SlideShare uma empresa Scribd logo
Fundamentos de
Epidemiologia
AULA 01
INTRODUÇÃO À EPIDEMIOLOGIA
Fundamentos da Epidemiologia
 Conteúdo programático desta aula:
 Conceitos básicos em Epidemiologia e a relação com a
Saúde Coletiva;
 Formação histórica da Epidemiologia;
 Objetivos, Aplicações e Interfaces disciplinares da
Epidemiologia;
 Raciocínio Epidemiológico.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Conceitos básicos em Epidemiologia
e a relação com a Saúde Coletiva
Etimologia da palavra epidemiologia
 Formada pela junção do prefixo epí– (em cima de, sobre)
com o radical –demos– (significando povo). O sufixo –
logos, também vem do grego que corresponde a estudo,
doutrina.
 Então, etimologicamente a palavra epidemiologia significa:
“Ciência do que ocorre sobre o povo”
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Definição de Epidemiologia
 Existem várias definições para o termo
epidemiologia.
 O conceito original se restringia ao estudo de
doenças transmissíveis, entretanto, houve uma
evolução no conceito que passou a abranger todos
os eventos relacionados ao processo saúde/doença
da população.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Definição de Epidemiologia
 Segundo Rouquayrol (1999) epidemiologia é a ciência que
estuda o processo saúde/doença em coletividades
humanas, propondo medidas específicas de prevenção,
controle ou erradicação de doenças.
 Enquanto a abordagem clínica se dedica ao estudo da
doença no indivíduo, a epidemiologia estuda os
problemas de saúde em coletividades humanas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
A epidemiologia se constitui na principal ciência
da informação em saúde e é considerada a ciência
básica da Saúde Coletiva
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Saúde Coletiva
 É a ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e
desenvolver a saúde física, mental e a eficiência, através de
esforços organizados da sociedade, para:
 O saneamento do meio ambiente;
 O controle das infecções entre as pessoas;
 A organização de serviços médicos e paramédicos para prevenção,
diagnóstico precoce e o tratamento da doença;
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Saúde Coletiva
 O aperfeiçoamento da máquina social que assegurará a cada
indivíduo, dentro da sociedade, um padrão de vida
adequado à manutenção da saúde.
(Winslow citado por Rouquayrol, 1999)
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
O indivíduo
com peça da
máquina
social
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Saúde Coletiva
 De acordo com Rita Barradas, em seu artigo Epidemiologia Social, os
epidemiologistas, atores da saúde coletiva, vem desenvolvendo novas
estratégias de investigação e novas ferramentas de análise que possam,
cada vez mais, fornecer elementos corretos para orientar as intervenções
sociais no campo da saúde e a formulação de políticas públicas
baseadas no reconhecimento dos direitos de cidadania, na garantia da
liberdade democrática e na busca da felicidade humana.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v8n1/02.pdf
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Formação histórica da
Epidemiologia
Antiguidade: a contribuição de Hipócrates
(c. 460 a 377 a.C.)
No tratado de “Ares, águas e
Lugares” Hipócrates discutiu os
fatores ambientais ligados às
doenças, defendendo um conceito
ecológico de saúde/doença. Daí,
surgia a Teoria Miasmática.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
O Renascimento
 Movimento de resgate dos elementos
filosóficos, estéticos e ideológicos mais
avançados da cultura greco-latina.
 O pensamento renascentista propiciou as
bases para a compreensão racional da
realidade que resultou na constituição
das ciências modernas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
A partir dessa nova visão de mundo,
“explodiu”, entre os séculos XVI e
XVIII a necessidade da produção de
conhecimento em todos os saberes.
Formação histórica
fundamentada em 3 eixos
(tríade)
 Clínica: saberes sobre saúde/doença –
século XVII
 Fisiologia, Patologia, Bacteriologia etc.;
 Estatística: diretrizes metodológicas
quantitativas – século XVII;
 Medicina social: práticas de
transformação da sociedade – século XVIII.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 Hegemonia da medicina
“científica” (“biologização”)
apesar do
desenvolvimento da
medicina social no final do
século XIX:
 Fisiologia;
 Patologia;
 Bacteriologia.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 Rudolf Wirchow (1821 – 1902), médico alemão, é um
importante personagem da medicina social.
 Extremamente versátil, desenvolveu intensa e criativa
atividade em várias áreas:
 Patologia;
 Antropologia;
 Política (ativista da saúde pública).
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 Entretanto, com o avanço da fisiologia, da patologia e da
bacteriologia no século XIX, devido principalmente a Bernard, Virchow
e Pasteur, houve um fortalecimento da medicina científica.
 As enfermidades de maior prevalência eram as de natureza infecto-
contagiosa, o que favoreceu a abordagem individual e curativa
superando o enfoque coletivo e os determinantes sociais da saúde.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Medicina social – práticas de
transformação da sociedade
 A Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra em meados do
século XVIII e expandida para o mundo a partir do século XIX,
produziu um grande impacto nas condições de vida e saúde das
populações.
 Com a organização e aumento da participação política das
classes trabalhadoras, evidenciados principalmente na França,
Alemanha e Inglaterra, temas relativos à saúde foram
incorporados na pauta das reinvindicações dos movimentos
sociais.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Medicina social – práticas de
transformação da sociedade
 Era o início do movimento pela medicina social:
 a medicina deveria ser um instrumento de transformação social.
 Postulava-se que a participação política é a principal estratégia
de transformação da realidade de saúde e que as revoluções
populares deveriam resultar nos principais determinantes da
saúde social:
 democracia, justiça, igualdade, liberdade e fraternidade.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Medicina social – práticas de
transformação da sociedade
 As práticas de transformação da sociedade, inicialmente
propostas pela Medicina Social no século XVIII, estão
relacionadas à necessidade de aprofundamento e
sistematização das reflexões sobre as questões de saúde.
 Se pararmos para analisar as aproximações e distanciamentos
entre as âmbitos da ciência e da política chegaremos a
conclusão de que os pesquisadores em Saúde Coletiva podem
ser considerados, também, agentes políticos.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Medicina social – práticas de
transformação da sociedade
 Os estudos nessa área se relacionam tanto direta quanto
indiretamente com campos de atuação e formulação de
políticas e requerem dos agentes da área da saúde elevado
comprometimento ético, reflexão, produção, ação política e
transformação da sociedade.
 Essas práticas nortearão a forma de avaliar o processo
saúde/doença na sociedade.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos
no desenvolvimento da
Epidemiologia
Epidemia de cólera em Londres
(1854): destaque aos estudos do
médico inglês John Snow (1813 –
1858), considerado o Pai da
“epidemiologia de campo” devido
às coletas planejadas de dados
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 Nos anos 50:
 Desenvolvimento/aperfeiçoamento dos desenhos
epidemiológicos;
 Substituição da Teoria Monocasual por uma tendência
ecológica (multicasualidade);
 Definição clara dos indicadores de saúde:
 Prevalência, e
 Incidência.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 Formalização do conceito probabilístico de risco;
 Introdução à Bioestatística.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 1960 e 1970:
 Entre os anos 60 e 70, houve uma verdadeira revolução na
Epidemiologia com a introdução da computação eletrônica.
Pode-se dizer que houve uma forte “matematização” da área;
 Na década de 60 várias questões sociais, como os direitos
