SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Ensino de Ciências
                      e Educação Infantil
                           Russel Teresinha Dutra da Rosa


                    Princípios da área de ensino de ciências


        O ensino de ciências na educação infantil acontece preferencialmente
integrado às demais áreas de conhecimento, proporcionando, através dos co-
nhecimentos acumulados, teorias, metodologias e instrumentos da área, uma
riqueza de possibilidades de exploração do mundo realizada pelas crianças. Muitos
dos temas enfocados por esta área, são temas de interesse das crianças sobre os
quais elas já vêm se perguntando e construindo concepções e representações,
sendo fundamental, ao planejarmos qualquer atividade envolvendo conhecimentos
da área de ciências, criar oportunidades para que as crianças interajam com
diferentes materiais e expressem suas concepções, representações e hipóteses
explicativas. Nesses momentos, através de diferentes materiais, é possível ampliar
interesses e fornecer informações adicionais. Uma postura desejável no ensino de
ciências é a de encorajar as crianças a realizar testes e expor suas dúvidas sobre
os temas abordados.
        O ensino de ciências pode propiciar o contato com a diversidade de formas
de vida e de ambientes, bem como com as necessidades e condições necessárias à
sobrevivência das diferentes espécies de seres vivos, procurando-se incluir a
espécie humana entre as demais espécies e superar visões utilitaristas e
antropocêntricas de natureza. Isto é, olhar para os seres vivos procurando ver suas
estratégias de sobrevivência ao invés de considerá-Ios em função dos interesses e
valores da espécie humana. O ensino precisa superar classificações simplistas de
elementos da natureza como úteis ou nocivos aos seres humanos, ou como
recursos naturais a serem explorados.
        Outro aspecto importante a ser considerado ao trabalharmos com temas
das ciências é a busca permanente de informações, o desassossego. Em ciência,
as verdades são provisórias, são revistas de tempos em tempos, portanto,
precisamos tomar cuidado com expressões como "tal fato foi comprovado
cientificamente". Somente podemos afirmar que um conjunto de experimentos e
observações realizadas rigorosamente, do ponto de vista científico, evidencia que
tal explicação pode ser aceita hoje. Isso significa que em se tratando de
conhecimento científico não existem explicações definitivas, eternas, absolutas, o
que existem são verdades provisórias que são aceitas e válidas pela comunidade
científica, durante um período histórico, mas que estão sujeitas a transformações
devido ao avanço dos estudos e ao desenvolvimento tecnológico. Portanto, os
conhecimentos têm uma história e o que consideramos correto hoje, como por
exemplo, o fato da terra girar em tomo do sol, não era considerado correto há 500
anos atrás pelos cientistas.
         Uma das grandes dificuldades do trabalho com a área de ciências é o
excesso de nomenclatura científica, de conceitos e definições encontrados nos
manuais didáticos, em detrimento de explicações dobre os fenômenos da natureza.
Por esta razão, as informações devem ser buscadas em outras fontes, além dos
livros didáticos, como por exemplo notícias de jornais e revistas. Além disso, na
educação infantil, é fundamental que os temas sejam abordados de forma lúdica
através de jogos simbólicos, do "faz de conta", de personagens da literatura e da
televisão e etc.., por esta razão é fundamental utilizarmos e confeccionarmos
materiais alternativos para o desenvolvimento de projetos com as crianças.
Trabalhar com a fantasia e a imaginação, mas também com a observação, as
comparações, as medidas e os registros escritos, os desenhos, as modelagens, as
colagens e etc..
         Em suma, a criança para construir conhecimentos precisa agir, perguntar,
ler o mundo, olhar imagens, criar relações, testar hipóteses e refletir sobre o que faz
de modo a reestruturar o pensamento permanentemente.


Alguns princípios da educação infantil


         O conhecimento, bem como as regras e os valores são construídos pela
ação sobre o meio físico e social, cabendo, ao adulto, oportunizar a ocorrência de
situações interativas em que a criança precise tomar decisões, fazer escolhas,
expressar pontos de vista e fazer trocas no sentido de desenvolver a autonomia e a
cooperação. Entretanto os processos pedagógicos não se restringem à realização
de atividades, sendo fundamental a realização de reflexões sobre as atividades
cotidianas.
         É parte dos processos de ensino-aprendizagem a investigação das
concepções e representações das crianças, considerando-se as características da
faixa etária e as especificidades socioculturais do grupo e os ritmos de cada
indivíduo. Para isso é fundamental que o adulto observe, interprete e registre as
ações e as reações das crianças com a finalidade de descobrir o que é significativo
para elas e as lógicas de suas práticas cotidianas.
         O trabalho pedagógico na educação infantil diferencia-se de acordo com a
faixa etária e o processo de construção progressiva de autonomia por parte da
criança. As atividades dedicadas a crianças de zero a um ano precisam considerar
a grande dependência das crianças em relação ao adulto e, portanto, a necessidade
de interações individualizadas adulto-criança, nos momentos de explorar o próprio
corpo através de movimentos e da experiência de diferentes sensações no contato
com os objetos. Nessa fase inicial o ambiente precisa ser aconchegante, mas
apresentar, também, alguns desafios através da diversidade de materiais que irão
mediar a relação e as brincadeiras entre o adulto e a criança. Um exemplo é
descoberta de brinquedos que possibilitem formas variadas de interações dentro de
um saco de retalhos ou dentro de uma caixa fechada como panos, bolsas, bolas,
argolas, cubos, fantasias, sapatos e etc..
         As crianças de um a dois anos já poderão participar de algumas atividades
em grupo, mas ainda têm necessidade de muita atenção individualizada por parte
do adulto. Nessa fase, é fundamental pensar em atividades que proporcionem o
desenvolvimento motor e o desenvolvimento da linguagem como, por exemplo,
imitar os movimentos e os sons produzidos por diferentes animais. Aqui, o adulto
precisa estar muito atento para o significado da fala das crianças que se confunde
com as ações e os gestos. Ainda é importante considerar que o tempo de
concentração em cada atividade é muito pequeno, sendo necessário, portanto, uma
variedade de propostas na rotina cotidiana.
         De dois a quatro anos, iniciam os jogos simbólicos, as brincadeiras de faz-
de-conta e uma maior desenvoltura motora das crianças para a exploração do
ambiente e dos objetos. Nessa fase já é possível organizar as primeiras rodinhas
para comunicação e representação como, por exemplo, fazer mímicas para imitar
outros seres vivos, além de desenhar, pintar, modelar, ler histórias infantis, ouvir e
cantar algumas músicas. Nessa fase as crianças começam a tomar algumas
decisões por conta própria como escolher alimentos e roupas e, também, se
alimentar e se vestir sozinhas.
         Nessa época, as crianças começam a se dar conta das diferenças entre as
coisas mesmas e as suas representações através de desenhos, histórias e etc.. A
interação da criança com o mundo se dá, portanto, no plano da ação e no plano
simbólico, através da fala, do jogo e da imitação. A passagem do plano da ação
para o plano da representação se dá através da linguagem. As representações são
condições para as operações mentais. As ações são interiorizadas e reconstruídas
pelas representações. Ao tomar consciência das ações, o sujeito representa o real.
         Para isso é importante valorizar o faz de conta, as imitações, os desenhos,
as histórias, a fala, as narrativas e etc. Além disso, a autonomia se constitui através
da responsabilidade em realizar tarefas e em cumprir compromissos com o grupo.
Um espaço importante é o do planejamento coletivo, isto é, das decisões em grupo
sobre as atividades cotidianas.
         Dos quatro aos seis anos, é possível investir nas atividades cooperativas
que requerem negociações permanentes. Nesse período começam a se estabelecer
as regras de convivência, sendo o momento privilegiado para o desenvolvimento de
atividades a partir dos temas e metodologias oriundas das diferentes áreas de
conhecimento. Para tanto é importante a observação dos interesses e das
necessidades das crianças, através da oferta de materiais variados e da proposição
de atividades diferentes simultaneamente para que as crianças possam realizar
algumas escolhas. Aqui a atividade simbólica começa a complexificar-se nas
brincadeiras de faz-de-conta e nas dramatizações. Também é possível propor jogos
não competitivos e atividades de leitura e escrita de obras de literatura, de imagens,
de músicas e etc.
         É importante considerar que a diferenciação entre o desenho e a escrita
começa a ser construída nessa época. Além disso, a escrita assim como a fala é
aprendida pela exposição a situações comunicativas, por isso é desejável
proporcionar o contato das crianças com diferentes textos escritos na fase pré-
escolar para que percebam as diferenças de estilo entre a linguagem oral e a escrita
e entre os diferentes textos escritos. Para ler, as crianças devem utilizar sua
experiência com o discurso de maneira a desenvolver estratégias que isolem o texto
do contexto de modo a reduzir o número de opções complexas que um texto de
leitura apresenta. Ler, portanto, é lidar com a linguagem como algo em si, como um
meio de expressar significados que são relativamente independentes do contexto
imediato.
         Em síntese, na educação infantil, as atividades devem ser planejadas com
o objetivo de atender as necessidades das crianças em suas diferentes fases de
desenvolvimento de modo a contribuir para os processos de construção de sua
autonomia.
         Face os princípios da área de ensino de ciências e alguns princípios da
educação infantil podemos pensar em algumas atividades que abordem espe-
cificamente temáticas e metodologias da área de ciências naturais.


