SlideShare uma empresa Scribd logo
Camões

         Corrente renascentista
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.

Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,
escureceu-me o engenho co tormento,
para que seus enganos não dissesse.

Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes
num breve livro casos tão diversos,

verdades puras são, e não defeitos...
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.

Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,
escureceu-me o engenho co tormento,
para que seus enganos não dissesse.

Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos    Vocabulário
a diversas vontades! Quando lerdes      1. Fortuna - sorte, destino.
                                        6. Minha escritura - meus versos.
num breve livro casos tão diversos,
                                        Juízo isento - coração livre dos sofrimentos amorosos.
                                        7. Engenho - inspiração.
verdades puras são, e não defeitos...   9.-10. Sujeitos a diversas vonta-des - sujeitos a
                                        diversos amo-res (inconstância amorosa).
E sabei que, segundo o amor tiverdes,   Defeitos - meias verdades.
tereis o entendimento de meus versos!   Segundo o amor tiverdes - se-gundo            a  vossa
                                        experiência amorosa.
Tema:
                                                O DESENGANO
                                            Contradições do amor
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.
                                        O soneto é uma autobiografia
                                        literária em que está presente o
Porém, temendo Amor que aviso desse     fatalismo e a análise fatalista da sua
minha escritura a algum juízo isento,   vida.
escureceu-me o engenho co tormento,     O poeta compôs versos amorosos
para que seus enganos não dissesse.     enquanto o Destino lhe permitiu
                                        que mantivesse esperanças de vir a
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos    ser feliz. Mas o Amor, que não
a diversas vontades! Quando lerdes      queria ver divulgados os seus
num breve livro casos tão diversos,     enganos, secou-lhe a inspiração.

verdades puras são, e não defeitos...
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Desenvolvimento do Tema:


Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento          1ª estrofe – a fortuna ou sorte
me fez que seus efeitos escrevesse.     permitiram a alegria e a escrita sobre
                                        a temática do Amor
Porém, temendo Amor que aviso desse
                                        2ª estrofe – o Amor temeu que algo
minha escritura a algum juízo isento,
                                        de negativo fosse registado e retira o
escureceu-me o engenho co tormento,
                                        engenho ao “eu”
para que seus enganos não dissesse.
                                        3ª e 4ª estrofes – o apelo é
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos    endereçado a todas as vítimas do
a diversas vontades! Quando lerdes      amor, para que ao ler versos tão
num breve livro casos tão diversos,     diversos, entendam que estes terão
                                        tanto mais sentido quanto tiver sido o
verdades puras são, e não defeitos...   amor vivido/sentido pelos leitores.
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Assunto
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,       Enquanto o destino (Fortuna) permitiu
                                        que alimentasse a esperança de alguma
o gosto de um suave pensamento
                                        felicidade, o poeta dedicou-se a
me fez que seus efeitos escrevesse.     escrever os efeitos da mesma,
                                        naturalmente em versos amorosos.
Porém, temendo Amor que aviso desse     Porém, o Amor, temendo que seus
minha escritura a algum juízo isento,   enganos fossem divulgados, secou-lhe a
                                        inspiração. Assim, aqueles a quem o
escureceu-me o engenho co tormento,
                                        Amor sujeita às suas insconstâncias,
para que seus enganos não dissesse.     mesmo que, em tais versos, leiam casos
                                        tão diferentes (quiçá contraditórios),
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos    deverão considerá-los verdades puras, e
a diversas vontades! Quando lerdes      não o contrário, sendo que as
                                        compreenderão tanto melhor, quanto
num breve livro casos tão diversos,
                                        mais larga for a sua experiência
                                        amorosa.
verdades puras são, e não defeitos...
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Estrutura interna

Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento             1ª parte, constituída pelas quadras.
                                           Esta 1.ª parte está, igualmente, subdividida: na
me fez que seus efeitos escrevesse.
                                           primeira quadra, observamos o papel coadjuvante
                                           do destino (Fortuna) e, na segunda, confrontamo-
Porém, temendo Amor que aviso desse        nos com o carácter oponente do Amor (nome
minha escritura a algum juízo isento,      também atribuído a Cupido, filho de Vénus).
escureceu-me o engenho co tormento,        Note-se que a transição da primeira para a
                                           segunda quadra é feita através do conector
para que seus enganos não dissesse.
                                           (conjunção) adversativo "porém", o que, desde
                                           logo, antecipa a adversidade nela contida.
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes         2ª parte, constituída pelos tercetos, em que o
num breve livro casos tão diversos,        poeta, apostrofando os que se sujeitam aos
                                           caprichos do Amor, adverte para a autenticidade
                                           de seus versos, cujo entendimento será tanto
verdades puras são, e não defeitos...      melhor quanto maior a experiência (porventura
E sabei que, segundo o amor tiverdes,      dolorosa) do mesmo amor.
tereis o entendimento de meus versos!
Enquanto quis Fortuna que tivesse
                                              esperança de algum contentamento,
1º momento:
                                              o gosto de um suave pensamento
Enquanto teve esperanças de ser feliz,
                                              me fez que seus efeitos escrevesse.
sentiu necessidade de escrever, de revelar
os efeitos do sentimento amoroso.
                                              Porém, temendo Amor que aviso desse
                                              minha escritura a algum juízo isento,
2º momento:                                   escureceu-me o engenho co tormento,
É atribuído ao Amor o poder de, através do    para que seus enganos não dissesse.
sofrimento, lhe diminuir, ou mesmo tirar, a
capacidade poética.                           Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
                                              a diversas vontades! Quando lerdes
O poeta dirige-se a todos os leitores que
                                              num breve livro casos tão diversos,
estejam envolvidos pelo Amor.

                                              verdades puras são, e não defeitos...
                                              E sabei que, segundo o amor tiverdes,
                                              tereis o entendimento de meus versos!
Enquanto quis Fortuna que tivesse       A estrutura interna bipartida também se
esperança de algum contentamento,       faz notar ao nível da progressão das
o gosto de um suave pensamento          formas verbais:
me fez que seus efeitos escrevesse.     • nas quadras, o tempo dominante é o
                                           pretérito perfeito do indicativo, que nos
Porém, temendo Amor que aviso desse        dá conta das posições assumidas por
                                           cada uma das entidades ("quis"
minha escritura a algum juízo isento,
                                           (Fortuna); "fez" (o gosto de um suave
escureceu-me o engenho co tormento,
                                           pensamento); "escureceu-me" (Amor));
para que seus enganos não dissesse.
                                        • nos tercetos, a par do presente do
                                           indicativo ("obriga"; "são") e do futuro
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos       imperfeito do conjuntivo ("lerdes";
a diversas vontades! Quando lerdes         "tiverdes"), sobressaem o imperativo
num breve livro casos tão diversos,        ("sabei") e o futuro do indicativo
                                           ("tereis"), associados à apóstrofe
verdades puras são, e não defeitos...      utilizada ("Ó vós").
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Amor


Esperança / Sorte (forças adjuvantes -                    Dor / Sofrimento
              Fortuna)                               (forças contrárias -Cupido)




         Contentamento                                             Tristeza
 (leva Camões a escrever sobre                             (inspiração / engenho
       os efeitos do Amor)                                        ausentes)



                            Contradições do Amor
                  (forças contrárias exercidas por Fortuna e
                                   Cupido)


                                    Puras verdades
Divisão em termos temáticos

Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,       1ª Parte – efeitos positivos
o gosto de um suave pensamento                   do amor
me fez que seus efeitos escrevesse.

Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,   2ª Parte – efeitos negativos
escureceu-me o engenho co tormento,               do amor
Para que seus enganos não dissesse.

Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes
num breve livro casos tão diversos,
                                          3ª Parte – apelo e aviso a
                                              todos os amantes
verdades puras são e não defeitos;
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos.
Uso das Maiúsculas
                                        Fortuna:
                                        Deusa Fortuna e/ou sorte, destino (para salientar a sua
Enquanto quis Fortuna que tivesse       importância)
                                        Os antigos costumavam chamar Fortuna ao acaso
esperança de algum contentamento,       ou à circunstância, geralmente de resultados felizes. M
o gosto de um suave pensamento          as a fortuna não era apenas o acaso impessoal, acaso
me fez que seus efeitos escrevesse.     pelo acaso. Representava também uma entidade mítica,
                                        portadora de vontade e caprichos. Aqui, os desígnios
                                        da Fortuna são de repente substituídos por desígnios
Porém, temendo Amor que aviso desse     vindos de outra entidade mítica, no caso, o Amor (Eros).
minha escritura a algum juízo isento,
                                        Amor:
escureceu-me o engenho co tormento,     Cupido; a relevância do sentimento de que está possuído.
para que seus enganos não dissesse.     E o Amor, diz Camões, temia a revelação de seus próprios
                                        caprichos. A terceira estrofe      muda o registro do
                                        poema, pois introduz um vocativo (que como figura de
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos    linguagem, é chamado também apóstrofe ) em que
a diversas vontades! Quando lerdes      o poeta chama a atenção de todos os amantes para a
                                        verdade daquilo que está dizendo. Contudo, diz ele , o
num breve livro casos tão diversos,
                                        entendimento de seus versos não será o mesmo para
                                        todos que o lerem, mas, ao contrário, cada leitor os
verdades puras são, e não defeitos...   entenderá segundo o tipo de amor a que está
                                        sujeito. Esta conclusão encerra uma certa sabedoria de
E sabei que, segundo o amor tiverdes,   linguagem, a de que na leitura de um poema, cada amante
tereis o entendimento de meus versos!   busca seu próprio retrato.
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.
                                        Nos versos 5 e 9, o poeta refere-se ao
                                        Amor como um conceito, um valor
Porém, temendo Amor que aviso desse     intemporal, universal, abstrato e
minha escritura a algum juízo isento,   absoluto. Por isso valeu-se da inicial
escureceu-me o engenho co tormento,     maiúscula, da chamada maiúscula
para que seus enganos não dissesse.     alegorizante. No verso 13, amor está
                                        grafado com minúscula por referir-se à
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos    experiência    humana,      à   relação
a diversas vontades! Quando lerdes      interpessoal, concreta, à relação
num breve livro casos tão diversos,     amorosa vivida, não idealizada.

verdades puras são, e não defeitos...
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,       Recursos de estilo
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.           Anástrofe: (vv. 1, 4, 5, 8, 11, 12);
                                            Apóstrofe:
Porém, temendo Amor que aviso desse         “Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos”
minha escritura a algum juízo isento,
                                            Antítese: (estabelecida entre a atitude
escureceu-me o engenho co tormento,          adjuvante da Fortuna, na primeira quadra, e
para que seus enganos não dissesse.          a de oponente, por parte do Amor, na
                                             segunda);
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos        Hipérbato (vv. 5/6);
a diversas vontades! Quando lerdes          Metonímia (v. 5 (Amor, o Cupido, tomado pelo
num breve livro casos tão diversos,          próprio sentimento do amor);


verdades puras são, e não defeitos...
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!
Enquanto quis Fortuna que tivesse           A
esperança de algum contentamento,           B        Emparelhada
o gosto de um suave pensamento              B        Interpolada
me fez que seus efeitos escrevesse.         A

Porém, temendo Amor que aviso desse         A
minha escritura a algum juízo isento,       B
escureceu-me o engenho co tormento,         B
Para que seus enganos não dissesse          A

Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos        C
a diversas vontades! Quando lerdes          D
num breve livro casos tão diversos,         E

verdades puras são e não defeitos;         C
E sabei que, segundo o amor tiverdes,      D              Cruzada
tereis o entendimento de meus versos.      E



                                        Em / quan / to / quis / for / tu / na / que / ti / ve // (sse)
                                        Es / pe / ran / ça / de al / gum / com / tem /ta / men // (to)
                                                     Os versos são decassílabos.
Disciplina: Português
Prof.ª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
Ana Beatriz
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
Helena Coutinho
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
Helena Coutinho
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
Helena Coutinho
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
Maria Góis
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
quintaldasletras
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Raquel Antunes
 
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutoriosExp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
mariaric
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
Gijasilvelitz 2
 

Mais procurados (20)

“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutoriosExp10 emp lp_007 atos ilocutorios
Exp10 emp lp_007 atos ilocutorios
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 

Destaque

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Camões
Camões Camões
Camões
ameliapadrao
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Angela Silva
 
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Nuno Eusébio
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
rita Silva
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
Helena Coutinho
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Apostila literatura
Apostila literaturaApostila literatura
Apostila literatura
resolvidos
 
Sois uma dama
Sois uma damaSois uma dama
Sois uma dama
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 

Destaque (13)

