SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
         RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE
             DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA I e II




EPIDEMIOLOGIA
Uma introdução



                                     jessyesm@hotmail.com
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
          RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE
              DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA I e II




EPI     DEMOS                     LOGIA

         Povo
Sobre                                      Estudo
Conceito de Epidemiologia:

  “A ciência que estuda o processo saúde-doença na
sociedade, analisando a distribuição populacional e os
   fatores determinantes das enfermidades, danos à
     saúde e eventos associados à saúde coletiva,
propondo medidas específicas de prevenção, controle
 ou erradicação de doenças e fornecendo indicadores
        que sirvam de suporte ao planejamento,
    administração e avaliação das ações de saúde.“
                                (Almeida-Filho & Rouquayrol, 1993)
Conceito de Epidemiologia:

“É o estudo da distribuição do estado
  de saúde-doença (ou de eventos a ele
  relacionados) e de seus
  determinantes em populações
  específicas, e a aplicação desse
  estudo para o controle dos problemas
  de saúde.”
     (Last, JM. A Dictionary of Epidemiology, 2nded. New York, Oxford University Press, 1988).
A ocorrência e
distribuição dos
eventos relacionados à
saúde não se dão por
acaso.
LEI 8080 
CAPÍTULO II
Dos Princípios e Diretrizes

 Art. 7º As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o
Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição
Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios:

...    VII - utilização da epidemiologia para o estabelecimento de
prioridades, a alocação de recursos e a orientação programática;
    ...
 
Da Gestão Financeira
Art. 35. Para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios, será utilizada
a combinação dos seguintes critérios, segundo análise técnica de programas e projetos:

...   II - perfil epidemiológico da população a ser coberta;                                              ...
 
 
CAPÍTULO III
Do Planejamento e do Orçamento
 
    Art. 37. O Conselho Nacional de Saúde estabelecerá as diretrizes a serem observadas na elaboração dos planos

de saúde, em função das   características epidemiológicas e da organização dos serviços em
cada jurisdição administrativa   .
HISTÓRIA
              Epidemiologia, séculos XVIII e XIX


- Ano 5 AC: Hipócrates: doença humana poderia estar
   relacionada ao ambiente;

- 1662, John Graunt: registros de nascimento e óbitos
   em Londres, sugerindo sazonalidade da mortalidade
   infantil

- 1840, William Farr : diferentes padrões de mortalidade
   segundo estado civil e padrões de doenças ocupacionais
   (trabalhadores em minas de carvão e na indústria).
HISTÓRIA
Exemplos:
 Doenças carenciais:
–Lind: escorbuto (deficiência de vitamina c) – estudo
  experimental em tripulações de navio
–Goldberger: pelagra (deficiência de niacina VitB3 ou vit
  PP) – estudo experimental em orfanatos e presídios
 Doenças infecciosas:
–Jenner: varíola - experimento vacina
–Semmelwies: comparação do perfil de mortalidade
  entre 2 maternidades febre puerperal x lavar as mãos
HISTÓRIA


     John Snow -
        1854
Epidemiologia ris
HISTÓRIA
 Início da década de 80:

 Centers of Disease Control (CDC-USA) - aumento da demanda
 de pentamidina, droga sob controle usada para o tratamento de
 pneumonia por Pneumocisti carini.

 Epidemiologistas investigaram o fato e constataram um aumento
 desta infecção e de outras condições associadas como o sarcoma
 de Kaposi, infecções oportunistas e deficiência imunológica.


                   AIDS
HISTÓRIA
Intervenção visando o controle,
  mesmo sem conhecer seu agente
  etiológico !
Segunda metade do século XIX - microbiologia
INDICADORES
    DE
  SAÚDE
Epidemiologia ris
TRANSIÇÃO                                                         TRANSIÇÃO
          DEMOGRÁFICA                                                     EPIDEMIOLÓGICA

      Processo de                                                          Estudo da evolução
      modernização global                                                  dos padrões de
      com base em                                                          mortalidade, de forma
      determinado padrão                                                   destacada dos outros
      demográfico                                                          elementos da
      “ tradicional” , até sua                                             dinâmica
      conversão em um padrão                                               populacional.
      demográfico moderno.