Algumas possíveis atividades


        Objetivando desenvolver a capacidade das crianças de observar a
natureza, expressar suas concepções e registrá-Ias podem ser desenvolvidas
algumas atividades com obras da literatura infantil, músicas, vídeos, além, é claro,
da exploração do ambiente próximo à instituição educativa.
        Uma primeira sugestão consiste em apresentar para as crianças um "saco
surpresa" com objetos de diferentes materiais (plástico, papel, tecido, madeira,
metal e etc.) que permitam uma exploração táctil. Primeiramente, as crianças
podem ser instigadas a tentar imaginar ou adivinhar o que tem dentro do saco para,
logo a seguir, serem incentivadas, em um jogo, a tocar o saco por fora para
descobrir o que tem dentro. Nessa atividade, as crianças trabalham com outros
sentidos que não o sentido da visão, predominante nas atividades escolares. Elas
podem sacudir, ouvir os sons produzidos pelos objetos, cheirar e, finalmente, tocar
por dentro do saco com a finalidade de explorar texturas e identificar os objetos. O
grau de certeza sobre os objetos aumenta quando as crianças tocam por dentro do
saco. Isso pode ser discutido com elas.
        O saco surpresa pode também ser pensado como metáfora do encontro
entre professora e crianças. Não saber o que existe dentro do saco, o ainda não
dito, desperta o nosso interesse, nos deixa curiosos, excitados, permite soltar a
imaginação, bem como depositar nossas expectativas e também nossos medos lá
dentro. O saco pode, nesse sentido, representar nossas bagagens, nossas
experiências anteriores, nossos conhecimentos e nossos projetos.


Os bichos na literatura e na vida mesmo


        Dentro do saco pode ter um bicho de pelúcia ou um fantoche como, por
exemplo, um pato. Esse pode se transformar no "Patinho Feio". Feio ou diferente?
Agora imaginem que uma fada apareceu e transformou cada um de nós em patinho
feio. O que estamos sentindo? Durante essa atividade podemos nos colocar no
lugar de cada personagem: o lugar do "feinho", dos outros patinhos, da mãe, do pai
e da professora do patinho feio e, ao dramatizar as ações, descrever os sentimentos
de cada personagem.
        Para enriquecer esse trabalho dramático é importante a realização de
algumas investigações prévias. O que os patos comem? Como é a boca / bico dos
patos? Como são as patas? (refletir sobre as adaptações para alimentação e
locomoção) Como são os movimentos na água, no ar e na terra? São rápidos? São
barulhentos? Onde dormem? São ativos durante o dia ou durante a noite? Têm
hábitos diferentes no inverno e no verão? Vamos imitá-los? Como nascem os
filhotes? Quanto tempo acham que demoram para nascer os filhotes depois que a
pata coloca os ovos? Existem cuidados com os filhotes? Andam sozinhos ou em
bandos? Quem são os inimigos? Vocês sabiam que os patos são aves migratórias?
          Dentro do saco também pode ter um disco com uma música que conta a
história de um monstro que tem medo de princesas.


O MONSTRO
(Luis Tatit)


Era um monstro filho de uma monstra, desses grandes Deformado mas até que
bonitinho como monstro
É que prá gente, prá gente os padrões são outros Tinha muito pêlo pelo corpo
Umas manchas esverdeadas
Uns caroços, uns buracos
Mas também o que você pode esperar de um monstro Muita sensibilidade, isso que
importa
Criativo, um devorador de livros de estória
Não gostava de princesa, achava todas horrorosas Em compensação com os
monstros,
Como se identificava
E ele achava uma beleza as estórias só de monstros


Mas se pintava uma princesa: "Ai mamãe que medo!
Tire essa princesa.
Ela deve Ter um dente, mãe! TIra!"
Vocês vêem que é um monstro tipo mariquinhas pelo jeito Mas na verdade é a
super proteção da mamãe monstra
É que no fundo, no fundo ele bem que gosta: "Ai mamãe... "


Que medo!
Tire essa princesa,
Ela deve ter um dente, mãe! Tira!"


         A partir da audição da música, as crianças podem desenhar o monstro e
sua mãe. Imaginar o que ele come? Será que os filhotes de monstros comem as
mesmas coisas que os monstros adultos? Qual o seu tamanho? E que tamanho
tinha quando nasceu? Qual o tamanho dos pais? Ele tem irmãos? Do que ele
brinca? Ele tem cheiro? Ele tem dentes? Ele voa? Ele caminha? Ele se arrasta? Ele
pula? Quem são seus amigos? E seus inimigos? Como ele se defende? Do que ele
gosta? Como é a casa dele? Os monstros vivem sozinhos ou em grupos? Quanto
tempo ele demora para nascer? As crianças também podem montar um monstro de
sucata e tentar construir o ambiente onde ele vive.
         A música do monstro permite a continuidade da reflexão iniciada com o
patinho feio. É possível realizar uma discussão sobre padrões estéticos. Quando
dizemos que um animal é bonito ou feio, o comparamos, geralmente, com outros
animais e mobilizamos um conjunto de valores socioculturais, atribuindo
características humanas a esses seres. O que nos faz dizer que um cisne é ma_s
bonito que um pato, que uma princesa é mais bonita que um monstrinho ou, ainda,
que uma borboleta é mais bonita que uma lagarta são convenções e preconceitos
produzidos pela nossa cultura ao longo da história.
         Por outro lado, aquela música possibilita desencadear uma atividade de
observação da imensa diversidade dos' seres vivos, através da descrição e registro
das diferentes formas e adaptações para a sobrevivência existentes na natureza. As
questões anteriormente levantadas e as atividades sugeri das para a exploração do
pato e do monstro permitem o estudo de outros animais como borboletas, sapos,
formigas, baratas, galinhas, gatos e etc.. Tais estudos podem principiar pela leitura
de uma obra da literatura infantil como, por exemplo, "Quintino, o girino" ou "O
pintinho do vizinho". As crianças também podem se fantasiar, buscando caracterizar
os animais estudados. Basta um rabo e nasceu o gato. Com uma almofada nas
costas pode ser feito um casco de tartaruga ou uma corcova de camelo. Um pano
longo, como dois lençóis costurados e uma fila de crianças embaixo são suficientes
para inventarmos uma centopéia. Um lençol com um rabo e duas crianças e está
feita a "vaca louca" ou o "bumba meu boi", ou, ainda, uma "cabaninha" ou uma toca.
Uma caixa de papelão grandona é suficiente para montar um ninho de ratinhos ou
de passarinhos.
         Nesses estudos dos animais, conforme já foi mencionado, é importante
chamar a atenção das crianças para as estruturas adaptativas dos organismos para
alimentação, locomoção, proteção contra a dessecação, estratégias para fuga dos
inimigos ou estratégias para capturar os alimentos, abrigos e etc. Alguns exemplos
dessas adaptações são os diversos tipos de bicos dos pássaros adaptados para
comer pequenos insetos, peixes, grãos e etc.; as mandíbulas fortes dos felinos
adaptadas para hábitos carnívoros; o casco das tartarugas que garantem proteção;
os pequenos vermes que vivem enterrados ou sob as pedras para evitar a perda de
umidade por exposição ao sol; os ovos das aves protegidos por uma casca
resistente para evitar a perda de água, em comparação com a cobertura gelatinosa
dos ovos dos sapos, que são postos dentro da água; as asas das aves adaptadas
para o vôo; as patas de galinhas adaptadas para ciscar; as patas dos patos
adaptadas para o movimento dentro da água e etc.. Podem ainda ser investigadas
as estratégias de atração e aproximação para o acasalamento (estratégias de
corte). Os sapos e os passarinhos, por exemplo, cantam, o pavão exibe as penas
coloridas, algumas mariposas liberam escamas que têm um odor característico e
esse odor é captado por outras mariposas através das antenas. Podem ainda ser
observados e descritos os cuidados com os filhotes. As espécies que constróem
ninhos, aquelas em que os pais buscam alimento para os filhotes, aquelas em que
os filhotes têm uma alimentação específica como o leite e etc.
         Do trabalho a partir da música do monstro pode derivar, ainda, um trabalho
de investigação sobre os dinossauros. Aqui, é possível tratar de algumas
informações importantes para as ciências naturais como, por exemplo, o fato de os
dinossauros terem existido muito tempo antes de existirem macacos e seres
humanos, o fato de terem sido extintos, o fato de sabermos de sua existência no
passado através dos fósseis e etc.. As crianças podem ser instigadas a fazer
investigações através de questões do tipo: Como as pessoas souberam que os
dinossauros eram assim? O que pensamos, o que queremos saber, o que estamos
descobrindo?
         O trabalho com animais pode aproveitar imagens de documentários, de
livros e revistas com a finalidade de caracterizar com as crianças as populações de
animais e plantas de regiões contrastantes em termos de clima. Quem são os
habitantes das regiões geladas? Pingüins, lobos e leões marinhos, no extremo sul
do planeta, e focas e ursos no extremo norte. Quais são suas adaptações para viver
em lugares tão frios? Os lobos, os leões e as focas apresentam um couro espesso e
uma camada grossa de gordura, os pingüins também têm uma camada de gordura
sob a pele e outra sobre as penas, os ursos além de também serem gordos e
apresentarem pelos fartos, têm o hábito de hibernar, durante o inverno rigoroso,
diminuindo a necessidade de alimentos (que são mais raros no inverno). De outra
parte, nas regiões muito secas, como o sertão brasileiro e alguns desertos
africanos, encontramos plantas retorcidas com poucas folhas ou com folhas
transformadas em espinhos para evitar a perda de água por evaporação através da
superfície foliar e reservas de água e nutrientes nos caules, como no caso dos
cactos. Os animais encontrados nessas regiões como pequenos roedores e lagartos
vivem enterrados, para diminuir o tempo de exposição ao sol e a perda de água.
        Podem também ser feitos passeios para observar pequenos animais no
pátio ou em terrenos baldios ou ainda em granjas ou chácaras próximas. Nesse
momento é importante incentivar as crianças a observar e interagir com os animais,
sempre com cuidado para não expor as crianças a nenhum risco e, também,
tratando os animais com muito respeito, sem machucá-Ios ou estressá-los
desnecessariamente. Alguns animais podem ser tocados para que as crianças
experimentem as diferentes texturas de pelos e penas por exemplo. Podem ser
observados os insetos que voam sobre as flores, sendo feitas observações em
diferentes horários, como pela manhã, bem cedinho, e em um horário próximo ao
meio dia para que as crianças façam comparações quanto à quantidade de insetos
em cada um desses horários. As crianças também podem ser incentivadas a prestar
atenção nos sons dos animais nos diferentes momentos do dia. Ao amanhecer,
ouvimos o canto dos pássaros, próximo do meio dia, o som das cigarras e, ao
entardecer, o som de grilos e sapos. Podem também prestar atenção nos insetos
que são atraídos, à noite, pelas lâmpadas. Depois desses passeios e dessas
observações, as crianças podem construir jogos envolvendo as informações como
"trilhas", por exemplo, inventar histórias sobre os bichos estudados, confeccionar
animais gigantes com sucata, cantar e inventar músicas para esses animais.
Escrever recados e bilhetes para o personagem inventado e etc.


