SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
EPIDEMIOLOGIA



              Parte 01
PROFa. MSc.
PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA
EPIDEMIOLOGIA
ETMOLOGICAMENTE:
 EPI=SOBRE
 DEMOS= POPULAÇÃO
 LOGOS = TRATADO

Epidemiologia é portanto, o estudo de
alguma coisa que aflige (afeta) a
população.
EPIDEMIOLOGIA
                   Rouquayrol, 2003

“Ciência que estuda o processo saúde-doença em
coletividades humanas, analisando a distribuição e os
fatores determinantes das enfermidades, danos à
saúde e eventos associados à saúde coletiva,
propondo medidas específicas de prevenção, controle,
ou erradicação de doenças, e fornecendo indicadores
que sirvam de suporte ao planejamento, administração
e avaliação das ações de saúde”
CETRO CONCURSOS - Solução em Concursos
                  Públicos
  Prefeitura Municipal de Cruzeiro – SP 2006
 21. A epidemiologia é uma ciência que pode dar suporte às
 medidas governamentais relacionadas à saúde. A definição de
 epidemiologia é:
 (A) Ciência que estuda prioritariamente a mortalidade e suas
 conseqüências.
 (B) Ciência que fiscaliza e determina as vacinas que devem ser
 disponibilizadas no esquema básico.
 (C) Ciência que estuda morbidades e mortalidade em destaque em
 uma comunidade em determinado período.
 *(D) Ciência que estuda a relação saúde-doença em uma
 comunidade, analisando a distribuição e os fatores determinantes
 dos agravos à saúde.
 (E) Ciência que estuda a prática da saúde pública e fiscaliza as
 condições sociais, econômicas e ambientais de uma população.
HISTÓRIA NATURAL DAS DOENÇAS

               Denomina-se História Natural da Doença (HND),
um conjunto de processos interativos, compreendendo “as
inter-relações do agente, do suscetível (hospedeiro) e do
meio ambiente que afetam o processo global e seu
desenvolvimento, desde as primeiras forças que criam o
estímulo patológico no meio ambiente, ou em qualquer outro
lugar, passando pela resposta do homem ao estímulo, até as
alterações que levam a um defeito, invalidez, recuperação ou
morte” (Leavell & Clark, 1976).
ESTRUTURA EPIDEMIOLÓGICA


O AMBIENTE - Deve ser entendido como “o conjunto de
todos os fatores que mantém relações interativas com o
agente etiológico e o hospedeiro, sem se confundir com os
mesmos”. (Ambiente: Físico,            Biológico, Social
(econômico, político, cultural e psicossocial).



O AGENTE - Embora, de um modo geral, se considere que
cada doença infecciosa (não infecciosa ou agravos à saúde)
tem seu agente etiológico específico, deve-se ter claro que
não há um agente único da doença.
ESTRUTURA EPIDEMIOLÓGICA


O HOSPEDEIRO (SUSCETÍVEL) - É
aquele onde a doença se desenvolverá e
terá oportunidade de se manifestar
clinicamente.

O homem, como espécie, é suscetível a
um grande número de agentes do meio,
de natureza viva ou inorgânica, que com
ele interagem, provocando disfunções.
HISTÓRIA NATURAL E PREVENÇÃO DE DOENÇAS E AGRAVOS À SAÚDE
         Inter-relações de diversos fatores

Agente                                        M                                                                                 MORTE
                                              U
                                              L
Suscetível                                    T                                                                DEFEITO/INVALIDEZ
                                              I
                                              C
 Ambiente:: São todos os fatores que          A
 mantém relações interativas com              U                                             HORIZONTE CLÍNICO
                                              Z                                                SINAIS E SINTOMAS
 o agente e o suscetível.                     A
 1. Sócio-econômicos:                         L
                                              I                                                                         RECUPERAÇÃO
                                                                              ALTERAÇÃO FISIOLÓGICAS
 2. Sócio-políticos                           D
                                              A
 3. Sócio-culturais
 4. Psico-sociais
                                              D
                                              E   Interação – suscetível – estímulo - reação
 Período de pré-patogênese                                                     Período de patogênese
                                                                       -

Promoção da saúde

 INFORMAÇÃO                                                                                                            Reabilitação

 EDUCAÇÃO                 Proteção específica
                                                  Diagnóstico precoce e
 COMUNICAÇÃO                    IMUNIZAÇÃO                                                                         REINSERÇÃO SOCIAL
                                                   tratamento imediato                                           SUPORTE ESPECIALIZADO
 PROMOÇÃO DE      SAÚDE OCUPACIONAL               DIAGNÓSTICO E ACOMPANHA-    Limitação de incapacidade              HUMANIZAÇÃO
 DIREITOS HUMANOS                                 MENTO AMBULATORIAL
                   PROTEÇÃO CONTRA                SERVIÇOS DE PREVENÇÃO SE-     Evitar futuras complicações.
                                                  CUNDÁRIA                      - Evitar seqüelas.
                      ACIDENTES                   LOGÍSTICA DA INSUMOS

          Prevenção primária                                     Prevenção secundária                              Prevenção terciária
                                       Níveis de aplicação das medidas preventivas
http://concursos.acep.org.br/ITAPIPOCA2006.

