SlideShare uma empresa Scribd logo
Livro de Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier
Evangelho e Educação
Lição 21
 Iniciemos nossos estudos buscando ampliar um
pouco nosso entendimento sobre o verbo
"educar".
 "Origem da palavra educar
 Do latim educare, educere, que significa
literalmente “conduzir para fora” ou
“direcionar para fora”.
 O termo latino educare é composto pela união do
prefixo ex, que significa “fora”, e ducere, que
quer dizer “conduzir” ou “levar”.
 O significado do termo (direcionar para fora)
era empregado no sentido de preparar as
pessoas para o mundo e viver em sociedade, ou
seja, conduzi-las para fora” de si mesmas,
mostrando as diferenças que existem no mundo.
 É interessante observar que o termo 'educação'
em português possui uma conotação não
encontrada na palavra education do inglês.
 Enquanto que em português a palavra pode ser
associada ao sentido de boas maneiras,
principalmente no adjetivo “educado”, em
inglês educated refere-se unicamente ao grau de
instrução formal." (Fonte: dicionário on-line)
 A educação nos conduz a um melhor entendimento do mundo que nos
cerca, nos permite o uso da palavra escrita e falada de forma a sermos
bem compreendidos, nos auxilia a quantificarmos as coisas, as
distâncias, o tempo, faz-nos perceber a grandiosidade da natureza e suas
leis através das ciências biológica, química, física e tantas outras.
 Quem tem a oportunidade de estudar, reconhece que a educação lhe
oferece meios para crescer, para sair de si mesmo, de sua ignorância, e
vislumbrar o mundo em novos patamares.
 O livro Pensamento e Vida nos informa sobre este
movimento do espírito:
 "O pensamento é força criativa, a exteriorizar-se, da
criatura que o gera, por intermédio de ondas sutis, em
circuitos de ação e reação no tempo, sendo tão
mensurável como o fotônio que, arrojado pelo fulcro
luminescente que o produz, percorre o espaço com
velocidade determinada, sustentando o hausto
fulgurante da Criação. A mente humana é um espelho
de luz, emitindo raios e assimilando-os, repetimos.
Esse espelho, entretanto, jaz mais ou menos prisioneiro
nas sombras espessas da ignorância, à maneira de
pedra valiosa incrustada no cascalho da furna ou nas
anfractuosidades do precipício. Para que retrate a
irradiação celeste e lance de si mesmo o próprio
brilho, é indispensável se desentrance das trevas, à
custa do esmeril do trabalho. Reparamos, assim, a
necessidade imprescritível da educação para todos os
seres." Pensamento e Vida - Emmanuel
 O que Emmanuel nos convida a realizar neste estudo é perceber o caráter
educativo do Evangelho de Jesus, não apenas individualmente, mas,
também, de forma coletiva, afirma o benfeitor que a vinda do Cristo
inaugura nova era para a humanidade.
 Contudo, o benfeitor nos explica que é processo gradativo, que não
acontece do dia para a noite e, portanto, encontraremos em cada um de nós
obstáculos a serem transpostos de acordo com nossas vivências anteriores.
Cada um possui uma bagagem única, que decorre de suas muitas vidas.
Trazemos tendências boas e ruins e apenas se adentrarmos neste processo
educativo, compreendendo a nossa existência com este propósito, teremos a
oportunidade de nos enriquecermos, tal qual o aluno que vence uma etapa,
que passa de ano ou vai bem em uma prova.
 Caminhemos com Emmanuel, usufruindo de seu lúcido
pensamento nas lições do livro Roteiro:
 "Quando o mestre confiou ao mundo a divina mensagem da Boa
Nova, a Terra, sem dúvida, não se achava desprovida de sólida
cultura.
 Na Grécia, as artes haviam atingido luminosa culminância e, em
Roma, bibliotecas preciosas circulavam por toda parte,
divulgando a política e a ciência, a filosofia e a religião.
 Os escritores possuíam corpos de copistas especializados e
professores eméritos conservavam tradições e ensinamentos,
preservando o tesouro da inteligência.
 Prosperava a instituição, em todos os lugares, mas a educação
demorava-se em lamentável pobreza." Roteiro
 Observemos quão interessante é este
trecho inicial da lição.
 Emmanuel elenca o que já
possuíamos enquanto humanidade:
sólida cultura, artes, bibliotecas,
política, ciência, filosofia e até
mesmo religião. Porém, alerta, que
quem prosperava era a instituição e
não a educação.
 O que isto nos quer dizer? Qual a
razão desta distinção entre a
instituição e educação?
 Pensemos de forma simples, uma boa
escola garante um bom aprendizado?
Ou, então, um professor culto e
inteligente, garante que o aluno se
desenvolverá com êxito?
 Vejamos, ainda, um pouco mais sobre o significado da palavra
"instituição":
 "Significado de Instituição
 substantivo feminino
 Ação de instituir, de estabelecer, de fundar algo novo.
 Conjunto de regras e normas estabelecidas para a satisfação de interesses
coletivos: o Estado, o Congresso, uma fundação são instituições.
 Organização que, pública ou privada, busca resolver as necessidades de
uma sociedade ou comunidade: instituições religiosas.
 Estabelecimento de educação e instrução: instituição de ensino." (Fonte:
dicionário on-line)
 Temos aqui o exemplo clássico de forma e conteúdo. A instituição é aTemos aqui o exemplo clássico de forma e conteúdo. A instituição é a
forma, porém, a educação é o contéudo. Precisamos da forma, que são asforma, porém, a educação é o contéudo. Precisamos da forma, que são as
escolas, professores, experiências, porém, a educação é o que faremos comescolas, professores, experiências, porém, a educação é o que faremos com
tudo o que nos é disponibilizado neste processo de aprendizado.tudo o que nos é disponibilizado neste processo de aprendizado.
 O que se constata é que o homem já havia avançado em meios para educar-O que se constata é que o homem já havia avançado em meios para educar-
se, porém, a ausência dos ensinamentos do Cristo o impediam de avançarse, porém, a ausência dos ensinamentos do Cristo o impediam de avançar
como ser espiritual na verdadeira educação, avançar em amor e emcomo ser espiritual na verdadeira educação, avançar em amor e em
fraternidade.fraternidade.
 Caminhemos um pouco mais com a lição para adentrarmos nesta questão.Caminhemos um pouco mais com a lição para adentrarmos nesta questão.
 "O cativeiro consagrado por lei era flagelo comum.
 A mulher, aviltada em quase todas as regiões, recebia tratamento
inferior ao que se dispensava aos cavalos.
 Homens de consciência enobrecia, por infelicidade financeira ou por
questiúnculas de raça, eram assinalados a ferro candente e
submetidos à penosa servidão, anotados como animais.
 Os pais podiam vender os filhos.
 Era razoável cegar os vencidos e aproveita-los em serviços
domésticos.
 As crianças fracas eram, quase sempre, punidas com a morte. (...)
 “Enfermos eram sentenciados ao abandono.
 As mulheres infelizes podiam ser apedrejadas com o beneplácito da
justiça.
 Os mutilados deviam perecer nos campos de luta, categorizados à conta
de carne inútil.
