SlideShare uma empresa Scribd logo
Epidemiologia
e Saúde Bucal
Saúde Coletiva III
Profª Roseane Cordeiro
Epidemiologia
Medronho, 2009.
“Ciência que estuda o processo saúde-
doença na sociedade, promoção ou
recuperação da saúde individual e
coletiva , produzindo informação e
conhecimento para tomada de decisão.”
Ou seja...
EPI Sobre
DEMO População
LOGIA Estudo
A epidemiologia
 Estudo dos determinantes de saúde-
enfermidade
 Análise das situações de saúde
 Avaliação de tecnologias e processos no
campo da saúde
Epidemiologia Descritiva
 Estuda a frequência e distribuição dos
parâmetros de saúde ou de fatores de
risco das doenças nas populações.
Epidemiologia Analítica
 Testa hipóteses de relações causais.
 Ela é uma ciência fundamental para a
saúde pública;
 Tem dado grandes contribuições à
melhoria da saúde das populações;
 É essencial no processo de identificação
e mapeamento de doenças emergentes.
Epidemiologia e saúde bucal
Grécia antiga...
 As explicações sobre o processo saúde-
doença eram baseadas em concepções
mágico-religiosas.
 Medicina grega: Ausclepius (Esculápio)
Hygeia Ações preventivas, higiene.
Panacea Deusa da cura.
Histórico da epidemiologia...
 Abordagem racional
 Hipócrates, pai da Medicina.
 Doenças que afetavam
grande parte da população.
460 a.C. – 377 a. C
Segundo Hipócrates...
 Saúde: equilíbrio entre o homem e seu
meio.(De ares, águas e lugares)
 Doença: desequilíbrio de quatro humores
fundamentais: sangue, linfa, bile amarela
e bile negra.
Império Romano
 Construção de aquedutos, hábitos de
banhos diários, banhos públicos :
aumento da higiene pessoal.
 Contagem da população: realização do
censo. Estudo descritivo
 Galeno , médico particular do
Imperador Marco Aurélio.
Cláudio Galeno(201 – 130 a.C.)
Idade Média
 Caráter mágico-religioso
 Domínio da Igreja Católica
 Doença=castigo
 Criação dos primeiros hospitais
Medicina árabe
 Base – medicina hipocrática.
 Avanços farmacêuticos e técnicas
cirúrgicas.
 Descrição da varíola, asma e alergia
 Hospitais: centros de cura da doença,
escola de medicina.
 Avicena (989-1037) – Cânon da medicina.
 Averróes (1126-1198) – Precursor do
Higienismo.
Saber Clínico
Estatística Medicina
Social
EPIDEMIOLOGIA
Saber Clínico
 Tradição anglo-saxônica:
 Thomas Sydenham – Médico e precursor
da ciência epidemiológica . “História
Natural das Enfermidades”.
 Tradição francesa:
 Foucault - Medicina do coletivo:
Medicina Veterinária.
 Academia de Medicina de Paris -
epidemia no rebanho ovino. 1ª vez
conta-se doença para sua eliminação.
ESTATÍSTICA
Medida do Estado
“Conjunto de atributos
de uma nação.”
-Hermann Conring
 Raíz política
 Necessidade de contar o
povo e o exército com
disciplina e saúde.
 Teoria das probabilidades
(Blaise Pascal – Daniel
Bernouilli)
 Pierre Simon Laplace :
aperfeiçoou os métodos
aplicando-os a questões
de mortalidade e outros
fenômenos em saúde.
Blaise Pascal
Daniel Bernouilli
 Em 1825, Alexandre Louis
publica estudo estatístico
sobre 1960 casos de
tuberculose. Precursor da
avaliação da eficácia pela
Estatística.
 1839: William Farr cria o
registro anual de mortalidade
e morbidade para a
Inglaterra o País de Gales. –
