SlideShare uma empresa Scribd logo
SERMÃO DO MONTESERMÃO DO MONTE
– O Diálogo Noturno–– O Diálogo Noturno–
04 de maio de 2016
2
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Estrutura da palestra
I. ENQUADRAMENTO ESPAÇO-TEMPORAL
II. A IMPORTÂNCIA DO SERMÃO
III. FASES DO SERMÃO
. As bem-aventuranças;
. A importância da divulgação sem corrupções;
. O cumprimento das profecias;
. Conduta para com o próximo e o mundo, e as recompensas devidas;
. O julgamento e a resposta aos nossos pedidos;
. Alerta para com aqueles que nos enganam;
. Despedida.
IV. UM NOVO EPISÓDIO
. Partida do Monte
. O Diálogo Noturno
3
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Bibliografia
Textos da Codificação Espírita:
. Evangelho Segundo o Espiritismo
Outros textos Espíritas:
. Aprendizes do Evangelho
. Caminho, Verdade e Vida
. Fonte Viva
. Há flores no caminho
. Pão Nosso
. Pelos caminhos de Jesus
. Sabedoria do Evangelho
. Vinha de Luz.
Textos do Novo Testamento:
. Evangelho de Lucas: 6-7;
. Evangelho de Mateus: 5-8.
Outros textos:
. A verdadeira história de
Jesus.
4
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
ENQUADRAMENTO
ESPAÇO-
TEMPORAL
5
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Enquadramento Espaço-Temporal
Na margem estavam operários humildes, pescadores
rudes, mães numerosas em cujos rostos macerados se
podiam ler as histórias amargas dos mais incríveis
padecimentos, criaturas da plebe anónima e sofredora,
mulheres adúlteras, publicanos gozadores da vida,
enfermos desesperados e crianças numerosas, que
traziam consigo os estigmas do mais doloroso
desamparo.
A barca de Simão acostara brandamente à margem,
permitindo que o Mestre se dirigisse ao local
costumeiro de suas lições divinas.
6
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Enquadramento Espaço-Temporal
O crepúsculo de um dia claro e quente emprestava um
reflexo de luz dourada a todas as coisas e a todos os
contornos suaves da paisagem. Encrespavam-se as
águas mansas de Tiberíades ao sopro carinhoso dos
favônios da tarde, que se impregnavam do perfume das
flores e das árvores.
Brisas frescas eliminavam o calor ambiente,
espalhando sensações agradáveis de vida livre, no seio
robusto e farto da Natureza. (...) no espelho cristalino
das águas, muito ao longe, no horizonte. Era a barca de
Simão, que trazia o Mestre para as dissertações
costumeiras.
7
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
A IMPORTÂNCIA
DO
SERMÃO
8
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
A importância do Sermão
“O Sermão do Monte, um ponto fundamental do
Evangelho, encerra o substrato dos ensinamentos
redentores de Jesus, resumindo o estatuto moral da
Fraternidade dos Discípulos de Jesus (...). É a Carta
Magna do Testamento de Amor entre os Homens e
Deus, na intimidade das relações do homem com o seu
semelhante”.
No Evangelho Segundo o Espiritismo, 18 dos 28
capítulos, versam sobre o Sermão da Montanha e
Emmanuel dedica-lhe 38 mensagens.
9
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
A importância do Sermão
Existem capítulos somente dedicados a uma das bem-
aventuranças, como o Cap.V “Bem-Aventurados os
Aflitos”, o VIII “Bem-Aventurados os Puros de Coração”,
ou o Cap. X “Bem-aventurados os misericordiosos”.
Outros que versam sobre diferentes passagens, como o
Cap. XII “Amai os vossos inimigos”, ou o Cap. XXV
“Buscai e achareis”.
“Para o aprendiz do Evangelho, o Sermão do Monte é o
código de honra, com o qual e pelo qual será sempre
fiel a si próprio e aos semelhantes, para glorificar a
Deus, como Jesus ensinou.”
10
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
AS FASES
DO
SERMÃO
11
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
O Sermão do Monte contém mais do que as Bem-
aventuranças, podendo ser dividido de forma mais simples:
- As bem-aventuranças; O cumprimento da Lei e dos Profetas.
... ou de modo mais complexo, mas exacto:
- As bem-aventuranças;
- A importância da divulgação sem corrupções;
- O cumprimento das profecias;
- Conduta para com o próximo e o mundo, e as recompensas
devidas;
- O julgamento e a resposta aos nossos pedidos;
- Alerta para com aqueles que nos enganam; - Despedida.
12
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
As bem-aventuranças:
. Bem-aventurados os humildes de espírito;
. Bem-aventurados os pacíficos;
. Bem-aventurados os sedentos de justiça;
. Bem-aventurados os que sofrem e choram;