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Camões
Camões Camões
Camões
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Apostila literatura
Apostila literaturaApostila literatura
Apostila literatura
 
Sois uma dama
Sois uma damaSois uma dama
Sois uma dama
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 

Semelhante a Enquanto quis fortuna que tivesse

Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
Cesarina Sousa
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
Mia couto
Mia coutoMia couto
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Literatura
LiteraturaLiteratura
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Confraria Paranaense
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
José Ricardo Lima
 
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Roosevelt F. Abrantes
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Leonor Costa
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
Luna Di Primo
 
Revista literatas edição 15
Revista literatas   edição 15Revista literatas   edição 15
Revista literatas edição 15
Eng. Marcelo Soriano
 
Catulo E Ovídio
Catulo E OvídioCatulo E Ovídio
Catulo E Ovídio
Kleris Ribeiro
 
Literatura II
Literatura IILiteratura II
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
ma.no.el.ne.ves
 
A poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeiraA poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeira
ma.no.el.ne.ves
 
Amorfogoquearde
Amorfogoquearde Amorfogoquearde
Toque por amor
Toque por amorToque por amor
Toque por amor
Pastor Robson Colaço
 
Entre a poesia e a solidão
Entre a poesia e a solidãoEntre a poesia e a solidão
Entre a poesia e a solidão
jasm953
 
Lírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocageLírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocage
ma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a Enquanto quis fortuna que tivesse (20)

Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Mia couto
Mia coutoMia couto
Mia couto
 
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Poesia amor
 
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Poesia amor
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
Revista literatas edição 15
Revista literatas   edição 15Revista literatas   edição 15
Revista literatas edição 15
 
Catulo E Ovídio
Catulo E OvídioCatulo E Ovídio
Catulo E Ovídio
 
Literatura II
Literatura IILiteratura II
Literatura II
 
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
 
A poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeiraA poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeira
 
Amorfogoquearde
Amorfogoquearde Amorfogoquearde
Amorfogoquearde
 
Toque por amor
Toque por amorToque por amor
Toque por amor
 
Entre a poesia e a solidão
Entre a poesia e a solidãoEntre a poesia e a solidão
Entre a poesia e a solidão
 
Lírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocageLírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocage
 

Mais de Helena Coutinho

Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
Helena Coutinho
 
6. sequências narrativas
6. sequências narrativas6. sequências narrativas
6. sequências narrativas
Helena Coutinho
 
5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas
Helena Coutinho
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (18)

Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
 
6. sequências narrativas
6. sequências narrativas6. sequências narrativas
6. sequências narrativas
 
