SlideShare uma empresa Scribd logo
SAÚDE ORGANIZACIONAL
EPIDEMIOLOGIA
Susana Paz
O QUE É A SAÚDE?
 A saúde é um estado de completo bem estar
físico, mental e social e não apenas a
ausência de doenças. (OMS, 1948).
 A saúde é o resultado do equilíbrio dinâmico
entre o individuo e o seu meu ambiente.
( Dubos, 1965).
 A saúde é vida no silêncio dos órgãos.
(Leriche, 1931).
O QUE É A SAÚDE?
 A Assembleia Mundial de Saúde (1977),
definiu que a principal meta dos países
membros da OMS para o ano 2000 era que:
 “ todas as pessoas deveriam alcançar um
nível de saúde que permitisse o desempenho
de uma vida social e economicamente
produtiva”.
O QUE É A EPIDEMIOLOGIA
 Epidemiologia é a ciência básica da saúde
pública. É uma disciplina altamente
quantitativa baseada em princípios de
estatística e metodologia de pesquisa
“Epidemiologia é o estudo da distribuição e dos
determinantes de estados o eventos
relacionados com a saúde em populações
especificas e suas aplicações no controle de
problemas de saúde.”
( Last, 1988)
RESENHA HISTÓRICA
CURIOSIDADES ETIMOLÓGICAS
 Do grego, Epedeméion (aquele que visita);
 Epidemia – textos hipocráticos, 2000 ac:
Epí – (sobre);
Demós - ( povo );
Logos - ( palavra, discurso, estudo);
 Etimologicamente “epidemiologia”
significa:
“Ciência do que ocorre com o
povo”
PRIMEIRAS REFERÊNCIAS
 SÉC.XIX - Bases da Epidemiologia
 Revolução Industrial:
Crescimento das cidades;
Deterioração das condições de vida;
A maioria da população vivia em
ambientes insalubres.
 Os movimentos sociais e
revolucionários procuravam soluções para
a crise, e nesse contexto os estudos sobre as
condições de saúde intensificavam-se .
SÉC.XIX - Bases da
Epidemiologia
 Claude Bernard define as bases da
investigação experimental das Ciências
Biológicas, diminuindo a importância de
disciplinas com predomínio observacional;
 Consolidação do conceito de
unicausalidade;
 Rejeitação das explicações multicausais,
como a determinação social da doença.
SÉC.XIX - Bases da
Epidemiologia
 A “A teoria miasmatíca” (as doenças
provinham de emanações resultantes do
acumular de dejectos), era o paradigma
dominante entre os estudiosos das condições
de saúde no séc. XIX;
 John Snow – realizou estudos sobre a cólera
em Londres (1848/49 a 1953) – propulsor da
ideia da existência de agentes vivos
microscópicos serem a origem da cólera.
SÉC.XIX - Bases da
Epidemiologia
 Fim do séc. XIX: A Epidemiologia era uma
disciplina ainda embrionária;
 Descoberta do micróbio – “ agentes
etiológicos específicos que eram a causa de
doenças especificas”, desviando atenção de
todo o conhecimento epidemiológico até
então acumulado sobre a determinação social
da doença.
SÉC. XX – O
QUESTIONAMENTO DA
UNICAUSALIDADE
 Insuficiência explicativa do modelo unicausal
diante de inúmeras questões surgidas com a
produção de novos conhecimentos científicos;
 Desenvolvimento da teoria ecológica das
doenças infecciosas - a interacção entre
agente e hospedeiro ocorre num ambiente
composto de elementos de diversas ordens
(físicos, biológicos e sociais);
SÉC. XX – O QUESTIONAMENTO DA
UNICAUSALIDADE
 A unicausalidade é suplantada pelas redes
multicausais;
 Ocorreu a identificação de vectores de uma
série de doenças parasitárias como:
Febre Amarela ;
Doença de Chagas;
Esquistossomose.
SÉC.XX PERÍODO ENTRE
GERRAS: A MATURIDADE
ACADÉMICA
 Factos relevantes para a maturidade
metodológica da epidemiologia:
Criação da 1ª cadeira de Epidemiologia na Escola
de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins;
Criação de departamentos de medicina social em