. Bem-aventurados os misericordiosos;
. Bem-aventurados os limpos de coração;
. Bem-aventurados os pacíficos;
. Bem-aventurados os que são perseguidos por amor à
justiça;
. Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem, perseguirem
e difamarem mentindo, por meu respeito;
. Rejubilai e exultai, pois a vossa recompensa estará nos
Céus.
13
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
A importância da divulgação sem corrupções:
- Vós sois o sal da terra - não deixais corromper o saber;
- Vós sois a luz do mundo - não escondeis a luz da
razão;
- Assim luza a vossa luz diante dos homens;
- E espraiando o olhar compassivo e misericordioso por
sobre a assembleia vasta, continuou com doçura:
- Muitos, também, dos que foram aqui chamados, serão
escolhidos para o grande sacrifício que se aproxima!...
Esses me encontrarão no reino celestial, porque as suas
renúncias hão-de ser o sal da Terra e o sol de um novo
dia!...
14
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
O cumprimento das
profecias:
Não vim destruí-los [aos
profetas] mas sim dar-lhes
cumprimento;
- Enquanto não passar o
céu e a terra, não passará
da lei um “i” ou um “til” sem
que tudo seja cumprido.
15
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
Conduta para com o próximo e perante o mundo
materialista, e as recompensas devidas:
- (...) se a vossa justiça não for maior e mais perfeita que a dos
escribas e a dos fariseus, não entrareis no reino dos céus;
- Se estás fazendo a tua oferta diante do altar (...) reconcilia-te
primeiro com teu irmão e depois virás fazer a tua oferta;
- Não resistais ao que te fizer mal, mas se alguém te ferir na face
direita oferece-lhe também a outra;
- Amai aos vossos inimigos, fazei o bem aos que vos têm ódio e
orai pelos que vos perseguem e caluniam;
- Guardai-vos de fazer as boas obras diante de vossos irmãos
com o fim de serdes vistos por eles;
16
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
Conduta para com o próximo e perante o mundo
materialista, e as recompensas devidas:
- Quando orares, não haveis de ser como os hipócritas, que
gostam de orar (...) nas ruas para serem vistos;
- Assim pois é que vós haveis de orar: “Pai nosso que...”
- Não queirais (..) tesouros na terra, (...) mas guardai tesouros no
céu;
- O teu olho é a luz do teu corpo;
- Não podeis servir a Deus e a mamon;
- (...) não é mais a alma que a comida, e o corpo que o vestido?
- Buscai antes o reino de Deus e todas essas coisas vos serão
acrescentadas.
17
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
O julgamento e a resposta
aos nossos pedidos,
conforme a nossa conduta
para com o outro:
- Com o juízo que julgardes
sereis julgados;
- (...) todo o que pede, recebe, e
o que busca, acha, e a quem
bate, abrir-se-á;
- Tudo o que vós quereis que vos
façam (...), fazei-o também (...).
18
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
Alerta para com aqueles que nos enganam:
- Guardai-vos dos falsos profetas (...) pelos seus frutos os
conhecereis;
- O homem bom, do bom tesouro de seu coração tira o
bem, e o homem mau, do mau tesouro tira o mal; porque
a boca fala o de que está cheio o coração;
- Nem todo o que diz: “Senhor, Senhor” entrará no reino
dos céus, mas sim o que faz a vontade de meu Pai.
19
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
As fases do Sermão
Despedida:
Todo aquele que ouve as minhas palavras e as observa,
será comparado ao homem sábio – o que fundeou a sua
casa em rocha e por isso ela resistiu à chuva, aos rios e
aos ventos;
- Todo aquele que ouve as minhas palavras e não as
observa, será comparado ao homem imprevidente – o
que fundeou a sua casa em areia e por isso, quando veio
a chuva, os rios e os ventos, ela caiu.
20
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
UM NOVO
EPISÓDIO
21
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Partida do Monte
“Uma luz serena e caridosa parecia vir do Hebron,
clarificando a paisagem em tonalidade de opalas e safiras
eterizadas.
Tendo acabado Jesus o discurso, estava o povo
admirado de sua doutrina. Porque Ele os ensinava como
quem tinha autoridade e não como os escribas deles ou
os fariseus.
Dececionados estavam os orgulhosos, desencantados os
ricos de paixões mesquinhas e revoltados os que
pretendiam ser dominadores dos outros antes de si
próprios.“
22
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Partida do Monte