 Qualquer tirano desfrutava o direito do reduzir os governados à extrema
penúria, sem ser incomodado por ninguém.
 Feras devoravam homens vivos nos espetáculos e divertimentos
públicos, com aplauso geral.
 Rara a festividade do povo que transcorria sem vasta efusão de sangue
humano, como impositivo natural dos costumes.
 Com Jesus, entretanto, começa uma era nova para o sentimento."Com Jesus, entretanto, começa uma era nova para o sentimento."
Roteiro
 Eis a descrição das misérias humanas, o homem subjuga o homem,
caminhando a largos passos em seu orgulho e egoísmo. Crianças,
doentes, mulheres, pessoas desprovidas de posse ou de sua liberdade,
todos sentem o braço do tirano que ao invés de acolhe-los e protegê-los
com sua força, usa-a para causar mais dor e sofrimento.
 Talvez pudéssemos nos alegrar se todas estas desditas descritas por
Emmanuel fizessem parte de um passado distante, mas se olharmos
atentamente para o mundo que nos cerca, veremos que, ainda hoje,
estes desenganos persistem.
 - "O cativeiro consagrado por lei era flagelo comum." As prisões ao
redor do mundo, salvo a exceção dos países ricos, terminam por
deformar a personalidade já doente dos que nela adentram. Quem já
conheceu uma prisão em nosso país irá reconhecer que os direitos
humanos mínimos são diariamente esquecidos e negligenciados. Como
recuperar cidadãos em tais condições? Como educá-los a um novo agir
se a nossa atitude, enquanto sociedade, é apenas punir?
 - "A mulher, aviltada em quase todas as regiões, recebia tratamento
inferior ao que se dispensava aos cavalos." No último século as mulheres
tiveram grandes conquistas de direitos e posições sociais, desde a
oportunidade de trabalhar, estudar, tomar as próprias decisões, muito se
avançou, porém, ao olharmos com atenção veremos que muitos países
ainda dispensam tratamentos degradantes. Até mesmo em nosso país,
estão disponíveis as estatísticas de maus tratos, de mulheres que sofrem
violências domésticas das mais diversas ordens. Como avançar nesta
questão? Serão apenas as nossas leis o instrumento para conter esta
barbárie que se perpetua ao longo dos milênios?
 - "Os pais podiam vender os filhos." A lei não mais permite tal prática. Os
filhos não são mais propriedade dos pais, como não o são mais as mulheres,
porém, até bem pouco tempo, uma dívida era resolvida com a venda de um
filho que passava a condição de escravo do credor. Concebemos algo assim
em nossas vidas? Parece-nos assombroso algo assim? Atentemos para os
ladrões dos nossos dias, já não são as dívidas que levam nossos filhos
embora, mas os vícios, como a droga e o alcool, lembrando-nos de que a
família, celula mater da sociedade, ainda padece e carece de novos rumos.
 Assim, item por item, Emmanuel nos alerta deste mundo antigo e presente,
destas dicotomias humanas, de algo que já não deveria existir, mas que por
fazer parte dos mais íntimos sentimentos do homem, veste-se com outras
roupas e permanece a agir.
 E permanecerá agindo até que eduquemos nossos sentimentos sob as luzes
do Evangelho de Jesus.
 Olhemos para o Mestre através das lentes que Emmanuel nos traz nesta
valorosa lição:
 "Condenado ao supremo sacrifício, sem reclamar, e rogando o perdão
celeste para aqueles que o vergastavam a feriam, instila no ânimo dos
seguidores novas disposições espirituais." Roteiro
 Jesus rompeu com os costumes de guerra e
vingança, deixou-se vencer para retornar
vencido, mostrando-nos que a vida na Terra é
experiência restrita a um tempo, que não
encerra tudo o que somos, nem tudo o que
vivenciamos, sendo apenas uma etapa da vida
verdadeira.
 Dá-nos um novo olhar, faz-nos perceber a
eternidade e nos convida a nela adentrarmos
com Ele, instigando-nos a buscarmos na
profundidade do nosso ser a centelha divina
que o Pai nos concedeu quando nos criou.
 E seu exemplo alcançou muito corações.
 "Iluminados pela Divina Influência, os discípulos do Mestre
consagram-se ao serviço dos semelhantes.
 Simão Pedro e os companheiros dedicam-se aos doentes e
infortunados.
 Instituem-se casas de socorro para os necessitados e escolas
de evangelização para o espírito popular.
 Pouco a pouco, altera-se a paisagem social, no curso dos
séculos." Roteiro
 A fraternidade ilumina o nosso caminhar. No começo eram poucos os que se
deixavam conduzir por esta nova forma de viver. Pagaram com suas vidas por
romper com a forma como o mundo vivia, foram chamados de loucos e
covardes, mas o seu exemplo permanece até hoje, fortalecendo-nos e nos
guiando em nossos lutas cotidianas.
 Recordemos que no início do estudo verificamos que o vocábulo "educare"
significa "conduzir para fora". O bem que reside em nós, a centelha divina que
nosso Pai Celestial nos concedeu quando nos trouxe a vida, começa a se revelar,
é conduzida para fora, quando adentramos neste caminho, iniciamos um
processo educativo ascendente.
 Eis o novo mundo, nas palavras de Emmanuel:
 "Dilacerados e atormentados, entregues ao supremo sacrifício nas
demonstrações sanguinolentas dos tribunais e das praças públicas, ou
trancafiados nas prisões, os aprendizes do Evangelho ensinam a
compaixão e a solidariedade, a bondade e o amor, a fortaleza moral e a
esperança.
 Há grupos de servidores, que se devotam ao trabalho remunerado para a
libertação de numerosos cativos.
 Senhores da fortuna e da terra, tocados nas fibras mais íntimas,
devolvem escravos ao mundo livre.
 Doentes encontram remédio, mendigos acham teto, desesperados se
reconfortam, órfãos são recebidos no lar.
 Nova mentalidade surge na Terra." Roteiro
 Novas palavras de ordem:
compaixão, solidariedade,
bondade, amor, fortaleza
moral e esperança.
 Eis o roteiro dado ao
espírito que quer educar-
se, que já compreendeu
que a Terra nos acolhe
qual escola bendita,
permitindo-nos as mais
diversas experiências que
aprendemos a intitular de
provas e expiações.
 No livro Fonte Viva, Emmanuel nos diz
que: "Deus está em nós, quanto estamos
em Deus. Mas, para que a luz divina se
destaque da treva humana, é necessário
que os processos educativos da vida
nos trabalhem no empedrado caminho
dos milênios. Somente o coração
enobrecido no grande entendimento
pode vazar o heroísmo santificante.
Apenas o cérebro cultivado pode
produzir iluminadas formas de
pensamento.“
 Jesus exemplifica, mas espera de nós o
esforço para que avancemos em sua
direção.
 Encerra Emmanuel a lição:
 "O coração educado aparece, por abençoada luz, nas
sombras da vida.
 A gentileza e a afabilidade passam a reger o campo das
boas maneiras e, sob a
 inspiração do Mestre Crucificado, homens de pátrias e raças
diferentes aprenderam a encontrar-se com alegria,
exclamando, felizes: _ “meu irmão”." Roteiro
 A educação de que trata este
capítulo, transcende os conceitos
humanos e acadêmicos para nos falar
das coisas do espírito, da educação
dos sentimentos.
 Atribui-se a São Francisco de Assis
esta orientação: “Evangelize
sempre. Se preciso, com palavras”.