Sistema de informação em
saúde.
Intervenções do Estado na
saúde da população
 França (1789) : Medicina Urbana
 Alemanha: Política Médica, medidas
compulsórias de controle e vigilância das
enfermidades. Imposição de regras de
higiene.
 Inglaterra: Revolução industrial –
medicina do trabalhador
Medicina Social
 1838 – Guérin : Abordagem coletiva da
saúde, elaborou termo medicina social.
 Rudolf Virchow: Movimento médico-
social na Alemanha. Exílio interno, se
voltou à patologia.
London Epidemiological
Society
 Criada em 1850
 Florence Nightingale – mãe fundadora
da Enfermagem
 John Snow – Pai da Epidemiologia
Florence Nightingale
John Snow
Acreditava que cólera e peste negra eram
causadas por poluição, ar viciado.
Antecipou-se à teoria microbiana de
Pasteur.
Em 1850 , concluiu que os casos de coléra
morbo no bairro londrino Soho, estavam
atribuidos à distribuição de água , pela
bomba localizada na Broad Street.
1813-1858
Epidemiologia e saúde bucal
 Nas décadas seguintes: avanço da
medicina clínica.
 Achados de Claude Bernard, Rudolf
Virchow, Louis Pasteur e Robert Koch.
 Medicina social do colonialismo
Bernard, Virchow, Pasteur e Koch.
 Estatística Médica (EUA)
 1872: American Public Health Association
Epidemiologia no mundo
 1910 - Relatório de Flexner:
“separou individual do
coletivo na saúde.”
 1918: Inauguração da John
Hopkings School of Hygiene
and Public Health, Baltimore,
EUA. – Modelo para escolas
de saúde pública
 Wade Hampton Frost : primeiro professor
de epidemiologia do mundo (John
Hopkins)
 Major Greenwood : primeiro professor de
epidemiologia e estatística
Wade
Frost
Major
Greenwod
 Crise 1929: retomada
do caráter social das
doenças.
Conceito de risco
 1919: conceito de risco, utilizado por
William Topley. (cobaias)
 Populações humanas: 1921, William
Howard Jr.
 Formalizado em 1933, por Wade
Hampton Frost
 Décadas de 30 e 40(EUA) – Incorporação
da prevenção na formação de
profissionais de saúde.
 Após II Guerra Mundial: realização de
inquéritos epidemiológicos.
 1950: Aperfeiçoamento das técnicas
epidemiológicas.
 1960: matematização da disciplina.
 1954: criação da Internacional
Epidemiological Association
 1964: American Journal of Epidemiology.
 1970: Epidemiologia como instrumento de
investigação sobre o complexo saúde-
doença.
 1970 e 1980: 3 tendências da
Epidemiologia:
- Clínica
- Bases matemáticas
- Abordagem critica
 Atualmente , ampliação da
epidemiologia: farmacoepidemiologia,
epidemiologia genética e epidemiologia
dos serviços de saúde.
Epidemiologia no Brasil
 1903: Presidente Rodrigues Alves nomeia
Oswaldo Cruz para Diretoria Geral de
Saúde Pública.
 1904: Revolta da Vacina
Carlos Chagas
 1905: Controle do surto de malária.
 1909: descoberta do agente etiológico
da Doença de Chagas.
 1945: Faculdade de Higiene e
Saúde Pública em SP.
 1970: Sistema Nacional de
Vigilância Epidemiológica
 1979: Criação da ABRASCO
 Barreto – Bases Medline/Pubmed , entre
1985 e 2004 : 211.727 artigos relacionados
a Epidemiologia
Epidemiologia e Saúde Bucal
 1980 – Implantação do CD no Sistema
Único de Saúde.
 Em 2008 - 37,1% dos CD estavam
inseridos no SUS ( MS e CFO).
 Atuação do CD no SUS:
