SlideShare uma empresa Scribd logo
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
INTRODUÇÃO A
FARMACOLOGIA
APLICADA A
CLÍNICA DE
ODONTOLOGIA
Prof. Dr. Marcelo S. Gomes
Doutor em Odontologia
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA
Prof. Dr. Marcelo S. Gomes
Cirurgião dentista
Doutor , Mestre e Especialista em Ortodontia e
Ortopedia facial.
Professor de cirurgia e periodontia - UNIEURO DF
Coordenador “Especialização ortodontia”
UNIUBE MG / UNIABO DF / UNIP DF
Professor MESTRADO - UNIUBE MG
Professor de Farmacologia - UNIEURO DF
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Dê acordo com a dose ou via de administração
trará um efeito TÓXICO ou MEDICAMENTOSO
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Aplicada a clínica de odontologia
A utilização dos fármacos no auxílio ao tratamento
das infecções e patologias bucais.
A utilização dos fármacos na prevenção das
doenças das infecções e patologias bucais
Terapia prévia a procedimentos invasivos em
odontologia
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Droga: Substância química capaz
de modificar a função dos
organismos vivos,com finalidade
medicamentosa ou sanitária.
F á r m a c o : D e s i g n a u m a
substância química conhecida e
de estrutura química definida
d o t a d a d e p r o p r i e d a d e
farmacológica.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Droga: Substância química capaz
de modificar a função dos
organismos vivos,com finalidade
medicamentosa ou sanitária.
LICÍTA INLICÍTA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Medicamento: Produto farmacêutico,
tecnicamente obtido ou elaborado:
Finalidade profilática,
Curativa
P a l i a t i v a o u p a r a fi n s d e
diagnóstico.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Forma farmacêutica: É a forma
de como o medicamento se
apresenta:
Comprimido
Cápsula
Injetáveis, etc..
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Remédio: Substância animal,
vegetal,mineral ou sintética;
procedimentos:
Ginástica
Massagem
Acupuntura
Banhos
Fé ou crença; usados com
intenção benéfica.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Placebo: Tudo o que é feito com
intenção benéfica para aliviar o
sofrimento:
fármaco/medicamento/droga/
remédio ( em concentração
pequena ou mesmo na sua
ausência.
“não apresenta princípio ativo”
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Medicamento ético ou de referência:
Sua principal função é servir de
p a r â m e t ro s p a r a re g i s t ro s d o s
posteriores medicamentos similares e
genéricos, quando sua patente expirar.
Medicamento genérico: É um
medicamento com a mesma substância
ativa, forma farmacêutica e dosagem e
com a mesma indicação que o
medicamento origina ( de marca ).
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Medicamento similar: É o medicamento
autorizado a ser produzido após prazo
d a p a t e n t e d e f a b r i c a ç ã o d o
medicamento de referência ou inovador
ter vencido.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Dose letal 50: A concentração de uma
substância química capaz de matar 50%
da população de animais testados.
A dose mede-se em ml (miligrama) de
substância por cada quilograma (Kg) de
massa corporal do animal testado.
ESTUDO DA TOXICIDADE DO FÁRMACO
EM ANIMAIS.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Biodisponibilidade: É uma medida
da extensão de uma droga
terapeuticamente ativa que atinge a
circulação sistêmica e está disponível
no local de ação.
CAPACIDADE DO FÁRMACO
ATINGIR UMA CONCENTRAÇÃO MÍNIMA
NA CORRENTE SANGUÍNEA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Bioequivalência: É um termo utilizado
para avaliar a equivalência biológica
esperada in vivo de duas preparações
diferentes de um medicamento. Se dois
m e d i c a m e n t o s s ã o d i t o s s e r
bioequivalentes , isso significa que se
espera que eles sejam, para todas as
intenções e propostas iguais.
Dois fármacos que diminuem a
dor ( analgesia ) podem ser
definidos como bioequivalência.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
P o s o l o g i a : É o m o d o c o m o o
medicamento deve ser administrado
Meia-vida: É o tempo necessário para
que metade de uma substância seja
removida do organismo por um processo
químico ou físico.
Posologia - qual concentração /
qual o intervalo de administração /
qual via … encontramos nas
bulas dos fármacos.
Meia vida plasmática = O tempo
que vai desde a administração do
fármaco até ele ter metade de sua
concentração máxima.
ADMINISTRA - METABOLIZA - ELIMINA.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Especificidade: Capacidade de um
fármaco reconhecer apenas um receptor.
Afinidade: Tendência de um fármaco se
ligar ao seu receptor.
Eficácia: Tendência de um fármaco ,
uma vez ligado, ativar o seu receptor.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Agonistas: Substâncias que causam
alterações na função celular, produzindo
vários tipos de efeitos.
Antagonistas: Substância que se liga ao
receptor sem causar ativação impedindo
consequentemente a ligação do
agonista.
Agonistas ligam no receptor
produz efeito, e antagonistas
ligam nos receptores e não
produzem efeito.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Antagonista competitivo reversível:
Haverá a ligação do fármaco aos
receptores da célula, porém eles se
desligam.
Antagonista competitivo irreversível:
Haverá a ligação do fármaco aos
receptores da célula, porém eles não se
desligam.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
O efeito de um fármaco é diminuído ou totalmente abolido
na presença de outro fármaco.
ANTAGONISMO POR BLOQUEIO DOS RECEPTORES:
Antagonismo competitivo reversível e o antagonismo
irreversível.
ANTAGONISMO QUÍMICO: Duas substâncias se
combinam em solução e uma anula o efeito
farmacológico da outra. Ex.: Queilantes.
ANTAGONISMO FARMACOCINÉTICO: Quando uma
droga diminui o efeito de outra droga no sítio, afetando a
absorção, o metabolismo ou a excreção do outro
fármaco.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Dessensibilização: Diminuição do efeito
de um fármaco que ocorre gradualmente
quando administrado de modo contínuo
ou repetidamente.
Fármaco perde seu efeito pelo uso
contínuo ou metabolização,
devendo ser aumentado sua dose
ou trocado o fármaco.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Dessensibilização: Diminuição do efeito
de um fármaco que ocorre gradualmente
quando administrado de modo contínuo
ou repetidamente.
Perda de receptores
Aumento do metabolismo do
fármaco
Exaustão de mediadores- vias
metabólicas
Adaptação fisiológica
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Idéia sobre:
Estrutura
Indicação
Interação
Sintetizado e
testado em células
( in vitro ) e
animais ( in vivo )
Indivíduos Populações
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Concentração terapêutica
Desenvolvimento da
farmacologia
Farmacologia e suas vertentes
Prescrição em odontologia
Consulta inicial - Identificando
