SlideShare uma empresa Scribd logo
“Espiritismo e mediunidade”
Grupo Espírita
Lamartine Palhano Jr.
Facilitador: Leonardo Pereira Aula 7
Introdução.
A faculdade se erradica no organismo.
Mediunidade de efeitos físicos.
Mediunidade de efeitos intelectuais.
Tipos incomuns de mediunidade.
Roteiro
A mediunidade
Mediunidade [do latim medium + -idade] – . Faculdade que a quase
totalidade das pessoas possuem, umas mais outras menos, de
sentirem a influência ou ensejarem a comunicação dos Espíritos,
tanto que Allan Kardec afirma serem raros os que não possuem
rudimentos de mediunidade. Em alguns, essa faculdade é ostensiva e
necessita ser disciplinada, educada; em outros, permanece latente,
podendo manifestar-se episódica e eventualmente.
A faculdade propriamente dita se
radica no organismo; independe
do moral.
...Não constitui um privilégio exclusivo de uma ou
outra pessoa, pois, sendo uma possibilidade
orgânica , é hereditária e depende de um
organismo mais ou menos sensitivo...
O LIVRO DOS MÉDIUNS – 62a ed. – Allan Kardec (GUIA
DOS MÉDIUNS E DOS EVOCADORES) (Paris - 1861)
L.Palhano / dicionário de filosofia espírita / pag. 205
Quais seriam as regiões do corpo responsáveis por esse sentido? Em
que setores da economia biológica vamos identificá-lo?
1. Aptidão ao
desdobramento
perispiritual:
A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO
Em se iniciando a criatura na produção do pensamento contínuo, o
sono adquiriu para ela uma importância que a consciência em
processo evolutivo até aí não conhecera.
Usado instintivamente pelo elemento espiritual como recurso
reparador das células físicas, semelhante estado fisiológico carreou
possibilidades novas de realização.
Amadurecido para pensar e mentalizar, o homem começou a exercitar
o desprendimento parcial do corpo sutil durante o sono, dando os
primeiros passos na conquista do desdobramento do estado do sono.
...passaram do desdobramento durante o sono ao desprendimento
durante a vigília, inaugurando no planeta a mediunidade sonambúlica,
que está na base de quase todos os fenômenos mediúnicos.
André Luiz no livro "Mecanismos da Mediunidade"
1. Aptidão ao
desdobramento
perispiritual:
2. Larga
desarticulação das
forças anímicas:
A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO
Na mediunidade de efeitos físicos haverá
mobilização de elementos biológicos que André
Luiz denomina de "recursos periféricos do
citoplasma", que ao lado do fluido vital
exteriorizado vai dar origem ao ectoplasma da
terminologia científica.
André Luiz identifica nos medianeiros de todas as
modalidades uma "comunhão menos estreita
entre as células do corpo físico e do corpo
espiritual", o que certamente facilitaria o
desdobramento, que é o passo inicial na maioria
dos fenômenos mediúnicos.
Sendo menos densos os elos de ligação entre os
implementos físicos e espirituais, mais
facilmente o medianeiro poderá exteriorizar
para fora de sua individualidade as energias
necessárias ao intercâmbio.
Em "Nos Domínios da Mediunidade", André
Luiz colabora nessa idéia ao dizer:"Raios
ectoplásmicos são raios peculiares a todos os
seres vivos e é ainda na base deles que se
efetuam todos os processos de materialização
mediúnica, porquanto os sensitivos encarnados
que os favorecem libertam essas energias com
mais facilidade."
• Dr. Nubor Facure, professor titular de
Neurologia na Unicamp, examinando o papel
do cérebro no fenômeno, esclarece:
• "O fenômeno mediúnico se processa no
cérebro do médium e sempre com a
participação deste. É um processo de
automatismo complexo, realizado através do
cérebro sob a atuação de entidades
espirituais que sintonizam com o médium.
1. Aptidão ao
desdobramento
perispiritual:
2. Larga
desarticulação das
forças anímicas:
A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO
3. Sistema nervoso:
• Dispomos no nosso cérebro de centros de
atividades automáticas para as diversas atividades
motoras que nos permitem, por exemplo, falar
fluentemente, escrever rapidamente, pintar ou
dedilhar um instrumento musical. Essas áreas
expressam suas atividades com pouca participação
da consciência. Desde que o médium possa
destacar seu foco de consciência, o Espírito
comunicante pode se ocupar dos núcleos de
atividade automática do cérebro do médium e
fazer transcorrer por ali conceitos da sua
mensagem."
• Em "Missionários da Luz", cap. I e II, André Luiz,
estudando um médium psicógrafo com o instrutor
Alexandre, observa a epífise do médium a emitir
intensa luminosidade azulada, ao que o instrutor
esclarece:
• "No exercício mediúnico de qualquer modalidade,
a pineal desempenha o papel mais importante."
2. Larga
desarticulação das
forças anímicas:
A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO
3. Sistema nervoso:
1. Aptidão ao
desdobramento
perispiritual:
4. Epífise:
• André Luiz observa:
• "Reconheci que a glândula pineal do médium expelia
luminosidade cada vez mais intensa... a glândula minúscula
transformara-se em núcleo radiante e ao redor seus raios
formavam um lótus de pétalas sublimes. Examinei
atentamente os demais encarnados e observei que em todos
a pineal apresentava notas de luminosidade, mas em
nenhum brilhava como no médium em serviço. Alexandre
esclarece: é na pineal que reside o sentido novo dos homens,
entretanto, na grande maioria, a potência divina dorme
embrionária."
2. Larga
desarticulação das
forças anímicas:
A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO
3. Sistema nervoso:
1. Aptidão ao
desdobramento
perispiritual:
4. Epífise:
Arvore da Mediunidade
Sensitivos e
Impressionáveis
Inspiração e Intuição
Desdobramento ou
Emancipação da alma
Audiência
Vidência
Clarividência
Clariaudiência
Psicofônia
Psicografia
Psicopraxia
Cura
Intuição é a
inspiração
quando cresce
(Emmanuel - Encontros no Tempo -
pergunta 34)
Classificação Mediúnica
(Segundo a aptidão do médium)
1 - EFEITOS FÍSICOS:
Mediunidade em que se observam os
fenômenos objetivos e, por isso,
perceptíveis pelos sentidos físicos.
Classificação Mediúnica
(Segundo a aptidão do médium)
• Fluidos
Levitação
Transporte
Pneumatofonia
Pneumatografia
Transfiguração ( figura entre os dois efeitos).
Materialização / Ectoplasmia
• Cura.
Classificação Mediúnica
(Segundo a aptidão do médium)
1 - EFEITOS INTELIGENTES :
Os fenômenos de Efeitos Inteligentes são
aqueles que têm sua atuação diretamente
sobre o intelecto do médium ou são
percebidos pelo cérebro por vias das
sensações. Os efeitos são sentidos pelo
médium.
Classificação Mediúnica
(Segundo a aptidão do médium)
Intelectuais:
PSICOFONIA
PSICOGRAFIA
PSICOPRAXIA
AUDIÊNCIA / CLARIAUDIÊNCIA
VIDÊNCIA /DUPLA VISTA / CLARIVIDÊNCIA
DESDOBRAMENTO / EMANCIPAÇÃO DA ALMA.
MÉDIUNS INSPIRADOS.
MÉDIUNS DE PRESSENTIMENTOS OU PRESCIENTES.
MÉDIUNS PROFÉTICOS.
Allan Kardec –
LM – cap. XVI
[...] Se analisarmos sob a
infla mediúnica, ver-se-á
que, em todos, há o
efeito físico, e que
aos efeitos físicos se
junta, o mais
freqüentemente um
efeito inteligente. O
limite entre
os dois é difícil de se
estabelecer.
Classificação Mediúnica
(Segundo a aptidão do médium)
3 – Tipos incomuns de mediunidade :
Ectoplasmia .
Curas mediúnicas.
Agêneres.
Fotografias dos espíritos.
Levitação.
Manifestações Mediúnicas Artísticas:
Médiuns pintores ou desenhistas.
Médiuns músicos.
Médiuns versejadores.
Médiuns Poéticos.
Médiuns literários.
Médiuns historiadores.
Mediunidade Poliglota e especular.
1. Conceito de ectoplasmia
A palavra ectoplasmia deriva de
ectoplasma que, em biologia,
refere-se à camada mais externa
do protoplasma celular.
O protoplasma é uma
substancia coloidal, viscosa e
espessa, ricas em elementos
vitais, existente no interior da
célula, excluído o núcleo.
A palavra foi criada por Charles
Richet (1850-1935), conhecido
como o “Pai da Metapsíquica”,
ciência psíquica por ele
Para o Espiritismo o ectoplasma assemelha-se a uma
“[...] pasta flexível, à maneira de uma geléia viscosa e
semilíquida [...]”. (10) Nas manifestações mediúnicas
de efeitos físicos, em especial nas materializações
espirituais, é expelida do corpo do médium, “[...]
através de todos os poros e, com mais abundancia,
pelos orifícios naturais, particularmente da boca, das
narinas e dos ouvidos, com elevada percentagem a
exteriorizar-se igualmente do tórax e das extremidades
dos dedos”. A substancia possui cheiro peculiar e cor
leitosa que, durante as materializações, escorre em
movimentos reptilianos, ao longo do corpo do médium
que o produz, acumulando-se na parte inferior do
organismo físico, onde adquire um aspecto de grande
massa protoplásmica, viva e tremulante.
Formado a partir do
protoplasma celular, o
ectoplasma possui
densidade e características
específicas, que o situa
entre a matéria densa e a
matéria perispiritual. Trata-
se de uma substancia
saturada do magnetismo
humano, utilizada pelos
Espíritos na produção de
fenômenos mediúnicos
específicos ou de
ectoplasmia, categorizados
pela Codificação como de
efeito físicos, e de
curas magnético-
espirituais;
materializações e
transportes de Espíritos
ou de objetos; formação
de ageneres; fotografia
de Espíritos; levitação;
transfiguração e
poltergeist. São
manifestações
mediúnicas raras nos
dias atuais, exceto as
curas espirituais.
Apresentamos, em
seguida, as principais
características de alguns
desses fenômenos que
não foram estudados no
2. Curas Mediúnicas
A Doutrina Espírita ensina que toda
doença tem origem no Espírito porque a
ação moral desequilibrada do indivíduo
afeta o seu perispírito. Como o perispírito
do encarnado está intimamente ligado ao
seu corpo físico, o desajuste vibratório de
um afeta o outro, produzindo, em
conseqüência, as doenças.
A mediunidade curadora [...] consiste,
principalmente, no dom que possuem
certas pessoas de curar pelo simples
toque, pelo olhar, mesmo por um gesto,
sem o concurso de qualquer
medicação. [...] Evidentemente, o fluido
magnético [ectoplásmico] desempenha
ai importante papel; porém, quem
examina cuidadosamente o fenômeno
sem dificuldade reconhece que há mais
alguma coisa.
A magnetização ordinária é um
verdadeiro tratamento seguido, regular
e metódico [...]. Todos os
magnetizadores são mais ou menos
aptos a curar, desde que saibam
conduzir-se convenientemente, ao
passo que nos médiuns curadores a
faculdade é espontânea e alguns até a
possuem sem jamais terem ouvido
falar de magnetismo. A intervenção de
uma potencia oculta [Espíritos
Allan Kardec esclarece que a “[...] cura
se opera mediante a substituição de
uma molécula malsã por uma
molécula sã. O poder curativo estará,
pois, na razão direta da pureza da
substancia inoculada; mas, depende
também da energia da vontade que,
quanto maior for, tanto mais abundante
emissão fluídica provocará e tanto
maior força de penetração dará ao
fluido”. (2)
Outro tipo de mediunidade de efeitos
físicos, muito relacionado às curas, são
as cirurgias espirituais, também
denominadas cirurgias simpatéticas –
assim chamadas por sua semelhança
com a magia – e que envolvem grandes
movimentações de fluídos
ectoplásmicos. Tais não acontecem, em
geral, nas casas espíritas e os médiuns