 Nossas atitudes demonstram o que
vai em nosso coração. E se
permitimos que a luz do Cristo
adentre em nossas vidas,
resignificando nosso caminhar,
iremos nos perceber com maior
clareza, veremos nossa pequenez e
que, ainda, muito erramos, não
obstante, encontraremos as respostas
para nossos desenganos na
fraternidade, no amor, na caridade.
 O despertar do homem acontece quando ele
percebe a si mesmo e passa a olhar o mundo
com mais bondade. Não grita por perfeição,
socorre o oprimido, não acusa o que erra,
acolhe-o com bondade, é afável em seu agir
porque reconhece que estamos caminhando
juntos, muitas vezes tropeçando em
desenganos, porém, caminhando na luz que
Jesus nos oferece a cada dia.
 Eduquemos nossos corações, deixemos que
as pequeninas lições do dia a dia nos
ensinem sobre a bondade, a gentileza, a
alegria, a esperança.
 Emmanuel nos dá alguns conselhos práticos no
livro Paz e Renovação, lição 45 intitulada
Disciplina e Educação. E é com esta lição que
encerramos o estudo de hoje.
 "Evidentemente, não se justificam cilício e jejum
sistemáticos, a serviço da alma, no entanto, é justo
empenharmos atenção e esforço, na aquisição de hábitos
dignos, conducentes à elevação.
 Considera que toda obra, por mais importante,
principia no alicerce e iniciemos as grandes realizações
do Espírito, através de pequenos lances de disciplina.
 Tanto quanto possível, aprende a te desprenderes dessa
ou daquela porção de ti mesmo ou daquilo que te
pertença, a fim de ajudar ou facilitar alguém.
 Não desprezes a possibilidade de visitar os irmão em
doença ou penúria, pelo menos uma vez por semana, de
maneira e levar-lhes consolação e refazimento.
 Em cada sete dias, qual ocorre ao impositivo do
descanso geral, destaca um deles para ingerir o
mínimo de alimentação, doando o necessário
repouso aos mecanismos do corpo.
 Semanalmente, retira igualmente um dia para
o trabalho de vigilância absoluta no próprio
pensamento e no próprio verbo, mentalizando e
falando exclusivamente no bem dos outros.
 Em cada ciclo de vinte e quatro horas, separa
diminuta área de tempo, quando não possas
fazê-la mais ampla, para estudo e meditação,
silêncio e prece.
 Faze, por dia ou por semana, um horário de
serviço gratuito, em auxílio aos companheiros
da Humanidade.
 Decerto que não estamos
generalizando recomendações, de
vez que todos conhecemos
criaturas, quase inteiramente
devotadas ao bem do próximo.
  Ainda assim, apresentamos o
assunto de nós para nós mesmos,
porque toda educação parte da
disciplina e, para que nos ajustemos
à disciplina nesse ou naquele setor
da vida, será sempre
invariavelmente preciso começar."

