SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Simone Helen Drumond de Carvalho




Contratações de trabalhos: planejamentos, projetos,
   TCC, palestras, artigos, oficinas pedagógicas,
trabalhos pedagógicos e todo contexto educacional
          ligue (92) 8813-9225 / 8808-2372

     simone_drumond@hotmail.com
Formação de Abril dos Educadores do
             Ensino Infantil da
    Rede Municipal de Ensino de Manaus

                Formadora: Lucila Bonina Teixeira Peixoto




 Na formação Lucila revelou-se bastante competente na
projeção dos conteúdos e na mediação de todos os temas
           que os educadores argumentaram.

          Parabéns pela excelente mediação!

        Esmos ansiosos pela formação de Maio
RCNEI – Referencial Curricular Nacional
        para a Educação Infantil
Introdução

No Brasil, somente a partir da década de 90, do século passado,
foi que a Educação Infantil, como um todo, inclusive na questão
de políticas públicas, deixou de ser apenas assistencialista e
passou a preocupar-se também com o educar.

Nesse sentido, surgiu também a necessidade de profissionais
qualificados para trabalhar com essas crianças e uma reflexão
sobre tal trabalho.

Em 1998, surgiram as primeiras diretrizes para educação infantil
com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil
(RCNEI).

Esta publicação foi desenvolvida com o objetivo de servir como
um guia de reflexão para os profissionais que atuam diretamente
com crianças de 0 a 6 anos, respeitando seus estilos pedagógicos
e a diversidade cultural brasileira.

Ele é fruto de um amplo debate nacional, do qual participaram
professores e diversos especialistas que contribuíram com
conhecimentos provenientes tanto da vasta e longa experiência
prática de alguns, como da reflexão acadêmica, científica ou
administrativa de outros.

O Referencial é composto por três volumes que pretendem
contribuir para o planejamento, o desenvolvimento e a avaliação
de práticas educativas, além da construção de propostas
educativas que respondam às demandas das crianças e de seus
familiares nas diferentes regiões do país.
Natureza e Sociedade
Objetivos de 0 a 3 anos

Explorar o ambiente, para que possa se relacionar com pessoas,
estabelecer contato com pequenos animais, com plantas e com
objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse.

Objetivos de 4 a 6 anos

Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e
natural,    formulando    perguntas,   imaginando     soluções,
manifestando opiniões próprias e confrontando idéias;
Estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico
de      seu     grupo   social    e    de    outros     grupos;
Estabelecer relações entre o meio ambiente e as formas de vida
que ali se estabelecem.
Conteúdos de 0 a 3 anos

Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras,
jogos e canções que digam respeito às tradições culturais em
geral;

Exploração de diferentes objetos e suas propriedades;

Contato com pequenos animais e plantas;

Conhecimento do próprio corpo por meio do uso e da exploração
de suas habilidades.
Conteúdos de 4 a 6 anos



Organização dos grupos e seu modo de ser, viver e trabalhar;

Os lugares e suas paisagens;

Objetos e processos de transformação;

Os seres vivos;

Os fenômenos da natureza.
Orientação didática de 0 a 3 anos

A observação e a exploração do meio são as principais
possibilidades das crianças aprenderem. As crianças devem ter
liberdade para manusear e explorar os diferentes tipos de objeto.




Orientação didática de 4 a 6 anos

O professor deve partir de perguntas interessantes, em lugar de
apresentar explicações, considerando os conhecimentos das
crianças sobre o assunto;

As crianças também apresentam mais facilidade de aprendizado
quando fazem coleta de dados com outras pessoas e/ou têm
experiência direta com o meio.
Orientações Gerais para o professor

O professor deve partir de perguntas interessantes, em lugar de
apresentar explicações, de passar conteúdos utilizando didáticas
expositivas.

Leitura de imagens e objetos: as imagens produzidas pelos
homens, como desenhos, mapas, fotografias, pinturas, filmagens,
etc., além dos objetos, são recursos inestimáveis para obter
inúmeras informações. É importante que a criança aprenda a “ler”
esses objetos e imagens.

Objetos antigos que pertencem às famílias, exposições de
museus, vídeos, filmes, programas de televisão são poderosos
recursos para se analisar como viveram pessoas de outras épocas
e grupos sociais. Leitura de livros, revistas e enciclopédias
também.
Avaliação de 0 a 3 anos

A criança deve participar de atividades que envolvam a
exploração do ambiente imediato e a manipulação de objetos;
Nessa fase, o método de avaliação é a observação. O registro é a
fonte de informação sobre as crianças, em seu processo de
aprender, e sobre o professor, em seu processo de ensinar.


Avaliação de 4 a 6 anos

O professor deve desenvolver atividades variadas relacionadas a
festas, brincadeiras, músicas e danças da tradição cultural da
comunidade;

Devem ser promovidas situações significativas de aprendizagem
para que as crianças exponham suas idéias e opiniões e devem
ser oferecidas atividades que as façam avançar nos seus
conhecimentos.



Considerações gerais sobre avaliação

O momento de avaliação implica numa reflexão do professor
sobre o processo de aprendizagem. A avaliação não se dá
somente no momento final do trabalho, é tarefa permanente do
professor.

A prática de observar as crianças indica caminhos para selecionar
conteúdos e propor desafios. O registro é o acervo de
conhecimentos do professor que lhe possibilita avaliar as crianças
propondo novos encaminhamentos. Com as atividades praticadas
elas poderão conhecer e aprender a valorizar sua cultura.
O RCNEI E A ÁREA DE MATEMÁTICA

Para o RCNEI (1998, p. 207), o trabalho com a matemática pode
contribuir para a formação de cidadãos autônomos, capazes de
pensar por conta própria, sabendo resolver problemas.


