SlideShare uma empresa Scribd logo
VÓS SOIS A LUZ DO MUNDO
MT 5:14
• Mesmo que nós possamos ver a Lua durante a noite, isto não ocorre por causa de luz lunar,
pois a Lua não produz sua própria luz. Nós só podemos avistá-la porque ela reflete a luz do Sol.
Fonte: https://mundotop10.com/curiosidades-sobre-a-lua/ | Mundo Top 10
NÓS ENXERGAMOS A REFLEXÃO DA LUZ NOS OBJETOS E PESSOAS.
• POR QUE JESUS DISSE QUE
SOMOS A LUZ DO MUNDO?
• O QUE EU POSSO REALIZAR
PARA ACENDER A LUZ EM
MEU MUNDO INTERIOR E
AO REDOR DE MEUS
PASSOS?
• EX: irmão Jacó do Livro
Voltei
Se nós utilizarmos a energia luminosa do SOL FÍSICO, de
forma correta, fortaleceremos nossa saúde física(ossos...)
Se nós utilizarmos a energia luminosa do SOL ESPIRITUAL
fortaleceremos nossa saúde mental, moral e espiritual.
Quem assimila os seus ensinos de Jesus e os observa estará
sempre em segurança, sem os prejuízos e incertezas que as
trevas acarretam.
“A luz não argumenta,
mas sim esclarece e socorre, ajuda e ilumina.”
(Emmanuel, no livro “Fonte Viva”)
O cristão deve penetrar-se do
“espírito do Cristo”
“Acusar, reclamar, queixar-se,
não são verbos conjugáveis
no campo de nossos
princípios.”
Significado de argumentar: discutir apresentando e contrapondo razões que, através do raciocínio lógico, levem a uma conclusão.
• A missão da luz é :
• CLAREAR CAMINHOS
• VARRER SOMBRAS
• SALVAR VIDAS
• e, se somos a luz do mundo, temos
como dever:
• iluminar a vida daqueles que
caminham conosco
• “ame teu próximo como a ti
mesmo”.
No entanto, em nenhum momento a sábia
palavra evangélica sentenciou que essa
missão seria tarefa fácil, antes, não cansou
de informar a necessidade do trabalho
sacrificial, pois que a mudança de hábitos,
a alteração de caminhos e a implantação de
novas ideias sempre exigiram dos
vanguardeiros grandes cotas de dedicação e
perseverança.
• A luz não reclama, nada exige e continua
constantemente servindo como guia dos homens.
Valei-vos da luz - Livro : Pão Nosso-6-
“Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem.” – Jesus.
(João, 12:35.)
Qual o sentido luminoso deste ensinamento?
Que devemos aproveitar a dádiva de tempo recebida, no trabalho edificante.
Afastai-vos da condição inferior(TREVAS), adquirindo mais alto entendimento(LUZ).
Para não anular a oportunidade santa de melhoria e aprimoramento no ato da
marcha, tornando aos impulsos menos dignos e regressando, em seguida à morte do
corpo, ao mesmo sítio de sombras, de onde emergistes para vencer novos degraus
na sublime montanha da vida.
E, a cada minuto, nos deparamos com múltiplas
oportunidades de prestar serviços à humanidade, pois
estamos sempre cercados por situações que exigem a boa
vontade e a dedicação de alguém para que a solução
possa chegar.
É uma criança sem família, que anseia por uma mão amiga
que possa minorar seu padecimento, apontando-lhe um
caminho ou alimentando-a com a esperança.
É o chefe de família desempregado que segue pela via pública carregando
seu desespero e sua intranquilidade, esperando que alguém lhe dê nova
oportunidade de trabalho, onde consiga o rendimento necessário para
sustentar sua família.
É a mãe desesperada que observa os filhinhos a solicitar alimento sem ter o
que lhes oferecer, à espera que a generosidade humana possa, mesmo que
seja palidamente, lhe ofertar um prato de comida até que a situação seja
contornada.
É o idoso esquecido pela família que carece de um local para passar o resto
dos seus dias onde a solidão seja um pouco mais branda.
É o jovem em desequilíbrio esperando a exemplificação dos adultos para
que tenha um referencial sadio, nobre e sublime que lhe aponte os erros de
conduta e lhe mostre novas direções.
É o familiar difícil e insatisfeito que exige de nossa parte grandes cotas de
paciência e resignação, ante os desajustes e conflitos em que vive.
Portanto, ser a luz do mundo, na expressão do Cristo, significa aprender a
renunciar, a servir e a amar.
E, se a luz não reclama e continua a clarear, da mesma forma não temos o
direito à rebeldia ou ao abandono das nossas tarefas quando a
incompreensão alheia repletar de espinhos a nossa estrada, pois que
somos na Terra a materialização dos anseios divinos: o da implantação do
Reino de Deus entre os homens.
Assim, por onde passarmos, façamos o máximo esforço para deixar um
rastro de luz e uma mensagem de esperança aos que nos observam.
O mundo precisa de claridade, então, que façamos “brilhar a nossa luz”.
Vois sois a luz do mundo
Se nos compenetramos, pois, da lição do Cristo, interessados em
acompanhá-lo, é indispensável a nossa disposição de doar as nossas forças na
