SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora: Daniela Aquino


A abordagem mais imediata, sobre um dado
evento relacionado à saúde-doença em nível
coletivo, consiste em se buscar distribuir a
ocorrência do problema segundo as suas diversas
características representadas por uma ou por
mais de uma variável circunstancial.
As variáveis circunstanciais ligam-se a fatos ou
medidas de TEMPO (quando ou em que período
ocorreu?)/ Qual o padrão da curva de ocorrência
no tempo?/ Qual a sua tendência a longo prazo?
LUGAR (onde ocorreu?) ou
PESSOA (quais as características demográficas,
econômicas e sociais das pessoas afetadas?)


Estuda a distribuição de frequência das doenças
e dos agravos à saúde coletiva, em função de
variáveis ligadas ao TEMPO, ao ESPAÇOambientais e populacionais- e às PESSOAS,
possibilitando o detalhamento do perfil
epidemiológico, com vistas ao aprimoramento das
ações de assistência e prevenção da doença, de
promoção da saúde e também do refinamento
das hipóteses causais.
São três:
QUEM: quais pessoas foram atingidas pelo dano.
 ONDE: em que local as pessoas foram atingidas
pelo dano.
 QUANDO: em que época as pessoas foram
atingidas pelo dano.

O QUE: representa o tipo de evento em foco.
 COMO: os eventos variam na população.
 POR QUÊ: esclarece as diferentes frequências
com que os eventos ocorrem.


E mais uma questão que fica implícita:
(O quê fazer?)
Na Epidemiologia é fundamental conhecer as
circunstâncias sob as quais se desenvolve o
processo saúde-doença na população:
 Onde, quando e sobre quem ocorre determinada
doença?
 Há grupos especiais mais vulneráveis?
 Existe alguma época do ano em que aumenta o
número de casos?
Em que áreas do município ou regiões do país a
doença é mais frequente? Há disparidades
regionais ou locais?
 Indivíduos idosos são mais atingidos do que
crianças?
 Pertencer a uma dada classe social determina
diferenças nos riscos?

As informações sobre a distribuição temporal dos
agravos à saúde são utilizadas para:
 Indicar os riscos a que as pessoas estão sujeitas
 Monitorizar a saúde da população
 Prever a ocorrência de eventos
 Fornecer subsídios para explicações causais
 Auxiliar o planejamento de saúde
 Avaliar o impacto das intervenções
Segundo a variável tempo (distribuição
cronológica ou temporal), os agravos à saúde
(morbidade ou mortalidade) podem apresentar:
 Variação ou Tendência Geral (Histórica ou
Secular)
 Variação Cíclica
 Variação Sazonal (Estacional)
 Variação Atípica (Epidêmica)



A incidência de doenças, a mortalidade por
causas ou qualquer outro evento, quando
observados por longos períodos de tempo, podem
apresentar estabilidade, aumento ou decréscimo
de suas taxas, em função do fenômeno ou do
período de tempo considerado.


Exemplos: de tendências atuais do
comportamento de algumas doenças:



Aumento dos coeficientes de incidência das doenças
crônico-degenerativas, tais como, infartos do
miocárdio, câncer, diabetes, hipertensão, etc;
Estabilidade, nos países subdesenvolvidos, de níveis
elevados de incidência das doenças vinculadas à
pobreza: diarréias, subnutrição, verminose, fome, etc;
Diminuição, principalmente nos países desenvolvidos,
da incidência de algumas doenças transmissíveis;
Aumento da incidência de doenças sexualmente
transmissíveis (aids, sífilis, gonorréia, hepatite).







Um dado padrão de variação é repetido de
intervalo a intervalo, alternam-se valores máximos
e mínimos, independente da época do ano.

Ex.: sarampo, febre amarela, rubéola.


