SlideShare uma empresa Scribd logo
Livro de Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier
Espiritismo na Atualidade
Lição 22
 O tema nos convida a uma primeira reflexão, antes mesmo
de adentrarmos em mais uma valorosa lição do livro
Roteiro: o que o espiritismo representa na atualidade da
minha vida?
 Pensar no espiritismo é primeiramente verificá-lo em
nossas vidas. Quando me tornei espírita? O que me levou a
ir ao encontro desta doutrina? O que o espiritismo
representa em minha vida? E, a pergunta fundamental,
estou melhor depois de ter-me tornado espírita?
 Não nos interessa analisar o espiritismo na vida do outro, mas sim em nossa vida,
no que tange ao meu viver e isto se dá porque sou eu quem responderei diante de
Deus e de minha consciência o que faço diante de conhecimentos tão importantes.
 Certamente, verificar o movimento como um todo é necessário a fim de se verificar
rumos, porém, nossa visão sempre será restringida por pontos de vista, alguns
muitas vezes equivocados. Muito do que se realiza no espiritismo é silencioso,
espíritos superiores revestidos da mais profunda humildade adentram na Terra
incógnitos para auxiliar e distanciam-se dos holofotes e dos aplausos buscando tão
somente auxiliar e servir sem alardes. Eis a razão pela qual nossa avaliação do todo
estará sempre atrelada aos frutos que produz, como bem nos ensinou o Cristo.
 Iniciemos, assim, as reflexões da lição, sugeridas por Emmanuel.
 "O Espiritismo, nos tempos modernos, é, sem dúvida, a"O Espiritismo, nos tempos modernos, é, sem dúvida, a
revivescência do Cristianismo em seus fundamentos maisrevivescência do Cristianismo em seus fundamentos mais
simples." Roteirosimples." Roteiro
 Quais eram estes fundamentos que precisam ser vivificados em
nossos corações?
 O livro Ave Cristo, de Emmanuel, nos traz um
belíssimo relato destes tempos idos que, hoje,
somos convidados a reviver.
 "Dificilmente, à distância de séculos, poderá
alguém perceber, com exatidão, a sublimidade
do Cristianismo primitivo.
 Experimentados pela dor, amavam-se os
irmãos na fé, segundo os padrões do Senhor.
 Em toda a parte, a organização evangélica
orava para servir e dar, em vez de orar para
ser servida e receber.
 Os cristãos eram conhecidos pela capacidade
de sacrifício pessoal, a bem de todos, pela boa
vontade, pela humildade sincera, pela
cooperação fraternal e pela diligência que
empregavam no aperfeiçoamento de si
mesmos.
 Amavam-se reciprocamente, estendendo os
raios de sua abnegação afetiva por todos os
núcleos da luta humana, jamais traindo a
vocação de ajudar sem recompensa, ainda
mesmo diante dos mais renitentes algozes.
 Ao invés de fomentarem discórdia e revolta,
entre os companheiros jungidos à canga da
escravidão, honravam no trabalho digno a
melhor maneira de amparar-lhes a libertação.
 Sabiam apagar os pruridos do egoísmo para
abrigarem, sob o próprio teto, os
remanescentes das perseguições.
 Inflamados de fé na imortalidade da alma, não
receavam a morte. Os companheiros
martirizados partiam como soldados de Jesus,
cujas famílias, na retaguarda, lhes cabia
proteger e educar." Trecho do livro Ave Cristo
sobre a Igreja de Lião.”
 Eis o Roteiro de amor e luz que
somos convidados a resgatar,
tarefa árdua, difícil, porém, possível e necessária.
 Sigamos a lição.
 "Descerrando a cortina densa, postada entre os dois mundos, nos
domínios vibratórios em que a vida se manifesta, mereceu, desde a
primeira hora de suas arregimentações doutrinárias, o interesse da
ciência investigadora que procura escravizá-lo ao gabinete ou ao
laboratório, qual se fora mera descoberta de energias ocultas da
natureza, como a da eletricidade, que o homem submete ao seu bel-
prazer, na extensão de vantagens ao comodismo físico." Roteiro
 Reduzir o espiritismo ao seu aspecto científico é um engano que atravessa os séculos
e persiste em nosso meio.
 Esclarece-nos o benfeitor mostrando-nos este movimento do homem, de querer
"submeter ao seu bel-prazer" esta doutrina de luz, retirando-lhe a profundidade de
que se reveste para mostrar-lhe apenas o aspecto que a ciência alcança é um
limitador (escravizá-lo ao gabinete).
 Se temos esta tendência, identificando-nos com os estudos que tratam mais dos
aspectos científicos da doutrina, precisamos, então, buscar o equílibrio para que o
nosso orgulho e a nossa vontade de submeter a doutrina aos nossos desejos não se
concretize.
 A ciência é necessária, importante e profundamente esclarecedora, mas jamais irá
dar, na íntegra, ao espiritismo o espaço que este necessita ocupar em nossas vidas e
corações. A doutrina espírita é mensagem do Cristo à humanidade, mensagem clara
e límpida, convidando-nos a um novo viver pautado na fé raciocinada.
 Caminhemos um pouco mais com Emmanuel.
 "Interessada no fenômeno, a especulação
analisa-lhe os componentes, acreditando
encontrar, no intercâmbio entre as duas esferas,
nada mais que respostas a velhas questões de
filosofia, sem qualquer consequencia de ordem
moral, na experiência humana." Roteiro
 Quando o espiritismo é solução para a vida
alheia e não para a minha, quando assistimos a
uma palestra, lemos um livro ou comparecemos
a uma reunião pensando em como isto seria útil
a fulano ou ciclano, estamos caminhando como
filósofos que analisam as questões do mundo,
dando aos fatos as mais diversas teorias, sem
contudo adentrarmos no mundo interior que
necessita ser desbravado.
 Nossos sentimentos necessitam de todo
nosso esforço e energia para serem
trabalhados e melhorados, de tal forma
que quem se ocupa com sua reforma
íntima, raramente tem tempo ou
disposição para criticar a vida alheia.
 Abordemos, enfim, a questão religiosa:
 "Erra, todavia, quem se norteia por essas
normas, de vez que o Espiritismo,
positivando a sobrevivência além da
morte, envolve em si mesmo vasto
quadro de ilações, no campo da ética
religiosa, constrangendo o homem a
mais largas reflexões no campo da
justiça.
 Não cogitamos aqui de dogmática, de
