SlideShare uma empresa Scribd logo
Cavaco e Maria estão casados há 3 anos. Não têm filhos e não pretendem tê-los. Ele trabalha como corrector de bolsa e ela é dentista. Auferem bons ordenados e vivem num bom apartamento de Lisboa, Belém. Como não têm dependentes a seu cargo, poucas deduções podem fazer nos impostos que pagam. E pagam bastante. Contudo, boa parte dos seus impostos que pagam são destinados a financiar coisas que não beneficiam. É o caso dos infantários  e das novas escolas que o governo quer construir e de investimentos em auto-estradas que nunca ou raramente utilizarão.
JustiçaRetributivaRefere-se às punições e castigos que Estado inflige a quem comete crimes e infracções.DistributivaRefere-se ao que cada qual vai receber o que é devido quer em termos de encargos necessários ao funcionamento da sociedade e do Estado quer em termos de benefícios (saúde, educação…)
O que é a JustiçaPonto de vista igualitário.Teoria que defende um tratamento igual, uma vez que não há diferenças relevantes entre os seres humanos. Os igualitaristas defendem que numa sociedade justa cada pessoa deve receber uma igual parte dos benefícios que a sociedade proporciona e dos encargos que ela exige.
ObjecçõesOs seres humanos têm diferentes característicasAs pessoas têm méritos diferentesDiferentes desempenhos merecem diferentes reconhecimentos.O igualitarismo é um ideal pouco defendido na prática
O que é a justiça?Ponto de vista utilitarista:É justo o que é socialmente justo. Por isso, deve dar-se a cada um o que é devido mas tendo em conta o interesse global da sociedade.Será justa uma sociedade que , apesar das desigualdades, promove mais o bem-estar geral.
ObjecçõesO Princípio da Utilidade pode gerar situações de injustiças poderá haver casos em que o interesse geral colide com os interesse individuais.As pessoas têm direitos que não devem ser violados seja em que condição for
O que é a justiçaPonto de vista da igualdade de oportunidadesTodos devem ter uma igual oportunidade de conseguir empregos e posição social que permitam uma vida economicamente decente e mesmo a constituição de riqueza, dependendo dos resultados ou do mérito ou do esforço ou da competência.
ObjecçõesExistem pessoas que já estão à partida em vantagem.Iguais condições à partida traduzem-se em resultados diferentes.
					John Rawls			Princípios da Justiça1921-2002
Concepção de justiçaJustiça como equidade – Numa sociedade que se queira justa dever-se-á encontrar um conjunto de princípios que favoreçam a equidade, isto é, a igualdade perante a escolha e reduza ao mínimo os conflitos decorrentes das formas como os diversos sujeitos encaram a distribuição dos benefícios.Só se tolera a desigualdade se esta permitir que os menos favorecidos fiquem o melhor possível.
Teoria da Justiça como Equidade Principais características:  Ao contrário do utilitarismo, como doutrina teleológica, o contratualismo é deontológico: os princípios da justiça estão definidos e dão-nos noções de bem e de pessoa, ao contrário do utilitarismo que se subjaz às questões diárias.Não pretende a maximização do bem, mas sim do justo. Defende abertamente o primado do indivíduo na primordial escolha inicial dos princípios, tornando-o a base de um sistema liberal.A sociedade bem ordenada é vista como um sistema de cooperação que visa obter vantagens recíprocas, regulada por princípios que são escolhidos por sujeitos colocados numa posição inicial que obedece às regras da equidade.
Conflitos entre princípios de justiçase uma sociedade garantir o acesso a uma determinada escolaridade a todos os seus cidadãos e ao mesmo tempo exigir que essa escolaridade seja assegurada por uma escola da área de residência, no caso de uma pessoa preferir uma escola fora da sua área de residência por ser mais competente e estimulante, gera-se um conflito entre a igualdade de oportunidades no acesso à educação e a liberdade de escolher a escola que cada um acha melhor.
Os Princípios da JustiçaPrincípio da liberdade igual: A sociedade deve assegurar a máxima liberdade para cada pessoa compatível com uma liberdade igual para todos os outros.Princípio da oportunidade justa: As desigualdades económicas e sociais devem estar ligadas a postos e posições acessíveis a todos em condições de justa igualdade de oportunidades.Princípio da diferença: A sociedade deve promover a distribuição igual da riqueza, excepto se a existência de desigualdades económicas e sociais gerar o maior benefício para os menos favorecidos.
Os princípios1º PrincípioÉ o princípio fundamental. Exige-se o máximo de liberdade possível que não interfira com a liberdade dos outros.A liberdade não pode, em condição alguma, ser sacrificada em nome da felicidade geral (se todos tiverem atingido um nível de vida acima do limiar da pobreza).
Os princípios2º PrincípioCada um deve ter as mesmas oportunidades de acesso às várias funções do estado. Assemelha-se a uma corrida de atletismo e às posições que ocupam no início. Os mais qualificados ocupam os lugares de relevo , mas a todos deve ser dada oportunidade de obterem qualificação.
Os princípios3º Princípio: Um sistema de ensino pode permitir aos estudantes mais dotados o acesso a maiores apoios se, por exemplo, as empresas em dificuldade vierem a beneficiar mais tarde do seu contributo, aumentando os lucros e evitando despedimentos.
Os PrincípiosA desigualdade justifica-se se:Beneficiar todos os membros da sociedade, em especial os menos favorecidos.Se for uma condição necessária e suficiente para incentivar uma maior produtividade.
ArgumentosO argumento intuitivo da igualdade de oportunidades.Ninguém merece ver as suas escolhas e ambições negadas pela circunstância de pertencer a uma certa classe social ou raça. ArgumentosA Posição Original- Igualdade original (correspondente ao estado natural dos contratualistas clássicos).- Os sujeitos devem possuir os requisitos fundamentais de racionalidade e liberdade.- Instauração do véu de ignorância.
Véu de ignorânciaEntende-se por esta expressão uma suspensão da situação - económica, social, religiosa, qualquer forma de preconceito, fortuna natural ou circunstâncias sociais - que cada sujeito possui. Pretende-se que a escolha seja absolutamente racional, livre de qualquer tendência que pudesse interferir numa situação de «pureza» existencial
Suponhamos que cada mundo corresponderia à distribuição de bens de primeira necessidade. Qual a decisão a tomar se à partida não soubéssemos a circunstância de cada pessoa?Mundo 1: 9, 8, 3;Mundo 2: 10, 7, 2;Mundo 3: 6, 5, 5.Regra Maximin
Concepções de justiça e john rawls

