SlideShare uma empresa Scribd logo
Livro de Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier
Na Extensão do Serviço
Lição 23
 A cada lição do livro Roteiro somos convidados a refletir sobre
questões que são importantes em nossa existência. Caminhamos pela
criação, pelos reinos, pela evolução do homem, física e espiritual, por
sua história em diversos povos e, também, refletimos sobre algumas
Leis Divinas como a do trabalho e chegamos a lição anterior que trata
da Doutrina Espírita.
 Sem o Cristo não há espiritismo, ainda que alguns o queiram, basta
um olhar mais atento sobre a codificação e veremos que ele está
inteiramente alicerçado nos ensinamentos deixados por Jesus. Somos,
então, convidados a adentrar na seara do Mestre, como trabalhadores,
como colaboradores de sua missão na Terra. E é preciso compreender
que o Mestre não trabalha para si mesmo.
 Eis, então, que Emmanuel nos traz
importantes reflexões sobre a nossa conduta
na Terra.
 Caminhemos com ele iniciando as lições do
livro Roteiro.

 “Que seria do Espiritismo se não guardasse
finalidades de aperfeiçoamento da
própria Terra, onde se expressa por
movimento libertador das consciências?
 Seria louvável subtrair o homem do
campo à função laboriosa da sementeira,
distraindo-o com narrativas brilhantes e
induzindo-o à inércia?
 Seria aconselhável a imposição do êxtase ao
esforço ativo, congelando-se preciosas
oportunidades de realização para o
bem?” Roteiro
 Três perguntas que nosTrês perguntas que nos
trazem, também, trêstrazem, também, três
direcionamentos:direcionamentos:
 - aperfeiçoamento da- aperfeiçoamento da
própria Terra;própria Terra;
 - não subtrair o homem- não subtrair o homem
do campo à funçãodo campo à função
laboriosa da sementeira;laboriosa da sementeira;
 - realização para o bem.- realização para o bem.
 Temos, então, que o espírita e, também, todos os corações sinceros queTemos, então, que o espírita e, também, todos os corações sinceros que
sigam a Cristo, são convidados a trabalhar para que a Terra seja umsigam a Cristo, são convidados a trabalhar para que a Terra seja um
lugar melhor para se viver. A questão que se impõe e que nos fazlugar melhor para se viver. A questão que se impõe e que nos faz
tropeçar ao longo dos séculos é justamente o complemento destetropeçar ao longo dos séculos é justamente o complemento deste
movimento de querer aperfeiçoar o nosso lindo planeta azul. Vejam quemovimento de querer aperfeiçoar o nosso lindo planeta azul. Vejam que
Emmanuel nos diz que ele (aperfeiçoamento da Terra) se expressa porEmmanuel nos diz que ele (aperfeiçoamento da Terra) se expressa por
movimento libertador de consciências.movimento libertador de consciências.
 Criamos regras de conduta e queremos impor aos que estão sob a nossaCriamos regras de conduta e queremos impor aos que estão sob a nossa
direção que pensem e ajam conforme o nosso entendimento, porém,direção que pensem e ajam conforme o nosso entendimento, porém,
isto não é liberdade. A consciência livre se expressa de forma única eisto não é liberdade. A consciência livre se expressa de forma única e
apenas um ambiente amoroso está apto a acolhê-la.apenas um ambiente amoroso está apto a acolhê-la.
Evangelho de Lucas 9:62
 Queremos, muita vez, que a transformação se dê de fora para dentro,
cristalizados neste movimento ao longo dos milênios, porém, o que se pede é
justamente o inverso, que tenhamos um ambiente fraterno para que as
consciências se expressem com liberdade e neste conjunto sejamos capazes de
construir algo bom.
 É certo que diante de nossa condição evolutiva, teremos dificuldades com
trabalhadores que destoam do grupo e tomam atitudes que não promovem nem
o seu aperfeiçoamento nem o do ambiente em que se encontra, não obstante,
temos que lembrar que a transformação está em seu querer, em sua vontade e de
nada adiantará a nossa intenção de impor o nosso pensar. Teremos sempre
regras a serem seguidas, e cada um usará de sua liberdade para aderir ou não ao
que é proposto e neste caminhar teremos a oportunidade de melhorarmo-nos e,
também, melhorar o lugar em que estamos.
 A segunda pergunta também nos traz reflexão importante.A segunda pergunta também nos traz reflexão importante.
Emmanuel nos diz: “Seria louvável subtrair o homem doEmmanuel nos diz: “Seria louvável subtrair o homem do
campo à função laboriosa da sementeira, distraindo-o comcampo à função laboriosa da sementeira, distraindo-o com
narrativas brilhantes e induzindo-o à inércia?”narrativas brilhantes e induzindo-o à inércia?”
 Quando ouço uma palestra ou leio um livro ou realizoQuando ouço uma palestra ou leio um livro ou realizo
um estudo, ao final, sempre pergunto a mim mesma: oum estudo, ao final, sempre pergunto a mim mesma: o
que ficou? De tudo o que ouvi, o que levarei para a minhaque ficou? De tudo o que ouvi, o que levarei para a minha
vida? O que me fez refletir sobre a minha conduta?vida? O que me fez refletir sobre a minha conduta?
 Tudo o que fazemos necessita ter um propósito, assim,Tudo o que fazemos necessita ter um propósito, assim,
as sementes de luz que recebemos não podem nos levar àas sementes de luz que recebemos não podem nos levar à
inércia, a ficarmos parados no tempo em reflexão inócua.inércia, a ficarmos parados no tempo em reflexão inócua.
O fato do discurso ser brilhante, do orador ou oradora nosO fato do discurso ser brilhante, do orador ou oradora nos
brindar oratórias eloquentes e frases cheias de complexasbrindar oratórias eloquentes e frases cheias de complexas
referências não é garantia de aprendizado. Assim como oreferências não é garantia de aprendizado. Assim como o
homem do campo, o trabalhador do Cristo deve pegar ohomem do campo, o trabalhador do Cristo deve pegar o
seu arado e ir para a terra, realizar o trabalho, preparar oseu arado e ir para a terra, realizar o trabalho, preparar o
solo para amanhã aproveitar da colheita.solo para amanhã aproveitar da colheita.
 Emmanuel nos esclarece sobre a questão do
aprendizado:
 “Na aquisição do conhecimento superior, não
acredites que o deslumbramento substitua o
trabalho.
 Nem julgues que o benfeitor espiritual, por mais
amigo, possa efetuar a obra que te compete.
 O professor esclarece. O aluno, porém, deve
equacionar os problemas da escola.
 O médico auxilia. O doente, contudo, deve
atender-lhe as indicações.
 Toda realização pede esforço. Toda construção
pede tempo.
 (...)
 Agradece, pois, o carinho dos Espíritos generosos,
encarnados ou desencarnados, que te amparam a
experiência, aplicando-te às lições de que são
mensageiros.
 Não admitas, contudo, que a presença deles te
baste ao aprimoramento individual.
 Recorda que nem os companheiros da glória do
Cristo escaparam ao impositivo do serviço
constante.
 Os apóstolos que lhe respiraram a convivência não
repousam ante as flamas do Pentecostes, mas
seguem, luta diante, de renúncia em renúncia,
adquirindo, pouco a pouco, a grande libertação,
e Saulo de Tarso, visitado pelo próprio Mestre, em
pessoa, não para sob o jorro solar da senda de
Damasco, mas avança, de suplício em suplício,
assimilando, a preço de sofrimento, o dom da
Divina Luz.
 Livro Seara dos Mediuns, lição Conhecimento Superior
 Por fim, a terceira pergunta que Emmanuel nos traz: “Seria
aconselhável a imposição do êxtase ao esforço ativo, congelando-se
preciosas oportunidades de realização para o bem?”