atividade incessante do bem, para que a Boa-Nova brilhe na senda de
redenção para todos.
Cristão sem espírito de sacrifício é lâmpada morta no santuário do
Evangelho.
Busquemos o Senhor, oferecendo aos outros o melhor de nós mesmos.
Sigamo-lo, auxiliando indistintamente.
Não nos detenhamos em conflitos ou perquirições sem proveito.
A luz não argumenta, mas sim esclarece e socorre, ajuda e ilumina.
Emmanuel
• »Vós sois a luz do mundo (Mt 5:14).
• Esta afirmativa evidencia, mais uma
vez, a proposta educacional.
• A própria evolução dos seres é um
caminho que vai das trevas para a
luz.
• A luz é o ponto de referência,
também, do sistema evolucional que
se irradia por todo o universo.
• Nos planos mais profundos da alma
é o foco clareador da mente em suas
nuances de razão e sentimento,
garantindo esclarecimento,
segurança e reconforto.
• Posicionados como aprendizes de
Jesus, os discípulos sinceros serão
sempre os elementos refletores da
luz soberana que irradia do próprio
Cristo.
• Não se pode esconder uma cidade edificada
sobre um monte (Mt 5: 14).
• Diante da multidão sofrida que caminha em
sua marcha evolutiva, é importante que
aqueles que mais sabem não guardem
consigo o conhecimento adquirido.
• Este conhecimento precisa ser espalhado,
compartilhado com os irmãos em
humanidade.
• São conquistas grandiosas que não podem
ser escondidas ou guardadas egoísticamente.
EX: De um antigo e muito inteligente frequentador do GEC que não estava mais indo, pois disse estudar a D.E. em sua casa.
• Iniciados na luz da Revelação
Nova, os espiritas-cristãos
possuem patrimônios de
entendimento muito acima da
compreensão normal dos
homens encarnados.
• Em verdade, sabem que a vida
prossegue vitoriosa, além da
morte; que se encontram na
escola temporária da Terra,
em favor da iluminação
espiritual que lhes é
necessária;
• [...] que toda oportunidade de trabalho no
presente é uma bênção dos Poderes Divinos; que
ninguém se acha na Crosta do Planeta em
excursão de prazeres fáceis, mas, sim, em missão
de aperfeiçoamento;
• [...] que a existência na esfera física é abençoada
oficina de trabalho, resgate e redenção e que os
atos, palavras e pensamentos da criatura
produzirão sempre os frutos que lhes dizem
respeito, no campo infinito da vida.
• Nem se acende uma candeia e se coloca
debaixo do alqueire, mas no velador, e
dá luz a todos que estão na casa
• (Mt 5: 15).
• Jesus compara os seus ensinamentos
como a luz que afugenta as trevas.
• É a luz que ilumina, que dá
significado à Vida e a valoriza,
mas, se procurarmos em suas
lições apenas conforto e bem-
estar para nós, sem
compreendero seu apelo
maior, convocando-nos à
Fraternidade, então sua
claridade ficará aprisionada
no vaso do egoísmo e de
nada valerá, pois, apesar de
detê-lacontinuaremos na
escuridão de nossas mazelas. 3
• A luz simboliza o esclarecimento, a
orientação, o processo educativo,
capazes de nos transformar para
melhor, nos libertando do vale de
lágrimas e de dores onde,
usualmente, estamos relegados.
• A candeia deve ser colocada, não
debaixo do alqueire, encoberta pela
indiferença ou interesse pessoais, mas
no velador, para que possa oferecer
luz a todos.
• É óbvio que cada um assimila de
acordo com a sua percepção e com o
seu piso evolutivo.
• A plena capacidade de irradiação da
luz indica, também, o espírito de
solidariedade, amor e cooperação
que deve estar presente nas relações
humanas.
• Busquemos ser as
melhores pessoas que
possamos ser,
“lutando contra as
sombras que ainda nos
perturbam a existência,
para que se faça em nós
o reinado da luz” , todos
os dias.
1.KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed. Rio de Janeiro:
FEB, 2005, questão 622, p. 307.
2.SIMONETTI, Richard. A voz do monte. 7. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Item: O tempero
da vida, p. 57-59.
3. . Item: O brilho do bem, p. 62. 4. . p. 62-63.
5. VINICIUS. Em torno do mestre. 8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002. Item: O sal da terra, p.
265. 6. . p. 266.
7. . Nas pegadas do mestre. 10. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Item: O sal da terra, p. 191.
8.XAVIER, Francisco Cândido. Pai nosso. Pelo Espírito Meimei. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB,
2006. Cap. 1 (Pai nosso que estás nos céus), p. 11.
9. . Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. 24. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Cap. 60 (Que
fazeis de especial?), p.141-142.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores
Daniane Bornea Friedl
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
Dalila Melo
 