deste tipo de fenômeno, nem sempre
são espíritas.
O conhecido médium brasileiro José
Arigó, por exemplo, realizava cirurgias
espirituais utilizando facas ou canivetes,
sem anestesia nem cuidados assépticos.
A médium paulista Bernarda Torrúbio
não utilizava instrumentos para realizar
as cirurgias; após a prece costumeira,
estendia as mãos sobre o doente sem
tocá-lo, expelindo pelo vomito, em
seguida, sangue e restos orgânicos dos
tumores ou males que afetavam o
doente.
Esta mediunidade de cura está
associada a outra: a de transporte.
Ou seja, o Espírito desintegrava o
tumor localizado no organismo do
doente e o materializava no
estomago da médium que, em
seqüência, o expelia. O livro A
Mediunidade Segundo o
Espiritismo, de Carlos Bernardo
Loureiro, editora Minêmio Túlio,
A doação magnético-espiritual,
usual nos trabalhos espíritas,
pode curar um enfermo, caso
não haja implicações cármicas
impeditivas. Mesmo assim,
produz significativo alívio ao
doente, podendo, em
conseqüência, abrandar a
manifestação da enfermidade.
As curas espíritas são obtidas pela
aplicação do passe, pela fluidificação da
água, pelo hábito saudável da oração,
pelo enriquecimento da fé – obtida por
meio de atitudes mentais positivas e
mudanças de hábitos negativos. A
transmissão fluídica pode ser feita
diretamente à pessoa doente ou, a
distancia, por meio dos efeitos
plasmadores (ideopláticos) do
Há casas espíritas que realizam
reuniões especiais de
transmissão de fluídos, pelo
passe, pela prece e pela
intervenção espiritual indireta ou
direta, como nos casos de
cirurgias espirituais. Quando
bem orientadas, tais reuniões
proporcionam significativos
A natureza do trabalho exige maiores
cuidados na preparação dos
médiuns, no que diz respeito à
alimentação, à ingestão de
substancias tóxicas ou irritativas
(álcool, tabaco, etc.) e à manutenção
de equilíbrio moral e emocional.
Registramos, porém, que a cura
definitiva das doenças está
relacionada aos processos de
reajustes do Espírito perante a Lei de
3. Agêneres
Agênere (literalmente, “o que não foi
gerado”) é uma modalidade de aparição
ou materialização tangível; estado
temporário em que certos Espíritos se
apresentam, muito similar ao da pessoa
encarnada, ao ponto de produzir a ilusão
completa [a de que ela está encarnada]
(6) Allan Kardec explica assim o
fenômeno dos agêneres:
O [...] perispírito, no seu estado
normal, é invisível; mas, como é
formado de substancia etérea, o
Espírito, em certos casos, pode,
por ato da sua vontade, fazê-lo
passar por uma modificação
molecular que o torna
momentaneamente visível. É
assim que se produzem as
aparições [...].
Conforme o grau de condensação
do fluído perispirítico, a aparição
é às vezes vaga e vaporosa;
doutras vezes, mais nitidamente
definida; doutras, enfim, com
todas as aparecias da matéria
tangível. Pode, mesmo, chegar,
até, à tangibilidade real, ao ponto
de o observador se enganar com
relação à natureza do ser que tem
4. Fotografia de Espíritos
A fotografia de Espíritos, animais, plantas ou cenas do
plano espiritual, tem como base o princípio da
ideoplastia ou das criações fluídicas, fenômenos pelo
qual “[...] o pensamento pode materializar-se, criando
formas que muitas vezes se revestem de longa duração,
conforme a persistência da onda em que se
expressam”. (8) Isto acontece porque os Espíritos
atuam mentalmente sob os fluídos espirituais, de forma
intencional, ou não, combinando-os, dispensando-os,
formando conjuntos, imagens com movimento e colorido
próprios. (1) “Idênticos fenômenos com a ideoplastia por
base são comuns na fotografia transcendente, em seus
vários tipos [...]”. (9)
O americano H. Mumler é, sem dúvida,
o pioneiro no campo das fotografias
transcendentais. Obteve, pela primeira
vez, no ano de 1861, uma imagem
humana junto a pessoas encarnadas
que foram por ele fotografadas. O livro
História do Espiritismo, de Arthur
Conan Doyle, editora Pensamento,
apresenta maiores informações sobre
os médiuns-fotógrafos.
5. Levitação
Levitação é o fenômeno pelo qual pessoas, animais
ou coisas erguem-se do solo, elevando-se no ar, a
pequenas ou consideráveis alturas, com eventuais
deslocamentos, sem evidente causa física. Há casos
em que a pessoa ou o objeto levitado vai até o teto
ou paira sobre as copas das árvores ou sobre a
crista dos monte. [...] Não só a literatura espírita,
mas também a Bíblia e o próprio Hagiológico da
Igreja Católica narram casos de médiuns, de
profetas e de santos que se elevaram no ar, ou
levitaram em ambientes fechados, templos e ao ar
livre. (7)
Hagiológico ou hagiográfico: estudo relativo à biografia dos santos da Igreja Católica
Kardec explica que quando alguém ou
um objeto “[...] é posto em movimento,
levantado ou atirado para o ar, não é
que o Espírito o tome, empurre ou
suspenda, como o faríamos com a
mão. O Espírito o satura, por assim
dizer, do seu fluído, combinando-o com
o do médium”. (4) Dessa forma, cria
uma substancia (força ou energia)
intermediária e própria para a
realização dos fenômenos de levitação.
A levitação é também
chamada de mediunidade
de translação ou de
suspensão. Sem sombras
de dúvidas, um dos mais
notáveis médiuns de
levitação foi o escocês
Daniel Douglas Home
(1833-1886),
cognominado de “o
homem flutuante”. Maiores
informações sobre os efeitos deste excepcional médium
do século dezenove são encontrados na Revista
Espírita de 1858, mês de fevereiro, e na de 1863, mês
de setembro, bem como no livro Allan Kardec, volume
Os fenômenos mediúnicos,
sobretudo os de efeitos
físicos, chamam a atenção
das pessoas. Médiuns menos
esclarecidos transformam-
nos em espetáculos públicos,
em peças teatrais. Entretanto,
cada “[...] médium é
mobilizado na obra do bem,
conforme as possibilidades
de que dispõe. Esse orienta,
outro esclarece; esse fala,
outro escreve; esse ora,
Refletindo a respeito, lembramos a
orientação de Paulo aos
colossenses, inserida no inicio
deste Roteiro, que fala da
necessidade de nos revestirmos da
“caridade, que é o vínculo da
perfeição”. Esta é a palavra-chave,
independentemente da
mediunidade que possuímos.
Todo discípulo do Evangelho precisará coragem para
atacar os serviços da redenção de si mesmo. Nenhum
dispensará as armaduras da fé, a fim de marchar com
desassombro sob tempestades. O caminho de resgate e
elevação permanece cheio de espinhos. O trabalho
constituir-se-á de lutas, de sofrimentos, de sacrifícios,
de suor, de testemunhos. Toda a preparação é
necessária, no capítulo da resistência; entretanto, sobre
tudo isto é indispensável revestir-se nossa alma de
caridade, que é amor sublime. A nobreza de caráter, a
confiança, a benevolência, a fé, a ciência, a penetração,
os dons e as possibilidades são fios preciosos, mas o
amor é o tear divino que os entrelaçará, tecendo a
túnica da perfeição espiritual. A disciplina e a educação,
a escola e a cultura, o esforço e a obra, são flores e
frutos da árvore da vida, todavia, o amor é a raiz eterna
1. Manifestações Mediúnicas Artísticas
O conhecimento do mundo não se
expressa apenas em conceitos
abstratos, fórmulas matemáticas ou
equações geométricas. Pela arte é
possível captar a realidade de forma
imediata, intuitiva e sensível. Tendo
como base o sentimento, a arte se
exprime por meio da percepção do belo
e da experiência estética.
O sentimento é o veículo que a arte se
expressa, retratando emoções
positivas ou negativas, tais como
alegria, esperança, tristeza ou
desespero. O artista é a pessoa que
possui a capacidade de racionalizar o
sentimento, de forma a ser
contemplado e entendido. A
manifestação artística representa o
que é normalmente chamado de
“experiência interior”.
O conceito de beleza costuma ser
associado ao de bom. Sócrates afirmava
que o que é belo é bom. Por outro lado,
se o belo desperta o bom, deve fazer
parte da educação do indivíduo. Nesse
sentido, o dramaturgo e poeta alemão
Johann Schiller (1759-1805) propôs a
educação estética como forma de
harmonizar e aperfeiçoar o mundo e do
ser humano alcançar sua verdadeira
liberdade.
A palavra estética origina-
se do grego aisthetiké,
significando tudo aquilo
que pode ser percebido
pelos sentidos.
O codificador do
Espiritismo considera que
as manifestações artísticas
são tanto mais grosseiras,
rudes, contendo
características de fealdade,
quanto menor for o senso
moral do artista.
Diz-se, de há muito, que o
semblante é o espelho da
alma. Esta verdade, que se
tornou axioma, explica o
fato vulgar de
desaparecerem certas
fealdades sob o reflexo das
qualidades morais do
Espírito e o de, muito
amiúde, se preferir uma
pessoa feia, dotada de
eminentes qualidades, a
outra que apenas possui a
beleza plástica.
Os artistas são pessoas que, em geral, apresentam
características peculiares da personalidade, em
razão da sua aguçada sensibilidade. Tais
características os tornam diferentes das pessoas
comuns, sendo, não raro, equivocadamente vistos
como pessoas exóticas, de difícil convívio. Entender
a mente de um artista nem sempre é tarefa fácil,
uma vez que o seu psiquismo, as suas motivações
são diferentes das do comum dos mortais. Os
artistas trazem as emoções à flor da pele, passando
da tristeza à alegria, ou da euforia à depressão,
rapidamente, porque a sensibilidade é, neles, de
certa forma, exagerada, mesmo nos menos
criativos. Emmanuel esclarece:
O artista, de um modo geral, vive quase sempre
mais na esfera espiritual que propriamente no plano
terrestre. Seu psiquismo é sempre a resultante do
seu mundo íntimo, cheio de recordações infinitas
das existências passadas, ou das visões sublimes
que conseguiu apreender nos círculos de vida
espiritual, antes da sua reencarnação no mundo.
Seus sentimentos e percepções transcendem aos
do homem comum, pela sua riqueza de experiências
no pretérito, situação essa que, por vezes, dá
motivos à falsa apreciação da ciência humana, que
lhe classifica os transportes como neurose ou
anormalidade, nos seus erros de interpretação.
As manifestações artísticas expressas por via
mediúnica são tão variadas quanto as
expressas pela arte.
O Espírito comunicante e médium possuem o
conhecimento artístico necessário para
viabilizar a manifestação.
O conhecimento que o médium tem do assunto
pode ter origem em experiência reencarnatória
anterior, em aprendizado desenvolvido no plano
espiritual ou em aquisições obtidas na atual
vivencia física.
Indicamos, em seguida, os principais tipos de
médiuns para manifestações artísticas.
 “Médiuns pintores ou desenhistas: os
que pintam ou desenham sob a influencia
dos Espíritos. Falamos dos que obtém
trabalhos sérios, visto não se poder dar
esse nome a certos médiuns que Espíritos
zombeteiros levam a fazer coisas
grotescas, que desabonariam o mais
atrasado estudante”. (1) A mediunidade
pictórica é facilmente sujeita à mistificação
e à ação de Espíritos levianos. É preciso
cautela em relação a esse tipo de produção
artística. (2)
 “Médiuns músicos: os que executam,
compõem ou escrevem músicas, sob a
influencia dos Espíritos. Há médiuns
músicos, mecânicos, semimecânicos,