 O intercâmbio com o mundo espiritual nos remete a ambientes de
profunda paz, contemplamoscontemplamos um mundo diferente, porém, estamos aqui
na Terra para o trabalho e não podemos nos esquecer que toda tarefa na
seara espiritual deve ter um propósito de auxiliar aos que sofrem e
necessitam de uma mão amiga para seguir em frente.

 Não se trata, assim, da prece ou da comunicação com os espíritos amigos
ou sofredores, será sempre o propósito que levamos em nosso coração de
viver e agir em favor do outro, buscando, através de nossas vidas,
oferecer algo de nós mesmos.
 Há quem pense que nadaHá quem pense que nada
possui de si mesmo parapossui de si mesmo para
oferecer e é certo que aindaoferecer e é certo que ainda
não temos a luz interior como anão temos a luz interior como a
do Sol que leva vida por tododo Sol que leva vida por todo
um sistema, não obstante,um sistema, não obstante,
quando se está na escuridão,quando se está na escuridão,
muitas vezes bastará ummuitas vezes bastará um
pequeno fósforo para nospequeno fósforo para nos
apontar o caminho. Assim, nãoapontar o caminho. Assim, não
deixemos de brilhar, toda luz édeixemos de brilhar, toda luz é
necessária, até mesmo a de umnecessária, até mesmo a de um
pequenino fósforo.pequenino fósforo.
 Sigamos em frente com a lição.
 “Mas, se nos abeirarmos do trabalhador, com o intuito de estimula-lo
ao serviço, auxiliando-lhe o entendimento, para que a tarefa se lhe faça
menos sacrificial, e favorecendo-o a fim de que descubra, por si
mesmo, os degraus da própria elevação, estaremos edificando o
bem legítimo, no aprimoramento da vida e da coletividade.
 De que valeria a intimidade do homem com os Espíritos domiciliados
em outras esferas, sem proveito para a existência que lhe é peculiar?
Não será deplorável perda de tempo informarmo-nos, sem propósito
honesto, quanto aos regulamentos que regem a casa alheia? Se a
criatura humana ainda não pode dispensar o suprimento de proteínas e
carboidratados, de oxigênio e vitaminas, se não pode prescindir do
banho e da leitura, por que induzi-la ao ocioso prazer das indagações
sem elevação de vistas? Atendamos, acima de tudo, ao essencial.”
Roteiro
 Eis o nosso trabalho: auxiliar o entendimento,
favorecer para que o outro descubra por si
mesmo.
 A doutrina espírita nos fala de evolução e, não
raro, nos esquecemos de agir dentro destes
princípios. Cada um está em um momento
evolutivo e precisamos respeitar isto, porque se
assim o é decorre da vontade de nosso Pai. A
diversidade é um fato e estar nela implica em
reconhecermos que ora estamos com mão
estendida para auxiliar, ora estamos com a mão
estendida para sermos auxiliados.
 Paulo sabia disto e o expressou na Carta que
encaminhou aos cristãos que viviam em Roma:
“Eu sou devedor, tanto a gregos como a
bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes
ROMANOS, 1:14
 Emmanuel, ao comentar este versículo, nos diz:Emmanuel, ao comentar este versículo, nos diz:
 ““O Apóstolo da Gentilidade frisou claramente a suaO Apóstolo da Gentilidade frisou claramente a sua
condição de legítimo devedor de todos e essacondição de legítimo devedor de todos e essa
condição e a de qualquer outro ser da comunidadecondição e a de qualquer outro ser da comunidade
humana.humana.
A criatura em si, não e apenas a soma das própriasA criatura em si, não e apenas a soma das próprias
realizações, mas também o produto de débitosrealizações, mas também o produto de débitos
inumeráveis para com o grupo a que pertence.inumeráveis para com o grupo a que pertence.
Cada um deve incalculáveis tributos às almas comCada um deve incalculáveis tributos às almas com
quem convive.quem convive.
Não nos esqueçamos de que vivemos empenhadosNão nos esqueçamos de que vivemos empenhados
a boa vontade dos corações amigos…a boa vontade dos corações amigos…
A sabedoria dos mais experientes…A sabedoria dos mais experientes…
Ao carinho dos companheiros próximos…Ao carinho dos companheiros próximos…
Ao apoio e ao estimulo dos familiares…Ao apoio e ao estimulo dos familiares…
Aos nobres impulsos das relações fraternais…Aos nobres impulsos das relações fraternais…
““Portanto, pelo reconhecimento dasPortanto, pelo reconhecimento das
nossas dívidas comuns, provamos anossas dívidas comuns, provamos a
real inconsequência do orgulho e dareal inconsequência do orgulho e da
vaidade em qualquer coração e avaidade em qualquer coração e a
impraticabilidade do insulamento emimpraticabilidade do insulamento em
nosso passo evolutivo.nosso passo evolutivo.
A dívida importa em compromisso eA dívida importa em compromisso e
compromisso significa resgate naturalcompromisso significa resgate natural
ou compulsório.ou compulsório.
Todos somos devedores uns dosTodos somos devedores uns dos
outros.outros.
Se ainda alimentas algum laivo deSe ainda alimentas algum laivo de
superioridade egoística, à frente dossuperioridade egoística, à frente dos
semelhantes, lembra-te das dívidassemelhantes, lembra-te das dívidas
numerosas, que ainda não saldaste, anumerosas, que ainda não saldaste, a
começar pelo próprio instrumento físicocomeçar pelo próprio instrumento físico
 Convida-nos, assim, a atender o
essencial. A priorizarmos em nossas
vidas o que é realmente importante,
buscando da simplicidade de viver o
aprendizado para nosso espírito imortal.
Fato é que em nossa jornada as
prioridades se misturam e se confundem.
Qual o caminho? Como agir de forma
eficaz, trazendo para os nossos dias a
alegria de bem viver?
 Emmanuel, nas próximas linhas, nos
falará do Cristo, de como agiu quando
este entre nós nas mais diversas
situações. Aproveitemos as linhas para
refletir em como nós outros estamos
agindo.
 “É curioso notar que o próprio Cristo, em sua imersão nos fluidos
terrestres, não cogitou de qualquer problema inoportuno ou inadequado.”
Roteiro
 Duas palavras importantes: inoportuno e inadequado.
 Consultando o dicionário on line temos os seguintes significados:
 Inoportuno: que não é oportuno, que sobrevém num mau momento,
numa ocasião imprópria; inconveniente, intempestivo.
 Inadequado: que não se adequou; impróprio, inconveniente.
 O primeiro, inoportuno, nos remete a ação no tempo. Qual o melhorO primeiro, inoportuno, nos remete a ação no tempo. Qual o melhor
momento para determinada ação ou tarefa? Qual a melhor hora paramomento para determinada ação ou tarefa? Qual a melhor hora para
falar? E para silenciar?falar? E para silenciar?
 Já o segundo, nos remete ao meio utilizado. O que estou oferecendo éJá o segundo, nos remete ao meio utilizado. O que estou oferecendo é
adequado a necessidade do outro? Estou humilhando ou constrangendoadequado a necessidade do outro? Estou humilhando ou constrangendo
o outro com minhas ações ou palavras?o outro com minhas ações ou palavras?
 Cristo, diante dos problemas que se lhe apresentavam era, então,Cristo, diante dos problemas que se lhe apresentavam era, então,
oportuno e adequado. Agia no melhor tempo e de forma mais eficaz. Éoportuno e adequado. Agia no melhor tempo e de forma mais eficaz. É
importante, então, observarmos os exemplos que Emmanuel nos ofereceimportante, então, observarmos os exemplos que Emmanuel nos oferece
a fim de que aprendamos mais com o nosso Mestre, Modelo e Guia.a fim de que aprendamos mais com o nosso Mestre, Modelo e Guia.
 ““Não se sentou na praça pública para explicar a natureza de Deus e,Não se sentou na praça pública para explicar a natureza de Deus e,
sim, chamou-lhe simplesmente “Nosso Pai”, indicando os deveres desim, chamou-lhe simplesmente “Nosso Pai”, indicando os deveres de
amor e reverência com que nos cabe contribuir na extensão e noamor e reverência com que nos cabe contribuir na extensão e no
aperfeiçoamento da Obra Divina.” Roteiroaperfeiçoamento da Obra Divina.” Roteiro
 O povo hebreu, até hoje, conserva um grande respeito pela figuraO povo hebreu, até hoje, conserva um grande respeito pela figura