Ocorre quando a incidência de certas doenças ou
agravos aumenta ou diminui sempre no mesmo
período, seja do ano, do mês, da semana ou do dia.
Denomina-se sazonalidade a propriedade segundo a
qual o fenômeno considerado é periódico e repete-se
sempre na mesma estação do ano.
Ex. Doença meningocócica – é mais elevada nos
meses mais frios do ano. Em dias de baixa
temperatura, o ajuntamento com longa permanência
de grupos confinados em ambientes restritos pode
favorecer o contágio e a disseminação do agente
infeccioso.
É a ocorrência, em uma população, durante um
determinado período de tempo, de um número de
casos de uma doença, significativamente maior
do que o esperado, em função da frequência em
anos anteriores.
 Usualmente são utilizados, para calcular esse
valor, os dados de 10 ou 20 anos anteriores,
quando se trata de doença de caráter endêmico.

Entende-se por endemia ou doença de caráter
endêmico aquela doença habitualmente presente
entre os membros de um determinado grupo, em
uma determinada área.
 Quando essa doença assume proporções
maiores do que aquela habitualmente presente,
tem-se a epidemia e quando essa epidemia
atinge vários países ou continentes, recebe o
nome de pandemia.
 Ex.: cólera, aids, gripe.

As informações sobre a distribuição geográfica
dos agravos à saúde são utilizados para:
 Indicar os riscos a que a população está exposta.
 Acompanhar a disseminação dos eventos
 Fornecer subsídios para explicações causais
 Definir as prioridades de intervenção
 Avaliar o impacto das intervenções
Quanto a distribuição geográfica, os agravos a
saúde podem apresentar:
 Variação geopolítica (ou internacional)
 Variação político-administrativa (nacional ou
regional)
 Variação urbano-rural
 Movimento migratório


Quando as enfermidades (morbidade ou mortalidade) se
distribuem de forma mundial ou abrangendo alguns países.



Em qualquer das condições, a coleta e a divulgação dos
dados estão a cargo da Organização Mundial da Saúde
(OMS) e de seu órgão regional para as Américas, a
Organização Pan-americana da Saúde (OPAS).



Ex.: - distribuição da cólera no Mundo;
- distribuição da aids;
- distribuição da freqüência de doenças nos
países pobres e ricos;
- mortalidade infantil em alguns países; etc.
Quando as enfermidades se apresentam mais ou
menos frequentes em determinadas regiões,
estados, municípios, ou seja, de acordo com a
divisão político-administrativa do país.
 Esse tipo de estudo é útil para orientar a alocação
de recursos e a adoção de medidas de
prevenção, pois expõe as diferenças entre as
regiões, estados e municípios em relação aos
níveis de saúde, apontando problemas
localizados.

Ex.: - distribuição de casos notificados de aids
segundo Unidades da Federação;
- distribuição da mortalidade infantil
segundo as regiões metropolitanas do
país.




Embora existam especificidades regionais, pode-se
esperar que nas áreas rurais haja maior risco de
doenças infecciosas e parasitárias.
Nas áreas urbanas, devido ao melhor saneamento
básico, há comparativamente menor risco de doenças
infecciosas e parasitárias. É possível que
predominem, nestas áreas, as DST’s, a gripe e
demais infecções respiratórias agudas, bem como
aquelas ligadas ao consumo de drogas, à poluição
atmosférica, à violência e aos acidentes de trânsito.
O surgimento de casos isolados de doença,
sem foco conhecido na região, pode ser atribuído
ao fato de as pessoas afetadas ser em
imigrantes.
 Os migrantes podem veicular doenças de regiões
endêmicas para outros locais, podem disseminar
focos de doença no seu trajeto migratório e,
também, adquirir agentes etiológicos típicos do
novo local de domicílio (onde a população
residente naquele local, já é resistente).

1. Características Gerais

Idade

Sexo
2. Características Familiares

Estado civil

Idade do pais

Dimensão da família

Posição na ordem de nascimento

Morbidade familiar por causas específicas
3. Características étnicas
 Raça
 Cultura
 Religião
 Grupo étnico
4. Nível socioeconômico
 Ocupação
 Renda pessoal, familiar ou renda familiar per
capita
 Nível de instrução
 Tipo e zona de residência
Há doenças que predominam:
 Grupo infantil e pré-escolar (coqueluche,
sarampo, difteria, disenteria);
 Adultos jovens (tuberculose, malária, febre
amarela, doenças profissionais);
 Pessoas de meia-idade ou idosas (doenças
cardiovasculares, câncer de pulmão, artrite,
hipertensão, etc.).
Normalmente os estudos epidemiológicos
discriminam o sexo da pessoa acometida:
 Existem doenças para as quais há diferente
suscetibilidade entre o sexo masculino e o
feminino;