PAES-SOUSA, R. Diferenciais intra-urbanos de mortalidade em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 1994: revisitando o debate
sobre transições demográfica e epidemiológica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 18(5):1411-1421, set-out, 2002   .
    Um indicador (índice ou
    taxa) é uma forma de
    medir e avaliar
    determinadas tendências,
    contextos e realidade.
INDICADORES MAIS
UTILIZADOS
PREVALÊNCIA
 Proporção de indivíduos de uma
 população afetados por uma
 enfermidade em um momento ou
 período de tempo determinado.
INDICADORES MAIS
UTILIZADOS

INCIDÊNCIA
Número de casos novos de uma
doença que surgem em uma
população durante um período
determinado de tempo.
Alguns Conceitos ...
 EPIDEMIA: ocorrência coletiva de uma
 doença, elevando significativamente a
 incidência;
 ENDEMIA: ocorrência coletiva de uma
 doença, com incidência constante;
 PANDEMIA: é uma epidemia que atinge
 várias nações;
 SURTO EPIDÊMICO: é uma ocorrência
 epidêmica restrita a um espaço delimitado;
INDICADORES MAIS
 UTILIZADOS
- Cobertura vacinal = nº de vacinados no grupo etário com vacina A 0
                                                                    0
          (%)                  nº de pessoas no grupo etário      X1




- Coeficiente de mort. Infantil = nº de óbitos <1ano, ano x, área x        1 00
                                                                               0
                                                                       X
                                 nº de nascidos vivos, ano x, área x



- Coeficiente de morbidade = nº de casos de uma doença
                                                          0
                                                        10
               (%)                    população       X
DELINEAMENTOS
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
APLICAÇÕES

PRÁTICAS
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
Epidemiologia ris
ESTUDO DIRIGIDO




 1. Número de casos incidentes em 2003?
 2. Número de casos prevalentes em 2003?
 3. Os casos prevalentes em 01/01/04 somaram?
 4. Os casos prevalentes em 31/12/02 totalizaram?
 5. Número de casos incidentes em 2002?
Epidemiologia ris

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
Wanderson Oliveira
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
Ricardo Alexandre
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Vitor Asseituno
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
Gladyanny Veras
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadoresSaúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Mario Gandra
 
Aula 3 sis e doenças de notificação compulsória
Aula 3   sis e doenças de notificação compulsóriaAula 3   sis e doenças de notificação compulsória
Aula 3 sis e doenças de notificação compulsória
Narafgf
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
Ghiordanno Bruno
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 

Mais procurados (20)

Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadoresSaúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
 
Aula 3 sis e doenças de notificação compulsória
Aula 3   sis e doenças de notificação compulsóriaAula 3   sis e doenças de notificação compulsória
Aula 3 sis e doenças de notificação compulsória
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 

Destaque

1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 
Naomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usosNaomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usos
naomaralmeida
 
Edidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e históriaEdidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e história
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3
agemais
 
Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
Fernando Henrique
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
Celene Longo
 
Historia da Epidemiologia
Historia da EpidemiologiaHistoria da Epidemiologia
Historia da Epidemiologia
Ricardo Alexandre
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Fernando Henrique
 
Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
Carlos Amade
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
Flavio Salomao-Miranda
 
Ps 3 db.
Ps 3 db.Ps 3 db.
Ps 3 db.
felipethoaldo
 
Dados sobre Aids
Dados sobre AidsDados sobre Aids
Dados sobre Aids
Bernadetecebs .
 
Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016
Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016
Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016
Alexandre Naime Barbosa
 
Aula Pela Vidda
Aula Pela ViddaAula Pela Vidda
Aula Pela Vidda
Pela Vidda - RJ
 
Boletim epidemiológico de dst e aids 2012
Boletim epidemiológico de dst e aids 2012Boletim epidemiológico de dst e aids 2012
Boletim epidemiológico de dst e aids 2012
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Apresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de Palhoça
Apresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de PalhoçaApresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de Palhoça
Apresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de Palhoça
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Apresentação bioestatistica aroldo gavioli
Apresentação bioestatistica aroldo gavioliApresentação bioestatistica aroldo gavioli
Apresentação bioestatistica aroldo gavioli
Aroldo Gavioli
 
Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011
Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011
Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011
naomaralmeida
 
Projeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na EscolaProjeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas na Escola
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ricardo Alexandre
 

Destaque (20)

1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Naomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usosNaomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usos
 
Edidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e históriaEdidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e história
 
Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3
 
Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
 
Historia da Epidemiologia
Historia da EpidemiologiaHistoria da Epidemiologia
Historia da Epidemiologia
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
 
Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
 
Ps 3 db.
Ps 3 db.Ps 3 db.
Ps 3 db.
 
Dados sobre Aids
Dados sobre AidsDados sobre Aids
Dados sobre Aids
 
Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016
Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016
Esteato-Hepatite e HIV Atualização 2016
 
Aula Pela Vidda
Aula Pela ViddaAula Pela Vidda
Aula Pela Vidda
 
Boletim epidemiológico de dst e aids 2012
Boletim epidemiológico de dst e aids 2012Boletim epidemiológico de dst e aids 2012
Boletim epidemiológico de dst e aids 2012
 
Apresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de Palhoça
Apresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de PalhoçaApresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de Palhoça
Apresentação Sinais Vitais 2011 - Crianças e Adolescentes de Palhoça
 
Apresentação bioestatistica aroldo gavioli
Apresentação bioestatistica aroldo gavioliApresentação bioestatistica aroldo gavioli
Apresentação bioestatistica aroldo gavioli
 
Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011
Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011
Educação Superior em Saúde no Brasil Aula Magna UFCSPA 2011
 
Projeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na EscolaProjeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na Escola
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 

Semelhante a Epidemiologia ris

Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
Socorro Carneiro
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
EvertonMonteiro19
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
Glaydson Reis
 
Introdução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide prontoIntrodução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide pronto
RobsonGomes753918
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
Jeferson de Paula
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
JudicleniaSantana
 
Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
Luis Carlos Silva
 
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Instituto Consciência GO
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Hospital das Forças Armadas/Ministério da Defesa
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
EspeditoNOGUEIRA
 
Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2
profsempre
 
Texto história epidemiologia
Texto história epidemiologiaTexto história epidemiologia
Texto história epidemiologia
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude
Pelo Siro
 
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdfEPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
JooMarceloFerreiraBr
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
Ricardo Alexandre
 
Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
elisreis0601
 
Introdução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdf
Introdução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdfIntrodução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdf
Introdução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdf
SamanthaFerreiraMore
 

Semelhante a Epidemiologia ris (20)

Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 
Introdução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide prontoIntrodução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide pronto
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
 
Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
 
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2
 
Texto história epidemiologia
Texto história epidemiologiaTexto história epidemiologia
Texto história epidemiologia
 
1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude
 
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdfEPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
 
Introdução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdf
Introdução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdfIntrodução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdf
Introdução à epidemiologia e indicadores de morbidade.pdf
 

Mais de jorge luiz dos santos de souza

Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta QualificadaComunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
jorge luiz dos santos de souza
 
NAAF Campus Vacaria
NAAF Campus VacariaNAAF Campus Vacaria
NAAF Campus Vacaria
jorge luiz dos santos de souza
 
Projeto Escuta!
Projeto Escuta!Projeto Escuta!
Princípios da Administração Pública
Princípios da Administração PúblicaPrincípios da Administração Pública
Princípios da Administração Pública
jorge luiz dos santos de souza
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
jorge luiz dos santos de souza
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
jorge luiz dos santos de souza
 
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde NeurofisiológicaCuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
jorge luiz dos santos de souza
 
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
jorge luiz dos santos de souza
 
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
jorge luiz dos santos de souza
 
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
jorge luiz dos santos de souza
 
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
jorge luiz dos santos de souza
 