apologética ou de qualquer outro ramo
das escolas de fé em seus aspectos
sectários.
 Não nos reportamos a religiões, mas à
Religião, propriamente considerada
como sistema de crescimento da alma
para celeste comunhão com o Espírito
Divino." Roteiro
 Como saber, então, se estamos no caminho correto? Como saber seComo saber, então, se estamos no caminho correto? Como saber se
estamos neste "sistema de crescimento da alma para a celesteestamos neste "sistema de crescimento da alma para a celeste
comunhão com o Espírito Divina"?comunhão com o Espírito Divina"?
 Podemos aparentar evolução, podemos aparentar superioridade,Podemos aparentar evolução, podemos aparentar superioridade,
mas Deus nos conhece intimamente e sabe o que vai em nossomas Deus nos conhece intimamente e sabe o que vai em nosso
coração.coração.
 Emmanuel nos esclarece sobre esta questão na lição
Sentimento e Razão:
 "A razão é o caminho humano. O sentimento é a luz
divina. Por esse motivo todos os investigadores da
verdade transcendente que percorram a estrada da
experimentação, sem a fé, marcham às escuras e, não
raro, esbarram na solidão e no desespero supremos.
 A ciência analítica, a filosofia especulativa podem
fazer muito pelo Espiritismo, dentro de seus métodos
experimentais, mas, sem a claridade religiosa,
oriunda das ilações do campo doutrinário, estaria ele
destinado a representar um papel tão humano e tão
transitório, como o das mais notáveis filosofias que o
precederam, abrindo as janelas douradas de seus
castelos teóricos no mundo, acenando às almas com
o jogo das palavras, mas passando… passando
sempre, um curso do tempo, acabando mumificadas
no sarcófago das bibliotecas esquecidas.
 Os espiritistas sinceros devem saber que a ciência e a
filosofia do planeta são um conjunto de verdades
provisórias. Suas equações variam de cérebro a cérebro,
como de escola para escola. Sem estabilidade no tempo,
ambas acompanham os voos do sentimento, de quando
em quando aceso pela fagulha do gênio, que despreza a
rotina e o convencionalismo, para iluminar a estrada do
futuro infinito. Só o sentimento é bastante grande para
elevar-se da esfera comum, quebrando as fórmulas
rasteiras.
 É por essa causa justa que o espiritista cristão,
invocando o raciocínio, em todos os instantes da vida,
não deve esquecer sua iluminação própria na fé, de sua
elevação sentimental, de sua riqueza interior, em suma,
de seu aperfeiçoamento individual, na lei do esforço
próprio. 15 E é ainda por isso que todos os
trabalhadores espirituais da grande causa centralizam
os seus ensinamentos em Cristo Jesus, fundamento de
toda a verdade sobre a Terra e Modelo Supremo de
todas as criaturas humanas, em face de sua necessidade
imediata de renovação interior." Livro Coletânea do
Além - lição 48
 Por muitos séculos temos trabalhado em prol do nosso avanço intelectual,
não obstante, o mundo nunca esteve tão necessitado de valores morais
como a compaixão e a caridade.
 Sigamos em frente com mais um trecho do livro Roteiro.
 "Desdobrando o painel das responsabilidades que a vida nos confere, o"Desdobrando o painel das responsabilidades que a vida nos confere, o
novo movimento de revelação implica abençoado e compulsórionovo movimento de revelação implica abençoado e compulsório
desenvolvimento mental.desenvolvimento mental.
 A permuta com os círculos de ação dos desencarnados compele aA permuta com os círculos de ação dos desencarnados compele a
criatura a pensar com mais amplitude, dentro da vida.criatura a pensar com mais amplitude, dentro da vida.
 Novos aspectos da evolução se lhe descortinam e mais rico material deNovos aspectos da evolução se lhe descortinam e mais rico material de
pensamento lhe enriquece os celeiros do raciocínio e da observação."pensamento lhe enriquece os celeiros do raciocínio e da observação."
RoteiroRoteiro
 A doutrina espírita nos permite um novo olhar para o mundo que nos cerca,
até mesmo o mundo que não vemos com nossos olhos físicos.
 Este entendimento promoverá em cada ser motivações e resultados
distintos, mas certamente, mais amplos.
 A vida que antes se restringia a uma experiência agora é compreendida
como a multiplicidade de experiências, ora aqui, ora acolá, permitindo-nos
um novo olhar até mesmo sobre a enfermidade e a morte física.
 Observará o próximo sabendo que cada um trilha seu caminho evolutivo e
todos, a seu tempo, encontrarão um caminho de luz para trilhar, e isto lhe
permitira um olhar mais branco, mais indulgente com as faltas alheias e até
mesmo com as próprias faltas.
 O espiritismo nos ensina que somos responsáveis pelo caminho que
trilhamos, semeando e colhendo através dos séculos e dos milênios.
 Eis o papel do herdeiro, que deixa de ser alguém
que assiste a tudo passivamente, qual imposição
do destino, para assumir o seu papel de alguém
que responde por suas atitudes e pensamentos,
diante de si mesmo e diante de Deus, buscando
melhorar-se a cada passo, errando e
recomeçando, sempre no intuito de renovar-se.
 Sigamos com a lição.
 "Entretanto, como cada recipiente guarda o
conteúdo dessa ou daquela substância, segundo
a conformação e a situação que lhe são
próprias, a Doutrina Renovadora, com os seus
benefícios, passa despercebida ou escassamente
aproveitada pelos que se inclinam às discussões
sem utilidade, pelos que se demoram no êxtase
improdutivo ou pelos que se arrojam aos
despenhadeiros da sombra, companheiros ainda
inaptos para os conhecimentos de ordem
superior, trazidos à Terra, não para a defesa do
egoísmo ou da animalidade, mas sim para a
espiritualização de todos os seres." Roteiro
 Perceber a riqueza que o conhecimento do espiritismo nos oferta e,
também, tornar-se responsável pelo que se faz com este saber.
 O que seriam, então, discussões sem utilidade?
 Para responder a esta pergunta precisamos saber qual o objetivo da
reencarnação.
 A questão 132 do Livro dos Espíritos nos esclarece:
 Objetivo da encarnação

