SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof.: Espedito Jr.
Epidemiologia
Epidemiologia
 Histórico :
A trajetória histórica da epidemiologia tem seus
primeiros registros já na Grécia antiga (ano 400
a.C.), quando Hipócrates, num trabalho clássico
denominado “Dos Ares, Águas e Lugares”, buscou
apresentar explicações, com fundamento no
racional e não no sobrenatural, a respeito da
ocorrência de doenças na população.
Já na era moderna, uma
personalidade que merece destaque é
o inglês John Graunt, que, no século
XVII, foi o primeiro a quantificar os
padrões da natalidade, mortalidade e
ocorrência de doenças, identificando
algumas características importantes
nesses eventos, entre elas:
Existência de diferenças entre os
sexos e na distribuição urbano-rural;
Elevada mortalidade infantil;
Variações sazonais.
OBJETIVOS
A compreensão dos usos da
epidemiologia nos permite identificar
os seus objetivos, entre os quais
podemos destacar os seguintes
segundo Objetivos da epidemiologia
(Adaptado de T. C. Timmreck, 1994):
 Identificar o agente causal ou fatores
relacionados à causa dos agravos à
saúde;
 Entender a causação dos agravos à saúde;
 Definir os modos de transmissão;
 Definir e determinar os fatores contribuintes
aos agravos à saúde;
Identificar e explicar os padrões de
distribuição geográfica das doenças;
Estabelecer os métodos e
estratégias de controle dos agravos
à saúde;
Boa parte do desenvolvimento da
epidemiologia como ciência teve por
objetivo final a melhoria das condições de
saúde da população humana, o que
demonstra o vínculo indissociável da
pesquisa epidemiológica com o
aprimoramento da assistência integral à
saúde.
Conceitos importantes
utilizados na Epidemiologia
 Relações de causa e efeito:
Causa, em epidemiologia, refere-se ao
agente que dá origem à doença; efeito
relaciona-se com a consequência da
doença, que pode ocorrer na pessoa ou
extrapolar e atingir o seu grupo,
comunidade, sociedade.
 Índices:
Índice: Nível de incidência das
doenças em epidemiologia.
Caso índice: Primeiro caso diagnosticado
em um surto ou epidemia.
 Incidência:
Número de casos novos de uma
doença ocorridos em uma particular
população durante um período
específico.
 Prevalência:
Quantifica o número de casos
novos e dos casos antigos.
 Coeficiente (sinônimo: taxa)
Coeficiente é uma expressão da
frequência em que um evento ocorre em
uma dada população. Os coeficientes são
essenciais para a comparação de
experiências entre populações durante
diferentes períodos, diferentes lugares, ou
entre diferentes variáveis sociais e
econômicas da população.
 Coeficiente específico por faixa etária:
Taxa relativa a uma determinada faixa
etária; dentro do grupo de pessoas
estudadas todas tem a mesma idade.
 Coeficiente de fecundidade total:
Estimativa do número total de
crianças que uma mulher viria a dar à luz,
se ela continuasse tendo filhos de acordo
com os coeficientes vigentes de
fecundidade de cada grupo etário.
 Coeficiente de incidência:
Taxa em que novos eventos
ocorrem em dada população.
 Coeficiente de morbidade:
Frequência de doença em uma
população..
 Coeficiente de mortalidade:
Frequência de óbitos em uma
determinada população durante um
intervalo de tempo específico.
 Coeficiente de mortalidade ajustado
pela idade:
Frequência de óbitos em uma determinada
população classificada pala idade
 Coeficiente de mortalidade infantil
Frequência de óbitos que ocorreram
no primeiro ano de vida.
 Coeficiente de mortalidade neonatal
Número de mortes de crianças menores de
28 dias de vida.
VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA:
É o processo sistemático e continuo de
coleta, analise, interpretação e
disseminação de informação com a
finalidade de recomendar e adotar medidas
de prevenção e controle de problemas de
saúde.
No Brasil a Lei 8.080 que constituiu em
1990 o sistema único de saúde SUS-
Define a vigilância epidemiológica como
um Conjunto de ações que proporciona o
conhecimento, a detecção ou prevenção
de qualquer mudança nos fatores
determinantes e condicionantes de saúde
individual ou coletivo, com a finalidade de
recomendar e adotar medidas de
prevenção e controle de doenças e
agravos.
Evolução natural das doenças e os
conceitos de epidemia
 Epidemia:
É uma doença infecciosa e transmissível
que ocorre numa comunidade ou região
e pode se espalhar rapidamente entre as
pessoas de outras regiões, originando
um surto epidêmico.
O número de casos que indicara a existência de
uma epidemia varia e acordo com o agente
infeccioso como:
O tamanho e as características da população
exposta;
A sua experiência prévia ou a falta de
exposição à enfermidade;