Vós sois a luz do mundo
Vós sois a luz do mundoVós sois a luz do mundo
Vós sois a luz do mundo
Afonso Chagas Corrêa Corrêa
 
Os Valores Da Vida
Os Valores Da VidaOs Valores Da Vida
Os Valores Da Vida
Grupo Espírita Cristão
 
Aula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Preconceito
Aula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - PreconceitoAula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Preconceito
Aula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Preconceito
Sergio Lima Dias Junior
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
Angela Ewerling
 
O Maior Presente de Natal
O Maior Presente de NatalO Maior Presente de Natal
O Maior Presente de Natal
Ricardo Azevedo
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
grupodepaisceb
 
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
grupodepaisceb
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
Jorge Luiz dos Santos
 
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNOO TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
Jorge Luiz dos Santos
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Palestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e EspiritismoPalestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e Espiritismo
Victor Passos
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
Marilice Passos
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
alice martins
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Ricardo Azevedo
 
VOCÊ E A PAZ
VOCÊ E A PAZVOCÊ E A PAZ
VOCÊ E A PAZ
Jorge Luiz dos Santos
 

Mais procurados (20)

Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
 
Vós sois a luz do mundo
Vós sois a luz do mundoVós sois a luz do mundo
Vós sois a luz do mundo
 
Os Valores Da Vida
Os Valores Da VidaOs Valores Da Vida
Os Valores Da Vida
 
Aula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Preconceito
Aula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - PreconceitoAula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Preconceito
Aula 6 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Preconceito
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
 
O Maior Presente de Natal
O Maior Presente de NatalO Maior Presente de Natal
O Maior Presente de Natal
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
 
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNOO TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Indulgencia
 
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
 
Palestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e EspiritismoPalestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e Espiritismo
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
 
VOCÊ E A PAZ
VOCÊ E A PAZVOCÊ E A PAZ
VOCÊ E A PAZ
 

Semelhante a Vois sois a luz do mundo

Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
Candice Gunther
 
O mensageiro fev-14-publicação
O  mensageiro fev-14-publicaçãoO  mensageiro fev-14-publicação
O mensageiro fev-14-publicação
Ume Maria
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
decoumsm
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
decoumsm
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
M.R.L
 
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2   sal da terra e luz do mundoLbj lição 2   sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
boasnovassena
 
Segunda parte iv iluminação - trabalho
Segunda parte   iv iluminação - trabalhoSegunda parte   iv iluminação - trabalho
Segunda parte iv iluminação - trabalho
Fatoze
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a luta
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a lutaEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a luta
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a luta
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos IssoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Ricardo Azevedo
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
CEJG
 
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Ricardo Azevedo
 
Aula M2 - Como se divertir sem se prejudicar
Aula M2 - Como se divertir sem se prejudicarAula M2 - Como se divertir sem se prejudicar
Aula M2 - Como se divertir sem se prejudicar
Mocidade Espírita União Fraternal
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
Grupo Espírita Cristão
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
PatiSousa1
 
Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013
Fatima Carvalho
 
Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04
MRS
 
Palestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 SemeadoresPalestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 Semeadores
Tiburcio Santos
 
Missionarios da luz
Missionarios da luzMissionarios da luz
Missionarios da luz
livroparabaixar
 
Requisitos completo
Requisitos completoRequisitos completo
Requisitos completo
Alice Lirio
 

Semelhante a Vois sois a luz do mundo (20)

Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
 
O mensageiro fev-14-publicação
O  mensageiro fev-14-publicaçãoO  mensageiro fev-14-publicação
O mensageiro fev-14-publicação
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
 
Beume xx (3)
Beume xx (3)Beume xx (3)
Beume xx (3)
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
 
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2   sal da terra e luz do mundoLbj lição 2   sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
 
Segunda parte iv iluminação - trabalho
Segunda parte   iv iluminação - trabalhoSegunda parte   iv iluminação - trabalho
Segunda parte iv iluminação - trabalho
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a luta
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a lutaEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a luta
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 80 - O "não" e a luta
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos IssoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
 
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
 
Aula M2 - Como se divertir sem se prejudicar
Aula M2 - Como se divertir sem se prejudicarAula M2 - Como se divertir sem se prejudicar
Aula M2 - Como se divertir sem se prejudicar
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013
 
Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04
 
Palestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 SemeadoresPalestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 Semeadores
 
Missionarios da luz
Missionarios da luzMissionarios da luz
Missionarios da luz
 
Requisitos completo
Requisitos completoRequisitos completo
Requisitos completo
 

Mais de Sergio Menezes

Discipulos de jesus
Discipulos de jesusDiscipulos de jesus
Discipulos de jesus
Sergio Menezes
 
Ressurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnaçãoRessurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnação
Sergio Menezes
 
Provas reencarnação
Provas reencarnaçãoProvas reencarnação
Provas reencarnação
Sergio Menezes
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
Sergio Menezes
 
Não vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espadaNão vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espada
Sergio Menezes
 
Ansiedade e depressao
Ansiedade e depressaoAnsiedade e depressao
Ansiedade e depressao
Sergio Menezes
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
Sergio Menezes
 
Parábola do semeador
Parábola do semeadorParábola do semeador
Parábola do semeador
Sergio Menezes
 
Parábola bom samaritano
Parábola bom samaritanoParábola bom samaritano
Parábola bom samaritano
Sergio Menezes
 
Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade
Sergio Menezes
 
A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro
Sergio Menezes
 
A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1
Sergio Menezes
 
P. fariseu e publicano
P. fariseu e publicanoP. fariseu e publicano
P. fariseu e publicano
Sergio Menezes
 
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Sergio Menezes
 
A parábola da rede
A parábola da redeA parábola da rede
A parábola da rede
Sergio Menezes
 
A parábola da candeia
A parábola da candeiaA parábola da candeia
A parábola da candeia
Sergio Menezes
 
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundoVois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
Sergio Menezes
 
João batista 1
João batista 1João batista 1
João batista 1
Sergio Menezes
 
A cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaA cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirrada
Sergio Menezes
 
A cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaidaA cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaida
Sergio Menezes
 

Mais de Sergio Menezes (20)

Discipulos de jesus
Discipulos de jesusDiscipulos de jesus
Discipulos de jesus
 
Ressurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnaçãoRessurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnação
 
Provas reencarnação
Provas reencarnaçãoProvas reencarnação
Provas reencarnação
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
 
Não vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espadaNão vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espada
 
Ansiedade e depressao
Ansiedade e depressaoAnsiedade e depressao
Ansiedade e depressao
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
 
Parábola do semeador
Parábola do semeadorParábola do semeador
Parábola do semeador
 
Parábola bom samaritano
Parábola bom samaritanoParábola bom samaritano
Parábola bom samaritano
 
Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade
 
A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro
 
A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1
 
P. fariseu e publicano
P. fariseu e publicanoP. fariseu e publicano
P. fariseu e publicano
 
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
 
A parábola da rede
A parábola da redeA parábola da rede
A parábola da rede
 
A parábola da candeia
A parábola da candeiaA parábola da candeia
A parábola da candeia
 
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundoVois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
 
João batista 1
João batista 1João batista 1
João batista 1
 
A cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaA cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirrada
 
A cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaidaA cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaida
 

Último

12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (14)

