SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade II
FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO E
ÉTICAÉTICA
Prof. Dr. Vladimir Fernandes
Conteúdos da segunda aula
Unidade II: Educação, ética e valores
7. Valores e educação
8. Moral, ética e educação
9. Aristóteles e a ética finalista
10. Santo Agostinho e o livre arbítrio
11. A ética racional kantiana
12. Nietzsche e a genealogia da moral
13. Weber: a ética da convicção e a ética da
responsabilidaderesponsabilidade
Valores
O ser humano constantemente faz
escolhas.
Escolhas cotidianas: Qual roupa usar?
Qual programa de TV assistir?
Escolhas mais complexas: Qual
profissão escolher? Devo me casar?
E qual a base para essas escolhas?
São os valores que atribuímos às
coisas.
Diante do existente não ficamos
indiferentes.
Constantemente fazemos
julgamentos.
O ser humano é um ser que
valora a realidade.
Valores
Diariamente fazemos juízos de valor e
juízos de realidade.
Juízos de realidade:
Constatações sobre o existente.
Exemplos: A chuva molha a rua AExemplos: A chuva molha a rua. A
caneta é azul. Pedro está chorando.
Juízos de valor:
Avaliações sobre o existente.
(feio, bonito, bom, mau, certo, errado( , , , , ,
etc.)
Exemplos: A chuva é bela. A caneta não
presta. Pedro não devia chorar.
Valores e educação
O ser humano faz escolhas a partir de
valores. E o que são valores?
Valores são aquilo que valem, o que se
julga importante; o que se prioriza.
Todos possuem uma escala de valores.
Geralmente são considerados
importantes valores como: saúde,
amizade, felicidade, educação, bem estar
etc.
Dessa forma, os valores orientam a ação,
uma vez que a pessoa irá agir de acordo
com os valores que julga mais
importante.
Valores e educação
Toda sociedade produz valores?
Os valores das diferentes épocas e das
diferentes sociedades são os mesmos?
Cada época e cada sociedade
estabelecem seus próprios valores e,estabelecem seus próprios valores e,
dessa forma, alguns podem coincidir,
mas outros não.
Nascemos em uma sociedade e
herdamos os valores dessa sociedade.
Somos educados de acordos com osSomos educados de acordos com os
valores considerados corretos.
Valores e educação
E como a educação deve lidar com a
questão dos valores?
A educação visa a formação do ser
humano. Tal formação pressupõe
valores:
Que ser humano se quer formar?
Quais valores devem ser
transmitidos?
Os valores são imutáveis?
Se educar pressupõe valores aSe educar pressupõe valores, a
educação deve refletir sobre os
valores herdados no meio social
questionando se os mesmos estão a
serviço do bem estar comum ou não.
Moral
É no campo da moral que será designado o
“agir correto”.
Ou seja, qual é o comportamento adequado
da criança, do jovem, da mulher, do
professor etc.
Moral (mores em latim) significa jeito de
ser, costume.
Portanto, a moral se manifesta no conjunto
de normas e regras que visam regular as
relações dos indivíduos em uma sociedade.relações dos indivíduos em uma sociedade.
Revelam os valores morais considerados
corretos.
Ética e moral
A palavra ética vem do grego êthos que
significa costume, modo de ser.
A ética se caracteriza como um ramo da
Filosofia que visa refletir sobre os
fundamentos da moral.
Ou seja, busca refletir sobre o porquê
dos valores, qual o sentido, a quem
interessam?
Enquanto a moral nos diz como devemos
agir a ética reflete sobre o porquê seagir a ética reflete sobre o porquê se
deve agir dessa forma e não de outra.
Moral, ética e educação
O ser humano nasce moral?
O ser humano não nasce moral ou ético;
O ser humano nasce amoral;
Aos poucos vai se apropriando da moral
do seu grupodo seu grupo.
A princípio seguimos uma moral
heterônoma.
Hetero = “outro” + nomos = “norma”,
“regra”
Devemos seguir de forma incondicional
as regras morais da sociedade?
Moral, ética e educação
É desejável que se passe de uma moral
heterônoma para uma moral autônoma;
Autos = “eu mesmo” + nomos = “norma”,
“regra”.
Autonomia é o mesmo que individualismo?Autonomia é o mesmo que individualismo?
É possível a convivência moral se cada um
seguir os seus desejos?
Sujeito ético
Um dos objetivos da educação é formar o
sujeito ético, o sujeito autônomo.
Aquele que é capaz de agir com
consciência, responsabilidade e liberdade.
Consciência em relação a si e aosConsciência em relação a si e aos
outros;
Responsabilidade: reconhecer-se como
autor da ação e responder por ela;
Liberdade: capacidade de
autodeterminar a sua vontadeautodeterminar a sua vontade.
Interatividade
De acordo com a discussão sobre juízos,
podemos citar como exemplo de um juízo
de valor, a seguinte frase:
a) A folha do caderno é branca;
b) A farmácia vende remédios;b) A farmácia vende remédios;
c) A cachoeira é mais bela que a praia;
d) A chuva molha a rua;
e) O carro dos bombeiros é vermelho.
Ética aristotélica
Toda ação humana tem por objetivo alguma
finalidade, algum bem. Por exemplo:
Estudar para se formar e ter uma profissão.
Há uma hierarquia de bens, ou seja, alguns
são mais fundamentais do que outrossão mais fundamentais do que outros.
Mas qual seria o supra-sumo do bem, será
que há um bem final?
Existe um fim último superior que
condiciona todos os outros? Algo que é
desejado por si mesmo sem estar
condicionado a outro fim?
Segundo Aristóteles, esse fim
último é a felicidade.
Busto de Aristóteles (384-322 a.C.)
Disponível em www.wikipedia.org
Ética aristotélica
“[...] a ética aristotélica é finalista e
eudemonista, quer dizer, marcada pelos
fins que devem ser alcançados para que o
homem atinja a felicidade (eudaimonía)”
(VALLS, 1989).
A felicidade é o fim último que todo ser
humano deseja. Mas o que é a felicidade?
O ser humano enquanto um ser complexo,
precisa de vários bens como saúde,
amizade, algum dinheiro etc.
Para definir a felicidade é necessário
explicar qual é a “função” do homem
Ética aristotélica
Analogia: a função do olho é enxergar, a
função do ouvido é escutar, mas qual seria
a “função” do ser humano como um todo?
Não é apenas viver, pois os vegetais
também vivem. Nem apenas sentir prazer e
dor, pois os animais também sentem.
O que é próprio e específico do ser humano
é o pensar.
Dessa forma, a atividade mais elevada do
ser humano é sua atividade racional, seuser humano é sua atividade racional, seu
pensar.
Ética aristotélica
O homem não deve apenas viver, mas viver
bem.
Viver bem implica em aprimorar-se
enquanto ser humano: controlar as paixões,
fazer escolhas com discernimento e
equilíbrio e desenvolver a prática de bons
hábitos.
“A felicidade é, pois, a atualização das
potências da alma humana de acordo com a
sua excelência mais completa, a
racionalidade” (CHAUI, 2002).
O ser ético age de forma racional e,
portanto, é senhor de si mesmo.
Esse é um dos pressupostos da
felicidade.
Santo Agostinho
É um importante representante do
pensamento cristão.
Na sua obra Confissões, narra suas
experiências pessoais e a sua evolução
espiritual.
Embora não tenha escrito um tratado
exclusivo sobre ética, alguns dos seus