132. Qual o objetivo da encarnação dos
Espíritos?

“Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-
los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para
outros, missão. Mas, para alcançarem essa
perfeição, têm que sofrer todas as vicissitudes da
existência corporal: nisso é que está a expiação.
Visa ainda outro fim a encarnação: o de pôr o
Espírito em condições de suportar a parte que lhe
toca na obra da criação. Para executá-la é que, em
cada mundo, toma o Espírito um instrumento em
harmonia com a matéria essencial desse mundo, a
fim de aí cumprir, daquele ponto de vista, as
ordens de Deus. É assim que, concorrendo para a
obra geral, ele próprio se adianta.”
 A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo. Deus,A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo. Deus,
porém, na Sua sabedoria, quis que nessa mesma ação eles encontrassemporém, na Sua sabedoria, quis que nessa mesma ação eles encontrassem
um meio de progredir e de se aproximar Dele. Deste modo, por umaum meio de progredir e de se aproximar Dele. Deste modo, por uma
admirável lei da Providência, tudo se encadeia, tudo é solidário naadmirável lei da Providência, tudo se encadeia, tudo é solidário na
Natureza.Natureza.
 Estamos encarnados para progredir e toda a nossa energia deve serEstamos encarnados para progredir e toda a nossa energia deve ser
nesta direção, assim, discussões que não visem o aprimoramento donesta direção, assim, discussões que não visem o aprimoramento do
homem, seja no aspecto intelectual ou moral, devem ser evitadas a fimhomem, seja no aspecto intelectual ou moral, devem ser evitadas a fim
de que façamos bom proveito desta existência que nos é concedida.de que façamos bom proveito desta existência que nos é concedida.
 Mas não é apenas saber, é sobretudo buscar a vivência desta conhecimento
pautado no exemplo do Cristo, nosso modelo e guia. É neste sentido que
Emmanuel prossegue a lição.
 "De que nos valeria a prodigiosa descoberta de Watt, se o vapor não fosse
disciplinado, a benefício da civilização? Que faríamos da eletricidade, sem
os elementos de contenção e transformação que lhe controlam os
impulsos?" Roteiro
 É preciso que deixemos o conhecimento entrar em nossas vidas,
promovendo a reforma íntima da qual tanto necessitamos. Tal qual pedra
bruta que está sendo lapidada, reconheceremos nas lutas diárias ricas
oportunidades de aprender e melhorar. Reconheceremos nossa imperfeição
e não nos ateremos a ela com culpa ou estagnação, mas buscaremos os mais
diversos meios para crescermos e evoluirmos.
 A nossa vontade nos dirige e a ela precisamos associar a disciplina,
como nos explica Emmanuel em mais este trecho da lição:
 "No Espiritismo fenomênico, somos constantemente defrontados"No Espiritismo fenomênico, somos constantemente defrontados
por aluviões de forças inteligentes, mas nem sempre sublimadas,por aluviões de forças inteligentes, mas nem sempre sublimadas,
que nos assediam e nos reclamam. Aprendemos que a morte éque nos assediam e nos reclamam. Aprendemos que a morte é
questão de sequencia nos serviços da natureza.Reconhecemos que aquestão de sequencia nos serviços da natureza.Reconhecemos que a
vida estua, ao redor de nossos passos, nos mais variados graus devida estua, ao redor de nossos passos, nos mais variados graus de
evolução. Daí o impositivo da força disciplinar. Urge oevolução. Daí o impositivo da força disciplinar. Urge o
estabelecimento de recursos para a ordenação justa dasestabelecimento de recursos para a ordenação justa das
manifestações que dizem respeito à nova ordem de princípios que semanifestações que dizem respeito à nova ordem de princípios que se
instalam vitoriosos na mente de cada um." Roteiroinstalam vitoriosos na mente de cada um." Roteiro
 Emmanuel afirma no livro Joia que "a disciplina é
alicerce da vida". Mostra-nos que temos a liberdade
de agir, dispomos do nosso livre-arbítrio em todos os
aspectos de nossa existência. Prossegue o benfeitor,
alertando-nos: "Estejamos alertas no mundo de nós
mesmos, procurando aprender e servir, nas bases do
amor puro e da humildade, de vez que todos nós, à
luz do discernimento, dispomos de liberdade para
cumprir as obrigações que nos cabem perante a Lei,
plasmando o direito ao Céu, a começar de nós, ou
para cultivar a rebeldia sistemática, pela qual
arrasamos os talentos divinos, gerando em nossas
almas os agentes do desequilíbrio que equivale na
vida ao martírio infernal." (livro Joia)
 Disciplina para estudar, para realizar as tarefas no
trabalho, em casa e, também, as voluntárias, com
todo amor e zelo, aproveitando-as para o constante
lapidar a que somos submetidos.
 Não basta esta encarnado, é preciso que
aproveitemos as oportunidades que a encarnação nos
oferta.
 Encerra a lição:
 "E, para cumprir essa grande missão, o Evangelho é chamado"E, para cumprir essa grande missão, o Evangelho é chamado
a orientar os aprendizes da ciência do espírito, para que,a orientar os aprendizes da ciência do espírito, para que,
levianos ou desavisados, não se precipitem a imensoslevianos ou desavisados, não se precipitem a imensos
resvaladouros de amargura ou desilusão." Roteiroresvaladouros de amargura ou desilusão." Roteiro
 Pautemos a nossa vida nos ensinos morais do Evangelho de
Jesus, cuidemos para que a caridade seja um norte em nossas
vidas e corações. Tenhamos consciência e maturidade para
sermos quem queremos ser, sem desculpas, sem atrasos, mas,
sempre, com alegria e fé, seguindo em frente.
 Jesus nos guie em sua seara divina, alertando-nos para os
desenganos que o caminho nos oferece.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38
Candice Gunther
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
Lorena Dias
 
Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27
Candice Gunther
 
Não vos afadigueis pela posse do ouro
Não vos afadigueis pela posse do ouroNão vos afadigueis pela posse do ouro
Não vos afadigueis pela posse do ouro
Henrique Vieira
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
NatyMadeira
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
Izabel Cristina Fonseca
 
Capítulo vii – bem aventurados os pobres de espírito
Capítulo vii – bem aventurados os pobres de espíritoCapítulo vii – bem aventurados os pobres de espírito
Capítulo vii – bem aventurados os pobres de espírito
alice martins
 
Ante Os Pequeninos
Ante Os PequeninosAnte Os Pequeninos
Ante Os Pequeninos
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
grupodepaisceb
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
Sergio Menezes
 
Missão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terraMissão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terra
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
Jose Ferreira Almeida Almeida
 
Emprego da riqueza
Emprego da riquezaEmprego da riqueza
Emprego da riqueza
Kclitiacadente
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
alice martins
 
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade   aula 15 - reunioes mediunicasMediunidade   aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
Augusto Luvisotto
 
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda... Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Tiburcio Santos
 

Mais procurados (20)

Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
 
Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23Estudo do livro Roteiro lição 23
Estudo do livro Roteiro lição 23
 
Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27Estudo do livro Roteiro lição 27
Estudo do livro Roteiro lição 27
 
Não vos afadigueis pela posse do ouro
Não vos afadigueis pela posse do ouroNão vos afadigueis pela posse do ouro
Não vos afadigueis pela posse do ouro
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Capítulo vii – bem aventurados os pobres de espírito
Capítulo vii – bem aventurados os pobres de espíritoCapítulo vii – bem aventurados os pobres de espírito
Capítulo vii – bem aventurados os pobres de espírito
 
Ante Os Pequeninos
Ante Os PequeninosAnte Os Pequeninos
Ante Os Pequeninos
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 
Missão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terraMissão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terra
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
 
Emprego da riqueza
Emprego da riquezaEmprego da riqueza
Emprego da riqueza
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
 
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade   aula 15 - reunioes mediunicasMediunidade   aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
 
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda... Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro lição 22

Jesus e a Lei da Atração
Jesus e a Lei da AtraçãoJesus e a Lei da Atração
Jesus e a Lei da Atração
Ademir Alves de Abreu
 
Jesus e a lei da atração uma nova visão cristã sobre o universo quântico
Jesus e a lei da atração   uma nova visão cristã sobre o universo quânticoJesus e a lei da atração   uma nova visão cristã sobre o universo quântico
Jesus e a lei da atração uma nova visão cristã sobre o universo quântico
Mautama
 
Estudando a mediunidade
Estudando a mediunidadeEstudando a mediunidade
Estudando a mediunidade
havatar
 
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
Rafael Monteiro Moyses
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
Candice Gunther
 
(2) sociedade teosófica parte ii - o movimento
(2) sociedade teosófica   parte ii - o movimento(2) sociedade teosófica   parte ii - o movimento
(2) sociedade teosófica parte ii - o movimento
Graciette Andrade
 
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
Ricardo Akerman
 
( Espiritismo) # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo
( Espiritismo)   # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo( Espiritismo)   # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo
( Espiritismo) # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo
Roberto Mac
 
Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)
Helio Cruz
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
Geead - Excelência Pedagógica do Espiritismo
Geead - Excelência Pedagógica do EspiritismoGeead - Excelência Pedagógica do Espiritismo
Geead - Excelência Pedagógica do Espiritismo
Geead Abu Dhabi
 
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
6º Conselho Espírita de Unificação
 
1 O que é Espiritismo
1   O que é Espiritismo1   O que é Espiritismo
1 O que é Espiritismo
CEJG
 
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca  O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
Diego Silva
 
Entendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladorEntendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consolador
marciot
 
O Cristianismo Esoterico
O Cristianismo EsotericoO Cristianismo Esoterico
O Cristianismo Esoterico
RODRIGO ORION
 
principios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismoprincipios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismo
cleomarjunior
 
Reforma intima aula 2
Reforma intima aula 2Reforma intima aula 2
Reforma intima aula 2
Moacyr Costa Júnior
 
Seara dos médiuns chico xavier
Seara dos médiuns   chico xavierSeara dos médiuns   chico xavier
Seara dos médiuns chico xavier
havatar
 
Resenha de estudos espiritas 01
Resenha de estudos espiritas 01Resenha de estudos espiritas 01
Resenha de estudos espiritas 01
MRS
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro lição 22 (20)

Jesus e a Lei da Atração
Jesus e a Lei da AtraçãoJesus e a Lei da Atração
Jesus e a Lei da Atração
 
Jesus e a lei da atração uma nova visão cristã sobre o universo quântico
Jesus e a lei da atração   uma nova visão cristã sobre o universo quânticoJesus e a lei da atração   uma nova visão cristã sobre o universo quântico
Jesus e a lei da atração uma nova visão cristã sobre o universo quântico
 
Estudando a mediunidade
Estudando a mediunidadeEstudando a mediunidade
Estudando a mediunidade
 
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
 
(2) sociedade teosófica parte ii - o movimento
(2) sociedade teosófica   parte ii - o movimento(2) sociedade teosófica   parte ii - o movimento
(2) sociedade teosófica parte ii - o movimento
 
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
 
( Espiritismo) # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo
( Espiritismo)   # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo( Espiritismo)   # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo
( Espiritismo) # - nadja c vale - reflexoes à luz do espiritismo
 
Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Geead - Excelência Pedagógica do Espiritismo
Geead - Excelência Pedagógica do EspiritismoGeead - Excelência Pedagógica do Espiritismo
Geead - Excelência Pedagógica do Espiritismo
 
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
 
1 O que é Espiritismo
1   O que é Espiritismo1   O que é Espiritismo
1 O que é Espiritismo
 
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca  O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
 
Entendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladorEntendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consolador
 
O Cristianismo Esoterico
O Cristianismo EsotericoO Cristianismo Esoterico
O Cristianismo Esoterico
 
principios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismoprincipios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismo
 
Reforma intima aula 2
Reforma intima aula 2Reforma intima aula 2
Reforma intima aula 2
 
Seara dos médiuns chico xavier
Seara dos médiuns   chico xavierSeara dos médiuns   chico xavier
Seara dos médiuns chico xavier
 
Resenha de estudos espiritas 01
Resenha de estudos espiritas 01Resenha de estudos espiritas 01
Resenha de estudos espiritas 01
 

Mais de Candice Gunther

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Candice Gunther
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
Candice Gunther
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Candice Gunther
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
Candice Gunther
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
Candice Gunther
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
Candice Gunther
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
Candice Gunther
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21
Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
Candice Gunther
 

Mais de Candice Gunther (20)

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
 
Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40Estudo do livro Roteiro lição 40
Estudo do livro Roteiro lição 40
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
 
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
 
Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
 

Último

7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 

Último (20)