Observando o céu


        Nas incursões pelos pátios e jardins é possível chamar atenção para as
diferentes posições do sol. As crianças podem fazer medidas do tamanho de suas
sombras, com pedaços de barbante, nó início da manhã, ou no fim da tarde e em
um horário próximo ao meio dia. Podem também fazer medidas das sombras de
objetos como um mastro ou um prédio. Essas medidas podem ser feitas contando-
se os passos. Todas essas medidas precisam ser registradas por elas através de
desenhos e de informações escritas para depois serem lembradas e comparadas. É
possível fazer observações, desenhos e pinturas dos diferentes tipos e cores de
nuvens e aproveitar para ouvir as hipóteses das crianças sobre a formação dos
ventos e das chuvas. Além disso, as crianças podem ser questionadas sobre o que
produz os dias e as noites e sobre onde está o sol quando anoitece ou em dias
nublados e chuvosos. As crianças podem, ainda, ser incentivadas a observar as
diferentes formas/fases da lua, seus diferentes tamanhos e posições no céu.
        Geralmente as crianças se fazem muitas perguntas sobre esses temas e é
importante criar situações para que elas possam expressar suas hipóteses e
experimentar algumas problematizações sobre elas.




Por dentro do corpo


        Um outro trabalho importante de ser desenvolvido, na pré-escola, é o de
exploração e conhecimento do corpo. As crianças podem fazer medidas umas das
outras, entrevistar os pais para saber o tamanho que tinham quando nasceram e
comparar esses dois tamanhos. Podem também fazer medidas dos irmãos e dos
pais para tentar fazer estimativas sobre o tamanho que terão quando forem adultas.
Podem ainda aproveitar para medir outros seres, como o gato por exemplo, ou
pequenas plantinhas que estejam cultivando na escola. Podem ainda fazer o
contorno do pé e da mão e compará-Ios com o contorno dos pés e das mãos de
outras pessoas.
        Também é importante que as crianças toquem o próprio corpo para des-
cobrir as costelas, os ossinhos da mão e do pé, os ossos do nariz e da face, o
crânio, as vértebras no pescoço e nas costas, os omoplatas, nas costas, o lu-
garzinho do estômago, sentir a pulsação do coração, no coração, no pulso e no
pescoço, antes e depois de uma corrida, prestar atenção em outras transformações
do corpo, depois da corrida, como o vermelho do rosto, o suor e a sede. As
crianças, nesse momento, podem ser levadas a refletir sobre os porquês dessas
reações do corpo.
        Na hora do lanche também podem ser levadas a pensar sobre a origem
dos alimentos: o leite vem das vacas, o arroz, o feijão e o amendoim são sementes,
a cenoura é uma raiz, muitas farinhas também são feitas de sementes moídas, a
carne corresponde à musculatura dos animais e assim por diante. É importante
pensar e representar o caminho dos alimentos dentro do corpo, bem como as
transformações desse alimento, durante o processo de digestão. Depois, é possível
imaginar que todas as crianças engoliram uma "pílula do tamanho" e que foram
fazer uma viagem por dentro do corpo de alguém. O que viram, durante a viagem?
        É possível representar as imagens internas em um papel pardo em que
seja feito o contorno do corpo de uma das crianças. As partes internas do corpo
também podem ser feitas com massinha de modelar ou com argila, tentando-se
imaginar o tamanho e a sobreposição dos órgãos internos.
        Nesse trabalho com o corpo, as crianças a partir da história infantil "Tum
tum tum" que trata dos sons do corpo podem gravar a própria voz para depois ouvi-
Ia. Podem cantar, podem produzir um anúncio publicitário, podem imitar sons de
animais e etc. Todas essas atividades de observação do próprio corpo são
fundamentais para que as crianças reflitam sobre o funcionamento e os cuidados
necessários com o corpo, além de contribuir para trabalhos de reflexão sobre
identidade.