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
Ponte de Luz ASEC
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
grupodepaisceb
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
manumino
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
Angela Ewerling
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
Dalila Melo
 
Aula maior mandamento
Aula maior mandamentoAula maior mandamento
Aula maior mandamento
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7
Candice Gunther
 
Capítulo XVI - Evangelho Segundo o Espiritismo
Capítulo XVI - Evangelho Segundo o EspiritismoCapítulo XVI - Evangelho Segundo o Espiritismo
Capítulo XVI - Evangelho Segundo o Espiritismo
grupodepaisceb
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Divulgador do Espiritismo
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
home
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
Candice Gunther
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao Bem
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao BemSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao Bem
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao Bem
Ricardo Azevedo
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
Graça Maciel
 
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
Antonino Silva
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
Candice Gunther
 
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoPalestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Jose Ferreira Almeida
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
Graça Maciel
 
Eae 91 normas da vida espiritual
Eae   91 normas da vida espiritualEae   91 normas da vida espiritual
Eae 91 normas da vida espiritual
Norberto Scavone Augusto
 

Mais procurados (20)

Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
 
Aula maior mandamento
Aula maior mandamentoAula maior mandamento
Aula maior mandamento
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7
 
Capítulo XVI - Evangelho Segundo o Espiritismo
Capítulo XVI - Evangelho Segundo o EspiritismoCapítulo XVI - Evangelho Segundo o Espiritismo
Capítulo XVI - Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao Bem
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao BemSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao Bem
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 39 - Convite ao Bem
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
 
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
 
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoPalestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
Eae 91 normas da vida espiritual
Eae   91 normas da vida espiritualEae   91 normas da vida espiritual
Eae 91 normas da vida espiritual
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro lição 21

Repensar a educacao - Inger Enkvist
Repensar a educacao - Inger EnkvistRepensar a educacao - Inger Enkvist
Repensar a educacao - Inger Enkvist
Prometeusone
 
Estudo do livro Roteiro lição 12
Estudo do livro Roteiro lição 12Estudo do livro Roteiro lição 12
Estudo do livro Roteiro lição 12
Candice Gunther
 
Slide modelos pedagógico ii
Slide   modelos pedagógico iiSlide   modelos pedagógico ii
Slide modelos pedagógico ii
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 
Fluzz & Escola
Fluzz & EscolaFluzz & Escola
Fluzz & Escola
Fabio Pedrazzi
 
O ser humano e seu enigma-Adolphe Gesché
O ser humano e seu enigma-Adolphe GeschéO ser humano e seu enigma-Adolphe Gesché
O ser humano e seu enigma-Adolphe Gesché
Marcos Ribeiro
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
Candice Gunther
 
# Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]
#   Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]#   Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]
# Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17
Candice Gunther
 
Fluzz & Escola
Fluzz & EscolaFluzz & Escola
Fluzz & Escola
augustodefranco .
 
APRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptx
APRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptxAPRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptx
APRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptx
Paulo David
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
Candice Gunther
 
Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03
MRS
 
Estudo do livro Roteiro, lição 15
Estudo do livro Roteiro, lição 15Estudo do livro Roteiro, lição 15
Estudo do livro Roteiro, lição 15
Candice Gunther
 
Caridade e lei do amor
Caridade e lei do amorCaridade e lei do amor
Caridade e lei do amor
Alice Lirio
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
estevaofernandes
 
Culpa e arrependimento.
Culpa e arrependimento.Culpa e arrependimento.
Culpa e arrependimento.
Marcelo Rosa Paulo
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
Israel serique
 
Universo de Lúcifer
Universo de LúciferUniverso de Lúcifer
Universo de Lúcifer
RODRIGO ORION
 
Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015
Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015
Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015
Arlete Laenzlinger
 
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
Rafael Monteiro Moyses
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro lição 21 (20)

Repensar a educacao - Inger Enkvist
Repensar a educacao - Inger EnkvistRepensar a educacao - Inger Enkvist
Repensar a educacao - Inger Enkvist
 
Estudo do livro Roteiro lição 12
Estudo do livro Roteiro lição 12Estudo do livro Roteiro lição 12
Estudo do livro Roteiro lição 12
 
Slide modelos pedagógico ii
Slide   modelos pedagógico iiSlide   modelos pedagógico ii
Slide modelos pedagógico ii
 
Fluzz & Escola
Fluzz & EscolaFluzz & Escola
Fluzz & Escola
 
O ser humano e seu enigma-Adolphe Gesché
O ser humano e seu enigma-Adolphe GeschéO ser humano e seu enigma-Adolphe Gesché
O ser humano e seu enigma-Adolphe Gesché
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
 
# Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]
#   Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]#   Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]
# Heloisa pires - educacao espirita - [ espiritismo]
 
Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17
 
Fluzz & Escola
Fluzz & EscolaFluzz & Escola
Fluzz & Escola
 
APRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptx
APRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptxAPRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptx
APRESENTAÇÃO REPASSE CF 2022 3º DEUZIMAR SERRA. 3ª PARTE A. pptx
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
 
Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03
 
Estudo do livro Roteiro, lição 15
Estudo do livro Roteiro, lição 15Estudo do livro Roteiro, lição 15
Estudo do livro Roteiro, lição 15
 
Caridade e lei do amor
Caridade e lei do amorCaridade e lei do amor
Caridade e lei do amor
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
Culpa e arrependimento.
Culpa e arrependimento.Culpa e arrependimento.
Culpa e arrependimento.
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Universo de Lúcifer
Universo de LúciferUniverso de Lúcifer
Universo de Lúcifer
 
Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015
Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015
Apostila: Educação Espírita, Edmir Garcia, USE Intermunicipal de Bauru- 2015
 
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
 

Mais de Candice Gunther

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Candice Gunther
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
Candice Gunther
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Candice Gunther
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
Candice Gunther
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Candice Gunther
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
Candice Gunther
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
Candice Gunther
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Candice Gunther
 

Mais de Candice Gunther (20)