humanos, mobilizaram o mundo inteiro e o impacto dessa
mobilização repercutiu, é claro, na saúde e na educação;
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 1960 e 1970:
 John Cassel (1915 – 1978) contribuiu significativamente na
sistematização do conhecimento epidemiológico com a
teoria compreensiva da doença, fruto da integração dos
Fundamentos Socioantropológicos na Saúde.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 1970 e 1980:
 Nos anos 70 e 80 temos agora 3 tendências principais:
 Aprofundamento das bases matemáticas;
 Proposta de uma Epidemiologia Clínica (tendência a
“biologização”);
 Reafirmação do processo saúde-enfermidade-cuidado,
considerando os aspectos econômicos e políticos de seus
determinantes, em oposição à “biologização”.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 1970 e 1980:
 Na Europa e na América Latina surgiram abordagens mais
críticas da Epidemiologia em resposta a essa tendência de
“biologização” da Saúde Pública, reafirmando a influência
das determinantes sociais da saúde (DSS) no processo
saúde-doença.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da Epidemiologia
 1970 e 1980:
 Novos desafios surgiram:
 Doenças antigas reapareceram, e
 Novas enfermidades despontaram (doenças emergentes)
 Destaca-se, nesse contexto, a pandemia da SIDA ou AIDS –
Sindrome da Imunodeficiência Adquirida.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Alguns marcos históricos no
desenvolvimento da
Epidemiologia
O filme mais famoso sobre a AIDS,
que retrata muito bem sua gravidade
e seu caráter estigmatizante, talvez
seja “Philadelphia” (1993), com os
atores Tom Hanks e Denzel
Washigton.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Objetivos, Aplicações e Interfaces
disciplinares da Epidemiologia
Principais objetivos da Epidemiologia
 Descrever a distribuição e a magnitude dos problemas
de saúde nas populações humanas;
 Proporcionar dados para planejar, executar e avaliar
ações de prevenção, controle e tratamento das
doenças;
 Identificar fatores etiológicos na gênese das
enfermidades.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Principais objetivos da Epidemiologia
 Algumas aplicações:
 Diversas fases do ciclo da vida;
 Diversos tipos de problemas de saúde;
 Epidemiologia da AIDS;
 Epidemiologia das doenças infecciosas;
 Epidemiologia das doenças cardiovasculares;
 Epidemiologia do câncer;
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Principais objetivos da Epidemiologia
 Algumas aplicações:
 Diversas fases do ciclo da vida;
 Diversos tipos de problemas de saúde;
 Epidemiologia nutricional;
 Epidemiologia das violências;
 Epidemiologia do uso de substâncias psicoativas;
 Epidemiologia em saúde mental;
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Principais objetivos da Epidemiologia
 Algumas aplicações:
 Diversas fases do ciclo da vida;
 Diversos tipos de problemas de saúde;
 Epidemiologia bucal;
 Epidemiologia da saúde do trabalhador;
 Epidemiologia aplicada ao SUS;
 Epidemiologia entre várias outras aplicações;
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Interfaces da Epidemiologia
 Ciências Biológicas (clínica, patologia, microbiologia, parasitologia,
imunologia): Epidemiologia clínica e a aplicação do método
epidemiológico na clínica;
 Ciências Sociais: A epidemiologia social representa o renascer da
determinação social da doença;
 Estatística: coleta de dados.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Desenvolvendo um raciocínio
Epidemiológico
Raciocínio epidemiológico: pessoa,
espaço e tempo
 As doenças humanas não são encaradas como eventos que ocorrem ao
acaso, mas estão relacionadas a uma rede de outros eventos que devem
ser identificados e estudados.
 Vale a pena refletir que para o clínico o que mais interessa é o diagnóstico
de uma determinada doença em um determinado indivíduo.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Raciocínio epidemiológico: pessoa,
espaço e tempo
 Enquanto, para o epidemiologista, o que interessa realmente é como se dá
a ocorrência de uma determinada doença inserida em uma estrutura
social.
 Os questionamentos epidemiológicos “como”, “por que”, “quando” e “em
quem” são fundamentais para entender melhor os problemas de saúde.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
A Epidemiologia explora a ecologia da
doença humana!
DOENÇA
Fatores
Ambientais
Fatores
Socioeconômicos
Diversos outros
fatores
Fatores Biológicos
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 A EPIDEMIOLOGIA estuda os Determinantes Sociais da
Saúde (DSS) e as condições de ocorrência, bem como as
possíveis formas de intervenção e controle das doenças e
agravos à saúde em populações humanas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 A EPIDEMIOLOGIA vai muito além do estudo do “risco
biológico”.
 Na verdade, ela transcende a “biologização”, visto que investiga
problemas de cunho social, por isso é definida pelo seu caráter
social, considerando os aspectos socioeconômicos e políticos
de seus determinantes, ou seja, a determinação social da
saúde.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 O principal foco de interesse dos estudos epidemiológicos está
relacionado às principais causas de morte das sociedades modernas:
mortes violentas e DCNT (Doenças Crônicas Não Transmissíveis)
 Afirmação de compromisso histórico de epidemiologia com a
melhoria da saúde das populações e com a redução das
desigualdades sociais.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Reflexão: o que a figura sugere?
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Transição Epidemiológica na população
brasileira
 A partir da primeira década do século XXI houve uma
transição epidemiológica na população brasileira, ou seja,
uma mudança no perfil epidemiológico.
 As epidemias e os ciclos de transmissão das doenças
infecciosas, tão estudados no século XVIII, deram lugar ao
estudo de complexas redes de multicasualidade.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Transição Epidemiológica na população
brasileira
 Vale a pena destacar que as doenças crônicas não transmissíveis
(DCNT) ou não-infecciosas, como a obesidade e a síndrome
metabólica, doenças cardiovasculares, diabetes, doenças
cerebrovasculares e câncer assumiram proporções alarmantes.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
“A descoberta consiste em ver o
que todo mundo viu e pensar o
que ninguém pensou”.
Albert Szent-Gyorgyi
(1893 – 1986)
“Se uma nova ideia expande a
mente de uma pessoa, ela jamais
volta às suas dimensões
originais”.
Oliver Wendel Holmes
(1809 – 1894)
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Através do estudo da EPIDEMIOLOGIA aprendemos a fazer perguntas e a ter
ideias que nos levam a novas perguntas, pois uma ideia não morre, é uma
semente que germina novas ideias e perguntas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
CONCEITOS BÁSICOS
DE EPIDEMIOLOGIA
 Etimologicamente – epi = sobre; demo = população; logos = tratado –
estudo do que afeta a população.
 Conceito original – estudo das epidemias de doenças transmissíveis.
 Recentemente – conceito evoluiu de modo a abranger praticamente
todos os eventos relacionados com a saúde das populações.
 Status de disciplina – metade do século 20
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
ÁREAS TEMÁTICAS
 Passado – alvo: doenças que se apresentavam sob a forma de
epidemia – cólera, peste, tifo, varíola, febre amarela – afecções agudas
que alarmavam a população e as autoridades.
 Detecção de epidemias – necessário estudar a doença em períodos
interepidêmicos - vigilância contínua da ocorrência e da distribuição
das doenças.
 Extensão do interesse para as doenças transmissíveis crônicas (TB) e
nutricionais como pelagra e beriberi.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 Queda da mortalidade por doenças transmissíveis e carenciais,
envelhecimento e mudança do perfil de morbidade.
 Ampliação do campo de aplicação da epidemiologia – doenças e
agravos não transmissíveis (DANT).
 Necessidade de estudos sobre a relação entre os fatores de risco e a
doença.
 Quais as principais causas de mortalidade no Brasil hoje?