- Levantamentos epidemiológicos
- Planejamento de atividades preventivas
e ações de saúde.
- Serviços a grupos com necessidades
específicas.
Descrição dos estudos
epidemiológicos
 Objetivos:
- Avaliar a carga de doença que se abate
sobre a população.
- Identificar mudanças na distribuição de
doenças no tempo e espaço.
- Reconhecer grupos com necessidades
mais específicas
- Denunciar desigualdades nas
distribuições de doenças
- Reconhecer oportunidades de
intervenção potencialmente mais efetivas
Índices
Vários índices e indicadores de saúde são
empregados para descrever a distribuição
populacional das doenças bucais.
São formas de medir a saúde bucal da
população.
Índices CPO e ceo
 Klein e Palmer (1937) : estudo descritivo
de saúde bucal em crianças indígenas
 CPO-D : Nº de dentes
 CPO-S: Nº de superfícies
Critérios para levantamento
epidemiológico:
 Dente é considerado presente quando
qualquer parte da sua coroa clínica
estiver atravessado a mucosa gengival;
 Na presença de um dente decíduo e
permanente ocupando o mesmo lugar ,
deve-se considerar o permanente.
 No caso de dúvida entre hígido e
cariado, considerar hígido.
 Dúvida entre cariado e restaurado,
considerar restaurado;
 Dúvida entre cariado e extração
indicada considerar cariado.
CPO-D
 Considerar cariado:
 Sulco, fissura ou superfície que apresente
cavidade evidente, tecido amolecido ou
descoloração do esmalte.
Epidemiologia e saúde bucal
 Considerar como hígidos:
 Quando não há evidência de lesão no
dente.
 Os estágios iniciais não são levados em
consideração(manchas esbranquiçadas)
Epidemiologia e saúde bucal
 Considerados restaurados:
 Dentes com restauração em resina
composta e amálgama.
Epidemiologia e saúde bucal
Cálculo do CPO-D
 Fórmula para cálculo do levantamento
epidemiológico:
 CPO-D/ceo-d Individual: Soma dos
dentes C+P+O=CPOD
ICPO-D/Iceo-d : Somas do CPO-D / Nº de
pessoas examinadas
CPO-S
 Nos dentes anteriores – 4 superfícies
 Nos dentes posteriores – 5 superfíicies
 Considerar a condição de
cariado,perdido, obturado como no
CPO-D
Cálculo do CPO-S/ceo-s
 Individual: Soma dos nºs de superficies
atingidas
 ICPO-S/Iceo-s: Cpo-s/ceo-s total / nº de
pessoas examinadas
Índice de Higiene Oral
Simplificado (IHO-S)
 Proposto por Greene e Vermillion (1964)
 Utilização de corantes nas superfícies:
-VESTIBULARES: 16,26,11 e 31
- LINGUAIS: 36 e 46
* No caso do dente índice estar ausente,
deve-se substituí-lo pelo subsequente.
Escores
0 – Nenhum resíduo ou mancha.
1 - Resíduo cobrindo não mais
que 1/3 da superfície dentária.
2 - Resíduo cobrindo mais do
que 1/3, mas não mais do que
2/3 da superfície dentária.
3 - Resíduos cobrindo mais que
2/3 da superfície dentária.
Cálculo do IHO-S
 Soma dos scores/ nº de dentes
examinados.
 IHO-S coletivo : Soma dos IHO-S / nº de
pessoas examinadas
INTERPRETAÇÃO CLÍNICA SCORES
BOA 0,0-0,6
REGULAR 0,7-1,8
RUIM 1,9-3,0
DÚVIDAS?????????????????
Epidemiologia e saúde bucal
EXERCÍCIOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Odontologia em saúde coletiva II 1ª aula
Odontologia em saúde coletiva II   1ª aulaOdontologia em saúde coletiva II   1ª aula
Odontologia em saúde coletiva II 1ª aula
Adélia Correia
 