As jóias do lixo
        Na área de ciências, uma outra temática importante de ser trabalhada,
desde a pré-escola, é a (ia reciclagem de lixo. As crianças podem, a partir de
materiais secos e limpos, como caixas, sacos, frascos e etc.. ser convidadas a
formar grupos com esses materiais. Nesse trabalho de classificação costumam
aparecer critérios diferentes daqueles que nós adultos utilizamos como, por
exemplo, os materiais que servem para brincar de farmácia, de supermercado, de
casinha e etc.. As crianças podem principiar explorando esses materiais para
confeccionar brinquedos. Em outro momento, podem fazer experimentos verificando
que tipos de materiais se desmancham, se decompõem, e quais não, colocando
diferentes materiais do lixo dentro de vidros fechados e etiquetados com o nome e a
data do que foi ali colocado. As crianças poderão verificar que folhas de alface,
pedaços de cenoura, cascas de mamão e etc. passam por muitas transformações
durante seu processo de decomposição, enquanto que plásticos, vidros, metais e
papéis não se decompõem quando colocados dentro de vidros fechados. Podem
ser feitas observações e registros semanais dessas transformações. Paralelamente,
no pátio, podem ser enterrados os mesmos materiais, sendo identificados os locais
por plaquinhas. Através desse experimento paralelo, as crianças poderão comparar
as velocidades de decomposição dos materiais, dentro dos vidros fechados e dos
materiais enterrados.
        Em outra ocasião, pode ser discutido com as crianças, o fato de alguns
materiais levarem muito tempo para se decompor ou não se decomporem nunca,
sendo, portanto, necessária a ocupação de uma área muito grande para depositar
esse lixo que não se desmancha. Por essa razão é fundamental que utilizemos os
materiais com parcimônia, uma vez que não temos muitos lugares disponíveis para
colocar todo o lixo que produzimos ao descartar embalagens que não se
decompõem ou que levam muito tempo para fazê-Io. As crianças podem separar o
lixo orgânico (restos de comida) e o lixo seco (papéis, vidros, latas e plásticos
limpos) e construir uma composteira no pátio, um monte de material orgânico
coberto com terra e areia para formar adubo. Também é possível propor que façam
entrevistas com o pessoal da limpeza pública, perguntando para onde vai o lixo,
quem trabalha nesse lugar, o que é feito com o lixo. Em Porto Alegre e, em outros
municípios, que têm algum sistema de reciclagem, é possível visitar as unidades de
reciclagem e os aterros sanitários com as crianças. Visitas a lixões, por outro lado,
não são recomendáveis pelos odores desprendidos durante os processos de
decomposição a céu aberto.
         Um outro trabalho interessante a ser feito é o de investigação sobre a
origem dos materiais que são postos no lixo. Os vidros são produzidos pela
fundição de areia, os plásticos a partir de petróleo, as latas a partir de minério de
ferro ou de bauxita, os papéis a partir de árvores. Essa investigação nos leva a
pensar na destruição produzida em áreas naturais para extração dessa matéria-
prima e na destruição das condições de vida dos seres vivos que habitam esses
locais. Por exemplo, ao extrair a areia, muitos animais que vivem enterrados, como
siris, por exemplo, são mortos, além de ser produzida uma alteração da paisagem
do litoral que pode produzir inundações e ventanias, pela ausência de dunas que
funcionam como "quebra-ventos" e como contenedores das águas. As matas que
são devastadas para produção de papel ou durante as escavações para obtenção
de minérios e etc.


Considerações finais


         O ensino de ciências na educação infantil propicia a interação com diferen-
tes materiais, a observação e o registro de muitos fenômenos, a elaboração de
explicações, enfim a construção de conhecimentos e de valores pelas crianças.
Essa área, entretanto, precisa tomar parte nas atividades de outras áreas como a
linguagem, os estudos sociais a matemática, as artes plásticas, o teatro e a música.
Na educação infantil é fundamental superar as fragmentações do conhecimento e
buscar articulá-lo através de atividades lúdicas e instigantes.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BANDEIRA, Pedra. O pintinho do vizinho. Moderna. Coleção Girassol.

BELTON, William; DUNNING, John S. Aves Silvestres do Rio Grande do Sul. 3. ed.
Porto Alegre: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 1993, 172 p. (J a ed.
1983 ).

COOK-GUMPERZ, Jenny. A Construção Social da Alfabetização. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1991.

FAUNA GAÚCHA - Ponto de encontro das aves transcontinentais: O Rio Grande
tem um papel muito especial para o equilíbrio do meio ambiente no continente. Aves
dos dois hemisférios vêm aqui se alimentar e reproduzir. Zero-Hora, 5 jun. 1991,
p.21.

Filme Microcosmos.                               ,

FRACALANZA, Hilário; AMARAL, Ivan A; GOUVEIA, Mariley S.E O Ensino de
Ciências no Primeiro Grau. São Paulo: Atual, 1986, 124p. (Projeto Magistério).

GÓES, Lúcia Pimentel. A nuvem.

IACOCCA, Liliana. Tum tum tum: um barulho do corpo. Ática.

MÁLUS. Quintino. o girino. 2.ed. Belo Horizonte: Vigília. Coleção Filmes.

MUYLAERT, Anna. O diário de bordo do Etevaldo. Companhia das Letrinhas.
Coleção Castelo Rá-tim-bum.

OLIVEIRA, Daisy Lara de (org.). Ciências nas Salas de Aula. Porto Alegre: Media-
ção, 1997, 111 p.

RODRIGUES, Maria Bernadette Castro; AMODEU, Maria Celina. O espaço
pedagógico na pré-escola. Porto Alegre: Mediação. Cadernos de Educação Infantil
2.

ROSA, Russel Teresinha Dutra da Rosa. Educação Informal na Reciclagem de
Resíduos Sólidos Urbanos. Ijuí: Editora UNIJUI, 1997, 168 p. (Coleção Trabalhos
Acadêmico-Científicos. Série Dissertações de Mestrado).

SILVA, Flávio. Mamíferos Silvestres - Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre:
Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 1994,246 p. (Ia ed. 1984). TATIT,
Paulo. O monstro. Música do disco "Quero Passear" do grupo Rumo.

VEITENHEIMER-MENDES, IngaL. (org.) Guia ilustrado de flora e fauna para o
Parque COPESUL de Proteção Ambiental. Porto Alegre: COPESUl JFZB, 1993,
209p.

WEISSMANN, Hilda (org.). Didática das Ciências Naturais: contribuições e
reflexões. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: ARTMED, 1998, 244p.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna. O estudo dos vertebrados na Escola
Fundamental. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 1997. 128p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio   a pratica educativa, como ensinarZabala, antonio   a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
marcaocampos
 

Mais procurados (20)

A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Projeto intervencao matemática
Projeto intervencao   matemáticaProjeto intervencao   matemática
Projeto intervencao matemática
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio   a pratica educativa, como ensinarZabala, antonio   a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
 
CRECHE
CRECHECRECHE
CRECHE
 
MPEHG AULA 2: História no Ensino Fundamental – Anos Iniciais Unidades temátic...
MPEHG AULA 2: História no Ensino Fundamental – Anos Iniciais Unidades temátic...MPEHG AULA 2: História no Ensino Fundamental – Anos Iniciais Unidades temátic...
MPEHG AULA 2: História no Ensino Fundamental – Anos Iniciais Unidades temátic...
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
 
A Escola Nova
A Escola Nova A Escola Nova
A Escola Nova
 
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
 
Organização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarOrganização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolar
 
Tendência Pedagógica
Tendência PedagógicaTendência Pedagógica
Tendência Pedagógica
 
Jerome Bruner
Jerome BrunerJerome Bruner
Jerome Bruner
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
A presença da arte na educação infantil
A presença da arte na educação infantilA presença da arte na educação infantil
A presença da arte na educação infantil
 
Currículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para ConcursosCurrículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para Concursos
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Plano de ensino ciencias
Plano de ensino cienciasPlano de ensino ciencias
Plano de ensino ciencias
 

Destaque

04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
celikennedy
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
pibidbio
 
Conteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências NaturaisConteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências Naturais
pibidbio
 
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hojeA aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
Evelyn Fernandes
 
Tecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação InfantilTecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação Infantil
Vera Zacharias
 
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilNormas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Carina
 
Sugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades MatemáticasSugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades Matemáticas
Carina
 

Destaque (20)

A.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.PpointA.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.Ppoint
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Fenômenos da natureza - Educação Infantil
Fenômenos da natureza - Educação InfantilFenômenos da natureza - Educação Infantil
Fenômenos da natureza - Educação Infantil
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
Conteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências NaturaisConteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências Naturais
 
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hojeA aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
 
Tecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação InfantilTecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação Infantil
 
Questoes com gabarito de fundamentos e metodos da educacao infantil
Questoes com gabarito de fundamentos e metodos da educacao infantilQuestoes com gabarito de fundamentos e metodos da educacao infantil
Questoes com gabarito de fundamentos e metodos da educacao infantil
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
 
Gêneros diversos
Gêneros diversosGêneros diversos
Gêneros diversos
 
A trajetoria escolar de alunos surdos
A trajetoria escolar de alunos surdosA trajetoria escolar de alunos surdos
A trajetoria escolar de alunos surdos
 
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilNormas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
 
Sugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades MatemáticasSugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades Matemáticas
 
Relatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
Relatório Segundo Semestre HP Salas AmbienteRelatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
Relatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
 
2269 6
2269 62269 6
2269 6
 
curso online ciencias naturais fundamentos teoricos
curso online ciencias naturais fundamentos teoricoscurso online ciencias naturais fundamentos teoricos
curso online ciencias naturais fundamentos teoricos
 