Existem outras, no entanto, em que ambos os
sexos são igualmente suscetíveis, nestes casos, a
variação da frequência da doença ocorre mais por
motivos culturais, ocupacionais ou biológicos.
A morbidade e mortalidade são diferentes entre os
indivíduos solteiros, casados, viúvos e divorciados.
 Estudos de mortalidade segundo o estado civil das
pessoas têm demonstrado que a mais baixa taxa,
corresponde aos casados e, a mais alta, aos
viúvos e divorciados; a mortalidade entre os
solteiros é mais baixa que nos dois últimos grupos,
mas é maior do que entre os casados.



Com relação à morbidade, se tem observado que
nas pessoas não casadas são mais frequentes as
doenças mentais, suicídios e acidentes, as
doenças de transmissão sexual e o câncer de
mama; nas mulheres casadas, há uma maior
incidência do câncer de colo de útero.
Aula 2 epidemiologia_descritiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História natural das doenças
História natural das doençasHistória natural das doenças
História natural das doenças
Will Nunes
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
Instituto Consciência GO
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
jurunet
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
Jeferson de Paula
 
1202257967 epidemiologia 1
1202257967 epidemiologia 11202257967 epidemiologia 1
1202257967 epidemiologia 1
Pelo Siro
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
Wanderson Oliveira
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Cartilha de visa
Cartilha de visaCartilha de visa
Cartilha de visa
Everaldo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Marco Antonio
 
Introdução à epidemiologia.pptx
Introdução à epidemiologia.pptxIntrodução à epidemiologia.pptx
Introdução à epidemiologia.pptx
KarlaCezario1
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
Carlos Amade
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
Socorro Carneiro
 
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da EpidemiologiaConceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Centro Universitário Ages
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
Flávia Salame
 
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadoresSaúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Mario Gandra
 
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Wilson Guedes
 

Mais procurados (20)

História natural das doenças
História natural das doençasHistória natural das doenças
História natural das doenças
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
 
1202257967 epidemiologia 1
1202257967 epidemiologia 11202257967 epidemiologia 1
1202257967 epidemiologia 1
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Cartilha de visa
Cartilha de visaCartilha de visa
Cartilha de visa
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Introdução à epidemiologia.pptx
Introdução à epidemiologia.pptxIntrodução à epidemiologia.pptx
Introdução à epidemiologia.pptx
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
 
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da EpidemiologiaConceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadoresSaúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
Saúde Coletiva - 2. história da epidemiologia e seus indicadores
 
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
 

Destaque

Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
Fernando Henrique
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Fernando Henrique
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
Arquivo-FClinico
 
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira   epidemiologia descritivaFebre maculosa brasileira   epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
UFRRJ
 
Memoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012aMemoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012a
anabelaac
 
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informáticaTipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Wanderson Oliveira
 
Aula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - EpidemiologiaAula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - Epidemiologia
Igor Alves
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
Celene Longo
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 

Destaque (9)

Epidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aulaEpidemiologia descritiva 4º aula
Epidemiologia descritiva 4º aula
 
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira   epidemiologia descritivaFebre maculosa brasileira   epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
 
Memoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012aMemoria descritiva layout2012a
Memoria descritiva layout2012a
 
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informáticaTipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
Tipos e estrutura das variáveis utilizadas em epidemiologia e informática
 
Aula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - EpidemiologiaAula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - Epidemiologia
 
Epidemiologia Resumos
Epidemiologia ResumosEpidemiologia Resumos
Epidemiologia Resumos
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 

Semelhante a Aula 2 epidemiologia_descritiva

Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
wfkam
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
EvertonMonteiro19
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Leticia Princesiny
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
Glaydson Reis
 
Epidemiologia_Descritiva.pptx
Epidemiologia_Descritiva.pptxEpidemiologia_Descritiva.pptx
Epidemiologia_Descritiva.pptx
FabianaAlessandro2
 
Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
Dalila_Marcao
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
Ricardo Alexandre
 
