SlideShare uma empresa Scribd logo
Epidemiologia
  Descritiva



ENFª PROFª PATRÍCIA
     OLIVEIRA
CONCEITO
 “De um modo geral a epidemiologia
 descritiva vai se utilizar dos dados
 existentes para examinar como taxas
 (de mortalidade, morbidade) vão se
 comportar de acordo com variáveis
 demográficas (obtidas do censo, por
 exemplo)”Szklo, 2000
 “Estudo da distribuição da freqüência
  das doenças e dos agravos à saúde
  coletiva, em função de variáveis
  ligadas ao tempo, ao espaço –
  ambientais e populacionais – e à
  pessoa, possibilitando o detalhamento
  do perfil epidemiológico, com vistas à
  promoção da saúde” (ROUQUAYROL, 2000)
 “Um elemento essencial de um estudo descritivo
  é uma clara, específica e mensurável definição da
  doença ou agravo em questão”
 O que está ocorrendo?
 Um estudo descritivo responde às 3 questões
  básicas:
 Quem (quem tem a doença?)
 Quando (como muda com o tempo?)
 Onde(onde está ocorrendo o problema?)
 E a uma outra, implícita
 E aí, o que fazer?
Principais Usos
 1. Avaliação das tendências em saúde e
  doença, comparações entre diferentes
  regiões, países... Inclui monitoramento de
  doenças conhecidas bem como a
  identificação de problemas emergentes
 2. Fornecimento das bases para o
  planejamento, organização e avaliação de
  serviços de saúde
 3. Identificação de problemas a serem
  investigados por meio de estudos analíticos
  (geração de hipóteses)
Epidemiologia descritiva - Pessoa
 1) Características gerais
• Idade
• Sexo
2) Características familiares
• Estado civil
• Idade da mãe
• Posição na ordem de nascimentos
• Herança genética - morbidade familiar por
   causas específicas
Epidemiologia descritiva - Pessoa
3) Características étnicas
• Raça/grupo étnico
• Cultura
• Religião
• Local de nascimento
Epidemiologia descritiva - Pessoa
4) Ocorrências acidentais
• Acidentes sofridos
• Exposição à violência
• Ocorrências estressantes
5) Comportamento e estilo de vida
• Atividades ocupacionais
• Uso de medicamentos ou drogas lícitas ou ilícitas
• Características da dieta
• Atividade física e repouso
Epidemiologia descritiva -
              Tempo
 Análise da distribuição dos eventos relacionados
  à saúde no tempo fornece importante
  contribuição para elucidar causas de doenças e
  informações relevantes para o planejamento e
  avaliação em saúde.
 A escala de tempo a ser examinada varia com a
  doença/evento, de décadas a horas.
 Tendências na ocorrência de doenças infecciosas
  em geral são distribuídas em períodos mais
  curtos de tempo; assim como algumas não
  infecciosas como as relacionadas com as
  mudanças de clima
Epidemiologia descritiva –
           Lugar/espaço
 Lugar pode ser definido em termos geopolíticos
  (divisão do território em países, regiões) ou em
  termos das características geográficas.
 Incluem-se no espaço o ambiente físico (clima,
  água, ar), biológico (fauna e flora) bem como o
  socioambiental (tradições culturais, tipo de
  ocupação).
 Apesar de poder ser fracionado em lugares que o
  integram, cujos limites podem mudar, o espaço
  jamais deixará de ser uma totalidade abrangente
Epidemiologia descritiva –
           Lugar/espaço
 Lugar pode ser definido em termos geopolíticos
  (divisão do território em países, regiões) ou em
  termos das características geográficas.
 Incluem-se no espaço o ambiente físico (clima,
  água, ar), biológico (fauna e flora) bem como o
  socioambiental (tradições culturais, tipo de
  ocupação).
 Apesar de poder ser fracionado em lugares que o
  integram, cujos limites podem mudar, o espaço
  jamais deixará de ser uma totalidade abrangente
Epidemiologia descritiva –
          Lugar/espaço
1) Variáveis Geopolíticas
 Subdivisão do espaço em grandes áreas
  segundo critérios geográficos e políticos:
  países, grandes regiões, continentes, etc.
 Permite análises comparativas
Conceitos Epidemiologicos
2) Variáveis geográficas
 Estudo de fatores isolados que na realidade
   compõem os Sistemas Ecológicos
 O Espaço Geográfico: determinada porção
   localizada da superfície terrestre, constituída pelo
   relevo, águas, solo, clima, fauna e flora, ocupada
   e modificada por uma população socialmente
   estruturada, acrescida dos resultados objetivos da
   intervenção humana
 Diferenças entre os padrões de morbidade e
   mortalidade urbana e rural
 Estudos entre migrantes e padrões de morbidade
Epidemias e aglomerado de casos
 Ocorrência de doenças/eventos em
  determinado local e período, em número
  maior que o esperado para tal local ou
  período.
 São detectadas por meio da análise da
  incidência de doenças de acordo com
  tempo, lugar e pessoa.
 O número de casos que caracteriza uma
  epidemia varia com a doença e sua
  ocorrência no passado
Epidemiologia descritiva: o
         exemplo da AIDS
 Tempo: Número acumulado de casos
  notificados (1980-jun 2007): 474.273
 Taxa de Incidência (2005): 19.5/100.000
  habitantes; 2006 * – 17.5
 Número de casos novos por ano
  (2000-2006): 34.627
 Óbitos por AIDS (1980-2006): 192.709
 Taxa de mortalidade (2006): 5.1/100.000
  habitantes
Epidemiologia descritiva: o
         exemplo da AIDS