Música e ensino de ciências
 Música e ensino de ciências Música e ensino de ciências
Música e ensino de ciências
 
A função do educador infantil no ensino de ciencias
A função do educador infantil no ensino de cienciasA função do educador infantil no ensino de ciencias
A função do educador infantil no ensino de ciencias
 

Semelhante a Ensino de Ciências e Educação Infantil

Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
MARCOS SOUSA
 
Projeto Interdisciplinar Educação infantil
Projeto Interdisciplinar Educação infantilProjeto Interdisciplinar Educação infantil
Projeto Interdisciplinar Educação infantil
Edione Zelenka
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
SimoneHelenDrumond
 
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª SueliMaterial da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
proinfancia
 
Culturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedadeCulturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedade
compartilhamos
 
Culturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedadeCulturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedade
compartilhamos
 

Semelhante a Ensino de Ciências e Educação Infantil (20)

Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
 
Projeto Interdisciplinar Educação infantil
Projeto Interdisciplinar Educação infantilProjeto Interdisciplinar Educação infantil
Projeto Interdisciplinar Educação infantil
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
 
Oppi
OppiOppi
Oppi
 
Formação rcnei
Formação rcneiFormação rcnei
Formação rcnei
 
Seminário rcnei natureza e sociedade
Seminário rcnei natureza e sociedadeSeminário rcnei natureza e sociedade
Seminário rcnei natureza e sociedade
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
 
Unidade 3
Unidade 3Unidade 3
Unidade 3
 
Afinal, quem é este tal de adolescente?
Afinal, quem é este tal de adolescente?Afinal, quem é este tal de adolescente?
Afinal, quem é este tal de adolescente?
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
 
O Educar E O Cuidar Na EducaçãO Infantil
O Educar E O Cuidar Na EducaçãO InfantilO Educar E O Cuidar Na EducaçãO Infantil
O Educar E O Cuidar Na EducaçãO Infantil
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
 
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª SueliMaterial da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
Material da Formação do ciclo 05.05 Profª Sueli
 
Culturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedadeCulturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedade
 
Culturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedadeCulturas infantis, natureza e sociedade
Culturas infantis, natureza e sociedade
 
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
 
Bebês, crianças ou alunos? Continuidade ou ruptura? Quais os desafios de ente...
Bebês, crianças ou alunos? Continuidade ou ruptura? Quais os desafios de ente...Bebês, crianças ou alunos? Continuidade ou ruptura? Quais os desafios de ente...
Bebês, crianças ou alunos? Continuidade ou ruptura? Quais os desafios de ente...
 

Mais de Carina

Tecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolasTecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolas
Carina
 
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação InclusivaPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Carina
 
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio LorenzatoA percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
Carina
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Carina
 
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação InfantilLetramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Carina
 
O currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilO currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantil
Carina
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Carina
 
Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012
Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012
Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012
Carina
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"
Carina
 
Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"
Carina
 
Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"
Carina
 
Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"
Carina
 
Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011
Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011
Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011
Carina
 
Educar e Cuidar
Educar e CuidarEducar e Cuidar
Educar e Cuidar
Carina
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Carina
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Carina
 
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EIResumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Carina
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didático
Carina
 
Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...
Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...
Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...
Carina
 

Mais de Carina (20)

Propostas para sala contos e fantasias
Propostas para sala contos e fantasiasPropostas para sala contos e fantasias
Propostas para sala contos e fantasias
 
Tecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolasTecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolas
 
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação InclusivaPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
 
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio LorenzatoA percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação InfantilLetramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
 
O currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilO currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantil
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
 
Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012
Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012
Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"
 
Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"
 
Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"
 
Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"
 
Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011
Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011
Projeto "Formação no ambiente escolar" - 2011
 
Educar e Cuidar
Educar e CuidarEducar e Cuidar
Educar e Cuidar
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
 
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EIResumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didático
 
Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...
Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...
Projeto Formação no ambiente escolar - uma busca pela integração prática e te...
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

