SlideShare uma empresa Scribd logo
Camões

         Corrente renascentista
Oh! como se me alonga, de ano em ano,
a peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha
este meu breve e vão discurso humano!

Vai se gastando a idade e cresce o dano;
perde se me um remédio, que inda tinha;
se por experiência se adivinha,
qualquer grande esperança é grande engano.

Corro após este bem que não se alcança;
no meio do caminho me falece,
mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
se os olhos ergo a ver se inda parece,
da vista se me perde, e da esperança.
Vocabulário:
                                             1. peregrinação: longo percurso
                                             2. vão: inútil
                                             3. discurso humano: passagem pela vida
Oh, como se me alonga, de ano em ano,        4. dano: mal, sofrimento
A peregrinação cansada minha!                5. se por experiência se adivinha: se a
Como se encurta, e como ao fim caminha       experiência permite prever o futuro
Este meu breve e vão discurso humano!        6. bem: felicidade
                                             7. falece: falta (capacidade de atingir um fim)
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     8. parece: aparece
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;
Se por experiência se adivinha,
Qualquer grande esperança é grande engano.

Corro após este bem que não se alcança;
No meio do caminho me falece,
Mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.
Tema:
                                 A DESILUSÃO DE VIVER


Oh, como se me alonga, de ano em ano,
A peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha           Uma reflexão sobre a sua vida
Este meu breve e vão discurso humano!            suscita no poeta sentimentos
                                                 contraditórios: o cansaço de
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;         viver e pena de caminhar
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;          para o fim.
Se por experiência se adivinha,                  Lamenta ao mesmo tempo o
Qualquer grande esperança é grande engano.       prolongamento e a brevidade
                                                 da sua vida. O tempo
Corro após este bem que não se alcança;
No meio do caminho me falece,                    passa, as mágoas crescem e
Mil vezes caio, e perco a confiança.             desvanecem-se as últimas
                                                 esperanças.
Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.
Tema: Desconcerto Pessoal




Oh, como se me alonga, de ano em ano,
                                             Passagem do tempo (peregrinação) e
A peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha
                                             mudança para pior, que leva à perda
Este meu breve e vão discurso humano!        da confiança.

Vai-se gastando a idade e cresce o dano;
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;
Se por experiência se adivinha,              Assunto: Fala sobre a esperança que o
Qualquer grande esperança é grande engano.   sujeito poético teve ao longo da sua
                                             vida e respetivas consequências
Corro após este bem que não se alcança;
No meio do caminho me falece,
Mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.
O sentido trágico da vida



                                             Os poetas maneiristas, dentre eles
Oh, como se me alonga, de ano em ano,        Camões, confrontados com a crise geral que
A peregrinação cansada minha!                se abate sobre o homem e a sociedade pós-
Como se encurta, e como ao fim caminha       renascentista, “os maneiristas passam a
Este meu breve e vão discurso humano!        integrar obsessivamente o sentimento
                                             trágico da vida, a postura melancólica e
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     saturniana, a contemplação da morte.” Essa
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;      atitude existencial que subjaz à lírica
Se por experiência se adivinha,              maneirista tem ampla conexão com a
Qualquer grande esperança é grande engano.   convicção      dos     poetas      acerca   da
                                             predestinação do homem à dor e ao
Corro após este bem que não se alcança;      sofrimento, a uma vida transitória e
No meio do caminho me falece,                infeliz, que apenas serve como um doloroso
Mil vezes caio, e perco a confiança.         hiato entre o berço e o túmulo. Toda ela
                                             transcorrida em agonias, em dores, em
Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,   pranto e em desventuras, a vida, para os
Se os olhos ergo a ver se inda parece,       maneiristas,     só      oferece     tormentos
Da vista se me perde e da esperança.         físicos, morais e espirituais. Daí o lamentoso
                                             canto camoniano, no qual o poeta tece
                                             reflexões acerca da sua dolorosa trajetória
                                             existencial.
Oh, como se me alonga, de ano em ano,        Nesse soneto, é nítido o sentimento
A peregrinação cansada minha!                trágico da vida, tipicamente maneirista.
Como se encurta, e como ao fim caminha       Ano após ano se vai alongando a cansada
Este meu breve e vão discurso humano!        peregrinação do poeta pelo mundo e se
                                             vai aproximando o fim de sua vida, que ele
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     sente ter vivido inutilmente. Regida pela
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;      tirania de Cronos, que a todos e a tudo
Se por experiência se adivinha,              metamorfoseia e destrói, em seu fluir
Qualquer grande esperança é grande engano.   contínuo, a vida humana é concebida pelo
                                             poeta como uma dolorosa via crucis, sem
Corro após este bem que não se alcança;      sentido, vã. É uma caminhada num mundo
No meio do caminho me falece,                de enganos, sempre à espera de uma
Mil vezes caio, e perco a confiança.         esperança que nunca chega. Com o passar
                                             dos anos, veio-lhe o cansaço, cresceu-lhe o
Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,   desgosto, ele perdeu a esperança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,       chegando à velhice despojado da
Da vista se me perde e da esperança.         confiança e perdido.
Oh! como se me alonga, de ano em ano,
1º momento:                                        a peregrinação cansada minha!
O poeta está cansado de viver em busca da          Como se encurta, e como ao fim caminha
felicidade. Mas, apesar de ter cada vez menos      este meu breve e vão discurso humano!
esperança de encontrar o que busca, lamenta que
o fim da vida se aproxime.                         Vai se gastando a idade e cresce o dano;
O que é verdadeiramente doloroso é a frustração    perde se me um remédio, que inda tinha;
de ter lutado por algo que não alcançou e sentir   se por experiência se adivinha,
                                                   qualquer grande esperança é grande engano.
que toda a sua vida foi em vão.