Odontologia
OdontologiaOdontologia
Odontologia
John Fjv
 
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso AsbAula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
Sara Ribeiro
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
GracieleSonobe1
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
Lucas Stolfo Maculan
 
Proteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontalProteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontal
Priscila Freitas
 
Conceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontiaConceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontia
Clodoaldo Lopes
 
Prevenção e doenças bucais
Prevenção e doenças bucais Prevenção e doenças bucais
Prevenção e doenças bucais
Rômulo Augusto
 
Saude bucal coletiva
Saude bucal coletivaSaude bucal coletiva
Saude bucal coletiva
ibiraci1
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusões
edmarchristovam
 
ANATOMIA DENTAL AULA 1.pptx
ANATOMIA DENTAL AULA 1.pptxANATOMIA DENTAL AULA 1.pptx
ANATOMIA DENTAL AULA 1.pptx
ssuser485a36
 
Prótese dentária
Prótese dentáriaPrótese dentária
Prótese dentária
Jaqueline Fernandes
 
Ergonomia em odontologia
Ergonomia em odontologia Ergonomia em odontologia
Ergonomia em odontologia
Rômulo Augusto
 
Cirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostilaCirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostila
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
00. guia do participante promocao da saude bucal (1)
00. guia do participante   promocao da saude bucal (1)00. guia do participante   promocao da saude bucal (1)
00. guia do participante promocao da saude bucal (1)
NURSETAVARES
 
Homero_Saude_bucal
Homero_Saude_bucalHomero_Saude_bucal
Homero_Saude_bucal
comunidadedepraticas
 
Introdução à dentística
Introdução à dentísticaIntrodução à dentística
Introdução à dentística
talitachimeli
 
Resumo ppr
Resumo pprResumo ppr
Resumo ppr
Felipe Silva
 
Hierarquização e epidemiologia das doenças bucais
Hierarquização e epidemiologia das doenças bucaisHierarquização e epidemiologia das doenças bucais
Hierarquização e epidemiologia das doenças bucais
Adélia Correia
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Flavio Salomao-Miranda
 

Mais procurados (20)

Odontologia em saúde coletiva II 1ª aula
Odontologia em saúde coletiva II   1ª aulaOdontologia em saúde coletiva II   1ª aula
Odontologia em saúde coletiva II 1ª aula
 
Odontologia
OdontologiaOdontologia
Odontologia
 
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso AsbAula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
Proteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontalProteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontal
 
Conceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontiaConceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontia
 
Prevenção e doenças bucais
Prevenção e doenças bucais Prevenção e doenças bucais
Prevenção e doenças bucais
 
Saude bucal coletiva
Saude bucal coletivaSaude bucal coletiva
Saude bucal coletiva
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusões
 
ANATOMIA DENTAL AULA 1.pptx
ANATOMIA DENTAL AULA 1.pptxANATOMIA DENTAL AULA 1.pptx
ANATOMIA DENTAL AULA 1.pptx
 
Prótese dentária
Prótese dentáriaPrótese dentária
Prótese dentária
 
Ergonomia em odontologia
Ergonomia em odontologia Ergonomia em odontologia
Ergonomia em odontologia
 
Cirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostilaCirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostila
 
00. guia do participante promocao da saude bucal (1)
00. guia do participante   promocao da saude bucal (1)00. guia do participante   promocao da saude bucal (1)
00. guia do participante promocao da saude bucal (1)
 
Homero_Saude_bucal
Homero_Saude_bucalHomero_Saude_bucal
Homero_Saude_bucal
 
Introdução à dentística
Introdução à dentísticaIntrodução à dentística
Introdução à dentística
 
Resumo ppr
Resumo pprResumo ppr
Resumo ppr
 
Hierarquização e epidemiologia das doenças bucais
Hierarquização e epidemiologia das doenças bucaisHierarquização e epidemiologia das doenças bucais
Hierarquização e epidemiologia das doenças bucais
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
 

Destaque

Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana CarlaAula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal
horadeviver
 