“Apresentava-se pacífico e pacificador, ao invés de um
estimulador de ódio e morte. A sua lei assentava na
bondade e doçura, prestando louvor aos sofredores,
deserdados, pobres e esfaimados. Ali iniciava-se a Era da
verdadeira libertação que assinalaria a História abrindo as
portas para o futuro.
Aos poucos dispersou-se a grande assembleia dos
pobres, dos enfermos e dos aflitos.
E depois que Jesus acabou de fazer soar todos estes
discursos aos ouvidos do povo, entrou em Cafarnaum.”
23
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“A multidão dispersara-se magnetizada pela embrieguez
festiva das esperanças ditosas. Todavia, entre o momento
a canção e o da ação dos homens, no mundo, dobrar-se-
iam os evos da dor, de reajustamento nas engrenagens da
vida, de recuperação pessoal…
(…) o velho pescador (…) buscou o Amigo a fim de aclarar
as dúvidas e interrogações que os ensinos libertadores
suscitavam.”
Há flores no caminho: 16
24
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“No alto, uma lua fulgurante derramava argêntea claridade,
que embelezava a terra em paz, embalada por ventos
brandos.
Simão inquiriu:
- Senhor, a mensagem que ouvimos penetra-me a alma
como um punhal de luz que fere a noite do meu ser (...)
sangrando-me os sentimentos atormentados. Enquanto a
escutava experimentei a morte e sofri a vida; mergulhei nas
trevas do medo e surgi na meridiana bênção da esperança;
sufoquei-me em angústias e abri-me em confiança; dor e
paz alternavam.”
25
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“- A verdade é que sou passado e futuro, neste hoje que
nunca morrerá. Ante a força da humildade, da pobreza, do
amor, do perdão, da pureza, surge-me o impasse de como
proceder, em razão dos hábitos arraigados, antigos.
- Como procedermos ante um adversário impiedoso, a
quem aprendemos a odiar?”
26
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“- Simão, que sucede à noite
visitada pela luz? – adorna-se em
claridade.
- E ao pântano drenado? –
oferece a terra para a agricultura.
- Do mesmo modo, quem
conhece o amor jamais odeia. A
alma pútrida de animosidade
deve oferecer-se à sementeira da
esperança.”
27
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“E se um amigo se volta contra nós em acusações
injustas?
[Jesus responde de modo surpreendente:]
- Quando alguém se volve contra nós ele está sempre com
a razão. Se a acusação tem fundamento, deveremos
corrigirmo-nos; se é destituída de verdade, ainda assim ele
tem razão, porque enfermo, é esse o seu modo de ver o
mundo e as criaturas.
- O ressentimento, Pedro (…) é como ácido, que corrói os
sentimentos nobres do coração.”
28
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“- Que atitude tomar, então, contra o desertor (…) em
relação ao competidor inescrupuloso (…) ao beneficiado
pelo nosso carinho, que se volta como serpente (…)
- A do perdão constante e sistemático (…) única força
capaz de vencer a agressão invigilante e a perseguição
doentia.
O perdão é o amor que se movimenta em oportunidade
nova para quem delinque. Mais do que uma palavra, é toda
uma filosofia de comportamento humano, propiciando
resistência pacífica contra o mal.”
29
SERMÃO DO MONTE –
Diálogo Noturno
Um novo episódio
Diálogo noturno
“(…)A batalha mais difícil de travar é a que deve actuar no
mundo íntimo. (…) Para tal, eu vos mando a todos – a ti e
aos demais discípulos – na condição de ovelhas mansas e
confiantes ao meio de lobos, a fim de conquistá-los…
A mansuetude é o meu sinal no coração de cada um (…).
Ressentimento, mágoa, ódio, nunca! Sereis conhecidos
pelo potencial de bondade com que iluminardes o mundo
(…).
Silenciou o Rabi, encerrando ali o sermão das bem-
aventuranças. Chorando em silêncio, Simão compreendeu
que, por Ele, pelo amor, deveria dar a vida, sem resistir
contra o mal.”
““A mansuetude é o meu sinal no coração de cada um. SereisA mansuetude é o meu sinal no coração de cada um. Sereis
conhecidos pela bondade com que iluminardes o mundo.”conhecidos pela bondade com que iluminardes o mundo.”
Há flores no caminho: 16Há flores no caminho: 16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritosTerra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritos
bonattinho
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - Propósito
Ricardo Azevedo
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
Dalila Melo
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
grupodepaisceb
 
