

Estudo sobre o mandamento de amar os inimigos
Estudo sobre o mandamento de amar os inimigosEstudo sobre o mandamento de amar os inimigos
Estudo sobre o mandamento de amar os inimigos
LuizHenriqueTDias
 
O sermão do monte analisado pelo Espiritismo
O sermão do monte analisado pelo EspiritismoO sermão do monte analisado pelo Espiritismo
O sermão do monte analisado pelo Espiritismo
LuizHenriqueTDias
 
ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.ppt
ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.pptESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.ppt
ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.ppt
LuizHenriqueTDias
 
Estudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇAS
Estudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇASEstudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇAS
Estudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇAS
LuizHenriqueTDias
 
Mod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptx
Mod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptxMod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptx
Mod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptx
LuizHenriqueTDias
 
Aula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptx
Aula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptxAula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptx
Aula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptx
LuizHenriqueTDias
 
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.pptESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
LuizHenriqueTDias
 
Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....
Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....
Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....
LuizHenriqueTDias
 
Lei-de-Liberdade.pptx
Lei-de-Liberdade.pptxLei-de-Liberdade.pptx
Lei-de-Liberdade.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Lei de Reprodução 2023-08-03.pptxLei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Aula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Aula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptxAula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Aula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Lei de Reprodução #4.ppt
Lei de Reprodução #4.pptLei de Reprodução #4.ppt
Lei de Reprodução #4.ppt
LuizHenriqueTDias
 
Lei de Reprodução.ppt
Lei de Reprodução.pptLei de Reprodução.ppt
Lei de Reprodução.ppt
LuizHenriqueTDias
 
Aula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptx
Aula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptxAula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptx
Aula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Introdução ao ESE.pptx
Introdução ao ESE.pptxIntrodução ao ESE.pptx
Introdução ao ESE.pptx
LuizHenriqueTDias
 
evangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdf
evangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdfevangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdf
evangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdf
LuizHenriqueTDias
 
A fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptxA fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptxTríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Aula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptx
Aula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptxAula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptx
Aula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptx
LuizHenriqueTDias
 

Mais de LuizHenriqueTDias (19)

Estudo sobre o mandamento de amar os inimigos
Estudo sobre o mandamento de amar os inimigosEstudo sobre o mandamento de amar os inimigos
Estudo sobre o mandamento de amar os inimigos
 
O sermão do monte analisado pelo Espiritismo
O sermão do monte analisado pelo EspiritismoO sermão do monte analisado pelo Espiritismo
O sermão do monte analisado pelo Espiritismo
 
ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.ppt
ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.pptESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.ppt
ESTUDO ESPÍRITA SOBRE AS-BEM-AVENTURANÇAS.ppt
 
Estudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇAS
Estudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇASEstudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇAS
Estudo Espirita sobre AS BEM AVENTURANÇAS
 
Mod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptx
Mod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptxMod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptx
Mod. 2 - Aula 23 - ENSINO POR PARÁBOLAS, O Bom Samaritano [2022-10-08].pptx
 
Aula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptx
Aula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptxAula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptx
Aula 05 - Aprendendo com as curas [2024-03-07].pptx
 
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.pptESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
 
Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....
Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....
Aula 02 - Introdução ao estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo 2019-04-14....
 
Lei-de-Liberdade.pptx
Lei-de-Liberdade.pptxLei-de-Liberdade.pptx
Lei-de-Liberdade.pptx
 
Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Lei de Reprodução 2023-08-03.pptxLei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
 
Aula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Aula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptxAula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
Aula 29 - Lei de Reprodução 2023-08-03.pptx
 
Lei de Reprodução #4.ppt
Lei de Reprodução #4.pptLei de Reprodução #4.ppt
Lei de Reprodução #4.ppt
 
Lei de Reprodução.ppt
Lei de Reprodução.pptLei de Reprodução.ppt
Lei de Reprodução.ppt
 
Aula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptx
Aula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptxAula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptx
Aula 14 - Evolução dos Seres - 2023-05-11.pptx
 
Introdução ao ESE.pptx
Introdução ao ESE.pptxIntrodução ao ESE.pptx
Introdução ao ESE.pptx
 
evangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdf
evangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdfevangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdf
evangeliza-trpliceaspectookfinal-151111094214-lva1-app6892.pdf
 
A fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptxA fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptx
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptxTríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.pptx
 
Aula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptx
Aula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptxAula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptx
Aula 03 - Introdução Estudo DE - 2023-02-23.pptx
 