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdfEPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
JooMarceloFerreiraBr
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
LIANEDEMUNER1
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
Paula Brustolin Xavier
 
Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia
Pelo Siro
 
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
profsempre
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
danilo oliveira
 
7ª AULA Epidemiologia.ppt
7ª AULA Epidemiologia.ppt7ª AULA Epidemiologia.ppt
7ª AULA Epidemiologia.ppt
DiogoViana21
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
MarianaSavyasp
 
3 aula eps
3 aula eps3 aula eps
3 aula eps
drjeffersontst
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
ThaisAndreadeOliveir
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
EPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdf
EPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdfEPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdf
EPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdf
contatostudy0
 

Semelhante a Aula 2 epidemiologia_descritiva (20)

Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 
Epidemiologia_Descritiva.pptx
Epidemiologia_Descritiva.pptxEpidemiologia_Descritiva.pptx
Epidemiologia_Descritiva.pptx
 
Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
 
O que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, riscoO que é frequência, anormalidade, risco
O que é frequência, anormalidade, risco
 
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdfEPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
EPIDEMIOLOGIA - Copia.pdf
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia
 
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
 
7ª AULA Epidemiologia.ppt
7ª AULA Epidemiologia.ppt7ª AULA Epidemiologia.ppt
7ª AULA Epidemiologia.ppt
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
 
3 aula eps
3 aula eps3 aula eps
3 aula eps
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
EPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdf
EPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdfEPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdf
EPIDEMIOLOGIA_MEDIDAS_DE_FREQUENCIA_DE_M.pdf
 

Mais de Cleber Lima

Boas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentosBoas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentos
Cleber Lima
 
A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...
A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...
A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...
Cleber Lima
 
Quest es de_introdu__o___anatomia
Quest es de_introdu__o___anatomiaQuest es de_introdu__o___anatomia
Quest es de_introdu__o___anatomia
Cleber Lima
 
033 nervos-cranianos
033 nervos-cranianos033 nervos-cranianos
033 nervos-cranianos
Cleber Lima
 
Whey proteinartigo completo sobre uso de suplementos
Whey proteinartigo completo sobre  uso de suplementos Whey proteinartigo completo sobre  uso de suplementos
Whey proteinartigo completo sobre uso de suplementos
Cleber Lima
 
Aprenda a montar uma dieta como um nutricionista
Aprenda a montar uma dieta como um nutricionistaAprenda a montar uma dieta como um nutricionista
Aprenda a montar uma dieta como um nutricionista
Cleber Lima
 
Você está cometendo alguns destes erros em sua alimentação
Você está cometendo alguns destes erros em sua alimentaçãoVocê está cometendo alguns destes erros em sua alimentação
Você está cometendo alguns destes erros em sua alimentação
Cleber Lima
 
Dieta hiperproteica para emagrecer em uma semana
Dieta hiperproteica para emagrecer em uma semanaDieta hiperproteica para emagrecer em uma semana
Dieta hiperproteica para emagrecer em uma semana
Cleber Lima
 
Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...
Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...
Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...
Cleber Lima
 
Vitamina proteica com bastante carboidratos e ...
Vitamina proteica com bastante carboidratos e                                ...Vitamina proteica com bastante carboidratos e                                ...
Vitamina proteica com bastante carboidratos e ...
Cleber Lima
 
Cardápio simples para emagrecer com saúde
Cardápio simples para emagrecer com saúdeCardápio simples para emagrecer com saúde
Cardápio simples para emagrecer com saúde
Cleber Lima
 
Receitas giovana guido editado
Receitas giovana guido editadoReceitas giovana guido editado
Receitas giovana guido editado
Cleber Lima
 
Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Estudodecaso 140414212836-phpapp01Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Cleber Lima
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
Cleber Lima
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
Cleber Lima
 
Trichomonas (1)
Trichomonas (1)Trichomonas (1)
Trichomonas (1)
Cleber Lima
 
Giardia lamblia
Giardia lambliaGiardia lamblia
Giardia lamblia
Cleber Lima
 
A importância da psicologia para o profissional de nutrição
A importância da psicologia para o profissional de nutriçãoA importância da psicologia para o profissional de nutrição
A importância da psicologia para o profissional de nutrição
Cleber Lima
 
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologicaApostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Cleber Lima
 
Correlaçoes de bioquimica
Correlaçoes de bioquimicaCorrelaçoes de bioquimica
Correlaçoes de bioquimica
Cleber Lima
 

Mais de Cleber Lima (20)

Boas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentosBoas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentos
 
A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...
A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...
A difusão da culinária japonesa tem propiciado um aumento no consumo de pesca...
 