E o local e a época do ano em que ocorre.
Epidemia por fonte comum
Epidemia em que aparecem muitos casos
clínicos dentro de um intervalo de tempo o
que sugere a exposição simultânea de
muitas pessoas ao agente transmissor. O
exemplo típico é o das epidemias de
origem hídrica.
Epidemia progressiva (Epidemia por
fonte propagada):
Doenças que são transmitidas de pessoa a
pessoa ou de animal a animal, de modo que os
casos identificados não podem ser atribuídos a
agentes, transmitidos a partir de uma única fonte.
 Endemia:
é uma doença que se manifesta apenas
numa determinada região, de causa local,
não atingindo nem se espalhando para
outras comunidades.
Hiperendemia: significa a transmissão
intensa e persistente;
Holoendemia: um nível elevado de infecção
que começa a partir de uma idade precoce e
afeta a maior parte da população, como,
Ex: malária em algumas regiões.
Pandemia:
Endemia é uma doença que tem
duração continua porém, restrito a
uma determinada área.
ATUALMENTE:
 As doenças transmissíveis ainda são um
relevante problema da saúde pública no
Brasil, pois a muitas doenças que quando
diseminadas na sociedade podem se tornar
uma epidemia, entre elas podemos citar a
Dengue, febre amarela, hanseníase,
influenza, aids, tuberculose, doença
meningocócica, hepatites virais e malária.
Maior exigência da sociedade civil.
Por esse motivo novas tecnologias estão
constantemente sendo criadas e renovadas
para a detecção precoce e identificação
destes agentes.
A Integração da sociedade como um todo
na corresponsabilidade na detecção de
epidemias também é uma fator importante
no processo de controle além é claro da
melhor formação técnica dos profissionais
que atuam na saúde.
(Portaria nº 1.943, DE 18/10/2001 -
Define Relação de doenças de
notificação compulsória para todo o
pais) Doenças comunicáveis.
Território nacional
1. Botulismo
2. Carbúnculo ou “antraz”
3. Cólera
4. Coqueluche
5. Dengue
6. Difteria
7. Doença de Chagas
(casos agudos)
8. Doença Meningocócica
e outras Meningites
9.Esquistossomose (em
área não endêmica)
10. Febre Amarela
11. Febre Maculosa
12. Febre Tifoide
13. Hanseníase
14. Hantaviroses
15. Hepatite B
16. Hepatite C
17. Infecção pelo vírus da
imunodeficiência humana
(HIV) em gestantes e
crianças expostas ao
meio de transmissão
vertical
18. Leishmaniose
Tegumentar,Americana;
19. Leishmaniose
Visceral;
20. Leptospirose;
21. Malária (em área
não endêmica);
22. Meningite por
Haemophilus
influenzae;
23. Peste;
24. Poliomielite;
25. Paralisia
Flácida Aguda;
26. Raiva Humana
27. Rubéola
28. Síndrome da
Rubéola
Congênita
29. Sarampo
30. Sífilis Congênita
31. Síndrome da
Imunodeficiência
Adquirida (AIDS)
32. Tétano
33. Tularemia
34. Tuberculose
35. Varíola
Investigação epidemiológica de campo
(classicamente é conhecida por investigação
epidemiológica)
Estudos efetuados a partir de casos
clínicos ou de portadores com o objetivo
de identificar as fontes de infecção e os
modos de transmissão do agente. Pode
ser realizada em face de casos
esporádicos ou surtos.
Profilaxia:
Conjunto de medidas que têm por finalidade
prevenir ou atenuar as doenças, suas
complicações e consequências.
Tratamento profilático:
Tratamento de um caso clínico ou de um
portador com a finalidade de reduzir o período
de transmissibilidade.
Medidas de controle Epidemiologico
Imunoprofilaxia:
Prevenção da doença através da
imunidade conferida pela administração de
vacinas ou soros a uma pessoa ou animal.
Desinfestação:
Destruição do agente transmissor, como
finalidade profiláticas
Doença quarentenárias:
Doenças de grande transmissibilidade, em
geral graves, que requerem notificação
internacional imediata à Organização
Mundial da Saúde, isolamento rigoroso de
casos clínicos e quarentena dos
comunicantes, além de outras medidas de
profilaxia, com o intuito de evitar a sua
propagação. Entre as doenças
quarentenárias, temos a cólera, a febre
amarela entre outras.
Reflexão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
Wanderson Oliveira
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
MayaraJoventino1
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
introduçao a microbiologia
introduçao a microbiologiaintroduçao a microbiologia
introduçao a microbiologia
Lucio Silva
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Aula 4   epidemiologia em saude publicaAula 4   epidemiologia em saude publica
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Anderson Armstrong
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
Jorge Samuel Lima
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
José Luis Müller
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 