28. Em relação à história natural e prevenção de
doenças (modelo Leavell & Clark), constituem-
se como medidas de prevenção primária:
A) o diagnóstico precoce e o tratamento
imediato dos casos.
B) a proteção específica e a limitação da
incapacidade.
C) o diagnóstico precoce e a promoção da
saúde.
*D) a proteção específica e a promoção da
saúde.
dados              informação


    O “raciocínio epidemiológico” implica a
     quantificação - construção de medidas
     (indicadores) que possam representar
a experiência não de indivíduos mas de muitos
                      deles

  Medidas da ocorrência de doenças, óbitos,
outros agravos à saúde e eventos associados à
                    saúde
Os epidemiologistas estudam a
   distribuição de freqüências e
    padrões de ocorrência de
enfermidades ou outros eventos de
     saúde uma população.
Para isto, descreve a caracteriza os eventos de
saúde em termos de tempo, espaço e pessoa.


"quem?
"quem?“    "onde?
           "onde?”    "quando?
                      "quando? "

"como?
"como? "     "por quê?"
                  quê?




     Na perspectiva de identificar
desigualdades e iniqüidades em saúde
O que é análise de dados em
              epidemiologia?
Sumarização de dados populacionais
para a obtenção de:

  – medidas
  – ou imagens (gráficos, mapas, etc.)

 que facilitem ou permitam a interpretação
 dos dados e desse modo se viabilize a
 produção do conhecimento desejado.
O Método Epidemiológico - (Etapas)



1. Epidemiologia Descritiva - consiste na descrição
   da distribuição, em termos de freqüência, da
   ocorrência de doenças ou agravos à saúde, com
   relação ao tempo, local e atributos pessoais.


2.     Formulação de Hipótese(s) - após os
     conhecimentos adquiridos na etapa anterior, o
     epidemiologista formula hipóteses referentes aos
     fatores ou causas que expliquem os agravos à
     saúde.
O Método Epidemiológico - (Etapas)


3. Teste de Hipótese(s) - se destina a comprovar
ou não a veracidade da(s) hipótese(s) formulada(s),
através de vários modelos de estudo.


4. Confirmação da(s) Hipótese(s) - se confirmada
passa à condição de tese ou teoria.
Epidemiologia Descritiva

      VARIÁVEIS

  EPIDEMIOLÓGICAS
PESSOA: QUEM?
Características herdadas ou adquiridas
(idade, sexo, cor, escolaridade, renda,
estado nutricional e imunitário, etc.);
                                 etc.

Atividades (trabalho, esportes,   práticas
religiosas, costumes, etc.);
                      etc.

Circunstâncias de vida (condição social,
econômica e do meio ambiente).
                    ambiente).
TEMPO: QUANDO?
A cronologia de      uma doença é
fundamental para     a sua análise
epidemiológica.
epidemiológica.

A    distribuição    dos    casos    de
determinada doença por períodos de
tempo (semanal, mensal, anual)
permite verificar como a doença evolui.
                                evolui.
A
distribuição cronológica
  apresenta-
  apresenta-se como:
TENDÊNCIA SECULAR

São as variações na incidência/prevalência
ou mortalidade/letalidade de doenças
observadas por um longo período de
tempo, geralmente dez anos ou mais.
                               mais.
VARIAÇÃO CÍCLICA
São variações com ciclos periódicos e regulares.
                                      regulares.


O comportamento cíclico das doenças resulta de
recorrências nas suas incidências, que podem ser
anuais ou de periodicidade mensal ou semanal.
                                     semanal.


Na variação cíclica, portanto, um dado padrão é
repetido de intervalo em intervalo.
                         intervalo.
VARIAÇÃO SAZONAL
Ocorre quando a incidência das doenças
aumenta sempre, periodicamente, em algumas
épocas ou estações do ano, meses do ano,
dias da semana, ou em horas do dia.
                               dia.


Por exemplo, dengue (nas épocas quentes do
ano), acidentes de trânsito (horas de muita
movimentação urbana – deslocamento para o
trabalho ou escola).
            escola).
LUGAR: ONDE?
Utiliza-
Utiliza-se a distribuição geográfica para identificar de que
forma as doenças se distribuem no espaço (urbano/rural,
distrito sanitário, bairro, Município, etc.), associando a sua
                                       etc.
alta ocorrência.
     ocorrência.