Quest es de_introdu__o___anatomia
Quest es de_introdu__o___anatomiaQuest es de_introdu__o___anatomia
Quest es de_introdu__o___anatomia
 
033 nervos-cranianos
033 nervos-cranianos033 nervos-cranianos
033 nervos-cranianos
 
Whey proteinartigo completo sobre uso de suplementos
Whey proteinartigo completo sobre  uso de suplementos Whey proteinartigo completo sobre  uso de suplementos
Whey proteinartigo completo sobre uso de suplementos
 
Aprenda a montar uma dieta como um nutricionista
Aprenda a montar uma dieta como um nutricionistaAprenda a montar uma dieta como um nutricionista
Aprenda a montar uma dieta como um nutricionista
 
Você está cometendo alguns destes erros em sua alimentação
Você está cometendo alguns destes erros em sua alimentaçãoVocê está cometendo alguns destes erros em sua alimentação
Você está cometendo alguns destes erros em sua alimentação
 
Dieta hiperproteica para emagrecer em uma semana
Dieta hiperproteica para emagrecer em uma semanaDieta hiperproteica para emagrecer em uma semana
Dieta hiperproteica para emagrecer em uma semana
 
Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...
Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...
Manter a gordura corporal dentro de patamares aceitáveis é uma luta constante...
 
Vitamina proteica com bastante carboidratos e ...
Vitamina proteica com bastante carboidratos e                                ...Vitamina proteica com bastante carboidratos e                                ...
Vitamina proteica com bastante carboidratos e ...
 
Cardápio simples para emagrecer com saúde
Cardápio simples para emagrecer com saúdeCardápio simples para emagrecer com saúde
Cardápio simples para emagrecer com saúde
 
Receitas giovana guido editado
Receitas giovana guido editadoReceitas giovana guido editado
Receitas giovana guido editado
 
Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Estudodecaso 140414212836-phpapp01Estudodecaso 140414212836-phpapp01
Estudodecaso 140414212836-phpapp01
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
 
Trichomonas (1)
Trichomonas (1)Trichomonas (1)
Trichomonas (1)
 
Giardia lamblia
Giardia lambliaGiardia lamblia
Giardia lamblia
 
A importância da psicologia para o profissional de nutrição
A importância da psicologia para o profissional de nutriçãoA importância da psicologia para o profissional de nutrição
A importância da psicologia para o profissional de nutrição
 
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologicaApostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
 
Correlaçoes de bioquimica
Correlaçoes de bioquimicaCorrelaçoes de bioquimica
Correlaçoes de bioquimica
 