Ensino de Ciências e Educação Infantil

  • 1. Ensino de Ciências e Educação Infantil Russel Teresinha Dutra da Rosa Princípios da área de ensino de ciências O ensino de ciências na educação infantil acontece preferencialmente integrado às demais áreas de conhecimento, proporcionando, através dos co- nhecimentos acumulados, teorias, metodologias e instrumentos da área, uma riqueza de possibilidades de exploração do mundo realizada pelas crianças. Muitos dos temas enfocados por esta área, são temas de interesse das crianças sobre os quais elas já vêm se perguntando e construindo concepções e representações, sendo fundamental, ao planejarmos qualquer atividade envolvendo conhecimentos da área de ciências, criar oportunidades para que as crianças interajam com diferentes materiais e expressem suas concepções, representações e hipóteses explicativas. Nesses momentos, através de diferentes materiais, é possível ampliar interesses e fornecer informações adicionais. Uma postura desejável no ensino de ciências é a de encorajar as crianças a realizar testes e expor suas dúvidas sobre os temas abordados. O ensino de ciências pode propiciar o contato com a diversidade de formas de vida e de ambientes, bem como com as necessidades e condições necessárias à sobrevivência das diferentes espécies de seres vivos, procurando-se incluir a espécie humana entre as demais espécies e superar visões utilitaristas e antropocêntricas de natureza. Isto é, olhar para os seres vivos procurando ver suas estratégias de sobrevivência ao invés de considerá-Ios em função dos interesses e valores da espécie humana. O ensino precisa superar classificações simplistas de elementos da natureza como úteis ou nocivos aos seres humanos, ou como recursos naturais a serem explorados. Outro aspecto importante a ser considerado ao trabalharmos com temas das ciências é a busca permanente de informações, o desassossego. Em ciência, as verdades são provisórias, são revistas de tempos em tempos, portanto, precisamos tomar cuidado com expressões como "tal fato foi comprovado cientificamente". Somente podemos afirmar que um conjunto de experimentos e observações realizadas rigorosamente, do ponto de vista científico, evidencia que
  • 2. tal explicação pode ser aceita hoje. Isso significa que em se tratando de conhecimento científico não existem explicações definitivas, eternas, absolutas, o que existem são verdades provisórias que são aceitas e válidas pela comunidade científica, durante um período histórico, mas que estão sujeitas a transformações devido ao avanço dos estudos e ao desenvolvimento tecnológico. Portanto, os conhecimentos têm uma história e o que consideramos correto hoje, como por exemplo, o fato da terra girar em tomo do sol, não era considerado correto há 500 anos atrás pelos cientistas. Uma das grandes dificuldades do trabalho com a área de ciências é o excesso de nomenclatura científica, de conceitos e definições encontrados nos manuais didáticos, em detrimento de explicações dobre os fenômenos da natureza. Por esta razão, as informações devem ser buscadas em outras fontes, além dos livros didáticos, como por exemplo notícias de jornais e revistas. Além disso, na educação infantil, é fundamental que os temas sejam abordados de forma lúdica através de jogos simbólicos, do "faz de conta", de personagens da literatura e da televisão e etc.., por esta razão é fundamental utilizarmos e confeccionarmos materiais alternativos para o desenvolvimento de projetos com as crianças. Trabalhar com a fantasia e a imaginação, mas também com a observação, as comparações, as medidas e os registros escritos, os desenhos, as modelagens, as colagens e etc.. Em suma, a criança para construir conhecimentos precisa agir, perguntar, ler o mundo, olhar imagens, criar relações, testar hipóteses e refletir sobre o que faz de modo a reestruturar o pensamento permanentemente. Alguns princípios da educação infantil O conhecimento, bem como as regras e os valores são construídos pela ação sobre o meio físico e social, cabendo, ao adulto, oportunizar a ocorrência de situações interativas em que a criança precise tomar decisões, fazer escolhas, expressar pontos de vista e fazer trocas no sentido de desenvolver a autonomia e a cooperação. Entretanto os processos pedagógicos não se restringem à realização de atividades, sendo fundamental a realização de reflexões sobre as atividades cotidianas. É parte dos processos de ensino-aprendizagem a investigação das concepções e representações das crianças, considerando-se as características da faixa etária e as especificidades socioculturais do grupo e os ritmos de cada
  • 3. indivíduo. Para isso é fundamental que o adulto observe, interprete e registre as ações e as reações das crianças com a finalidade de descobrir o que é significativo para elas e as lógicas de suas práticas cotidianas. O trabalho pedagógico na educação infantil diferencia-se de acordo com a faixa etária e o processo de construção progressiva de autonomia por parte da criança. As atividades dedicadas a crianças de zero a um ano precisam considerar a grande dependência das crianças em relação ao adulto e, portanto, a necessidade de interações individualizadas adulto-criança, nos momentos de explorar o próprio corpo através de movimentos e da experiência de diferentes sensações no contato com os objetos. Nessa fase inicial o ambiente precisa ser aconchegante, mas apresentar, também, alguns desafios através da diversidade de materiais que irão mediar a relação e as brincadeiras entre o adulto e a criança. Um exemplo é descoberta de brinquedos que possibilitem formas variadas de interações dentro de um saco de retalhos ou dentro de uma caixa fechada como panos, bolsas, bolas, argolas, cubos, fantasias, sapatos e etc.. As crianças de um a dois anos já poderão participar de algumas atividades em grupo, mas ainda têm necessidade de muita atenção individualizada por parte do adulto. Nessa fase, é fundamental pensar em atividades que proporcionem o desenvolvimento motor e o desenvolvimento da linguagem como, por exemplo, imitar os movimentos e os sons produzidos por diferentes animais. Aqui, o adulto precisa estar muito atento para o significado da fala das crianças que se confunde com as ações e os gestos. Ainda é importante considerar que o tempo de concentração em cada atividade é muito pequeno, sendo necessário, portanto, uma variedade de propostas na rotina cotidiana. De dois a quatro anos, iniciam os jogos simbólicos, as brincadeiras de faz- de-conta e uma maior desenvoltura motora das crianças para a exploração do ambiente e dos objetos. Nessa fase já é possível organizar as primeiras rodinhas para comunicação e representação como, por exemplo, fazer mímicas para imitar outros seres vivos, além de desenhar, pintar, modelar, ler histórias infantis, ouvir e cantar algumas músicas. Nessa fase as crianças começam a tomar algumas decisões por conta própria como escolher alimentos e roupas e, também, se alimentar e se vestir sozinhas. Nessa época, as crianças começam a se dar conta das diferenças entre as coisas mesmas e as suas representações através de desenhos, histórias e etc.. A interação da criança com o mundo se dá, portanto, no plano da ação e no plano simbólico, através da fala, do jogo e da imitação. A passagem do plano da ação
  • 4. para o plano da representação se dá através da linguagem. As representações são condições para as operações mentais. As ações são interiorizadas e reconstruídas pelas representações. Ao tomar consciência das ações, o sujeito representa o real. Para isso é importante valorizar o faz de conta, as imitações, os desenhos, as histórias, a fala, as narrativas e etc. Além disso, a autonomia se constitui através da responsabilidade em realizar tarefas e em cumprir compromissos com o grupo. Um espaço importante é o do planejamento coletivo, isto é, das decisões em grupo sobre as atividades cotidianas. Dos quatro aos seis anos, é possível investir nas atividades cooperativas que requerem negociações permanentes. Nesse período começam a se estabelecer as regras de convivência, sendo o momento privilegiado para o desenvolvimento de atividades a partir dos temas e metodologias oriundas das diferentes áreas de conhecimento. Para tanto é importante a observação dos interesses e das necessidades das crianças, através da oferta de materiais variados e da proposição de atividades diferentes simultaneamente para que as crianças possam realizar algumas escolhas. Aqui a atividade simbólica começa a complexificar-se nas brincadeiras de faz-de-conta e nas dramatizações. Também é possível propor jogos não competitivos e atividades de leitura e escrita de obras de literatura, de imagens, de músicas e etc. É importante considerar que a diferenciação entre o desenho e a escrita começa a ser construída nessa época. Além disso, a escrita assim como a fala é aprendida pela exposição a situações comunicativas, por isso é desejável proporcionar o contato das crianças com diferentes textos escritos na fase pré- escolar para que percebam as diferenças de estilo entre a linguagem oral e a escrita e entre os diferentes textos escritos. Para ler, as crianças devem utilizar sua experiência com o discurso de maneira a desenvolver estratégias que isolem o texto do contexto de modo a reduzir o número de opções complexas que um texto de leitura apresenta. Ler, portanto, é lidar com a linguagem como algo em si, como um meio de expressar significados que são relativamente independentes do contexto imediato. Em síntese, na educação infantil, as atividades devem ser planejadas com o objetivo de atender as necessidades das crianças em suas diferentes fases de desenvolvimento de modo a contribuir para os processos de construção de sua autonomia. Face os princípios da área de ensino de ciências e alguns princípios da educação infantil podemos pensar em algumas atividades que abordem espe-