várias universidades inglesas dirigidos por
epidemiologistas;
Reafirmação da estratégia observacional na
explicação de inúmeros fenómenos científicos
SÉC.XX PERÍODO ENTRE
GUERRAS: A MATURIDADE
ACADÉMICA
São concebidas as bases dos estudos de
coorte;
Contribuições advindas da evolução da
estatística Avanços na metodologia de
quantificação;
Desenvolvimentos dos testes de inferência,
criando novas possibilidades para a
avaliação de hipóteses sobre dados
empíricos.
SÉC.XX
ANOS 40 a 60 – Afirmação do
método e técnicas
 Após a 2ª Guerra Mundial consolidam-se os métodos,
e os principais delineamentos de estudo são
definitivamente constituídos
 A realização dos 1ª estudos de coorte, apontando-o
como método de escolha para o estudo de doenças
crónicas;
 Desenvolvimento dos estudos de caso-controlmais
simples e mais baratos);
 As conquistas dos direitos de cidadania.
SÉC.XX
ANOS 70 até agora – A 2ª
vitória da Biologia
 Neste período a epidemiologia tem-se
concentrado no desenvolvimento de técnicas
analíticas;
 Nos países desenvolvidos, surge a
epidemiologia clínica procurando a
credibilidade cientifica;
 Nos países subdesenvolvidos renasce o
interesse pela determinação social das
doenças – Epidemiologia Social;
SÉC.XX
ANOS 70 até agora – A 2ª
vitória da Biologia
 A Biologia Molecular faz renascer o
predomínio da biologia sobre o social e o
cultural, implicando criticas aos tradicionais
estudos sobre a influência de factores
ambientais na ocorrência de doenças;
 Defende-se que o entendimento pleno dos
mecanismos biológicos-moleculares permitirá
a compreensão do processo saúde-doença.
SÉC.XX
EPIDEMIOLOGIA MODERNA
 O trabalho desenvolvido durante a década de 50,
sobre a relação entre o hábito de fumar e o cancro do
pulmão, ilustra os avanços da Epidemiologia;
 A demonstração de que vários factores contribuem
para a determinação da doença expandiu o interesse
da Epidemiologia para as doenças crónicas;
 A Epistemologia tem tido maior importância devido à
emergência de viroses tais como a doença dos
legionários e Síndrome de imunodeficiência adquirida
(AIDS)
ÁREAS DE ACTUAÇÃO DA
EPIDEMIOLOGIA
 Estudos de causalidade;
 Definição da história natural das doenças;
 Descrição do estado de saúde das
populações;
 Avaliação de intervenções.
AS VERTENTES DA
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
ESTUDO DISTRIBUIÇÃO DETERMINANTES CONTROLE ESTADOS DE SAÚDE POPULAÇÕES
BASEADO EM PRINC. DE ESTATISTICA E METODOLOGIA DE PESQUISA
ESTUDA A DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS E PADRÕES DE EVENTOS DE SAÚDE DENTRO DE GRUPOS
DE UMA POPULAÇÃO, CHAMADA EPIDEMIOLOGIA ANALITICA
ESTUDAM AS CAUSAS QUE ESTEJAM ASSOCIADAS OU PROBABILIDADES DE
DOENÇA
ORIENTAM DECISÕES DE SAÚDE PÚBLICA E CONTRIBUI PARA O DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE
INTERVENÇÕES PARA O CONTROLO E PREVENÇÃO DE PROBLEMAS DE SAÚDE.
INCLUI VÁRIOS TIPOS DE DOENÇAS; DOENÇAS CRONICAS, PROBLEMAS COMPORTAMENTAIS E
INJÚRIAS(CAUSAS EXTERNAS), ALÉM DE DOENÇAS INFECCIOSAS.
TRATA DE GRUPOS DE PESSOAS EM VEZ DE CASOS (PACIENTES) INDIVIDUAIS .
DISTINÇÃO ENTRE
EPIDEMIOLOGIA AMBIENTAL E
OCUPACIONAL
 EPIDEMIOLOGIA AMBIENTAL:
Fornece dados para o estudo e a
interpretação das relações entre o ambiente e
a saúde nas populações.
 EPIDEMIOLOGIA OCUPACIONAL:
Estuda os factores ambientais no local de
trabalho
EPIDEMOLOGIA E
PREVENÇÃO
 A Epidemiologia, ao identificar as causas de doenças
que são passíveis de modificação, pode desempenhar
um papel central na prevenção;
 Exemplos são os estudos relacionados com a doença
coronariana, doenças ocupacionais, sequelas de