Slides higiene bucal
Slides higiene bucalSlides higiene bucal
Slides higiene bucal
Maria Luiza Teixeira
 
Saúde bucal
Saúde bucalSaúde bucal
Saúde bucal
Dessa Reis
 
Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
Fernando Henrique
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
Flavio Salomao-Miranda
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 
Saúde Bucal para crianças
Saúde Bucal para criançasSaúde Bucal para crianças
Saúde Bucal para crianças
Mayara Fontinele
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
SB Brasil 1996
SB Brasil 1996SB Brasil 1996
SB Brasil 1996
Raphael Machado
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
Celene Longo
 
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumondCartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
SimoneHelenDrumond
 
Instrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicosInstrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicos
Rômulo Augusto
 
íNdices de condição periodontal
íNdices de condição periodontalíNdices de condição periodontal
íNdices de condição periodontal
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Resultados - turma da manhã
Resultados - turma da manhãResultados - turma da manhã
Resultados - turma da manhã
roseanecordeiro
 
Resultados - turma da tarde
Resultados - turma da tardeResultados - turma da tarde
Resultados - turma da tarde
roseanecordeiro
 
Exercícios de Calibração
Exercícios de CalibraçãoExercícios de Calibração
Exercícios de Calibração
nataliamedella
 
Promoção de saúde bucal.
Promoção de saúde bucal.Promoção de saúde bucal.
Promoção de saúde bucal.
PET - Odontologia UFPR
 

Destaque (20)

Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana CarlaAula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
 
Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal
 
Slides higiene bucal
Slides higiene bucalSlides higiene bucal
Slides higiene bucal
 
Saúde bucal
Saúde bucalSaúde bucal
Saúde bucal
 
Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Saúde Bucal para crianças
Saúde Bucal para criançasSaúde Bucal para crianças
Saúde Bucal para crianças
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
SB Brasil 1996
SB Brasil 1996SB Brasil 1996
SB Brasil 1996
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
 
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumondCartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
 
Instrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicosInstrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicos
 
íNdices de condição periodontal
íNdices de condição periodontalíNdices de condição periodontal
íNdices de condição periodontal
 
Resultados - turma da manhã
Resultados - turma da manhãResultados - turma da manhã
Resultados - turma da manhã
 
Resultados - turma da tarde
Resultados - turma da tardeResultados - turma da tarde
Resultados - turma da tarde
 
Exercícios de Calibração
Exercícios de CalibraçãoExercícios de Calibração
Exercícios de Calibração
 
Promoção de saúde bucal.
Promoção de saúde bucal.Promoção de saúde bucal.
Promoção de saúde bucal.
 

Semelhante a Epidemiologia e saúde bucal

Introdução à epidemiologia.pdf
Introdução à epidemiologia.pdfIntrodução à epidemiologia.pdf
Introdução à epidemiologia.pdf
ssusercb6cc2
 
Texto história epidemiologia
Texto história epidemiologiaTexto história epidemiologia
Texto história epidemiologia
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Introdução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide prontoIntrodução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide pronto
RobsonGomes753918
 
Edidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e históriaEdidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e história
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Historia da Epidemiologia
Historia da EpidemiologiaHistoria da Epidemiologia
Historia da Epidemiologia
Ricardo Alexandre
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
Ricardo Alexandre
 
Naomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usosNaomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usos
naomaralmeida
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde PúblicaO Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
Bruno Castro
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude
Pelo Siro
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Fernando Henrique
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
Paula Brustolin Xavier
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
Socorro Carneiro
 
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptxAula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
NivaldoJnior16
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 
Epidemiologia aula 1 e 2
Epidemiologia aula 1 e 2Epidemiologia aula 1 e 2
Epidemiologia aula 1 e 2
Ohanna Nogueira
 
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemslides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
MayaraGomes216833
 
02
0202
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
JudicleniaSantana
 

Semelhante a Epidemiologia e saúde bucal (20)