o nosso paciente.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Concentração terapêutica
Desenvolvimento da
farmacologia
Farmacologia e suas vertentes
Prescrição em odontologia
Consulta inicial - Identificando
o nosso paciente.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
IT: Índice terapêutico
Concentrações de efeito mínimo eficaz ( limite mínimo ) e
efeito tóxico ( concentração máxima tolerada, limite máximo )
INSUFICIENTE
ADEQUADO
EXCESSO
SÍTIO DE AÇÃO / RECEPTORES
Doses e Intervalo de
administração
Janela terapêutica
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
JANELA TERAPÊUTICA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Concentração terapêutica
Desenvolvimento da
farmacologia
Farmacologia e suas vertentes
Prescrição em odontologia
Consulta inicial - Identificando
o nosso paciente.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
HISTÓRICO DA FARMACOLOGIA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DESENVOLVIMENTO DA FARMACOLOGIA
CIÊNCIAS
BIOLÓGICAS
QUÍMICA
INDUSTRIALIZAÇÃO E
COMÉRCIO
Patologia
Fisiologia
Bioquímica
Biologia molecular
“Genes”
Produtos naturais
Estruturas químicas
Química sintética
Manipulação de planta
Industria farmacêutica
Fármaco sintético
Biofarmacêutica
Nanofarmacêutica
CIÊNCIA E PESQUISA = INDUSTRIA = COMÉRCIO
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Porque estudar a farmacologia aplicada ?
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Necessidade de obter a máxima
eficiência do fármaco.
Escolha do fármaco mais adequado
Escolha da via de administração mais
adequada
Interações medicamentosas
Intervenções profiláticas
Prescrever com competência e
conhecimento.
Obter um protocolo seguro de
medicamentos
Porque estudar a farmacologia aplicada ?
O QUE POSSO ? QUANDO ?
COMO ?
PRESCREVER
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
EFETIVIDADE
SEGURANÇA
SELETIVIDADE
REVESIBILIDADE
FÁCIL ADMINISTRAÇÃO
MÍNIMAS INTERAÇÕES
ISENTA DE REAÇÕES ADVERSOS.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
EFETIVIDADE
O F Á R M A C O D E V E R Á S E R
EFICIENTE QUANDO LIGADO AO
SEU RECEPTOR ESPECÍFICO
PRODUZA UM EFEITO DESEJADO,
O B T E N D O U M R E S U LTA D O
ESPERADO A TERAPIA.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
SEGURANÇA
O FÁRMACO DEVERÁ TER MENOS
EFEITOS COLATERAIS POSSÍVEL.
INCAPACIDADE OBITO
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
SELETIVIDADE
O FÁRMACO DEVERÁ TER SEU
RECEPTOR O MAIS ESPECÍFICO
POSSÍVEL.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
REVERSIBILIDADE
CAPACIDADE DE SEU EFEITO SER
REVERSÍVEL PELA AÇÃO DE
ANTÍDOTOS ESPECÍFICOS.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
FÁCIL ADMINISTRAÇÃO
A VIA DE ADMINISTRAÇÃO DEVERÁ
SER DE FÁCIL REALIZAÇÃO - A
PRATICIDADE LEVA A EFICIÊNCIA
DO FÁRMACO ELETIVOS NA
ODONTOLOGIA.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
MÍNIMAS INTERAÇÕES
O FÁRMACO DEVE INTERAGIR O
M E N O S P O S S Í V E L C O M
ALIMENTOS, BEBIDAS, E OUTROS
FÁRMACOS QUE PODEM SER
ADMINISTRADOS EM CONJUNTO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FÁRMACO PERFEITO
ISENTO DE REAÇÕES ADVERSAS
N O V A M E N T E E N T R E A
SELETIVIDADE
ESPECIFICIDADE
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
LIGAÇÃO DAS MOLÉCULAS DO FÁRMACO A CÉLULAS
Um fármaco não vai
funcionar a não ser
que ele esteja
ligado .
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
LIGAÇÃO DAS MOLÉCULAS DO FÁRMACO A CÉLULAS
O fármaco deve se
ligar a uma
molécula
constituinte da
célula
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
MOLÉCULAS ALVO - PROTEÍNAS REGULADOREAS
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ESPECIFICIDADE
Para que haja
interatividade, as
moléculas do fármaco
devem ser específicas
para que atinja seu
efeito nas células.
A quantidade
de mediadores dos
fármacos são
infinitamente menores
que os receptores das
células.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ESPECIFICIDADE
As moléculas do fármaco
vão selecionar quais
moléculas elas vão se ligar.
Por outro lado, os
receptores celulares não
identificam alguns fármacos
“ específicos”.
A ESPECIFICIDADE É RECÍPROCA
ENTRE OS FÁRMACOS E AS CELULAS.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ESPECIFICIDADE
OS EFEITOS COLATERAIS SÃO
QUANDO OS FÁRMACOS
ADEREM A MOLÉCULAS NÃO
ESPECÍFICAS, CAUSANDO
EFEITOS INDESEJADOS.
QUANTO MAIOR A
CONCENTRAÇÃO DO FÁRMACO,
MAIOS O EFEITO INDESEJADO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Concentração terapêutica
Desenvolvimento da
farmacologia
Farmacologia e suas vertentes
Prescrição em odontologia
Consulta inicial - Identificando
o nosso paciente.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA
FARMACOGENÉTICA: Estudo das influências
genéticas sobre a ação dos fármacos.
FARMACOGENÔMICA: Este novo termo
superpõe-se à farmacogenética, descrevendo
o uso da informação genética para orientar a
escolha da terapia farmacológica
“ INDIVIDUALIZADA” .
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA
FARMACOEPIDEMIOLOGIA : É o estudo
dos efeitos dos fármacos em nível
populacional.
Diferente etnias / diferentes constituições
GENÉTICAS / diferentes respostas
medicamentosas aos fármacos.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA
FARMACOEPIDEMIOLOGIA : É o estudo
dos efeitos dos fármacos em nível
populacional.
BRANCOS
NEGROS
ASIÁTICOS
CRIANÇAS
JOVENS
ADULTOS
IDOSOS
SUL
NORTE
NORDESTE
SUDESTE
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA
FARMACOTÉCNICA: Estuda a preparação de fármacos
TOXICOLOGIA: É o ramo que estuda os efeitos colaterais dos
fármacos
CRONOFARMACOLOGIA: Estuda o horário ( periodicidade )
em que o remédio deve ser administrado
IMUNOFARMACOLOGIA: Estuda a ação dos fármacos sobre
o sistema imune
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA
FARMACOCINÉTICA: Consiste nas etapas de absorção,
distribuição, metabolismo e excreção ou eliminação do fármaco.
FARMACODINÂMICA: Efeitos bioquímicos, físicos e
mecanismos de ação dos fármacos.
FARMACOTERAPIA : Uso terapêutico dos fármacos.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FASES FARMACOLÓGICAS
Fase Farmacêutica
FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Concentração terapêutica
Desenvolvimento da
farmacologia
Farmacologia e suas vertentes
Prescrição em odontologia
Consulta inicial - Identificando
o nosso paciente.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA
CARACTERÍSTICAS
FISIOLÓGICAS
Idade
Sexo
Peso
Gestação
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
IDADE ?
JOVENS
ADULTOS
IDOSOS
CRIANÇAS
RECEM NASCIDOS IMATURIDADE FISIOLÓGICA
PARA ABSORÇÃO E
ELIMINAÇÃO DOS FÁRMACOS
ESCASSES DE ENZIMAS PARA
METABOLIZAÇÃO DOS
FÁRMACOS.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SEXO ?
Apresentam composições
bioquímicas diferentes, o
que faz a farmacocinética
( absorção / metabolização /
mecanismo de ação /
eliminação ) ser diferente .
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
PESO ?
QUANTIDADE DE TECIDO
ALTERA A CAPACIDADE DE
ADSORSÃO
Por isto alguns fármacos são administrados