Aula 90 a filosofia da dor
Aula 90 a filosofia da dorAula 90 a filosofia da dor
Aula 90 a filosofia da dor
Luiz Henrique Faleiros
 
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
liliancostadias
 
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiososPalestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Tiburcio Santos
 
Bem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monteBem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monte
Maxuel Alves
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
Angela Ewerling
 
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Eae   71 o apocalipse de joão - mat didEae   71 o apocalipse de joão - mat did
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Norberto Scavone Augusto
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
Ricardo Azevedo
 
Infortúnios ocultos
Infortúnios ocultosInfortúnios ocultos
Infortúnios ocultos
Nertan Jucá
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Aula 104 regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...
Aula 104   regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...Aula 104   regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...
Aula 104 regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...
Denise Tofoli
 
O Cristo Consolador
O Cristo ConsoladorO Cristo Consolador
O Cristo Consolador
CEENA_SS
 
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obrasReconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Izabel Cristina Fonseca
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
Izabel Cristina Fonseca
 
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
Francisco de Assis Alencar
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
grupodepaisceb
 

Mais procurados (20)

Terra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritosTerra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritos
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - Propósito
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
 
Aula 90 a filosofia da dor
Aula 90 a filosofia da dorAula 90 a filosofia da dor
Aula 90 a filosofia da dor
 
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
 
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiososPalestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
 
Bem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monteBem aventurança sermão do monte
Bem aventurança sermão do monte
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
 
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Eae   71 o apocalipse de joão - mat didEae   71 o apocalipse de joão - mat did
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
 
Infortúnios ocultos
Infortúnios ocultosInfortúnios ocultos
Infortúnios ocultos
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 
Aula 104 regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...
Aula 104   regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...Aula 104   regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...
Aula 104 regras para educação e aperfeiçoamento dos seres ii - escola de ap...
 
O Cristo Consolador
O Cristo ConsoladorO Cristo Consolador
O Cristo Consolador
 
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obrasReconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
 
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
 

Destaque

O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
Leonardo Pereira
 
O sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanosO sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanos
Dalila Melo
 
Sermao do monte
Sermao do monteSermao do monte
Sermao do monte
Diego Núbia
 
Sermão Do Monte
Sermão Do MonteSermão Do Monte
Sermão Do Monte
Anjovison .
 
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
igmateus
 
Conheça 10 dicas para entender as parábolas de Jesus
Conheça 10 dicas para entender as parábolas de JesusConheça 10 dicas para entender as parábolas de Jesus
Conheça 10 dicas para entender as parábolas de Jesus
Juraci Rocha
 
Evangelho de lucas liçao 3
Evangelho de lucas liçao 3Evangelho de lucas liçao 3
Evangelho de lucas liçao 3
Mariângela Domeniche Perdomo
 
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIIIO evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17
Leonardo Pereira
 
5 Ways to Conquer Bloggers Block
5 Ways to Conquer Bloggers Block5 Ways to Conquer Bloggers Block
5 Ways to Conquer Bloggers Block
Marketing Sparkler
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13
Leonardo Pereira
 
Bem AventurançAs
Bem AventurançAsBem AventurançAs
Bem AventurançAs
jmeirelles
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
Leonardo Pereira
 
Milagres de jesus
Milagres de jesusMilagres de jesus
Milagres de jesus
Daladier Lima
 
A sombra
A sombraA sombra
Parábolas de Jesus
Parábolas de JesusParábolas de Jesus
Parábolas de Jesus
Gérson Fagundes da Cunha
 
Sermão do monte a singularidade de cristo e
Sermão do monte a singularidade de cristo eSermão do monte a singularidade de cristo e
Sermão do monte a singularidade de cristo e
Hugo Leonardo
 
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados purosPalestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Tiburcio Santos
 

Destaque (20)

O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
 
O sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanosO sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanos
 
Sermao do monte
Sermao do monteSermao do monte
Sermao do monte
 
Sermão Do Monte
Sermão Do MonteSermão Do Monte
Sermão Do Monte
 
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
O Evangelio Segundo o Espiritismo, Capítulo 8
 
Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
 
Conheça 10 dicas para entender as parábolas de Jesus
Conheça 10 dicas para entender as parábolas de JesusConheça 10 dicas para entender as parábolas de Jesus
Conheça 10 dicas para entender as parábolas de Jesus
 
Evangelho de lucas liçao 3
Evangelho de lucas liçao 3Evangelho de lucas liçao 3
Evangelho de lucas liçao 3
 
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIIIO evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
O evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo VIII
 
Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17
 
5 Ways to Conquer Bloggers Block
5 Ways to Conquer Bloggers Block5 Ways to Conquer Bloggers Block
5 Ways to Conquer Bloggers Block
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13
 
Bem AventurançAs
Bem AventurançAsBem AventurançAs
Bem AventurançAs
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
 
Milagres de jesus
Milagres de jesusMilagres de jesus
Milagres de jesus
 
A sombra
A sombraA sombra
A sombra
 
Parábolas de Jesus
Parábolas de JesusParábolas de Jesus
Parábolas de Jesus
 
Sermão do monte a singularidade de cristo e
Sermão do monte a singularidade de cristo eSermão do monte a singularidade de cristo e
Sermão do monte a singularidade de cristo e
 