Exemplo:
Exemplo: à baixas coberturas vacinais, precariedade no
saneamento básico, mananciais contaminados por
microorganismos, existência ou não de uma rede básica de
atenção à saúde, etc.
                 etc.
Em relação ao local de transmissão, os
casos podem ser classificados como:

Caso autóctone
É o caso confirmado que foi detectado no
mesmo local onde ocorreu a transmissão.

Casos alóctone
É o caso confirmado que foi detectado em
um local diferente daquele onde ocorreu a
transmissão.
Prefeitura Municipal de Betim -
                2007
  QUESTÃO 36

Caso alóctone de uma doença é:
a) caso oriundo do mesmo local onde ocorreu a
  doença.
*b) caso importado de uma outra localidade onde
  ocorreu a doença.
c) caso assintomático oriundo do mesmo local
  onde ocorreu a doença.
d) caso de doença grave não importando o local
  onde ocorreu a doença.
FORMAS

    DE

OCORRÊNCIAS

DAS DOENÇAS
CASO ESPORÁDICO

Quando, em uma comunidade, verifica-se o
                           verifica-
aparecimento de casos raros e isolados de uma
certa doença, a qual não estava prevista, esses
casos são chamados de casos esporádicos.
                            esporádicos.


Exemplo:
Exemplo: peste (transmitida pela picada de
pulgas infectadas com a bactéria Yersinia pestis.
                                          pestis.
CONGLOMERADO TEMPORAL DE
         CASOS

Um grupo de casos para os quais se suspeita
de um fator comum e que ocorre dentro dos
limites    de     intervalos    de      tempo,
significativamente, iguais, medidos a partir do
evento que, supostamente, foi a sua origem.
                                    origem.


Exemplo:
Exemplo:   leptospirose   (doença    infecciosa
causa pela bactéria do gênero Leptospira).
                              Leptospira)
ENDEMIA
Quando a ocorrência de determinada doença apresenta
variações na sua incidência de caráter regular, constante,
sistemático.
sistemático.

 Assim, endemia é a ocorrência de uma determinada
doença que, durante um longo período de tempo,
acomete, sistematicamente, populações em espaços
delimitados e caracterizados, mantendo incidência
constante ou permitindo variações cíclicas ou sazonais
ou atípicas.
   atípicas.

Exemplo:
Exemplo: tuberculose (causada pelo Mycobactrium
tuberculosis) e malária (causada por protozoários do
tuberculosis)
gênero Plasmodium).
       Plasmodium)
EPIDEMIA
As epidemias caracterizam-se pelo aumento do número de
              caracterizam-
casos acima do que se espera, comparado à incidência de
períodos anteriores.
         anteriores.
O mais importante, contudo, é o caráter desse aumento
descontrolado, brusco, significante, temporário. Se, em
                                     temporário.
uma dada região, inexiste determinada doença e surgem
dois ou poucos casos, pode-se falar em epidemia, dado o
                        pode-
seu caráter de surpresa.
               surpresa.

 Exemplo:
 Exemplo: o aparecimento de dois casos de sarampo em
uma região que, há muitos anos, não apresentava um
único caso.
      caso.

Exemplo:
Exemplo: epidemia de dengue.
                     dengue.
SURTO EPIDÊMICO
Costuma-
Costuma-se designar surto quando dois ou mais
casos de uma determinada doença ocorrem.
                                ocorrem.


em locais circunscritos, como instituições, escolas,
domicílios, edifícios, cozinhas coletivas, bairros ou
comunidades, aliados à hipótese de que tiveram,
como relação entre eles, a mesma fonte de
infecção ou de contaminação ou o mesmo fator d e
risco, o mesmo quadro clínico e ocorrência
simultânea.
simultânea.
PANDEMIA

Dá-se o nome de pandemia à
Dá-
ocorrência epidêmica caracterizada
por uma larga distribuição espacial
que atinge várias nações.
                  nações.
Prefeitura Municipal da Serra
     Concurso Público para Área de Saúde

16 - O Serviço de Epidemiologia do Centro Municipal de
Saúde de Serra foi solicitado para investigar a
ocorrência de uma doença infecto-contagiosa (sarampo)
                          infecto-
que vinha há cerca de cinco semanas atingindo várias
crianças de uma mesma escola, localizada em uma
comunidade de baixa renda. Isso caracteriza:
                     renda.      caracteriza:

(A) epidemia;
(B) endemia;
(C) pandemia;
(D) foco endêmico;
*(E) surto epidêmico.
           epidêmico.
VIGILÂNCIA