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
 
Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38
 
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
 
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28
 
Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
 
Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23
 
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 

Último (10)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 

Estudo do livro Roteiro lição 21

  • 1. Livro de Emmanuel Psicografia de Chico Xavier Evangelho e Educação Lição 21
  • 2.  Iniciemos nossos estudos buscando ampliar um pouco nosso entendimento sobre o verbo "educar".  "Origem da palavra educar  Do latim educare, educere, que significa literalmente “conduzir para fora” ou “direcionar para fora”.  O termo latino educare é composto pela união do prefixo ex, que significa “fora”, e ducere, que quer dizer “conduzir” ou “levar”.  O significado do termo (direcionar para fora) era empregado no sentido de preparar as pessoas para o mundo e viver em sociedade, ou seja, conduzi-las para fora” de si mesmas, mostrando as diferenças que existem no mundo.  É interessante observar que o termo 'educação' em português possui uma conotação não encontrada na palavra education do inglês.  Enquanto que em português a palavra pode ser associada ao sentido de boas maneiras, principalmente no adjetivo “educado”, em inglês educated refere-se unicamente ao grau de instrução formal." (Fonte: dicionário on-line)
  • 3.  A educação nos conduz a um melhor entendimento do mundo que nos cerca, nos permite o uso da palavra escrita e falada de forma a sermos bem compreendidos, nos auxilia a quantificarmos as coisas, as distâncias, o tempo, faz-nos perceber a grandiosidade da natureza e suas leis através das ciências biológica, química, física e tantas outras.  Quem tem a oportunidade de estudar, reconhece que a educação lhe oferece meios para crescer, para sair de si mesmo, de sua ignorância, e vislumbrar o mundo em novos patamares.
  • 4.  O livro Pensamento e Vida nos informa sobre este movimento do espírito:  "O pensamento é força criativa, a exteriorizar-se, da criatura que o gera, por intermédio de ondas sutis, em circuitos de ação e reação no tempo, sendo tão mensurável como o fotônio que, arrojado pelo fulcro luminescente que o produz, percorre o espaço com velocidade determinada, sustentando o hausto fulgurante da Criação. A mente humana é um espelho de luz, emitindo raios e assimilando-os, repetimos. Esse espelho, entretanto, jaz mais ou menos prisioneiro nas sombras espessas da ignorância, à maneira de pedra valiosa incrustada no cascalho da furna ou nas anfractuosidades do precipício. Para que retrate a irradiação celeste e lance de si mesmo o próprio brilho, é indispensável se desentrance das trevas, à custa do esmeril do trabalho. Reparamos, assim, a necessidade imprescritível da educação para todos os seres." Pensamento e Vida - Emmanuel
  • 5.  O que Emmanuel nos convida a realizar neste estudo é perceber o caráter educativo do Evangelho de Jesus, não apenas individualmente, mas, também, de forma coletiva, afirma o benfeitor que a vinda do Cristo inaugura nova era para a humanidade.  Contudo, o benfeitor nos explica que é processo gradativo, que não acontece do dia para a noite e, portanto, encontraremos em cada um de nós obstáculos a serem transpostos de acordo com nossas vivências anteriores. Cada um possui uma bagagem única, que decorre de suas muitas vidas. Trazemos tendências boas e ruins e apenas se adentrarmos neste processo educativo, compreendendo a nossa existência com este propósito, teremos a oportunidade de nos enriquecermos, tal qual o aluno que vence uma etapa, que passa de ano ou vai bem em uma prova.
  • 6.  Caminhemos com Emmanuel, usufruindo de seu lúcido pensamento nas lições do livro Roteiro:  "Quando o mestre confiou ao mundo a divina mensagem da Boa Nova, a Terra, sem dúvida, não se achava desprovida de sólida cultura.  Na Grécia, as artes haviam atingido luminosa culminância e, em Roma, bibliotecas preciosas circulavam por toda parte, divulgando a política e a ciência, a filosofia e a religião.  Os escritores possuíam corpos de copistas especializados e professores eméritos conservavam tradições e ensinamentos, preservando o tesouro da inteligência.  Prosperava a instituição, em todos os lugares, mas a educação demorava-se em lamentável pobreza." Roteiro
  • 7.  Observemos quão interessante é este trecho inicial da lição.  Emmanuel elenca o que já possuíamos enquanto humanidade: sólida cultura, artes, bibliotecas, política, ciência, filosofia e até mesmo religião. Porém, alerta, que quem prosperava era a instituição e não a educação.  O que isto nos quer dizer? Qual a razão desta distinção entre a instituição e educação?  Pensemos de forma simples, uma boa escola garante um bom aprendizado? Ou, então, um professor culto e inteligente, garante que o aluno se desenvolverá com êxito?
  • 8.  Vejamos, ainda, um pouco mais sobre o significado da palavra "instituição":  "Significado de Instituição  substantivo feminino  Ação de instituir, de estabelecer, de fundar algo novo.  Conjunto de regras e normas estabelecidas para a satisfação de interesses coletivos: o Estado, o Congresso, uma fundação são instituições.  Organização que, pública ou privada, busca resolver as necessidades de uma sociedade ou comunidade: instituições religiosas.  Estabelecimento de educação e instrução: instituição de ensino." (Fonte: dicionário on-line)