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados purosPalestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
 

Semelhante a Sermão do Monte

185152 grandes sermoes do mundo
185152 grandes sermoes do mundo185152 grandes sermoes do mundo
185152 grandes sermoes do mundo
Edilson Silva
 
Estes são os dias.pptx
Estes são os dias.pptxEstes são os dias.pptx
Estes são os dias.pptx
Henrique Vieira
 
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteApresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
João Eduardo
 
A era nova slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...
A era nova   slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...A era nova   slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...
A era nova slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...
Nivaldo Santos
 
Evangelismo
EvangelismoEvangelismo
Evangelismo
iasdvilaveronica
 
Revista espírita 1867
Revista espírita   1867Revista espírita   1867
Revista espírita 1867
anaccc2013
 
Sermão o sermão do monte (parte 1)
Sermão  o sermão do monte (parte 1)Sermão  o sermão do monte (parte 1)
Sermão o sermão do monte (parte 1)
Joel Silva
 
Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)
Joel Silva
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Ricardo Azevedo
 
Boletim ippi 22.02.2014
Boletim ippi 22.02.2014Boletim ippi 22.02.2014
Boletim ippi 22.02.2014
Igreja Presbiteriana do Parque Ipê
 
A Sacudidura 03SET2022-1.pptx
A Sacudidura 03SET2022-1.pptxA Sacudidura 03SET2022-1.pptx
A Sacudidura 03SET2022-1.pptx
DINTERISPO
 
Jesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEI
Jesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEIJesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEI
Jesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEI
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Livro Boa Nova - cap. 11 O Sermão do Monte
Livro Boa Nova - cap. 11   O Sermão do MonteLivro Boa Nova - cap. 11   O Sermão do Monte
Livro Boa Nova - cap. 11 O Sermão do Monte
Patricia Farias
 
O LIVRO DE MÓRMON.pdf
O LIVRO DE MÓRMON.pdfO LIVRO DE MÓRMON.pdf
O LIVRO DE MÓRMON.pdf
Eduardo de Oliveira Aguiar
 
Contos e apólogos irmão x
Contos e apólogos   irmão xContos e apólogos   irmão x
Contos e apólogos irmão x
Antonio SSantos
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
Antonio Braga
 
John wesley o grande julgamento
John wesley o grande julgamentoJohn wesley o grande julgamento
John wesley o grande julgamento
Francisco Deuzilene
 
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de VidaJesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
igmateus
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finais
frenjr
 
Como lidar com as profecias do Apocalipse.pptx
Como lidar com as profecias do Apocalipse.pptxComo lidar com as profecias do Apocalipse.pptx
Como lidar com as profecias do Apocalipse.pptx
Henrique Vieira
 

Semelhante a Sermão do Monte (20)

185152 grandes sermoes do mundo
185152 grandes sermoes do mundo185152 grandes sermoes do mundo
185152 grandes sermoes do mundo
 
Estes são os dias.pptx
Estes são os dias.pptxEstes são os dias.pptx
Estes são os dias.pptx
 
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteApresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
 
A era nova slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...
A era nova   slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...A era nova   slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...
A era nova slides da palestra aos trabalhadores do Centro Espírita Humildad...
 
Evangelismo
EvangelismoEvangelismo
Evangelismo
 
Revista espírita 1867
Revista espírita   1867Revista espírita   1867
Revista espírita 1867
 
Sermão o sermão do monte (parte 1)
Sermão  o sermão do monte (parte 1)Sermão  o sermão do monte (parte 1)
Sermão o sermão do monte (parte 1)
 
Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
 
Boletim ippi 22.02.2014
Boletim ippi 22.02.2014Boletim ippi 22.02.2014
Boletim ippi 22.02.2014
 
A Sacudidura 03SET2022-1.pptx
A Sacudidura 03SET2022-1.pptxA Sacudidura 03SET2022-1.pptx
A Sacudidura 03SET2022-1.pptx
 
Jesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEI
Jesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEIJesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEI
Jesus e o Espiritismo-Marcelo do N. Rodrigues- GECMEIMEI
 
Livro Boa Nova - cap. 11 O Sermão do Monte
Livro Boa Nova - cap. 11   O Sermão do MonteLivro Boa Nova - cap. 11   O Sermão do Monte
Livro Boa Nova - cap. 11 O Sermão do Monte
 
O LIVRO DE MÓRMON.pdf
O LIVRO DE MÓRMON.pdfO LIVRO DE MÓRMON.pdf
O LIVRO DE MÓRMON.pdf
 
Contos e apólogos irmão x
Contos e apólogos   irmão xContos e apólogos   irmão x
Contos e apólogos irmão x
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
 