Esses problemas vão desde classificação e seriação, que nessa
faixa etária pode ser feita com objetos da realidade da criança,
como figurinhas, como localizar-se no espaço e no tempo de
maneira adequada. Esses conceitos são desenvolvidos e
internalizados no indivíduo justamente nessa primeira fase da vida
escolar.


O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil
(RCNEI) (2008, p. 207) alerta que o trabalho com noções
matemáticas deve atender as necessidades da criança de
Educação Infantil e estimulá-la a construir conhecimentos nos
mais variados domínios do pensamento.


Na questão matemática, ela tem por função propiciar momentos
de instrumentalizar as crianças para interagir no mundo em que
vivem, a compreender e resolver problemas cotidianos.
Presença da Matemática na Educação Infantil: Idéias e
Práticas Correntes.


Para que a educação matemática se efetive, o Ministério da
Educação (MEC) propõe que na Educação Infantil sejam
contemplados os seguintes aspectos com relação à educação
matemática:
ü A repetição, memorização e associação - vêm sendo criticadas
  por alguns pesquisadores, pois atividades que valorizem apenas
  esses aspectos na área da matemática causam uma defasagem
  na aprendizagem como um todo. Porém, não pode ser
  simplesmente abolida da Educação Infantil porque em algumas
  situações a memorização se faz necessária. A memorização de
  termos, números, seqüências é fundamental para que outros
  problemas matemáticos sejam resolvidos com maior facilidade.
ü Do concreto ao abstrato - necessidade do concreto para que a
  partir daí possa se passar para o conhecimento abstrato.

  Esse concreto pode ser desde um objeto do dia a dia da criança
  como o lápis, a mesa, como situações em que a criança se
  identifica e identifica também conceitos matemáticos, como por
  exemplo, perceber que um sinaleiro de transito é mais demorado
  que outro. Nesse exemplo, a criança se utilizou do concreto, que
  foi passar todos os dias pelos sinaleiros, para perceber as noções
  de tempo.



ü Atividades pré-numéricas - Antes de partir para os números
  propriamente ditos e em suas relações de quantidade, é preciso
  que as crianças em educação infantil tenham noções de seriação,
  classificação, quantidade, diferenciação, cores, noções de
  distância, de tempo e de localização. Esses pré-conceitos são a
  base para trabalhar mais a frente questões propriamente
  numéricas.



ü Jogos e aprendizagem de noções matemáticas – Ao participar
  ativamente de atividades lúdicas e prazerosas, as crianças
  aprendem matemática brincando, pelo menos essa afirmação tem
  servido de argumento para fortalecer essa concepção, se
  contrapõe à orientação de que, para aprender Matemática, é
  necessário um ambiente em que predomine a rigidez, a disciplina
  e o silêncio. O jogo pode tornar-se uma estratégia didática quando
  as situações são planejadas e orientadas pelo adulto visando a
  uma finalidade de aprendizagem, isto é, proporcionar à criança
  algum tipo de conhecimento, alguma relação ou atitude. É
  necessário haver uma intencionalidade educativa, o que implica
  planejamento e previsão de etapas pelo professor, para alcançar
  objetivos predeterminados e extrais do jogo atividades que lhe são
  decorrentes.
A partir destas noções, a criança:

ü Constrói as noções matemáticas a partir das interações com o
  meio e com outras pessoas;

ü Tece relações, organiza o pensamento, o raciocínio lógico, situa-se
  e localiza-se espacialmente;

ü Conforme vão crescendo, conquistam maior autonomia e passam
  a conseguir levar adiante, por um tempo maior, ações que tenham
  uma finalidade, entre elas, atividades e jogos.

  Os conhecimentos e experiências adquiridos no âmbito da
  convivência social favorecem a proposição de situações que
  despertem a curiosidade e interesse das crianças para continuar
  aprendendo. Diante disso, o professor deve propor situações-
  problemas significativas em que a criança possa ampliar
  aprofundar e construir novos sentidos para seus conhecimentos.
Objetivos de 0 a 3 anos


Proporcionar oportunidades para que as crianças desenvolvam a
capacidade de:


Estabelecer aproximações de algumas noções matemáticas
presente em seu cotidiano como contagem e relações espaciais.


Conteúdo de 0 a 3 anos


A seleção de conteúdos matemáticos          é   importante   na
aprendizagem. Deve saber que:


Aprender matemática é um processo contínuo no quais as
crianças estabelecem relações nas observações, e ações que
fazem, desde cedo no seu ambiente físico e sócio cultural.
A construção de competência matemática pela criança ocorre no
desenvolvimento de inúmeras outras naturezas diferentes como,
comunicar-se oralmente, desenhar, ler, escrever, movimentar-se,
cantar etc.


Contagem oral, noção de quantidade, de tempo e de espaço em
jogos, brincadeiras e músicas junto com o professor e nos
diversos contextos nos quais as crianças reconheçam essa
utilização como necessária.


Manipulação e exploração de objetos e brinquedos, em situações
organizadas de forma a existirem quantidades individuais
suficientes para que cada criança possa descobrir as
características principais e suas possibilidades associativas:
empilhar, rolar, transvasar, encaixar etc.
Orientação didática de 0 a 3 anos
As situações cotidianas oferecem oportunidades privilegiadas para o
trabalho   com     a   especificidade   das    idéias  matemáticas.
As festas, as histórias e principalmente, os jogos e as brincadeiras
permitem a familiarização com elementos espaciais e numéricos, sem
imposição.