textos discutem questões fundamentais
para uma reflexão nesse sentido.
Com esse objetivo, vamos analisar algumasCom esse objetivo, vamos analisar algumas
passagens, do seu livro O livre arbítrio.
Santo Agostinho (354-430 d.C)
Disponível em www.consciencia.org
Santo Agostinho
1.Ev. Se possível, explica-me agora a razão
pela qual Deus concedeu ao homem o livre-
arbítrio da vontade, já que, caso não o
houvesse recebido, o homem certamente
não teria podido pecar.
[ ][...]
3.Ag. [...] Com efeito, não é pelo fato de
uma pessoa poder se servir da vontade
também para pecar, que é preciso supor
que Deus no-la tenha concedido nessa
intenção Há pois uma razão suficienteintenção. Há, pois, uma razão suficiente
para ter sido dada, já que sem ela o homem
não poderia viver
retamente.
Santo Agostinho
Ag.[...] Ora, seria isso uma injustiça, se a
vontade livre fosse dada não somente para
se viver retamente, mas igualmente para se
pecar. Na verdade, como poderia ser
castigado, com justiça, aquele que se
i d t d fiservisse de sua vontade para o fim mesmo
para o qual ela lhe fora dada?
Assim, quando Deus castiga o pecador, o
que te parece que ele diz senão estas
palavras: “Eu te castigo porque não usaste
de tua vontade livre para aquilo a que eu ade tua vontade livre para aquilo a que eu a
concedi a ti”? Isto é, para agires com
retidão.
Santo Agostinho
Por outro lado, se o homem carecesse do
livre-arbítrio da vontade, como poderia
existir esse bem, que consiste em
manifestar a justiça, condenando os
pecados e premiando as boas ações?
Ag [...] Ora, todo bem procede de Deus. Não
há, de fato, realidade alguma que não
proceda de Deus. Considera, agora, de
onde pode proceder [...] o pecado – sendo
ele movimento defeituoso, e todo defeito
vindo do não ser não duvides de afirmarvindo do não-ser, não duvides de afirmar,
sem hesitação, que ele não procede de
Deus.
Santo Agostinho
Dessa forma: Deus dotou o ser humano
com o livre-arbítrio;
O homem pode escolher entre fazer o bem
ou o mal;
O mal não provém de Deus, mas dasO mal não provém de Deus, mas das
escolhas do homem;
Se não houvesse livre-arbítrio para o mal o
homem não pecaria, mas suas ações não
teriam mérito;
O mérito da ação consiste em podendo agirO mérito da ação consiste em podendo agir
mal, não pecar e escolher agir de acordo
com os mandamentos divinos.
Interatividade
Segundo as concepções de Santo
Agostinho é correto afirmar:
a) No mundo existem coisas ruins, portanto
Deus não é bom;
b) O homem é filho de Deus, logo quando ob) O homem é filho de Deus, logo quando o
homem peca não pode ser culpado;
c) Por ter livre-arbítrio o homem só pode
praticar o bem;
d) Deus dotou o homem de livre arbítrio
para escolher entre o bem e o mal;para escolher entre o bem e o mal;
e) O homem é imperfeito, dessa forma, só
pode escolher fazer o mal.
Ética kantiana
Kant busca fundar uma ética universal e
necessária.
Uma ética válida para todos os seres
humanos e que siga os mesmos princípios.
A observação empírica pode nos informar aA observação empírica pode nos informar a
respeito de como as pessoas agem, mas
não porque elas devem agir dessa forma.
Daí que essa ética não pode ser fundada na
experiência;
Kant busca uma fundamentação nãoKant busca uma fundamentação não-
empírica para ética, uma fundamentação
racional.
Immanuel Kant (1724-1804)
Disponível em www.consciencia.org
Ética kantiana
“Por que devo agir de tal forma?”
No decorrer dos tempos as respostas, em
geral, apontavam para um motivo externo:
Deus, tradição, a autoridade paterna etc.
A resposta de Kant é: [...] “ ‘devo’ – porqueA resposta de Kant é: [...] devo porque
sou um ser racional. Eu não preciso
perguntar a ninguém o que devo nem por
que devo, mas unicamente a mim mesmo
enquanto ser racional” (PORTA, 2002).
A razão é capaz de produzir e ditar suasA razão é capaz de produzir e ditar suas
próprias leis na forma de imperativos.
Mas essa é apenas uma parte da resposta
kantiana.
Ética kantiana
Na realidade, eu não “devo” apenas porque
sou um ser racional, mas sim porque não
sou um ser exclusivamente racional, mas
também sujeito a impulsos e paixões.
Um ser absolutamente racional, seguiria a
lei ética de modo espontâneo.
Contudo, para um ser que não é
absolutamente racional, ou seja, que
eventualmente pode entrar em contradição
com a Razão, à lei adquire o caráter de um
imperativo (Cf. PORTA, 2002).
Devemos seguir os imperativos ditados
pela razão.
Ética kantiana
O ser livre é aquele que impõe a si mesmo
sua própria lei. Em conseqüência, um ser
livre é um ser racional e vice-versa.
Daí que o agir moral implica em auto
determinar à vontade, em agir segundo a
razão.
Para Kant o primeiro imperativo básico da
razão é:
“Age de tal forma que a sua ação possa
sempre valer como lei universal”sempre valer como lei universal
A ação será ética se você desejar que
todos ajam da mesma forma.
Ética kantiana
Outro imperativo básico da razão é:
“Trate todo ser humano sempre como um
fim em si mesmo e nunca como um meio”;
As coisas que existem no mundo possuem
valores relativos, já as pessoas possuemvalores relativos, já as pessoas possuem
um valor em si.
Esse valor em si é absoluto, daí que as
pessoas não podem ser empregadas como
meios para quaisquer outros fins.
As coisas que têm um preço permitem umaAs coisas que têm um preço permitem uma
troca entre equivalentes, mas o ser humano
está acima de qualquer preço.
O ser humano é dotado de um
valor intrínseco que é a dignidade.
Ética kantiana
Dessa forma:
O ser humano é dotado de vontade. A
liberdade da vontade é a autonomia.
Daí que uma vontade livre é uma vontade
que obedece às leis da razão. Assim, a
autonomia da vontade pressupõe
escolher máximas que possam ser
universalizadas.
O ser humano é livre não quando age
sem lei, mas sim quando é capaz de agir
seguindo as próprias leis que foramseguindo as próprias leis que foram
ordenadas pela sua própria razão.
Daí que na perspectiva kantiana, ser livre
é ser racional, é agir segundo os
mandamentos da razão.
Interatividade
Segundo as concepções de Immanuel
Kant, a verdadeira moral compreende:
a) Seguir rigorosamente os mandamentos
divinos;
b) Obedecer as ordens determinadas pelasb) Obedecer as ordens determinadas pelas
nossas paixões e desejos;
c) Guiar-se apenas pelas orientações de
pessoas formadas em Filosofia;
d) Seguir os mandamentos ditados pela
ó i ãnossa própria razão;
e) Seguir a moral determinada pela tradição
do nosso país.
Nietzsche e a genealogia da moral
Nietzsche, em sua obra Para genealogia da
Moral, faz uma investigação sobre os
fundamentos da moral.
Qual a origem dos valores bom e mau?
No dicionário encontramos as seguintesNo dicionário encontramos as seguintes
definições:
Bom. adj. 2 Benévolo, bondoso, benigno.
3 Misericordioso, caritativo. (AURÉLIO).
Mau. adj. 3. De má qualidade; inferior. 5.
V malvado (1): pessoa má (AURÉLIO)V. malvado (1): pessoa má. (AURÉLIO).
Para Nietzsche é necessário rever como