seguindo uma posologia - ml/Kg .
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
GESTAÇÃO ?
ALGUNS FÁRMACOS
ATRAVESSAM A BARREIRA
PLACENTÁRIA E VÃO ATINGIR
O BEBÊ, QUE NÃO POSSUI
MATURIDADE BIOQUÍMICA E
METABÓLICA PARA RECEBER
TAIS FÁRMACOS.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
HÁBITOS DO
PACIENTE
Fumo
Álcool
PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
FUMO ?
A INGESTÃO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E TABAGISMO
ALTERAM ALGUMAS ENZIMAS IMPORTANTES AO
METABOLISMO DOS FÁRMACOS.
EM SITUAÇÃO DE USO CRÔNICO PODEM LESAR
TECIDOS IMPORTANTES PARA O METABOLISMO
DOS FÁRMACOS - Pulmão / Rins / Figado.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA
DOENÇAS
Insuficiência renal
Insuficiência hepática
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
INSUFICIÊNCIA RENAL
CAPACIDADE REDUZIDA DE ELIMINAR OS
FÁRMACOS, ACUMULANDO OS
METABÓLITOS PODENDO CAUSAR
REAÇÕES ADVERSAS AO ORGANISMO
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA
INCAPACIDADE DE METABOLIZAR
OS FÁRMACOS, OS MESMOS SÃO
ACUMULADOS DIMINUINDO A
CAPACIDADE DE ELIMINAÇÃO E
PODENDO CAUSAR REAÇÕES
ADVERSAS.
ACÚMULO DE METABOLÍTOS
INATIVOS
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA
CARACTERÍSTICA
DA DROGA
Via de administração
Droga tóxica
Tempo de eliminação
Seletividade do
fármaco
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
VIAS ENTERAIS
VIAS PARENTERAIS
VIAS RESPIRATÓRIAS
OUTRAS VIAS
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
VIAS ENTERAIS
VIAS PARENTERAIS
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
TOXIDADE DA DROGA
AVALIAR A TOXIDADE DA DROGA AO ÓRGÃO
ENVOLVIDO NA FARMACOCINÉTICA DO FÁRMACO.
FÁRMACOS TÓXICOS AO ESTÔMAGO NÃO
DEVEM SER INDICADOS A PACIENTES
COM GASTRITE.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
TEMPO DE ELIMINAÇÃO
AVALIAÇÃO DO TEMPO DE
ELIMINAÇÃO ( COMPLETO ) DOS
FÁRMACOS, E UM NOVO AUMENTO
DO NÍVEL TERAPÊUTICO DEVEM SER
AVALIADOS
Fármacos que possuem tempo de
eliminação de 12/12horas, e é
preciso aumentar o nível
terapêutico, passamos a administrar
de 8/8 horas.
Sempre devemos obedecer o
tempo de eliminação para fazer
nova administração.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
SELETIVIDADE DOS FÁRMACOS
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
Concentração terapêutica
Desenvolvimento da
farmacologia
Farmacologia e suas vertentes
Divisão da farmacologia
Consulta inicial - Identificando
o nosso paciente.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
IDENTIFICANDO O PACIENTE
“CONSULTA INICIAL"
ANAMNESE
EXAME FÍSICO
AVALIAÇÃO DOS SINAIS VITAIS
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM
FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
ASA PS
Academia Americana de
Anestesiologia
Estado Físico - “ Physical status "
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
Paciente não apresenta nenhuma
anormalidade. Mostra pouca ou
nenhuma ansiedade, sendo capaz de
tolerar o estresse ao tratamento
dentário, com risco mínimo de
complicações.
Exclui pacientes muito jovens e
muito idosos.
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
Portador de doença sistêmica
moderada, ou menor tolerância que
ASA I, por apresentar maior grau de
ansiedade ou medo ao tratamento
odontológico.
Apesar de maior ansiedade apresenta
risco mínimo ao tratamento odontológico.
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
CONDIÇÕES
Paciente extremamente ansioso, com história de episódios de
mal - estar ou desmaio na clínica
Paciente com mais de 65 anos
Obesidade moderada
Primeiros dois trimestres de gestação
Hipertensão arterial controlada com medicação
Diabético tipo II, controlado por dieta e medicamentos
Portador de distúrbios convulsivos, controlados com medicação
Asmático, que ocasionalmente usa broncodilatador em aerosol.
Tabagista , sem doença pulmonar obstrutiva
Anginal estável, assintomática, exceto em extremas condições
de estresse.
Paciente com história de infarto do miocárdio, ocorrido há mais
de 6 meses , sem apresentar sintomas.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
Paciente portador de doença
sistêmica severa, que limita suas
atividades.
Tratamento odontológico não está contra
indicado, porém com maior risco.
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
CONDIÇÕES
Obesidade mórbida
Último trimestre de gestação
Diabético tipo I ( que faz uso de insulina ), com a doença
controlada.
Hipertensão arterial na faixa de 160-194 a 95-99mmHg.
História de episódios frequentes de angina do peito,
apresentando sintomas após exercícios leves
Insuficiência cardíaca congestiva, com inchaço de tornozelos.
Doença pulmonar obstrutiva crônica ( enfisema ou bronquite
crônica)
Episódios frequentes de convulsão ou crise asmática
Paciente sob quimioterapia.
Hemofilia
História de infarto do miocárdio, ocorrido há mais de 6 meses,
mas ainda com sintomas.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
Paciente acometido de doença sistêmica
severa, que está sob constante risco de
morte, ou seja, apresenta problemas
médicos de grande importância para o
planejamento odontológico.
Dê preferência dos procedimentos
eletivos na odontologia devem ser
postergados.
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
Quando da indicação de endodontia
e periodontia, a intervenção deverá
ser HOSPITALAR.
Dê preferência dos procedimentos
eletivos na odontologia devem ser
postergados.
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
CONDIÇÕES
Pacientes com dor no peito ou falta de ar, enquanto
sentados , sem atividade.
Incapazes de andar ou subir escadas.
Pacientes que acordam durante a noite com dor no peito
ou falta de ar
Pacientes com angina que estão piorando, mesmo com a
medicação.
História de infarto do miocárdio ou de acidente vascular
encefálico no período dos últimos 6 meses, com pressão
arterial maior que 200/100mmHg.
Pacientes que necessitam da administração suplementar
de oxigênio , de forma contínua.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
ASA I
ASA II
ASA III
ASA IV
ASA V
Paciente com morte cerebral
declarada, cujos órgãos serão
removidos com propósito de doação.
NÃO HÁ INDICAÇÃO DE TRATAMENTO
ODONTOLÓGICO.
CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO
ESTADO FÍSICO.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA
CONDIÇÕES
Pacientes com dor no peito ou falta de ar, enquanto
sentados , sem atividade.
Incapazes de andar ou subir escadas.
Pacientes que acordam durante a noite com dor no peito
ou falta de ar
Pacientes com angina que estão piorando, mesmo com a
medicação.
História de infarto do miocárdio ou de acidente vascular
encefálico no período dos últimos 6 meses, com pressão
arterial maior que 200/100mmHg.
Pacientes que necessitam da administração suplementar
de oxigênio , de forma contínua.
DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em OdontologiaSlide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Thiago Miranda
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
anafreato
 