As situações deveriam ter um caráter múltiplo para que as crianças
possam interessar-se fazer relações sobre várias áreas e comunicá-
las.


As modificações no espaço a construção de diferentes circuitos de
obstáculo com cadeiras, mesas, pneus e panos por onde as crianças
possam engatinhar ou andar-subindo, descendo, passando por dentro,
por cima, por baixo.


As brincadeiras de construir torres, pistas para carrinhos e cidades,
com blocos de madeira de encaixe, possibilitam representar o espaço
numa outra dimensão.


O faz de conta das crianças pode ser enriquecido organizando-se
espaços próprios com objetos e brinquedos que contenham números,
como      telefone,   máquina       de    calcular,    relógio, etc.
A situação de festa de aniversário pode constituir-se em momentos
ricos de aproximação com a função dos números. O professor pode
organizar, junto com as crianças, um quadro de aniversariantes,
contendo a data do aniversário e a idade de cada criança.

As crianças por volta dos dois anos já podem, com ajuda do professor,
contar    quantos      dias     faltam    para   seu     aniversário.
Pode-se organizar um painel com pesos e medidas das crianças para
que elas observem suas diferenças. O folclore brasileiro é fonte
riquíssima de cantigas e rimas infantis envolvendo contagem e
números, que podem ser utilizadas como forma de aproximação com a
matemática oral.
Avaliação de 0 a 3 anos


Toda avaliação feita incide sobre os progressos apresentados
pela criança.


As experiências prioritárias nessa faixa etária são os contatos com
os números e a exploração do espaço. Para isso, é preciso que as
crianças participem de situações nas quais sejam utilizadas as
contagens orais, referencias, espaciais e temporais.


Criar condições para que as crianças engatinhem, arrastem-se,
pulem... Explorando o máximo seus espaços.




Objetivos de 4 a 6 anos


Aprofundar e ampliar o trabalho para a faixa etária de 0 a 3 anos,
garantindo oportunidades para que sejam capazes de:


Reconhecer e valorizar os números, as operações numéricas, as
contagens orais e as noções espaciais como ferramentas
necessárias no seu cotidiano.


Comunicar idéias matemáticas, hipóteses, processos utilizados e
resultados encontrados em situações-problemas relativas a
quantidades, espaço físico e medida, utilizando a linguagem oral e
matemática.


Ter confiança em suas próprias estratégias e na capacidade para
lidar com situações matemáticas nova, utilizando o seu
conhecimento prévio.
Conteúdos de 4 a 6 anos


Os conteúdos nessa faixa etária estão organizados em três
blocos: “Números e sistemas de numeração”, “Grandezas e
medidas” e “Espaço e forma”.


A contagem é realizada de forma diversificada pelas crianças, com
um significado que se modifica conforme o contexto.
Propor para as crianças problemas relativos à contagem de
diversas formas.


Os procedimentos indispensáveis para a compreensão do
significado da notação numérica para a criança é ler os números,
compará-los e ordená-los.


Para as crianças, os aspectos relevantes da numeração são os
que     fazem       parte  de     suas     vidas   cotidianas.
As crianças podem pesquisar as informações numéricas de cada
membro de seu grupo: idade, número do sapato, número da
roupa, altura, peso, etc.


O cálculo é, portanto, aprendido junto com a noção de número e a
partir do seu uso em jogos e situações-problema.
Pode-se propor para as crianças de cinco e seis anos situações
em que tenham de resolver problemas aritméticos e não contas
isoladas.


Exploração   de   diferentes   procedimentos    para   comparar
grandezas.


Introdução às noções de medida de comprimento, peso, volume e
tempo, pela utilização de unidades convencionais e não
convencionais.
Marcação      do     tempo  por    meio     de   calendários.
Experiências com dinheiro em brincadeiras ou em situações de
interesse das crianças.


Explicitação e representação da posição de pessoas e objetos,
utilizando vocabulários pertinente nos jogos, nas brincadeiras e
nas diversas situações nas quais as crianças considerarem
necessário essa ação.


Exploração e identificação de propriedades geométricas de
objetos e figuras, como formas, tipos de contornos e objetos,
bidimensionais, tridimensionais, faces planas, lados retos, etc.
Identificação de pontos de referencia para situar-se e deslocar-se
no espaço.


Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos,
observando pontos de referência.
Orientação didática de 4 a 6 anos


Com os números e os sistemas de numeração, o contato e a
utilização desses conhecimentos podem ocorrer em problemas
cotidianos, no ambiente familiar, em brincadeiras, nas informações
que lhes chegam pelos meios de comunicação.


Na contagem podem ser usados os jogos de esconder ou de
pega, nos quais um dos participantes deve contar, enquanto
espera os outros se posicionarem; brincadeiras e cantigas que
incluem diferentes formas de contagem.


Na notação e escrita numéricas, os números podem ser lidos,
comparados e ordenados, através de histórias, quando a leitura
do índice e da numeração das páginas são incluídos.

Histórias em capítulos, coletâneas e enciclopédias são muito
interessantes nesse processo. Em álbuns de figurinhas, pode ser
pedido que antecipem a localização da figurinha no álbum ou, se
abrindo em determinada página, que folhem o álbum para frente
ou para trás.

O uso de calendários, marcando os dias ou escrevendo a data na
lousa; fazer contagem para datas importantes como aniversário
das crianças, data de passeio, etc. Pesquisa das informações
numéricas de cada membro do grupo, como idade, número de
sapato e roupa, peso, altura, etc., fazendo uma tabela e criando
problemas de comparação.