Introdução à epidemiologia.pdf
Introdução à epidemiologia.pdfIntrodução à epidemiologia.pdf
Introdução à epidemiologia.pdf
 
Texto história epidemiologia
Texto história epidemiologiaTexto história epidemiologia
Texto história epidemiologia
 
Introdução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide prontoIntrodução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide pronto
 
Edidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e históriaEdidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e história
 
Historia da Epidemiologia
Historia da EpidemiologiaHistoria da Epidemiologia
Historia da Epidemiologia
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
Naomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usosNaomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usos
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde PúblicaO Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
 
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptxAula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Epidemiologia aula 1 e 2
Epidemiologia aula 1 e 2Epidemiologia aula 1 e 2
Epidemiologia aula 1 e 2
 
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemslides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
 
02
0202
02
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
 

Epidemiologia e saúde bucal

  • 1. Epidemiologia e Saúde Bucal Saúde Coletiva III Profª Roseane Cordeiro
  • 3. Medronho, 2009. “Ciência que estuda o processo saúde- doença na sociedade, promoção ou recuperação da saúde individual e coletiva , produzindo informação e conhecimento para tomada de decisão.”
  • 4. Ou seja... EPI Sobre DEMO População LOGIA Estudo
  • 5. A epidemiologia  Estudo dos determinantes de saúde- enfermidade  Análise das situações de saúde  Avaliação de tecnologias e processos no campo da saúde
  • 6. Epidemiologia Descritiva  Estuda a frequência e distribuição dos parâmetros de saúde ou de fatores de risco das doenças nas populações.
  • 7. Epidemiologia Analítica  Testa hipóteses de relações causais.
  • 8.  Ela é uma ciência fundamental para a saúde pública;  Tem dado grandes contribuições à melhoria da saúde das populações;  É essencial no processo de identificação e mapeamento de doenças emergentes.
  • 10. Grécia antiga...  As explicações sobre o processo saúde- doença eram baseadas em concepções mágico-religiosas.  Medicina grega: Ausclepius (Esculápio) Hygeia Ações preventivas, higiene. Panacea Deusa da cura.
  • 11. Histórico da epidemiologia...  Abordagem racional  Hipócrates, pai da Medicina.  Doenças que afetavam grande parte da população. 460 a.C. – 377 a. C
  • 12. Segundo Hipócrates...  Saúde: equilíbrio entre o homem e seu meio.(De ares, águas e lugares)  Doença: desequilíbrio de quatro humores fundamentais: sangue, linfa, bile amarela e bile negra.
  • 13. Império Romano  Construção de aquedutos, hábitos de banhos diários, banhos públicos : aumento da higiene pessoal.  Contagem da população: realização do censo. Estudo descritivo  Galeno , médico particular do Imperador Marco Aurélio. Cláudio Galeno(201 – 130 a.C.)
  • 14. Idade Média  Caráter mágico-religioso  Domínio da Igreja Católica  Doença=castigo  Criação dos primeiros hospitais
  • 15. Medicina árabe  Base – medicina hipocrática.  Avanços farmacêuticos e técnicas cirúrgicas.  Descrição da varíola, asma e alergia  Hospitais: centros de cura da doença, escola de medicina.  Avicena (989-1037) – Cânon da medicina.  Averróes (1126-1198) – Precursor do Higienismo.