John wesley o grande julgamento
John wesley o grande julgamentoJohn wesley o grande julgamento
John wesley o grande julgamento
 
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de VidaJesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finais
 
Como lidar com as profecias do Apocalipse.pptx
Como lidar com as profecias do Apocalipse.pptxComo lidar com as profecias do Apocalipse.pptx
Como lidar com as profecias do Apocalipse.pptx
 

Mais de Ponte de Luz ASEC

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
Ponte de Luz ASEC
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
Ponte de Luz ASEC
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
Ponte de Luz ASEC
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Ponte de Luz ASEC
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Ponte de Luz ASEC
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
Ponte de Luz ASEC
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Ponte de Luz ASEC
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
Ponte de Luz ASEC
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
Ponte de Luz ASEC
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Ponte de Luz ASEC
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
Ponte de Luz ASEC
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
Ponte de Luz ASEC
 

Mais de Ponte de Luz ASEC (20)

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
 

Último

Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 

Último (20)

Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 

Sermão do Monte

  • 1. SERMÃO DO MONTESERMÃO DO MONTE – O Diálogo Noturno–– O Diálogo Noturno– 04 de maio de 2016
  • 2. 2 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Estrutura da palestra I. ENQUADRAMENTO ESPAÇO-TEMPORAL II. A IMPORTÂNCIA DO SERMÃO III. FASES DO SERMÃO . As bem-aventuranças; . A importância da divulgação sem corrupções; . O cumprimento das profecias; . Conduta para com o próximo e o mundo, e as recompensas devidas; . O julgamento e a resposta aos nossos pedidos; . Alerta para com aqueles que nos enganam; . Despedida. IV. UM NOVO EPISÓDIO . Partida do Monte . O Diálogo Noturno
  • 3. 3 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Bibliografia Textos da Codificação Espírita: . Evangelho Segundo o Espiritismo Outros textos Espíritas: . Aprendizes do Evangelho . Caminho, Verdade e Vida . Fonte Viva . Há flores no caminho . Pão Nosso . Pelos caminhos de Jesus . Sabedoria do Evangelho . Vinha de Luz. Textos do Novo Testamento: . Evangelho de Lucas: 6-7; . Evangelho de Mateus: 5-8. Outros textos: . A verdadeira história de Jesus.
  • 4. 4 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno ENQUADRAMENTO ESPAÇO- TEMPORAL
  • 5. 5 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Enquadramento Espaço-Temporal Na margem estavam operários humildes, pescadores rudes, mães numerosas em cujos rostos macerados se podiam ler as histórias amargas dos mais incríveis padecimentos, criaturas da plebe anónima e sofredora, mulheres adúlteras, publicanos gozadores da vida, enfermos desesperados e crianças numerosas, que traziam consigo os estigmas do mais doloroso desamparo. A barca de Simão acostara brandamente à margem, permitindo que o Mestre se dirigisse ao local costumeiro de suas lições divinas.
  • 6. 6 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Enquadramento Espaço-Temporal O crepúsculo de um dia claro e quente emprestava um reflexo de luz dourada a todas as coisas e a todos os contornos suaves da paisagem. Encrespavam-se as águas mansas de Tiberíades ao sopro carinhoso dos favônios da tarde, que se impregnavam do perfume das flores e das árvores. Brisas frescas eliminavam o calor ambiente, espalhando sensações agradáveis de vida livre, no seio robusto e farto da Natureza. (...) no espelho cristalino das águas, muito ao longe, no horizonte. Era a barca de Simão, que trazia o Mestre para as dissertações costumeiras.
  • 7. 7 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno A IMPORTÂNCIA DO SERMÃO
  • 8. 8 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno A importância do Sermão “O Sermão do Monte, um ponto fundamental do Evangelho, encerra o substrato dos ensinamentos redentores de Jesus, resumindo o estatuto moral da Fraternidade dos Discípulos de Jesus (...). É a Carta Magna do Testamento de Amor entre os Homens e Deus, na intimidade das relações do homem com o seu semelhante”. No Evangelho Segundo o Espiritismo, 18 dos 28 capítulos, versam sobre o Sermão da Montanha e Emmanuel dedica-lhe 38 mensagens.
  • 9. 9 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno A importância do Sermão Existem capítulos somente dedicados a uma das bem- aventuranças, como o Cap.V “Bem-Aventurados os Aflitos”, o VIII “Bem-Aventurados os Puros de Coração”, ou o Cap. X “Bem-aventurados os misericordiosos”. Outros que versam sobre diferentes passagens, como o Cap. XII “Amai os vossos inimigos”, ou o Cap. XXV “Buscai e achareis”. “Para o aprendiz do Evangelho, o Sermão do Monte é o código de honra, com o qual e pelo qual será sempre fiel a si próprio e aos semelhantes, para glorificar a Deus, como Jesus ensinou.”