Jogos de baralho, de adivinhação ou que utilizem dados,
considerando    o       antecessor    e    o       sucessor.
Nas operações pode ocorrer a realização de estimativas,
propiciando que as crianças comparem, juntem, separem,
combinem grandezas ou transformem dados numéricos.
Com as grandezas e medidas, o professor pode propor situações-
problemas em que a criança possa ampliar, aprofundar, e
construir novos sentidos para seus conhecimentos. Atividades de
culinária envolvem diferentes unidades de medida, como o tempo
de cozimento e a quantidade dos ingredientes. Comparação de
comprimento, pesos e capacidades, marcação de tempo e a
noção de temperatura.


As medidas podem ser feitas pelos meios convencionais, como
balança, fita métrica, régua, ou por meios não convencionais,
como passos, pedaços de barbante ou palitos.



O dinheiro possui várias finalidades didáticas, como fazer trocas,
comparar valores, fazer operações, resolver problemas e
visualizar características da representação dos números naturais e
dos números decimais.



No espaço e formas, colocar desafios que dizem respeito ás
relações habituais das crianças com o espaço, como construir,
deslocar-se, desenhar, etc.

Trabalho de formas geométricas por meio da observação de obras
de arte, de artesanato de construções de arquitetura, pisos,
mosaicos, vitrais de igrejas, ou ainda formas da natureza, como
flores, folhas, casas de abelha, teias de aranha, etc.



Observação de pontos de referência que as crianças adotam, a
sua noção de distancia, de tempo, propor jogos em que precisem
se movimentar ou movimentar um objeto no espaço.
Desenhar objetos a partir de diferentes ângulos de visão, como
visto de cima, de baixo, de lado, e propor representações
tridimensionais, como construções com blocos de madeira,
maquetes, painéis. O uso de figuras, desenhos, fotos e certos
tipos de mapas para a descrição e representação de caminhos,
itinerários, lugares, localizações, etc.



Avaliação de 4 a 6 anos


É importante observar se as crianças utilizam a contagem de
forma espontânea para resolver diferentes situações que lhe são
apresentadas em seu cotidiano.


Nessa faixa etária, espera-se que as crianças utilizem
conhecimentos da contagem oral, registrem quantidades de forma
convencional ou não convencional e comuniquem posições
relativas à localidade de pessoas ou objetos.


O professor deverá acompanhar os avanços que elas adquirem na
contagem.




Conclusão

Trabalhar em Educação Infantil é prazeroso e interessante. As
propostas curriculares do Ministério da Educação para essa
modalidade de ensino são claras e completamente possíveis de
se trabalhar.
Cabe ao professor, nesse caso, ser o mediador dos conceitos,
promovendo atividades diferenciadas que valorizem a construção
do conhecimento e a apropriação dessas noções para que mais
tarde eles venham a ser aproveitados quando os alunos forem
aprender os conceitos e conteúdos mais complexos de
matemática.

Formar crianças que aprendem e gostem de matemática desde os
primeiros anos de escolarização, é um passo a mais na melhoria
da educação brasileira e do país como um todo.


Referencias

ANDRADE, Priscila Meier de; STADLER, Rita de Cássia da Luz;

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional
para a Educação Infantil. Vol. 3. Brasília: 1998.


DRUMOND. Simone Helen de Carvalho, disponível               em
http://simonehelendrumond.ning.com. Acessado                em
11/05/2010.


DRUMOND. Simone Helen de Carvalho, disponível               em
http://simonehelendrumond.blogspot.com. Acessado            em
11/05/2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantillucavao2010
 
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxAcolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxGabih Rocha
 
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...Paulo Lima
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoMagda Marques
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasMarily Oliveira
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilFátima Regina
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilVIROUCLIPTAQ
 
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação Educação Infantil
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoElieneDias
 
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Kássia Quadros Ferreira
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especialAndreia Gomes
 
Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)
Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)
Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)fabiana braga
 
Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.
Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.
Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.Juliana Madna
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarAnaí Peña
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 

Mais procurados (20)

Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantil
 
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxAcolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptx
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
 
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
 
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)
Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)
Ldb : educação infantil ( creches e pre- escolas e ensino fundamental)
 
Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.
Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.
Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 

Semelhante a Formação rcnei

A importância da matemática na alfabetização da criança
A importância da matemática na alfabetização da criançaA importância da matemática na alfabetização da criança
A importância da matemática na alfabetização da criançaCristina Manieiro
 
Metodologia de resolução de problemas
Metodologia de resolução de problemasMetodologia de resolução de problemas
Metodologia de resolução de problemaslechemi
 
Ensino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação InfantilEnsino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação InfantilCarina
 
Seminário rcnei natureza e sociedade
Seminário rcnei natureza e sociedadeSeminário rcnei natureza e sociedade
Seminário rcnei natureza e sociedadeSonia Garrido
 
Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPaula Spadoni
 
Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2
Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2
Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2Coraci Machado Araújo
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançadanizinha_blog
 
Alfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 anoAlfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 anoProalfacabofrio
 
Profª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² Graça
Profª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² GraçaProfª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² Graça
Profª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² GraçaGraça Sousa
 
As crianças e o conhecimento matemático - Priscila Monteiro
As crianças e o conhecimento matemático - Priscila MonteiroAs crianças e o conhecimento matemático - Priscila Monteiro
As crianças e o conhecimento matemático - Priscila MonteiroFabiana Esteves
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinargracabt2011
 