Último

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 

ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES

  • 1. Estudo mensal de março www.forumespirita.net
  • 2.  Este estudo tem por finalidade a compreensão do significado das provas e expiações e a razão pela qual delas devemos tirar o máximo proveito, enfrentando-as com dignidade, paciência, fé e resignação, com vistas a apressar o processo — individual, intransferível e inadiável — de nossa libertação espiritual.
  • 3.
  • 4. 1. Aceitar o mecanismo das provas e expiações como produto eficaz da bondade divina, para o ressarcimento dos delitos do passado ou o preparo do futuro, visando à felicidade do Espírito imperecível. 2. Contribuir para a imprescindível renovação íntima ou transformação moral, o mais precioso instrumento de nossa evolução espiritual. 3. Assegurar que a vitória plena do Espírito sobre suas provas e expiações é a condição indispensável e única para a conquista do império sobre si mesmo.
  • 5. 1. Você sabe qual a diferença entre provas e expiações? 2. O reconhecimento imparcial de suas tendências instintivas facilita-lhe a compreensão das tribulações e infortúnios que você, porventura, vem enfrentando? 3. Que consequências traria para o homem a lembrança precisa de suas existências anteriores? 4. Considerando que Deus é soberanamente justo e bom, você consegue explicar a origem das diferentes condições humanas, mormente das doenças congênitas, abstraindo o princípio da Reencarnação?
  • 6.  Provas ou provações são tribulações que guardam relação com o futuro do Espírito.  Expiações são tribulações que se referem à quitação de débitos do passado, contraídos pelo Espírito. (Cap V, It 8 do ESE)
  • 7.  Deus não criou os Espíritos maus; criou-os simples e ignorantes, isto é, com tanta aptidão para o bem quanta para o mal. Os que são maus, assim se tornaram por vontade própria, no uso do livre-arbítrio, que se desenvolve à medida que o Espírito adquire a consciência de si mesmo.  A causa — das quedas morais — não está no Espírito, mas fora dele, nas influências a que cede, em virtude da sua livre vontade, e o acompanham na sua vida de Espírito, até que haja conquistado tanto império sobre si mesmo, que os maus desistem de obsidiá-lo (Q 121 e 122 do LE)
  • 8.  Todos os Espíritos passam pela fieira da ignorância, não pela do mal, mas com o tempo todos se tornarão perfeitos. Eles alcançam a perfeição mais ou menos rápido, conforme o desejo que têm de alcançá-la e a submissão que testemunham à vontade de Deus. À medida que avançam, compreendem o que os distancia da perfeição. Concluindo uma prova, o Espírito fica com a ciência que daí lhe veio e não a esquece. Pode permanecer estacionário, mas não retrograda. (Q 116, 117, 118 e 120 do LE)
  • 9.  A provação é a luta que ensina ao discípulo rebelde e preguiçoso a estrada do trabalho e da edificação espiritual. A expiação é a pena imposta ao malfeitor que comete um crime. “O Consolador” – Q 246 Emmanuel e Chico Xavier
  • 10.  Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste mundo denote a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas nem toda prova é uma expiação. Provas e expiações, todavia, são sempre sinais de inferioridade, porquanto o que é perfeito não precisa ser provado. (Cap V, It 9 do ESE)
  • 11.  Desprendido da matéria e no estado de erraticidade, o Espírito procede à escolha de suas futuras existências corporais, de acordo com o grau de perfeição a que haja chegado e é nisto que consiste sobretudo o seu livre- arbítrio. Esta liberdade, a encarnação não a anula. Se ele cede à influência da matéria, é que sucumbe nas provas que ele mesmo escolheu. Para ter quem o ajude a vencê-las, concedido lhe é invocar a assistência de Deus e dos bons Espíritos. (Q 872 do LE)
  • 12.  Quando o Espírito é simples e ignorante, carecido de experiência, Deus lhe supre a inexperiência, traçando- lhe o caminho a seguir, como fazemos com uma criancinha. Deixa-o, porém, pouco a pouco, à medida que o seu livre-arbítrio se desenvolve, senhor de proceder à escolha e, só então, é que muitas vezes lhe acontece extraviar-se, tomando o mau caminho, por desatender os conselhos dos bons Espíritos. A isso é o que se pode chamar a queda do homem. (Q 262 do LE)
  • 13.  Deus sabe esperar, não apressa a expiação. Todavia, pode impor certa existência a um Espírito, quando este, pela sua inferioridade ou má-vontade, não se mostra apto a compreender o que lhe seria mais útil, e quando vê que tal existência servirá para a purificação e o progresso do Espírito, ao mesmo tempo que lhe sirva de expiação. (Q 262 do LE)
  • 14.  Deus concede a uns as riquezas e o poder, e a outros, a miséria, para experimentá-los de modos diferentes. Essas provas são escolhidas pelos próprios Espíritos, que nelas, entretanto, sucumbem com freqüência. A miséria provoca queixas contra a Providência e a riqueza incita a todos os excessos. Elas são igualmente difíceis, mas, pelos arrastamentos a que dá causa, pelas tentações que gera e pela fascinação que exerce, a riqueza constitui uma prova mais arriscada, mais perigosa que a miséria. É o supremo excitante do orgulho, do egoísmo e da vida sensual. (Q 814 E 815 do LE e Cap XVI, It 7 do ESE)