Mais procurados (20)

Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
introduçao a microbiologia
introduçao a microbiologiaintroduçao a microbiologia
introduçao a microbiologia
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Aula 4   epidemiologia em saude publicaAula 4   epidemiologia em saude publica
Aula 4 epidemiologia em saude publica
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 

Semelhante a Epidemiologia

Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
Glaydson Reis
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Cleber Lima
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
EvertonMonteiro19
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
ThaisAndreadeOliveir
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
LIANEDEMUNER1
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
ArtthurPereira2
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
Jeferson de Paula
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
douglas870578
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
MarianaSavyasp
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
Ricardo Alexandre
 
Epidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde PúblicaEpidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde Pública
brunna queiroz
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
roseanecordeiro
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Dengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasDengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragas
adrianomedico
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdfDOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
MarianaSavyasp
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
Augusto Mello
 

Semelhante a Epidemiologia (20)

Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
 
Epidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde PúblicaEpidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde Pública
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Dengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasDengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragas
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdfDOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Sergio Wilfrido Vazquez Apestegui
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
ighormt
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 

Último (8)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 

Epidemiologia

  • 2. Epidemiologia  Histórico : A trajetória histórica da epidemiologia tem seus primeiros registros já na Grécia antiga (ano 400 a.C.), quando Hipócrates, num trabalho clássico denominado “Dos Ares, Águas e Lugares”, buscou apresentar explicações, com fundamento no racional e não no sobrenatural, a respeito da ocorrência de doenças na população.
  • 3. Já na era moderna, uma personalidade que merece destaque é o inglês John Graunt, que, no século XVII, foi o primeiro a quantificar os padrões da natalidade, mortalidade e ocorrência de doenças, identificando algumas características importantes nesses eventos, entre elas:
  • 4. Existência de diferenças entre os sexos e na distribuição urbano-rural; Elevada mortalidade infantil; Variações sazonais.
  • 6. A compreensão dos usos da epidemiologia nos permite identificar os seus objetivos, entre os quais podemos destacar os seguintes segundo Objetivos da epidemiologia (Adaptado de T. C. Timmreck, 1994):
  • 7.  Identificar o agente causal ou fatores relacionados à causa dos agravos à saúde;  Entender a causação dos agravos à saúde;  Definir os modos de transmissão;  Definir e determinar os fatores contribuintes aos agravos à saúde;