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Tendências da Mortalidade por Grupos de
Causas BRASIL – 1930/2000
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
 O que é esperança de vida?
 Como ela tem variado nos diferentes períodos históricos?
 Os povos selvagens das Américas antes do descobrimento tinham de
esperança de vida maior ou menor do que quem vive em grandes
cidades no séculos XXI?
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Esperança de vida por períodos
Seres humanos por Época Esperança de vida ao nascer Comentário
Paleolítico Superior 33 Aos 15 anos: 39 (até idade 54)
Neolítico 20
Idade do Bronze 18 1800 – 1200 aC
Idade do Ferro 35 1200 aC – 1000 dC
Grécia clássica 28 Aos 15 anos: 37 (até idade 52)
Roma clássica 28
Pré-colombianas da América do Norte 25-30
Califado Islâmico Medieval 35 +
Grã-Bretanha Medieval 30
Aos 21 anos: 38 (até idade 59)
(aristocratas britânicos)
Grã-Bretanha moderna 30-45
Média mundial atual 67,2 2010 est
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
OBJETO DA EPIDEMIOLOGIA
 Qualquer dano, agravo ou evento relacionado à saúde estudado em
termos populacionais (por exemplo: hábito de fumar, peso ao nascer,
violência urbana, consumo de drogas, etc.).
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
SERVIÇOS DE SAÚDE E EPIDEMIOLOGIA
 Assistência aos doentes e práticas preventivas – fatores que interferem
na distribuição e ocorrência das doenças.
 Quadro referência da epidemiologia – utilizado para abordar questões
relativas aos SS.
 Objetivos: conhecimento da situação dos SS, identificação de
problemas, investigação de causas, proposição de soluções
compatíveis e sua avaliação.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
DEFINIÇÕES DE EPIDEMIOLOGIA
 Ampliação contínua do campo de atuação.
 Mais antigas – limitadas às doenças transmissíveis.
 Mais recentes – incluem as DT e as DANT, outros problemas de saúde,
estados patológicos e fisiológicos, etc.
 Uma possível definição:
 Ramo das ciências da saúde que estuda, na população, a ocorrência, a
distribuição e os fatores determinantes dos eventos relacionados com a
saúde.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
DEFINIÇÕES DE EPIDEMIOLOGIA
 Epidemiologista – interessado nos padrões de ocorrência de doenças e
agravos nas populações humanas e nos fatores que os influenciam.
 Interesse primário na ocorrência de doenças e agravos em função do tempo,
lugar e pessoas:
 aumento em função dos anos;
 área geográfica com maior frequência que outra;
 características das pessoas com a doença ou agravo distintas daquelas sem
essa condição.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
DEFINIÇÕES DE EPIDEMIOLOGIA
 Exemplos de características pessoais que interessam aos
epidemiologistas:
 demográficas: idade, gênero, raça, grupo étnico, etc.;
 biológicas: níveis de anticorpos, substâncias químicas e enzinas no
sangue; constituintes celulares do sangue; níveis de pressão, etc.;
 fatores sociais e econômicos: status socioeconômico, nível educacional,
ocupação, etc.;
 genéticas: grupos sanguíneos, etc.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
PREMISSA BÁSICA
 Agravos à saúde não ocorrem ao acaso na população.
 Dois corolários:
 Distribuição desigual dos agravos - produto da ação de fatores que se
distribuem desigualmente na população - sua elucidação é uma das
preocupações do epidemiologista.
 Conhecimento dos fatores determinantes - aplicação de medidas
direcionadas a alvos específicos - aumento da eficácia das intervenções.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO NA
EPIDEMIOLOGIA
 Diferentes classificações:
 Estudos descritivos ou analíticos
 Estudos experimentais ou não experimentais (observacionais)
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
ESTUDOS DESCRITIVOS E ANALÍTICOS
 Descritivos:
 Informam sobre a frequência de um evento – dados de morbi-mortalidade
– mostrar ou identificar variações desses dados na população, em
diferentes épocas e regiões (pessoa, tempo e lugar) – descrição dos
fatores de risco e das características da população.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
ESTUDOS DESCRITIVOS E ANALÍTICOS
 Analíticos:
 Investigação da associação entre uma exposição e um desfecho (ou efeito)
- estabelecimento de relação de causal entre eles.
 Exemplo: hábito de fumar (exposição) e câncer de pulmão (desfecho ou
efeito).
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
ESTUDOS EXPERIMENTAIS E
OBSERVACIONAIS
 Experimentais ou de intervenção:
 Investigador produz uma situação artificial para investigar seu tema –
eficácia de vacina, medicamentos, cirurgias, procedimentos de
enfermagem, etc.
 Limites éticos para a criação da situação artificial de investigação.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Estudos não experimentais ou
observacionais
 Realização de pesquisa em situações que ocorrem “naturalmente” –
observação de pessoas ou grupos e comparação de suas características,
sem intervenção.
 Outras classificações:
 longitudinais ou transversais;
 prospectivos ou retrospectivos.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
APLICAÇÕES DA EPIDEMIOLOGIA
1. Informação sobre a situação de saúde da população:
 determinação das frequências;
 estudo da distribuição dos eventos e diagnóstico dos principais problemas
de saúde;
 identificação dos segmentos da população afetados por esses problemas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
APLICAÇÕES DA EPIDEMIOLOGIA
2. Investigação dos fatores que influenciam a situação de saúde - estudo
dos determinantes do aparecimento e da manutenção dos danos à
saúde na população.
3. Avaliação do impacto das ações propostas - determinação da
utilidade e da segurança das ações, dos programas e dos serviços de
saúde.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
APLICAÇÕES DA EPIDEMIOLOGIA
 As três aplicações – subsídios que auxiliam nas decisões nos níveis:
 coletivo: implementação de novas intervenções ou reorientação ou
manutenção das intervenções existentes;
 individual: fundamentação do diagnóstico clínico, solicitação de exames,
prescrição de vacinas, drogas e regimes alimentares, etc.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
ESPECIFICIDADE DA EPIDEMIOLOGIA
 Contribuições próprias de epidemiologia – fornecimento dos
conceitos, do raciocínio e das técnicas para estudos populacionais no
campo da saúde.
 Epidemiologia – confere a dimensão do coletivo ao estudo da saúde e
da doença – complementação do conhecimento produzido por meio
das investigações de laboratório ou clínicas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
ESPECIFICIDADE DA EPIDEMIOLOGIA
 Alguns problemas de saúde só podem ser pesquisados no nível
coletivo.
 Exemplo: Fatores de risco para coronariopatias
 altos níveis de colesterol sérico ou baixos níveis de HDL associados a
maiores riscos de infarto do miocárdio;
 somente a epidemiologia pode investigar a existência dessas relações e
quantificar o riscos a que estão sujeitas as pessoas;
 identificação das condutas preventivas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
TRÊS ASPECTOS DA PRÁTICA
EPIDEMIOLÓGICA
 Resultados epidemiológicos têm maior credibilidade quando:
 é dada a devida atenção a forma correta de selecionar os indivíduos para
o estudo;
 é feita uma apropriada aferição dos eventos e a adequada expressão dos
resultados;
 as variáveis confundidoras são controladas.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
Bibliografia
 Lilienfeld DE. Stolley PD. Foundations of Epidemiology. 3ª ed. New York,
Oxford University Press, 1994.
 Pereira MG. Epidemiologia. Teoria e prática. Rio de Janeiro, Guanabara-
Koogan, 1995.
 BONITA R, BEAGLEHOLE R, KJELLSTRÖM T. Epidemiologia Básica. 2ª ed.
São Paulo, Editora Santos, 2010. (Disponível em PDF).
 GORDIS L. Epidemiologia. 5ª ed. Thieme - Revinter, 2017.
 ROUQUAYROL MZ, GURGEL M. Epidemiologia e Saúde. 8ª ed. MedBook
Editora, 2017.
Aula 01 - Introdução è Epidemiologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
Monica Mamedes
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasilAula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Guilherme Araújo
 