acidentes de transito entre outras;
 As mudanças no decorrer do tempo são influenciadas
por mudanças na estrutura etária da população. Esta
constante mudança nos padrões de morbi-
mortalidade indicam que as principais causas de
doenças são preveniveis.
NÍVEIS DE PREVENÇÃO
 Primária :
 Promoção à saúde:
Impedir o surgimento e estabelecimento
de padrões de vida, sociais, económicos e
culturais que sabidamente contribuem para o
elevado risco de doença.
É feita através de medidas gerais: moradia
adequada; educação; áreas de lazer; alimentação
adequada entre outros.
NÍVEIS DE PREVENÇÃO
Protecção especifica:
É limitar a incidência da doença através
do controlo das suas causas e de factores de
risco.
Imunização, saúde ocupacional, higiene,
protecção contra acidentes, aconselhamento
genético e controle de vectores.
NÍVEIS DE PREVENÇÃO
 Prevenção Secundária:
Curar o paciente e reduzir as consequências
mais sérias, através do diagnóstico precoce e
tratamento/limitação da incapacidade.
Este nível de prevenção é dirigido para o
período entre o início da doença e o momento
em que normalmente seria feito o
diagnostico, tendo como objectivo a
prevalência da doença.
NÍVEIS DE PREVENÇÃO
 Tratamento precoce:
Inquéritos para descoberta de casos na
comunidade; exames periódicos indivíduos,
para detenção precoce dos casos; isolamento
para evitar propagação da doença;
 Limitação da invalidez: evitar futuras
complicações.
NÍVEIS DE PREVENÇÃO
 Prevenção Terciária :
Conjunto de medidas que tem como finalidade reduzir
as lesões e incapacidades, diminuir o sofrimento
causado pela doença, como também promover a
adaptação a doenças incuráveis.
Fisioterapia, terapia ocupacional, emprego para o
reabilitado, entre outros.
RASTREO
 Rastreo é um processo no qual uma doença
ou defeito, ainda não diagnosticado, é
identificado através de testes que podem ser
aplicados rapidamente e em larga escala.
TIPOS DE RASTREIOS
 Em massa: envolve toda a população;
 Múltiplo ou multifase: envolve o uso de
vários testes na mesma ocasião;
 Em alvo: grupos que sofreram exposições
especificas, é usado em saúde ocupacional ou
ambiental;
 Oportunístico: é restrito aos pacientes que
consultam o medico por outro motivo.
Critérios para Rastreo
-RECURSOS SÃO ADEQUADOS
- TRATAMENTO SEGURO,
EFECTIVO E ACEITAVEL
DIAGNOSTICO E
TRATAMENTO
-SENSIVEL E ESPECÍFICO
- SIMPLES E BARATO
- SEGURO E ACEITAVEL
- CONFIÁVEL
TESTE DIAGNOSTICO
-GRAVE
-ALTA PREVALÊNCIA DO ESTÁGIO
PRÉ-CLINICO
- LONGO PERIODO ENTRE OS
PRIMEIROS SINAIS E O
APARECIMENTO DA DOENÇA.
DOENÇA
TESTES
 Sensibilidade: é a proporção de pessoas com a
doenças que são correctamente identificadas como
doentes pelo teste;
 Especificidade: é a proporção de pessoas sem a
doença que são correctamente identificadas como
não doentes pelo teste.
 Valor preditivo positivo : probabilidade de uma
pessoa ter a doença, quando o seu teste é positivo;
 Valor preditivo negativo: probabilidade de uma
pessoa não ter a doença, quando o seu teste é
negativo.
Tipos de Estudos
Epidemiológicos
TIPOS DE ESTUDOS Unidade de estudo
ESTUDOS OBSERVACIONAIS
ESTUDOS DESCRITIVOS
ESTUDOS ANALÍTICOS
ESTUDOS ECOLOGICOS POPULAÇOES
ESTUDOS TRANSVERSAIS INDIVÍDUOS
CASOS E CONTROLES INDIVÍDUOS
COORTE INDIVÍDUOS
ESTUDOS EXPERIMENTAIS
ENSAIO CLINICO RANDOMIZADO PACIENTES
ESTUDO DE CAMPO INDIVÍDUOS SAUDAVEIS
ESTUDO COMUNITÁRIO COMUNIDADES
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 aula eps
3 aula eps3 aula eps
3 aula eps
drjeffersontst
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
Paula Brustolin Xavier
 