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Sociedade justa
Sociedade justaSociedade justa
Sociedade justa
Filazambuja
 
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoJohn Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
Helena Serrão
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
Filazambuja
 
O problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributivaO problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributiva
Luis De Sousa Rodrigues
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
Filazambuja
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
Filazambuja
 
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawlsA justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
Luis De Sousa Rodrigues
 
John Rawls
John Rawls John Rawls
John Rawls
joaomisousa
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
Alfredo Garcia
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
Filipe Prado
 
Filosofia - Exercício de Conceptualização
Filosofia - Exercício de ConceptualizaçãoFilosofia - Exercício de Conceptualização
Filosofia - Exercício de Conceptualização
Tomás Pinto
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
Dylan Bonnet
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
Carla Castro
 

Mais procurados (20)

A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Sociedade justa
Sociedade justaSociedade justa
Sociedade justa
 
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoJohn Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
O problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributivaO problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributiva
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawlsA justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
 
John Rawls
John Rawls John Rawls
John Rawls
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
John Rawls
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
Filosofia - Exercício de Conceptualização
Filosofia - Exercício de ConceptualizaçãoFilosofia - Exercício de Conceptualização
Filosofia - Exercício de Conceptualização
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
 

Semelhante a Concepções de justiça e john rawls

O problema da justiça
O problema da justiçaO problema da justiça
O problema da justiça
HelenaBray
 
2013 6 7 uma teoria da justiça 1
2013 6 7 uma teoria da justiça 12013 6 7 uma teoria da justiça 1
Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...
Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...
Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...
Cecília Gomes
 
A LEI DE IGUALDADE
A LEI DE IGUALDADEA LEI DE IGUALDADE
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
Jorge Barbosa
 
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
Jorge Barbosa
 
Filosofia política – síntese
Filosofia política – sínteseFilosofia política – síntese
Filosofia política – síntese
Ana Felizardo
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
Helena Serrão
 
Breve fundamentação do curso de direito
Breve fundamentação do curso de direitoBreve fundamentação do curso de direito
Breve fundamentação do curso de direito
bessailda
 
eqt10_ppt_7.pptx
eqt10_ppt_7.pptxeqt10_ppt_7.pptx
eqt10_ppt_7.pptx
Paula Loureiro Fagulha
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
guestbdb4ab6
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
guestbdb4ab6
 
Inclusao social
Inclusao socialInclusao social
Inclusao social
Ciceropimaciel
 
Aedf06
Aedf06Aedf06
Aedf06
Aedf06Aedf06
Quotas étnicas nas universidades
Quotas étnicas nas universidadesQuotas étnicas nas universidades
Quotas étnicas nas universidades
Flavio Farah
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
CETUR
 