 Epidemiologia descritiva da AIDS no
  Brasil
 Lugar: Municípios com pelo menos 1
  caso de Aids notificado, Brasil, 2006.

Fonte: BrasilMS. PN DST/AIDS
Epidemiologia descritiva da AIDS
            no Brasil
 Pessoa e Lugar:
 .Taxas médias de incidência segundo sexo e faixas
  etárias: maiores taxas estão nas faixas etárias de adulto
  jovem (20 a 49 anos) em todas as regiões do Brasil. Além
  disso, evidencia-se crescimento na faixa etária dos 50 a
  59 anos, entre 1994 e 2005.
 No Brasil, observa-se diminuição nos coeficientes médios
  de incidência no sexo masculino, de 13 a 39 anos,
  principalmente na região Sudeste.
 No sexo feminino observa-se crescimento em todas . as
  faixas etárias. A razão M:F é de 1,5:1.
Epidemiologia descritiva da AIDS
            no Brasil
 Pessoa:       .
- A população de Homens que Fazem Sexo com Homens
   (HSH) foi a mais severamente afetada no início da
   epidemia. Em 2004, enquanto a incidência de aids na
   população de HSH foi de 226,5 por 100.000 HSH, na
   população geral foi de 19,5 casos de aids por 100.000
   habitantes.
 Lugar: .
- Essa taxa varia de 133 por 100.000 HSH na região
   Nordeste a 475 por 100.000 no Centro-Oeste. Os dados
   mostram, de 1980 a junho de 2007, que dos 85.444
   homens que fazem sexo com homens diagnosticados com
   aids, cerca de 35% estão incluídos na subcategoria de
   exposição bissexual
Epidemiologia descritiva da
        AIDS no Brasil
 Pessoa (idade e sexo)
- Nos casos de aids em maiores de 13 anos,
  sexo masculino, observa-se tendência ao
  crescimento proporcional da subcategoria
  de exposição heterossexual, estabilização
  entre homo/bissexuais.
 No sexo feminino há maior transmissão é
  devida a relações heterossexuais.
Epidemiologia descritiva da
        AIDS no Brasil
Pessoa:
Tabela - Estimativa da prevalência de HIV na
  população de 15-49 anos. Brasil, 1998, 2000 e
  2004.
Ano                Sexo               Total
      Masculino (%)      Feminino (%) (%)
1998 0,82          0,41               0,61
2000 0,84          0,47               0,65
2004 0,80          0,42               0,61
Fonte: PN-DST/Aids. MONITORAIDS, 2005
Epidemiologia descritiva permite uma análise
       da situação da AIDS no Brasil
 Mortalidade por AIDS decresceu 50% entre 1996 e 2005.