paterna. Será o pai quem irá dirigir a família, até mesmo quando ospaterna. Será o pai quem irá dirigir a família, até mesmo quando os
filhos casavam e continuavam morando com o pai, era ele consultadofilhos casavam e continuavam morando com o pai, era ele consultado
para o direcionamento da família. Não se trata apenas do provedorpara o direcionamento da família. Não se trata apenas do provedor
financeiro.financeiro.
 Encontramos uma dissertação de José Maurício (PucMinas) que trata
sobre o lugar do pai no decorrer do tempo e das sociedades, um estudo
muito interessante, do qual grifamos um trecho:
 “A vida social de Israel, segundo Ringgren (1970), é mais rural e
caracterizada pelo nomadismo. O fator determinante na estrutura
social era a tribo e o clã. Neste contexto, a parentagem e a genealogia
eram consideradas importantes. Assim, o aspecto tribal ou o ancestral
é muito significativo. Em Is 51, 2, Abraão é invocado como “seu pai”,
no sentido de ancestral, pai tribal e exemplo de homem destemido a ser
seguido.
 No seio da família israelita, a autoridade do pai era quase ilimitada;
ele era o mestre, chefe da casa; as crianças eram ensinadas a honrá-lo
e temê-lo; ele controla outros membros da família como o oleiro
controla a argila (Is 6, 4-7). Ele não é um déspota isolado, mas o
centro de tudo o que lhe pertence, e tudo gira ao seu redor. Quando um
homem é chamado de pai, isto deduz da mesma coisa, parentesco e
autoridade são expressos pelo mesmo nome de pai. Para o israelita, o
nome de pai resulta em autoridade.”
 Ainda estamos distantes de entender quem é o nosso Criador, mas o queAinda estamos distantes de entender quem é o nosso Criador, mas o que
observamos é que, com Jesus, ele deixou de ser o Rei dos Exércitos a quemobservamos é que, com Jesus, ele deixou de ser o Rei dos Exércitos a quem
devíamos servir para tornar-se o Pai, que também exerce sua autoridade,devíamos servir para tornar-se o Pai, que também exerce sua autoridade,
porém, está muito mais próximo, eis que o amor filial inaugura uma novaporém, está muito mais próximo, eis que o amor filial inaugura uma nova
forma de compreendermos a ação de Deus em nossas vidas.forma de compreendermos a ação de Deus em nossas vidas.
 Sigamos com o livro Roteiro:Sigamos com o livro Roteiro:
 ““Embora asseverasse que “na casa do Senhor há muitas moradas”, não seEmbora asseverasse que “na casa do Senhor há muitas moradas”, não se
deteve a destacar pormenores quanto aos habitantes que as povoam. Nãodeteve a destacar pormenores quanto aos habitantes que as povoam. Não
obstante exaltar o Reino Celeste, nele situando a glória do futuro, nãoobstante exaltar o Reino Celeste, nele situando a glória do futuro, não
olvidou o Reino da Terra, que procurou ajudar com todas as possibilidadesolvidou o Reino da Terra, que procurou ajudar com todas as possibilidades
de que dispunha.” Roteirode que dispunha.” Roteiro
 Este trecho encontra-se no Evangelho de João: “Não se turbe o vossoEste trecho encontra-se no Evangelho de João: “Não se turbe o vosso
coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai hácoração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há
muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vosmuitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos
lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levareilugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei
para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmopara mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmo
vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.” João 14:1-4vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.” João 14:1-4
 Ele nos fornece a verdade, mas não a torna um fardo pesado demais paraEle nos fornece a verdade, mas não a torna um fardo pesado demais para
que possamos carregar. Nem sempre estaremos aptos para nosque possamos carregar. Nem sempre estaremos aptos para nos
aprofundarmos em determinados assuntos e tenhamos a humildade emaprofundarmos em determinados assuntos e tenhamos a humildade em
reconhecer que em determinadas áreas ainda temos um longo caminho areconhecer que em determinadas áreas ainda temos um longo caminho a
fim de melhorarmos nossa compreensão. Não precisamos ter um opiniãofim de melhorarmos nossa compreensão. Não precisamos ter um opinião
sobre todos os assuntos, e sobre aquilo que não sabemos tenhamos asobre todos os assuntos, e sobre aquilo que não sabemos tenhamos a
sabedoria de não opinar.sabedoria de não opinar.
 Vejamos mais um trecho:
 ““Curando cegos e leprosos, loucos e paralíticos, deu a entender que vinhaCurando cegos e leprosos, loucos e paralíticos, deu a entender que vinha
não somente regenerar as almas e sem também socorrer os corposnão somente regenerar as almas e sem também socorrer os corpos
enfermos, na recuperação do homem integral. Não se contentou, porém,enfermos, na recuperação do homem integral. Não se contentou, porém,
com isso. Em todas as ocasiões, exaltou nossos deveres de amor para comcom isso. Em todas as ocasiões, exaltou nossos deveres de amor para com
a vida comum.” Roteiroa vida comum.” Roteiro
 Jesus nunca desconsiderou a vida física como algo importante e relevante
para o nosso aprendizado, porém, sempre nos convidou a compreendermos
que o que o físico deixa transparecer está ligado ao espírito, quem ele é e o
que ele pensa.
 Assim, como trabalhadores na seara de Jesus podemos auxiliar nossos
irmãos que se encontram enfermos, através de nossas preces, do passe, da
água fluidificada e das diversas ações que visam o amparo dos que sofrem.
Porém, urge compreendermos que o espírito também necessita ser tratado
e é importante que quem recebe a cura do corpo físico também seja
alertado sobre a necessidade de cuidar do espírito, sob pena de padecer
novamente de outros males até que consiga compreender o que o espírito
clama para que seja resolvido.
 Kardec nos auxilia na compreensão deste tema no
Livro dos Mediuns, cap. V:
 “Os milagres de Jesus converteram todos os seus
contemporâneos? Aos fariseus, que lhe diziam:
“Mestre, faz-nos ver algum prodígio”, não se
assemelham os que hoje vos pedem lhes façais
presenciar algumas manifestações? Se não se
converteram pelas maravilhas da criação, também
não se converterão, ainda quando os Espíritos lhes
aparecessem do modo mais inequívoco, porquanto o
orgulho os torna quais alimárias empacadoras. Se
procurassem de boa-fé, não lhes faltaria ocasião de
ver; por isso, não julga Deus conveniente fazer por
eles mais do que faz pelos que sinceramente buscam
instruir-se, pois que o Pai só concede recompensa aos
homens de boa vontade.
 “A incredulidade deles não obstará a que a vontade
de Deus se cumpra. Bem vedes que não obstou a que
a doutrina se difundisse. Deixai, portanto, de
inquietar-vos com a oposição que vos movem. Essa
oposição é, para a doutrina, o que a sombra é para o
quadro: maior relevo lhe dá. Que mérito teriam eles,
se fossem convencidos à força? Deus lhes deixa toda
a responsabilidade da teimosia em que se conservam
e essa responsabilidade é mais terrível do que podeis
supor. Felizes os que creem sem ter visto, disse Jesus,
porque esses não duvidam do poder de Deus.”
 Caminhemos mais um pouco com a lição do livro Roteiro:
 “Recorre à semente de mostarda e à dracma perdida para alinhar
preciosos ensinamentos. Compara o mundo a vinha imensa, onde
cada servidor recebe determinada quota de obrigações. Consagra
especial atenção as criancinhas, salientando o amparo que
devemos às gerações renascentes.” Roteiro
 Exemplos simples da vida cotidiana podem levar a uma compreensão
prática do ensinamento apresentado, e Jesus a todo tempo utilizava-se
destas pequeninas lições que até hoje nos fazem refletir e compreender
melhor a vontade de nosso Pai Celestial.