Anestésicos locais
Anestésicos locaisAnestésicos locais
Anestésicos locais
Dr.João Calais.:
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Inflamacao e dor
Inflamacao e dorInflamacao e dor
Inflamacao e dor
Rafael Nobre
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
Renato Santos
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
profguilhermeterra
 
Farmacologia digestório
Farmacologia digestórioFarmacologia digestório
Farmacologia digestório
Leonardo Souza
 
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Guilherme Terra
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
Leonardo Souza
 
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
Lucas Almeida Sá
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Anderson Santana
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
Rayssa Mendonça
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
josi uchoa
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 

Mais procurados (20)

Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em OdontologiaSlide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 
Anestésicos locais
Anestésicos locaisAnestésicos locais
Anestésicos locais
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Inflamacao e dor
Inflamacao e dorInflamacao e dor
Inflamacao e dor
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
 
Farmacologia digestório
Farmacologia digestórioFarmacologia digestório
Farmacologia digestório
 
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 

Semelhante a 2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )

FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
ArtthurPereira2
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
LanaMonteiro8
 
Aula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoidesAula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoides
Karen Ferreira
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
profedusoares
 
AULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.pptAULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.ppt
SuaMeKksh
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
GustavoWallaceAlvesd
 
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdfFarmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
VIDRAARIAVIDROLUX
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
BruceCosta5
 
Farmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdfFarmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdf
FabianaAlessandro2
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Sidney Arcanjo
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Sidney Arcanjo
 
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagemNoções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
EloiVasconcelos2
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Aula sobre a Introdução a farmacologia.pptx
Aula sobre a Introdução a farmacologia.pptxAula sobre a Introdução a farmacologia.pptx
Aula sobre a Introdução a farmacologia.pptx
drivedolulu2006
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
marigrace23
 