12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Vois sois a luz do mundo

  • 1. VÓS SOIS A LUZ DO MUNDO MT 5:14
  • 2. • Mesmo que nós possamos ver a Lua durante a noite, isto não ocorre por causa de luz lunar, pois a Lua não produz sua própria luz. Nós só podemos avistá-la porque ela reflete a luz do Sol. Fonte: https://mundotop10.com/curiosidades-sobre-a-lua/ | Mundo Top 10 NÓS ENXERGAMOS A REFLEXÃO DA LUZ NOS OBJETOS E PESSOAS.
  • 3. • POR QUE JESUS DISSE QUE SOMOS A LUZ DO MUNDO? • O QUE EU POSSO REALIZAR PARA ACENDER A LUZ EM MEU MUNDO INTERIOR E AO REDOR DE MEUS PASSOS? • EX: irmão Jacó do Livro Voltei
  • 4. Se nós utilizarmos a energia luminosa do SOL FÍSICO, de forma correta, fortaleceremos nossa saúde física(ossos...) Se nós utilizarmos a energia luminosa do SOL ESPIRITUAL fortaleceremos nossa saúde mental, moral e espiritual.
  • 5. Quem assimila os seus ensinos de Jesus e os observa estará sempre em segurança, sem os prejuízos e incertezas que as trevas acarretam.
  • 6. “A luz não argumenta, mas sim esclarece e socorre, ajuda e ilumina.” (Emmanuel, no livro “Fonte Viva”) O cristão deve penetrar-se do “espírito do Cristo” “Acusar, reclamar, queixar-se, não são verbos conjugáveis no campo de nossos princípios.” Significado de argumentar: discutir apresentando e contrapondo razões que, através do raciocínio lógico, levem a uma conclusão.
  • 7. • A missão da luz é : • CLAREAR CAMINHOS • VARRER SOMBRAS • SALVAR VIDAS • e, se somos a luz do mundo, temos como dever: • iluminar a vida daqueles que caminham conosco • “ame teu próximo como a ti mesmo”.
  • 8. No entanto, em nenhum momento a sábia palavra evangélica sentenciou que essa missão seria tarefa fácil, antes, não cansou de informar a necessidade do trabalho sacrificial, pois que a mudança de hábitos, a alteração de caminhos e a implantação de novas ideias sempre exigiram dos vanguardeiros grandes cotas de dedicação e perseverança.
  • 9. • A luz não reclama, nada exige e continua constantemente servindo como guia dos homens.
  • 10. Valei-vos da luz - Livro : Pão Nosso-6- “Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem.” – Jesus. (João, 12:35.) Qual o sentido luminoso deste ensinamento? Que devemos aproveitar a dádiva de tempo recebida, no trabalho edificante. Afastai-vos da condição inferior(TREVAS), adquirindo mais alto entendimento(LUZ). Para não anular a oportunidade santa de melhoria e aprimoramento no ato da marcha, tornando aos impulsos menos dignos e regressando, em seguida à morte do corpo, ao mesmo sítio de sombras, de onde emergistes para vencer novos degraus na sublime montanha da vida.
  • 11. E, a cada minuto, nos deparamos com múltiplas oportunidades de prestar serviços à humanidade, pois estamos sempre cercados por situações que exigem a boa vontade e a dedicação de alguém para que a solução possa chegar. É uma criança sem família, que anseia por uma mão amiga que possa minorar seu padecimento, apontando-lhe um caminho ou alimentando-a com a esperança.
  • 12. É o chefe de família desempregado que segue pela via pública carregando seu desespero e sua intranquilidade, esperando que alguém lhe dê nova oportunidade de trabalho, onde consiga o rendimento necessário para sustentar sua família. É a mãe desesperada que observa os filhinhos a solicitar alimento sem ter o que lhes oferecer, à espera que a generosidade humana possa, mesmo que seja palidamente, lhe ofertar um prato de comida até que a situação seja contornada. É o idoso esquecido pela família que carece de um local para passar o resto dos seus dias onde a solidão seja um pouco mais branda. É o jovem em desequilíbrio esperando a exemplificação dos adultos para que tenha um referencial sadio, nobre e sublime que lhe aponte os erros de conduta e lhe mostre novas direções.
  • 13. É o familiar difícil e insatisfeito que exige de nossa parte grandes cotas de paciência e resignação, ante os desajustes e conflitos em que vive. Portanto, ser a luz do mundo, na expressão do Cristo, significa aprender a renunciar, a servir e a amar. E, se a luz não reclama e continua a clarear, da mesma forma não temos o direito à rebeldia ou ao abandono das nossas tarefas quando a incompreensão alheia repletar de espinhos a nossa estrada, pois que somos na Terra a materialização dos anseios divinos: o da implantação do Reino de Deus entre os homens. Assim, por onde passarmos, façamos o máximo esforço para deixar um rastro de luz e uma mensagem de esperança aos que nos observam. O mundo precisa de claridade, então, que façamos “brilhar a nossa luz”.