 Conclama a cada um a ocupar o seu lugar na criação, lugar único. Se
todos fossem palestrantes, quem iria administrar o passe que restaura e
fortalece? Se todos buscarem as mesmas tarefas, muito trabalho
importante deixará de ser realizado.
 Por fim, encerra a lição:
 “Nessa mesma esfera de realizações, os princípios do Espiritismo
Evangélico se estenderão em favor da Humanidade.
 Os desencarnados testemunham a sobrevivência individual, depois da
morte, provam que a alma se transfere de habitação sem alterar-se, de
imediato, mas, preconizando o estudo e a fraternidade, a cultura e a
santificação, o trabalho e a análise, em obediência e ditames superiores,
objetivam, acima de tudo, a melhoria da vida na Terra, a fim de que os
homens se façam, efetivamente, irmãos uns dos outros no mundo
porvindouro que será, indiscutivelmente, iluminada seção do Reino
Infinito de Deus.” Roteiro
 Estamos aqui para construir um mundo melhor, não apenas para nós
mesmos, mas para os que virão. O trabalho do Cristo é incessante e
cabe a nós aderir ou não ao seu reino de amor e de paz.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
Candice Gunther
 
Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4
Leonardo Pereira
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28
Patricia Farias
 
2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista 2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista
Marta Gomes
 
Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?
Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?
Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?
igmateus
 
Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34
Candice Gunther
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageirosEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Jose Luiz Maio
 
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporalCapitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Marta Gomes
 
Os superiores e os inferiores
Os superiores e os inferioresOs superiores e os inferiores
Os superiores e os inferiores
Izabel Cristina Fonseca
 
Ano novo, vida nova?
Ano novo, vida nova?Ano novo, vida nova?
Ano novo, vida nova?
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudo do livro Roteiro lição 8
Estudo do livro Roteiro lição 8Estudo do livro Roteiro lição 8
Estudo do livro Roteiro lição 8
Candice Gunther
 
O Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A Morte
O Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A  MorteO Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A  Morte
O Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A Morte
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
manumino
 
Palestra ESE25 buscai e achareis
Palestra ESE25   buscai e achareis Palestra ESE25   buscai e achareis
Palestra ESE25 buscai e achareis
Tiburcio Santos
 
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia conscienteNos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
Patricia Farias
 
Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7
Candice Gunther
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
Candice Gunther
 

Mais procurados (20)

Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19
 
Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
 
Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4Nos dominios da mediunidade cap. 4
Nos dominios da mediunidade cap. 4
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 28
 
2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista 2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista
 
Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?
Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?
Trabalhador Espírita, vamos Trabalhar?
 
Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageirosEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
 
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporalCapitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
 
Os superiores e os inferiores
Os superiores e os inferioresOs superiores e os inferiores
Os superiores e os inferiores
 
Ano novo, vida nova?
Ano novo, vida nova?Ano novo, vida nova?
Ano novo, vida nova?
 