7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 

Estudo do livro Roteiro lição 22

  • 1. Livro de Emmanuel Psicografia de Chico Xavier Espiritismo na Atualidade Lição 22
  • 2.  O tema nos convida a uma primeira reflexão, antes mesmo de adentrarmos em mais uma valorosa lição do livro Roteiro: o que o espiritismo representa na atualidade da minha vida?  Pensar no espiritismo é primeiramente verificá-lo em nossas vidas. Quando me tornei espírita? O que me levou a ir ao encontro desta doutrina? O que o espiritismo representa em minha vida? E, a pergunta fundamental, estou melhor depois de ter-me tornado espírita?
  • 3.  Não nos interessa analisar o espiritismo na vida do outro, mas sim em nossa vida, no que tange ao meu viver e isto se dá porque sou eu quem responderei diante de Deus e de minha consciência o que faço diante de conhecimentos tão importantes.  Certamente, verificar o movimento como um todo é necessário a fim de se verificar rumos, porém, nossa visão sempre será restringida por pontos de vista, alguns muitas vezes equivocados. Muito do que se realiza no espiritismo é silencioso, espíritos superiores revestidos da mais profunda humildade adentram na Terra incógnitos para auxiliar e distanciam-se dos holofotes e dos aplausos buscando tão somente auxiliar e servir sem alardes. Eis a razão pela qual nossa avaliação do todo estará sempre atrelada aos frutos que produz, como bem nos ensinou o Cristo.
  • 4.  Iniciemos, assim, as reflexões da lição, sugeridas por Emmanuel.  "O Espiritismo, nos tempos modernos, é, sem dúvida, a"O Espiritismo, nos tempos modernos, é, sem dúvida, a revivescência do Cristianismo em seus fundamentos maisrevivescência do Cristianismo em seus fundamentos mais simples." Roteirosimples." Roteiro  Quais eram estes fundamentos que precisam ser vivificados em nossos corações?
  • 5.  O livro Ave Cristo, de Emmanuel, nos traz um belíssimo relato destes tempos idos que, hoje, somos convidados a reviver.  "Dificilmente, à distância de séculos, poderá alguém perceber, com exatidão, a sublimidade do Cristianismo primitivo.  Experimentados pela dor, amavam-se os irmãos na fé, segundo os padrões do Senhor.  Em toda a parte, a organização evangélica orava para servir e dar, em vez de orar para ser servida e receber.  Os cristãos eram conhecidos pela capacidade de sacrifício pessoal, a bem de todos, pela boa vontade, pela humildade sincera, pela cooperação fraternal e pela diligência que empregavam no aperfeiçoamento de si mesmos.
  • 6.  Amavam-se reciprocamente, estendendo os raios de sua abnegação afetiva por todos os núcleos da luta humana, jamais traindo a vocação de ajudar sem recompensa, ainda mesmo diante dos mais renitentes algozes.  Ao invés de fomentarem discórdia e revolta, entre os companheiros jungidos à canga da escravidão, honravam no trabalho digno a melhor maneira de amparar-lhes a libertação.  Sabiam apagar os pruridos do egoísmo para abrigarem, sob o próprio teto, os remanescentes das perseguições.  Inflamados de fé na imortalidade da alma, não receavam a morte. Os companheiros martirizados partiam como soldados de Jesus, cujas famílias, na retaguarda, lhes cabia proteger e educar." Trecho do livro Ave Cristo sobre a Igreja de Lião.”
  • 7.  Eis o Roteiro de amor e luz que somos convidados a resgatar, tarefa árdua, difícil, porém, possível e necessária.  Sigamos a lição.  "Descerrando a cortina densa, postada entre os dois mundos, nos domínios vibratórios em que a vida se manifesta, mereceu, desde a primeira hora de suas arregimentações doutrinárias, o interesse da ciência investigadora que procura escravizá-lo ao gabinete ou ao laboratório, qual se fora mera descoberta de energias ocultas da natureza, como a da eletricidade, que o homem submete ao seu bel- prazer, na extensão de vantagens ao comodismo físico." Roteiro
  • 8.  Reduzir o espiritismo ao seu aspecto científico é um engano que atravessa os séculos e persiste em nosso meio.  Esclarece-nos o benfeitor mostrando-nos este movimento do homem, de querer "submeter ao seu bel-prazer" esta doutrina de luz, retirando-lhe a profundidade de que se reveste para mostrar-lhe apenas o aspecto que a ciência alcança é um limitador (escravizá-lo ao gabinete).  Se temos esta tendência, identificando-nos com os estudos que tratam mais dos aspectos científicos da doutrina, precisamos, então, buscar o equílibrio para que o nosso orgulho e a nossa vontade de submeter a doutrina aos nossos desejos não se concretize.  A ciência é necessária, importante e profundamente esclarecedora, mas jamais irá dar, na íntegra, ao espiritismo o espaço que este necessita ocupar em nossas vidas e corações. A doutrina espírita é mensagem do Cristo à humanidade, mensagem clara e límpida, convidando-nos a um novo viver pautado na fé raciocinada.
  • 9.  Caminhemos um pouco mais com Emmanuel.  "Interessada no fenômeno, a especulação analisa-lhe os componentes, acreditando encontrar, no intercâmbio entre as duas esferas, nada mais que respostas a velhas questões de filosofia, sem qualquer consequencia de ordem moral, na experiência humana." Roteiro  Quando o espiritismo é solução para a vida alheia e não para a minha, quando assistimos a uma palestra, lemos um livro ou comparecemos a uma reunião pensando em como isto seria útil a fulano ou ciclano, estamos caminhando como filósofos que analisam as questões do mundo, dando aos fatos as mais diversas teorias, sem contudo adentrarmos no mundo interior que necessita ser desbravado.