  • 17. Saber Clínico  Tradição anglo-saxônica:  Thomas Sydenham – Médico e precursor da ciência epidemiológica . “História Natural das Enfermidades”.  Tradição francesa:  Foucault - Medicina do coletivo: Medicina Veterinária.  Academia de Medicina de Paris - epidemia no rebanho ovino. 1ª vez conta-se doença para sua eliminação.
  • 18. ESTATÍSTICA Medida do Estado “Conjunto de atributos de uma nação.” -Hermann Conring
  • 19.  Raíz política  Necessidade de contar o povo e o exército com disciplina e saúde.  Teoria das probabilidades (Blaise Pascal – Daniel Bernouilli)  Pierre Simon Laplace : aperfeiçoou os métodos aplicando-os a questões de mortalidade e outros fenômenos em saúde. Blaise Pascal Daniel Bernouilli
  • 20.  Em 1825, Alexandre Louis publica estudo estatístico sobre 1960 casos de tuberculose. Precursor da avaliação da eficácia pela Estatística.  1839: William Farr cria o registro anual de mortalidade e morbidade para a Inglaterra o País de Gales. – Sistema de informação em saúde.
  • 21. Intervenções do Estado na saúde da população  França (1789) : Medicina Urbana  Alemanha: Política Médica, medidas compulsórias de controle e vigilância das enfermidades. Imposição de regras de higiene.  Inglaterra: Revolução industrial – medicina do trabalhador
  • 22. Medicina Social  1838 – Guérin : Abordagem coletiva da saúde, elaborou termo medicina social.  Rudolf Virchow: Movimento médico- social na Alemanha. Exílio interno, se voltou à patologia.
  • 23. London Epidemiological Society  Criada em 1850  Florence Nightingale – mãe fundadora da Enfermagem  John Snow – Pai da Epidemiologia Florence Nightingale
  • 24. John Snow Acreditava que cólera e peste negra eram causadas por poluição, ar viciado. Antecipou-se à teoria microbiana de Pasteur. Em 1850 , concluiu que os casos de coléra morbo no bairro londrino Soho, estavam atribuidos à distribuição de água , pela bomba localizada na Broad Street. 1813-1858
  • 26.  Nas décadas seguintes: avanço da medicina clínica.  Achados de Claude Bernard, Rudolf Virchow, Louis Pasteur e Robert Koch.  Medicina social do colonialismo Bernard, Virchow, Pasteur e Koch.
  • 27.  Estatística Médica (EUA)  1872: American Public Health Association
  • 28. Epidemiologia no mundo  1910 - Relatório de Flexner: “separou individual do coletivo na saúde.”  1918: Inauguração da John Hopkings School of Hygiene and Public Health, Baltimore, EUA. – Modelo para escolas de saúde pública
  • 29.  Wade Hampton Frost : primeiro professor de epidemiologia do mundo (John Hopkins)  Major Greenwood : primeiro professor de epidemiologia e estatística Wade Frost Major Greenwod
  • 30.  Crise 1929: retomada do caráter social das doenças.
  • 31. Conceito de risco  1919: conceito de risco, utilizado por William Topley. (cobaias)  Populações humanas: 1921, William Howard Jr.  Formalizado em 1933, por Wade Hampton Frost
  • 32.  Décadas de 30 e 40(EUA) – Incorporação da prevenção na formação de profissionais de saúde.  Após II Guerra Mundial: realização de inquéritos epidemiológicos.
  • 33.  1950: Aperfeiçoamento das técnicas epidemiológicas.  1960: matematização da disciplina.
  • 34.  1954: criação da Internacional Epidemiological Association  1964: American Journal of Epidemiology.
  • 35.  1970: Epidemiologia como instrumento de investigação sobre o complexo saúde- doença.
  • 36.  1970 e 1980: 3 tendências da Epidemiologia: - Clínica - Bases matemáticas - Abordagem critica
  • 37.  Atualmente , ampliação da epidemiologia: farmacoepidemiologia, epidemiologia genética e epidemiologia dos serviços de saúde.