EPIDEMIOLÓGICA
5ª Conferência Nacional de Saúde
              1975


Instituído o Sistema Nacional de Vigilância
  Epidemiológica SNVE (Lei 6.259 – Dec.Dec.
  78.231/76)
  78.231/76)
Segundo a Lei n° 8.080/90
    vigilância epidemiológica

“um conjunto de ações que proporciona o
conhecimento, a detecção ou prevenção de
qualquer      mudança       nos      fatores
determinantes e condicionantes de saúde
individual ou coletiva, com a finalidade de
recomendar e adotar as medidas de
prevenção e controle das doenças ou
agravos”.
Vigilância Epidemiológica (VE)


Definição:
Definição:
                       Ação.
Informação – Decisão - Ação.

Finalidade:
Finalidade:
Recomendar e adotar as medidas de
prevenção e controle das doenças ou
agravos.
agravos.
Governo do Paraná - 2004
  A vigilância epidemiológica tem como propósito
  fornecer orientação técnica permanente para os que
  têm a responsabilidade de decidir sobre a execução de
  ações de controle de doenças e agravos. Considerando
                                   agravos.
  essa afirmação, assinale a alternativa correta.
                                         correta.

a) A informação limita o desencadear de ações por meio do
   planejamento.
   planejamento.
b) Informação é o dado não analisado.
                               analisado.
*c)     O eixo central da vigilância epidemiológica é o processo
   de informação-decisão-ação.
      informação-decisão-ação.
d) Informação não implica interpretação por parte do usuário.
                                                       usuário.
e) O planejamento em saúde independe das informações e da
   epidemiologia.
   epidemiologia.
São funções da vigilância epidemiológica:
  coleta de dados;
            dados;

  processamento dos dados coletados;
                          coletados;

  análise e interpretação    dos       dados
  processados;
  processados;

  recomendação das medidas de controle
  apropriadas;
  apropriadas;
São funções da vigilância epidemiológica:


 promoção     das   ações    de   controle
 indicadas;
 indicadas;

 avaliação da eficácia e efetividade das
 medidas adotadas;
          adotadas;

 divulgação de informações pertinentes.
                           pertinentes.
SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - GOIÁS UEG
                  2004
Questão 1
A vigilância epidemiológica é um serviço que reúne um conjunto de ações que
permite acompanhar a evolução das doenças na população. Pode-se dizer que
                                                 população. Pode-
é um termômetro, funcionando como um indicador de quais ações devem ter
prioridade no planejamento da assistência à saúde. Entretanto, para que a
                                               saúde.
vigilância epidemiológica possa propor ações de prevenção e controle.
                                                             controle.

Marque a alternativa que relaciona, na seqüência CORRETA, essas etapas:
                                                                etapas:

a) Coleta de dados, notificação, processamento dos dados, análise dos dados,
recomendação de medidas de controle e prevenção, promoção de ações de
controle e prevenção, avaliação e implantação do programa do Ministério da
Saúde.
Saúde.
b) Notificação, processamento dos dados, análise dos dados, ações de
controle de prevenção e promoção, avaliação e divulgação das informações.
                                                             informações.
*c) Coleta de dados, processamento dos dados, análise dos dados,
recomendação de medidas de controle e prevenção, promoção das ações
de controle e prevenção, avaliação da eficácia das medidas e divulgação
das informações.
    informações.
d) Coleta de dados, notificação, análise dos dados e implementação de ações
de promoção e prevenção.
                prevenção.
Prefeitura de Betim - 2007
São propósitos e funções            da   vigilância
  epidemiológica, EXCETO:

a) tornar disponíveis informações atualizadas sobre
  a ocorrência de doenças e agravos.
b) coleta, processamento, análise e interpretação
  de dados sobre doenças e agravos.
c) recomendação e promoção de medidas de
  controle para doenças e agravos.
*d) fabricação de insumos alopáticos usados para
  controle de doenças e agravos.
UNIFAP/DEPSEC
          Concurso Público GEA/2004
11. A vigilância epidemiológica tem como propósito fornecer
11.
orientação técnica permanente para os profissionais de saúde que
têm a responsabilidade de decisão referente à execução de ações de
controle de doenças e agravos, por isso a vigilância epidemiológica é
um importante instrumento de:
                          de:

(A) alta produção de bens, educação e habitação adequada.
                                                 adequada.
*(B) planejamento, organização, operacionalização dos serviços de
saúde.
saúde.
(C) consumo, sistema de necessidade e fiscalização sanitária.
                                                     sanitária.
(D) monitorização, coeficientes de cesarianas, efeitos adversos para
a saúde.
  saúde.
(E) preocupações da comunidade, provisão de bens públicos,
tecnologia do conhecimento.
              conhecimento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
Gladyanny Veras
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
alforreca567
 
Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica
Ivson Cassiano
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
ivanaferraz
 

Mais procurados (20)

vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
SINAN - Vigilância em Saúde
SINAN - Vigilância em SaúdeSINAN - Vigilância em Saúde
SINAN - Vigilância em Saúde
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Slides principios e diretrizes do sus-ANTONIO INACIO FERRAZ
Slides principios e diretrizes do sus-ANTONIO INACIO FERRAZSlides principios e diretrizes do sus-ANTONIO INACIO FERRAZ
Slides principios e diretrizes do sus-ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Semelhante a Vigilancia Epidemiologica parte01

Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
elisreis0601
 
Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2
profsempre
 
IntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) OdpIntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) Odp
guest4c3db4
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AlefySantos2
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
Cleber Lima
 

Semelhante a Vigilancia Epidemiologica parte01 (20)

Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
 
Introdução à epidemiologia.pptx
Introdução à epidemiologia.pptxIntrodução à epidemiologia.pptx
Introdução à epidemiologia.pptx
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saudeVigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Sp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemioSp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemio
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
 
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsóriaLista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptTema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
 
Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
 
Sp1 epidemio-ses rj
Sp1 epidemio-ses rjSp1 epidemio-ses rj
Sp1 epidemio-ses rj
 
IntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) OdpIntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) Odp
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
 

Mais de Instituto Consciência GO

Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Instituto Consciência GO
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Instituto Consciência GO
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Instituto Consciência GO
 

Mais de Instituto Consciência GO (20)

Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
 
Saúde e Educação
Saúde e EducaçãoSaúde e Educação
Saúde e Educação
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CERESTSaúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
 
Parametro de QLDD
Parametro de QLDDParametro de QLDD
Parametro de QLDD
 
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
DCNEIs
 
Currículo nos anos inicias
Currículo nos anos iniciasCurrículo nos anos inicias
Currículo nos anos inicias
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira TôrresPalestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
 