  • 9.  Temos aqui o exemplo clássico de forma e conteúdo. A instituição é aTemos aqui o exemplo clássico de forma e conteúdo. A instituição é a forma, porém, a educação é o contéudo. Precisamos da forma, que são asforma, porém, a educação é o contéudo. Precisamos da forma, que são as escolas, professores, experiências, porém, a educação é o que faremos comescolas, professores, experiências, porém, a educação é o que faremos com tudo o que nos é disponibilizado neste processo de aprendizado.tudo o que nos é disponibilizado neste processo de aprendizado.  O que se constata é que o homem já havia avançado em meios para educar-O que se constata é que o homem já havia avançado em meios para educar- se, porém, a ausência dos ensinamentos do Cristo o impediam de avançarse, porém, a ausência dos ensinamentos do Cristo o impediam de avançar como ser espiritual na verdadeira educação, avançar em amor e emcomo ser espiritual na verdadeira educação, avançar em amor e em fraternidade.fraternidade.  Caminhemos um pouco mais com a lição para adentrarmos nesta questão.Caminhemos um pouco mais com a lição para adentrarmos nesta questão.
  • 10.  "O cativeiro consagrado por lei era flagelo comum.  A mulher, aviltada em quase todas as regiões, recebia tratamento inferior ao que se dispensava aos cavalos.  Homens de consciência enobrecia, por infelicidade financeira ou por questiúnculas de raça, eram assinalados a ferro candente e submetidos à penosa servidão, anotados como animais.  Os pais podiam vender os filhos.  Era razoável cegar os vencidos e aproveita-los em serviços domésticos.  As crianças fracas eram, quase sempre, punidas com a morte. (...)
  • 11.  “Enfermos eram sentenciados ao abandono.  As mulheres infelizes podiam ser apedrejadas com o beneplácito da justiça.  Os mutilados deviam perecer nos campos de luta, categorizados à conta de carne inútil.  Qualquer tirano desfrutava o direito do reduzir os governados à extrema penúria, sem ser incomodado por ninguém.  Feras devoravam homens vivos nos espetáculos e divertimentos públicos, com aplauso geral.  Rara a festividade do povo que transcorria sem vasta efusão de sangue humano, como impositivo natural dos costumes.  Com Jesus, entretanto, começa uma era nova para o sentimento."Com Jesus, entretanto, começa uma era nova para o sentimento." Roteiro
  • 12.  Eis a descrição das misérias humanas, o homem subjuga o homem, caminhando a largos passos em seu orgulho e egoísmo. Crianças, doentes, mulheres, pessoas desprovidas de posse ou de sua liberdade, todos sentem o braço do tirano que ao invés de acolhe-los e protegê-los com sua força, usa-a para causar mais dor e sofrimento.  Talvez pudéssemos nos alegrar se todas estas desditas descritas por Emmanuel fizessem parte de um passado distante, mas se olharmos atentamente para o mundo que nos cerca, veremos que, ainda hoje, estes desenganos persistem.
  • 13.  - "O cativeiro consagrado por lei era flagelo comum." As prisões ao redor do mundo, salvo a exceção dos países ricos, terminam por deformar a personalidade já doente dos que nela adentram. Quem já conheceu uma prisão em nosso país irá reconhecer que os direitos humanos mínimos são diariamente esquecidos e negligenciados. Como recuperar cidadãos em tais condições? Como educá-los a um novo agir se a nossa atitude, enquanto sociedade, é apenas punir?
  • 14.  - "A mulher, aviltada em quase todas as regiões, recebia tratamento inferior ao que se dispensava aos cavalos." No último século as mulheres tiveram grandes conquistas de direitos e posições sociais, desde a oportunidade de trabalhar, estudar, tomar as próprias decisões, muito se avançou, porém, ao olharmos com atenção veremos que muitos países ainda dispensam tratamentos degradantes. Até mesmo em nosso país, estão disponíveis as estatísticas de maus tratos, de mulheres que sofrem violências domésticas das mais diversas ordens. Como avançar nesta questão? Serão apenas as nossas leis o instrumento para conter esta barbárie que se perpetua ao longo dos milênios?
  • 15.  - "Os pais podiam vender os filhos." A lei não mais permite tal prática. Os filhos não são mais propriedade dos pais, como não o são mais as mulheres, porém, até bem pouco tempo, uma dívida era resolvida com a venda de um filho que passava a condição de escravo do credor. Concebemos algo assim em nossas vidas? Parece-nos assombroso algo assim? Atentemos para os ladrões dos nossos dias, já não são as dívidas que levam nossos filhos embora, mas os vícios, como a droga e o alcool, lembrando-nos de que a família, celula mater da sociedade, ainda padece e carece de novos rumos.
  • 16.  Assim, item por item, Emmanuel nos alerta deste mundo antigo e presente, destas dicotomias humanas, de algo que já não deveria existir, mas que por fazer parte dos mais íntimos sentimentos do homem, veste-se com outras roupas e permanece a agir.  E permanecerá agindo até que eduquemos nossos sentimentos sob as luzes do Evangelho de Jesus.  Olhemos para o Mestre através das lentes que Emmanuel nos traz nesta valorosa lição:  "Condenado ao supremo sacrifício, sem reclamar, e rogando o perdão celeste para aqueles que o vergastavam a feriam, instila no ânimo dos seguidores novas disposições espirituais." Roteiro
  • 17.  Jesus rompeu com os costumes de guerra e vingança, deixou-se vencer para retornar vencido, mostrando-nos que a vida na Terra é experiência restrita a um tempo, que não encerra tudo o que somos, nem tudo o que vivenciamos, sendo apenas uma etapa da vida verdadeira.  Dá-nos um novo olhar, faz-nos perceber a eternidade e nos convida a nela adentrarmos com Ele, instigando-nos a buscarmos na profundidade do nosso ser a centelha divina que o Pai nos concedeu quando nos criou.  E seu exemplo alcançou muito corações.