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
AiresAlmeida
 
Teoria de looke
Teoria de lookeTeoria de looke
Teoria de looke
mariamonteiro97
 
Pratique direito administrativo do trabalho
Pratique   direito administrativo do trabalhoPratique   direito administrativo do trabalho
Pratique direito administrativo do trabalho
Eberson Luz
 

Semelhante a Concepções de justiça e john rawls (20)

O problema da justiça
O problema da justiçaO problema da justiça
O problema da justiça
 
2013 6 7 uma teoria da justiça 1
2013 6 7 uma teoria da justiça 12013 6 7 uma teoria da justiça 1
2013 6 7 uma teoria da justiça 1
 
Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...
Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...
Apresentação PPT Capítulo 6 - O problema da organização de uma sociedade just...
 
A LEI DE IGUALDADE
A LEI DE IGUALDADEA LEI DE IGUALDADE
A LEI DE IGUALDADE
 
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
 
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
 
Filosofia política – síntese
Filosofia política – sínteseFilosofia política – síntese
Filosofia política – síntese
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
 
Breve fundamentação do curso de direito
Breve fundamentação do curso de direitoBreve fundamentação do curso de direito
Breve fundamentação do curso de direito
 
eqt10_ppt_7.pptx
eqt10_ppt_7.pptxeqt10_ppt_7.pptx
eqt10_ppt_7.pptx
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
 
Como se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estadoComo se legitima a autoridade do estado
Como se legitima a autoridade do estado
 
Inclusao social
Inclusao socialInclusao social
Inclusao social
 
Aedf06
Aedf06Aedf06
Aedf06
 
Aedf06
Aedf06Aedf06
Aedf06
 
Quotas étnicas nas universidades
Quotas étnicas nas universidadesQuotas étnicas nas universidades
Quotas étnicas nas universidades
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
 
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
 
Teoria de looke
Teoria de lookeTeoria de looke
Teoria de looke
 
Pratique direito administrativo do trabalho
Pratique   direito administrativo do trabalhoPratique   direito administrativo do trabalho
Pratique direito administrativo do trabalho
 

Mais de António Daniel

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
António Daniel
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
António Daniel
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
António Daniel
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
António Daniel
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
António Daniel
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
António Daniel
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
António Daniel
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
António Daniel
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
António Daniel
 

Mais de António Daniel (16)