SIAD
SIADSIAD
SIAD
 

Vigilancia Epidemiologica parte01

  • 1. EPIDEMIOLOGIA Parte 01 PROFa. MSc. PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA
  • 2. EPIDEMIOLOGIA ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO Epidemiologia é portanto, o estudo de alguma coisa que aflige (afeta) a população.
  • 3. EPIDEMIOLOGIA Rouquayrol, 2003 “Ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas, analisando a distribuição e os fatores determinantes das enfermidades, danos à saúde e eventos associados à saúde coletiva, propondo medidas específicas de prevenção, controle, ou erradicação de doenças, e fornecendo indicadores que sirvam de suporte ao planejamento, administração e avaliação das ações de saúde”
  • 4. CETRO CONCURSOS - Solução em Concursos Públicos Prefeitura Municipal de Cruzeiro – SP 2006 21. A epidemiologia é uma ciência que pode dar suporte às medidas governamentais relacionadas à saúde. A definição de epidemiologia é: (A) Ciência que estuda prioritariamente a mortalidade e suas conseqüências. (B) Ciência que fiscaliza e determina as vacinas que devem ser disponibilizadas no esquema básico. (C) Ciência que estuda morbidades e mortalidade em destaque em uma comunidade em determinado período. *(D) Ciência que estuda a relação saúde-doença em uma comunidade, analisando a distribuição e os fatores determinantes dos agravos à saúde. (E) Ciência que estuda a prática da saúde pública e fiscaliza as condições sociais, econômicas e ambientais de uma população.
  • 5. HISTÓRIA NATURAL DAS DOENÇAS Denomina-se História Natural da Doença (HND), um conjunto de processos interativos, compreendendo “as inter-relações do agente, do suscetível (hospedeiro) e do meio ambiente que afetam o processo global e seu desenvolvimento, desde as primeiras forças que criam o estímulo patológico no meio ambiente, ou em qualquer outro lugar, passando pela resposta do homem ao estímulo, até as alterações que levam a um defeito, invalidez, recuperação ou morte” (Leavell & Clark, 1976).
  • 6. ESTRUTURA EPIDEMIOLÓGICA O AMBIENTE - Deve ser entendido como “o conjunto de todos os fatores que mantém relações interativas com o agente etiológico e o hospedeiro, sem se confundir com os mesmos”. (Ambiente: Físico, Biológico, Social (econômico, político, cultural e psicossocial). O AGENTE - Embora, de um modo geral, se considere que cada doença infecciosa (não infecciosa ou agravos à saúde) tem seu agente etiológico específico, deve-se ter claro que não há um agente único da doença.
  • 7. ESTRUTURA EPIDEMIOLÓGICA O HOSPEDEIRO (SUSCETÍVEL) - É aquele onde a doença se desenvolverá e terá oportunidade de se manifestar clinicamente. O homem, como espécie, é suscetível a um grande número de agentes do meio, de natureza viva ou inorgânica, que com ele interagem, provocando disfunções.
  • 8. HISTÓRIA NATURAL E PREVENÇÃO DE DOENÇAS E AGRAVOS À SAÚDE Inter-relações de diversos fatores Agente M MORTE U L Suscetível T DEFEITO/INVALIDEZ I C Ambiente:: São todos os fatores que A mantém relações interativas com U HORIZONTE CLÍNICO Z SINAIS E SINTOMAS o agente e o suscetível. A 1. Sócio-econômicos: L I RECUPERAÇÃO ALTERAÇÃO FISIOLÓGICAS 2. Sócio-políticos D A 3. Sócio-culturais 4. Psico-sociais D E Interação – suscetível – estímulo - reação Período de pré-patogênese Período de patogênese - Promoção da saúde INFORMAÇÃO Reabilitação EDUCAÇÃO Proteção específica Diagnóstico precoce e COMUNICAÇÃO IMUNIZAÇÃO REINSERÇÃO SOCIAL tratamento imediato SUPORTE ESPECIALIZADO PROMOÇÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL DIAGNÓSTICO E ACOMPANHA- Limitação de incapacidade HUMANIZAÇÃO DIREITOS HUMANOS MENTO AMBULATORIAL PROTEÇÃO CONTRA SERVIÇOS DE PREVENÇÃO SE- Evitar futuras complicações. CUNDÁRIA - Evitar seqüelas. ACIDENTES LOGÍSTICA DA INSUMOS Prevenção primária Prevenção secundária Prevenção terciária Níveis de aplicação das medidas preventivas
  • 9. http://concursos.acep.org.br/ITAPIPOCA2006. 28. Em relação à história natural e prevenção de doenças (modelo Leavell & Clark), constituem- se como medidas de prevenção primária: A) o diagnóstico precoce e o tratamento imediato dos casos. B) a proteção específica e a limitação da incapacidade. C) o diagnóstico precoce e a promoção da saúde. *D) a proteção específica e a promoção da saúde.
  • 10. dados informação O “raciocínio epidemiológico” implica a quantificação - construção de medidas (indicadores) que possam representar a experiência não de indivíduos mas de muitos deles Medidas da ocorrência de doenças, óbitos, outros agravos à saúde e eventos associados à saúde
  • 11. Os epidemiologistas estudam a distribuição de freqüências e padrões de ocorrência de enfermidades ou outros eventos de saúde uma população.
  • 12. Para isto, descreve a caracteriza os eventos de saúde em termos de tempo, espaço e pessoa. "quem? "quem?“ "onde? "onde?” "quando? "quando? " "como? "como? " "por quê?" quê? Na perspectiva de identificar desigualdades e iniqüidades em saúde
  • 13. O que é análise de dados em epidemiologia? Sumarização de dados populacionais para a obtenção de: – medidas – ou imagens (gráficos, mapas, etc.) que facilitem ou permitam a interpretação dos dados e desse modo se viabilize a produção do conhecimento desejado.