  • 10. 10 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno AS FASES DO SERMÃO
  • 11. 11 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão O Sermão do Monte contém mais do que as Bem- aventuranças, podendo ser dividido de forma mais simples: - As bem-aventuranças; O cumprimento da Lei e dos Profetas. ... ou de modo mais complexo, mas exacto: - As bem-aventuranças; - A importância da divulgação sem corrupções; - O cumprimento das profecias; - Conduta para com o próximo e o mundo, e as recompensas devidas; - O julgamento e a resposta aos nossos pedidos; - Alerta para com aqueles que nos enganam; - Despedida.
  • 12. 12 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão As bem-aventuranças: . Bem-aventurados os humildes de espírito; . Bem-aventurados os pacíficos; . Bem-aventurados os sedentos de justiça; . Bem-aventurados os que sofrem e choram; . Bem-aventurados os misericordiosos; . Bem-aventurados os limpos de coração; . Bem-aventurados os pacíficos; . Bem-aventurados os que são perseguidos por amor à justiça; . Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem, perseguirem e difamarem mentindo, por meu respeito; . Rejubilai e exultai, pois a vossa recompensa estará nos Céus.
  • 13. 13 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão A importância da divulgação sem corrupções: - Vós sois o sal da terra - não deixais corromper o saber; - Vós sois a luz do mundo - não escondeis a luz da razão; - Assim luza a vossa luz diante dos homens; - E espraiando o olhar compassivo e misericordioso por sobre a assembleia vasta, continuou com doçura: - Muitos, também, dos que foram aqui chamados, serão escolhidos para o grande sacrifício que se aproxima!... Esses me encontrarão no reino celestial, porque as suas renúncias hão-de ser o sal da Terra e o sol de um novo dia!...
  • 14. 14 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão O cumprimento das profecias: Não vim destruí-los [aos profetas] mas sim dar-lhes cumprimento; - Enquanto não passar o céu e a terra, não passará da lei um “i” ou um “til” sem que tudo seja cumprido.
  • 15. 15 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão Conduta para com o próximo e perante o mundo materialista, e as recompensas devidas: - (...) se a vossa justiça não for maior e mais perfeita que a dos escribas e a dos fariseus, não entrareis no reino dos céus; - Se estás fazendo a tua oferta diante do altar (...) reconcilia-te primeiro com teu irmão e depois virás fazer a tua oferta; - Não resistais ao que te fizer mal, mas se alguém te ferir na face direita oferece-lhe também a outra; - Amai aos vossos inimigos, fazei o bem aos que vos têm ódio e orai pelos que vos perseguem e caluniam; - Guardai-vos de fazer as boas obras diante de vossos irmãos com o fim de serdes vistos por eles;
  • 16. 16 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão Conduta para com o próximo e perante o mundo materialista, e as recompensas devidas: - Quando orares, não haveis de ser como os hipócritas, que gostam de orar (...) nas ruas para serem vistos; - Assim pois é que vós haveis de orar: “Pai nosso que...” - Não queirais (..) tesouros na terra, (...) mas guardai tesouros no céu; - O teu olho é a luz do teu corpo; - Não podeis servir a Deus e a mamon; - (...) não é mais a alma que a comida, e o corpo que o vestido? - Buscai antes o reino de Deus e todas essas coisas vos serão acrescentadas.
  • 17. 17 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão O julgamento e a resposta aos nossos pedidos, conforme a nossa conduta para com o outro: - Com o juízo que julgardes sereis julgados; - (...) todo o que pede, recebe, e o que busca, acha, e a quem bate, abrir-se-á; - Tudo o que vós quereis que vos façam (...), fazei-o também (...).
  • 18. 18 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão Alerta para com aqueles que nos enganam: - Guardai-vos dos falsos profetas (...) pelos seus frutos os conhecereis; - O homem bom, do bom tesouro de seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala o de que está cheio o coração; - Nem todo o que diz: “Senhor, Senhor” entrará no reino dos céus, mas sim o que faz a vontade de meu Pai.
  • 19. 19 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno As fases do Sermão Despedida: Todo aquele que ouve as minhas palavras e as observa, será comparado ao homem sábio – o que fundeou a sua casa em rocha e por isso ela resistiu à chuva, aos rios e aos ventos; - Todo aquele que ouve as minhas palavras e não as observa, será comparado ao homem imprevidente – o que fundeou a sua casa em areia e por isso, quando veio a chuva, os rios e os ventos, ela caiu.