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 

Concepções de justiça e john rawls

  • 1. Cavaco e Maria estão casados há 3 anos. Não têm filhos e não pretendem tê-los. Ele trabalha como corrector de bolsa e ela é dentista. Auferem bons ordenados e vivem num bom apartamento de Lisboa, Belém. Como não têm dependentes a seu cargo, poucas deduções podem fazer nos impostos que pagam. E pagam bastante. Contudo, boa parte dos seus impostos que pagam são destinados a financiar coisas que não beneficiam. É o caso dos infantários e das novas escolas que o governo quer construir e de investimentos em auto-estradas que nunca ou raramente utilizarão.
  • 2. JustiçaRetributivaRefere-se às punições e castigos que Estado inflige a quem comete crimes e infracções.DistributivaRefere-se ao que cada qual vai receber o que é devido quer em termos de encargos necessários ao funcionamento da sociedade e do Estado quer em termos de benefícios (saúde, educação…)
  • 3. O que é a JustiçaPonto de vista igualitário.Teoria que defende um tratamento igual, uma vez que não há diferenças relevantes entre os seres humanos. Os igualitaristas defendem que numa sociedade justa cada pessoa deve receber uma igual parte dos benefícios que a sociedade proporciona e dos encargos que ela exige.
  • 4. ObjecçõesOs seres humanos têm diferentes característicasAs pessoas têm méritos diferentesDiferentes desempenhos merecem diferentes reconhecimentos.O igualitarismo é um ideal pouco defendido na prática
  • 5. O que é a justiça?Ponto de vista utilitarista:É justo o que é socialmente justo. Por isso, deve dar-se a cada um o que é devido mas tendo em conta o interesse global da sociedade.Será justa uma sociedade que , apesar das desigualdades, promove mais o bem-estar geral.
  • 6. ObjecçõesO Princípio da Utilidade pode gerar situações de injustiças poderá haver casos em que o interesse geral colide com os interesse individuais.As pessoas têm direitos que não devem ser violados seja em que condição for
  • 7. O que é a justiçaPonto de vista da igualdade de oportunidadesTodos devem ter uma igual oportunidade de conseguir empregos e posição social que permitam uma vida economicamente decente e mesmo a constituição de riqueza, dependendo dos resultados ou do mérito ou do esforço ou da competência.
  • 8. ObjecçõesExistem pessoas que já estão à partida em vantagem.Iguais condições à partida traduzem-se em resultados diferentes.
  • 9. John Rawls Princípios da Justiça1921-2002
  • 10. Concepção de justiçaJustiça como equidade – Numa sociedade que se queira justa dever-se-á encontrar um conjunto de princípios que favoreçam a equidade, isto é, a igualdade perante a escolha e reduza ao mínimo os conflitos decorrentes das formas como os diversos sujeitos encaram a distribuição dos benefícios.Só se tolera a desigualdade se esta permitir que os menos favorecidos fiquem o melhor possível.
  • 11. Teoria da Justiça como Equidade Principais características:  Ao contrário do utilitarismo, como doutrina teleológica, o contratualismo é deontológico: os princípios da justiça estão definidos e dão-nos noções de bem e de pessoa, ao contrário do utilitarismo que se subjaz às questões diárias.Não pretende a maximização do bem, mas sim do justo. Defende abertamente o primado do indivíduo na primordial escolha inicial dos princípios, tornando-o a base de um sistema liberal.A sociedade bem ordenada é vista como um sistema de cooperação que visa obter vantagens recíprocas, regulada por princípios que são escolhidos por sujeitos colocados numa posição inicial que obedece às regras da equidade.
  • 12. Conflitos entre princípios de justiçase uma sociedade garantir o acesso a uma determinada escolaridade a todos os seus cidadãos e ao mesmo tempo exigir que essa escolaridade seja assegurada por uma escola da área de residência, no caso de uma pessoa preferir uma escola fora da sua área de residência por ser mais competente e estimulante, gera-se um conflito entre a igualdade de oportunidades no acesso à educação e a liberdade de escolher a escola que cada um acha melhor.
  • 13. Os Princípios da JustiçaPrincípio da liberdade igual: A sociedade deve assegurar a máxima liberdade para cada pessoa compatível com uma liberdade igual para todos os outros.Princípio da oportunidade justa: As desigualdades económicas e sociais devem estar ligadas a postos e posições acessíveis a todos em condições de justa igualdade de oportunidades.Princípio da diferença: A sociedade deve promover a distribuição igual da riqueza, excepto se a existência de desigualdades económicas e sociais gerar o maior benefício para os menos favorecidos.
  • 14. Os princípios1º PrincípioÉ o princípio fundamental. Exige-se o máximo de liberdade possível que não interfira com a liberdade dos outros.A liberdade não pode, em condição alguma, ser sacrificada em nome da felicidade geral (se todos tiverem atingido um nível de vida acima do limiar da pobreza).
  • 15. Os princípios2º PrincípioCada um deve ter as mesmas oportunidades de acesso às várias funções do estado. Assemelha-se a uma corrida de atletismo e às posições que ocupam no início. Os mais qualificados ocupam os lugares de relevo , mas a todos deve ser dada oportunidade de obterem qualificação.
  • 16. Os princípios3º Princípio: Um sistema de ensino pode permitir aos estudantes mais dotados o acesso a maiores apoios se, por exemplo, as empresas em dificuldade vierem a beneficiar mais tarde do seu contributo, aumentando os lucros e evitando despedimentos.
  • 17. Os PrincípiosA desigualdade justifica-se se:Beneficiar todos os membros da sociedade, em especial os menos favorecidos.Se for uma condição necessária e suficiente para incentivar uma maior produtividade.
  • 18. ArgumentosO argumento intuitivo da igualdade de oportunidades.Ninguém merece ver as suas escolhas e ambições negadas pela circunstância de pertencer a uma certa classe social ou raça. ArgumentosA Posição Original- Igualdade original (correspondente ao estado natural dos contratualistas clássicos).- Os sujeitos devem possuir os requisitos fundamentais de racionalidade e liberdade.- Instauração do véu de ignorância.
  • 19. Véu de ignorânciaEntende-se por esta expressão uma suspensão da situação - económica, social, religiosa, qualquer forma de preconceito, fortuna natural ou circunstâncias sociais - que cada sujeito possui. Pretende-se que a escolha seja absolutamente racional, livre de qualquer tendência que pudesse interferir numa situação de «pureza» existencial
  • 20. Suponhamos que cada mundo corresponderia à distribuição de bens de primeira necessidade. Qual a decisão a tomar se à partida não soubéssemos a circunstância de cada pessoa?Mundo 1: 9, 8, 3;Mundo 2: 10, 7, 2;Mundo 3: 6, 5, 5.Regra Maximin