  • 5. cificamente temáticas e metodologias da área de ciências naturais. Algumas possíveis atividades Objetivando desenvolver a capacidade das crianças de observar a natureza, expressar suas concepções e registrá-Ias podem ser desenvolvidas algumas atividades com obras da literatura infantil, músicas, vídeos, além, é claro, da exploração do ambiente próximo à instituição educativa. Uma primeira sugestão consiste em apresentar para as crianças um "saco surpresa" com objetos de diferentes materiais (plástico, papel, tecido, madeira, metal e etc.) que permitam uma exploração táctil. Primeiramente, as crianças podem ser instigadas a tentar imaginar ou adivinhar o que tem dentro do saco para, logo a seguir, serem incentivadas, em um jogo, a tocar o saco por fora para descobrir o que tem dentro. Nessa atividade, as crianças trabalham com outros sentidos que não o sentido da visão, predominante nas atividades escolares. Elas podem sacudir, ouvir os sons produzidos pelos objetos, cheirar e, finalmente, tocar por dentro do saco com a finalidade de explorar texturas e identificar os objetos. O grau de certeza sobre os objetos aumenta quando as crianças tocam por dentro do saco. Isso pode ser discutido com elas. O saco surpresa pode também ser pensado como metáfora do encontro entre professora e crianças. Não saber o que existe dentro do saco, o ainda não dito, desperta o nosso interesse, nos deixa curiosos, excitados, permite soltar a imaginação, bem como depositar nossas expectativas e também nossos medos lá dentro. O saco pode, nesse sentido, representar nossas bagagens, nossas experiências anteriores, nossos conhecimentos e nossos projetos. Os bichos na literatura e na vida mesmo Dentro do saco pode ter um bicho de pelúcia ou um fantoche como, por exemplo, um pato. Esse pode se transformar no "Patinho Feio". Feio ou diferente? Agora imaginem que uma fada apareceu e transformou cada um de nós em patinho feio. O que estamos sentindo? Durante essa atividade podemos nos colocar no lugar de cada personagem: o lugar do "feinho", dos outros patinhos, da mãe, do pai e da professora do patinho feio e, ao dramatizar as ações, descrever os sentimentos de cada personagem. Para enriquecer esse trabalho dramático é importante a realização de
  • 6. algumas investigações prévias. O que os patos comem? Como é a boca / bico dos patos? Como são as patas? (refletir sobre as adaptações para alimentação e locomoção) Como são os movimentos na água, no ar e na terra? São rápidos? São barulhentos? Onde dormem? São ativos durante o dia ou durante a noite? Têm hábitos diferentes no inverno e no verão? Vamos imitá-los? Como nascem os filhotes? Quanto tempo acham que demoram para nascer os filhotes depois que a pata coloca os ovos? Existem cuidados com os filhotes? Andam sozinhos ou em bandos? Quem são os inimigos? Vocês sabiam que os patos são aves migratórias? Dentro do saco também pode ter um disco com uma música que conta a história de um monstro que tem medo de princesas. O MONSTRO (Luis Tatit) Era um monstro filho de uma monstra, desses grandes Deformado mas até que bonitinho como monstro É que prá gente, prá gente os padrões são outros Tinha muito pêlo pelo corpo Umas manchas esverdeadas Uns caroços, uns buracos Mas também o que você pode esperar de um monstro Muita sensibilidade, isso que importa Criativo, um devorador de livros de estória Não gostava de princesa, achava todas horrorosas Em compensação com os monstros, Como se identificava E ele achava uma beleza as estórias só de monstros Mas se pintava uma princesa: "Ai mamãe que medo! Tire essa princesa. Ela deve Ter um dente, mãe! TIra!" Vocês vêem que é um monstro tipo mariquinhas pelo jeito Mas na verdade é a super proteção da mamãe monstra É que no fundo, no fundo ele bem que gosta: "Ai mamãe... " Que medo! Tire essa princesa,
  • 7. Ela deve ter um dente, mãe! Tira!" A partir da audição da música, as crianças podem desenhar o monstro e sua mãe. Imaginar o que ele come? Será que os filhotes de monstros comem as mesmas coisas que os monstros adultos? Qual o seu tamanho? E que tamanho tinha quando nasceu? Qual o tamanho dos pais? Ele tem irmãos? Do que ele brinca? Ele tem cheiro? Ele tem dentes? Ele voa? Ele caminha? Ele se arrasta? Ele pula? Quem são seus amigos? E seus inimigos? Como ele se defende? Do que ele gosta? Como é a casa dele? Os monstros vivem sozinhos ou em grupos? Quanto tempo ele demora para nascer? As crianças também podem montar um monstro de sucata e tentar construir o ambiente onde ele vive. A música do monstro permite a continuidade da reflexão iniciada com o patinho feio. É possível realizar uma discussão sobre padrões estéticos. Quando dizemos que um animal é bonito ou feio, o comparamos, geralmente, com outros animais e mobilizamos um conjunto de valores socioculturais, atribuindo características humanas a esses seres. O que nos faz dizer que um cisne é ma_s bonito que um pato, que uma princesa é mais bonita que um monstrinho ou, ainda, que uma borboleta é mais bonita que uma lagarta são convenções e preconceitos produzidos pela nossa cultura ao longo da história. Por outro lado, aquela música possibilita desencadear uma atividade de observação da imensa diversidade dos' seres vivos, através da descrição e registro das diferentes formas e adaptações para a sobrevivência existentes na natureza. As questões anteriormente levantadas e as atividades sugeri das para a exploração do pato e do monstro permitem o estudo de outros animais como borboletas, sapos, formigas, baratas, galinhas, gatos e etc.. Tais estudos podem principiar pela leitura de uma obra da literatura infantil como, por exemplo, "Quintino, o girino" ou "O pintinho do vizinho". As crianças também podem se fantasiar, buscando caracterizar os animais estudados. Basta um rabo e nasceu o gato. Com uma almofada nas costas pode ser feito um casco de tartaruga ou uma corcova de camelo. Um pano longo, como dois lençóis costurados e uma fila de crianças embaixo são suficientes para inventarmos uma centopéia. Um lençol com um rabo e duas crianças e está feita a "vaca louca" ou o "bumba meu boi", ou, ainda, uma "cabaninha" ou uma toca. Uma caixa de papelão grandona é suficiente para montar um ninho de ratinhos ou de passarinhos. Nesses estudos dos animais, conforme já foi mencionado, é importante chamar a atenção das crianças para as estruturas adaptativas dos organismos para
  • 8. alimentação, locomoção, proteção contra a dessecação, estratégias para fuga dos inimigos ou estratégias para capturar os alimentos, abrigos e etc. Alguns exemplos dessas adaptações são os diversos tipos de bicos dos pássaros adaptados para comer pequenos insetos, peixes, grãos e etc.; as mandíbulas fortes dos felinos adaptadas para hábitos carnívoros; o casco das tartarugas que garantem proteção; os pequenos vermes que vivem enterrados ou sob as pedras para evitar a perda de umidade por exposição ao sol; os ovos das aves protegidos por uma casca resistente para evitar a perda de água, em comparação com a cobertura gelatinosa dos ovos dos sapos, que são postos dentro da água; as asas das aves adaptadas para o vôo; as patas de galinhas adaptadas para ciscar; as patas dos patos adaptadas para o movimento dentro da água e etc.. Podem ainda ser investigadas as estratégias de atração e aproximação para o acasalamento (estratégias de corte). Os sapos e os passarinhos, por exemplo, cantam, o pavão exibe as penas coloridas, algumas mariposas liberam escamas que têm um odor característico e esse odor é captado por outras mariposas através das antenas. Podem ainda ser observados e descritos os cuidados com os filhotes. As espécies que constróem ninhos, aquelas em que os pais buscam alimento para os filhotes, aquelas em que os filhotes têm uma alimentação específica como o leite e etc. Do trabalho a partir da música do monstro pode derivar, ainda, um trabalho de investigação sobre os dinossauros. Aqui, é possível tratar de algumas informações importantes para as ciências naturais como, por exemplo, o fato de os dinossauros terem existido muito tempo antes de existirem macacos e seres humanos, o fato de terem sido extintos, o fato de sabermos de sua existência no passado através dos fósseis e etc.. As crianças podem ser instigadas a fazer investigações através de questões do tipo: Como as pessoas souberam que os dinossauros eram assim? O que pensamos, o que queremos saber, o que estamos descobrindo? O trabalho com animais pode aproveitar imagens de documentários, de livros e revistas com a finalidade de caracterizar com as crianças as populações de animais e plantas de regiões contrastantes em termos de clima. Quem são os habitantes das regiões geladas? Pingüins, lobos e leões marinhos, no extremo sul do planeta, e focas e ursos no extremo norte. Quais são suas adaptações para viver em lugares tão frios? Os lobos, os leões e as focas apresentam um couro espesso e uma camada grossa de gordura, os pingüins também têm uma camada de gordura sob a pele e outra sobre as penas, os ursos além de também serem gordos e apresentarem pelos fartos, têm o hábito de hibernar, durante o inverno rigoroso,
  • 9. diminuindo a necessidade de alimentos (que são mais raros no inverno). De outra parte, nas regiões muito secas, como o sertão brasileiro e alguns desertos africanos, encontramos plantas retorcidas com poucas folhas ou com folhas transformadas em espinhos para evitar a perda de água por evaporação através da superfície foliar e reservas de água e nutrientes nos caules, como no caso dos cactos. Os animais encontrados nessas regiões como pequenos roedores e lagartos vivem enterrados, para diminuir o tempo de exposição ao sol e a perda de água. Podem também ser feitos passeios para observar pequenos animais no pátio ou em terrenos baldios ou ainda em granjas ou chácaras próximas. Nesse momento é importante incentivar as crianças a observar e interagir com os animais, sempre com cuidado para não expor as crianças a nenhum risco e, também, tratando os animais com muito respeito, sem machucá-Ios ou estressá-los desnecessariamente. Alguns animais podem ser tocados para que as crianças experimentem as diferentes texturas de pelos e penas por exemplo. Podem ser observados os insetos que voam sobre as flores, sendo feitas observações em diferentes horários, como pela manhã, bem cedinho, e em um horário próximo ao meio dia para que as crianças façam comparações quanto à quantidade de insetos em cada um desses horários. As crianças também podem ser incentivadas a prestar atenção nos sons dos animais nos diferentes momentos do dia. Ao amanhecer, ouvimos o canto dos pássaros, próximo do meio dia, o som das cigarras e, ao entardecer, o som de grilos e sapos. Podem também prestar atenção nos insetos que são atraídos, à noite, pelas lâmpadas. Depois desses passeios e dessas observações, as crianças podem construir jogos envolvendo as informações como "trilhas", por exemplo, inventar histórias sobre os bichos estudados, confeccionar animais gigantes com sucata, cantar e inventar músicas para esses animais. Escrever recados e bilhetes para o personagem inventado e etc. Observando o céu Nas incursões pelos pátios e jardins é possível chamar atenção para as diferentes posições do sol. As crianças podem fazer medidas do tamanho de suas sombras, com pedaços de barbante, nó início da manhã, ou no fim da tarde e em um horário próximo ao meio dia. Podem também fazer medidas das sombras de objetos como um mastro ou um prédio. Essas medidas podem ser feitas contando- se os passos. Todas essas medidas precisam ser registradas por elas através de desenhos e de informações escritas para depois serem lembradas e comparadas. É