Estágio em séries iniciais
Estágio em séries iniciaisEstágio em séries iniciais
Estágio em séries iniciaisRosinara Azeredo
 
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de MoaresSantana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de MoaresCursoTICs
 
Afinal, quem é este tal de adolescente?
Afinal, quem é este tal de adolescente?Afinal, quem é este tal de adolescente?
Afinal, quem é este tal de adolescente?Juliana Soares
 
Pensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relato
Pensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relatoPensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relato
Pensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relatoPedro França
 
A matemática na rotina a educação infantil
A matemática na rotina a educação infantilA matemática na rotina a educação infantil
A matemática na rotina a educação infantilBeatriz Dornelas
 

Semelhante a Formação rcnei (20)

A importância da matemática na alfabetização da criança
A importância da matemática na alfabetização da criançaA importância da matemática na alfabetização da criança
A importância da matemática na alfabetização da criança
 
Metodologia de resolução de problemas
Metodologia de resolução de problemasMetodologia de resolução de problemas
Metodologia de resolução de problemas
 
Ensino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação InfantilEnsino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação Infantil
 
Seminário rcnei natureza e sociedade
Seminário rcnei natureza e sociedadeSeminário rcnei natureza e sociedade
Seminário rcnei natureza e sociedade
 
Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantil
 
Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2
Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2
Proposta curricular para os anos iniciais em MT.pptx2
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criança
 
Alfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 anoAlfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 ano
 
Profª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² Graça
Profª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² GraçaProfª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² Graça
Profª Graça:PNAIC 2014 - Apresentação 1º encontro - Orientadora :Prof² Graça
 
Jogo seducação infantil
Jogo seducação infantilJogo seducação infantil
Jogo seducação infantil
 
As crianças e o conhecimento matemático - Priscila Monteiro
As crianças e o conhecimento matemático - Priscila MonteiroAs crianças e o conhecimento matemático - Priscila Monteiro
As crianças e o conhecimento matemático - Priscila Monteiro
 
P curricular dos 2 anos borboletas
P curricular dos 2 anos borboletasP curricular dos 2 anos borboletas
P curricular dos 2 anos borboletas
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
 
Estágio em séries iniciais
Estágio em séries iniciaisEstágio em séries iniciais
Estágio em séries iniciais
 
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de MoaresSantana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
 
Afinal, quem é este tal de adolescente?
Afinal, quem é este tal de adolescente?Afinal, quem é este tal de adolescente?
Afinal, quem é este tal de adolescente?
 
Pensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relato
Pensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relatoPensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relato
Pensar a intervenção pedagógica no jardim de infância... um relato
 
A matemática na rotina a educação infantil
A matemática na rotina a educação infantilA matemática na rotina a educação infantil
A matemática na rotina a educação infantil
 
Oppi
OppiOppi
Oppi
 
Unidade 3
Unidade 3Unidade 3
Unidade 3
 

Mais de SimoneHelenDrumond

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfSimoneHelenDrumond
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfSimoneHelenDrumond
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfSimoneHelenDrumond
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfSimoneHelenDrumond
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfSimoneHelenDrumond
 

Mais de SimoneHelenDrumond (20)