  • 20. 20 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno UM NOVO EPISÓDIO
  • 21. 21 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Partida do Monte “Uma luz serena e caridosa parecia vir do Hebron, clarificando a paisagem em tonalidade de opalas e safiras eterizadas. Tendo acabado Jesus o discurso, estava o povo admirado de sua doutrina. Porque Ele os ensinava como quem tinha autoridade e não como os escribas deles ou os fariseus. Dececionados estavam os orgulhosos, desencantados os ricos de paixões mesquinhas e revoltados os que pretendiam ser dominadores dos outros antes de si próprios.“
  • 22. 22 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Partida do Monte “Apresentava-se pacífico e pacificador, ao invés de um estimulador de ódio e morte. A sua lei assentava na bondade e doçura, prestando louvor aos sofredores, deserdados, pobres e esfaimados. Ali iniciava-se a Era da verdadeira libertação que assinalaria a História abrindo as portas para o futuro. Aos poucos dispersou-se a grande assembleia dos pobres, dos enfermos e dos aflitos. E depois que Jesus acabou de fazer soar todos estes discursos aos ouvidos do povo, entrou em Cafarnaum.”
  • 23. 23 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “A multidão dispersara-se magnetizada pela embrieguez festiva das esperanças ditosas. Todavia, entre o momento a canção e o da ação dos homens, no mundo, dobrar-se- iam os evos da dor, de reajustamento nas engrenagens da vida, de recuperação pessoal… (…) o velho pescador (…) buscou o Amigo a fim de aclarar as dúvidas e interrogações que os ensinos libertadores suscitavam.” Há flores no caminho: 16
  • 24. 24 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “No alto, uma lua fulgurante derramava argêntea claridade, que embelezava a terra em paz, embalada por ventos brandos. Simão inquiriu: - Senhor, a mensagem que ouvimos penetra-me a alma como um punhal de luz que fere a noite do meu ser (...) sangrando-me os sentimentos atormentados. Enquanto a escutava experimentei a morte e sofri a vida; mergulhei nas trevas do medo e surgi na meridiana bênção da esperança; sufoquei-me em angústias e abri-me em confiança; dor e paz alternavam.”
  • 25. 25 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “- A verdade é que sou passado e futuro, neste hoje que nunca morrerá. Ante a força da humildade, da pobreza, do amor, do perdão, da pureza, surge-me o impasse de como proceder, em razão dos hábitos arraigados, antigos. - Como procedermos ante um adversário impiedoso, a quem aprendemos a odiar?”
  • 26. 26 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “- Simão, que sucede à noite visitada pela luz? – adorna-se em claridade. - E ao pântano drenado? – oferece a terra para a agricultura. - Do mesmo modo, quem conhece o amor jamais odeia. A alma pútrida de animosidade deve oferecer-se à sementeira da esperança.”
  • 27. 27 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “E se um amigo se volta contra nós em acusações injustas? [Jesus responde de modo surpreendente:] - Quando alguém se volve contra nós ele está sempre com a razão. Se a acusação tem fundamento, deveremos corrigirmo-nos; se é destituída de verdade, ainda assim ele tem razão, porque enfermo, é esse o seu modo de ver o mundo e as criaturas. - O ressentimento, Pedro (…) é como ácido, que corrói os sentimentos nobres do coração.”
  • 28. 28 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “- Que atitude tomar, então, contra o desertor (…) em relação ao competidor inescrupuloso (…) ao beneficiado pelo nosso carinho, que se volta como serpente (…) - A do perdão constante e sistemático (…) única força capaz de vencer a agressão invigilante e a perseguição doentia. O perdão é o amor que se movimenta em oportunidade nova para quem delinque. Mais do que uma palavra, é toda uma filosofia de comportamento humano, propiciando resistência pacífica contra o mal.”
  • 29. 29 SERMÃO DO MONTE – Diálogo Noturno Um novo episódio Diálogo noturno “(…)A batalha mais difícil de travar é a que deve actuar no mundo íntimo. (…) Para tal, eu vos mando a todos – a ti e aos demais discípulos – na condição de ovelhas mansas e confiantes ao meio de lobos, a fim de conquistá-los… A mansuetude é o meu sinal no coração de cada um (…). Ressentimento, mágoa, ódio, nunca! Sereis conhecidos pelo potencial de bondade com que iluminardes o mundo (…). Silenciou o Rabi, encerrando ali o sermão das bem- aventuranças. Chorando em silêncio, Simão compreendeu que, por Ele, pelo amor, deveria dar a vida, sem resistir contra o mal.”
  • 30. ““A mansuetude é o meu sinal no coração de cada um. SereisA mansuetude é o meu sinal no coração de cada um. Sereis conhecidos pela bondade com que iluminardes o mundo.”conhecidos pela bondade com que iluminardes o mundo.” Há flores no caminho: 16Há flores no caminho: 16