Farmacologia geral
Farmacologia geralFarmacologia geral
Farmacologia geral
Rosangela Helena Sizilio
 
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
BruceCosta4
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
paulosa14
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Semelhante a 2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf ) (20)

FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
 
Aula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoidesAula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoides
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
 
AULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.pptAULA REVISANDO HOJE.ppt
AULA REVISANDO HOJE.ppt
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdfFarmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
Farmacologia 1A - Conceitos Fundamentais (RESUMO).pdf
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
 
Farmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdfFarmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdf
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
 
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagemNoções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
Aula sobre a Introdução a farmacologia.pptx
Aula sobre a Introdução a farmacologia.pptxAula sobre a Introdução a farmacologia.pptx
Aula sobre a Introdução a farmacologia.pptx
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Farmacologia geral
Farmacologia geralFarmacologia geral
Farmacologia geral
 
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
1a-160811025642.pptx brucefsedfffeddddddddd
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 

Mais de Marcelo Gomes

Patologias das glândulas salivares 2
Patologias das glândulas salivares  2Patologias das glândulas salivares  2
Patologias das glândulas salivares 2
Marcelo Gomes
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
Marcelo Gomes
 
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo GomesOdontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Marcelo Gomes
 
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2
Marcelo Gomes
 
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1 Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Marcelo Gomes
 
Disciplina de metodologia do trabalho científico
Disciplina de metodologia do trabalho científicoDisciplina de metodologia do trabalho científico
Disciplina de metodologia do trabalho científico
Marcelo Gomes
 

Mais de Marcelo Gomes (6)

Patologias das glândulas salivares 2
Patologias das glândulas salivares  2Patologias das glândulas salivares  2
Patologias das glândulas salivares 2
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo GomesOdontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
Odontologia UNIEURO - Disciplina de cirurgia Prof. Marcelo Gomes
 
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE 2
 
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1 Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
 
Disciplina de metodologia do trabalho científico
Disciplina de metodologia do trabalho científicoDisciplina de metodologia do trabalho científico
Disciplina de metodologia do trabalho científico
 

2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )

  • 1. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA INTRODUÇÃO A FARMACOLOGIA APLICADA A CLÍNICA DE ODONTOLOGIA Prof. Dr. Marcelo S. Gomes Doutor em Odontologia
  • 2. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA Prof. Dr. Marcelo S. Gomes Cirurgião dentista Doutor , Mestre e Especialista em Ortodontia e Ortopedia facial. Professor de cirurgia e periodontia - UNIEURO DF Coordenador “Especialização ortodontia” UNIUBE MG / UNIABO DF / UNIP DF Professor MESTRADO - UNIUBE MG Professor de Farmacologia - UNIEURO DF
  • 3. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Dê acordo com a dose ou via de administração trará um efeito TÓXICO ou MEDICAMENTOSO
  • 4. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Aplicada a clínica de odontologia A utilização dos fármacos no auxílio ao tratamento das infecções e patologias bucais. A utilização dos fármacos na prevenção das doenças das infecções e patologias bucais Terapia prévia a procedimentos invasivos em odontologia
  • 5. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Droga: Substância química capaz de modificar a função dos organismos vivos,com finalidade medicamentosa ou sanitária. F á r m a c o : D e s i g n a u m a substância química conhecida e de estrutura química definida d o t a d a d e p r o p r i e d a d e farmacológica.
  • 6. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Droga: Substância química capaz de modificar a função dos organismos vivos,com finalidade medicamentosa ou sanitária. LICÍTA INLICÍTA
  • 7. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Medicamento: Produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado: Finalidade profilática, Curativa P a l i a t i v a o u p a r a fi n s d e diagnóstico.
  • 8. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Forma farmacêutica: É a forma de como o medicamento se apresenta: Comprimido Cápsula Injetáveis, etc..
  • 9. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Remédio: Substância animal, vegetal,mineral ou sintética; procedimentos: Ginástica Massagem Acupuntura Banhos Fé ou crença; usados com intenção benéfica.
  • 10. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Placebo: Tudo o que é feito com intenção benéfica para aliviar o sofrimento: fármaco/medicamento/droga/ remédio ( em concentração pequena ou mesmo na sua ausência. “não apresenta princípio ativo”
  • 11. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Medicamento ético ou de referência: Sua principal função é servir de p a r â m e t ro s p a r a re g i s t ro s d o s posteriores medicamentos similares e genéricos, quando sua patente expirar. Medicamento genérico: É um medicamento com a mesma substância ativa, forma farmacêutica e dosagem e com a mesma indicação que o medicamento origina ( de marca ).
  • 12. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Medicamento similar: É o medicamento autorizado a ser produzido após prazo d a p a t e n t e d e f a b r i c a ç ã o d o medicamento de referência ou inovador ter vencido.
  • 13. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Dose letal 50: A concentração de uma substância química capaz de matar 50% da população de animais testados. A dose mede-se em ml (miligrama) de substância por cada quilograma (Kg) de massa corporal do animal testado. ESTUDO DA TOXICIDADE DO FÁRMACO EM ANIMAIS.
  • 14. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Biodisponibilidade: É uma medida da extensão de uma droga terapeuticamente ativa que atinge a circulação sistêmica e está disponível no local de ação. CAPACIDADE DO FÁRMACO ATINGIR UMA CONCENTRAÇÃO MÍNIMA NA CORRENTE SANGUÍNEA
  • 15. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Bioequivalência: É um termo utilizado para avaliar a equivalência biológica esperada in vivo de duas preparações diferentes de um medicamento. Se dois m e d i c a m e n t o s s ã o d i t o s s e r bioequivalentes , isso significa que se espera que eles sejam, para todas as intenções e propostas iguais. Dois fármacos que diminuem a dor ( analgesia ) podem ser definidos como bioequivalência.
  • 16. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA P o s o l o g i a : É o m o d o c o m o o medicamento deve ser administrado Meia-vida: É o tempo necessário para que metade de uma substância seja removida do organismo por um processo químico ou físico. Posologia - qual concentração / qual o intervalo de administração / qual via … encontramos nas bulas dos fármacos. Meia vida plasmática = O tempo que vai desde a administração do fármaco até ele ter metade de sua concentração máxima. ADMINISTRA - METABOLIZA - ELIMINA.
  • 17. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Especificidade: Capacidade de um fármaco reconhecer apenas um receptor. Afinidade: Tendência de um fármaco se ligar ao seu receptor. Eficácia: Tendência de um fármaco , uma vez ligado, ativar o seu receptor.
  • 18. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Agonistas: Substâncias que causam alterações na função celular, produzindo vários tipos de efeitos. Antagonistas: Substância que se liga ao receptor sem causar ativação impedindo consequentemente a ligação do agonista. Agonistas ligam no receptor produz efeito, e antagonistas ligam nos receptores e não produzem efeito.
  • 20. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Antagonista competitivo reversível: Haverá a ligação do fármaco aos receptores da célula, porém eles se desligam. Antagonista competitivo irreversível: Haverá a ligação do fármaco aos receptores da célula, porém eles não se desligam.
  • 21. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA O efeito de um fármaco é diminuído ou totalmente abolido na presença de outro fármaco. ANTAGONISMO POR BLOQUEIO DOS RECEPTORES: Antagonismo competitivo reversível e o antagonismo irreversível. ANTAGONISMO QUÍMICO: Duas substâncias se combinam em solução e uma anula o efeito farmacológico da outra. Ex.: Queilantes. ANTAGONISMO FARMACOCINÉTICO: Quando uma droga diminui o efeito de outra droga no sítio, afetando a absorção, o metabolismo ou a excreção do outro fármaco.
  • 22. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Dessensibilização: Diminuição do efeito de um fármaco que ocorre gradualmente quando administrado de modo contínuo ou repetidamente. Fármaco perde seu efeito pelo uso contínuo ou metabolização, devendo ser aumentado sua dose ou trocado o fármaco.
  • 23. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Dessensibilização: Diminuição do efeito de um fármaco que ocorre gradualmente quando administrado de modo contínuo ou repetidamente. Perda de receptores Aumento do metabolismo do fármaco Exaustão de mediadores- vias metabólicas Adaptação fisiológica
  • 24. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Idéia sobre: Estrutura Indicação Interação Sintetizado e testado em células ( in vitro ) e animais ( in vivo ) Indivíduos Populações
  • 27. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Concentração terapêutica Desenvolvimento da farmacologia Farmacologia e suas vertentes Prescrição em odontologia Consulta inicial - Identificando o nosso paciente.
  • 28. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Concentração terapêutica Desenvolvimento da farmacologia Farmacologia e suas vertentes Prescrição em odontologia Consulta inicial - Identificando o nosso paciente.