intuitivos e inspirados, como os há para as
comunicações literárias”. (2) Os maiores
médiuns musicais deste século vinte foram
Iole Catera e Rosemary Brown, nascidas na
Itália e na Inglaterra, respectivamente.
Sob a ação dos Espíritos-
músicos, Iole Catera
improvisava músicas e
produzia arranjos de
músicas existentes. Sob
inspiração, escrevia
composições musicais
para piano, para canto,
para orquestra, revelando
profundo conhecimento
das leis da harmonia e do
contraponto, não
adquirido na sua última
reencarnação.
Rosemary Brown,
apesar de ter
recebido, na atual
encarnação, algum
conhecimento
musical, transmitiu
mediunicamente
composições dos
maiores expoentes
da música clássica,
consideradas de
altíssima qualidade.
 “Médiuns versejadores: obtém, mais
facilmente do que outros, comunicações em
versos. Muito comuns, para maus versos; muito
raros, para versos bons”. (3)
“Médiuns Poéticos: sem serem versificadas,
as comunicações que recebem tem qualquer
coisa de vaporoso, de sentimental; nada que
mostre rudeza. São, mais do que os outros,
próprios para a expressão de sentimentos ternos
e afetuosos. Tudo, nas suas comunicações, é
vago; fora inútil pedir-lhes idéias precisas. Muito
comuns”. (4)
 “Médiuns literários: não apresentam nem
o que há de impreciso nos médiuns poéticos,
nem o terra-a-terra dos médiuns positivos
(médiuns cujas comunicações são nítidas e
precisas); porém, dissertam com sagacidade.
Tem o estilo correto, elegante e,
freqüentemente, de notável eloqüência”. (4)
 “Médiuns historiadores: os que revelam
aptidão especial para as explanações
históricas. [...] Variedade rara dos médiuns
positivos”. (4)
2. Mediunidade Poliglota e
especular.
Os médiuns que durante o transe
falam ou escrevem em línguas
estrangeiras possuem a mediunidade
poliglota, também conhecida como
mediunidade de xenoglossia (xeno =
diferente, estrangeiro; glosso =
língua). São muito raros. (5)
A manifestação mediúnica em uma língua
estrangeira não apresenta utilidade de ordem
prática quando acontece na reunião mediúnica,
sobretudo se as pessoas presentes
desconhecem a língua em que o Espírito se
manifesta. Tem valor quando, dirigida a público
não espírita ou com reduzido conhecimento da
Doutrina Espírita, fornece evidencias da
sobrevivência do Espíritos, após a morte do
corpo físico. Há casos de obsessão em que o
Espírito se manifesta, falando ou escrevendo, em
língua estrangeira. O médium, por outro lado, só
tem domínio desta, por aquisição na presente
existência ou em reencarnações anteriores.
Nos processos de comunicação
viabilizados pela mediunidade
poliglota, as idéias do Espírito
comunicante chegam à mente do
médium sob a forma de imagens.
Estas imagens são captadas e
decodificadas pela mente do
médium, que as transmitem pela
escrita ou pela fala. Kardec nos
fornece as seguintes explicações:
O Espírito que se quer comunicar compreende, sem
dúvida, todas as línguas, pois que as línguas são a
expressão do pensamento e é pelo pensamento que
o Espírito tem a compreensão de tudo; mas, para
exprimir esse pensamento, torna-se-lhe necessário
um instrumento e este é o médium.
A alma do médium, que
recebe a comunicação de um
terceiro, não a pode
transmitir, senão pelos
órgãos do seu corpo. Ora,
esses órgãos não podem ter,
para uma língua que o
médium desconheça, a
flexibilidade que apresentam
para a que lhe é familiar. Um
médium, que apenas saiba o
francês, poderá,
acidentalmente, dar uma
resposta em inglês, por
exemplo, se ao Espírito apraz
fazê-lo [...]. (6)
É importante distinguir mediunidade
poliglota ou de xenoglossia das
manifestações incoerentes da glossolalia.
Glossolalia (glosso = língua, lalia =
balbucio) é a repetição de colocações sem
sentido, não relacionadas ao assunto ou
situação envolvida. (9) São balbucios que
simulam sons ou ruídos de uma língua
estrangeira, porém, são totalmente
ininteligíveis. É muito comum em processos
obsessivos graves (fascinação e
subjugação).
O termo xenoglossia foi o professor Richet
[Charles Richet] quem o propôs, com o
intuito de distinguir, de modo preciso, a
mediunidade poliglota propriamente dita,
pela qual os médiuns falam ou escrevem
em línguas que eles ignoram totalmente[...],
de glossolalia, nos quais os pacientes
sonambúlicos falam ou escrevem em
pseudolínguas inexistentes, elaboradas nos
recessos subconsciênciais[...]”. (8)
Há casos excepcionais em que a mensagem
mediúnica é recebida em língua estrangeira e
invertida, escrita de trás para frente, de forma que a
sua leitura só é facilitada por um espelho. Trata-se
da mediunidade especular. Os médiuns Francisco
Candido Xavier e Divaldo Franco receberam
mensagens em inglês, respectivamente ditadas
pelos Espíritos Emmanuel e Joanna de Angelis. Veja
a ilustração que se segue. No Congresso Espírita
Mundial, ocorrido em Paris, em 2004, por ocasião
das comemorações do bicentenário de nascimento
da Allan Kardec, Divaldo Franco recebeu uma
mensagem de Léon Denis, escrita em francês e
invertida.
2. Mediunidade de Psicometria
Em psicologia experimental, psicometria “[...] significa
registro, apreciação da atividade intelectual, entretanto,
nos trabalho mediúnicos, esta palavra designa a
faculdade de ler impressões e recordações ao contato
de objetos comuns”. (13) Neste sentido, o médium
psicômetra que possui essa rara faculdade, “[...]
tocando em determinados objetos, entra em relação
com as pessoas e fatos aos mesmos ligados. Essa
percepção se verifica em vista de tais objetos se
acharem impregnados da influencia pessoal do seu
possuidor”. (11) Alguns médiuns necessitam sentir o
objeto pelo tato, a fim de fazer a leitura psicométrica.
Para outros, porém, é suficiente observar o objeto.
A psicometria é a faculdade que possuem certos
sensitivos de, ao contato, direto ou à simples
presença de um determinado objeto, ou mesmo
de um fragmento mineral, vegetal ou animal,
apreender psiquicamente a história da própria
peça em si, como matéria, ou a história do seu
possuidor ou de pessoas que estiveram
relacionadas com esse objeto, reconstituindo os
respectivos ambientes, os fatos, pensamentos e
sensações por elas vivenciadas no passado e no
presente e, muitas vezes, prenunciando
acontecimentos futuros que lhes dizem respeito.
(10)
A leitura psicométrica só é possível porque a onda
mental do médium, ao entrar em contato com o objeto,
se expande e passa a circular dentro de um circuito
fechado, desenvolvido pela atenção profunda e pela
percepção avançada, “com a capacidade de transportar
os sentidos vulgares para alem do corpo físico, no
estado natural de vigília”. (12)
A leitura psicométrica ocorre por duas
vias: a) percepção dos fatos impressos na
aura do objeto; b) relação telepática que o
médium psicometra faz com a mente de
quem possui o objeto, independentemente
esteja este encarnado ou desencarnado.
Podemos, então, imaginar que o
psicometra, ao ter contato, direto ou
indireto, com um objeto, entra em uma
espécie de túnel do tempo, tomando
conhecimento de fatos e pessoas
relacionados os objeto em questão.
Os médiuns que possuem mediunidades
incomuns, como as citadas neste Roteiro,
são muito assediados por mentes
invigilantes, as quais são ávidas por
novidades ou pelo que consideram
fantástico e maravilhoso. São pessoas que
vivem em busca de um “sinal” para que
tenham a fé fortalecida. Considerando este
fato e, também, a citação do evangelista
Marcos inserida no inicio do estudo,
esclarece Emmanuel.
No Espiritismo-cristão, de quando em quando
aparecem aprendizes do Evangelho sumamente
interessados em atender a certas requisições, no
capítulo da fenomenologia psíquica. Exigem
sinais do Céu, tangíveis, incontestáveis. Na
maioria das vezes, porém, a movimentação não
passa de simples repetição do gesto dos fariseus
antigos. Médiuns e companheiros outros, em
grande número, não se precatam de que os
pedidos de demonstrações celestes são
formulados, quase que invariavelmente, em
obediência a propósitos inferiores. Há ilações
lógicas no assunto, que importa não
desprezarmos.
Se um espírito permanece encarnado na Terra, como
poderá fornecer sinais de Júpiter? Se as solicitações
dessa natureza, endereçadas ao próprio Cristo, foram
situadas no âmbito das tentações, com que argumento
poderão impô-las os discípulos novos aos seus amigos
do invisível? (...) Quem reclama sinais do Céu será
talvez ignorante ou portador de má-fé; contudo, o
seguidor da Boa Nova que procura satisfazer o
insensato é distraído ou louco. Se te requisitam
demonstrações exóticas, replica, resoluto, que não foste
designado para a produção de maravilhas e esclarece a
teu irmão que permaneces determinado a aprender com
o Mestre a ciência da Vida Abundante, a fim de
ofereceres à Terra o teu sinal de amor e luz,
inquebrantável na fé, para não sucumbir às tentações.
(15)
Referências
Bibliográficas
Fontes de Consulta
1. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns, Cap II, item 60
2. _______, Cap V, item 83
3. _______, item 87
4. _______, item 89
5. _______, item 96
6. _______, item 98
7. _______, Cap IX, item 132
8. _______, item 132, pergunta 12
9. _______, pergunta 13
10. _______, pergunta 14
11. _______, Cap XII, item 146
12. _______, item 150
13. _______, item 151
14. _______, Cap XIV, item 177
15. ANDRADE, Hernani Guimarães. Espírito, Perispírito e Alma. Cap VIII, p 190
16. _______, p 192-193
17. _______, A Transcomunicação Através dos Tempos, Cap V, p 25
18. _______, p 26
19. BOZZANO, Ernesto. Povos Primitivos e Manifestações Supranormais. Cap I
20. ________, Cap IV
21. ________, Cap V
22. DOYLE, Arthur Conan, Historia do Espiritismo, p 381
23. ________, p 417
24. NÁUFEL, Jose. Do ABC ao Infinito. Espiritismo Ex-perimental. Cap X, p 81
25. ________, p 83
26. XAVIER, Chico. Libertação. Cap 20
27. ________. Nos Domínios da Mediunidade. Cap XXVIII, p 298
28. ________, p 298,302 e 303
29. ________, p 302-303
1. KARDEC, Allan. A Gênese, cap 14, item 14
2. ________, item 31
3. ________, item 35
4. ________, O Livro dos Médiuns, Segunda parte, Cap 4
5. ________, Cap 14, item 175
6. ________, Cap 32, item Agenere
7. NÁUFEL, José, Do abc ao infinito, Cap 16
8. XAVIER, Francisco C e VIEIRA, Waldo, Mecanismos da mediunidade, Cap 19
9. ________, Item: Em outros fenômenos
10.XAVIER, Francisco C. Nos domínios da mediunidade. Cap 28
11.________, Seara dos médiuns, Item: Faculdades mediúnicas
12.________, Vinha de luz. Cap 5
1. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns, cap 16, item 190, p 242
2. ________, p 243
3. ________, item 193, p 246
4. ________, p 247
5. ________, item 191, p 244
6. ________, Cap 19, item 224
7. ________, Obras Póstumas, Primeira parte, Teoria da beleza.
8. BOZZANO, Ernesto. Xenoglossia, introducao.
9. DICIONÁRIO MÉDICO ENCICLOPÉDICO TABER.
10.NAUFEL, José. Do abc ao infinito. Espiritismo experimental. Cap 18
11.PERALVA, Martins. Estudando a mediunidade. Cap 39
12.XAVIER, Francisco C e VIEIRA, Waldo. Mecanismos da mediunidade. Cap 20
13.XAVIER, Francisco C, Nos Domínios da Mediunidade. Cap 26
14.________, O consolador, questão 165
15.________, Vinha de luz. Cap 145