estes valores foram estabelecidos.
Nietzsche (1844-1900)
Disponível em www.wikipedia.org
Nietzsche e a genealogia da moral
É necessário examinar como estes valores
foram fundamentados para descobrir qual o
seu valor de origem.
Os historiadores da moral explicam que a
origem do conceito "bom" esta relacionado
às ações não-egoístas, benignas.
Segundo Nietzsche, essa ideia é falsa. Para
ele o juízo "bom" foi cunhado pelos
próprios "bons" que se intitularam como
tal. Não tem origem no bondoso, no
benigno, mas sim nos nobres e poderosos
que são os capazes de criar valores.
Nietzsche e a genealogia da moral
Os “superiores” do distanciamento que se
encontravam dos “inferiores” tomaram para
si o direito de criar valores.
Qual o sentido etimológico da palavra
“bom”, na sua origem?
A idéia de “distinção”, “nobreza” é a idéia
mãe da qual se origina a idéia “bom” e, a
noção de “vulgar”, “plebeu”, “baixo”,
transforma-se na idéia de “mau”.
Nas raízes da palavra “bom” está à matrizNas raízes da palavra bom está à matriz
de homens superiores, em contraposição
“mau” designa os simples, comum, “ruim”,
baixo.
Nietzsche e a genealogia da moral
Bom é quem extravasa a própria força, que
enfrenta o perigo, que luta e ruim quem é
rancoroso e fraco. (Cf. Marton, 1993).
Moral de senhores é a moral dos nobres,
dos fortes, dos poderosos. Moral de
escravos é a moral dos fracos, a moral de
rebanho, dos ressentidos.
Mas “ ‘Os senhores’ foram abolidos; a
moral do homem comum venceu”
(Nietzsche, 1983).
Para Nietzsche, este fato tem como base o
judaísmo e o cristianismo que inverteram
os verdadeiros valores e criaram uma
rebelião dos “escravos da moral”.
Nietzsche e a genealogia da moral
A moral dos fracos se origina de uma
negação. Vêem na força e na potência dos
senhores um mau, um perigo a ser
combatido.
Como eles não podem se igualar e
combater os mais fortes, designam estes
por maus e se autodenominam “bons”.
Impossibilitados de vencer os fortes
invertem então os valores.
O que significava “bom” passa a serO que significava bom passa a ser
denominado como “mau” e vice versa
Nietzsche e a genealogia da moral
Os fortes fazem parte de uma aristocracia
natural, daqueles que efetivam sua vontade
de potência.
Como estão no mesmo patamar, fazem um
acordo, um contrato para não se destruírem
mutuamente.
Mas os ressentidos querem um acordo
igual para todos, as mesmas regras tanto
para os fortes como para os fracos. Querem
uma democracia.
Segundo Nietzsche não há uma igualdade
natural entre os homens.
Nietzsche e a genealogia da moral
A ideia de igualdade, qualquer que seja ela,
democrática, cristã, socialista, contraria a
idéia originária da correlação de forças.
É natural que a força se manifeste
dominando e subjugando.
“Exigir à força que não se manifeste como
tal, que não seja uma vontade de dominar
uma rede de inimigos, de resistência e de
combate, é tão insensato como exigir à
fraqueza que se manifeste como força”
(NIETZSCHE, 1992)
O sujeito não escolhe ser forte ou fraco. Ele
é um ou outro.
A ética segundo Max Weber
Texto: “A política como vocação” (1919).
Preocupação com uma ética que leve em
conta suas possíveis conseqüências
práticas, principalmente na esfera política.
Para Weber há dois tipos distintos de ética:Para Weber há dois tipos distintos de ética:
a ética de convicção e a ética de
responsabilidade.
Na ética da convicção toda ação é
alimentada na convicção aos princípios
valorativos fundamentais da própria crença.valorativos fundamentais da própria crença.
O adepto age segundo sua convicção moral
que é boa e, portanto, suas ações estão
justificadas.
Max Weber (1864-1920)
Disponível em www.wikipedia.org
Weber: a ética da convicção
Na ética da convicção quando os fins se
mostram catastróficos o adepto não se
julga responsável por tal resultado.
Exemplo:
Ele fez sua parte, agindo por convicção,Ele fez sua parte, agindo por convicção,
mas se o resultado não foi o esperado
esse pode ser atribuído à vontade divina,
à incompreensão humana, à decadência
do mundo etc.
Sua única responsabilidade é manterSua única responsabilidade é manter
acesa a chama da convicção para que
ela não se extinga.
Weber: a ética da convicção
Os partidários da ética da convicção,
condenam o uso de meios violentos ou
perigosos.
Mas na ação prática sempre se recorre a
esses meios para justificar que se alcance a
paz ou um mundo melhor.
Por exemplo: quando um ataque violento é
justificado como necessário para instaurar
a paz. Ou quando a igreja lançou mão das
práticas da inquisição para purificar os
infiéis. As guerras santas das diferentes
religiões sempre se apoiaram na defesa da
fé legitima e com isso justificavam suas
ações violentas.
Weber: a ética da responsabilidade
Já os adeptos da ética da responsabilidade,
sabem que não podem lavar as mãos às
possíveis conseqüências dos seus atos.
Qualidades fundamentais para o homem
político: a paixão, o sentimento de
responsabilidade e o senso de proporção.
Paixão no sentido de devoção apaixonada a
uma causa e não como uma forma de agir
puramente subjetiva e vazia.
Essa paixão não pode estar desconectadaEssa paixão não pode estar desconectada
de um sentimento de responsabilidade, que
funciona como a estrela guia da ação.
Weber: a ética da responsabilidade
A essas duas qualidades deve-se unir o
senso de proporção, ou seja, a capacidade
de pesar as conseqüências e decidir com
serenidade
Essa é a grande dificuldade para o chefe
político: saber unir a ardente paixão ao frio
senso de proporção.
É necessário, ao mesmo tempo, possuir a
paixão por uma causa e a capacidade de
recolhimento para tomar as melhores
decisões.
Weber: a ética da responsabilidade
A ação política, muitas vezes, recorre a
violência. As justificativas são colocadas
nos fins nobres a serem alcançados. Esse
argumento é usado tanto por socialistas
quanto pelos nazistas.
Aquele que se dedica à política deve estar
consciente desses paradoxos éticos: fins
bons versus meios problemáticos.
Os governantes não devem lavar as mãos
às conseqüências desencadeadas por seus
atos. Devem assumir a responsabilidade
por suas ações, mesmo quando
desencadeiam fatos não previstos.
Interatividade
Considerando as concepções que defende
Nietzsche, pode-se afirmar que, segundo ele:
a) Existe uma igualdade natural entre todos
os homens;
b) Em sua origem, o conceito “bom” era) g ,
atribuído as pessoas boas e caridosas;
c) O forte deve controlar sua vontade de
dominar e lutar pela igualdade
democrática;
d) A “moral de senhores” fortaleceu-se comd) A moral de senhores fortaleceu se com
o advento do cristianismo;
e) Nas raízes da palavra “bom” está à matriz
de homens superiores, corajosos
e fortes.
“Há duas coisas que me enchem de
assombro e admiração: o céu estrelado
acima de mim e a lei moral dentro de mim”
(Kant).
ATÉ A PRÓXIMA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do trabalho
História do trabalhoHistória do trabalho
História do trabalho
Atividades Diversas Cláudia
 