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
nagelasouza1
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
MirnaKathary1
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Luciana Correia
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 

Mais procurados (20)

Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasilAula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
 
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 

Semelhante a Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx

Naomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usosNaomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usos
naomaralmeida
 
1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude
Pelo Siro
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
Slide da apresentação
Slide da apresentaçãoSlide da apresentação
Slide da apresentação
FernandaTavares93
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
FernandaTavares93
 
Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
origens da saúde coletiva
origens da saúde coletivaorigens da saúde coletiva
origens da saúde coletiva
Claudia Pinheiro
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
Socorro Carneiro
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
JudicleniaSantana
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Wellyson Rocha
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDeSaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
jhony
 

Semelhante a Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx (20)

Naomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usosNaomar epidemiologia história e usos
Naomar epidemiologia história e usos
 
1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude1193414125 trabalho de_saude
1193414125 trabalho de_saude
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
Slide da apresentação
Slide da apresentaçãoSlide da apresentação
Slide da apresentação
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
origens da saúde coletiva
origens da saúde coletivaorigens da saúde coletiva
origens da saúde coletiva
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDeSaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
 

Mais de NivaldoJnior16

Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptxAula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
NivaldoJnior16
 
Replicação de DNA.pptx
Replicação de DNA.pptxReplicação de DNA.pptx
Replicação de DNA.pptx
NivaldoJnior16
 
Genoma Humano.pptx
Genoma Humano.pptxGenoma Humano.pptx
Genoma Humano.pptx
NivaldoJnior16
 
Aula 03 Genética Molecular I.pptx
Aula 03 Genética Molecular I.pptxAula 03 Genética Molecular I.pptx
Aula 03 Genética Molecular I.pptx
NivaldoJnior16
 