  • 29. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA IT: Índice terapêutico Concentrações de efeito mínimo eficaz ( limite mínimo ) e efeito tóxico ( concentração máxima tolerada, limite máximo ) INSUFICIENTE ADEQUADO EXCESSO SÍTIO DE AÇÃO / RECEPTORES Doses e Intervalo de administração Janela terapêutica
  • 30. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA JANELA TERAPÊUTICA
  • 32. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Concentração terapêutica Desenvolvimento da farmacologia Farmacologia e suas vertentes Prescrição em odontologia Consulta inicial - Identificando o nosso paciente.
  • 33. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA HISTÓRICO DA FARMACOLOGIA
  • 35. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA DESENVOLVIMENTO DA FARMACOLOGIA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS QUÍMICA INDUSTRIALIZAÇÃO E COMÉRCIO Patologia Fisiologia Bioquímica Biologia molecular “Genes” Produtos naturais Estruturas químicas Química sintética Manipulação de planta Industria farmacêutica Fármaco sintético Biofarmacêutica Nanofarmacêutica CIÊNCIA E PESQUISA = INDUSTRIA = COMÉRCIO
  • 36. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Porque estudar a farmacologia aplicada ?
  • 37. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Necessidade de obter a máxima eficiência do fármaco. Escolha do fármaco mais adequado Escolha da via de administração mais adequada Interações medicamentosas Intervenções profiláticas Prescrever com competência e conhecimento. Obter um protocolo seguro de medicamentos Porque estudar a farmacologia aplicada ? O QUE POSSO ? QUANDO ? COMO ? PRESCREVER
  • 38. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO EFETIVIDADE SEGURANÇA SELETIVIDADE REVESIBILIDADE FÁCIL ADMINISTRAÇÃO MÍNIMAS INTERAÇÕES ISENTA DE REAÇÕES ADVERSOS.
  • 39. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO EFETIVIDADE O F Á R M A C O D E V E R Á S E R EFICIENTE QUANDO LIGADO AO SEU RECEPTOR ESPECÍFICO PRODUZA UM EFEITO DESEJADO, O B T E N D O U M R E S U LTA D O ESPERADO A TERAPIA.
  • 40. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO SEGURANÇA O FÁRMACO DEVERÁ TER MENOS EFEITOS COLATERAIS POSSÍVEL. INCAPACIDADE OBITO
  • 41. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO SELETIVIDADE O FÁRMACO DEVERÁ TER SEU RECEPTOR O MAIS ESPECÍFICO POSSÍVEL.
  • 42. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO REVERSIBILIDADE CAPACIDADE DE SEU EFEITO SER REVERSÍVEL PELA AÇÃO DE ANTÍDOTOS ESPECÍFICOS.
  • 43. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO FÁCIL ADMINISTRAÇÃO A VIA DE ADMINISTRAÇÃO DEVERÁ SER DE FÁCIL REALIZAÇÃO - A PRATICIDADE LEVA A EFICIÊNCIA DO FÁRMACO ELETIVOS NA ODONTOLOGIA.
  • 44. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO MÍNIMAS INTERAÇÕES O FÁRMACO DEVE INTERAGIR O M E N O S P O S S Í V E L C O M ALIMENTOS, BEBIDAS, E OUTROS FÁRMACOS QUE PODEM SER ADMINISTRADOS EM CONJUNTO.
  • 45. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FÁRMACO PERFEITO ISENTO DE REAÇÕES ADVERSAS N O V A M E N T E E N T R E A SELETIVIDADE ESPECIFICIDADE
  • 46. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA LIGAÇÃO DAS MOLÉCULAS DO FÁRMACO A CÉLULAS Um fármaco não vai funcionar a não ser que ele esteja ligado .
  • 47. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA LIGAÇÃO DAS MOLÉCULAS DO FÁRMACO A CÉLULAS O fármaco deve se ligar a uma molécula constituinte da célula
  • 48. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA MOLÉCULAS ALVO - PROTEÍNAS REGULADOREAS
  • 49. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ESPECIFICIDADE Para que haja interatividade, as moléculas do fármaco devem ser específicas para que atinja seu efeito nas células. A quantidade de mediadores dos fármacos são infinitamente menores que os receptores das células.
  • 50. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ESPECIFICIDADE As moléculas do fármaco vão selecionar quais moléculas elas vão se ligar. Por outro lado, os receptores celulares não identificam alguns fármacos “ específicos”. A ESPECIFICIDADE É RECÍPROCA ENTRE OS FÁRMACOS E AS CELULAS.
  • 51. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ESPECIFICIDADE OS EFEITOS COLATERAIS SÃO QUANDO OS FÁRMACOS ADEREM A MOLÉCULAS NÃO ESPECÍFICAS, CAUSANDO EFEITOS INDESEJADOS. QUANTO MAIOR A CONCENTRAÇÃO DO FÁRMACO, MAIOS O EFEITO INDESEJADO.
  • 54. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Concentração terapêutica Desenvolvimento da farmacologia Farmacologia e suas vertentes Prescrição em odontologia Consulta inicial - Identificando o nosso paciente.
  • 55. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA FARMACOGENÉTICA: Estudo das influências genéticas sobre a ação dos fármacos. FARMACOGENÔMICA: Este novo termo superpõe-se à farmacogenética, descrevendo o uso da informação genética para orientar a escolha da terapia farmacológica “ INDIVIDUALIZADA” .
  • 56. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA FARMACOEPIDEMIOLOGIA : É o estudo dos efeitos dos fármacos em nível populacional. Diferente etnias / diferentes constituições GENÉTICAS / diferentes respostas medicamentosas aos fármacos.
  • 57. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA FARMACOEPIDEMIOLOGIA : É o estudo dos efeitos dos fármacos em nível populacional. BRANCOS NEGROS ASIÁTICOS CRIANÇAS JOVENS ADULTOS IDOSOS SUL NORTE NORDESTE SUDESTE
  • 58. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA FARMACOTÉCNICA: Estuda a preparação de fármacos TOXICOLOGIA: É o ramo que estuda os efeitos colaterais dos fármacos CRONOFARMACOLOGIA: Estuda o horário ( periodicidade ) em que o remédio deve ser administrado IMUNOFARMACOLOGIA: Estuda a ação dos fármacos sobre o sistema imune
  • 59. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SEGMENTOS DA FARMACOLOGIA FARMACOCINÉTICA: Consiste nas etapas de absorção, distribuição, metabolismo e excreção ou eliminação do fármaco. FARMACODINÂMICA: Efeitos bioquímicos, físicos e mecanismos de ação dos fármacos. FARMACOTERAPIA : Uso terapêutico dos fármacos.
  • 60. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FASES FARMACOLÓGICAS Fase Farmacêutica FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA
  • 62. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Concentração terapêutica Desenvolvimento da farmacologia Farmacologia e suas vertentes Prescrição em odontologia Consulta inicial - Identificando o nosso paciente.
  • 63. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA CARACTERÍSTICAS FISIOLÓGICAS Idade Sexo Peso Gestação
  • 64. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA IDADE ? JOVENS ADULTOS IDOSOS CRIANÇAS RECEM NASCIDOS IMATURIDADE FISIOLÓGICA PARA ABSORÇÃO E ELIMINAÇÃO DOS FÁRMACOS ESCASSES DE ENZIMAS PARA METABOLIZAÇÃO DOS FÁRMACOS.
  • 65. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SEXO ? Apresentam composições bioquímicas diferentes, o que faz a farmacocinética ( absorção / metabolização / mecanismo de ação / eliminação ) ser diferente .
  • 66. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA PESO ? QUANTIDADE DE TECIDO ALTERA A CAPACIDADE DE ADSORSÃO Por isto alguns fármacos são administrados seguindo uma posologia - ml/Kg .
  • 67. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA GESTAÇÃO ? ALGUNS FÁRMACOS ATRAVESSAM A BARREIRA PLACENTÁRIA E VÃO ATINGIR O BEBÊ, QUE NÃO POSSUI MATURIDADE BIOQUÍMICA E METABÓLICA PARA RECEBER TAIS FÁRMACOS.