 Sobrevida aumentou mais de 10 vezes desde o
  diagnóstico por AIDS.

 Pacientes com AIDS são hospitalizados ~25% vezes
  menos.

 A incidência de TB entre pessoas infectadas pelo HIV
  caiu pela metade
Epidemiologia descritiva do Câncer de mam
   Câncer de mama: crescimento anormal das glândulas
    mamárias caracterizado por invadir os tecidos subjacentes
    e se espalhar para outras localizações.

   Em geral muitos anos se passam entre o o início do
    câncer e o seu diagnóstico. No caso do câncer de mama
    este período pode ser de 20 a 30 anos.


   Características individuais como idade, raça, religião e
    estatus socioeconômico estão associados com risco de
    câncer de mama
Epidemiologia descritiva do Câncer de mam

   Tempo: (Estados Unidos)
  - A incidência, ajustada por idade, cresceu de
    82/100.000 em 1973 para 118/100.000 em
    1998.
   Tempo e pessoa:
  - Desde 1973 a mortalidade caiu em 18,1%
    entre mulheres brancas e aumentou em
    12,5% entre as negras.
Epidemiologia descritiva do Câncer de mam

   Pessoa:
  - Incidência aumenta drasticamente com a idade,
    entre os 40 e os 74 anos, quando começa a cair.
  - Mulheres com idade de menarca precoce e
    menopausa tardia apresentam riscos aumentados ,
    enquanto a remoção de ambos os ovários está
    associada a uma diminuição de risco.
Epidemiologia descritiva do Câncer de mam
   Lugar:
  - Taxas de incidência são mais elevadas na
     América do Norte e Europa, intermediárias na
     América do Sul e mais baixas na Africa e na
     Asia.
  - Incidência de câncer de mama é 4 vezes mais alta
     nos Estados Unidos do que no Japão (embora
     tenham se elevado nos últimos anos)
  - Mulheres migrantes assumem as taxas do novo
     país, em uma velocidade que depende do grau de
     aculturação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
EspeditoNOGUEIRA
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
Instituto Consciência GO
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
jurunet
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
José Luis Müller
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
Ricardo Alexandre
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Vitor Asseituno
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Aula 4   epidemiologia em saude publicaAula 4   epidemiologia em saude publica
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Anderson Armstrong
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
Paula Brustolin Xavier
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
Kênia Paula
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Aula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doençasAula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doenças
Jesiele Spindler
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
Inapex
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
roseanecordeiro
 

Mais procurados (20)

Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Aula 4   epidemiologia em saude publicaAula 4   epidemiologia em saude publica
Aula 4 epidemiologia em saude publica
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Aula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doençasAula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doenças
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
 

Destaque

Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
Fernando Henrique
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
Arquivo-FClinico
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Cleber Lima
 
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informáticaTipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Wanderson Oliveira
 
Estudos Descritivos
Estudos DescritivosEstudos Descritivos
Estudos Descritivos
Arisson Rocha da Rosa
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Fernando Henrique
 
Como usar o scribd
Como usar o scribdComo usar o scribd
Como usar o scribd
Lucas Douglas
 
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia MolecularUtilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Rosane Teresinha Nascimento da Rosa
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
Ricardo Alexandre
 
Portfólio - Seminário Integrado
Portfólio - Seminário IntegradoPortfólio - Seminário Integrado
Portfólio - Seminário Integrado
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira   epidemiologia descritivaFebre maculosa brasileira   epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
UFRRJ
 
Maria lucia
Maria luciaMaria lucia
Maria lucia
32162118
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Apresentação Psicologia Médica
Apresentação Psicologia MédicaApresentação Psicologia Médica
Apresentação Psicologia Médica
cedete
 
Memoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012aMemoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012a
anabelaac
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
Ricardo Alexandre
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
Ingrid Travassos
 
Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
elisreis0601
 
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Wilson Guedes
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
wfkam
 

Destaque (20)

Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
 
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informáticaTipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
 
Estudos Descritivos
Estudos DescritivosEstudos Descritivos
Estudos Descritivos
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
 