Aula 02 Histórico da Genética 2023.pptx
Aula 02 Histórico da Genética 2023.pptxAula 02 Histórico da Genética 2023.pptx
Aula 02 Histórico da Genética 2023.pptx
NivaldoJnior16
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptxAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
NivaldoJnior16
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdfAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
NivaldoJnior16
 
Antropologia e Sociologia na Enfermagem.pptx
Antropologia e Sociologia na Enfermagem.pptxAntropologia e Sociologia na Enfermagem.pptx
Antropologia e Sociologia na Enfermagem.pptx
NivaldoJnior16
 

Mais de NivaldoJnior16 (8)

Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptxAula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
Aula 01.1 - 9º Claretiano - Módulo 01 - Setor A.pptx
 
Replicação de DNA.pptx
Replicação de DNA.pptxReplicação de DNA.pptx
Replicação de DNA.pptx
 
Genoma Humano.pptx
Genoma Humano.pptxGenoma Humano.pptx
Genoma Humano.pptx
 
Aula 03 Genética Molecular I.pptx
Aula 03 Genética Molecular I.pptxAula 03 Genética Molecular I.pptx
Aula 03 Genética Molecular I.pptx
 
Aula 02 Histórico da Genética 2023.pptx
Aula 02 Histórico da Genética 2023.pptxAula 02 Histórico da Genética 2023.pptx
Aula 02 Histórico da Genética 2023.pptx
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptxAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdfAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
 
Antropologia e Sociologia na Enfermagem.pptx
Antropologia e Sociologia na Enfermagem.pptxAntropologia e Sociologia na Enfermagem.pptx
Antropologia e Sociologia na Enfermagem.pptx
 

Último

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 

Último (8)