Estudo do livro Roteiro lição 8
Estudo do livro Roteiro lição 8Estudo do livro Roteiro lição 8
Estudo do livro Roteiro lição 8
 
O Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A Morte
O Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A  MorteO Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A  Morte
O Futuro E O Nada Palestra A PreocupaçãO Com A Morte
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
 
Palestra ESE25 buscai e achareis
Palestra ESE25   buscai e achareis Palestra ESE25   buscai e achareis
Palestra ESE25 buscai e achareis
 
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia conscienteNos domínios da mediunidade   Cap. 6 Psicofonia consciente
Nos domínios da mediunidade Cap. 6 Psicofonia consciente
 
Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro lição 23

Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo
Sergio Menezes
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
Candice Gunther
 
Roteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vidaRoteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vida
Candice Gunther
 
Símbolos de Transformação
Símbolos de TransformaçãoSímbolos de Transformação
Símbolos de Transformação
Dra. Myrian Marino
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Alexandre Rudalov
 
Palestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 SemeadoresPalestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 Semeadores
Tiburcio Santos
 
Chama de luz 95
Chama de luz 95Chama de luz 95
Chama de luz 95
Neusa Brotto
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
Candice Gunther
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
decoumsm
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
decoumsm
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
cak_sacramento
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
Candice Gunther
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
PatiSousa1
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
A SEMENTE 4 novembro
A  SEMENTE  4 novembroA  SEMENTE  4 novembro
A SEMENTE 4 novembro
Centro Espírita Antoninho Marmo
 
A verdade responde
A verdade respondeA verdade responde
A verdade responde
Sai Baba
 
Nova geraçao
Nova geraçaoNova geraçao
Nova geraçao
dijfergs
 
Doutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz iiDoutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz ii
Dalila Melo
 
Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5
Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5
Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5
Patricia Farias
 
Valores do trabalho em equipe segundo a Doutrina Espírita
Valores  do trabalho em equipe segundo a Doutrina EspíritaValores  do trabalho em equipe segundo a Doutrina Espírita
Valores do trabalho em equipe segundo a Doutrina Espírita
Fatima Carvalho
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro lição 23 (20)

Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
 
Roteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vidaRoteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vida
 
Símbolos de Transformação
Símbolos de TransformaçãoSímbolos de Transformação
Símbolos de Transformação
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
 
Palestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 SemeadoresPalestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 Semeadores
 
Chama de luz 95
Chama de luz 95Chama de luz 95
Chama de luz 95
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
A SEMENTE 4 novembro
A  SEMENTE  4 novembroA  SEMENTE  4 novembro
A SEMENTE 4 novembro
 
A verdade responde
A verdade respondeA verdade responde
A verdade responde
 
Nova geraçao
Nova geraçaoNova geraçao
Nova geraçao
 
Doutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz iiDoutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz ii
 
Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5
Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5
Livro dos Espiritos Q232 Evangelho cap17 item 5
 
Valores do trabalho em equipe segundo a Doutrina Espírita
Valores  do trabalho em equipe segundo a Doutrina EspíritaValores  do trabalho em equipe segundo a Doutrina Espírita
Valores do trabalho em equipe segundo a Doutrina Espírita
 

Mais de Candice Gunther

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Candice Gunther
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
Candice Gunther
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Candice Gunther
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
Candice Gunther
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Candice Gunther
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
Candice Gunther
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
Candice Gunther
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17
Candice Gunther
 

Mais de Candice Gunther (16)

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
 
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
 
Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21
 
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
 
Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17
 

Último

ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 

Último (12)

ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 

Estudo do livro Roteiro lição 23

  • 1. Livro de Emmanuel Psicografia de Chico Xavier Na Extensão do Serviço Lição 23
  • 2.  A cada lição do livro Roteiro somos convidados a refletir sobre questões que são importantes em nossa existência. Caminhamos pela criação, pelos reinos, pela evolução do homem, física e espiritual, por sua história em diversos povos e, também, refletimos sobre algumas Leis Divinas como a do trabalho e chegamos a lição anterior que trata da Doutrina Espírita.  Sem o Cristo não há espiritismo, ainda que alguns o queiram, basta um olhar mais atento sobre a codificação e veremos que ele está inteiramente alicerçado nos ensinamentos deixados por Jesus. Somos, então, convidados a adentrar na seara do Mestre, como trabalhadores, como colaboradores de sua missão na Terra. E é preciso compreender que o Mestre não trabalha para si mesmo.
  • 3.  Eis, então, que Emmanuel nos traz importantes reflexões sobre a nossa conduta na Terra.  Caminhemos com ele iniciando as lições do livro Roteiro.   “Que seria do Espiritismo se não guardasse finalidades de aperfeiçoamento da própria Terra, onde se expressa por movimento libertador das consciências?  Seria louvável subtrair o homem do campo à função laboriosa da sementeira, distraindo-o com narrativas brilhantes e induzindo-o à inércia?  Seria aconselhável a imposição do êxtase ao esforço ativo, congelando-se preciosas oportunidades de realização para o bem?” Roteiro
  • 4.  Três perguntas que nosTrês perguntas que nos trazem, também, trêstrazem, também, três direcionamentos:direcionamentos:  - aperfeiçoamento da- aperfeiçoamento da própria Terra;própria Terra;  - não subtrair o homem- não subtrair o homem do campo à funçãodo campo à função laboriosa da sementeira;laboriosa da sementeira;  - realização para o bem.- realização para o bem.
  • 5.  Temos, então, que o espírita e, também, todos os corações sinceros queTemos, então, que o espírita e, também, todos os corações sinceros que sigam a Cristo, são convidados a trabalhar para que a Terra seja umsigam a Cristo, são convidados a trabalhar para que a Terra seja um lugar melhor para se viver. A questão que se impõe e que nos fazlugar melhor para se viver. A questão que se impõe e que nos faz tropeçar ao longo dos séculos é justamente o complemento destetropeçar ao longo dos séculos é justamente o complemento deste movimento de querer aperfeiçoar o nosso lindo planeta azul. Vejam quemovimento de querer aperfeiçoar o nosso lindo planeta azul. Vejam que Emmanuel nos diz que ele (aperfeiçoamento da Terra) se expressa porEmmanuel nos diz que ele (aperfeiçoamento da Terra) se expressa por movimento libertador de consciências.movimento libertador de consciências.  Criamos regras de conduta e queremos impor aos que estão sob a nossaCriamos regras de conduta e queremos impor aos que estão sob a nossa direção que pensem e ajam conforme o nosso entendimento, porém,direção que pensem e ajam conforme o nosso entendimento, porém, isto não é liberdade. A consciência livre se expressa de forma única eisto não é liberdade. A consciência livre se expressa de forma única e apenas um ambiente amoroso está apto a acolhê-la.apenas um ambiente amoroso está apto a acolhê-la. Evangelho de Lucas 9:62
  • 6.  Queremos, muita vez, que a transformação se dê de fora para dentro, cristalizados neste movimento ao longo dos milênios, porém, o que se pede é justamente o inverso, que tenhamos um ambiente fraterno para que as consciências se expressem com liberdade e neste conjunto sejamos capazes de construir algo bom.  É certo que diante de nossa condição evolutiva, teremos dificuldades com trabalhadores que destoam do grupo e tomam atitudes que não promovem nem o seu aperfeiçoamento nem o do ambiente em que se encontra, não obstante, temos que lembrar que a transformação está em seu querer, em sua vontade e de nada adiantará a nossa intenção de impor o nosso pensar. Teremos sempre regras a serem seguidas, e cada um usará de sua liberdade para aderir ou não ao que é proposto e neste caminhar teremos a oportunidade de melhorarmo-nos e, também, melhorar o lugar em que estamos.
  • 7.  A segunda pergunta também nos traz reflexão importante.A segunda pergunta também nos traz reflexão importante. Emmanuel nos diz: “Seria louvável subtrair o homem doEmmanuel nos diz: “Seria louvável subtrair o homem do campo à função laboriosa da sementeira, distraindo-o comcampo à função laboriosa da sementeira, distraindo-o com narrativas brilhantes e induzindo-o à inércia?”narrativas brilhantes e induzindo-o à inércia?”  Quando ouço uma palestra ou leio um livro ou realizoQuando ouço uma palestra ou leio um livro ou realizo um estudo, ao final, sempre pergunto a mim mesma: oum estudo, ao final, sempre pergunto a mim mesma: o que ficou? De tudo o que ouvi, o que levarei para a minhaque ficou? De tudo o que ouvi, o que levarei para a minha vida? O que me fez refletir sobre a minha conduta?vida? O que me fez refletir sobre a minha conduta?  Tudo o que fazemos necessita ter um propósito, assim,Tudo o que fazemos necessita ter um propósito, assim, as sementes de luz que recebemos não podem nos levar àas sementes de luz que recebemos não podem nos levar à inércia, a ficarmos parados no tempo em reflexão inócua.inércia, a ficarmos parados no tempo em reflexão inócua. O fato do discurso ser brilhante, do orador ou oradora nosO fato do discurso ser brilhante, do orador ou oradora nos brindar oratórias eloquentes e frases cheias de complexasbrindar oratórias eloquentes e frases cheias de complexas referências não é garantia de aprendizado. Assim como oreferências não é garantia de aprendizado. Assim como o homem do campo, o trabalhador do Cristo deve pegar ohomem do campo, o trabalhador do Cristo deve pegar o seu arado e ir para a terra, realizar o trabalho, preparar oseu arado e ir para a terra, realizar o trabalho, preparar o solo para amanhã aproveitar da colheita.solo para amanhã aproveitar da colheita.
  • 8.  Emmanuel nos esclarece sobre a questão do aprendizado:  “Na aquisição do conhecimento superior, não acredites que o deslumbramento substitua o trabalho.  Nem julgues que o benfeitor espiritual, por mais amigo, possa efetuar a obra que te compete.  O professor esclarece. O aluno, porém, deve equacionar os problemas da escola.  O médico auxilia. O doente, contudo, deve atender-lhe as indicações.  Toda realização pede esforço. Toda construção pede tempo.  (...)
  • 9.  Agradece, pois, o carinho dos Espíritos generosos, encarnados ou desencarnados, que te amparam a experiência, aplicando-te às lições de que são mensageiros.  Não admitas, contudo, que a presença deles te baste ao aprimoramento individual.  Recorda que nem os companheiros da glória do Cristo escaparam ao impositivo do serviço constante.  Os apóstolos que lhe respiraram a convivência não repousam ante as flamas do Pentecostes, mas seguem, luta diante, de renúncia em renúncia, adquirindo, pouco a pouco, a grande libertação, e Saulo de Tarso, visitado pelo próprio Mestre, em pessoa, não para sob o jorro solar da senda de Damasco, mas avança, de suplício em suplício, assimilando, a preço de sofrimento, o dom da Divina Luz.  Livro Seara dos Mediuns, lição Conhecimento Superior
  • 10.  Por fim, a terceira pergunta que Emmanuel nos traz: “Seria aconselhável a imposição do êxtase ao esforço ativo, congelando-se preciosas oportunidades de realização para o bem?”   O intercâmbio com o mundo espiritual nos remete a ambientes de profunda paz, contemplamoscontemplamos um mundo diferente, porém, estamos aqui na Terra para o trabalho e não podemos nos esquecer que toda tarefa na seara espiritual deve ter um propósito de auxiliar aos que sofrem e necessitam de uma mão amiga para seguir em frente.   Não se trata, assim, da prece ou da comunicação com os espíritos amigos ou sofredores, será sempre o propósito que levamos em nosso coração de viver e agir em favor do outro, buscando, através de nossas vidas, oferecer algo de nós mesmos.