  • 68. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA HÁBITOS DO PACIENTE Fumo Álcool PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA
  • 69. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA FUMO ? A INGESTÃO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E TABAGISMO ALTERAM ALGUMAS ENZIMAS IMPORTANTES AO METABOLISMO DOS FÁRMACOS. EM SITUAÇÃO DE USO CRÔNICO PODEM LESAR TECIDOS IMPORTANTES PARA O METABOLISMO DOS FÁRMACOS - Pulmão / Rins / Figado.
  • 72. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA DOENÇAS Insuficiência renal Insuficiência hepática
  • 73. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA INSUFICIÊNCIA RENAL CAPACIDADE REDUZIDA DE ELIMINAR OS FÁRMACOS, ACUMULANDO OS METABÓLITOS PODENDO CAUSAR REAÇÕES ADVERSAS AO ORGANISMO
  • 74. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA INCAPACIDADE DE METABOLIZAR OS FÁRMACOS, OS MESMOS SÃO ACUMULADOS DIMINUINDO A CAPACIDADE DE ELIMINAÇÃO E PODENDO CAUSAR REAÇÕES ADVERSAS. ACÚMULO DE METABOLÍTOS INATIVOS
  • 75. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA PRESCRIÇÃO EM ODONTOLOGIA CARACTERÍSTICA DA DROGA Via de administração Droga tóxica Tempo de eliminação Seletividade do fármaco
  • 76. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA VIAS ENTERAIS VIAS PARENTERAIS VIAS RESPIRATÓRIAS OUTRAS VIAS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  • 77. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA VIAS ENTERAIS VIAS PARENTERAIS
  • 78. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA TOXIDADE DA DROGA AVALIAR A TOXIDADE DA DROGA AO ÓRGÃO ENVOLVIDO NA FARMACOCINÉTICA DO FÁRMACO. FÁRMACOS TÓXICOS AO ESTÔMAGO NÃO DEVEM SER INDICADOS A PACIENTES COM GASTRITE.
  • 79. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA TEMPO DE ELIMINAÇÃO AVALIAÇÃO DO TEMPO DE ELIMINAÇÃO ( COMPLETO ) DOS FÁRMACOS, E UM NOVO AUMENTO DO NÍVEL TERAPÊUTICO DEVEM SER AVALIADOS Fármacos que possuem tempo de eliminação de 12/12horas, e é preciso aumentar o nível terapêutico, passamos a administrar de 8/8 horas. Sempre devemos obedecer o tempo de eliminação para fazer nova administração.
  • 80. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA SELETIVIDADE DOS FÁRMACOS
  • 82. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA Concentração terapêutica Desenvolvimento da farmacologia Farmacologia e suas vertentes Divisão da farmacologia Consulta inicial - Identificando o nosso paciente.
  • 83. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA IDENTIFICANDO O PACIENTE “CONSULTA INICIAL" ANAMNESE EXAME FÍSICO AVALIAÇÃO DOS SINAIS VITAIS CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 84. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO. ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V ASA PS Academia Americana de Anestesiologia Estado Físico - “ Physical status "
  • 85. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO. ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V
  • 86. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V Paciente não apresenta nenhuma anormalidade. Mostra pouca ou nenhuma ansiedade, sendo capaz de tolerar o estresse ao tratamento dentário, com risco mínimo de complicações. Exclui pacientes muito jovens e muito idosos. CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 87. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V Portador de doença sistêmica moderada, ou menor tolerância que ASA I, por apresentar maior grau de ansiedade ou medo ao tratamento odontológico. Apesar de maior ansiedade apresenta risco mínimo ao tratamento odontológico. CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 88. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA CONDIÇÕES Paciente extremamente ansioso, com história de episódios de mal - estar ou desmaio na clínica Paciente com mais de 65 anos Obesidade moderada Primeiros dois trimestres de gestação Hipertensão arterial controlada com medicação Diabético tipo II, controlado por dieta e medicamentos Portador de distúrbios convulsivos, controlados com medicação Asmático, que ocasionalmente usa broncodilatador em aerosol. Tabagista , sem doença pulmonar obstrutiva Anginal estável, assintomática, exceto em extremas condições de estresse. Paciente com história de infarto do miocárdio, ocorrido há mais de 6 meses , sem apresentar sintomas.
  • 89. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V Paciente portador de doença sistêmica severa, que limita suas atividades. Tratamento odontológico não está contra indicado, porém com maior risco. CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 90. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA CONDIÇÕES Obesidade mórbida Último trimestre de gestação Diabético tipo I ( que faz uso de insulina ), com a doença controlada. Hipertensão arterial na faixa de 160-194 a 95-99mmHg. História de episódios frequentes de angina do peito, apresentando sintomas após exercícios leves Insuficiência cardíaca congestiva, com inchaço de tornozelos. Doença pulmonar obstrutiva crônica ( enfisema ou bronquite crônica) Episódios frequentes de convulsão ou crise asmática Paciente sob quimioterapia. Hemofilia História de infarto do miocárdio, ocorrido há mais de 6 meses, mas ainda com sintomas.
  • 91. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V Paciente acometido de doença sistêmica severa, que está sob constante risco de morte, ou seja, apresenta problemas médicos de grande importância para o planejamento odontológico. Dê preferência dos procedimentos eletivos na odontologia devem ser postergados. CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 92. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V Quando da indicação de endodontia e periodontia, a intervenção deverá ser HOSPITALAR. Dê preferência dos procedimentos eletivos na odontologia devem ser postergados. CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 93. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA CONDIÇÕES Pacientes com dor no peito ou falta de ar, enquanto sentados , sem atividade. Incapazes de andar ou subir escadas. Pacientes que acordam durante a noite com dor no peito ou falta de ar Pacientes com angina que estão piorando, mesmo com a medicação. História de infarto do miocárdio ou de acidente vascular encefálico no período dos últimos 6 meses, com pressão arterial maior que 200/100mmHg. Pacientes que necessitam da administração suplementar de oxigênio , de forma contínua.
  • 94. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA ASA I ASA II ASA III ASA IV ASA V Paciente com morte cerebral declarada, cujos órgãos serão removidos com propósito de doação. NÃO HÁ INDICAÇÃO DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO. CLASSIFICAÇÃO DO PACIENTE EM FUNÇÃO DO ESTADO FÍSICO.
  • 95. DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA APLICADA CONDIÇÕES Pacientes com dor no peito ou falta de ar, enquanto sentados , sem atividade. Incapazes de andar ou subir escadas. Pacientes que acordam durante a noite com dor no peito ou falta de ar Pacientes com angina que estão piorando, mesmo com a medicação. História de infarto do miocárdio ou de acidente vascular encefálico no período dos últimos 6 meses, com pressão arterial maior que 200/100mmHg. Pacientes que necessitam da administração suplementar de oxigênio , de forma contínua.