  • 10. possível fazer observações, desenhos e pinturas dos diferentes tipos e cores de nuvens e aproveitar para ouvir as hipóteses das crianças sobre a formação dos ventos e das chuvas. Além disso, as crianças podem ser questionadas sobre o que produz os dias e as noites e sobre onde está o sol quando anoitece ou em dias nublados e chuvosos. As crianças podem, ainda, ser incentivadas a observar as diferentes formas/fases da lua, seus diferentes tamanhos e posições no céu. Geralmente as crianças se fazem muitas perguntas sobre esses temas e é importante criar situações para que elas possam expressar suas hipóteses e experimentar algumas problematizações sobre elas. Por dentro do corpo Um outro trabalho importante de ser desenvolvido, na pré-escola, é o de exploração e conhecimento do corpo. As crianças podem fazer medidas umas das outras, entrevistar os pais para saber o tamanho que tinham quando nasceram e comparar esses dois tamanhos. Podem também fazer medidas dos irmãos e dos pais para tentar fazer estimativas sobre o tamanho que terão quando forem adultas. Podem ainda aproveitar para medir outros seres, como o gato por exemplo, ou pequenas plantinhas que estejam cultivando na escola. Podem ainda fazer o contorno do pé e da mão e compará-Ios com o contorno dos pés e das mãos de outras pessoas. Também é importante que as crianças toquem o próprio corpo para des- cobrir as costelas, os ossinhos da mão e do pé, os ossos do nariz e da face, o crânio, as vértebras no pescoço e nas costas, os omoplatas, nas costas, o lu- garzinho do estômago, sentir a pulsação do coração, no coração, no pulso e no pescoço, antes e depois de uma corrida, prestar atenção em outras transformações do corpo, depois da corrida, como o vermelho do rosto, o suor e a sede. As crianças, nesse momento, podem ser levadas a refletir sobre os porquês dessas reações do corpo. Na hora do lanche também podem ser levadas a pensar sobre a origem dos alimentos: o leite vem das vacas, o arroz, o feijão e o amendoim são sementes, a cenoura é uma raiz, muitas farinhas também são feitas de sementes moídas, a carne corresponde à musculatura dos animais e assim por diante. É importante pensar e representar o caminho dos alimentos dentro do corpo, bem como as transformações desse alimento, durante o processo de digestão. Depois, é possível
  • 11. imaginar que todas as crianças engoliram uma "pílula do tamanho" e que foram fazer uma viagem por dentro do corpo de alguém. O que viram, durante a viagem? É possível representar as imagens internas em um papel pardo em que seja feito o contorno do corpo de uma das crianças. As partes internas do corpo também podem ser feitas com massinha de modelar ou com argila, tentando-se imaginar o tamanho e a sobreposição dos órgãos internos. Nesse trabalho com o corpo, as crianças a partir da história infantil "Tum tum tum" que trata dos sons do corpo podem gravar a própria voz para depois ouvi- Ia. Podem cantar, podem produzir um anúncio publicitário, podem imitar sons de animais e etc. Todas essas atividades de observação do próprio corpo são fundamentais para que as crianças reflitam sobre o funcionamento e os cuidados necessários com o corpo, além de contribuir para trabalhos de reflexão sobre identidade. As jóias do lixo Na área de ciências, uma outra temática importante de ser trabalhada, desde a pré-escola, é a (ia reciclagem de lixo. As crianças podem, a partir de materiais secos e limpos, como caixas, sacos, frascos e etc.. ser convidadas a formar grupos com esses materiais. Nesse trabalho de classificação costumam aparecer critérios diferentes daqueles que nós adultos utilizamos como, por exemplo, os materiais que servem para brincar de farmácia, de supermercado, de casinha e etc.. As crianças podem principiar explorando esses materiais para confeccionar brinquedos. Em outro momento, podem fazer experimentos verificando que tipos de materiais se desmancham, se decompõem, e quais não, colocando diferentes materiais do lixo dentro de vidros fechados e etiquetados com o nome e a data do que foi ali colocado. As crianças poderão verificar que folhas de alface, pedaços de cenoura, cascas de mamão e etc. passam por muitas transformações durante seu processo de decomposição, enquanto que plásticos, vidros, metais e papéis não se decompõem quando colocados dentro de vidros fechados. Podem ser feitas observações e registros semanais dessas transformações. Paralelamente, no pátio, podem ser enterrados os mesmos materiais, sendo identificados os locais por plaquinhas. Através desse experimento paralelo, as crianças poderão comparar as velocidades de decomposição dos materiais, dentro dos vidros fechados e dos materiais enterrados. Em outra ocasião, pode ser discutido com as crianças, o fato de alguns materiais levarem muito tempo para se decompor ou não se decomporem nunca,
  • 12. sendo, portanto, necessária a ocupação de uma área muito grande para depositar esse lixo que não se desmancha. Por essa razão é fundamental que utilizemos os materiais com parcimônia, uma vez que não temos muitos lugares disponíveis para colocar todo o lixo que produzimos ao descartar embalagens que não se decompõem ou que levam muito tempo para fazê-Io. As crianças podem separar o lixo orgânico (restos de comida) e o lixo seco (papéis, vidros, latas e plásticos limpos) e construir uma composteira no pátio, um monte de material orgânico coberto com terra e areia para formar adubo. Também é possível propor que façam entrevistas com o pessoal da limpeza pública, perguntando para onde vai o lixo, quem trabalha nesse lugar, o que é feito com o lixo. Em Porto Alegre e, em outros municípios, que têm algum sistema de reciclagem, é possível visitar as unidades de reciclagem e os aterros sanitários com as crianças. Visitas a lixões, por outro lado, não são recomendáveis pelos odores desprendidos durante os processos de decomposição a céu aberto. Um outro trabalho interessante a ser feito é o de investigação sobre a origem dos materiais que são postos no lixo. Os vidros são produzidos pela fundição de areia, os plásticos a partir de petróleo, as latas a partir de minério de ferro ou de bauxita, os papéis a partir de árvores. Essa investigação nos leva a pensar na destruição produzida em áreas naturais para extração dessa matéria- prima e na destruição das condições de vida dos seres vivos que habitam esses locais. Por exemplo, ao extrair a areia, muitos animais que vivem enterrados, como siris, por exemplo, são mortos, além de ser produzida uma alteração da paisagem do litoral que pode produzir inundações e ventanias, pela ausência de dunas que funcionam como "quebra-ventos" e como contenedores das águas. As matas que são devastadas para produção de papel ou durante as escavações para obtenção de minérios e etc. Considerações finais O ensino de ciências na educação infantil propicia a interação com diferen- tes materiais, a observação e o registro de muitos fenômenos, a elaboração de explicações, enfim a construção de conhecimentos e de valores pelas crianças. Essa área, entretanto, precisa tomar parte nas atividades de outras áreas como a linguagem, os estudos sociais a matemática, as artes plásticas, o teatro e a música. Na educação infantil é fundamental superar as fragmentações do conhecimento e buscar articulá-lo através de atividades lúdicas e instigantes.
  • 13. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BANDEIRA, Pedra. O pintinho do vizinho. Moderna. Coleção Girassol. BELTON, William; DUNNING, John S. Aves Silvestres do Rio Grande do Sul. 3. ed. Porto Alegre: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 1993, 172 p. (J a ed. 1983 ). COOK-GUMPERZ, Jenny. A Construção Social da Alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. FAUNA GAÚCHA - Ponto de encontro das aves transcontinentais: O Rio Grande tem um papel muito especial para o equilíbrio do meio ambiente no continente. Aves dos dois hemisférios vêm aqui se alimentar e reproduzir. Zero-Hora, 5 jun. 1991, p.21. Filme Microcosmos. , FRACALANZA, Hilário; AMARAL, Ivan A; GOUVEIA, Mariley S.E O Ensino de Ciências no Primeiro Grau. São Paulo: Atual, 1986, 124p. (Projeto Magistério). GÓES, Lúcia Pimentel. A nuvem. IACOCCA, Liliana. Tum tum tum: um barulho do corpo. Ática. MÁLUS. Quintino. o girino. 2.ed. Belo Horizonte: Vigília. Coleção Filmes. MUYLAERT, Anna. O diário de bordo do Etevaldo. Companhia das Letrinhas. Coleção Castelo Rá-tim-bum. OLIVEIRA, Daisy Lara de (org.). Ciências nas Salas de Aula. Porto Alegre: Media- ção, 1997, 111 p. RODRIGUES, Maria Bernadette Castro; AMODEU, Maria Celina. O espaço pedagógico na pré-escola. Porto Alegre: Mediação. Cadernos de Educação Infantil 2. ROSA, Russel Teresinha Dutra da Rosa. Educação Informal na Reciclagem de Resíduos Sólidos Urbanos. Ijuí: Editora UNIJUI, 1997, 168 p. (Coleção Trabalhos Acadêmico-Científicos. Série Dissertações de Mestrado). SILVA, Flávio. Mamíferos Silvestres - Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 1994,246 p. (Ia ed. 1984). TATIT, Paulo. O monstro. Música do disco "Quero Passear" do grupo Rumo. VEITENHEIMER-MENDES, IngaL. (org.) Guia ilustrado de flora e fauna para o Parque COPESUL de Proteção Ambiental. Porto Alegre: COPESUl JFZB, 1993, 209p. WEISSMANN, Hilda (org.). Didática das Ciências Naturais: contribuições e
  • 14. reflexões. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: ARTMED, 1998, 244p. WORTMANN, Maria Lúcia Castagna. O estudo dos vertebrados na Escola Fundamental. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 1997. 128p.