Padrões de beleza impostos pela mídia
Padrões de beleza impostos pela mídiaPadrões de beleza impostos pela mídia
Padrões de beleza impostos pela mídia
vanessalarissa
 
Cruzadinha Islamismo
Cruzadinha  IslamismoCruzadinha  Islamismo
Cruzadinha Islamismo
Mary Alvarenga
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
Frederico Marques Sodré
 
Atividades aristóteles - ética & política
Atividades   aristóteles - ética & políticaAtividades   aristóteles - ética & política
Atividades aristóteles - ética & política
Doug Caesar
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Prof. Noe Assunção
 
83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo
Klonetur Viagens E Turismo Ltda Me
 
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
Manoelito Filho Soares
 
Atividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & VerdadeAtividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & Verdade
Doug Caesar
 
A sociedade e a relação entre o indivíduo
A  sociedade e a relação entre o indivíduoA  sociedade e a relação entre o indivíduo
A sociedade e a relação entre o indivíduo
Caio Vinícius
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
Mary Alvarenga
 
Avaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º anoAvaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º ano
ananiasdoamaral
 
Avaliação diagnostica filosofia
Avaliação diagnostica filosofiaAvaliação diagnostica filosofia
Avaliação diagnostica filosofia
Atividades Diversas Cláudia
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
Mary Alvarenga
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
Ideologia e alienação
Ideologia e alienaçãoIdeologia e alienação
Ideologia e alienação
Douglas Barreto
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoSociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Miro Santos
 
Plano de aula o problema da fé e da razão
Plano de aula o problema da fé e da razãoPlano de aula o problema da fé e da razão
Plano de aula o problema da fé e da razão
Antonio Marcelo Campos
 
Reforma e Renascimento
Reforma e RenascimentoReforma e Renascimento
Reforma e Renascimento
Luis Silva
 

Mais procurados (20)

História do trabalho
História do trabalhoHistória do trabalho
História do trabalho
 
Padrões de beleza impostos pela mídia
Padrões de beleza impostos pela mídiaPadrões de beleza impostos pela mídia
Padrões de beleza impostos pela mídia
 
Cruzadinha Islamismo
Cruzadinha  IslamismoCruzadinha  Islamismo
Cruzadinha Islamismo
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
 
Atividades aristóteles - ética & política
Atividades   aristóteles - ética & políticaAtividades   aristóteles - ética & política
Atividades aristóteles - ética & política
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
 
83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo
 
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
 
Atividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & VerdadeAtividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & Verdade
 
A sociedade e a relação entre o indivíduo
A  sociedade e a relação entre o indivíduoA  sociedade e a relação entre o indivíduo
A sociedade e a relação entre o indivíduo
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
 
Avaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º anoAvaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º ano
 
Avaliação diagnostica filosofia
Avaliação diagnostica filosofiaAvaliação diagnostica filosofia
Avaliação diagnostica filosofia
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
Ideologia e alienação
Ideologia e alienaçãoIdeologia e alienação
Ideologia e alienação
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoSociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
 
Plano de aula o problema da fé e da razão
Plano de aula o problema da fé e da razãoPlano de aula o problema da fé e da razão
Plano de aula o problema da fé e da razão
 
Reforma e Renascimento
Reforma e RenascimentoReforma e Renascimento
Reforma e Renascimento
 

Destaque

Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Daniela Matos
 
Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unip
Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unipFundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unip
Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unip
Arte de Lorena
 
Unidade i etica
Unidade i eticaUnidade i etica
Unidade i etica
carladefarias
 
M ovimentos sociais unip
M ovimentos sociais unipM ovimentos sociais unip
M ovimentos sociais unip
Arte de Lorena
 
Direito constitucional unip
Direito constitucional unipDireito constitucional unip
Direito constitucional unip
Arte de Lorena
 
08 conhecimentos especificos
08 conhecimentos especificos08 conhecimentos especificos
08 conhecimentos especificos
Arte de Lorena
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
Arte de Lorena
 
Teoria geral do serviço social unip
Teoria geral do serviço social unipTeoria geral do serviço social unip
Teoria geral do serviço social unip
Arte de Lorena
 
éTica profissional unip
éTica profissional unipéTica profissional unip
éTica profissional unip
Arte de Lorena
 