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇAAula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Flávio Soares
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Jose Luiz Maio
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
Emancipação da Alma - Desdobramento
Emancipação da Alma - DesdobramentoEmancipação da Alma - Desdobramento
Emancipação da Alma - Desdobramento
contatodoutrina2013
 
Evangeliza - Passe
Evangeliza - PasseEvangeliza - Passe
Evangeliza - Passe
Antonino Silva
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
Marta Gomes
 
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan KardecSonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Centros de força.pptx
Centros de força.pptxCentros de força.pptx
Centros de força.pptx
Marta Gomes
 
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 -  Umbral e Colônias EspirituaisAula 2 -  Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Breno Ortiz Tavares Costa
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - TransfiguraçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Sergio Lima Dias Junior
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
EHMANA
 
2.6.1 espiritos errantes
2.6.1   espiritos errantes2.6.1   espiritos errantes
2.6.1 espiritos errantes
Marta Gomes
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade   aula 01Mediunidade   aula 01
Mediunidade aula 01
Augusto Luvisotto
 
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
Marta Gomes
 
Transe mediúnico
Transe mediúnicoTranse mediúnico
Transe mediúnico
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
grupodepaisceb
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
Jorge Luiz dos Santos
 

Mais procurados (20)

Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇAAula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
Emancipação da Alma - Desdobramento
Emancipação da Alma - DesdobramentoEmancipação da Alma - Desdobramento
Emancipação da Alma - Desdobramento
 
Evangeliza - Passe
Evangeliza - PasseEvangeliza - Passe
Evangeliza - Passe
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
 
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan KardecSonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.
 
Centros de força.pptx
Centros de força.pptxCentros de força.pptx
Centros de força.pptx
 
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 -  Umbral e Colônias EspirituaisAula 2 -  Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - TransfiguraçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
 
2.6.1 espiritos errantes
2.6.1   espiritos errantes2.6.1   espiritos errantes
2.6.1 espiritos errantes
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade   aula 01Mediunidade   aula 01
Mediunidade aula 01
 
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
 
Transe mediúnico
Transe mediúnicoTranse mediúnico
Transe mediúnico
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
 

Destaque

Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Sergio Lima Dias Junior
 
Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"
Leonardo Pereira
 
Escala espírita!
Escala espírita!Escala espírita!
Escala espírita!
Leonardo Pereira
 
Abaixo a depressão, Richard Simonetti
Abaixo a depressão, Richard SimonettiAbaixo a depressão, Richard Simonetti
Abaixo a depressão, Richard Simonetti
Perillo José Nunes
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesus
home
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
Leonardo Pereira
 
Mediunidade de cura
Mediunidade de curaMediunidade de cura
Mediunidade de cura
Deborah Oliver
 
Transfiguração - Guia para Iniciantes 1°ano
Transfiguração - Guia para Iniciantes 1°anoTransfiguração - Guia para Iniciantes 1°ano
Transfiguração - Guia para Iniciantes 1°ano
Rpg_Mundo_Magic
 
O espiritismo na arte
O espiritismo na arteO espiritismo na arte
O espiritismo na arte
Milton De Souza Oliveira
 
Depressão e Espiritismo
Depressão e EspiritismoDepressão e Espiritismo
Depressão e Espiritismo
Fernando Vieira Filho
 
Música: Compor e Interpretar
Música: Compor e InterpretarMúsica: Compor e Interpretar
Música: Compor e Interpretar
Leonardo Soares
 
Fotografias de Macroscopia, Neuro
Fotografias de Macroscopia, Neuro Fotografias de Macroscopia, Neuro
Fotografias de Macroscopia, Neuro
Sofia Garcia
 
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Roteiro  4   progressão dos espíritosRoteiro  4   progressão dos espíritos
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
Palestra depressão uma visão espírita - palestra resumida2
Palestra depressão  uma visão espírita - palestra resumida2Palestra depressão  uma visão espírita - palestra resumida2
Palestra depressão uma visão espírita - palestra resumida2
Marcio Augusto Guariente
 
2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz
2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz
2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz
carlos freire
 
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE PiracicabaSeminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
Alan Diniz Souza
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Roteiro 3 provas da existência e da sobrevivência do espírito
Roteiro  3   provas da existência e da sobrevivência do espíritoRoteiro  3   provas da existência e da sobrevivência do espírito
Roteiro 3 provas da existência e da sobrevivência do espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumidoGrupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Bruno Caldas
 
Arte e espiritismo 3
Arte e espiritismo 3Arte e espiritismo 3
Arte e espiritismo 3
Alan Diniz Souza
 

Destaque (20)

Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 
Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"
 
Escala espírita!
Escala espírita!Escala espírita!
Escala espírita!
 