  • 15. Se nos compenetramos, pois, da lição do Cristo, interessados em acompanhá-lo, é indispensável a nossa disposição de doar as nossas forças na atividade incessante do bem, para que a Boa-Nova brilhe na senda de redenção para todos. Cristão sem espírito de sacrifício é lâmpada morta no santuário do Evangelho. Busquemos o Senhor, oferecendo aos outros o melhor de nós mesmos. Sigamo-lo, auxiliando indistintamente. Não nos detenhamos em conflitos ou perquirições sem proveito. A luz não argumenta, mas sim esclarece e socorre, ajuda e ilumina. Emmanuel
  • 16. • »Vós sois a luz do mundo (Mt 5:14). • Esta afirmativa evidencia, mais uma vez, a proposta educacional. • A própria evolução dos seres é um caminho que vai das trevas para a luz. • A luz é o ponto de referência, também, do sistema evolucional que se irradia por todo o universo.
  • 17. • Nos planos mais profundos da alma é o foco clareador da mente em suas nuances de razão e sentimento, garantindo esclarecimento, segurança e reconforto. • Posicionados como aprendizes de Jesus, os discípulos sinceros serão sempre os elementos refletores da luz soberana que irradia do próprio Cristo.
  • 18. • Não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte (Mt 5: 14). • Diante da multidão sofrida que caminha em sua marcha evolutiva, é importante que aqueles que mais sabem não guardem consigo o conhecimento adquirido. • Este conhecimento precisa ser espalhado, compartilhado com os irmãos em humanidade. • São conquistas grandiosas que não podem ser escondidas ou guardadas egoísticamente. EX: De um antigo e muito inteligente frequentador do GEC que não estava mais indo, pois disse estudar a D.E. em sua casa.
  • 19. • Iniciados na luz da Revelação Nova, os espiritas-cristãos possuem patrimônios de entendimento muito acima da compreensão normal dos homens encarnados. • Em verdade, sabem que a vida prossegue vitoriosa, além da morte; que se encontram na escola temporária da Terra, em favor da iluminação espiritual que lhes é necessária;
  • 20. • [...] que toda oportunidade de trabalho no presente é uma bênção dos Poderes Divinos; que ninguém se acha na Crosta do Planeta em excursão de prazeres fáceis, mas, sim, em missão de aperfeiçoamento; • [...] que a existência na esfera física é abençoada oficina de trabalho, resgate e redenção e que os atos, palavras e pensamentos da criatura produzirão sempre os frutos que lhes dizem respeito, no campo infinito da vida.
  • 21. • Nem se acende uma candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa • (Mt 5: 15). • Jesus compara os seus ensinamentos como a luz que afugenta as trevas. • É a luz que ilumina, que dá significado à Vida e a valoriza, mas, se procurarmos em suas lições apenas conforto e bem- estar para nós, sem compreendero seu apelo maior, convocando-nos à Fraternidade, então sua claridade ficará aprisionada no vaso do egoísmo e de nada valerá, pois, apesar de detê-lacontinuaremos na escuridão de nossas mazelas. 3
  • 22. • A luz simboliza o esclarecimento, a orientação, o processo educativo, capazes de nos transformar para melhor, nos libertando do vale de lágrimas e de dores onde, usualmente, estamos relegados. • A candeia deve ser colocada, não debaixo do alqueire, encoberta pela indiferença ou interesse pessoais, mas no velador, para que possa oferecer luz a todos. • É óbvio que cada um assimila de acordo com a sua percepção e com o seu piso evolutivo. • A plena capacidade de irradiação da luz indica, também, o espírito de solidariedade, amor e cooperação que deve estar presente nas relações humanas.
  • 23. • Busquemos ser as melhores pessoas que possamos ser, “lutando contra as sombras que ainda nos perturbam a existência, para que se faça em nós o reinado da luz” , todos os dias.
  • 24. 1.KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005, questão 622, p. 307. 2.SIMONETTI, Richard. A voz do monte. 7. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Item: O tempero da vida, p. 57-59. 3. . Item: O brilho do bem, p. 62. 4. . p. 62-63. 5. VINICIUS. Em torno do mestre. 8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002. Item: O sal da terra, p. 265. 6. . p. 266. 7. . Nas pegadas do mestre. 10. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Item: O sal da terra, p. 191. 8.XAVIER, Francisco Cândido. Pai nosso. Pelo Espírito Meimei. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Cap. 1 (Pai nosso que estás nos céus), p. 11. 9. . Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. 24. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Cap. 60 (Que fazeis de especial?), p.141-142.