  • 14. O Método Epidemiológico - (Etapas) 1. Epidemiologia Descritiva - consiste na descrição da distribuição, em termos de freqüência, da ocorrência de doenças ou agravos à saúde, com relação ao tempo, local e atributos pessoais. 2. Formulação de Hipótese(s) - após os conhecimentos adquiridos na etapa anterior, o epidemiologista formula hipóteses referentes aos fatores ou causas que expliquem os agravos à saúde.
  • 15. O Método Epidemiológico - (Etapas) 3. Teste de Hipótese(s) - se destina a comprovar ou não a veracidade da(s) hipótese(s) formulada(s), através de vários modelos de estudo. 4. Confirmação da(s) Hipótese(s) - se confirmada passa à condição de tese ou teoria.
  • 16. Epidemiologia Descritiva VARIÁVEIS EPIDEMIOLÓGICAS
  • 17. PESSOA: QUEM? Características herdadas ou adquiridas (idade, sexo, cor, escolaridade, renda, estado nutricional e imunitário, etc.); etc. Atividades (trabalho, esportes, práticas religiosas, costumes, etc.); etc. Circunstâncias de vida (condição social, econômica e do meio ambiente). ambiente).
  • 18. TEMPO: QUANDO? A cronologia de uma doença é fundamental para a sua análise epidemiológica. epidemiológica. A distribuição dos casos de determinada doença por períodos de tempo (semanal, mensal, anual) permite verificar como a doença evolui. evolui.
  • 19. A distribuição cronológica apresenta- apresenta-se como:
  • 20. TENDÊNCIA SECULAR São as variações na incidência/prevalência ou mortalidade/letalidade de doenças observadas por um longo período de tempo, geralmente dez anos ou mais. mais.
  • 21. VARIAÇÃO CÍCLICA São variações com ciclos periódicos e regulares. regulares. O comportamento cíclico das doenças resulta de recorrências nas suas incidências, que podem ser anuais ou de periodicidade mensal ou semanal. semanal. Na variação cíclica, portanto, um dado padrão é repetido de intervalo em intervalo. intervalo.
  • 22. VARIAÇÃO SAZONAL Ocorre quando a incidência das doenças aumenta sempre, periodicamente, em algumas épocas ou estações do ano, meses do ano, dias da semana, ou em horas do dia. dia. Por exemplo, dengue (nas épocas quentes do ano), acidentes de trânsito (horas de muita movimentação urbana – deslocamento para o trabalho ou escola). escola).
  • 23. LUGAR: ONDE? Utiliza- Utiliza-se a distribuição geográfica para identificar de que forma as doenças se distribuem no espaço (urbano/rural, distrito sanitário, bairro, Município, etc.), associando a sua etc. alta ocorrência. ocorrência. Exemplo: Exemplo: à baixas coberturas vacinais, precariedade no saneamento básico, mananciais contaminados por microorganismos, existência ou não de uma rede básica de atenção à saúde, etc. etc.
  • 24. Em relação ao local de transmissão, os casos podem ser classificados como: Caso autóctone É o caso confirmado que foi detectado no mesmo local onde ocorreu a transmissão. Casos alóctone É o caso confirmado que foi detectado em um local diferente daquele onde ocorreu a transmissão.
  • 25. Prefeitura Municipal de Betim - 2007 QUESTÃO 36 Caso alóctone de uma doença é: a) caso oriundo do mesmo local onde ocorreu a doença. *b) caso importado de uma outra localidade onde ocorreu a doença. c) caso assintomático oriundo do mesmo local onde ocorreu a doença. d) caso de doença grave não importando o local onde ocorreu a doença.
  • 26. FORMAS DE OCORRÊNCIAS DAS DOENÇAS
  • 27. CASO ESPORÁDICO Quando, em uma comunidade, verifica-se o verifica- aparecimento de casos raros e isolados de uma certa doença, a qual não estava prevista, esses casos são chamados de casos esporádicos. esporádicos. Exemplo: Exemplo: peste (transmitida pela picada de pulgas infectadas com a bactéria Yersinia pestis. pestis.
  • 28. CONGLOMERADO TEMPORAL DE CASOS Um grupo de casos para os quais se suspeita de um fator comum e que ocorre dentro dos limites de intervalos de tempo, significativamente, iguais, medidos a partir do evento que, supostamente, foi a sua origem. origem. Exemplo: Exemplo: leptospirose (doença infecciosa causa pela bactéria do gênero Leptospira). Leptospira)
  • 29. ENDEMIA Quando a ocorrência de determinada doença apresenta variações na sua incidência de caráter regular, constante, sistemático. sistemático. Assim, endemia é a ocorrência de uma determinada doença que, durante um longo período de tempo, acomete, sistematicamente, populações em espaços delimitados e caracterizados, mantendo incidência constante ou permitindo variações cíclicas ou sazonais ou atípicas. atípicas. Exemplo: Exemplo: tuberculose (causada pelo Mycobactrium tuberculosis) e malária (causada por protozoários do tuberculosis) gênero Plasmodium). Plasmodium)
  • 30. EPIDEMIA As epidemias caracterizam-se pelo aumento do número de caracterizam- casos acima do que se espera, comparado à incidência de períodos anteriores. anteriores. O mais importante, contudo, é o caráter desse aumento descontrolado, brusco, significante, temporário. Se, em temporário. uma dada região, inexiste determinada doença e surgem dois ou poucos casos, pode-se falar em epidemia, dado o pode- seu caráter de surpresa. surpresa. Exemplo: Exemplo: o aparecimento de dois casos de sarampo em uma região que, há muitos anos, não apresentava um único caso. caso. Exemplo: Exemplo: epidemia de dengue. dengue.