Tópicos de atuação profissional unip
Tópicos de atuação profissional unipTópicos de atuação profissional unip
Tópicos de atuação profissional unip
Arte de Lorena
 
Assistencia estudantil
Assistencia estudantilAssistencia estudantil
Assistencia estudantil
Diario de Assistente Social
 
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociaisYazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Diario de Assistente Social
 
1000 questões de concurso público ano 2013
1000 questões de concurso público ano 20131000 questões de concurso público ano 2013
1000 questões de concurso público ano 2013
Maria Ígia
 
As nas varas de familia
As nas varas de familiaAs nas varas de familia
As nas varas de familia
Diario de Assistente Social
 
Assistencia estudantil carlos daniel
Assistencia estudantil carlos danielAssistencia estudantil carlos daniel
Assistencia estudantil carlos daniel
Diario de Assistente Social
 
O atendimento de cea no creas
O atendimento de cea no creasO atendimento de cea no creas
O atendimento de cea no creas
Diario de Assistente Social
 
400 questões conhecimentos específicos (1)
400 questões conhecimentos específicos (1)400 questões conhecimentos específicos (1)
400 questões conhecimentos específicos (1)
Diario de Assistente Social
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
Diario de Assistente Social
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
Rosane Domingues
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
Daiane Daine
 

Destaque (20)

Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
 
Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unip
Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unipFundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unip
Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do serviço social unip
 
Unidade i etica
Unidade i eticaUnidade i etica
Unidade i etica
 
M ovimentos sociais unip
M ovimentos sociais unipM ovimentos sociais unip
M ovimentos sociais unip
 
Direito constitucional unip
Direito constitucional unipDireito constitucional unip
Direito constitucional unip
 
08 conhecimentos especificos
08 conhecimentos especificos08 conhecimentos especificos
08 conhecimentos especificos
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
 
Teoria geral do serviço social unip
Teoria geral do serviço social unipTeoria geral do serviço social unip
Teoria geral do serviço social unip
 
éTica profissional unip
éTica profissional unipéTica profissional unip
éTica profissional unip
 
Tópicos de atuação profissional unip
Tópicos de atuação profissional unipTópicos de atuação profissional unip
Tópicos de atuação profissional unip
 
Assistencia estudantil
Assistencia estudantilAssistencia estudantil
Assistencia estudantil
 
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociaisYazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
 
1000 questões de concurso público ano 2013
1000 questões de concurso público ano 20131000 questões de concurso público ano 2013
1000 questões de concurso público ano 2013
 
As nas varas de familia
As nas varas de familiaAs nas varas de familia
As nas varas de familia
 
Assistencia estudantil carlos daniel
Assistencia estudantil carlos danielAssistencia estudantil carlos daniel
Assistencia estudantil carlos daniel
 
O atendimento de cea no creas
O atendimento de cea no creasO atendimento de cea no creas
O atendimento de cea no creas
 
400 questões conhecimentos específicos (1)
400 questões conhecimentos específicos (1)400 questões conhecimentos específicos (1)
400 questões conhecimentos específicos (1)
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
 

Semelhante a Filosofia, comunicação e ética unip

Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
Maria Freitas
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
Fabio Santos
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
1245669
 
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Lucas Vinicius
 
38 etcid
38 etcid38 etcid
38 etcid
Eurides Soares
 
Etica
EticaEtica
Etica
Erica Frau
 
Mesa redonda ética e cidadania
Mesa redonda   ética e cidadaniaMesa redonda   ética e cidadania
Mesa redonda ética e cidadania
Canício Scherer
 
Ética
Ética Ética
02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano
02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano
02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano
Luciano Ribeiro Silva
 
Aula de Filosofia - Ética
Aula de Filosofia - ÉticaAula de Filosofia - Ética
Aula de Filosofia - Ética
Paulo Alexandre
 
Marilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kantMarilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kant
João Alberto Macuácua
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
Patricia .
 
Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania
Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania
Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania
Israel serique
 
Apresentacao filosofia
Apresentacao filosofiaApresentacao filosofia
Apresentacao filosofia
Ana Ribeiro
 
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
Rafael Monteiro Moyses
 
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptxAULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
lucas106085
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Aula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticosAula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticos
Universidade Federal Fluminense
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
CarolinaEsteves22
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Fábio Peres
 

Semelhante a Filosofia, comunicação e ética unip (20)

Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
 
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
 
38 etcid
38 etcid38 etcid
38 etcid
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Mesa redonda ética e cidadania
Mesa redonda   ética e cidadaniaMesa redonda   ética e cidadania
Mesa redonda ética e cidadania
 
Ética
Ética Ética
Ética
 
02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano
02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano
02 ética-profissional-e-desenvolvimento-humano
 
Aula de Filosofia - Ética
Aula de Filosofia - ÉticaAula de Filosofia - Ética
Aula de Filosofia - Ética
 
Marilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kantMarilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kant
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania
Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania
Vídeo 1 ética direitos humanos cidadania
 
Apresentacao filosofia
Apresentacao filosofiaApresentacao filosofia
Apresentacao filosofia
 
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
 
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptxAULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
Aula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticosAula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticos
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 