Epidemiologia ris
Epidemiologia risEpidemiologia ris
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Fernando Henrique
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Vitor Asseituno
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
EspeditoNOGUEIRA
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2
profsempre
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
Inapex
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
Wanderson Oliveira
 
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Instituto Consciência GO
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
Cleber Lima
 
Texto 3 determinantes sociais
Texto 3   determinantes sociaisTexto 3   determinantes sociais
Texto 3 determinantes sociais
comunidadedepraticas
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadoresSaúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Mario Gandra
 
Aula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinha
Aula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinhaAula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinha
Aula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinha
Paulo Galindo
 
O processo saúde doença
O processo saúde doençaO processo saúde doença
O processo saúde doença
Amanda Ribeiro
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
roseanecordeiro
 
Epidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde públicaEpidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde pública
Aline Santos
 
Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3
agemais
 

Mais procurados (20)

3 aula eps
3 aula eps3 aula eps
3 aula eps
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Epidemiologia ris
Epidemiologia risEpidemiologia ris
Epidemiologia ris
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2Epidemiologia aula 2
Epidemiologia aula 2
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
 
Texto 3 determinantes sociais
Texto 3   determinantes sociaisTexto 3   determinantes sociais
Texto 3 determinantes sociais
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadoresSaúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
 
Aula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinha
Aula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinhaAula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinha
Aula+3+ medidas+de+saúde+coletiva+atualizaçao+de+dinha
 
O processo saúde doença
O processo saúde doençaO processo saúde doença
O processo saúde doença
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
 
Epidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde públicaEpidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde pública
 
Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3Módulo 2 - Aula 3
Módulo 2 - Aula 3
 

Destaque

[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
Jairon Jackson
 
1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia
1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia
1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia
Flavia Pinheiro
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
danilo oliveira
 
Aula de sbs saúde pública
Aula de sbs   saúde públicaAula de sbs   saúde pública
Aula de sbs saúde pública
avelarbastos
 
Sp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemioSp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemio
Ismael Costa
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
Celene Longo
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
comunidadedepraticas
 
Histórico da Saúde Publica no Brasil
Histórico  da Saúde Publica no BrasilHistórico  da Saúde Publica no Brasil
Histórico da Saúde Publica no Brasil
Adriano Maffessoni
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 

Destaque (14)

[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
 
1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia
1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia
1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
 
Aula de sbs saúde pública
Aula de sbs   saúde públicaAula de sbs   saúde pública
Aula de sbs saúde pública
 