Abaixo a depressão, Richard Simonetti
Abaixo a depressão, Richard SimonettiAbaixo a depressão, Richard Simonetti
Abaixo a depressão, Richard Simonetti
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesus
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
Mediunidade de cura
Mediunidade de curaMediunidade de cura
Mediunidade de cura
 
Transfiguração - Guia para Iniciantes 1°ano
Transfiguração - Guia para Iniciantes 1°anoTransfiguração - Guia para Iniciantes 1°ano
Transfiguração - Guia para Iniciantes 1°ano
 
O espiritismo na arte
O espiritismo na arteO espiritismo na arte
O espiritismo na arte
 
Depressão e Espiritismo
Depressão e EspiritismoDepressão e Espiritismo
Depressão e Espiritismo
 
Música: Compor e Interpretar
Música: Compor e InterpretarMúsica: Compor e Interpretar
Música: Compor e Interpretar
 
Fotografias de Macroscopia, Neuro
Fotografias de Macroscopia, Neuro Fotografias de Macroscopia, Neuro
Fotografias de Macroscopia, Neuro
 
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Roteiro  4   progressão dos espíritosRoteiro  4   progressão dos espíritos
Roteiro 4 progressão dos espíritos
 
Palestra depressão uma visão espírita - palestra resumida2
Palestra depressão  uma visão espírita - palestra resumida2Palestra depressão  uma visão espírita - palestra resumida2
Palestra depressão uma visão espírita - palestra resumida2
 
2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz
2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz
2016 01-28-ce-espiritos-gisa diniz
 
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE PiracicabaSeminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
 
Roteiro 3 provas da existência e da sobrevivência do espírito
Roteiro  3   provas da existência e da sobrevivência do espíritoRoteiro  3   provas da existência e da sobrevivência do espírito
Roteiro 3 provas da existência e da sobrevivência do espírito
 
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumidoGrupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
Grupo de estudos yvonne do amaral pereira.pptresumido
 
Arte e espiritismo 3
Arte e espiritismo 3Arte e espiritismo 3
Arte e espiritismo 3
 

Semelhante a Espiritismo e mediunidade 07

Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
6º Conselho Espírita de Unificação
 
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para MocidadeMediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
O homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a EvoluçãoO homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a Evolução
Ceile Bernardo
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
M.R.L
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
home
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Kleber Galo
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispírito
FEEAK
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
Joaquim Fontes
 
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médiumEsde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Elysio Laroide Lugarinho
 
modulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritos
modulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritosmodulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritos
modulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritos
FilipeDuartedeBem
 
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesQuarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
CeiClarencio
 
Materializacao
MaterializacaoMaterializacao
Materializacao
Ceile Bernardo
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
jcevadro
 
08 mediunidade e corpo físico
08   mediunidade e corpo físico08   mediunidade e corpo físico
08 mediunidade e corpo físico
Wilma Badan C.G.
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
jcevadro
 
Mediunidade e corpo físico
Mediunidade e corpo físicoMediunidade e corpo físico
Mediunidade e corpo físico
Wilma Badan C.G.
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
Wagner Quadros
 
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnicoQuarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
CeiClarencio
 
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismoTerceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
CeiClarencio
 

Semelhante a Espiritismo e mediunidade 07 (20)

Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
Apostila do III Módulo do Projeto Mediunidade sem tabu. - A Fisiologia da Com...
 
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para MocidadeMediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
 
O homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a EvoluçãoO homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a Evolução
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispírito
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
 
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médiumEsde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
 
modulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritos
modulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritosmodulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritos
modulo V - 2.pdf tomo I - comunicabilidade dos espíritos
 
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesQuarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
 
Materializacao
MaterializacaoMaterializacao
Materializacao
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
 
08 mediunidade e corpo físico
08   mediunidade e corpo físico08   mediunidade e corpo físico
08 mediunidade e corpo físico
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
 
Mediunidade e corpo físico
Mediunidade e corpo físicoMediunidade e corpo físico
Mediunidade e corpo físico
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnicoQuarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
Quarto Módulo - 3ª aula - O transe mediúnico
 
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismoTerceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
Terceiro Módulo - 15ª aula - Mistificação - animismo
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 

Último (10)