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 

Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx

  • 2. Fundamentos da Epidemiologia  Conteúdo programático desta aula:  Conceitos básicos em Epidemiologia e a relação com a Saúde Coletiva;  Formação histórica da Epidemiologia;  Objetivos, Aplicações e Interfaces disciplinares da Epidemiologia;  Raciocínio Epidemiológico. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 3. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia Conceitos básicos em Epidemiologia e a relação com a Saúde Coletiva
  • 4. Etimologia da palavra epidemiologia  Formada pela junção do prefixo epí– (em cima de, sobre) com o radical –demos– (significando povo). O sufixo – logos, também vem do grego que corresponde a estudo, doutrina.  Então, etimologicamente a palavra epidemiologia significa: “Ciência do que ocorre sobre o povo” Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 5. Definição de Epidemiologia  Existem várias definições para o termo epidemiologia.  O conceito original se restringia ao estudo de doenças transmissíveis, entretanto, houve uma evolução no conceito que passou a abranger todos os eventos relacionados ao processo saúde/doença da população. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 6. Definição de Epidemiologia  Segundo Rouquayrol (1999) epidemiologia é a ciência que estuda o processo saúde/doença em coletividades humanas, propondo medidas específicas de prevenção, controle ou erradicação de doenças.  Enquanto a abordagem clínica se dedica ao estudo da doença no indivíduo, a epidemiologia estuda os problemas de saúde em coletividades humanas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 7. A epidemiologia se constitui na principal ciência da informação em saúde e é considerada a ciência básica da Saúde Coletiva Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 8. Saúde Coletiva  É a ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e desenvolver a saúde física, mental e a eficiência, através de esforços organizados da sociedade, para:  O saneamento do meio ambiente;  O controle das infecções entre as pessoas;  A organização de serviços médicos e paramédicos para prevenção, diagnóstico precoce e o tratamento da doença; Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 9. Saúde Coletiva  O aperfeiçoamento da máquina social que assegurará a cada indivíduo, dentro da sociedade, um padrão de vida adequado à manutenção da saúde. (Winslow citado por Rouquayrol, 1999) Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 10. O indivíduo com peça da máquina social Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 11. Saúde Coletiva  De acordo com Rita Barradas, em seu artigo Epidemiologia Social, os epidemiologistas, atores da saúde coletiva, vem desenvolvendo novas estratégias de investigação e novas ferramentas de análise que possam, cada vez mais, fornecer elementos corretos para orientar as intervenções sociais no campo da saúde e a formulação de políticas públicas baseadas no reconhecimento dos direitos de cidadania, na garantia da liberdade democrática e na busca da felicidade humana. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v8n1/02.pdf
  • 12. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia Formação histórica da Epidemiologia
  • 13. Antiguidade: a contribuição de Hipócrates (c. 460 a 377 a.C.) No tratado de “Ares, águas e Lugares” Hipócrates discutiu os fatores ambientais ligados às doenças, defendendo um conceito ecológico de saúde/doença. Daí, surgia a Teoria Miasmática. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 14. O Renascimento  Movimento de resgate dos elementos filosóficos, estéticos e ideológicos mais avançados da cultura greco-latina.  O pensamento renascentista propiciou as bases para a compreensão racional da realidade que resultou na constituição das ciências modernas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia A partir dessa nova visão de mundo, “explodiu”, entre os séculos XVI e XVIII a necessidade da produção de conhecimento em todos os saberes.
  • 15. Formação histórica fundamentada em 3 eixos (tríade)  Clínica: saberes sobre saúde/doença – século XVII  Fisiologia, Patologia, Bacteriologia etc.;  Estatística: diretrizes metodológicas quantitativas – século XVII;  Medicina social: práticas de transformação da sociedade – século XVIII. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 16.  Hegemonia da medicina “científica” (“biologização”) apesar do desenvolvimento da medicina social no final do século XIX:  Fisiologia;  Patologia;  Bacteriologia. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 17.  Rudolf Wirchow (1821 – 1902), médico alemão, é um importante personagem da medicina social.  Extremamente versátil, desenvolveu intensa e criativa atividade em várias áreas:  Patologia;  Antropologia;  Política (ativista da saúde pública). Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 18.  Entretanto, com o avanço da fisiologia, da patologia e da bacteriologia no século XIX, devido principalmente a Bernard, Virchow e Pasteur, houve um fortalecimento da medicina científica.  As enfermidades de maior prevalência eram as de natureza infecto- contagiosa, o que favoreceu a abordagem individual e curativa superando o enfoque coletivo e os determinantes sociais da saúde. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 19. Medicina social – práticas de transformação da sociedade  A Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra em meados do século XVIII e expandida para o mundo a partir do século XIX, produziu um grande impacto nas condições de vida e saúde das populações.  Com a organização e aumento da participação política das classes trabalhadoras, evidenciados principalmente na França, Alemanha e Inglaterra, temas relativos à saúde foram incorporados na pauta das reinvindicações dos movimentos sociais. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 20. Medicina social – práticas de transformação da sociedade  Era o início do movimento pela medicina social:  a medicina deveria ser um instrumento de transformação social.  Postulava-se que a participação política é a principal estratégia de transformação da realidade de saúde e que as revoluções populares deveriam resultar nos principais determinantes da saúde social:  democracia, justiça, igualdade, liberdade e fraternidade. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 21. Medicina social – práticas de transformação da sociedade  As práticas de transformação da sociedade, inicialmente propostas pela Medicina Social no século XVIII, estão relacionadas à necessidade de aprofundamento e sistematização das reflexões sobre as questões de saúde.  Se pararmos para analisar as aproximações e distanciamentos entre as âmbitos da ciência e da política chegaremos a conclusão de que os pesquisadores em Saúde Coletiva podem ser considerados, também, agentes políticos. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 22. Medicina social – práticas de transformação da sociedade  Os estudos nessa área se relacionam tanto direta quanto indiretamente com campos de atuação e formulação de políticas e requerem dos agentes da área da saúde elevado comprometimento ético, reflexão, produção, ação política e transformação da sociedade.  Essas práticas nortearão a forma de avaliar o processo saúde/doença na sociedade. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 23. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia Epidemia de cólera em Londres (1854): destaque aos estudos do médico inglês John Snow (1813 – 1858), considerado o Pai da “epidemiologia de campo” devido às coletas planejadas de dados Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 24. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 25. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 26. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  Nos anos 50:  Desenvolvimento/aperfeiçoamento dos desenhos epidemiológicos;  Substituição da Teoria Monocasual por uma tendência ecológica (multicasualidade);  Definição clara dos indicadores de saúde:  Prevalência, e  Incidência. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 27. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  Formalização do conceito probabilístico de risco;  Introdução à Bioestatística. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 28. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  1960 e 1970:  Entre os anos 60 e 70, houve uma verdadeira revolução na Epidemiologia com a introdução da computação eletrônica. Pode-se dizer que houve uma forte “matematização” da área;  Na década de 60 várias questões sociais, como os direitos humanos, mobilizaram o mundo inteiro e o impacto dessa mobilização repercutiu, é claro, na saúde e na educação; Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 29. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  1960 e 1970:  John Cassel (1915 – 1978) contribuiu significativamente na sistematização do conhecimento epidemiológico com a teoria compreensiva da doença, fruto da integração dos Fundamentos Socioantropológicos na Saúde. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 30. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  1970 e 1980:  Nos anos 70 e 80 temos agora 3 tendências principais:  Aprofundamento das bases matemáticas;  Proposta de uma Epidemiologia Clínica (tendência a “biologização”);  Reafirmação do processo saúde-enfermidade-cuidado, considerando os aspectos econômicos e políticos de seus determinantes, em oposição à “biologização”. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 31. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  1970 e 1980:  Na Europa e na América Latina surgiram abordagens mais críticas da Epidemiologia em resposta a essa tendência de “biologização” da Saúde Pública, reafirmando a influência das determinantes sociais da saúde (DSS) no processo saúde-doença. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 32. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia  1970 e 1980:  Novos desafios surgiram:  Doenças antigas reapareceram, e  Novas enfermidades despontaram (doenças emergentes)  Destaca-se, nesse contexto, a pandemia da SIDA ou AIDS – Sindrome da Imunodeficiência Adquirida. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 33. Alguns marcos históricos no desenvolvimento da Epidemiologia O filme mais famoso sobre a AIDS, que retrata muito bem sua gravidade e seu caráter estigmatizante, talvez seja “Philadelphia” (1993), com os atores Tom Hanks e Denzel Washigton. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 34. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia Objetivos, Aplicações e Interfaces disciplinares da Epidemiologia
  • 35. Principais objetivos da Epidemiologia  Descrever a distribuição e a magnitude dos problemas de saúde nas populações humanas;  Proporcionar dados para planejar, executar e avaliar ações de prevenção, controle e tratamento das doenças;  Identificar fatores etiológicos na gênese das enfermidades. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 36. Principais objetivos da Epidemiologia  Algumas aplicações:  Diversas fases do ciclo da vida;  Diversos tipos de problemas de saúde;  Epidemiologia da AIDS;  Epidemiologia das doenças infecciosas;  Epidemiologia das doenças cardiovasculares;  Epidemiologia do câncer; Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 37. Principais objetivos da Epidemiologia  Algumas aplicações:  Diversas fases do ciclo da vida;  Diversos tipos de problemas de saúde;  Epidemiologia nutricional;  Epidemiologia das violências;  Epidemiologia do uso de substâncias psicoativas;  Epidemiologia em saúde mental; Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 38. Principais objetivos da Epidemiologia  Algumas aplicações:  Diversas fases do ciclo da vida;  Diversos tipos de problemas de saúde;  Epidemiologia bucal;  Epidemiologia da saúde do trabalhador;  Epidemiologia aplicada ao SUS;  Epidemiologia entre várias outras aplicações; Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 39. Interfaces da Epidemiologia  Ciências Biológicas (clínica, patologia, microbiologia, parasitologia, imunologia): Epidemiologia clínica e a aplicação do método epidemiológico na clínica;  Ciências Sociais: A epidemiologia social representa o renascer da determinação social da doença;  Estatística: coleta de dados. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 40. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia Desenvolvendo um raciocínio Epidemiológico
  • 41. Raciocínio epidemiológico: pessoa, espaço e tempo  As doenças humanas não são encaradas como eventos que ocorrem ao acaso, mas estão relacionadas a uma rede de outros eventos que devem ser identificados e estudados.  Vale a pena refletir que para o clínico o que mais interessa é o diagnóstico de uma determinada doença em um determinado indivíduo. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 42. Raciocínio epidemiológico: pessoa, espaço e tempo  Enquanto, para o epidemiologista, o que interessa realmente é como se dá a ocorrência de uma determinada doença inserida em uma estrutura social.  Os questionamentos epidemiológicos “como”, “por que”, “quando” e “em quem” são fundamentais para entender melhor os problemas de saúde. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 43. A Epidemiologia explora a ecologia da doença humana! DOENÇA Fatores Ambientais Fatores Socioeconômicos Diversos outros fatores Fatores Biológicos Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 44.  A EPIDEMIOLOGIA estuda os Determinantes Sociais da Saúde (DSS) e as condições de ocorrência, bem como as possíveis formas de intervenção e controle das doenças e agravos à saúde em populações humanas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 45.  A EPIDEMIOLOGIA vai muito além do estudo do “risco biológico”.  Na verdade, ela transcende a “biologização”, visto que investiga problemas de cunho social, por isso é definida pelo seu caráter social, considerando os aspectos socioeconômicos e políticos de seus determinantes, ou seja, a determinação social da saúde. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 46.  O principal foco de interesse dos estudos epidemiológicos está relacionado às principais causas de morte das sociedades modernas: mortes violentas e DCNT (Doenças Crônicas Não Transmissíveis)  Afirmação de compromisso histórico de epidemiologia com a melhoria da saúde das populações e com a redução das desigualdades sociais. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 47. Reflexão: o que a figura sugere? Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 48. Transição Epidemiológica na população brasileira  A partir da primeira década do século XXI houve uma transição epidemiológica na população brasileira, ou seja, uma mudança no perfil epidemiológico.  As epidemias e os ciclos de transmissão das doenças infecciosas, tão estudados no século XVIII, deram lugar ao estudo de complexas redes de multicasualidade. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 49. Transição Epidemiológica na população brasileira  Vale a pena destacar que as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) ou não-infecciosas, como a obesidade e a síndrome metabólica, doenças cardiovasculares, diabetes, doenças cerebrovasculares e câncer assumiram proporções alarmantes. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 50. “A descoberta consiste em ver o que todo mundo viu e pensar o que ninguém pensou”. Albert Szent-Gyorgyi (1893 – 1986) “Se uma nova ideia expande a mente de uma pessoa, ela jamais volta às suas dimensões originais”. Oliver Wendel Holmes (1809 – 1894) Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 51. Através do estudo da EPIDEMIOLOGIA aprendemos a fazer perguntas e a ter ideias que nos levam a novas perguntas, pois uma ideia não morre, é uma semente que germina novas ideias e perguntas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 53.  Etimologicamente – epi = sobre; demo = população; logos = tratado – estudo do que afeta a população.  Conceito original – estudo das epidemias de doenças transmissíveis.  Recentemente – conceito evoluiu de modo a abranger praticamente todos os eventos relacionados com a saúde das populações.  Status de disciplina – metade do século 20 Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 54. ÁREAS TEMÁTICAS  Passado – alvo: doenças que se apresentavam sob a forma de epidemia – cólera, peste, tifo, varíola, febre amarela – afecções agudas que alarmavam a população e as autoridades.  Detecção de epidemias – necessário estudar a doença em períodos interepidêmicos - vigilância contínua da ocorrência e da distribuição das doenças.  Extensão do interesse para as doenças transmissíveis crônicas (TB) e nutricionais como pelagra e beriberi. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 55.  Queda da mortalidade por doenças transmissíveis e carenciais, envelhecimento e mudança do perfil de morbidade.  Ampliação do campo de aplicação da epidemiologia – doenças e agravos não transmissíveis (DANT).  Necessidade de estudos sobre a relação entre os fatores de risco e a doença.  Quais as principais causas de mortalidade no Brasil hoje? Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 56. Tendências da Mortalidade por Grupos de Causas BRASIL – 1930/2000 Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 57.  