  • 10.  Nossos sentimentos necessitam de todo nosso esforço e energia para serem trabalhados e melhorados, de tal forma que quem se ocupa com sua reforma íntima, raramente tem tempo ou disposição para criticar a vida alheia.  Abordemos, enfim, a questão religiosa:  "Erra, todavia, quem se norteia por essas normas, de vez que o Espiritismo, positivando a sobrevivência além da morte, envolve em si mesmo vasto quadro de ilações, no campo da ética religiosa, constrangendo o homem a mais largas reflexões no campo da justiça.  Não cogitamos aqui de dogmática, de apologética ou de qualquer outro ramo das escolas de fé em seus aspectos sectários.  Não nos reportamos a religiões, mas à Religião, propriamente considerada como sistema de crescimento da alma para celeste comunhão com o Espírito Divino." Roteiro
  • 11.  Como saber, então, se estamos no caminho correto? Como saber seComo saber, então, se estamos no caminho correto? Como saber se estamos neste "sistema de crescimento da alma para a celesteestamos neste "sistema de crescimento da alma para a celeste comunhão com o Espírito Divina"?comunhão com o Espírito Divina"?  Podemos aparentar evolução, podemos aparentar superioridade,Podemos aparentar evolução, podemos aparentar superioridade, mas Deus nos conhece intimamente e sabe o que vai em nossomas Deus nos conhece intimamente e sabe o que vai em nosso coração.coração.
  • 12.  Emmanuel nos esclarece sobre esta questão na lição Sentimento e Razão:  "A razão é o caminho humano. O sentimento é a luz divina. Por esse motivo todos os investigadores da verdade transcendente que percorram a estrada da experimentação, sem a fé, marcham às escuras e, não raro, esbarram na solidão e no desespero supremos.  A ciência analítica, a filosofia especulativa podem fazer muito pelo Espiritismo, dentro de seus métodos experimentais, mas, sem a claridade religiosa, oriunda das ilações do campo doutrinário, estaria ele destinado a representar um papel tão humano e tão transitório, como o das mais notáveis filosofias que o precederam, abrindo as janelas douradas de seus castelos teóricos no mundo, acenando às almas com o jogo das palavras, mas passando… passando sempre, um curso do tempo, acabando mumificadas no sarcófago das bibliotecas esquecidas.
  • 13.  Os espiritistas sinceros devem saber que a ciência e a filosofia do planeta são um conjunto de verdades provisórias. Suas equações variam de cérebro a cérebro, como de escola para escola. Sem estabilidade no tempo, ambas acompanham os voos do sentimento, de quando em quando aceso pela fagulha do gênio, que despreza a rotina e o convencionalismo, para iluminar a estrada do futuro infinito. Só o sentimento é bastante grande para elevar-se da esfera comum, quebrando as fórmulas rasteiras.  É por essa causa justa que o espiritista cristão, invocando o raciocínio, em todos os instantes da vida, não deve esquecer sua iluminação própria na fé, de sua elevação sentimental, de sua riqueza interior, em suma, de seu aperfeiçoamento individual, na lei do esforço próprio. 15 E é ainda por isso que todos os trabalhadores espirituais da grande causa centralizam os seus ensinamentos em Cristo Jesus, fundamento de toda a verdade sobre a Terra e Modelo Supremo de todas as criaturas humanas, em face de sua necessidade imediata de renovação interior." Livro Coletânea do Além - lição 48
  • 14.  Por muitos séculos temos trabalhado em prol do nosso avanço intelectual, não obstante, o mundo nunca esteve tão necessitado de valores morais como a compaixão e a caridade.  Sigamos em frente com mais um trecho do livro Roteiro.  "Desdobrando o painel das responsabilidades que a vida nos confere, o"Desdobrando o painel das responsabilidades que a vida nos confere, o novo movimento de revelação implica abençoado e compulsórionovo movimento de revelação implica abençoado e compulsório desenvolvimento mental.desenvolvimento mental.  A permuta com os círculos de ação dos desencarnados compele aA permuta com os círculos de ação dos desencarnados compele a criatura a pensar com mais amplitude, dentro da vida.criatura a pensar com mais amplitude, dentro da vida.  Novos aspectos da evolução se lhe descortinam e mais rico material deNovos aspectos da evolução se lhe descortinam e mais rico material de pensamento lhe enriquece os celeiros do raciocínio e da observação."pensamento lhe enriquece os celeiros do raciocínio e da observação." RoteiroRoteiro
  • 15.  A doutrina espírita nos permite um novo olhar para o mundo que nos cerca, até mesmo o mundo que não vemos com nossos olhos físicos.  Este entendimento promoverá em cada ser motivações e resultados distintos, mas certamente, mais amplos.  A vida que antes se restringia a uma experiência agora é compreendida como a multiplicidade de experiências, ora aqui, ora acolá, permitindo-nos um novo olhar até mesmo sobre a enfermidade e a morte física.  Observará o próximo sabendo que cada um trilha seu caminho evolutivo e todos, a seu tempo, encontrarão um caminho de luz para trilhar, e isto lhe permitira um olhar mais branco, mais indulgente com as faltas alheias e até mesmo com as próprias faltas.  O espiritismo nos ensina que somos responsáveis pelo caminho que trilhamos, semeando e colhendo através dos séculos e dos milênios.
  • 16.  Eis o papel do herdeiro, que deixa de ser alguém que assiste a tudo passivamente, qual imposição do destino, para assumir o seu papel de alguém que responde por suas atitudes e pensamentos, diante de si mesmo e diante de Deus, buscando melhorar-se a cada passo, errando e recomeçando, sempre no intuito de renovar-se.  Sigamos com a lição.  "Entretanto, como cada recipiente guarda o conteúdo dessa ou daquela substância, segundo a conformação e a situação que lhe são próprias, a Doutrina Renovadora, com os seus benefícios, passa despercebida ou escassamente aproveitada pelos que se inclinam às discussões sem utilidade, pelos que se demoram no êxtase improdutivo ou pelos que se arrojam aos despenhadeiros da sombra, companheiros ainda inaptos para os conhecimentos de ordem superior, trazidos à Terra, não para a defesa do egoísmo ou da animalidade, mas sim para a espiritualização de todos os seres." Roteiro