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 

Espiritismo e mediunidade 07

  • 1. “Espiritismo e mediunidade” Grupo Espírita Lamartine Palhano Jr. Facilitador: Leonardo Pereira Aula 7
  • 2.
  • 3. Introdução. A faculdade se erradica no organismo. Mediunidade de efeitos físicos. Mediunidade de efeitos intelectuais. Tipos incomuns de mediunidade. Roteiro
  • 5. Mediunidade [do latim medium + -idade] – . Faculdade que a quase totalidade das pessoas possuem, umas mais outras menos, de sentirem a influência ou ensejarem a comunicação dos Espíritos, tanto que Allan Kardec afirma serem raros os que não possuem rudimentos de mediunidade. Em alguns, essa faculdade é ostensiva e necessita ser disciplinada, educada; em outros, permanece latente, podendo manifestar-se episódica e eventualmente.
  • 6. A faculdade propriamente dita se radica no organismo; independe do moral. ...Não constitui um privilégio exclusivo de uma ou outra pessoa, pois, sendo uma possibilidade orgânica , é hereditária e depende de um organismo mais ou menos sensitivo... O LIVRO DOS MÉDIUNS – 62a ed. – Allan Kardec (GUIA DOS MÉDIUNS E DOS EVOCADORES) (Paris - 1861) L.Palhano / dicionário de filosofia espírita / pag. 205
  • 7. Quais seriam as regiões do corpo responsáveis por esse sentido? Em que setores da economia biológica vamos identificá-lo? 1. Aptidão ao desdobramento perispiritual: A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO Em se iniciando a criatura na produção do pensamento contínuo, o sono adquiriu para ela uma importância que a consciência em processo evolutivo até aí não conhecera. Usado instintivamente pelo elemento espiritual como recurso reparador das células físicas, semelhante estado fisiológico carreou possibilidades novas de realização. Amadurecido para pensar e mentalizar, o homem começou a exercitar o desprendimento parcial do corpo sutil durante o sono, dando os primeiros passos na conquista do desdobramento do estado do sono. ...passaram do desdobramento durante o sono ao desprendimento durante a vigília, inaugurando no planeta a mediunidade sonambúlica, que está na base de quase todos os fenômenos mediúnicos. André Luiz no livro "Mecanismos da Mediunidade"
  • 8. 1. Aptidão ao desdobramento perispiritual: 2. Larga desarticulação das forças anímicas: A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO Na mediunidade de efeitos físicos haverá mobilização de elementos biológicos que André Luiz denomina de "recursos periféricos do citoplasma", que ao lado do fluido vital exteriorizado vai dar origem ao ectoplasma da terminologia científica. André Luiz identifica nos medianeiros de todas as modalidades uma "comunhão menos estreita entre as células do corpo físico e do corpo espiritual", o que certamente facilitaria o desdobramento, que é o passo inicial na maioria dos fenômenos mediúnicos.
  • 9. Sendo menos densos os elos de ligação entre os implementos físicos e espirituais, mais facilmente o medianeiro poderá exteriorizar para fora de sua individualidade as energias necessárias ao intercâmbio. Em "Nos Domínios da Mediunidade", André Luiz colabora nessa idéia ao dizer:"Raios ectoplásmicos são raios peculiares a todos os seres vivos e é ainda na base deles que se efetuam todos os processos de materialização mediúnica, porquanto os sensitivos encarnados que os favorecem libertam essas energias com mais facilidade."
  • 10. • Dr. Nubor Facure, professor titular de Neurologia na Unicamp, examinando o papel do cérebro no fenômeno, esclarece: • "O fenômeno mediúnico se processa no cérebro do médium e sempre com a participação deste. É um processo de automatismo complexo, realizado através do cérebro sob a atuação de entidades espirituais que sintonizam com o médium. 1. Aptidão ao desdobramento perispiritual: 2. Larga desarticulação das forças anímicas: A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO 3. Sistema nervoso:
  • 11. • Dispomos no nosso cérebro de centros de atividades automáticas para as diversas atividades motoras que nos permitem, por exemplo, falar fluentemente, escrever rapidamente, pintar ou dedilhar um instrumento musical. Essas áreas expressam suas atividades com pouca participação da consciência. Desde que o médium possa destacar seu foco de consciência, o Espírito comunicante pode se ocupar dos núcleos de atividade automática do cérebro do médium e fazer transcorrer por ali conceitos da sua mensagem."
  • 12. • Em "Missionários da Luz", cap. I e II, André Luiz, estudando um médium psicógrafo com o instrutor Alexandre, observa a epífise do médium a emitir intensa luminosidade azulada, ao que o instrutor esclarece: • "No exercício mediúnico de qualquer modalidade, a pineal desempenha o papel mais importante." 2. Larga desarticulação das forças anímicas: A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO 3. Sistema nervoso: 1. Aptidão ao desdobramento perispiritual: 4. Epífise:
  • 13. • André Luiz observa: • "Reconheci que a glândula pineal do médium expelia luminosidade cada vez mais intensa... a glândula minúscula transformara-se em núcleo radiante e ao redor seus raios formavam um lótus de pétalas sublimes. Examinei atentamente os demais encarnados e observei que em todos a pineal apresentava notas de luminosidade, mas em nenhum brilhava como no médium em serviço. Alexandre esclarece: é na pineal que reside o sentido novo dos homens, entretanto, na grande maioria, a potência divina dorme embrionária." 2. Larga desarticulação das forças anímicas: A MEDIUNIDADE E O ORGANISMO 3. Sistema nervoso: 1. Aptidão ao desdobramento perispiritual: 4. Epífise:
  • 14. Arvore da Mediunidade Sensitivos e Impressionáveis Inspiração e Intuição Desdobramento ou Emancipação da alma Audiência Vidência Clarividência Clariaudiência Psicofônia Psicografia Psicopraxia Cura Intuição é a inspiração quando cresce (Emmanuel - Encontros no Tempo - pergunta 34)
  • 15. Classificação Mediúnica (Segundo a aptidão do médium) 1 - EFEITOS FÍSICOS: Mediunidade em que se observam os fenômenos objetivos e, por isso, perceptíveis pelos sentidos físicos.
  • 16. Classificação Mediúnica (Segundo a aptidão do médium) • Fluidos Levitação Transporte Pneumatofonia Pneumatografia Transfiguração ( figura entre os dois efeitos). Materialização / Ectoplasmia • Cura.
  • 17. Classificação Mediúnica (Segundo a aptidão do médium) 1 - EFEITOS INTELIGENTES : Os fenômenos de Efeitos Inteligentes são aqueles que têm sua atuação diretamente sobre o intelecto do médium ou são percebidos pelo cérebro por vias das sensações. Os efeitos são sentidos pelo médium.
  • 18. Classificação Mediúnica (Segundo a aptidão do médium) Intelectuais: PSICOFONIA PSICOGRAFIA PSICOPRAXIA AUDIÊNCIA / CLARIAUDIÊNCIA VIDÊNCIA /DUPLA VISTA / CLARIVIDÊNCIA DESDOBRAMENTO / EMANCIPAÇÃO DA ALMA. MÉDIUNS INSPIRADOS. MÉDIUNS DE PRESSENTIMENTOS OU PRESCIENTES. MÉDIUNS PROFÉTICOS.
  • 19. Allan Kardec – LM – cap. XVI [...] Se analisarmos sob a infla mediúnica, ver-se-á que, em todos, há o efeito físico, e que aos efeitos físicos se junta, o mais freqüentemente um efeito inteligente. O limite entre os dois é difícil de se estabelecer.
  • 20. Classificação Mediúnica (Segundo a aptidão do médium) 3 – Tipos incomuns de mediunidade : Ectoplasmia . Curas mediúnicas. Agêneres. Fotografias dos espíritos. Levitação. Manifestações Mediúnicas Artísticas: Médiuns pintores ou desenhistas. Médiuns músicos. Médiuns versejadores. Médiuns Poéticos. Médiuns literários. Médiuns historiadores. Mediunidade Poliglota e especular.
  • 21. 1. Conceito de ectoplasmia A palavra ectoplasmia deriva de ectoplasma que, em biologia, refere-se à camada mais externa do protoplasma celular. O protoplasma é uma substancia coloidal, viscosa e espessa, ricas em elementos vitais, existente no interior da célula, excluído o núcleo. A palavra foi criada por Charles Richet (1850-1935), conhecido como o “Pai da Metapsíquica”, ciência psíquica por ele
  • 22. Para o Espiritismo o ectoplasma assemelha-se a uma “[...] pasta flexível, à maneira de uma geléia viscosa e semilíquida [...]”. (10) Nas manifestações mediúnicas de efeitos físicos, em especial nas materializações espirituais, é expelida do corpo do médium, “[...] através de todos os poros e, com mais abundancia, pelos orifícios naturais, particularmente da boca, das narinas e dos ouvidos, com elevada percentagem a exteriorizar-se igualmente do tórax e das extremidades dos dedos”. A substancia possui cheiro peculiar e cor leitosa que, durante as materializações, escorre em movimentos reptilianos, ao longo do corpo do médium que o produz, acumulando-se na parte inferior do organismo físico, onde adquire um aspecto de grande massa protoplásmica, viva e tremulante.
  • 23. Formado a partir do protoplasma celular, o ectoplasma possui densidade e características específicas, que o situa entre a matéria densa e a matéria perispiritual. Trata- se de uma substancia saturada do magnetismo humano, utilizada pelos Espíritos na produção de fenômenos mediúnicos específicos ou de ectoplasmia, categorizados pela Codificação como de efeito físicos, e de
  • 24. curas magnético- espirituais; materializações e transportes de Espíritos ou de objetos; formação de ageneres; fotografia de Espíritos; levitação; transfiguração e poltergeist. São manifestações mediúnicas raras nos dias atuais, exceto as curas espirituais. Apresentamos, em seguida, as principais características de alguns desses fenômenos que não foram estudados no
  • 25. 2. Curas Mediúnicas A Doutrina Espírita ensina que toda doença tem origem no Espírito porque a ação moral desequilibrada do indivíduo afeta o seu perispírito. Como o perispírito do encarnado está intimamente ligado ao seu corpo físico, o desajuste vibratório de um afeta o outro, produzindo, em conseqüência, as doenças.
  • 26. A mediunidade curadora [...] consiste, principalmente, no dom que possuem certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar, mesmo por um gesto, sem o concurso de qualquer medicação. [...] Evidentemente, o fluido magnético [ectoplásmico] desempenha ai importante papel; porém, quem examina cuidadosamente o fenômeno sem dificuldade reconhece que há mais alguma coisa.
  • 27. A magnetização ordinária é um verdadeiro tratamento seguido, regular e metódico [...]. Todos os magnetizadores são mais ou menos aptos a curar, desde que saibam conduzir-se convenientemente, ao passo que nos médiuns curadores a faculdade é espontânea e alguns até a possuem sem jamais terem ouvido falar de magnetismo. A intervenção de uma potencia oculta [Espíritos
  • 28. Allan Kardec esclarece que a “[...] cura se opera mediante a substituição de uma molécula malsã por uma molécula sã. O poder curativo estará, pois, na razão direta da pureza da substancia inoculada; mas, depende também da energia da vontade que, quanto maior for, tanto mais abundante emissão fluídica provocará e tanto maior força de penetração dará ao fluido”. (2)
  • 29. Outro tipo de mediunidade de efeitos físicos, muito relacionado às curas, são as cirurgias espirituais, também denominadas cirurgias simpatéticas – assim chamadas por sua semelhança com a magia – e que envolvem grandes movimentações de fluídos ectoplásmicos. Tais não acontecem, em geral, nas casas espíritas e os médiuns deste tipo de fenômeno, nem sempre são espíritas.