Como usar o scribd
Como usar o scribdComo usar o scribd
Como usar o scribd
 
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia MolecularUtilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
 
Portfólio - Seminário Integrado
Portfólio - Seminário IntegradoPortfólio - Seminário Integrado
Portfólio - Seminário Integrado
 
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira   epidemiologia descritivaFebre maculosa brasileira   epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
 
Maria lucia
Maria luciaMaria lucia
Maria lucia
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
 
Apresentação Psicologia Médica
Apresentação Psicologia MédicaApresentação Psicologia Médica
Apresentação Psicologia Médica
 
Memoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012aMemoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012a
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
 
Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
 
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
 

Semelhante a Epidemiologia descritiva

Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
Dalila_Marcao
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
danilo oliveira
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
EvertonMonteiro19
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Associação Viva e Deixe Viver
 
Transição Epidemiológica
Transição EpidemiológicaTransição Epidemiológica
Transição Epidemiológica
Luis Gerk de Azevedo Quadros
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
Eduardo Santana Cordeiro
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
Glaydson Reis
 
Indicadores de-saude(1)
Indicadores de-saude(1)Indicadores de-saude(1)
Indicadores de-saude(1)
Jaqueline Fernandes
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
Socorro Carneiro
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 
Saúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e abortoSaúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e aborto
Alinebrauna Brauna
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressedAula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Francis Silva
 
Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013
Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013
Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013
Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids
 
Medidas
MedidasMedidas
Medidas
Regiany Prata
 
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOSPROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
Nuel Ima
 
Epimiologia
EpimiologiaEpimiologia
Epimiologia
Mayara Oliveira
 
Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02
Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02
Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02
Victor Hugo
 
AULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.ppt
AULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.pptAULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.ppt
AULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.ppt
KarlaMattos2
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Karynne Alves do Nascimento
 

Semelhante a Epidemiologia descritiva (20)

Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
 
Transição Epidemiológica
Transição EpidemiológicaTransição Epidemiológica
Transição Epidemiológica
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 
Indicadores de-saude(1)
Indicadores de-saude(1)Indicadores de-saude(1)
Indicadores de-saude(1)
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Saúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e abortoSaúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e aborto
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressedAula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
 
Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013
Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013
Videoconferência prevenção e mulher negra 19 nov 2013
 
Medidas
MedidasMedidas
Medidas
 
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOSPROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
 
Epimiologia
EpimiologiaEpimiologia
Epimiologia
 
Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02
Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02
Doenassexualmentetransmissveisdsts 101030200843-phpapp02
 
AULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.ppt
AULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.pptAULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.ppt
AULA_3_Epidemiologia_do_Envelhecimento.ppt
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
 