Sp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemioSp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemio
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Histórico da Saúde Publica no Brasil
Histórico  da Saúde Publica no BrasilHistórico  da Saúde Publica no Brasil
Histórico da Saúde Publica no Brasil
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 

Semelhante a 1193414125 trabalho de_saude

Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptxAula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
NivaldoJnior16
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Wellyson Rocha
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
douglas870578
 
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doençaAula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Camila Lopes
 
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doençaAula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Camila Lopes
 
Artigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeArtigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúde
Juanito Florentino
 
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemslides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
MayaraGomes216833
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
JudicleniaSantana
 
Fatores ambientais determinantes do estresse
Fatores ambientais determinantes do estresseFatores ambientais determinantes do estresse
Fatores ambientais determinantes do estresse
Marília Gomes
 
AULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptx
AULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptxAULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptx
AULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptx
ssuser51d27c1
 
Debate sobre o filme e a vida continua
Debate sobre o filme e a vida continuaDebate sobre o filme e a vida continua
Debate sobre o filme e a vida continua
kelensant
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0
KaahHSantos
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
KaahHSantos
 
Saude publica ..
Saude  publica ..Saude  publica ..
Saude publica ..
KaahHSantos
 

Semelhante a 1193414125 trabalho de_saude (20)

Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptxAula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doençaAula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
 
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doençaAula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
Aula 2 determinantes_sociais_processo_saúde-doença
 
Artigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeArtigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúde
 
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemslides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
 
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdfAPOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
APOSTILA EPIDEMIOLOGI.pdf
 
Fatores ambientais determinantes do estresse
Fatores ambientais determinantes do estresseFatores ambientais determinantes do estresse
Fatores ambientais determinantes do estresse
 
AULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptx
AULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptxAULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptx
AULA 01 EPIDEMIOLOGIA.pptx
 
Debate sobre o filme e a vida continua
Debate sobre o filme e a vida continuaDebate sobre o filme e a vida continua
Debate sobre o filme e a vida continua
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Saude publica ..
Saude  publica ..Saude  publica ..
Saude publica ..
 

Mais de Pelo Siro

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
Pelo Siro
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
Pelo Siro
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
Pelo Siro
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
Pelo Siro
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
Pelo Siro
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
Pelo Siro
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
Pelo Siro
 
2146
21462146
2146
Pelo Siro
 
2079
20792079
2079
Pelo Siro
 
2080
20802080
2080
Pelo Siro
 
2064
20642064
2064
Pelo Siro
 
2061
20612061
2061
Pelo Siro
 
2060
20602060
2060
Pelo Siro
 
2032
20322032
2032
Pelo Siro
 
2031
20312031
2031
Pelo Siro
 
2019
20192019
2019
Pelo Siro
 
2018
20182018
2018
Pelo Siro
 
2017
20172017
2017
Pelo Siro
 
2015
20152015
2015
Pelo Siro
 
2014
20142014
2014
Pelo Siro
 

Mais de Pelo Siro (20)