  • 11.  Há quem pense que nadaHá quem pense que nada possui de si mesmo parapossui de si mesmo para oferecer e é certo que aindaoferecer e é certo que ainda não temos a luz interior como anão temos a luz interior como a do Sol que leva vida por tododo Sol que leva vida por todo um sistema, não obstante,um sistema, não obstante, quando se está na escuridão,quando se está na escuridão, muitas vezes bastará ummuitas vezes bastará um pequeno fósforo para nospequeno fósforo para nos apontar o caminho. Assim, nãoapontar o caminho. Assim, não deixemos de brilhar, toda luz édeixemos de brilhar, toda luz é necessária, até mesmo a de umnecessária, até mesmo a de um pequenino fósforo.pequenino fósforo.
  • 12.  Sigamos em frente com a lição.  “Mas, se nos abeirarmos do trabalhador, com o intuito de estimula-lo ao serviço, auxiliando-lhe o entendimento, para que a tarefa se lhe faça menos sacrificial, e favorecendo-o a fim de que descubra, por si mesmo, os degraus da própria elevação, estaremos edificando o bem legítimo, no aprimoramento da vida e da coletividade.  De que valeria a intimidade do homem com os Espíritos domiciliados em outras esferas, sem proveito para a existência que lhe é peculiar? Não será deplorável perda de tempo informarmo-nos, sem propósito honesto, quanto aos regulamentos que regem a casa alheia? Se a criatura humana ainda não pode dispensar o suprimento de proteínas e carboidratados, de oxigênio e vitaminas, se não pode prescindir do banho e da leitura, por que induzi-la ao ocioso prazer das indagações sem elevação de vistas? Atendamos, acima de tudo, ao essencial.” Roteiro
  • 13.  Eis o nosso trabalho: auxiliar o entendimento, favorecer para que o outro descubra por si mesmo.  A doutrina espírita nos fala de evolução e, não raro, nos esquecemos de agir dentro destes princípios. Cada um está em um momento evolutivo e precisamos respeitar isto, porque se assim o é decorre da vontade de nosso Pai. A diversidade é um fato e estar nela implica em reconhecermos que ora estamos com mão estendida para auxiliar, ora estamos com a mão estendida para sermos auxiliados.  Paulo sabia disto e o expressou na Carta que encaminhou aos cristãos que viviam em Roma: “Eu sou devedor, tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes ROMANOS, 1:14
  • 14.  Emmanuel, ao comentar este versículo, nos diz:Emmanuel, ao comentar este versículo, nos diz:  ““O Apóstolo da Gentilidade frisou claramente a suaO Apóstolo da Gentilidade frisou claramente a sua condição de legítimo devedor de todos e essacondição de legítimo devedor de todos e essa condição e a de qualquer outro ser da comunidadecondição e a de qualquer outro ser da comunidade humana.humana. A criatura em si, não e apenas a soma das própriasA criatura em si, não e apenas a soma das próprias realizações, mas também o produto de débitosrealizações, mas também o produto de débitos inumeráveis para com o grupo a que pertence.inumeráveis para com o grupo a que pertence. Cada um deve incalculáveis tributos às almas comCada um deve incalculáveis tributos às almas com quem convive.quem convive. Não nos esqueçamos de que vivemos empenhadosNão nos esqueçamos de que vivemos empenhados a boa vontade dos corações amigos…a boa vontade dos corações amigos… A sabedoria dos mais experientes…A sabedoria dos mais experientes… Ao carinho dos companheiros próximos…Ao carinho dos companheiros próximos… Ao apoio e ao estimulo dos familiares…Ao apoio e ao estimulo dos familiares… Aos nobres impulsos das relações fraternais…Aos nobres impulsos das relações fraternais…
  • 15. ““Portanto, pelo reconhecimento dasPortanto, pelo reconhecimento das nossas dívidas comuns, provamos anossas dívidas comuns, provamos a real inconsequência do orgulho e dareal inconsequência do orgulho e da vaidade em qualquer coração e avaidade em qualquer coração e a impraticabilidade do insulamento emimpraticabilidade do insulamento em nosso passo evolutivo.nosso passo evolutivo. A dívida importa em compromisso eA dívida importa em compromisso e compromisso significa resgate naturalcompromisso significa resgate natural ou compulsório.ou compulsório. Todos somos devedores uns dosTodos somos devedores uns dos outros.outros. Se ainda alimentas algum laivo deSe ainda alimentas algum laivo de superioridade egoística, à frente dossuperioridade egoística, à frente dos semelhantes, lembra-te das dívidassemelhantes, lembra-te das dívidas numerosas, que ainda não saldaste, anumerosas, que ainda não saldaste, a começar pelo próprio instrumento físicocomeçar pelo próprio instrumento físico
  • 16.  Convida-nos, assim, a atender o essencial. A priorizarmos em nossas vidas o que é realmente importante, buscando da simplicidade de viver o aprendizado para nosso espírito imortal. Fato é que em nossa jornada as prioridades se misturam e se confundem. Qual o caminho? Como agir de forma eficaz, trazendo para os nossos dias a alegria de bem viver?  Emmanuel, nas próximas linhas, nos falará do Cristo, de como agiu quando este entre nós nas mais diversas situações. Aproveitemos as linhas para refletir em como nós outros estamos agindo.
  • 17.  “É curioso notar que o próprio Cristo, em sua imersão nos fluidos terrestres, não cogitou de qualquer problema inoportuno ou inadequado.” Roteiro  Duas palavras importantes: inoportuno e inadequado.  Consultando o dicionário on line temos os seguintes significados:  Inoportuno: que não é oportuno, que sobrevém num mau momento, numa ocasião imprópria; inconveniente, intempestivo.  Inadequado: que não se adequou; impróprio, inconveniente.
  • 18.  O primeiro, inoportuno, nos remete a ação no tempo. Qual o melhorO primeiro, inoportuno, nos remete a ação no tempo. Qual o melhor momento para determinada ação ou tarefa? Qual a melhor hora paramomento para determinada ação ou tarefa? Qual a melhor hora para falar? E para silenciar?falar? E para silenciar?  Já o segundo, nos remete ao meio utilizado. O que estou oferecendo éJá o segundo, nos remete ao meio utilizado. O que estou oferecendo é adequado a necessidade do outro? Estou humilhando ou constrangendoadequado a necessidade do outro? Estou humilhando ou constrangendo o outro com minhas ações ou palavras?o outro com minhas ações ou palavras?  Cristo, diante dos problemas que se lhe apresentavam era, então,Cristo, diante dos problemas que se lhe apresentavam era, então, oportuno e adequado. Agia no melhor tempo e de forma mais eficaz. Éoportuno e adequado. Agia no melhor tempo e de forma mais eficaz. É importante, então, observarmos os exemplos que Emmanuel nos ofereceimportante, então, observarmos os exemplos que Emmanuel nos oferece a fim de que aprendamos mais com o nosso Mestre, Modelo e Guia.a fim de que aprendamos mais com o nosso Mestre, Modelo e Guia.
  • 19.  ““Não se sentou na praça pública para explicar a natureza de Deus e,Não se sentou na praça pública para explicar a natureza de Deus e, sim, chamou-lhe simplesmente “Nosso Pai”, indicando os deveres desim, chamou-lhe simplesmente “Nosso Pai”, indicando os deveres de amor e reverência com que nos cabe contribuir na extensão e noamor e reverência com que nos cabe contribuir na extensão e no aperfeiçoamento da Obra Divina.” Roteiroaperfeiçoamento da Obra Divina.” Roteiro  O povo hebreu, até hoje, conserva um grande respeito pela figuraO povo hebreu, até hoje, conserva um grande respeito pela figura paterna. Será o pai quem irá dirigir a família, até mesmo quando ospaterna. Será o pai quem irá dirigir a família, até mesmo quando os filhos casavam e continuavam morando com o pai, era ele consultadofilhos casavam e continuavam morando com o pai, era ele consultado para o direcionamento da família. Não se trata apenas do provedorpara o direcionamento da família. Não se trata apenas do provedor financeiro.financeiro.