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
jorge luiz dos santos de souza
 
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
jorge luiz dos santos de souza
 
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SULEDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
jorge luiz dos santos de souza
 
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
jorge luiz dos santos de souza
 
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúdeBem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
jorge luiz dos santos de souza
 
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufscPerímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
jorge luiz dos santos de souza
 
Educação Física Especial
Educação Física EspecialEducação Física Especial
Educação Física Especial
jorge luiz dos santos de souza
 
O Nado golfinho
O Nado golfinhoO Nado golfinho
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
jorge luiz dos santos de souza
 

Mais de jorge luiz dos santos de souza (20)

Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta QualificadaComunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
Comunicação Não Violenta e Escuta Qualificada
 
NAAF Campus Vacaria
NAAF Campus VacariaNAAF Campus Vacaria
NAAF Campus Vacaria
 
Projeto Escuta!
Projeto Escuta!Projeto Escuta!
Projeto Escuta!
 
Princípios da Administração Pública
Princípios da Administração PúblicaPrincípios da Administração Pública
Princípios da Administração Pública
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
 
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde NeurofisiológicaCuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
Cuidado de Si & Saúde Neurofisiológica
 
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
EDUCAÇÃO, AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DIREITOS HUMANOS
 
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
Relato de Experiência: Apresentação de Palestra no Curso de Introdução à Vida...
 
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
MÉDICOS DÁ ARTE: BLOG COMO FERRAMENTA DE DIVULGAÇÃO E PROMOTOR DOS PROCESSOS ...
 
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
REIKI NO CAMPUS: UMA EXPERIENCIA COM TERAPIAS COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDI...
 
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
PROJETO ATITUDES QUE SALVAM VIDAS NA VISÃO DE SEUS INTEGRANTES: RELATOS BASEA...
 
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
INTRODUÇÃO À VIDA ACADÊMICA: APRESENTANDO A UNIVERSIDADE E SUAS POSSIBILIDADE...
 
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SULEDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
EDUCAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL
 
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO RIO GRANDE DO SUL: HISTÓRIA, CULTURA, SABERES E PR...
 
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúdeBem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
Bem estar e qualidade de vida para profissionais da saúde
 
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufscPerímetros corporais trabalho cds-ufsc
Perímetros corporais trabalho cds-ufsc
 
Educação Física Especial
Educação Física EspecialEducação Física Especial
Educação Física Especial
 
O Nado golfinho
O Nado golfinhoO Nado golfinho
O Nado golfinho
 
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
Relatório de estágio profissionalizante ufsm 2003
 