  • 17.  Perceber a riqueza que o conhecimento do espiritismo nos oferta e, também, tornar-se responsável pelo que se faz com este saber.  O que seriam, então, discussões sem utilidade?  Para responder a esta pergunta precisamos saber qual o objetivo da reencarnação.  A questão 132 do Livro dos Espíritos nos esclarece:
  • 18.  Objetivo da encarnação  132. Qual o objetivo da encarnação dos Espíritos?  “Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê- los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para outros, missão. Mas, para alcançarem essa perfeição, têm que sofrer todas as vicissitudes da existência corporal: nisso é que está a expiação. Visa ainda outro fim a encarnação: o de pôr o Espírito em condições de suportar a parte que lhe toca na obra da criação. Para executá-la é que, em cada mundo, toma o Espírito um instrumento em harmonia com a matéria essencial desse mundo, a fim de aí cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. É assim que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.”
  • 19.  A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo. Deus,A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo. Deus, porém, na Sua sabedoria, quis que nessa mesma ação eles encontrassemporém, na Sua sabedoria, quis que nessa mesma ação eles encontrassem um meio de progredir e de se aproximar Dele. Deste modo, por umaum meio de progredir e de se aproximar Dele. Deste modo, por uma admirável lei da Providência, tudo se encadeia, tudo é solidário naadmirável lei da Providência, tudo se encadeia, tudo é solidário na Natureza.Natureza.  Estamos encarnados para progredir e toda a nossa energia deve serEstamos encarnados para progredir e toda a nossa energia deve ser nesta direção, assim, discussões que não visem o aprimoramento donesta direção, assim, discussões que não visem o aprimoramento do homem, seja no aspecto intelectual ou moral, devem ser evitadas a fimhomem, seja no aspecto intelectual ou moral, devem ser evitadas a fim de que façamos bom proveito desta existência que nos é concedida.de que façamos bom proveito desta existência que nos é concedida.
  • 20.  Mas não é apenas saber, é sobretudo buscar a vivência desta conhecimento pautado no exemplo do Cristo, nosso modelo e guia. É neste sentido que Emmanuel prossegue a lição.  "De que nos valeria a prodigiosa descoberta de Watt, se o vapor não fosse disciplinado, a benefício da civilização? Que faríamos da eletricidade, sem os elementos de contenção e transformação que lhe controlam os impulsos?" Roteiro  É preciso que deixemos o conhecimento entrar em nossas vidas, promovendo a reforma íntima da qual tanto necessitamos. Tal qual pedra bruta que está sendo lapidada, reconheceremos nas lutas diárias ricas oportunidades de aprender e melhorar. Reconheceremos nossa imperfeição e não nos ateremos a ela com culpa ou estagnação, mas buscaremos os mais diversos meios para crescermos e evoluirmos.
  • 21.  A nossa vontade nos dirige e a ela precisamos associar a disciplina, como nos explica Emmanuel em mais este trecho da lição:  "No Espiritismo fenomênico, somos constantemente defrontados"No Espiritismo fenomênico, somos constantemente defrontados por aluviões de forças inteligentes, mas nem sempre sublimadas,por aluviões de forças inteligentes, mas nem sempre sublimadas, que nos assediam e nos reclamam. Aprendemos que a morte éque nos assediam e nos reclamam. Aprendemos que a morte é questão de sequencia nos serviços da natureza.Reconhecemos que aquestão de sequencia nos serviços da natureza.Reconhecemos que a vida estua, ao redor de nossos passos, nos mais variados graus devida estua, ao redor de nossos passos, nos mais variados graus de evolução. Daí o impositivo da força disciplinar. Urge oevolução. Daí o impositivo da força disciplinar. Urge o estabelecimento de recursos para a ordenação justa dasestabelecimento de recursos para a ordenação justa das manifestações que dizem respeito à nova ordem de princípios que semanifestações que dizem respeito à nova ordem de princípios que se instalam vitoriosos na mente de cada um." Roteiroinstalam vitoriosos na mente de cada um." Roteiro
  • 22.  Emmanuel afirma no livro Joia que "a disciplina é alicerce da vida". Mostra-nos que temos a liberdade de agir, dispomos do nosso livre-arbítrio em todos os aspectos de nossa existência. Prossegue o benfeitor, alertando-nos: "Estejamos alertas no mundo de nós mesmos, procurando aprender e servir, nas bases do amor puro e da humildade, de vez que todos nós, à luz do discernimento, dispomos de liberdade para cumprir as obrigações que nos cabem perante a Lei, plasmando o direito ao Céu, a começar de nós, ou para cultivar a rebeldia sistemática, pela qual arrasamos os talentos divinos, gerando em nossas almas os agentes do desequilíbrio que equivale na vida ao martírio infernal." (livro Joia)  Disciplina para estudar, para realizar as tarefas no trabalho, em casa e, também, as voluntárias, com todo amor e zelo, aproveitando-as para o constante lapidar a que somos submetidos.  Não basta esta encarnado, é preciso que aproveitemos as oportunidades que a encarnação nos oferta.
  • 23.  Encerra a lição:  "E, para cumprir essa grande missão, o Evangelho é chamado"E, para cumprir essa grande missão, o Evangelho é chamado a orientar os aprendizes da ciência do espírito, para que,a orientar os aprendizes da ciência do espírito, para que, levianos ou desavisados, não se precipitem a imensoslevianos ou desavisados, não se precipitem a imensos resvaladouros de amargura ou desilusão." Roteiroresvaladouros de amargura ou desilusão." Roteiro  Pautemos a nossa vida nos ensinos morais do Evangelho de Jesus, cuidemos para que a caridade seja um norte em nossas vidas e corações. Tenhamos consciência e maturidade para sermos quem queremos ser, sem desculpas, sem atrasos, mas, sempre, com alegria e fé, seguindo em frente.  Jesus nos guie em sua seara divina, alertando-nos para os desenganos que o caminho nos oferece.