  • 30. O conhecido médium brasileiro José Arigó, por exemplo, realizava cirurgias espirituais utilizando facas ou canivetes, sem anestesia nem cuidados assépticos. A médium paulista Bernarda Torrúbio não utilizava instrumentos para realizar as cirurgias; após a prece costumeira, estendia as mãos sobre o doente sem tocá-lo, expelindo pelo vomito, em seguida, sangue e restos orgânicos dos tumores ou males que afetavam o doente.
  • 31. Esta mediunidade de cura está associada a outra: a de transporte. Ou seja, o Espírito desintegrava o tumor localizado no organismo do doente e o materializava no estomago da médium que, em seqüência, o expelia. O livro A Mediunidade Segundo o Espiritismo, de Carlos Bernardo Loureiro, editora Minêmio Túlio,
  • 32. A doação magnético-espiritual, usual nos trabalhos espíritas, pode curar um enfermo, caso não haja implicações cármicas impeditivas. Mesmo assim, produz significativo alívio ao doente, podendo, em conseqüência, abrandar a manifestação da enfermidade.
  • 33. As curas espíritas são obtidas pela aplicação do passe, pela fluidificação da água, pelo hábito saudável da oração, pelo enriquecimento da fé – obtida por meio de atitudes mentais positivas e mudanças de hábitos negativos. A transmissão fluídica pode ser feita diretamente à pessoa doente ou, a distancia, por meio dos efeitos plasmadores (ideopláticos) do
  • 34. Há casas espíritas que realizam reuniões especiais de transmissão de fluídos, pelo passe, pela prece e pela intervenção espiritual indireta ou direta, como nos casos de cirurgias espirituais. Quando bem orientadas, tais reuniões proporcionam significativos
  • 35. A natureza do trabalho exige maiores cuidados na preparação dos médiuns, no que diz respeito à alimentação, à ingestão de substancias tóxicas ou irritativas (álcool, tabaco, etc.) e à manutenção de equilíbrio moral e emocional. Registramos, porém, que a cura definitiva das doenças está relacionada aos processos de reajustes do Espírito perante a Lei de
  • 36. 3. Agêneres Agênere (literalmente, “o que não foi gerado”) é uma modalidade de aparição ou materialização tangível; estado temporário em que certos Espíritos se apresentam, muito similar ao da pessoa encarnada, ao ponto de produzir a ilusão completa [a de que ela está encarnada] (6) Allan Kardec explica assim o fenômeno dos agêneres:
  • 37. O [...] perispírito, no seu estado normal, é invisível; mas, como é formado de substancia etérea, o Espírito, em certos casos, pode, por ato da sua vontade, fazê-lo passar por uma modificação molecular que o torna momentaneamente visível. É assim que se produzem as aparições [...].
  • 38. Conforme o grau de condensação do fluído perispirítico, a aparição é às vezes vaga e vaporosa; doutras vezes, mais nitidamente definida; doutras, enfim, com todas as aparecias da matéria tangível. Pode, mesmo, chegar, até, à tangibilidade real, ao ponto de o observador se enganar com relação à natureza do ser que tem
  • 39. 4. Fotografia de Espíritos A fotografia de Espíritos, animais, plantas ou cenas do plano espiritual, tem como base o princípio da ideoplastia ou das criações fluídicas, fenômenos pelo qual “[...] o pensamento pode materializar-se, criando formas que muitas vezes se revestem de longa duração, conforme a persistência da onda em que se expressam”. (8) Isto acontece porque os Espíritos atuam mentalmente sob os fluídos espirituais, de forma intencional, ou não, combinando-os, dispensando-os, formando conjuntos, imagens com movimento e colorido próprios. (1) “Idênticos fenômenos com a ideoplastia por base são comuns na fotografia transcendente, em seus vários tipos [...]”. (9)
  • 40. O americano H. Mumler é, sem dúvida, o pioneiro no campo das fotografias transcendentais. Obteve, pela primeira vez, no ano de 1861, uma imagem humana junto a pessoas encarnadas que foram por ele fotografadas. O livro História do Espiritismo, de Arthur Conan Doyle, editora Pensamento, apresenta maiores informações sobre os médiuns-fotógrafos.
  • 41. 5. Levitação Levitação é o fenômeno pelo qual pessoas, animais ou coisas erguem-se do solo, elevando-se no ar, a pequenas ou consideráveis alturas, com eventuais deslocamentos, sem evidente causa física. Há casos em que a pessoa ou o objeto levitado vai até o teto ou paira sobre as copas das árvores ou sobre a crista dos monte. [...] Não só a literatura espírita, mas também a Bíblia e o próprio Hagiológico da Igreja Católica narram casos de médiuns, de profetas e de santos que se elevaram no ar, ou levitaram em ambientes fechados, templos e ao ar livre. (7) Hagiológico ou hagiográfico: estudo relativo à biografia dos santos da Igreja Católica
  • 42. Kardec explica que quando alguém ou um objeto “[...] é posto em movimento, levantado ou atirado para o ar, não é que o Espírito o tome, empurre ou suspenda, como o faríamos com a mão. O Espírito o satura, por assim dizer, do seu fluído, combinando-o com o do médium”. (4) Dessa forma, cria uma substancia (força ou energia) intermediária e própria para a realização dos fenômenos de levitação.
  • 43. A levitação é também chamada de mediunidade de translação ou de suspensão. Sem sombras de dúvidas, um dos mais notáveis médiuns de levitação foi o escocês Daniel Douglas Home (1833-1886), cognominado de “o homem flutuante”. Maiores informações sobre os efeitos deste excepcional médium do século dezenove são encontrados na Revista Espírita de 1858, mês de fevereiro, e na de 1863, mês de setembro, bem como no livro Allan Kardec, volume
  • 44. Os fenômenos mediúnicos, sobretudo os de efeitos físicos, chamam a atenção das pessoas. Médiuns menos esclarecidos transformam- nos em espetáculos públicos, em peças teatrais. Entretanto, cada “[...] médium é mobilizado na obra do bem, conforme as possibilidades de que dispõe. Esse orienta, outro esclarece; esse fala, outro escreve; esse ora,
  • 45. Refletindo a respeito, lembramos a orientação de Paulo aos colossenses, inserida no inicio deste Roteiro, que fala da necessidade de nos revestirmos da “caridade, que é o vínculo da perfeição”. Esta é a palavra-chave, independentemente da mediunidade que possuímos.
  • 46. Todo discípulo do Evangelho precisará coragem para atacar os serviços da redenção de si mesmo. Nenhum dispensará as armaduras da fé, a fim de marchar com desassombro sob tempestades. O caminho de resgate e elevação permanece cheio de espinhos. O trabalho constituir-se-á de lutas, de sofrimentos, de sacrifícios, de suor, de testemunhos. Toda a preparação é necessária, no capítulo da resistência; entretanto, sobre tudo isto é indispensável revestir-se nossa alma de caridade, que é amor sublime. A nobreza de caráter, a confiança, a benevolência, a fé, a ciência, a penetração, os dons e as possibilidades são fios preciosos, mas o amor é o tear divino que os entrelaçará, tecendo a túnica da perfeição espiritual. A disciplina e a educação, a escola e a cultura, o esforço e a obra, são flores e frutos da árvore da vida, todavia, o amor é a raiz eterna
  • 47. 1. Manifestações Mediúnicas Artísticas O conhecimento do mundo não se expressa apenas em conceitos abstratos, fórmulas matemáticas ou equações geométricas. Pela arte é possível captar a realidade de forma imediata, intuitiva e sensível. Tendo como base o sentimento, a arte se exprime por meio da percepção do belo e da experiência estética.
  • 48. O sentimento é o veículo que a arte se expressa, retratando emoções positivas ou negativas, tais como alegria, esperança, tristeza ou desespero. O artista é a pessoa que possui a capacidade de racionalizar o sentimento, de forma a ser contemplado e entendido. A manifestação artística representa o que é normalmente chamado de “experiência interior”.
  • 49. O conceito de beleza costuma ser associado ao de bom. Sócrates afirmava que o que é belo é bom. Por outro lado, se o belo desperta o bom, deve fazer parte da educação do indivíduo. Nesse sentido, o dramaturgo e poeta alemão Johann Schiller (1759-1805) propôs a educação estética como forma de harmonizar e aperfeiçoar o mundo e do ser humano alcançar sua verdadeira liberdade.
  • 50. A palavra estética origina- se do grego aisthetiké, significando tudo aquilo que pode ser percebido pelos sentidos. O codificador do Espiritismo considera que as manifestações artísticas são tanto mais grosseiras, rudes, contendo características de fealdade, quanto menor for o senso moral do artista.
  • 51. Diz-se, de há muito, que o semblante é o espelho da alma. Esta verdade, que se tornou axioma, explica o fato vulgar de desaparecerem certas fealdades sob o reflexo das qualidades morais do Espírito e o de, muito amiúde, se preferir uma pessoa feia, dotada de eminentes qualidades, a outra que apenas possui a beleza plástica.
  • 52. Os artistas são pessoas que, em geral, apresentam características peculiares da personalidade, em razão da sua aguçada sensibilidade. Tais características os tornam diferentes das pessoas comuns, sendo, não raro, equivocadamente vistos como pessoas exóticas, de difícil convívio. Entender a mente de um artista nem sempre é tarefa fácil, uma vez que o seu psiquismo, as suas motivações são diferentes das do comum dos mortais. Os artistas trazem as emoções à flor da pele, passando da tristeza à alegria, ou da euforia à depressão, rapidamente, porque a sensibilidade é, neles, de certa forma, exagerada, mesmo nos menos criativos. Emmanuel esclarece:
  • 53. O artista, de um modo geral, vive quase sempre mais na esfera espiritual que propriamente no plano terrestre. Seu psiquismo é sempre a resultante do seu mundo íntimo, cheio de recordações infinitas das existências passadas, ou das visões sublimes que conseguiu apreender nos círculos de vida espiritual, antes da sua reencarnação no mundo. Seus sentimentos e percepções transcendem aos do homem comum, pela sua riqueza de experiências no pretérito, situação essa que, por vezes, dá motivos à falsa apreciação da ciência humana, que lhe classifica os transportes como neurose ou anormalidade, nos seus erros de interpretação.
  • 54. As manifestações artísticas expressas por via mediúnica são tão variadas quanto as expressas pela arte. O Espírito comunicante e médium possuem o conhecimento artístico necessário para viabilizar a manifestação. O conhecimento que o médium tem do assunto pode ter origem em experiência reencarnatória anterior, em aprendizado desenvolvido no plano espiritual ou em aquisições obtidas na atual vivencia física.
  • 55. Indicamos, em seguida, os principais tipos de médiuns para manifestações artísticas.
  • 56.  “Médiuns pintores ou desenhistas: os que pintam ou desenham sob a influencia dos Espíritos. Falamos dos que obtém trabalhos sérios, visto não se poder dar esse nome a certos médiuns que Espíritos zombeteiros levam a fazer coisas grotescas, que desabonariam o mais atrasado estudante”. (1) A mediunidade pictórica é facilmente sujeita à mistificação e à ação de Espíritos levianos. É preciso cautela em relação a esse tipo de produção artística. (2)