O que é esperança de vida?  Como ela tem variado nos diferentes períodos históricos?  Os povos selvagens das Américas antes do descobrimento tinham de esperança de vida maior ou menor do que quem vive em grandes cidades no séculos XXI? Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 58. Esperança de vida por períodos Seres humanos por Época Esperança de vida ao nascer Comentário Paleolítico Superior 33 Aos 15 anos: 39 (até idade 54) Neolítico 20 Idade do Bronze 18 1800 – 1200 aC Idade do Ferro 35 1200 aC – 1000 dC Grécia clássica 28 Aos 15 anos: 37 (até idade 52) Roma clássica 28 Pré-colombianas da América do Norte 25-30 Califado Islâmico Medieval 35 + Grã-Bretanha Medieval 30 Aos 21 anos: 38 (até idade 59) (aristocratas britânicos) Grã-Bretanha moderna 30-45 Média mundial atual 67,2 2010 est Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 59. OBJETO DA EPIDEMIOLOGIA  Qualquer dano, agravo ou evento relacionado à saúde estudado em termos populacionais (por exemplo: hábito de fumar, peso ao nascer, violência urbana, consumo de drogas, etc.). Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 60. SERVIÇOS DE SAÚDE E EPIDEMIOLOGIA  Assistência aos doentes e práticas preventivas – fatores que interferem na distribuição e ocorrência das doenças.  Quadro referência da epidemiologia – utilizado para abordar questões relativas aos SS.  Objetivos: conhecimento da situação dos SS, identificação de problemas, investigação de causas, proposição de soluções compatíveis e sua avaliação. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 61. DEFINIÇÕES DE EPIDEMIOLOGIA  Ampliação contínua do campo de atuação.  Mais antigas – limitadas às doenças transmissíveis.  Mais recentes – incluem as DT e as DANT, outros problemas de saúde, estados patológicos e fisiológicos, etc.  Uma possível definição:  Ramo das ciências da saúde que estuda, na população, a ocorrência, a distribuição e os fatores determinantes dos eventos relacionados com a saúde. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 62. DEFINIÇÕES DE EPIDEMIOLOGIA  Epidemiologista – interessado nos padrões de ocorrência de doenças e agravos nas populações humanas e nos fatores que os influenciam.  Interesse primário na ocorrência de doenças e agravos em função do tempo, lugar e pessoas:  aumento em função dos anos;  área geográfica com maior frequência que outra;  características das pessoas com a doença ou agravo distintas daquelas sem essa condição. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 63. DEFINIÇÕES DE EPIDEMIOLOGIA  Exemplos de características pessoais que interessam aos epidemiologistas:  demográficas: idade, gênero, raça, grupo étnico, etc.;  biológicas: níveis de anticorpos, substâncias químicas e enzinas no sangue; constituintes celulares do sangue; níveis de pressão, etc.;  fatores sociais e econômicos: status socioeconômico, nível educacional, ocupação, etc.;  genéticas: grupos sanguíneos, etc. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 64. PREMISSA BÁSICA  Agravos à saúde não ocorrem ao acaso na população.  Dois corolários:  Distribuição desigual dos agravos - produto da ação de fatores que se distribuem desigualmente na população - sua elucidação é uma das preocupações do epidemiologista.  Conhecimento dos fatores determinantes - aplicação de medidas direcionadas a alvos específicos - aumento da eficácia das intervenções. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 65. MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO NA EPIDEMIOLOGIA  Diferentes classificações:  Estudos descritivos ou analíticos  Estudos experimentais ou não experimentais (observacionais) Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 66. ESTUDOS DESCRITIVOS E ANALÍTICOS  Descritivos:  Informam sobre a frequência de um evento – dados de morbi-mortalidade – mostrar ou identificar variações desses dados na população, em diferentes épocas e regiões (pessoa, tempo e lugar) – descrição dos fatores de risco e das características da população. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 67. ESTUDOS DESCRITIVOS E ANALÍTICOS  Analíticos:  Investigação da associação entre uma exposição e um desfecho (ou efeito) - estabelecimento de relação de causal entre eles.  Exemplo: hábito de fumar (exposição) e câncer de pulmão (desfecho ou efeito). Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 68. ESTUDOS EXPERIMENTAIS E OBSERVACIONAIS  Experimentais ou de intervenção:  Investigador produz uma situação artificial para investigar seu tema – eficácia de vacina, medicamentos, cirurgias, procedimentos de enfermagem, etc.  Limites éticos para a criação da situação artificial de investigação. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 69. Estudos não experimentais ou observacionais  Realização de pesquisa em situações que ocorrem “naturalmente” – observação de pessoas ou grupos e comparação de suas características, sem intervenção.  Outras classificações:  longitudinais ou transversais;  prospectivos ou retrospectivos. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 70. APLICAÇÕES DA EPIDEMIOLOGIA 1. Informação sobre a situação de saúde da população:  determinação das frequências;  estudo da distribuição dos eventos e diagnóstico dos principais problemas de saúde;  identificação dos segmentos da população afetados por esses problemas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 71. APLICAÇÕES DA EPIDEMIOLOGIA 2. Investigação dos fatores que influenciam a situação de saúde - estudo dos determinantes do aparecimento e da manutenção dos danos à saúde na população. 3. Avaliação do impacto das ações propostas - determinação da utilidade e da segurança das ações, dos programas e dos serviços de saúde. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 72. APLICAÇÕES DA EPIDEMIOLOGIA  As três aplicações – subsídios que auxiliam nas decisões nos níveis:  coletivo: implementação de novas intervenções ou reorientação ou manutenção das intervenções existentes;  individual: fundamentação do diagnóstico clínico, solicitação de exames, prescrição de vacinas, drogas e regimes alimentares, etc. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 73. ESPECIFICIDADE DA EPIDEMIOLOGIA  Contribuições próprias de epidemiologia – fornecimento dos conceitos, do raciocínio e das técnicas para estudos populacionais no campo da saúde.  Epidemiologia – confere a dimensão do coletivo ao estudo da saúde e da doença – complementação do conhecimento produzido por meio das investigações de laboratório ou clínicas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 74. ESPECIFICIDADE DA EPIDEMIOLOGIA  Alguns problemas de saúde só podem ser pesquisados no nível coletivo.  Exemplo: Fatores de risco para coronariopatias  altos níveis de colesterol sérico ou baixos níveis de HDL associados a maiores riscos de infarto do miocárdio;  somente a epidemiologia pode investigar a existência dessas relações e quantificar o riscos a que estão sujeitas as pessoas;  identificação das condutas preventivas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 75. TRÊS ASPECTOS DA PRÁTICA EPIDEMIOLÓGICA  Resultados epidemiológicos têm maior credibilidade quando:  é dada a devida atenção a forma correta de selecionar os indivíduos para o estudo;  é feita uma apropriada aferição dos eventos e a adequada expressão dos resultados;  as variáveis confundidoras são controladas. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia
  • 76. Bibliografia  Lilienfeld DE. Stolley PD. Foundations of Epidemiology. 3ª ed. New York, Oxford University Press, 1994.  Pereira MG. Epidemiologia. Teoria e prática. Rio de Janeiro, Guanabara- Koogan, 1995.  BONITA R, BEAGLEHOLE R, KJELLSTRÖM T. Epidemiologia Básica. 2ª ed. São Paulo, Editora Santos, 2010. (Disponível em PDF).  GORDIS L. Epidemiologia. 5ª ed. Thieme - Revinter, 2017.  ROUQUAYROL MZ, GURGEL M. Epidemiologia e Saúde. 8ª ed. MedBook Editora, 2017. Aula 01 - Introdução è Epidemiologia

Notas do Editor

  1. Pelagra: doença causada pela falta de niacina (ácido nicotínico ou vitamina B3) – na Europa essa doença propagou-se qdo a farinha de milho começou a substituir a de trigo por volta de 1700. A vitamina B3 não está presente na farinha de milho. A vitamina B3 está presente no fígado, levedo, leito, queijo e cereais. Beriberi: doença causada pela falta tiamina ou vitamina B1 – relacionada com a subsistência com base em arroz altamente polido (perda de toda a tiamina no processo de beneficiamento). A vitamina B1 está presente nas camadas mais externas das sementes e em nozes, legumes, na maioria dos vegetais e em algumas carnes (porco, músculo, fígado, coração e rins)