  • 38. Epidemiologia no Brasil  1903: Presidente Rodrigues Alves nomeia Oswaldo Cruz para Diretoria Geral de Saúde Pública.
  • 39.  1904: Revolta da Vacina
  • 40. Carlos Chagas  1905: Controle do surto de malária.  1909: descoberta do agente etiológico da Doença de Chagas.
  • 41.  1945: Faculdade de Higiene e Saúde Pública em SP.  1970: Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica  1979: Criação da ABRASCO
  • 42.  Barreto – Bases Medline/Pubmed , entre 1985 e 2004 : 211.727 artigos relacionados a Epidemiologia
  • 43. Epidemiologia e Saúde Bucal  1980 – Implantação do CD no Sistema Único de Saúde.  Em 2008 - 37,1% dos CD estavam inseridos no SUS ( MS e CFO).
  • 44.  Atuação do CD no SUS: - Levantamentos epidemiológicos - Planejamento de atividades preventivas e ações de saúde. - Serviços a grupos com necessidades específicas.
  • 45. Descrição dos estudos epidemiológicos  Objetivos: - Avaliar a carga de doença que se abate sobre a população. - Identificar mudanças na distribuição de doenças no tempo e espaço. - Reconhecer grupos com necessidades mais específicas
  • 46. - Denunciar desigualdades nas distribuições de doenças - Reconhecer oportunidades de intervenção potencialmente mais efetivas
  • 47. Índices Vários índices e indicadores de saúde são empregados para descrever a distribuição populacional das doenças bucais. São formas de medir a saúde bucal da população.
  • 49.  Klein e Palmer (1937) : estudo descritivo de saúde bucal em crianças indígenas  CPO-D : Nº de dentes  CPO-S: Nº de superfícies
  • 50. Critérios para levantamento epidemiológico:  Dente é considerado presente quando qualquer parte da sua coroa clínica estiver atravessado a mucosa gengival;  Na presença de um dente decíduo e permanente ocupando o mesmo lugar , deve-se considerar o permanente.  No caso de dúvida entre hígido e cariado, considerar hígido.
  • 51.  Dúvida entre cariado e restaurado, considerar restaurado;  Dúvida entre cariado e extração indicada considerar cariado.
  • 52. CPO-D  Considerar cariado:  Sulco, fissura ou superfície que apresente cavidade evidente, tecido amolecido ou descoloração do esmalte.
  • 54.  Considerar como hígidos:  Quando não há evidência de lesão no dente.  Os estágios iniciais não são levados em consideração(manchas esbranquiçadas)
  • 56.  Considerados restaurados:  Dentes com restauração em resina composta e amálgama.
  • 58. Cálculo do CPO-D  Fórmula para cálculo do levantamento epidemiológico:  CPO-D/ceo-d Individual: Soma dos dentes C+P+O=CPOD ICPO-D/Iceo-d : Somas do CPO-D / Nº de pessoas examinadas
  • 59. CPO-S  Nos dentes anteriores – 4 superfícies  Nos dentes posteriores – 5 superfíicies  Considerar a condição de cariado,perdido, obturado como no CPO-D
  • 60. Cálculo do CPO-S/ceo-s  Individual: Soma dos nºs de superficies atingidas  ICPO-S/Iceo-s: Cpo-s/ceo-s total / nº de pessoas examinadas
  • 61. Índice de Higiene Oral Simplificado (IHO-S)  Proposto por Greene e Vermillion (1964)  Utilização de corantes nas superfícies: -VESTIBULARES: 16,26,11 e 31 - LINGUAIS: 36 e 46 * No caso do dente índice estar ausente, deve-se substituí-lo pelo subsequente.
  • 62. Escores 0 – Nenhum resíduo ou mancha. 1 - Resíduo cobrindo não mais que 1/3 da superfície dentária. 2 - Resíduo cobrindo mais do que 1/3, mas não mais do que 2/3 da superfície dentária. 3 - Resíduos cobrindo mais que 2/3 da superfície dentária.
  • 63. Cálculo do IHO-S  Soma dos scores/ nº de dentes examinados.  IHO-S coletivo : Soma dos IHO-S / nº de pessoas examinadas INTERPRETAÇÃO CLÍNICA SCORES BOA 0,0-0,6 REGULAR 0,7-1,8 RUIM 1,9-3,0