Último

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Epidemiologia descritiva

  • 1. Epidemiologia Descritiva ENFª PROFª PATRÍCIA OLIVEIRA
  • 2. CONCEITO  “De um modo geral a epidemiologia descritiva vai se utilizar dos dados existentes para examinar como taxas (de mortalidade, morbidade) vão se comportar de acordo com variáveis demográficas (obtidas do censo, por exemplo)”Szklo, 2000
  • 3.  “Estudo da distribuição da freqüência das doenças e dos agravos à saúde coletiva, em função de variáveis ligadas ao tempo, ao espaço – ambientais e populacionais – e à pessoa, possibilitando o detalhamento do perfil epidemiológico, com vistas à promoção da saúde” (ROUQUAYROL, 2000)
  • 4.  “Um elemento essencial de um estudo descritivo é uma clara, específica e mensurável definição da doença ou agravo em questão”  O que está ocorrendo?  Um estudo descritivo responde às 3 questões básicas:  Quem (quem tem a doença?)  Quando (como muda com o tempo?)  Onde(onde está ocorrendo o problema?)  E a uma outra, implícita  E aí, o que fazer?
  • 5. Principais Usos  1. Avaliação das tendências em saúde e doença, comparações entre diferentes regiões, países... Inclui monitoramento de doenças conhecidas bem como a identificação de problemas emergentes  2. Fornecimento das bases para o planejamento, organização e avaliação de serviços de saúde  3. Identificação de problemas a serem investigados por meio de estudos analíticos (geração de hipóteses)
  • 6. Epidemiologia descritiva - Pessoa  1) Características gerais • Idade • Sexo 2) Características familiares • Estado civil • Idade da mãe • Posição na ordem de nascimentos • Herança genética - morbidade familiar por causas específicas
  • 7. Epidemiologia descritiva - Pessoa 3) Características étnicas • Raça/grupo étnico • Cultura • Religião • Local de nascimento
  • 8. Epidemiologia descritiva - Pessoa 4) Ocorrências acidentais • Acidentes sofridos • Exposição à violência • Ocorrências estressantes 5) Comportamento e estilo de vida • Atividades ocupacionais • Uso de medicamentos ou drogas lícitas ou ilícitas • Características da dieta • Atividade física e repouso
  • 9. Epidemiologia descritiva - Tempo  Análise da distribuição dos eventos relacionados à saúde no tempo fornece importante contribuição para elucidar causas de doenças e informações relevantes para o planejamento e avaliação em saúde.  A escala de tempo a ser examinada varia com a doença/evento, de décadas a horas.  Tendências na ocorrência de doenças infecciosas em geral são distribuídas em períodos mais curtos de tempo; assim como algumas não infecciosas como as relacionadas com as mudanças de clima
  • 10. Epidemiologia descritiva – Lugar/espaço  Lugar pode ser definido em termos geopolíticos (divisão do território em países, regiões) ou em termos das características geográficas.  Incluem-se no espaço o ambiente físico (clima, água, ar), biológico (fauna e flora) bem como o socioambiental (tradições culturais, tipo de ocupação).  Apesar de poder ser fracionado em lugares que o integram, cujos limites podem mudar, o espaço jamais deixará de ser uma totalidade abrangente
  • 11. Epidemiologia descritiva – Lugar/espaço  Lugar pode ser definido em termos geopolíticos (divisão do território em países, regiões) ou em termos das características geográficas.  Incluem-se no espaço o ambiente físico (clima, água, ar), biológico (fauna e flora) bem como o socioambiental (tradições culturais, tipo de ocupação).  Apesar de poder ser fracionado em lugares que o integram, cujos limites podem mudar, o espaço jamais deixará de ser uma totalidade abrangente
  • 12. Epidemiologia descritiva – Lugar/espaço 1) Variáveis Geopolíticas  Subdivisão do espaço em grandes áreas segundo critérios geográficos e políticos: países, grandes regiões, continentes, etc.  Permite análises comparativas
  • 13. Conceitos Epidemiologicos 2) Variáveis geográficas  Estudo de fatores isolados que na realidade compõem os Sistemas Ecológicos  O Espaço Geográfico: determinada porção localizada da superfície terrestre, constituída pelo relevo, águas, solo, clima, fauna e flora, ocupada e modificada por uma população socialmente estruturada, acrescida dos resultados objetivos da intervenção humana  Diferenças entre os padrões de morbidade e mortalidade urbana e rural  Estudos entre migrantes e padrões de morbidade