  • 8. Identificar e explicar os padrões de distribuição geográfica das doenças; Estabelecer os métodos e estratégias de controle dos agravos à saúde;
  • 9. Boa parte do desenvolvimento da epidemiologia como ciência teve por objetivo final a melhoria das condições de saúde da população humana, o que demonstra o vínculo indissociável da pesquisa epidemiológica com o aprimoramento da assistência integral à saúde.
  • 10. Conceitos importantes utilizados na Epidemiologia  Relações de causa e efeito: Causa, em epidemiologia, refere-se ao agente que dá origem à doença; efeito relaciona-se com a consequência da doença, que pode ocorrer na pessoa ou extrapolar e atingir o seu grupo, comunidade, sociedade.
  • 11.  Índices: Índice: Nível de incidência das doenças em epidemiologia. Caso índice: Primeiro caso diagnosticado em um surto ou epidemia.
  • 12.  Incidência: Número de casos novos de uma doença ocorridos em uma particular população durante um período específico.  Prevalência: Quantifica o número de casos novos e dos casos antigos.
  • 13.  Coeficiente (sinônimo: taxa) Coeficiente é uma expressão da frequência em que um evento ocorre em uma dada população. Os coeficientes são essenciais para a comparação de experiências entre populações durante diferentes períodos, diferentes lugares, ou entre diferentes variáveis sociais e econômicas da população.
  • 14.  Coeficiente específico por faixa etária: Taxa relativa a uma determinada faixa etária; dentro do grupo de pessoas estudadas todas tem a mesma idade.  Coeficiente de fecundidade total: Estimativa do número total de crianças que uma mulher viria a dar à luz, se ela continuasse tendo filhos de acordo com os coeficientes vigentes de fecundidade de cada grupo etário.
  • 15.  Coeficiente de incidência: Taxa em que novos eventos ocorrem em dada população.  Coeficiente de morbidade: Frequência de doença em uma população..
  • 16.  Coeficiente de mortalidade: Frequência de óbitos em uma determinada população durante um intervalo de tempo específico.  Coeficiente de mortalidade ajustado pela idade: Frequência de óbitos em uma determinada população classificada pala idade
  • 17.  Coeficiente de mortalidade infantil Frequência de óbitos que ocorreram no primeiro ano de vida.  Coeficiente de mortalidade neonatal Número de mortes de crianças menores de 28 dias de vida.
  • 18. VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA: É o processo sistemático e continuo de coleta, analise, interpretação e disseminação de informação com a finalidade de recomendar e adotar medidas de prevenção e controle de problemas de saúde.
  • 19. No Brasil a Lei 8.080 que constituiu em 1990 o sistema único de saúde SUS- Define a vigilância epidemiológica como um Conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletivo, com a finalidade de recomendar e adotar medidas de prevenção e controle de doenças e agravos.
  • 20. Evolução natural das doenças e os conceitos de epidemia  Epidemia: É uma doença infecciosa e transmissível que ocorre numa comunidade ou região e pode se espalhar rapidamente entre as pessoas de outras regiões, originando um surto epidêmico.
  • 21. O número de casos que indicara a existência de uma epidemia varia e acordo com o agente infeccioso como: O tamanho e as características da população exposta; A sua experiência prévia ou a falta de exposição à enfermidade; E o local e a época do ano em que ocorre.
  • 22. Epidemia por fonte comum Epidemia em que aparecem muitos casos clínicos dentro de um intervalo de tempo o que sugere a exposição simultânea de muitas pessoas ao agente transmissor. O exemplo típico é o das epidemias de origem hídrica.