Filosofia, comunicação e ética unip

  • 1. Unidade II FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO E ÉTICAÉTICA Prof. Dr. Vladimir Fernandes
  • 2. Conteúdos da segunda aula Unidade II: Educação, ética e valores 7. Valores e educação 8. Moral, ética e educação 9. Aristóteles e a ética finalista 10. Santo Agostinho e o livre arbítrio 11. A ética racional kantiana 12. Nietzsche e a genealogia da moral 13. Weber: a ética da convicção e a ética da responsabilidaderesponsabilidade
  • 3. Valores O ser humano constantemente faz escolhas. Escolhas cotidianas: Qual roupa usar? Qual programa de TV assistir? Escolhas mais complexas: Qual profissão escolher? Devo me casar? E qual a base para essas escolhas? São os valores que atribuímos às coisas. Diante do existente não ficamos indiferentes. Constantemente fazemos julgamentos. O ser humano é um ser que valora a realidade.
  • 4. Valores Diariamente fazemos juízos de valor e juízos de realidade. Juízos de realidade: Constatações sobre o existente. Exemplos: A chuva molha a rua AExemplos: A chuva molha a rua. A caneta é azul. Pedro está chorando. Juízos de valor: Avaliações sobre o existente. (feio, bonito, bom, mau, certo, errado( , , , , , etc.) Exemplos: A chuva é bela. A caneta não presta. Pedro não devia chorar.
  • 5. Valores e educação O ser humano faz escolhas a partir de valores. E o que são valores? Valores são aquilo que valem, o que se julga importante; o que se prioriza. Todos possuem uma escala de valores. Geralmente são considerados importantes valores como: saúde, amizade, felicidade, educação, bem estar etc. Dessa forma, os valores orientam a ação, uma vez que a pessoa irá agir de acordo com os valores que julga mais importante.
  • 6. Valores e educação Toda sociedade produz valores? Os valores das diferentes épocas e das diferentes sociedades são os mesmos? Cada época e cada sociedade estabelecem seus próprios valores e,estabelecem seus próprios valores e, dessa forma, alguns podem coincidir, mas outros não. Nascemos em uma sociedade e herdamos os valores dessa sociedade. Somos educados de acordos com osSomos educados de acordos com os valores considerados corretos.
  • 7. Valores e educação E como a educação deve lidar com a questão dos valores? A educação visa a formação do ser humano. Tal formação pressupõe valores: Que ser humano se quer formar? Quais valores devem ser transmitidos? Os valores são imutáveis? Se educar pressupõe valores aSe educar pressupõe valores, a educação deve refletir sobre os valores herdados no meio social questionando se os mesmos estão a serviço do bem estar comum ou não.
  • 8. Moral É no campo da moral que será designado o “agir correto”. Ou seja, qual é o comportamento adequado da criança, do jovem, da mulher, do professor etc. Moral (mores em latim) significa jeito de ser, costume. Portanto, a moral se manifesta no conjunto de normas e regras que visam regular as relações dos indivíduos em uma sociedade.relações dos indivíduos em uma sociedade. Revelam os valores morais considerados corretos.
  • 9. Ética e moral A palavra ética vem do grego êthos que significa costume, modo de ser. A ética se caracteriza como um ramo da Filosofia que visa refletir sobre os fundamentos da moral. Ou seja, busca refletir sobre o porquê dos valores, qual o sentido, a quem interessam? Enquanto a moral nos diz como devemos agir a ética reflete sobre o porquê seagir a ética reflete sobre o porquê se deve agir dessa forma e não de outra.
  • 10. Moral, ética e educação O ser humano nasce moral? O ser humano não nasce moral ou ético; O ser humano nasce amoral; Aos poucos vai se apropriando da moral do seu grupodo seu grupo. A princípio seguimos uma moral heterônoma. Hetero = “outro” + nomos = “norma”, “regra” Devemos seguir de forma incondicional as regras morais da sociedade?
  • 11. Moral, ética e educação É desejável que se passe de uma moral heterônoma para uma moral autônoma; Autos = “eu mesmo” + nomos = “norma”, “regra”. Autonomia é o mesmo que individualismo?Autonomia é o mesmo que individualismo? É possível a convivência moral se cada um seguir os seus desejos?
  • 12. Sujeito ético Um dos objetivos da educação é formar o sujeito ético, o sujeito autônomo. Aquele que é capaz de agir com consciência, responsabilidade e liberdade. Consciência em relação a si e aosConsciência em relação a si e aos outros; Responsabilidade: reconhecer-se como autor da ação e responder por ela; Liberdade: capacidade de autodeterminar a sua vontadeautodeterminar a sua vontade.
  • 13. Interatividade De acordo com a discussão sobre juízos, podemos citar como exemplo de um juízo de valor, a seguinte frase: a) A folha do caderno é branca; b) A farmácia vende remédios;b) A farmácia vende remédios; c) A cachoeira é mais bela que a praia; d) A chuva molha a rua; e) O carro dos bombeiros é vermelho.
  • 14. Ética aristotélica Toda ação humana tem por objetivo alguma finalidade, algum bem. Por exemplo: Estudar para se formar e ter uma profissão. Há uma hierarquia de bens, ou seja, alguns são mais fundamentais do que outrossão mais fundamentais do que outros. Mas qual seria o supra-sumo do bem, será que há um bem final? Existe um fim último superior que condiciona todos os outros? Algo que é desejado por si mesmo sem estar condicionado a outro fim? Segundo Aristóteles, esse fim último é a felicidade.
  • 15. Busto de Aristóteles (384-322 a.C.) Disponível em www.wikipedia.org
  • 16. Ética aristotélica “[...] a ética aristotélica é finalista e eudemonista, quer dizer, marcada pelos fins que devem ser alcançados para que o homem atinja a felicidade (eudaimonía)” (VALLS, 1989). A felicidade é o fim último que todo ser humano deseja. Mas o que é a felicidade? O ser humano enquanto um ser complexo, precisa de vários bens como saúde, amizade, algum dinheiro etc. Para definir a felicidade é necessário explicar qual é a “função” do homem
  • 17. Ética aristotélica Analogia: a função do olho é enxergar, a função do ouvido é escutar, mas qual seria a “função” do ser humano como um todo? Não é apenas viver, pois os vegetais também vivem. Nem apenas sentir prazer e dor, pois os animais também sentem. O que é próprio e específico do ser humano é o pensar. Dessa forma, a atividade mais elevada do ser humano é sua atividade racional, seuser humano é sua atividade racional, seu pensar.
  • 18. Ética aristotélica O homem não deve apenas viver, mas viver bem. Viver bem implica em aprimorar-se enquanto ser humano: controlar as paixões, fazer escolhas com discernimento e equilíbrio e desenvolver a prática de bons hábitos. “A felicidade é, pois, a atualização das potências da alma humana de acordo com a sua excelência mais completa, a racionalidade” (CHAUI, 2002). O ser ético age de forma racional e, portanto, é senhor de si mesmo. Esse é um dos pressupostos da felicidade.