5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
 

Enquanto quis fortuna que tivesse

  • 1. Camões Corrente renascentista
  • 2. Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, escureceu-me o engenho co tormento, para que seus enganos não dissesse. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes num breve livro casos tão diversos, verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 3. Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, escureceu-me o engenho co tormento, para que seus enganos não dissesse. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos Vocabulário a diversas vontades! Quando lerdes 1. Fortuna - sorte, destino. 6. Minha escritura - meus versos. num breve livro casos tão diversos, Juízo isento - coração livre dos sofrimentos amorosos. 7. Engenho - inspiração. verdades puras são, e não defeitos... 9.-10. Sujeitos a diversas vonta-des - sujeitos a diversos amo-res (inconstância amorosa). E sabei que, segundo o amor tiverdes, Defeitos - meias verdades. tereis o entendimento de meus versos! Segundo o amor tiverdes - se-gundo a vossa experiência amorosa.
  • 4. Tema: O DESENGANO Contradições do amor Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. O soneto é uma autobiografia literária em que está presente o Porém, temendo Amor que aviso desse fatalismo e a análise fatalista da sua minha escritura a algum juízo isento, vida. escureceu-me o engenho co tormento, O poeta compôs versos amorosos para que seus enganos não dissesse. enquanto o Destino lhe permitiu que mantivesse esperanças de vir a Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos ser feliz. Mas o Amor, que não a diversas vontades! Quando lerdes queria ver divulgados os seus num breve livro casos tão diversos, enganos, secou-lhe a inspiração. verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 5. Desenvolvimento do Tema: Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento 1ª estrofe – a fortuna ou sorte me fez que seus efeitos escrevesse. permitiram a alegria e a escrita sobre a temática do Amor Porém, temendo Amor que aviso desse 2ª estrofe – o Amor temeu que algo minha escritura a algum juízo isento, de negativo fosse registado e retira o escureceu-me o engenho co tormento, engenho ao “eu” para que seus enganos não dissesse. 3ª e 4ª estrofes – o apelo é Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos endereçado a todas as vítimas do a diversas vontades! Quando lerdes amor, para que ao ler versos tão num breve livro casos tão diversos, diversos, entendam que estes terão tanto mais sentido quanto tiver sido o verdades puras são, e não defeitos... amor vivido/sentido pelos leitores. E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 6. Assunto Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, Enquanto o destino (Fortuna) permitiu que alimentasse a esperança de alguma o gosto de um suave pensamento felicidade, o poeta dedicou-se a me fez que seus efeitos escrevesse. escrever os efeitos da mesma, naturalmente em versos amorosos. Porém, temendo Amor que aviso desse Porém, o Amor, temendo que seus minha escritura a algum juízo isento, enganos fossem divulgados, secou-lhe a inspiração. Assim, aqueles a quem o escureceu-me o engenho co tormento, Amor sujeita às suas insconstâncias, para que seus enganos não dissesse. mesmo que, em tais versos, leiam casos tão diferentes (quiçá contraditórios), Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos deverão considerá-los verdades puras, e a diversas vontades! Quando lerdes não o contrário, sendo que as compreenderão tanto melhor, quanto num breve livro casos tão diversos, mais larga for a sua experiência amorosa. verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 7. Estrutura interna Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento 1ª parte, constituída pelas quadras. Esta 1.ª parte está, igualmente, subdividida: na me fez que seus efeitos escrevesse. primeira quadra, observamos o papel coadjuvante do destino (Fortuna) e, na segunda, confrontamo- Porém, temendo Amor que aviso desse nos com o carácter oponente do Amor (nome minha escritura a algum juízo isento, também atribuído a Cupido, filho de Vénus). escureceu-me o engenho co tormento, Note-se que a transição da primeira para a segunda quadra é feita através do conector para que seus enganos não dissesse. (conjunção) adversativo "porém", o que, desde logo, antecipa a adversidade nela contida. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes 2ª parte, constituída pelos tercetos, em que o num breve livro casos tão diversos, poeta, apostrofando os que se sujeitam aos caprichos do Amor, adverte para a autenticidade de seus versos, cujo entendimento será tanto verdades puras são, e não defeitos... melhor quanto maior a experiência (porventura E sabei que, segundo o amor tiverdes, dolorosa) do mesmo amor. tereis o entendimento de meus versos!