Aula 2 epidemiologia_descritiva

  • 2.  A abordagem mais imediata, sobre um dado evento relacionado à saúde-doença em nível coletivo, consiste em se buscar distribuir a ocorrência do problema segundo as suas diversas características representadas por uma ou por mais de uma variável circunstancial.
  • 3. As variáveis circunstanciais ligam-se a fatos ou medidas de TEMPO (quando ou em que período ocorreu?)/ Qual o padrão da curva de ocorrência no tempo?/ Qual a sua tendência a longo prazo? LUGAR (onde ocorreu?) ou PESSOA (quais as características demográficas, econômicas e sociais das pessoas afetadas?)
  • 4.  Estuda a distribuição de frequência das doenças e dos agravos à saúde coletiva, em função de variáveis ligadas ao TEMPO, ao ESPAÇOambientais e populacionais- e às PESSOAS, possibilitando o detalhamento do perfil epidemiológico, com vistas ao aprimoramento das ações de assistência e prevenção da doença, de promoção da saúde e também do refinamento das hipóteses causais.
  • 5. São três: QUEM: quais pessoas foram atingidas pelo dano.  ONDE: em que local as pessoas foram atingidas pelo dano.  QUANDO: em que época as pessoas foram atingidas pelo dano. 
  • 6. O QUE: representa o tipo de evento em foco.  COMO: os eventos variam na população.  POR QUÊ: esclarece as diferentes frequências com que os eventos ocorrem.  E mais uma questão que fica implícita: (O quê fazer?)
  • 7. Na Epidemiologia é fundamental conhecer as circunstâncias sob as quais se desenvolve o processo saúde-doença na população:  Onde, quando e sobre quem ocorre determinada doença?  Há grupos especiais mais vulneráveis?  Existe alguma época do ano em que aumenta o número de casos?
  • 8. Em que áreas do município ou regiões do país a doença é mais frequente? Há disparidades regionais ou locais?  Indivíduos idosos são mais atingidos do que crianças?  Pertencer a uma dada classe social determina diferenças nos riscos? 
  • 9. As informações sobre a distribuição temporal dos agravos à saúde são utilizadas para:  Indicar os riscos a que as pessoas estão sujeitas  Monitorizar a saúde da população  Prever a ocorrência de eventos  Fornecer subsídios para explicações causais  Auxiliar o planejamento de saúde  Avaliar o impacto das intervenções
  • 10. Segundo a variável tempo (distribuição cronológica ou temporal), os agravos à saúde (morbidade ou mortalidade) podem apresentar:  Variação ou Tendência Geral (Histórica ou Secular)  Variação Cíclica  Variação Sazonal (Estacional)  Variação Atípica (Epidêmica) 
  • 11.  A incidência de doenças, a mortalidade por causas ou qualquer outro evento, quando observados por longos períodos de tempo, podem apresentar estabilidade, aumento ou decréscimo de suas taxas, em função do fenômeno ou do período de tempo considerado.
  • 12.
  • 13.  Exemplos: de tendências atuais do comportamento de algumas doenças:  Aumento dos coeficientes de incidência das doenças crônico-degenerativas, tais como, infartos do miocárdio, câncer, diabetes, hipertensão, etc; Estabilidade, nos países subdesenvolvidos, de níveis elevados de incidência das doenças vinculadas à pobreza: diarréias, subnutrição, verminose, fome, etc; Diminuição, principalmente nos países desenvolvidos, da incidência de algumas doenças transmissíveis; Aumento da incidência de doenças sexualmente transmissíveis (aids, sífilis, gonorréia, hepatite).   
  • 14.  Um dado padrão de variação é repetido de intervalo a intervalo, alternam-se valores máximos e mínimos, independente da época do ano. Ex.: sarampo, febre amarela, rubéola.
  • 15.
  • 16.  Ocorre quando a incidência de certas doenças ou agravos aumenta ou diminui sempre no mesmo período, seja do ano, do mês, da semana ou do dia. Denomina-se sazonalidade a propriedade segundo a qual o fenômeno considerado é periódico e repete-se sempre na mesma estação do ano. Ex. Doença meningocócica – é mais elevada nos meses mais frios do ano. Em dias de baixa temperatura, o ajuntamento com longa permanência de grupos confinados em ambientes restritos pode favorecer o contágio e a disseminação do agente infeccioso.
  • 17.
  • 18. É a ocorrência, em uma população, durante um determinado período de tempo, de um número de casos de uma doença, significativamente maior do que o esperado, em função da frequência em anos anteriores.  Usualmente são utilizados, para calcular esse valor, os dados de 10 ou 20 anos anteriores, quando se trata de doença de caráter endêmico. 
  • 19.