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Formação rcnei

  • 1. Simone Helen Drumond de Carvalho Contratações de trabalhos: planejamentos, projetos, TCC, palestras, artigos, oficinas pedagógicas, trabalhos pedagógicos e todo contexto educacional ligue (92) 8813-9225 / 8808-2372 simone_drumond@hotmail.com
  • 2. Formação de Abril dos Educadores do Ensino Infantil da Rede Municipal de Ensino de Manaus Formadora: Lucila Bonina Teixeira Peixoto Na formação Lucila revelou-se bastante competente na projeção dos conteúdos e na mediação de todos os temas que os educadores argumentaram. Parabéns pela excelente mediação! Esmos ansiosos pela formação de Maio
  • 3. RCNEI – Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil Introdução No Brasil, somente a partir da década de 90, do século passado, foi que a Educação Infantil, como um todo, inclusive na questão de políticas públicas, deixou de ser apenas assistencialista e passou a preocupar-se também com o educar. Nesse sentido, surgiu também a necessidade de profissionais qualificados para trabalhar com essas crianças e uma reflexão sobre tal trabalho. Em 1998, surgiram as primeiras diretrizes para educação infantil com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI). Esta publicação foi desenvolvida com o objetivo de servir como um guia de reflexão para os profissionais que atuam diretamente com crianças de 0 a 6 anos, respeitando seus estilos pedagógicos e a diversidade cultural brasileira. Ele é fruto de um amplo debate nacional, do qual participaram professores e diversos especialistas que contribuíram com conhecimentos provenientes tanto da vasta e longa experiência prática de alguns, como da reflexão acadêmica, científica ou administrativa de outros. O Referencial é composto por três volumes que pretendem contribuir para o planejamento, o desenvolvimento e a avaliação de práticas educativas, além da construção de propostas educativas que respondam às demandas das crianças e de seus familiares nas diferentes regiões do país.
  • 4. Natureza e Sociedade Objetivos de 0 a 3 anos Explorar o ambiente, para que possa se relacionar com pessoas, estabelecer contato com pequenos animais, com plantas e com objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse. Objetivos de 4 a 6 anos Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e natural, formulando perguntas, imaginando soluções, manifestando opiniões próprias e confrontando idéias; Estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico de seu grupo social e de outros grupos; Estabelecer relações entre o meio ambiente e as formas de vida que ali se estabelecem.
  • 5. Conteúdos de 0 a 3 anos Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções que digam respeito às tradições culturais em geral; Exploração de diferentes objetos e suas propriedades; Contato com pequenos animais e plantas; Conhecimento do próprio corpo por meio do uso e da exploração de suas habilidades.
  • 6. Conteúdos de 4 a 6 anos Organização dos grupos e seu modo de ser, viver e trabalhar; Os lugares e suas paisagens; Objetos e processos de transformação; Os seres vivos; Os fenômenos da natureza.
  • 7. Orientação didática de 0 a 3 anos A observação e a exploração do meio são as principais possibilidades das crianças aprenderem. As crianças devem ter liberdade para manusear e explorar os diferentes tipos de objeto. Orientação didática de 4 a 6 anos O professor deve partir de perguntas interessantes, em lugar de apresentar explicações, considerando os conhecimentos das crianças sobre o assunto; As crianças também apresentam mais facilidade de aprendizado quando fazem coleta de dados com outras pessoas e/ou têm experiência direta com o meio.
  • 8. Orientações Gerais para o professor O professor deve partir de perguntas interessantes, em lugar de apresentar explicações, de passar conteúdos utilizando didáticas expositivas. Leitura de imagens e objetos: as imagens produzidas pelos homens, como desenhos, mapas, fotografias, pinturas, filmagens, etc., além dos objetos, são recursos inestimáveis para obter inúmeras informações. É importante que a criança aprenda a “ler” esses objetos e imagens. Objetos antigos que pertencem às famílias, exposições de museus, vídeos, filmes, programas de televisão são poderosos recursos para se analisar como viveram pessoas de outras épocas e grupos sociais. Leitura de livros, revistas e enciclopédias também.
  • 9. Avaliação de 0 a 3 anos A criança deve participar de atividades que envolvam a exploração do ambiente imediato e a manipulação de objetos; Nessa fase, o método de avaliação é a observação. O registro é a fonte de informação sobre as crianças, em seu processo de aprender, e sobre o professor, em seu processo de ensinar. Avaliação de 4 a 6 anos O professor deve desenvolver atividades variadas relacionadas a festas, brincadeiras, músicas e danças da tradição cultural da comunidade; Devem ser promovidas situações significativas de aprendizagem para que as crianças exponham suas idéias e opiniões e devem ser oferecidas atividades que as façam avançar nos seus conhecimentos. Considerações gerais sobre avaliação O momento de avaliação implica numa reflexão do professor sobre o processo de aprendizagem. A avaliação não se dá somente no momento final do trabalho, é tarefa permanente do professor. A prática de observar as crianças indica caminhos para selecionar conteúdos e propor desafios. O registro é o acervo de conhecimentos do professor que lhe possibilita avaliar as crianças propondo novos encaminhamentos. Com as atividades praticadas elas poderão conhecer e aprender a valorizar sua cultura.
  • 10. O RCNEI E A ÁREA DE MATEMÁTICA Para o RCNEI (1998, p. 207), o trabalho com a matemática pode contribuir para a formação de cidadãos autônomos, capazes de pensar por conta própria, sabendo resolver problemas. Esses problemas vão desde classificação e seriação, que nessa faixa etária pode ser feita com objetos da realidade da criança, como figurinhas, como localizar-se no espaço e no tempo de maneira adequada. Esses conceitos são desenvolvidos e internalizados no indivíduo justamente nessa primeira fase da vida escolar. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI) (2008, p. 207) alerta que o trabalho com noções matemáticas deve atender as necessidades da criança de Educação Infantil e estimulá-la a construir conhecimentos nos mais variados domínios do pensamento. Na questão matemática, ela tem por função propiciar momentos de instrumentalizar as crianças para interagir no mundo em que vivem, a compreender e resolver problemas cotidianos. Presença da Matemática na Educação Infantil: Idéias e Práticas Correntes. Para que a educação matemática se efetive, o Ministério da Educação (MEC) propõe que na Educação Infantil sejam contemplados os seguintes aspectos com relação à educação matemática:
  • 11. ü A repetição, memorização e associação - vêm sendo criticadas por alguns pesquisadores, pois atividades que valorizem apenas esses aspectos na área da matemática causam uma defasagem na aprendizagem como um todo. Porém, não pode ser simplesmente abolida da Educação Infantil porque em algumas situações a memorização se faz necessária. A memorização de termos, números, seqüências é fundamental para que outros problemas matemáticos sejam resolvidos com maior facilidade.
  • 12. ü Do concreto ao abstrato - necessidade do concreto para que a partir daí possa se passar para o conhecimento abstrato. Esse concreto pode ser desde um objeto do dia a dia da criança como o lápis, a mesa, como situações em que a criança se identifica e identifica também conceitos matemáticos, como por exemplo, perceber que um sinaleiro de transito é mais demorado que outro. Nesse exemplo, a criança se utilizou do concreto, que foi passar todos os dias pelos sinaleiros, para perceber as noções de tempo. ü Atividades pré-numéricas - Antes de partir para os números propriamente ditos e em suas relações de quantidade, é preciso que as crianças em educação infantil tenham noções de seriação, classificação, quantidade, diferenciação, cores, noções de distância, de tempo e de localização. Esses pré-conceitos são a base para trabalhar mais a frente questões propriamente numéricas. ü Jogos e aprendizagem de noções matemáticas – Ao participar ativamente de atividades lúdicas e prazerosas, as crianças aprendem matemática brincando, pelo menos essa afirmação tem servido de argumento para fortalecer essa concepção, se contrapõe à orientação de que, para aprender Matemática, é necessário um ambiente em que predomine a rigidez, a disciplina e o silêncio. O jogo pode tornar-se uma estratégia didática quando as situações são planejadas e orientadas pelo adulto visando a uma finalidade de aprendizagem, isto é, proporcionar à criança algum tipo de conhecimento, alguma relação ou atitude. É necessário haver uma intencionalidade educativa, o que implica planejamento e previsão de etapas pelo professor, para alcançar objetivos predeterminados e extrais do jogo atividades que lhe são decorrentes.
  • 13. A partir destas noções, a criança: ü Constrói as noções matemáticas a partir das interações com o meio e com outras pessoas; ü Tece relações, organiza o pensamento, o raciocínio lógico, situa-se e localiza-se espacialmente; ü Conforme vão crescendo, conquistam maior autonomia e passam a conseguir levar adiante, por um tempo maior, ações que tenham uma finalidade, entre elas, atividades e jogos. Os conhecimentos e experiências adquiridos no âmbito da convivência social favorecem a proposição de situações que despertem a curiosidade e interesse das crianças para continuar aprendendo. Diante disso, o professor deve propor situações- problemas significativas em que a criança possa ampliar aprofundar e construir novos sentidos para seus conhecimentos.
  • 14. Objetivos de 0 a 3 anos Proporcionar oportunidades para que as crianças desenvolvam a capacidade de: Estabelecer aproximações de algumas noções matemáticas presente em seu cotidiano como contagem e relações espaciais. Conteúdo de 0 a 3 anos A seleção de conteúdos matemáticos é importante na aprendizagem. Deve saber que: Aprender matemática é um processo contínuo no quais as crianças estabelecem relações nas observações, e ações que fazem, desde cedo no seu ambiente físico e sócio cultural. A construção de competência matemática pela criança ocorre no desenvolvimento de inúmeras outras naturezas diferentes como, comunicar-se oralmente, desenhar, ler, escrever, movimentar-se, cantar etc. Contagem oral, noção de quantidade, de tempo e de espaço em jogos, brincadeiras e músicas junto com o professor e nos diversos contextos nos quais as crianças reconheçam essa utilização como necessária. Manipulação e exploração de objetos e brinquedos, em situações organizadas de forma a existirem quantidades individuais suficientes para que cada criança possa descobrir as características principais e suas possibilidades associativas: empilhar, rolar, transvasar, encaixar etc.
  • 15. Orientação didática de 0 a 3 anos As situações cotidianas oferecem oportunidades privilegiadas para o trabalho com a especificidade das idéias matemáticas. As festas, as histórias e principalmente, os jogos e as brincadeiras permitem a familiarização com elementos espaciais e numéricos, sem imposição. As situações deveriam ter um caráter múltiplo para que as crianças possam interessar-se fazer relações sobre várias áreas e comunicá- las. As modificações no espaço a construção de diferentes circuitos de obstáculo com cadeiras, mesas, pneus e panos por onde as crianças possam engatinhar ou andar-subindo, descendo, passando por dentro, por cima, por baixo. As brincadeiras de construir torres, pistas para carrinhos e cidades, com blocos de madeira de encaixe, possibilitam representar o espaço numa outra dimensão. O faz de conta das crianças pode ser enriquecido organizando-se espaços próprios com objetos e brinquedos que contenham números, como telefone, máquina de calcular, relógio, etc. A situação de festa de aniversário pode constituir-se em momentos ricos de aproximação com a função dos números. O professor pode organizar, junto com as crianças, um quadro de aniversariantes, contendo a data do aniversário e a idade de cada criança. As crianças por volta dos dois anos já podem, com ajuda do professor, contar quantos dias faltam para seu aniversário. Pode-se organizar um painel com pesos e medidas das crianças para que elas observem suas diferenças. O folclore brasileiro é fonte riquíssima de cantigas e rimas infantis envolvendo contagem e números, que podem ser utilizadas como forma de aproximação com a matemática oral.
  • 16. Avaliação de 0 a 3 anos Toda avaliação feita incide sobre os progressos apresentados pela criança. As experiências prioritárias nessa faixa etária são os contatos com os números e a exploração do espaço. Para isso, é preciso que as crianças participem de situações nas quais sejam utilizadas as contagens orais, referencias, espaciais e temporais. Criar condições para que as crianças engatinhem, arrastem-se, pulem... Explorando o máximo seus espaços. Objetivos de 4 a 6 anos Aprofundar e ampliar o trabalho para a faixa etária de 0 a 3 anos, garantindo oportunidades para que sejam capazes de: Reconhecer e valorizar os números, as operações numéricas, as contagens orais e as noções espaciais como ferramentas necessárias no seu cotidiano. Comunicar idéias matemáticas, hipóteses, processos utilizados e resultados encontrados em situações-problemas relativas a quantidades, espaço físico e medida, utilizando a linguagem oral e matemática. Ter confiança em suas próprias estratégias e na capacidade para lidar com situações matemáticas nova, utilizando o seu conhecimento prévio.