  • 57.  “Médiuns músicos: os que executam, compõem ou escrevem músicas, sob a influencia dos Espíritos. Há médiuns músicos, mecânicos, semimecânicos, intuitivos e inspirados, como os há para as comunicações literárias”. (2) Os maiores médiuns musicais deste século vinte foram Iole Catera e Rosemary Brown, nascidas na Itália e na Inglaterra, respectivamente.
  • 58. Sob a ação dos Espíritos- músicos, Iole Catera improvisava músicas e produzia arranjos de músicas existentes. Sob inspiração, escrevia composições musicais para piano, para canto, para orquestra, revelando profundo conhecimento das leis da harmonia e do contraponto, não adquirido na sua última reencarnação.
  • 59. Rosemary Brown, apesar de ter recebido, na atual encarnação, algum conhecimento musical, transmitiu mediunicamente composições dos maiores expoentes da música clássica, consideradas de altíssima qualidade.
  • 60.  “Médiuns versejadores: obtém, mais facilmente do que outros, comunicações em versos. Muito comuns, para maus versos; muito raros, para versos bons”. (3) “Médiuns Poéticos: sem serem versificadas, as comunicações que recebem tem qualquer coisa de vaporoso, de sentimental; nada que mostre rudeza. São, mais do que os outros, próprios para a expressão de sentimentos ternos e afetuosos. Tudo, nas suas comunicações, é vago; fora inútil pedir-lhes idéias precisas. Muito comuns”. (4)
  • 61.  “Médiuns literários: não apresentam nem o que há de impreciso nos médiuns poéticos, nem o terra-a-terra dos médiuns positivos (médiuns cujas comunicações são nítidas e precisas); porém, dissertam com sagacidade. Tem o estilo correto, elegante e, freqüentemente, de notável eloqüência”. (4)  “Médiuns historiadores: os que revelam aptidão especial para as explanações históricas. [...] Variedade rara dos médiuns positivos”. (4)
  • 62. 2. Mediunidade Poliglota e especular. Os médiuns que durante o transe falam ou escrevem em línguas estrangeiras possuem a mediunidade poliglota, também conhecida como mediunidade de xenoglossia (xeno = diferente, estrangeiro; glosso = língua). São muito raros. (5)
  • 63. A manifestação mediúnica em uma língua estrangeira não apresenta utilidade de ordem prática quando acontece na reunião mediúnica, sobretudo se as pessoas presentes desconhecem a língua em que o Espírito se manifesta. Tem valor quando, dirigida a público não espírita ou com reduzido conhecimento da Doutrina Espírita, fornece evidencias da sobrevivência do Espíritos, após a morte do corpo físico. Há casos de obsessão em que o Espírito se manifesta, falando ou escrevendo, em língua estrangeira. O médium, por outro lado, só tem domínio desta, por aquisição na presente existência ou em reencarnações anteriores.
  • 64. Nos processos de comunicação viabilizados pela mediunidade poliglota, as idéias do Espírito comunicante chegam à mente do médium sob a forma de imagens. Estas imagens são captadas e decodificadas pela mente do médium, que as transmitem pela escrita ou pela fala. Kardec nos fornece as seguintes explicações:
  • 65. O Espírito que se quer comunicar compreende, sem dúvida, todas as línguas, pois que as línguas são a expressão do pensamento e é pelo pensamento que o Espírito tem a compreensão de tudo; mas, para exprimir esse pensamento, torna-se-lhe necessário um instrumento e este é o médium.
  • 66. A alma do médium, que recebe a comunicação de um terceiro, não a pode transmitir, senão pelos órgãos do seu corpo. Ora, esses órgãos não podem ter, para uma língua que o médium desconheça, a flexibilidade que apresentam para a que lhe é familiar. Um médium, que apenas saiba o francês, poderá, acidentalmente, dar uma resposta em inglês, por exemplo, se ao Espírito apraz fazê-lo [...]. (6)
  • 67. É importante distinguir mediunidade poliglota ou de xenoglossia das manifestações incoerentes da glossolalia. Glossolalia (glosso = língua, lalia = balbucio) é a repetição de colocações sem sentido, não relacionadas ao assunto ou situação envolvida. (9) São balbucios que simulam sons ou ruídos de uma língua estrangeira, porém, são totalmente ininteligíveis. É muito comum em processos obsessivos graves (fascinação e subjugação).
  • 68. O termo xenoglossia foi o professor Richet [Charles Richet] quem o propôs, com o intuito de distinguir, de modo preciso, a mediunidade poliglota propriamente dita, pela qual os médiuns falam ou escrevem em línguas que eles ignoram totalmente[...], de glossolalia, nos quais os pacientes sonambúlicos falam ou escrevem em pseudolínguas inexistentes, elaboradas nos recessos subconsciênciais[...]”. (8)
  • 69. Há casos excepcionais em que a mensagem mediúnica é recebida em língua estrangeira e invertida, escrita de trás para frente, de forma que a sua leitura só é facilitada por um espelho. Trata-se da mediunidade especular. Os médiuns Francisco Candido Xavier e Divaldo Franco receberam mensagens em inglês, respectivamente ditadas pelos Espíritos Emmanuel e Joanna de Angelis. Veja a ilustração que se segue. No Congresso Espírita Mundial, ocorrido em Paris, em 2004, por ocasião das comemorações do bicentenário de nascimento da Allan Kardec, Divaldo Franco recebeu uma mensagem de Léon Denis, escrita em francês e invertida.
  • 70.
  • 71. 2. Mediunidade de Psicometria Em psicologia experimental, psicometria “[...] significa registro, apreciação da atividade intelectual, entretanto, nos trabalho mediúnicos, esta palavra designa a faculdade de ler impressões e recordações ao contato de objetos comuns”. (13) Neste sentido, o médium psicômetra que possui essa rara faculdade, “[...] tocando em determinados objetos, entra em relação com as pessoas e fatos aos mesmos ligados. Essa percepção se verifica em vista de tais objetos se acharem impregnados da influencia pessoal do seu possuidor”. (11) Alguns médiuns necessitam sentir o objeto pelo tato, a fim de fazer a leitura psicométrica. Para outros, porém, é suficiente observar o objeto.
  • 72. A psicometria é a faculdade que possuem certos sensitivos de, ao contato, direto ou à simples presença de um determinado objeto, ou mesmo de um fragmento mineral, vegetal ou animal, apreender psiquicamente a história da própria peça em si, como matéria, ou a história do seu possuidor ou de pessoas que estiveram relacionadas com esse objeto, reconstituindo os respectivos ambientes, os fatos, pensamentos e sensações por elas vivenciadas no passado e no presente e, muitas vezes, prenunciando acontecimentos futuros que lhes dizem respeito. (10)
  • 73. A leitura psicométrica só é possível porque a onda mental do médium, ao entrar em contato com o objeto, se expande e passa a circular dentro de um circuito fechado, desenvolvido pela atenção profunda e pela percepção avançada, “com a capacidade de transportar os sentidos vulgares para alem do corpo físico, no estado natural de vigília”. (12)
  • 74. A leitura psicométrica ocorre por duas vias: a) percepção dos fatos impressos na aura do objeto; b) relação telepática que o médium psicometra faz com a mente de quem possui o objeto, independentemente esteja este encarnado ou desencarnado. Podemos, então, imaginar que o psicometra, ao ter contato, direto ou indireto, com um objeto, entra em uma espécie de túnel do tempo, tomando conhecimento de fatos e pessoas relacionados os objeto em questão.
  • 75. Os médiuns que possuem mediunidades incomuns, como as citadas neste Roteiro, são muito assediados por mentes invigilantes, as quais são ávidas por novidades ou pelo que consideram fantástico e maravilhoso. São pessoas que vivem em busca de um “sinal” para que tenham a fé fortalecida. Considerando este fato e, também, a citação do evangelista Marcos inserida no inicio do estudo, esclarece Emmanuel.
  • 76. No Espiritismo-cristão, de quando em quando aparecem aprendizes do Evangelho sumamente interessados em atender a certas requisições, no capítulo da fenomenologia psíquica. Exigem sinais do Céu, tangíveis, incontestáveis. Na maioria das vezes, porém, a movimentação não passa de simples repetição do gesto dos fariseus antigos. Médiuns e companheiros outros, em grande número, não se precatam de que os pedidos de demonstrações celestes são formulados, quase que invariavelmente, em obediência a propósitos inferiores. Há ilações lógicas no assunto, que importa não desprezarmos.
  • 77. Se um espírito permanece encarnado na Terra, como poderá fornecer sinais de Júpiter? Se as solicitações dessa natureza, endereçadas ao próprio Cristo, foram situadas no âmbito das tentações, com que argumento poderão impô-las os discípulos novos aos seus amigos do invisível? (...) Quem reclama sinais do Céu será talvez ignorante ou portador de má-fé; contudo, o seguidor da Boa Nova que procura satisfazer o insensato é distraído ou louco. Se te requisitam demonstrações exóticas, replica, resoluto, que não foste designado para a produção de maravilhas e esclarece a teu irmão que permaneces determinado a aprender com o Mestre a ciência da Vida Abundante, a fim de ofereceres à Terra o teu sinal de amor e luz, inquebrantável na fé, para não sucumbir às tentações. (15)
  • 79. Fontes de Consulta 1. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns, Cap II, item 60 2. _______, Cap V, item 83 3. _______, item 87 4. _______, item 89 5. _______, item 96 6. _______, item 98 7. _______, Cap IX, item 132 8. _______, item 132, pergunta 12 9. _______, pergunta 13 10. _______, pergunta 14 11. _______, Cap XII, item 146 12. _______, item 150 13. _______, item 151 14. _______, Cap XIV, item 177 15. ANDRADE, Hernani Guimarães. Espírito, Perispírito e Alma. Cap VIII, p 190 16. _______, p 192-193 17. _______, A Transcomunicação Através dos Tempos, Cap V, p 25 18. _______, p 26
  • 80. 19. BOZZANO, Ernesto. Povos Primitivos e Manifestações Supranormais. Cap I 20. ________, Cap IV 21. ________, Cap V 22. DOYLE, Arthur Conan, Historia do Espiritismo, p 381 23. ________, p 417 24. NÁUFEL, Jose. Do ABC ao Infinito. Espiritismo Ex-perimental. Cap X, p 81 25. ________, p 83 26. XAVIER, Chico. Libertação. Cap 20 27. ________. Nos Domínios da Mediunidade. Cap XXVIII, p 298 28. ________, p 298,302 e 303 29. ________, p 302-303
  • 81. 1. KARDEC, Allan. A Gênese, cap 14, item 14 2. ________, item 31 3. ________, item 35 4. ________, O Livro dos Médiuns, Segunda parte, Cap 4 5. ________, Cap 14, item 175 6. ________, Cap 32, item Agenere 7. NÁUFEL, José, Do abc ao infinito, Cap 16 8. XAVIER, Francisco C e VIEIRA, Waldo, Mecanismos da mediunidade, Cap 19 9. ________, Item: Em outros fenômenos 10.XAVIER, Francisco C. Nos domínios da mediunidade. Cap 28 11.________, Seara dos médiuns, Item: Faculdades mediúnicas 12.________, Vinha de luz. Cap 5
  • 82. 1. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns, cap 16, item 190, p 242 2. ________, p 243 3. ________, item 193, p 246 4. ________, p 247 5. ________, item 191, p 244 6. ________, Cap 19, item 224 7. ________, Obras Póstumas, Primeira parte, Teoria da beleza. 8. BOZZANO, Ernesto. Xenoglossia, introducao. 9. DICIONÁRIO MÉDICO ENCICLOPÉDICO TABER. 10.NAUFEL, José. Do abc ao infinito. Espiritismo experimental. Cap 18 11.PERALVA, Martins. Estudando a mediunidade. Cap 39 12.XAVIER, Francisco C e VIEIRA, Waldo. Mecanismos da mediunidade. Cap 20 13.XAVIER, Francisco C, Nos Domínios da Mediunidade. Cap 26 14.________, O consolador, questão 165 15.________, Vinha de luz. Cap 145