  • 15.  A lembrança do passado traria gravíssimos inconvenientes. Poderia, em certos casos, humilhar-nos singularmente, ou então, exaltar-nos o orgulho e, assim, entravar o nosso livre- arbítrio. Em todas as circunstâncias, acarretaria inevitável perturbação nas relações sociais. Para nos melhoramos, outorgou-nos Deus, precisamente, o de que necessitamos e nos basta: a voz da consciência e os pendores instintivos. Priva-nos do que nos seria prejudicial. Esquecido do seu passado, o homem é mais senhor de si. (Q 392 do LE e Cap V, It 11 do ESE)
  • 16.  Ora, tudo o que se chama infelicidade, segundo as acanhadas vistas humanas, cessa com a vida corporal e encontra a sua compensação na vida futura. Agireis então como bravos soldados que, longe de fugirem ao perigo, preferem as lutas dos combates arriscados à paz que lhes não pode dar glória, nem promoção! Que importa ao soldado perder na refrega armas, bagagens e uniforme, desde que saia vencedor e com glória? Que importa ao que tem fé no futuro deixar no campo de batalha da vida a riqueza e o manto de carne, contanto que sua alma entre gloriosa no reino celeste? — Delfina de Girardin (Paris, 1861.) (Cap V, It 24 do ESE)
  • 17.  Não há faltas irremissíveis que a expiação não possa apagar. Meio de consegui-lo encontra o homem nas diferentes existências que lhe permitem avançar, conformemente aos seus desejos e esforços, na senda do progresso, para a perfeição, que é o seu destino final. (Introdução ao LE – Parte VI)
  • 18.  O arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a reparação. A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal. É na vida corpórea que o Espírito repara o mal de anteriores existências, pondo em prática resoluções tomadas na vida espiritual.  Até que os últimos vestígios da falta desapareçam, a expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais que lhe são conseqüentes, seja na vida atual, seja na vida espiritual após a morte, ou ainda em nova existência corporal. “O Céu e o Inferno” – 1ª Parte, Cap 7
  • 19.  O homem, pois, nem sempre é punido, ou punido completamente, na sua existência atual; mas não escapa nunca às conseqüências de suas faltas. A prosperidade do mau é apenas momentânea; se ele não expiar hoje, expiará amanhã, ao passo que aquele que sofre está expiando o seu passado. O infortúnio que, à primeira vista, parece imerecido tem sua razão de ser, e aquele que se encontra em sofrimento pode sempre dizer: “Perdoa-me, Senhor, porque pequei.” É uma alternativa a que ninguém pode fugir e em que a lógica decide de que parte se acha a justiça de Deus. (Cap V, It 6 do ESE)
  • 20.  Como todo efeito tem uma causa, as misérias humanas são efeitos que devem ter a sua; se esta não estiver na vida atual, deve estar numa vida anterior. Além disso, admitindo a justiça de Deus, tais efeitos devem ter uma relação mais ou menos íntima com os atos precedentes, dos quais são, ao mesmo tempo, castigo para o passado e prova para o futuro. São expiações no sentido de que são conseqüência de uma falta e provas em relação ao proveito delas tirado.
  • 21.  Mas , por vezes, a falta não se acha nesta vida. Então acusa-se a justiça de Deus, nega-se a sua bondade, duvida-se, até, de sua existência. Aí está a prova mais escabrosa: a dúvida sobre a divindade. Quem quer que admita um Deus soberanamente justo e bom deve dizer que só agirá com sabedoria, mesmo naquilo que não compreendamos; e que se sofremos uma pena, é porque o merecemos; é, pois, uma expiação. Pela Reencarnação, o Espiritismo levanta completamente o véu sob o qual esta questão deixava obscuridade. Allan Kardec Revista Espírita – 1863 – Vol 9
  • 22.  “Em várias existências passei por provas de trabalho e miséria que voluntariamente havia escolhido para fortalecer e depurar o meu Espírito; dessas provas tive a dita de triunfar, vindo a faltar uma última, porventura de todas a mais perigosa: a da fortuna e bem-estar materiais, um bem-estar sem sombra de desgosto. Nessa consistia o perigo. E antes de tentar, eu quis sentir-me assaz forte para não sucumbir.”
  • 23.  “Como eu, também vós tereis a vossa prova da riqueza, mas não vos apresseis em pedi-la muito cedo. E vós outros, ricos, tende sempre em mente que a verdadeira fortuna, a fortuna imorredoura, não existe na Terra; procurai antes saber o preço pelo qual podeis alcançar os benefícios do Todo-Poderoso.” Paula, na Terra Condessa de *** “O Céu e o Inferno” - 2ª Parte – Cap II
  • 24.  (1) O Evangelho Segundo o Espiritismo (ESE) – Allan Kardec  (2) O Livro dos Espíritos (LE) – Allan Kardec  (3) O Céu e o Inferno (CI) – Allan Kardec  (4) Obras Póstumas (OP) – Allan Kardec  (5) Espiritismo passo a passo com Kardec (EK) – Cristiano Torchi  (6) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1860 – Allan Kardec  (7) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1861 – Allan Kardec  (8) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1862 – Allan Kardec  (9) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1863 – Allan Kardec  (10) REVISTA ESPÍRITA (RE) 1867 – Allan Kardec[/color][/size][/b]