  • 20.  Encontramos uma dissertação de José Maurício (PucMinas) que trata sobre o lugar do pai no decorrer do tempo e das sociedades, um estudo muito interessante, do qual grifamos um trecho:  “A vida social de Israel, segundo Ringgren (1970), é mais rural e caracterizada pelo nomadismo. O fator determinante na estrutura social era a tribo e o clã. Neste contexto, a parentagem e a genealogia eram consideradas importantes. Assim, o aspecto tribal ou o ancestral é muito significativo. Em Is 51, 2, Abraão é invocado como “seu pai”, no sentido de ancestral, pai tribal e exemplo de homem destemido a ser seguido.  No seio da família israelita, a autoridade do pai era quase ilimitada; ele era o mestre, chefe da casa; as crianças eram ensinadas a honrá-lo e temê-lo; ele controla outros membros da família como o oleiro controla a argila (Is 6, 4-7). Ele não é um déspota isolado, mas o centro de tudo o que lhe pertence, e tudo gira ao seu redor. Quando um homem é chamado de pai, isto deduz da mesma coisa, parentesco e autoridade são expressos pelo mesmo nome de pai. Para o israelita, o nome de pai resulta em autoridade.”
  • 21.  Ainda estamos distantes de entender quem é o nosso Criador, mas o queAinda estamos distantes de entender quem é o nosso Criador, mas o que observamos é que, com Jesus, ele deixou de ser o Rei dos Exércitos a quemobservamos é que, com Jesus, ele deixou de ser o Rei dos Exércitos a quem devíamos servir para tornar-se o Pai, que também exerce sua autoridade,devíamos servir para tornar-se o Pai, que também exerce sua autoridade, porém, está muito mais próximo, eis que o amor filial inaugura uma novaporém, está muito mais próximo, eis que o amor filial inaugura uma nova forma de compreendermos a ação de Deus em nossas vidas.forma de compreendermos a ação de Deus em nossas vidas.  Sigamos com o livro Roteiro:Sigamos com o livro Roteiro:  ““Embora asseverasse que “na casa do Senhor há muitas moradas”, não seEmbora asseverasse que “na casa do Senhor há muitas moradas”, não se deteve a destacar pormenores quanto aos habitantes que as povoam. Nãodeteve a destacar pormenores quanto aos habitantes que as povoam. Não obstante exaltar o Reino Celeste, nele situando a glória do futuro, nãoobstante exaltar o Reino Celeste, nele situando a glória do futuro, não olvidou o Reino da Terra, que procurou ajudar com todas as possibilidadesolvidou o Reino da Terra, que procurou ajudar com todas as possibilidades de que dispunha.” Roteirode que dispunha.” Roteiro
  • 22.  Este trecho encontra-se no Evangelho de João: “Não se turbe o vossoEste trecho encontra-se no Evangelho de João: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai hácoração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vosmuitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levareilugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmopara mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.” João 14:1-4vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.” João 14:1-4  Ele nos fornece a verdade, mas não a torna um fardo pesado demais paraEle nos fornece a verdade, mas não a torna um fardo pesado demais para que possamos carregar. Nem sempre estaremos aptos para nosque possamos carregar. Nem sempre estaremos aptos para nos aprofundarmos em determinados assuntos e tenhamos a humildade emaprofundarmos em determinados assuntos e tenhamos a humildade em reconhecer que em determinadas áreas ainda temos um longo caminho areconhecer que em determinadas áreas ainda temos um longo caminho a fim de melhorarmos nossa compreensão. Não precisamos ter um opiniãofim de melhorarmos nossa compreensão. Não precisamos ter um opinião sobre todos os assuntos, e sobre aquilo que não sabemos tenhamos asobre todos os assuntos, e sobre aquilo que não sabemos tenhamos a sabedoria de não opinar.sabedoria de não opinar.
  • 23.  Vejamos mais um trecho:  ““Curando cegos e leprosos, loucos e paralíticos, deu a entender que vinhaCurando cegos e leprosos, loucos e paralíticos, deu a entender que vinha não somente regenerar as almas e sem também socorrer os corposnão somente regenerar as almas e sem também socorrer os corpos enfermos, na recuperação do homem integral. Não se contentou, porém,enfermos, na recuperação do homem integral. Não se contentou, porém, com isso. Em todas as ocasiões, exaltou nossos deveres de amor para comcom isso. Em todas as ocasiões, exaltou nossos deveres de amor para com a vida comum.” Roteiroa vida comum.” Roteiro  Jesus nunca desconsiderou a vida física como algo importante e relevante para o nosso aprendizado, porém, sempre nos convidou a compreendermos que o que o físico deixa transparecer está ligado ao espírito, quem ele é e o que ele pensa.  Assim, como trabalhadores na seara de Jesus podemos auxiliar nossos irmãos que se encontram enfermos, através de nossas preces, do passe, da água fluidificada e das diversas ações que visam o amparo dos que sofrem. Porém, urge compreendermos que o espírito também necessita ser tratado e é importante que quem recebe a cura do corpo físico também seja alertado sobre a necessidade de cuidar do espírito, sob pena de padecer novamente de outros males até que consiga compreender o que o espírito clama para que seja resolvido.
  • 24.  Kardec nos auxilia na compreensão deste tema no Livro dos Mediuns, cap. V:  “Os milagres de Jesus converteram todos os seus contemporâneos? Aos fariseus, que lhe diziam: “Mestre, faz-nos ver algum prodígio”, não se assemelham os que hoje vos pedem lhes façais presenciar algumas manifestações? Se não se converteram pelas maravilhas da criação, também não se converterão, ainda quando os Espíritos lhes aparecessem do modo mais inequívoco, porquanto o orgulho os torna quais alimárias empacadoras. Se procurassem de boa-fé, não lhes faltaria ocasião de ver; por isso, não julga Deus conveniente fazer por eles mais do que faz pelos que sinceramente buscam instruir-se, pois que o Pai só concede recompensa aos homens de boa vontade.
  • 25.  “A incredulidade deles não obstará a que a vontade de Deus se cumpra. Bem vedes que não obstou a que a doutrina se difundisse. Deixai, portanto, de inquietar-vos com a oposição que vos movem. Essa oposição é, para a doutrina, o que a sombra é para o quadro: maior relevo lhe dá. Que mérito teriam eles, se fossem convencidos à força? Deus lhes deixa toda a responsabilidade da teimosia em que se conservam e essa responsabilidade é mais terrível do que podeis supor. Felizes os que creem sem ter visto, disse Jesus, porque esses não duvidam do poder de Deus.”
  • 26.  Caminhemos mais um pouco com a lição do livro Roteiro:  “Recorre à semente de mostarda e à dracma perdida para alinhar preciosos ensinamentos. Compara o mundo a vinha imensa, onde cada servidor recebe determinada quota de obrigações. Consagra especial atenção as criancinhas, salientando o amparo que devemos às gerações renascentes.” Roteiro
  • 27.  Exemplos simples da vida cotidiana podem levar a uma compreensão prática do ensinamento apresentado, e Jesus a todo tempo utilizava-se destas pequeninas lições que até hoje nos fazem refletir e compreender melhor a vontade de nosso Pai Celestial.   Conclama a cada um a ocupar o seu lugar na criação, lugar único. Se todos fossem palestrantes, quem iria administrar o passe que restaura e fortalece? Se todos buscarem as mesmas tarefas, muito trabalho importante deixará de ser realizado.
  • 28.  Por fim, encerra a lição:  “Nessa mesma esfera de realizações, os princípios do Espiritismo Evangélico se estenderão em favor da Humanidade.  Os desencarnados testemunham a sobrevivência individual, depois da morte, provam que a alma se transfere de habitação sem alterar-se, de imediato, mas, preconizando o estudo e a fraternidade, a cultura e a santificação, o trabalho e a análise, em obediência e ditames superiores, objetivam, acima de tudo, a melhoria da vida na Terra, a fim de que os homens se façam, efetivamente, irmãos uns dos outros no mundo porvindouro que será, indiscutivelmente, iluminada seção do Reino Infinito de Deus.” Roteiro  Estamos aqui para construir um mundo melhor, não apenas para nós mesmos, mas para os que virão. O trabalho do Cristo é incessante e cabe a nós aderir ou não ao seu reino de amor e de paz.