  • 8. Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, 1º momento: o gosto de um suave pensamento Enquanto teve esperanças de ser feliz, me fez que seus efeitos escrevesse. sentiu necessidade de escrever, de revelar os efeitos do sentimento amoroso. Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, 2º momento: escureceu-me o engenho co tormento, É atribuído ao Amor o poder de, através do para que seus enganos não dissesse. sofrimento, lhe diminuir, ou mesmo tirar, a capacidade poética. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes O poeta dirige-se a todos os leitores que num breve livro casos tão diversos, estejam envolvidos pelo Amor. verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 9. Enquanto quis Fortuna que tivesse A estrutura interna bipartida também se esperança de algum contentamento, faz notar ao nível da progressão das o gosto de um suave pensamento formas verbais: me fez que seus efeitos escrevesse. • nas quadras, o tempo dominante é o pretérito perfeito do indicativo, que nos Porém, temendo Amor que aviso desse dá conta das posições assumidas por cada uma das entidades ("quis" minha escritura a algum juízo isento, (Fortuna); "fez" (o gosto de um suave escureceu-me o engenho co tormento, pensamento); "escureceu-me" (Amor)); para que seus enganos não dissesse. • nos tercetos, a par do presente do indicativo ("obriga"; "são") e do futuro Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos imperfeito do conjuntivo ("lerdes"; a diversas vontades! Quando lerdes "tiverdes"), sobressaem o imperativo num breve livro casos tão diversos, ("sabei") e o futuro do indicativo ("tereis"), associados à apóstrofe verdades puras são, e não defeitos... utilizada ("Ó vós"). E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 10. Amor Esperança / Sorte (forças adjuvantes - Dor / Sofrimento Fortuna) (forças contrárias -Cupido) Contentamento Tristeza (leva Camões a escrever sobre (inspiração / engenho os efeitos do Amor) ausentes) Contradições do Amor (forças contrárias exercidas por Fortuna e Cupido) Puras verdades
  • 11. Divisão em termos temáticos Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, 1ª Parte – efeitos positivos o gosto de um suave pensamento do amor me fez que seus efeitos escrevesse. Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, 2ª Parte – efeitos negativos escureceu-me o engenho co tormento, do amor Para que seus enganos não dissesse. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes num breve livro casos tão diversos, 3ª Parte – apelo e aviso a todos os amantes verdades puras são e não defeitos; E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos.
  • 12. Uso das Maiúsculas Fortuna: Deusa Fortuna e/ou sorte, destino (para salientar a sua Enquanto quis Fortuna que tivesse importância) Os antigos costumavam chamar Fortuna ao acaso esperança de algum contentamento, ou à circunstância, geralmente de resultados felizes. M o gosto de um suave pensamento as a fortuna não era apenas o acaso impessoal, acaso me fez que seus efeitos escrevesse. pelo acaso. Representava também uma entidade mítica, portadora de vontade e caprichos. Aqui, os desígnios da Fortuna são de repente substituídos por desígnios Porém, temendo Amor que aviso desse vindos de outra entidade mítica, no caso, o Amor (Eros). minha escritura a algum juízo isento, Amor: escureceu-me o engenho co tormento, Cupido; a relevância do sentimento de que está possuído. para que seus enganos não dissesse. E o Amor, diz Camões, temia a revelação de seus próprios caprichos. A terceira estrofe muda o registro do poema, pois introduz um vocativo (que como figura de Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos linguagem, é chamado também apóstrofe ) em que a diversas vontades! Quando lerdes o poeta chama a atenção de todos os amantes para a verdade daquilo que está dizendo. Contudo, diz ele , o num breve livro casos tão diversos, entendimento de seus versos não será o mesmo para todos que o lerem, mas, ao contrário, cada leitor os verdades puras são, e não defeitos... entenderá segundo o tipo de amor a que está sujeito. Esta conclusão encerra uma certa sabedoria de E sabei que, segundo o amor tiverdes, linguagem, a de que na leitura de um poema, cada amante tereis o entendimento de meus versos! busca seu próprio retrato.
  • 13. Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. Nos versos 5 e 9, o poeta refere-se ao Amor como um conceito, um valor Porém, temendo Amor que aviso desse intemporal, universal, abstrato e minha escritura a algum juízo isento, absoluto. Por isso valeu-se da inicial escureceu-me o engenho co tormento, maiúscula, da chamada maiúscula para que seus enganos não dissesse. alegorizante. No verso 13, amor está grafado com minúscula por referir-se à Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos experiência humana, à relação a diversas vontades! Quando lerdes interpessoal, concreta, à relação num breve livro casos tão diversos, amorosa vivida, não idealizada. verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 14. Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, Recursos de estilo o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse.  Anástrofe: (vv. 1, 4, 5, 8, 11, 12);  Apóstrofe: Porém, temendo Amor que aviso desse  “Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos” minha escritura a algum juízo isento,  Antítese: (estabelecida entre a atitude escureceu-me o engenho co tormento, adjuvante da Fortuna, na primeira quadra, e para que seus enganos não dissesse. a de oponente, por parte do Amor, na segunda); Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos  Hipérbato (vv. 5/6); a diversas vontades! Quando lerdes  Metonímia (v. 5 (Amor, o Cupido, tomado pelo num breve livro casos tão diversos, próprio sentimento do amor); verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos!
  • 15. Enquanto quis Fortuna que tivesse A esperança de algum contentamento, B Emparelhada o gosto de um suave pensamento B Interpolada me fez que seus efeitos escrevesse. A Porém, temendo Amor que aviso desse A minha escritura a algum juízo isento, B escureceu-me o engenho co tormento, B Para que seus enganos não dissesse A Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos C a diversas vontades! Quando lerdes D num breve livro casos tão diversos, E verdades puras são e não defeitos; C E sabei que, segundo o amor tiverdes, D Cruzada tereis o entendimento de meus versos. E Em / quan / to / quis / for / tu / na / que / ti / ve // (sse) Es / pe / ran / ça / de al / gum / com / tem /ta / men // (to) Os versos são decassílabos.