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
 
2146
21462146
2146
 
2079
20792079
2079
 
2080
20802080
2080
 
2064
20642064
2064
 
2061
20612061
2061
 
2060
20602060
2060
 
2032
20322032
2032
 
2031
20312031
2031
 
2019
20192019
2019
 
2018
20182018
2018
 
2017
20172017
2017
 
2015
20152015
2015
 
2014
20142014
2014
 

1193414125 trabalho de_saude

  • 2. O QUE É A SAÚDE?  A saúde é um estado de completo bem estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças. (OMS, 1948).  A saúde é o resultado do equilíbrio dinâmico entre o individuo e o seu meu ambiente. ( Dubos, 1965).  A saúde é vida no silêncio dos órgãos. (Leriche, 1931).
  • 3. O QUE É A SAÚDE?  A Assembleia Mundial de Saúde (1977), definiu que a principal meta dos países membros da OMS para o ano 2000 era que:  “ todas as pessoas deveriam alcançar um nível de saúde que permitisse o desempenho de uma vida social e economicamente produtiva”.
  • 4. O QUE É A EPIDEMIOLOGIA  Epidemiologia é a ciência básica da saúde pública. É uma disciplina altamente quantitativa baseada em princípios de estatística e metodologia de pesquisa “Epidemiologia é o estudo da distribuição e dos determinantes de estados o eventos relacionados com a saúde em populações especificas e suas aplicações no controle de problemas de saúde.” ( Last, 1988)
  • 5. RESENHA HISTÓRICA CURIOSIDADES ETIMOLÓGICAS  Do grego, Epedeméion (aquele que visita);  Epidemia – textos hipocráticos, 2000 ac: Epí – (sobre); Demós - ( povo ); Logos - ( palavra, discurso, estudo);  Etimologicamente “epidemiologia” significa: “Ciência do que ocorre com o povo”
  • 6. PRIMEIRAS REFERÊNCIAS  SÉC.XIX - Bases da Epidemiologia  Revolução Industrial: Crescimento das cidades; Deterioração das condições de vida; A maioria da população vivia em ambientes insalubres.  Os movimentos sociais e revolucionários procuravam soluções para a crise, e nesse contexto os estudos sobre as condições de saúde intensificavam-se .
  • 7. SÉC.XIX - Bases da Epidemiologia  Claude Bernard define as bases da investigação experimental das Ciências Biológicas, diminuindo a importância de disciplinas com predomínio observacional;  Consolidação do conceito de unicausalidade;  Rejeitação das explicações multicausais, como a determinação social da doença.
  • 8. SÉC.XIX - Bases da Epidemiologia  A “A teoria miasmatíca” (as doenças provinham de emanações resultantes do acumular de dejectos), era o paradigma dominante entre os estudiosos das condições de saúde no séc. XIX;  John Snow – realizou estudos sobre a cólera em Londres (1848/49 a 1953) – propulsor da ideia da existência de agentes vivos microscópicos serem a origem da cólera.
  • 9. SÉC.XIX - Bases da Epidemiologia  Fim do séc. XIX: A Epidemiologia era uma disciplina ainda embrionária;  Descoberta do micróbio – “ agentes etiológicos específicos que eram a causa de doenças especificas”, desviando atenção de todo o conhecimento epidemiológico até então acumulado sobre a determinação social da doença.
  • 10. SÉC. XX – O QUESTIONAMENTO DA UNICAUSALIDADE  Insuficiência explicativa do modelo unicausal diante de inúmeras questões surgidas com a produção de novos conhecimentos científicos;  Desenvolvimento da teoria ecológica das doenças infecciosas - a interacção entre agente e hospedeiro ocorre num ambiente composto de elementos de diversas ordens (físicos, biológicos e sociais);
  • 11. SÉC. XX – O QUESTIONAMENTO DA UNICAUSALIDADE  A unicausalidade é suplantada pelas redes multicausais;  Ocorreu a identificação de vectores de uma série de doenças parasitárias como: Febre Amarela ; Doença de Chagas; Esquistossomose.