  • 23. Epidemia progressiva (Epidemia por fonte propagada): Doenças que são transmitidas de pessoa a pessoa ou de animal a animal, de modo que os casos identificados não podem ser atribuídos a agentes, transmitidos a partir de uma única fonte.
  • 24.  Endemia: é uma doença que se manifesta apenas numa determinada região, de causa local, não atingindo nem se espalhando para outras comunidades. Hiperendemia: significa a transmissão intensa e persistente; Holoendemia: um nível elevado de infecção que começa a partir de uma idade precoce e afeta a maior parte da população, como, Ex: malária em algumas regiões.
  • 25. Pandemia: Endemia é uma doença que tem duração continua porém, restrito a uma determinada área.
  • 26. ATUALMENTE:  As doenças transmissíveis ainda são um relevante problema da saúde pública no Brasil, pois a muitas doenças que quando diseminadas na sociedade podem se tornar uma epidemia, entre elas podemos citar a Dengue, febre amarela, hanseníase, influenza, aids, tuberculose, doença meningocócica, hepatites virais e malária. Maior exigência da sociedade civil.
  • 27. Por esse motivo novas tecnologias estão constantemente sendo criadas e renovadas para a detecção precoce e identificação destes agentes. A Integração da sociedade como um todo na corresponsabilidade na detecção de epidemias também é uma fator importante no processo de controle além é claro da melhor formação técnica dos profissionais que atuam na saúde.
  • 28. (Portaria nº 1.943, DE 18/10/2001 - Define Relação de doenças de notificação compulsória para todo o pais) Doenças comunicáveis.
  • 29. Território nacional 1. Botulismo 2. Carbúnculo ou “antraz” 3. Cólera 4. Coqueluche 5. Dengue 6. Difteria 7. Doença de Chagas (casos agudos) 8. Doença Meningocócica e outras Meningites 9.Esquistossomose (em área não endêmica) 10. Febre Amarela 11. Febre Maculosa 12. Febre Tifoide 13. Hanseníase 14. Hantaviroses 15. Hepatite B 16. Hepatite C 17. Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) em gestantes e crianças expostas ao meio de transmissão vertical
  • 30. 18. Leishmaniose Tegumentar,Americana; 19. Leishmaniose Visceral; 20. Leptospirose; 21. Malária (em área não endêmica); 22. Meningite por Haemophilus influenzae; 23. Peste; 24. Poliomielite; 25. Paralisia Flácida Aguda; 26. Raiva Humana 27. Rubéola 28. Síndrome da Rubéola Congênita 29. Sarampo 30. Sífilis Congênita 31. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) 32. Tétano 33. Tularemia 34. Tuberculose 35. Varíola
  • 31. Investigação epidemiológica de campo (classicamente é conhecida por investigação epidemiológica) Estudos efetuados a partir de casos clínicos ou de portadores com o objetivo de identificar as fontes de infecção e os modos de transmissão do agente. Pode ser realizada em face de casos esporádicos ou surtos.
  • 32. Profilaxia: Conjunto de medidas que têm por finalidade prevenir ou atenuar as doenças, suas complicações e consequências. Tratamento profilático: Tratamento de um caso clínico ou de um portador com a finalidade de reduzir o período de transmissibilidade. Medidas de controle Epidemiologico
  • 33. Imunoprofilaxia: Prevenção da doença através da imunidade conferida pela administração de vacinas ou soros a uma pessoa ou animal. Desinfestação: Destruição do agente transmissor, como finalidade profiláticas
  • 34. Doença quarentenárias: Doenças de grande transmissibilidade, em geral graves, que requerem notificação internacional imediata à Organização Mundial da Saúde, isolamento rigoroso de casos clínicos e quarentena dos comunicantes, além de outras medidas de profilaxia, com o intuito de evitar a sua propagação. Entre as doenças quarentenárias, temos a cólera, a febre amarela entre outras.