  • 31. SURTO EPIDÊMICO Costuma- Costuma-se designar surto quando dois ou mais casos de uma determinada doença ocorrem. ocorrem. em locais circunscritos, como instituições, escolas, domicílios, edifícios, cozinhas coletivas, bairros ou comunidades, aliados à hipótese de que tiveram, como relação entre eles, a mesma fonte de infecção ou de contaminação ou o mesmo fator d e risco, o mesmo quadro clínico e ocorrência simultânea. simultânea.
  • 32. PANDEMIA Dá-se o nome de pandemia à Dá- ocorrência epidêmica caracterizada por uma larga distribuição espacial que atinge várias nações. nações.
  • 33. Prefeitura Municipal da Serra Concurso Público para Área de Saúde 16 - O Serviço de Epidemiologia do Centro Municipal de Saúde de Serra foi solicitado para investigar a ocorrência de uma doença infecto-contagiosa (sarampo) infecto- que vinha há cerca de cinco semanas atingindo várias crianças de uma mesma escola, localizada em uma comunidade de baixa renda. Isso caracteriza: renda. caracteriza: (A) epidemia; (B) endemia; (C) pandemia; (D) foco endêmico; *(E) surto epidêmico. epidêmico.
  • 35. 5ª Conferência Nacional de Saúde 1975 Instituído o Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica SNVE (Lei 6.259 – Dec.Dec. 78.231/76) 78.231/76)
  • 36. Segundo a Lei n° 8.080/90 vigilância epidemiológica “um conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos”.
  • 37. Vigilância Epidemiológica (VE) Definição: Definição: Ação. Informação – Decisão - Ação. Finalidade: Finalidade: Recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. agravos.
  • 38. Governo do Paraná - 2004 A vigilância epidemiológica tem como propósito fornecer orientação técnica permanente para os que têm a responsabilidade de decidir sobre a execução de ações de controle de doenças e agravos. Considerando agravos. essa afirmação, assinale a alternativa correta. correta. a) A informação limita o desencadear de ações por meio do planejamento. planejamento. b) Informação é o dado não analisado. analisado. *c) O eixo central da vigilância epidemiológica é o processo de informação-decisão-ação. informação-decisão-ação. d) Informação não implica interpretação por parte do usuário. usuário. e) O planejamento em saúde independe das informações e da epidemiologia. epidemiologia.
  • 39. São funções da vigilância epidemiológica: coleta de dados; dados; processamento dos dados coletados; coletados; análise e interpretação dos dados processados; processados; recomendação das medidas de controle apropriadas; apropriadas;
  • 40. São funções da vigilância epidemiológica: promoção das ações de controle indicadas; indicadas; avaliação da eficácia e efetividade das medidas adotadas; adotadas; divulgação de informações pertinentes. pertinentes.
  • 41. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - GOIÁS UEG 2004 Questão 1 A vigilância epidemiológica é um serviço que reúne um conjunto de ações que permite acompanhar a evolução das doenças na população. Pode-se dizer que população. Pode- é um termômetro, funcionando como um indicador de quais ações devem ter prioridade no planejamento da assistência à saúde. Entretanto, para que a saúde. vigilância epidemiológica possa propor ações de prevenção e controle. controle. Marque a alternativa que relaciona, na seqüência CORRETA, essas etapas: etapas: a) Coleta de dados, notificação, processamento dos dados, análise dos dados, recomendação de medidas de controle e prevenção, promoção de ações de controle e prevenção, avaliação e implantação do programa do Ministério da Saúde. Saúde. b) Notificação, processamento dos dados, análise dos dados, ações de controle de prevenção e promoção, avaliação e divulgação das informações. informações. *c) Coleta de dados, processamento dos dados, análise dos dados, recomendação de medidas de controle e prevenção, promoção das ações de controle e prevenção, avaliação da eficácia das medidas e divulgação das informações. informações. d) Coleta de dados, notificação, análise dos dados e implementação de ações de promoção e prevenção. prevenção.
  • 42. Prefeitura de Betim - 2007 São propósitos e funções da vigilância epidemiológica, EXCETO: a) tornar disponíveis informações atualizadas sobre a ocorrência de doenças e agravos. b) coleta, processamento, análise e interpretação de dados sobre doenças e agravos. c) recomendação e promoção de medidas de controle para doenças e agravos. *d) fabricação de insumos alopáticos usados para controle de doenças e agravos.
  • 43. UNIFAP/DEPSEC Concurso Público GEA/2004 11. A vigilância epidemiológica tem como propósito fornecer 11. orientação técnica permanente para os profissionais de saúde que têm a responsabilidade de decisão referente à execução de ações de controle de doenças e agravos, por isso a vigilância epidemiológica é um importante instrumento de: de: (A) alta produção de bens, educação e habitação adequada. adequada. *(B) planejamento, organização, operacionalização dos serviços de saúde. saúde. (C) consumo, sistema de necessidade e fiscalização sanitária. sanitária. (D) monitorização, coeficientes de cesarianas, efeitos adversos para a saúde. saúde. (E) preocupações da comunidade, provisão de bens públicos, tecnologia do conhecimento. conhecimento.