  • 14. Epidemias e aglomerado de casos  Ocorrência de doenças/eventos em determinado local e período, em número maior que o esperado para tal local ou período.  São detectadas por meio da análise da incidência de doenças de acordo com tempo, lugar e pessoa.  O número de casos que caracteriza uma epidemia varia com a doença e sua ocorrência no passado
  • 15. Epidemiologia descritiva: o exemplo da AIDS  Tempo: Número acumulado de casos notificados (1980-jun 2007): 474.273  Taxa de Incidência (2005): 19.5/100.000 habitantes; 2006 * – 17.5  Número de casos novos por ano (2000-2006): 34.627  Óbitos por AIDS (1980-2006): 192.709  Taxa de mortalidade (2006): 5.1/100.000 habitantes
  • 16. Epidemiologia descritiva: o exemplo da AIDS  Epidemiologia descritiva da AIDS no Brasil  Lugar: Municípios com pelo menos 1 caso de Aids notificado, Brasil, 2006. Fonte: BrasilMS. PN DST/AIDS
  • 17. Epidemiologia descritiva da AIDS no Brasil  Pessoa e Lugar:  .Taxas médias de incidência segundo sexo e faixas etárias: maiores taxas estão nas faixas etárias de adulto jovem (20 a 49 anos) em todas as regiões do Brasil. Além disso, evidencia-se crescimento na faixa etária dos 50 a 59 anos, entre 1994 e 2005.  No Brasil, observa-se diminuição nos coeficientes médios de incidência no sexo masculino, de 13 a 39 anos, principalmente na região Sudeste.  No sexo feminino observa-se crescimento em todas . as faixas etárias. A razão M:F é de 1,5:1.
  • 18. Epidemiologia descritiva da AIDS no Brasil  Pessoa: . - A população de Homens que Fazem Sexo com Homens (HSH) foi a mais severamente afetada no início da epidemia. Em 2004, enquanto a incidência de aids na população de HSH foi de 226,5 por 100.000 HSH, na população geral foi de 19,5 casos de aids por 100.000 habitantes.  Lugar: . - Essa taxa varia de 133 por 100.000 HSH na região Nordeste a 475 por 100.000 no Centro-Oeste. Os dados mostram, de 1980 a junho de 2007, que dos 85.444 homens que fazem sexo com homens diagnosticados com aids, cerca de 35% estão incluídos na subcategoria de exposição bissexual
  • 19. Epidemiologia descritiva da AIDS no Brasil  Pessoa (idade e sexo) - Nos casos de aids em maiores de 13 anos, sexo masculino, observa-se tendência ao crescimento proporcional da subcategoria de exposição heterossexual, estabilização entre homo/bissexuais.  No sexo feminino há maior transmissão é devida a relações heterossexuais.
  • 20. Epidemiologia descritiva da AIDS no Brasil Pessoa: Tabela - Estimativa da prevalência de HIV na população de 15-49 anos. Brasil, 1998, 2000 e 2004. Ano Sexo Total Masculino (%) Feminino (%) (%) 1998 0,82 0,41 0,61 2000 0,84 0,47 0,65 2004 0,80 0,42 0,61 Fonte: PN-DST/Aids. MONITORAIDS, 2005
  • 21. Epidemiologia descritiva permite uma análise da situação da AIDS no Brasil  Mortalidade por AIDS decresceu 50% entre 1996 e 2005.  Sobrevida aumentou mais de 10 vezes desde o diagnóstico por AIDS.  Pacientes com AIDS são hospitalizados ~25% vezes menos.  A incidência de TB entre pessoas infectadas pelo HIV caiu pela metade
  • 22. Epidemiologia descritiva do Câncer de mam  Câncer de mama: crescimento anormal das glândulas mamárias caracterizado por invadir os tecidos subjacentes e se espalhar para outras localizações.  Em geral muitos anos se passam entre o o início do câncer e o seu diagnóstico. No caso do câncer de mama este período pode ser de 20 a 30 anos.  Características individuais como idade, raça, religião e estatus socioeconômico estão associados com risco de câncer de mama
  • 23. Epidemiologia descritiva do Câncer de mam  Tempo: (Estados Unidos) - A incidência, ajustada por idade, cresceu de 82/100.000 em 1973 para 118/100.000 em 1998.  Tempo e pessoa: - Desde 1973 a mortalidade caiu em 18,1% entre mulheres brancas e aumentou em 12,5% entre as negras.
  • 24. Epidemiologia descritiva do Câncer de mam  Pessoa: - Incidência aumenta drasticamente com a idade, entre os 40 e os 74 anos, quando começa a cair. - Mulheres com idade de menarca precoce e menopausa tardia apresentam riscos aumentados , enquanto a remoção de ambos os ovários está associada a uma diminuição de risco.
  • 25. Epidemiologia descritiva do Câncer de mam  Lugar: - Taxas de incidência são mais elevadas na América do Norte e Europa, intermediárias na América do Sul e mais baixas na Africa e na Asia. - Incidência de câncer de mama é 4 vezes mais alta nos Estados Unidos do que no Japão (embora tenham se elevado nos últimos anos) - Mulheres migrantes assumem as taxas do novo país, em uma velocidade que depende do grau de aculturação.