  • 12. SÉC.XX PERÍODO ENTRE GERRAS: A MATURIDADE ACADÉMICA  Factos relevantes para a maturidade metodológica da epidemiologia: Criação da 1ª cadeira de Epidemiologia na Escola de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins; Criação de departamentos de medicina social em várias universidades inglesas dirigidos por epidemiologistas; Reafirmação da estratégia observacional na explicação de inúmeros fenómenos científicos
  • 13. SÉC.XX PERÍODO ENTRE GUERRAS: A MATURIDADE ACADÉMICA São concebidas as bases dos estudos de coorte; Contribuições advindas da evolução da estatística Avanços na metodologia de quantificação; Desenvolvimentos dos testes de inferência, criando novas possibilidades para a avaliação de hipóteses sobre dados empíricos.
  • 14. SÉC.XX ANOS 40 a 60 – Afirmação do método e técnicas  Após a 2ª Guerra Mundial consolidam-se os métodos, e os principais delineamentos de estudo são definitivamente constituídos  A realização dos 1ª estudos de coorte, apontando-o como método de escolha para o estudo de doenças crónicas;  Desenvolvimento dos estudos de caso-controlmais simples e mais baratos);  As conquistas dos direitos de cidadania.
  • 15. SÉC.XX ANOS 70 até agora – A 2ª vitória da Biologia  Neste período a epidemiologia tem-se concentrado no desenvolvimento de técnicas analíticas;  Nos países desenvolvidos, surge a epidemiologia clínica procurando a credibilidade cientifica;  Nos países subdesenvolvidos renasce o interesse pela determinação social das doenças – Epidemiologia Social;
  • 16. SÉC.XX ANOS 70 até agora – A 2ª vitória da Biologia  A Biologia Molecular faz renascer o predomínio da biologia sobre o social e o cultural, implicando criticas aos tradicionais estudos sobre a influência de factores ambientais na ocorrência de doenças;  Defende-se que o entendimento pleno dos mecanismos biológicos-moleculares permitirá a compreensão do processo saúde-doença.
  • 17. SÉC.XX EPIDEMIOLOGIA MODERNA  O trabalho desenvolvido durante a década de 50, sobre a relação entre o hábito de fumar e o cancro do pulmão, ilustra os avanços da Epidemiologia;  A demonstração de que vários factores contribuem para a determinação da doença expandiu o interesse da Epidemiologia para as doenças crónicas;  A Epistemologia tem tido maior importância devido à emergência de viroses tais como a doença dos legionários e Síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS)
  • 18. ÁREAS DE ACTUAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA  Estudos de causalidade;  Definição da história natural das doenças;  Descrição do estado de saúde das populações;  Avaliação de intervenções.
  • 19. AS VERTENTES DA EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA ESTUDO DISTRIBUIÇÃO DETERMINANTES CONTROLE ESTADOS DE SAÚDE POPULAÇÕES BASEADO EM PRINC. DE ESTATISTICA E METODOLOGIA DE PESQUISA ESTUDA A DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS E PADRÕES DE EVENTOS DE SAÚDE DENTRO DE GRUPOS DE UMA POPULAÇÃO, CHAMADA EPIDEMIOLOGIA ANALITICA ESTUDAM AS CAUSAS QUE ESTEJAM ASSOCIADAS OU PROBABILIDADES DE DOENÇA ORIENTAM DECISÕES DE SAÚDE PÚBLICA E CONTRIBUI PARA O DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA O CONTROLO E PREVENÇÃO DE PROBLEMAS DE SAÚDE. INCLUI VÁRIOS TIPOS DE DOENÇAS; DOENÇAS CRONICAS, PROBLEMAS COMPORTAMENTAIS E INJÚRIAS(CAUSAS EXTERNAS), ALÉM DE DOENÇAS INFECCIOSAS. TRATA DE GRUPOS DE PESSOAS EM VEZ DE CASOS (PACIENTES) INDIVIDUAIS .
  • 20. DISTINÇÃO ENTRE EPIDEMIOLOGIA AMBIENTAL E OCUPACIONAL  EPIDEMIOLOGIA AMBIENTAL: Fornece dados para o estudo e a interpretação das relações entre o ambiente e a saúde nas populações.  EPIDEMIOLOGIA OCUPACIONAL: Estuda os factores ambientais no local de trabalho