  • 20. Entende-se por endemia ou doença de caráter endêmico aquela doença habitualmente presente entre os membros de um determinado grupo, em uma determinada área.  Quando essa doença assume proporções maiores do que aquela habitualmente presente, tem-se a epidemia e quando essa epidemia atinge vários países ou continentes, recebe o nome de pandemia.  Ex.: cólera, aids, gripe. 
  • 21. As informações sobre a distribuição geográfica dos agravos à saúde são utilizados para:  Indicar os riscos a que a população está exposta.  Acompanhar a disseminação dos eventos  Fornecer subsídios para explicações causais  Definir as prioridades de intervenção  Avaliar o impacto das intervenções
  • 22. Quanto a distribuição geográfica, os agravos a saúde podem apresentar:  Variação geopolítica (ou internacional)  Variação político-administrativa (nacional ou regional)  Variação urbano-rural  Movimento migratório
  • 23.  Quando as enfermidades (morbidade ou mortalidade) se distribuem de forma mundial ou abrangendo alguns países.  Em qualquer das condições, a coleta e a divulgação dos dados estão a cargo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de seu órgão regional para as Américas, a Organização Pan-americana da Saúde (OPAS).  Ex.: - distribuição da cólera no Mundo; - distribuição da aids; - distribuição da freqüência de doenças nos países pobres e ricos; - mortalidade infantil em alguns países; etc.
  • 24.
  • 25. Quando as enfermidades se apresentam mais ou menos frequentes em determinadas regiões, estados, municípios, ou seja, de acordo com a divisão político-administrativa do país.  Esse tipo de estudo é útil para orientar a alocação de recursos e a adoção de medidas de prevenção, pois expõe as diferenças entre as regiões, estados e municípios em relação aos níveis de saúde, apontando problemas localizados. 
  • 26. Ex.: - distribuição de casos notificados de aids segundo Unidades da Federação; - distribuição da mortalidade infantil segundo as regiões metropolitanas do país.
  • 27.
  • 28.   Embora existam especificidades regionais, pode-se esperar que nas áreas rurais haja maior risco de doenças infecciosas e parasitárias. Nas áreas urbanas, devido ao melhor saneamento básico, há comparativamente menor risco de doenças infecciosas e parasitárias. É possível que predominem, nestas áreas, as DST’s, a gripe e demais infecções respiratórias agudas, bem como aquelas ligadas ao consumo de drogas, à poluição atmosférica, à violência e aos acidentes de trânsito.
  • 29. O surgimento de casos isolados de doença, sem foco conhecido na região, pode ser atribuído ao fato de as pessoas afetadas ser em imigrantes.  Os migrantes podem veicular doenças de regiões endêmicas para outros locais, podem disseminar focos de doença no seu trajeto migratório e, também, adquirir agentes etiológicos típicos do novo local de domicílio (onde a população residente naquele local, já é resistente). 
  • 30. 1. Características Gerais  Idade  Sexo 2. Características Familiares  Estado civil  Idade do pais  Dimensão da família  Posição na ordem de nascimento  Morbidade familiar por causas específicas
  • 31. 3. Características étnicas  Raça  Cultura  Religião  Grupo étnico 4. Nível socioeconômico  Ocupação  Renda pessoal, familiar ou renda familiar per capita  Nível de instrução  Tipo e zona de residência
  • 32. Há doenças que predominam:  Grupo infantil e pré-escolar (coqueluche, sarampo, difteria, disenteria);  Adultos jovens (tuberculose, malária, febre amarela, doenças profissionais);  Pessoas de meia-idade ou idosas (doenças cardiovasculares, câncer de pulmão, artrite, hipertensão, etc.).
  • 33. Normalmente os estudos epidemiológicos discriminam o sexo da pessoa acometida:  Existem doenças para as quais há diferente suscetibilidade entre o sexo masculino e o feminino;  Existem outras, no entanto, em que ambos os sexos são igualmente suscetíveis, nestes casos, a variação da frequência da doença ocorre mais por motivos culturais, ocupacionais ou biológicos.
  • 34.
  • 35. A morbidade e mortalidade são diferentes entre os indivíduos solteiros, casados, viúvos e divorciados.  Estudos de mortalidade segundo o estado civil das pessoas têm demonstrado que a mais baixa taxa, corresponde aos casados e, a mais alta, aos viúvos e divorciados; a mortalidade entre os solteiros é mais baixa que nos dois últimos grupos, mas é maior do que entre os casados. 
  • 36.  Com relação à morbidade, se tem observado que nas pessoas não casadas são mais frequentes as doenças mentais, suicídios e acidentes, as doenças de transmissão sexual e o câncer de mama; nas mulheres casadas, há uma maior incidência do câncer de colo de útero.