  • 19. Santo Agostinho É um importante representante do pensamento cristão. Na sua obra Confissões, narra suas experiências pessoais e a sua evolução espiritual. Embora não tenha escrito um tratado exclusivo sobre ética, alguns dos seus textos discutem questões fundamentais para uma reflexão nesse sentido. Com esse objetivo, vamos analisar algumasCom esse objetivo, vamos analisar algumas passagens, do seu livro O livre arbítrio.
  • 20. Santo Agostinho (354-430 d.C) Disponível em www.consciencia.org
  • 21. Santo Agostinho 1.Ev. Se possível, explica-me agora a razão pela qual Deus concedeu ao homem o livre- arbítrio da vontade, já que, caso não o houvesse recebido, o homem certamente não teria podido pecar. [ ][...] 3.Ag. [...] Com efeito, não é pelo fato de uma pessoa poder se servir da vontade também para pecar, que é preciso supor que Deus no-la tenha concedido nessa intenção Há pois uma razão suficienteintenção. Há, pois, uma razão suficiente para ter sido dada, já que sem ela o homem não poderia viver retamente.
  • 22. Santo Agostinho Ag.[...] Ora, seria isso uma injustiça, se a vontade livre fosse dada não somente para se viver retamente, mas igualmente para se pecar. Na verdade, como poderia ser castigado, com justiça, aquele que se i d t d fiservisse de sua vontade para o fim mesmo para o qual ela lhe fora dada? Assim, quando Deus castiga o pecador, o que te parece que ele diz senão estas palavras: “Eu te castigo porque não usaste de tua vontade livre para aquilo a que eu ade tua vontade livre para aquilo a que eu a concedi a ti”? Isto é, para agires com retidão.
  • 23. Santo Agostinho Por outro lado, se o homem carecesse do livre-arbítrio da vontade, como poderia existir esse bem, que consiste em manifestar a justiça, condenando os pecados e premiando as boas ações? Ag [...] Ora, todo bem procede de Deus. Não há, de fato, realidade alguma que não proceda de Deus. Considera, agora, de onde pode proceder [...] o pecado – sendo ele movimento defeituoso, e todo defeito vindo do não ser não duvides de afirmarvindo do não-ser, não duvides de afirmar, sem hesitação, que ele não procede de Deus.
  • 24. Santo Agostinho Dessa forma: Deus dotou o ser humano com o livre-arbítrio; O homem pode escolher entre fazer o bem ou o mal; O mal não provém de Deus, mas dasO mal não provém de Deus, mas das escolhas do homem; Se não houvesse livre-arbítrio para o mal o homem não pecaria, mas suas ações não teriam mérito; O mérito da ação consiste em podendo agirO mérito da ação consiste em podendo agir mal, não pecar e escolher agir de acordo com os mandamentos divinos.
  • 25. Interatividade Segundo as concepções de Santo Agostinho é correto afirmar: a) No mundo existem coisas ruins, portanto Deus não é bom; b) O homem é filho de Deus, logo quando ob) O homem é filho de Deus, logo quando o homem peca não pode ser culpado; c) Por ter livre-arbítrio o homem só pode praticar o bem; d) Deus dotou o homem de livre arbítrio para escolher entre o bem e o mal;para escolher entre o bem e o mal; e) O homem é imperfeito, dessa forma, só pode escolher fazer o mal.
  • 26. Ética kantiana Kant busca fundar uma ética universal e necessária. Uma ética válida para todos os seres humanos e que siga os mesmos princípios. A observação empírica pode nos informar aA observação empírica pode nos informar a respeito de como as pessoas agem, mas não porque elas devem agir dessa forma. Daí que essa ética não pode ser fundada na experiência; Kant busca uma fundamentação nãoKant busca uma fundamentação não- empírica para ética, uma fundamentação racional.
  • 27. Immanuel Kant (1724-1804) Disponível em www.consciencia.org
  • 28. Ética kantiana “Por que devo agir de tal forma?” No decorrer dos tempos as respostas, em geral, apontavam para um motivo externo: Deus, tradição, a autoridade paterna etc. A resposta de Kant é: [...] “ ‘devo’ – porqueA resposta de Kant é: [...] devo porque sou um ser racional. Eu não preciso perguntar a ninguém o que devo nem por que devo, mas unicamente a mim mesmo enquanto ser racional” (PORTA, 2002). A razão é capaz de produzir e ditar suasA razão é capaz de produzir e ditar suas próprias leis na forma de imperativos. Mas essa é apenas uma parte da resposta kantiana.
  • 29. Ética kantiana Na realidade, eu não “devo” apenas porque sou um ser racional, mas sim porque não sou um ser exclusivamente racional, mas também sujeito a impulsos e paixões. Um ser absolutamente racional, seguiria a lei ética de modo espontâneo. Contudo, para um ser que não é absolutamente racional, ou seja, que eventualmente pode entrar em contradição com a Razão, à lei adquire o caráter de um imperativo (Cf. PORTA, 2002). Devemos seguir os imperativos ditados pela razão.
  • 30. Ética kantiana O ser livre é aquele que impõe a si mesmo sua própria lei. Em conseqüência, um ser livre é um ser racional e vice-versa. Daí que o agir moral implica em auto determinar à vontade, em agir segundo a razão. Para Kant o primeiro imperativo básico da razão é: “Age de tal forma que a sua ação possa sempre valer como lei universal”sempre valer como lei universal A ação será ética se você desejar que todos ajam da mesma forma.
  • 31. Ética kantiana Outro imperativo básico da razão é: “Trate todo ser humano sempre como um fim em si mesmo e nunca como um meio”; As coisas que existem no mundo possuem valores relativos, já as pessoas possuemvalores relativos, já as pessoas possuem um valor em si. Esse valor em si é absoluto, daí que as pessoas não podem ser empregadas como meios para quaisquer outros fins. As coisas que têm um preço permitem umaAs coisas que têm um preço permitem uma troca entre equivalentes, mas o ser humano está acima de qualquer preço. O ser humano é dotado de um valor intrínseco que é a dignidade.
  • 32. Ética kantiana Dessa forma: O ser humano é dotado de vontade. A liberdade da vontade é a autonomia. Daí que uma vontade livre é uma vontade que obedece às leis da razão. Assim, a autonomia da vontade pressupõe escolher máximas que possam ser universalizadas. O ser humano é livre não quando age sem lei, mas sim quando é capaz de agir seguindo as próprias leis que foramseguindo as próprias leis que foram ordenadas pela sua própria razão. Daí que na perspectiva kantiana, ser livre é ser racional, é agir segundo os mandamentos da razão.
  • 33. Interatividade Segundo as concepções de Immanuel Kant, a verdadeira moral compreende: a) Seguir rigorosamente os mandamentos divinos; b) Obedecer as ordens determinadas pelasb) Obedecer as ordens determinadas pelas nossas paixões e desejos; c) Guiar-se apenas pelas orientações de pessoas formadas em Filosofia; d) Seguir os mandamentos ditados pela ó i ãnossa própria razão; e) Seguir a moral determinada pela tradição do nosso país.
  • 34. Nietzsche e a genealogia da moral Nietzsche, em sua obra Para genealogia da Moral, faz uma investigação sobre os fundamentos da moral. Qual a origem dos valores bom e mau? No dicionário encontramos as seguintesNo dicionário encontramos as seguintes definições: Bom. adj. 2 Benévolo, bondoso, benigno. 3 Misericordioso, caritativo. (AURÉLIO). Mau. adj. 3. De má qualidade; inferior. 5. V malvado (1): pessoa má (AURÉLIO)V. malvado (1): pessoa má. (AURÉLIO). Para Nietzsche é necessário rever como estes valores foram estabelecidos.