  • 18.  "Iluminados pela Divina Influência, os discípulos do Mestre consagram-se ao serviço dos semelhantes.  Simão Pedro e os companheiros dedicam-se aos doentes e infortunados.  Instituem-se casas de socorro para os necessitados e escolas de evangelização para o espírito popular.  Pouco a pouco, altera-se a paisagem social, no curso dos séculos." Roteiro
  • 19.  A fraternidade ilumina o nosso caminhar. No começo eram poucos os que se deixavam conduzir por esta nova forma de viver. Pagaram com suas vidas por romper com a forma como o mundo vivia, foram chamados de loucos e covardes, mas o seu exemplo permanece até hoje, fortalecendo-nos e nos guiando em nossos lutas cotidianas.  Recordemos que no início do estudo verificamos que o vocábulo "educare" significa "conduzir para fora". O bem que reside em nós, a centelha divina que nosso Pai Celestial nos concedeu quando nos trouxe a vida, começa a se revelar, é conduzida para fora, quando adentramos neste caminho, iniciamos um processo educativo ascendente.
  • 20.  Eis o novo mundo, nas palavras de Emmanuel:  "Dilacerados e atormentados, entregues ao supremo sacrifício nas demonstrações sanguinolentas dos tribunais e das praças públicas, ou trancafiados nas prisões, os aprendizes do Evangelho ensinam a compaixão e a solidariedade, a bondade e o amor, a fortaleza moral e a esperança.  Há grupos de servidores, que se devotam ao trabalho remunerado para a libertação de numerosos cativos.  Senhores da fortuna e da terra, tocados nas fibras mais íntimas, devolvem escravos ao mundo livre.  Doentes encontram remédio, mendigos acham teto, desesperados se reconfortam, órfãos são recebidos no lar.  Nova mentalidade surge na Terra." Roteiro
  • 21.  Novas palavras de ordem: compaixão, solidariedade, bondade, amor, fortaleza moral e esperança.  Eis o roteiro dado ao espírito que quer educar- se, que já compreendeu que a Terra nos acolhe qual escola bendita, permitindo-nos as mais diversas experiências que aprendemos a intitular de provas e expiações.
  • 22.  No livro Fonte Viva, Emmanuel nos diz que: "Deus está em nós, quanto estamos em Deus. Mas, para que a luz divina se destaque da treva humana, é necessário que os processos educativos da vida nos trabalhem no empedrado caminho dos milênios. Somente o coração enobrecido no grande entendimento pode vazar o heroísmo santificante. Apenas o cérebro cultivado pode produzir iluminadas formas de pensamento.“  Jesus exemplifica, mas espera de nós o esforço para que avancemos em sua direção.
  • 23.  Encerra Emmanuel a lição:  "O coração educado aparece, por abençoada luz, nas sombras da vida.  A gentileza e a afabilidade passam a reger o campo das boas maneiras e, sob a  inspiração do Mestre Crucificado, homens de pátrias e raças diferentes aprenderam a encontrar-se com alegria, exclamando, felizes: _ “meu irmão”." Roteiro
  • 24.  A educação de que trata este capítulo, transcende os conceitos humanos e acadêmicos para nos falar das coisas do espírito, da educação dos sentimentos.  Atribui-se a São Francisco de Assis esta orientação: “Evangelize sempre. Se preciso, com palavras”.   Nossas atitudes demonstram o que vai em nosso coração. E se permitimos que a luz do Cristo adentre em nossas vidas, resignificando nosso caminhar, iremos nos perceber com maior clareza, veremos nossa pequenez e que, ainda, muito erramos, não obstante, encontraremos as respostas para nossos desenganos na fraternidade, no amor, na caridade.
  • 25.  O despertar do homem acontece quando ele percebe a si mesmo e passa a olhar o mundo com mais bondade. Não grita por perfeição, socorre o oprimido, não acusa o que erra, acolhe-o com bondade, é afável em seu agir porque reconhece que estamos caminhando juntos, muitas vezes tropeçando em desenganos, porém, caminhando na luz que Jesus nos oferece a cada dia.  Eduquemos nossos corações, deixemos que as pequeninas lições do dia a dia nos ensinem sobre a bondade, a gentileza, a alegria, a esperança.
  • 26.  Emmanuel nos dá alguns conselhos práticos no livro Paz e Renovação, lição 45 intitulada Disciplina e Educação. E é com esta lição que encerramos o estudo de hoje.  "Evidentemente, não se justificam cilício e jejum sistemáticos, a serviço da alma, no entanto, é justo empenharmos atenção e esforço, na aquisição de hábitos dignos, conducentes à elevação.  Considera que toda obra, por mais importante, principia no alicerce e iniciemos as grandes realizações do Espírito, através de pequenos lances de disciplina.  Tanto quanto possível, aprende a te desprenderes dessa ou daquela porção de ti mesmo ou daquilo que te pertença, a fim de ajudar ou facilitar alguém.  Não desprezes a possibilidade de visitar os irmão em doença ou penúria, pelo menos uma vez por semana, de maneira e levar-lhes consolação e refazimento.
  • 27.  Em cada sete dias, qual ocorre ao impositivo do descanso geral, destaca um deles para ingerir o mínimo de alimentação, doando o necessário repouso aos mecanismos do corpo.  Semanalmente, retira igualmente um dia para o trabalho de vigilância absoluta no próprio pensamento e no próprio verbo, mentalizando e falando exclusivamente no bem dos outros.  Em cada ciclo de vinte e quatro horas, separa diminuta área de tempo, quando não possas fazê-la mais ampla, para estudo e meditação, silêncio e prece.  Faze, por dia ou por semana, um horário de serviço gratuito, em auxílio aos companheiros da Humanidade.
  • 28.  Decerto que não estamos generalizando recomendações, de vez que todos conhecemos criaturas, quase inteiramente devotadas ao bem do próximo.   Ainda assim, apresentamos o assunto de nós para nós mesmos, porque toda educação parte da disciplina e, para que nos ajustemos à disciplina nesse ou naquele setor da vida, será sempre invariavelmente preciso começar."