Epidemiologia ris

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA I e II EPIDEMIOLOGIA Uma introdução jessyesm@hotmail.com
  • 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA I e II EPI DEMOS LOGIA Povo Sobre Estudo
  • 3. Conceito de Epidemiologia: “A ciência que estuda o processo saúde-doença na sociedade, analisando a distribuição populacional e os fatores determinantes das enfermidades, danos à saúde e eventos associados à saúde coletiva, propondo medidas específicas de prevenção, controle ou erradicação de doenças e fornecendo indicadores que sirvam de suporte ao planejamento, administração e avaliação das ações de saúde.“ (Almeida-Filho & Rouquayrol, 1993)
  • 4. Conceito de Epidemiologia: “É o estudo da distribuição do estado de saúde-doença (ou de eventos a ele relacionados) e de seus determinantes em populações específicas, e a aplicação desse estudo para o controle dos problemas de saúde.” (Last, JM. A Dictionary of Epidemiology, 2nded. New York, Oxford University Press, 1988).
  • 5. A ocorrência e distribuição dos eventos relacionados à saúde não se dão por acaso.
  • 6. LEI 8080  CAPÍTULO II Dos Princípios e Diretrizes Art. 7º As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios: ... VII - utilização da epidemiologia para o estabelecimento de prioridades, a alocação de recursos e a orientação programática; ...   Da Gestão Financeira Art. 35. Para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios, será utilizada a combinação dos seguintes critérios, segundo análise técnica de programas e projetos: ... II - perfil epidemiológico da população a ser coberta; ...     CAPÍTULO III Do Planejamento e do Orçamento   Art. 37. O Conselho Nacional de Saúde estabelecerá as diretrizes a serem observadas na elaboração dos planos de saúde, em função das características epidemiológicas e da organização dos serviços em cada jurisdição administrativa .
  • 7. HISTÓRIA Epidemiologia, séculos XVIII e XIX - Ano 5 AC: Hipócrates: doença humana poderia estar relacionada ao ambiente; - 1662, John Graunt: registros de nascimento e óbitos em Londres, sugerindo sazonalidade da mortalidade infantil - 1840, William Farr : diferentes padrões de mortalidade segundo estado civil e padrões de doenças ocupacionais (trabalhadores em minas de carvão e na indústria).
  • 8. HISTÓRIA Exemplos:  Doenças carenciais: –Lind: escorbuto (deficiência de vitamina c) – estudo experimental em tripulações de navio –Goldberger: pelagra (deficiência de niacina VitB3 ou vit PP) – estudo experimental em orfanatos e presídios  Doenças infecciosas: –Jenner: varíola - experimento vacina –Semmelwies: comparação do perfil de mortalidade entre 2 maternidades febre puerperal x lavar as mãos
  • 9. HISTÓRIA John Snow - 1854
  • 11. HISTÓRIA  Início da década de 80: Centers of Disease Control (CDC-USA) - aumento da demanda de pentamidina, droga sob controle usada para o tratamento de pneumonia por Pneumocisti carini. Epidemiologistas investigaram o fato e constataram um aumento desta infecção e de outras condições associadas como o sarcoma de Kaposi, infecções oportunistas e deficiência imunológica. AIDS
  • 12. HISTÓRIA Intervenção visando o controle, mesmo sem conhecer seu agente etiológico ! Segunda metade do século XIX - microbiologia
  • 13. INDICADORES DE SAÚDE
  • 15. TRANSIÇÃO TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA EPIDEMIOLÓGICA Processo de Estudo da evolução modernização global dos padrões de com base em mortalidade, de forma determinado padrão destacada dos outros demográfico elementos da “ tradicional” , até sua dinâmica conversão em um padrão populacional. demográfico moderno. PAES-SOUSA, R. Diferenciais intra-urbanos de mortalidade em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 1994: revisitando o debate sobre transições demográfica e epidemiológica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 18(5):1411-1421, set-out, 2002 .
  • 16. Um indicador (índice ou taxa) é uma forma de medir e avaliar determinadas tendências, contextos e realidade.
  • 17. INDICADORES MAIS UTILIZADOS PREVALÊNCIA Proporção de indivíduos de uma população afetados por uma enfermidade em um momento ou período de tempo determinado.
  • 18. INDICADORES MAIS UTILIZADOS INCIDÊNCIA Número de casos novos de uma doença que surgem em uma população durante um período determinado de tempo.
  • 19. Alguns Conceitos ...  EPIDEMIA: ocorrência coletiva de uma doença, elevando significativamente a incidência;  ENDEMIA: ocorrência coletiva de uma doença, com incidência constante;  PANDEMIA: é uma epidemia que atinge várias nações;  SURTO EPIDÊMICO: é uma ocorrência epidêmica restrita a um espaço delimitado;
  • 20. INDICADORES MAIS UTILIZADOS - Cobertura vacinal = nº de vacinados no grupo etário com vacina A 0 0 (%) nº de pessoas no grupo etário X1 - Coeficiente de mort. Infantil = nº de óbitos <1ano, ano x, área x 1 00 0 X nº de nascidos vivos, ano x, área x - Coeficiente de morbidade = nº de casos de uma doença 0 10 (%) população X
  • 41. ESTUDO DIRIGIDO 1. Número de casos incidentes em 2003? 2. Número de casos prevalentes em 2003? 3. Os casos prevalentes em 01/01/04 somaram? 4. Os casos prevalentes em 31/12/02 totalizaram? 5. Número de casos incidentes em 2002?