  • 36. Nietzsche e a genealogia da moral É necessário examinar como estes valores foram fundamentados para descobrir qual o seu valor de origem. Os historiadores da moral explicam que a origem do conceito "bom" esta relacionado às ações não-egoístas, benignas. Segundo Nietzsche, essa ideia é falsa. Para ele o juízo "bom" foi cunhado pelos próprios "bons" que se intitularam como tal. Não tem origem no bondoso, no benigno, mas sim nos nobres e poderosos que são os capazes de criar valores.
  • 37. Nietzsche e a genealogia da moral Os “superiores” do distanciamento que se encontravam dos “inferiores” tomaram para si o direito de criar valores. Qual o sentido etimológico da palavra “bom”, na sua origem? A idéia de “distinção”, “nobreza” é a idéia mãe da qual se origina a idéia “bom” e, a noção de “vulgar”, “plebeu”, “baixo”, transforma-se na idéia de “mau”. Nas raízes da palavra “bom” está à matrizNas raízes da palavra bom está à matriz de homens superiores, em contraposição “mau” designa os simples, comum, “ruim”, baixo.
  • 38. Nietzsche e a genealogia da moral Bom é quem extravasa a própria força, que enfrenta o perigo, que luta e ruim quem é rancoroso e fraco. (Cf. Marton, 1993). Moral de senhores é a moral dos nobres, dos fortes, dos poderosos. Moral de escravos é a moral dos fracos, a moral de rebanho, dos ressentidos. Mas “ ‘Os senhores’ foram abolidos; a moral do homem comum venceu” (Nietzsche, 1983). Para Nietzsche, este fato tem como base o judaísmo e o cristianismo que inverteram os verdadeiros valores e criaram uma rebelião dos “escravos da moral”.
  • 39. Nietzsche e a genealogia da moral A moral dos fracos se origina de uma negação. Vêem na força e na potência dos senhores um mau, um perigo a ser combatido. Como eles não podem se igualar e combater os mais fortes, designam estes por maus e se autodenominam “bons”. Impossibilitados de vencer os fortes invertem então os valores. O que significava “bom” passa a serO que significava bom passa a ser denominado como “mau” e vice versa
  • 40. Nietzsche e a genealogia da moral Os fortes fazem parte de uma aristocracia natural, daqueles que efetivam sua vontade de potência. Como estão no mesmo patamar, fazem um acordo, um contrato para não se destruírem mutuamente. Mas os ressentidos querem um acordo igual para todos, as mesmas regras tanto para os fortes como para os fracos. Querem uma democracia. Segundo Nietzsche não há uma igualdade natural entre os homens.
  • 41. Nietzsche e a genealogia da moral A ideia de igualdade, qualquer que seja ela, democrática, cristã, socialista, contraria a idéia originária da correlação de forças. É natural que a força se manifeste dominando e subjugando. “Exigir à força que não se manifeste como tal, que não seja uma vontade de dominar uma rede de inimigos, de resistência e de combate, é tão insensato como exigir à fraqueza que se manifeste como força” (NIETZSCHE, 1992) O sujeito não escolhe ser forte ou fraco. Ele é um ou outro.
  • 42. A ética segundo Max Weber Texto: “A política como vocação” (1919). Preocupação com uma ética que leve em conta suas possíveis conseqüências práticas, principalmente na esfera política. Para Weber há dois tipos distintos de ética:Para Weber há dois tipos distintos de ética: a ética de convicção e a ética de responsabilidade. Na ética da convicção toda ação é alimentada na convicção aos princípios valorativos fundamentais da própria crença.valorativos fundamentais da própria crença. O adepto age segundo sua convicção moral que é boa e, portanto, suas ações estão justificadas.
  • 43. Max Weber (1864-1920) Disponível em www.wikipedia.org
  • 44. Weber: a ética da convicção Na ética da convicção quando os fins se mostram catastróficos o adepto não se julga responsável por tal resultado. Exemplo: Ele fez sua parte, agindo por convicção,Ele fez sua parte, agindo por convicção, mas se o resultado não foi o esperado esse pode ser atribuído à vontade divina, à incompreensão humana, à decadência do mundo etc. Sua única responsabilidade é manterSua única responsabilidade é manter acesa a chama da convicção para que ela não se extinga.
  • 45. Weber: a ética da convicção Os partidários da ética da convicção, condenam o uso de meios violentos ou perigosos. Mas na ação prática sempre se recorre a esses meios para justificar que se alcance a paz ou um mundo melhor. Por exemplo: quando um ataque violento é justificado como necessário para instaurar a paz. Ou quando a igreja lançou mão das práticas da inquisição para purificar os infiéis. As guerras santas das diferentes religiões sempre se apoiaram na defesa da fé legitima e com isso justificavam suas ações violentas.
  • 46. Weber: a ética da responsabilidade Já os adeptos da ética da responsabilidade, sabem que não podem lavar as mãos às possíveis conseqüências dos seus atos. Qualidades fundamentais para o homem político: a paixão, o sentimento de responsabilidade e o senso de proporção. Paixão no sentido de devoção apaixonada a uma causa e não como uma forma de agir puramente subjetiva e vazia. Essa paixão não pode estar desconectadaEssa paixão não pode estar desconectada de um sentimento de responsabilidade, que funciona como a estrela guia da ação.
  • 47. Weber: a ética da responsabilidade A essas duas qualidades deve-se unir o senso de proporção, ou seja, a capacidade de pesar as conseqüências e decidir com serenidade Essa é a grande dificuldade para o chefe político: saber unir a ardente paixão ao frio senso de proporção. É necessário, ao mesmo tempo, possuir a paixão por uma causa e a capacidade de recolhimento para tomar as melhores decisões.
  • 48. Weber: a ética da responsabilidade A ação política, muitas vezes, recorre a violência. As justificativas são colocadas nos fins nobres a serem alcançados. Esse argumento é usado tanto por socialistas quanto pelos nazistas. Aquele que se dedica à política deve estar consciente desses paradoxos éticos: fins bons versus meios problemáticos. Os governantes não devem lavar as mãos às conseqüências desencadeadas por seus atos. Devem assumir a responsabilidade por suas ações, mesmo quando desencadeiam fatos não previstos.
  • 49. Interatividade Considerando as concepções que defende Nietzsche, pode-se afirmar que, segundo ele: a) Existe uma igualdade natural entre todos os homens; b) Em sua origem, o conceito “bom” era) g , atribuído as pessoas boas e caridosas; c) O forte deve controlar sua vontade de dominar e lutar pela igualdade democrática; d) A “moral de senhores” fortaleceu-se comd) A moral de senhores fortaleceu se com o advento do cristianismo; e) Nas raízes da palavra “bom” está à matriz de homens superiores, corajosos e fortes.
  • 50. “Há duas coisas que me enchem de assombro e admiração: o céu estrelado acima de mim e a lei moral dentro de mim” (Kant).