  • 17. Conteúdos de 4 a 6 anos Os conteúdos nessa faixa etária estão organizados em três blocos: “Números e sistemas de numeração”, “Grandezas e medidas” e “Espaço e forma”. A contagem é realizada de forma diversificada pelas crianças, com um significado que se modifica conforme o contexto. Propor para as crianças problemas relativos à contagem de diversas formas. Os procedimentos indispensáveis para a compreensão do significado da notação numérica para a criança é ler os números, compará-los e ordená-los. Para as crianças, os aspectos relevantes da numeração são os que fazem parte de suas vidas cotidianas. As crianças podem pesquisar as informações numéricas de cada membro de seu grupo: idade, número do sapato, número da roupa, altura, peso, etc. O cálculo é, portanto, aprendido junto com a noção de número e a partir do seu uso em jogos e situações-problema. Pode-se propor para as crianças de cinco e seis anos situações em que tenham de resolver problemas aritméticos e não contas isoladas. Exploração de diferentes procedimentos para comparar grandezas. Introdução às noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo, pela utilização de unidades convencionais e não convencionais.
  • 18. Marcação do tempo por meio de calendários. Experiências com dinheiro em brincadeiras ou em situações de interesse das crianças. Explicitação e representação da posição de pessoas e objetos, utilizando vocabulários pertinente nos jogos, nas brincadeiras e nas diversas situações nas quais as crianças considerarem necessário essa ação. Exploração e identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras, como formas, tipos de contornos e objetos, bidimensionais, tridimensionais, faces planas, lados retos, etc. Identificação de pontos de referencia para situar-se e deslocar-se no espaço. Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos, observando pontos de referência.
  • 19. Orientação didática de 4 a 6 anos Com os números e os sistemas de numeração, o contato e a utilização desses conhecimentos podem ocorrer em problemas cotidianos, no ambiente familiar, em brincadeiras, nas informações que lhes chegam pelos meios de comunicação. Na contagem podem ser usados os jogos de esconder ou de pega, nos quais um dos participantes deve contar, enquanto espera os outros se posicionarem; brincadeiras e cantigas que incluem diferentes formas de contagem. Na notação e escrita numéricas, os números podem ser lidos, comparados e ordenados, através de histórias, quando a leitura do índice e da numeração das páginas são incluídos. Histórias em capítulos, coletâneas e enciclopédias são muito interessantes nesse processo. Em álbuns de figurinhas, pode ser pedido que antecipem a localização da figurinha no álbum ou, se abrindo em determinada página, que folhem o álbum para frente ou para trás. O uso de calendários, marcando os dias ou escrevendo a data na lousa; fazer contagem para datas importantes como aniversário das crianças, data de passeio, etc. Pesquisa das informações numéricas de cada membro do grupo, como idade, número de sapato e roupa, peso, altura, etc., fazendo uma tabela e criando problemas de comparação. Jogos de baralho, de adivinhação ou que utilizem dados, considerando o antecessor e o sucessor. Nas operações pode ocorrer a realização de estimativas, propiciando que as crianças comparem, juntem, separem, combinem grandezas ou transformem dados numéricos.
  • 20. Com as grandezas e medidas, o professor pode propor situações- problemas em que a criança possa ampliar, aprofundar, e construir novos sentidos para seus conhecimentos. Atividades de culinária envolvem diferentes unidades de medida, como o tempo de cozimento e a quantidade dos ingredientes. Comparação de comprimento, pesos e capacidades, marcação de tempo e a noção de temperatura. As medidas podem ser feitas pelos meios convencionais, como balança, fita métrica, régua, ou por meios não convencionais, como passos, pedaços de barbante ou palitos. O dinheiro possui várias finalidades didáticas, como fazer trocas, comparar valores, fazer operações, resolver problemas e visualizar características da representação dos números naturais e dos números decimais. No espaço e formas, colocar desafios que dizem respeito ás relações habituais das crianças com o espaço, como construir, deslocar-se, desenhar, etc. Trabalho de formas geométricas por meio da observação de obras de arte, de artesanato de construções de arquitetura, pisos, mosaicos, vitrais de igrejas, ou ainda formas da natureza, como flores, folhas, casas de abelha, teias de aranha, etc. Observação de pontos de referência que as crianças adotam, a sua noção de distancia, de tempo, propor jogos em que precisem se movimentar ou movimentar um objeto no espaço.
  • 21. Desenhar objetos a partir de diferentes ângulos de visão, como visto de cima, de baixo, de lado, e propor representações tridimensionais, como construções com blocos de madeira, maquetes, painéis. O uso de figuras, desenhos, fotos e certos tipos de mapas para a descrição e representação de caminhos, itinerários, lugares, localizações, etc. Avaliação de 4 a 6 anos É importante observar se as crianças utilizam a contagem de forma espontânea para resolver diferentes situações que lhe são apresentadas em seu cotidiano. Nessa faixa etária, espera-se que as crianças utilizem conhecimentos da contagem oral, registrem quantidades de forma convencional ou não convencional e comuniquem posições relativas à localidade de pessoas ou objetos. O professor deverá acompanhar os avanços que elas adquirem na contagem. Conclusão Trabalhar em Educação Infantil é prazeroso e interessante. As propostas curriculares do Ministério da Educação para essa modalidade de ensino são claras e completamente possíveis de se trabalhar.
  • 22. Cabe ao professor, nesse caso, ser o mediador dos conceitos, promovendo atividades diferenciadas que valorizem a construção do conhecimento e a apropriação dessas noções para que mais tarde eles venham a ser aproveitados quando os alunos forem aprender os conceitos e conteúdos mais complexos de matemática. Formar crianças que aprendem e gostem de matemática desde os primeiros anos de escolarização, é um passo a mais na melhoria da educação brasileira e do país como um todo. Referencias ANDRADE, Priscila Meier de; STADLER, Rita de Cássia da Luz; BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Vol. 3. Brasília: 1998. DRUMOND. Simone Helen de Carvalho, disponível em http://simonehelendrumond.ning.com. Acessado em 11/05/2010. DRUMOND. Simone Helen de Carvalho, disponível em http://simonehelendrumond.blogspot.com. Acessado em 11/05/2010.