  • 21. EPIDEMOLOGIA E PREVENÇÃO  A Epidemiologia, ao identificar as causas de doenças que são passíveis de modificação, pode desempenhar um papel central na prevenção;  Exemplos são os estudos relacionados com a doença coronariana, doenças ocupacionais, sequelas de acidentes de transito entre outras;  As mudanças no decorrer do tempo são influenciadas por mudanças na estrutura etária da população. Esta constante mudança nos padrões de morbi- mortalidade indicam que as principais causas de doenças são preveniveis.
  • 22. NÍVEIS DE PREVENÇÃO  Primária :  Promoção à saúde: Impedir o surgimento e estabelecimento de padrões de vida, sociais, económicos e culturais que sabidamente contribuem para o elevado risco de doença. É feita através de medidas gerais: moradia adequada; educação; áreas de lazer; alimentação adequada entre outros.
  • 23. NÍVEIS DE PREVENÇÃO Protecção especifica: É limitar a incidência da doença através do controlo das suas causas e de factores de risco. Imunização, saúde ocupacional, higiene, protecção contra acidentes, aconselhamento genético e controle de vectores.
  • 24. NÍVEIS DE PREVENÇÃO  Prevenção Secundária: Curar o paciente e reduzir as consequências mais sérias, através do diagnóstico precoce e tratamento/limitação da incapacidade. Este nível de prevenção é dirigido para o período entre o início da doença e o momento em que normalmente seria feito o diagnostico, tendo como objectivo a prevalência da doença.
  • 25. NÍVEIS DE PREVENÇÃO  Tratamento precoce: Inquéritos para descoberta de casos na comunidade; exames periódicos indivíduos, para detenção precoce dos casos; isolamento para evitar propagação da doença;  Limitação da invalidez: evitar futuras complicações.
  • 26. NÍVEIS DE PREVENÇÃO  Prevenção Terciária : Conjunto de medidas que tem como finalidade reduzir as lesões e incapacidades, diminuir o sofrimento causado pela doença, como também promover a adaptação a doenças incuráveis. Fisioterapia, terapia ocupacional, emprego para o reabilitado, entre outros.
  • 27. RASTREO  Rastreo é um processo no qual uma doença ou defeito, ainda não diagnosticado, é identificado através de testes que podem ser aplicados rapidamente e em larga escala.
  • 28. TIPOS DE RASTREIOS  Em massa: envolve toda a população;  Múltiplo ou multifase: envolve o uso de vários testes na mesma ocasião;  Em alvo: grupos que sofreram exposições especificas, é usado em saúde ocupacional ou ambiental;  Oportunístico: é restrito aos pacientes que consultam o medico por outro motivo.
  • 29. Critérios para Rastreo -RECURSOS SÃO ADEQUADOS - TRATAMENTO SEGURO, EFECTIVO E ACEITAVEL DIAGNOSTICO E TRATAMENTO -SENSIVEL E ESPECÍFICO - SIMPLES E BARATO - SEGURO E ACEITAVEL - CONFIÁVEL TESTE DIAGNOSTICO -GRAVE -ALTA PREVALÊNCIA DO ESTÁGIO PRÉ-CLINICO - LONGO PERIODO ENTRE OS PRIMEIROS SINAIS E O APARECIMENTO DA DOENÇA. DOENÇA
  • 30. TESTES  Sensibilidade: é a proporção de pessoas com a doenças que são correctamente identificadas como doentes pelo teste;  Especificidade: é a proporção de pessoas sem a doença que são correctamente identificadas como não doentes pelo teste.  Valor preditivo positivo : probabilidade de uma pessoa ter a doença, quando o seu teste é positivo;  Valor preditivo negativo: probabilidade de uma pessoa não ter a doença, quando o seu teste é negativo.
  • 31. Tipos de Estudos Epidemiológicos TIPOS DE ESTUDOS Unidade de estudo ESTUDOS OBSERVACIONAIS ESTUDOS DESCRITIVOS ESTUDOS ANALÍTICOS ESTUDOS ECOLOGICOS POPULAÇOES ESTUDOS TRANSVERSAIS INDIVÍDUOS CASOS E CONTROLES INDIVÍDUOS COORTE INDIVÍDUOS ESTUDOS EXPERIMENTAIS ENSAIO CLINICO RANDOMIZADO PACIENTES ESTUDO DE CAMPO INDIVÍDUOS SAUDAVEIS ESTUDO COMUNITÁRIO COMUNIDADES
  • 32. FIM