                                                   Corro após este bem que não se alcança;
                                                   no meio do caminho me falece,
                                                   mil vezes caio, e perco a confiança.
 2º momento:
 A sua vida consiste numa busca incessante da
                                                   Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
 felicidade, “um bem que não se alcança”.
                                                   se os olhos ergo a ver se inda parece,
                                                   da vista se me perde, e da esperança.
Recursos de Estilo

                                             Paradoxo: ”Como se me alonga/Como se encurta”
Oh, como se me alonga, de ano em ano,
A peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha
Este meu breve e vão discurso humano!

Vai-se gastando a idade e cresce o dano;
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;
Se por experiência se adivinha,
Qualquer grande esperança é grande engano.

Corro após este bem que não se alcança;
No meio do caminho me falece,
Mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.
Na primeira estrofe, o sujeito poético manifesta
                                             desalento em relação à vida.
                                             1. Refere as duas formas de designar a vida.
                                             1. «peregrinação»; «vão discurso humano».
Oh, como se me alonga, de ano em ano,
                                             1.1 Explicita o seu sentido.
A peregrinação cansada minha!                1.1 «peregrinação» -percurso de vida, caminhada
Como se encurta, e como ao fim caminha       difícil, com sofrimento; «vão discurso humano» - tempo
Este meu breve e vão discurso humano!        inutilmente gasto.

Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     1.2 Interpreta a expressividade do aparente contraste
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;      entre «se (...) alonga» (v. 1) e «se encurta» (v. 3).
Se por experiência se adivinha,
                                             2. 1.2 À medida que o tempo passa («alonga»), o «eu»
Qualquer grande esperança é grande engano.   poético fica mais velho e consequentemente mais perto
                                             do final da sua vida («se encurta»), da morte.
Corro após este bem que não se alcança;
No meio do caminho me falece,
Mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.
Oh, como se me alonga, de ano em ano,
A peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha
Este meu breve e vão discurso humano!
                                              Atenta na segunda estrofe.
                                             2.1 Explica o sentido do primeiro verso.
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     2.1 O desgaste físico e psicológico originam a
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;      intensificação do sofrimento do «eu»,
Se por experiência se adivinha,
Qualquer grande esperança é grande engano.   2.2 O sujeito poético afirma que se perde «um
                                             remédio, que inda tinha» (v. 6). Clarifica o significado
Corro após este bem que não se alcança;      do vocábulo «remédio».
No meio do caminho me falece,                2.2 O remédio remete para a juventude.
Mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.
Oh, como se me alonga, de ano em ano,
A peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha
Este meu breve e vão discurso humano!        3. Das últimas duas estrofes, transcreve as
                                             expressões que transmitem a ideia de luta e de
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     busca do bem desejado.
                                             3. «Corro após este bem que não se alcança» (v. 9);
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;
                                             «Mil vezes caio» (v. 1); «Se os olhos ergo a ver se
Se por experiência se adivinha,              inda parece» (v. 13).
Qualquer grande esperança é grande engano.
                                             3.1 Refere o nome das figuras de estilo presentes
Corro após este bem que não se alcança;      nos versos 10 e 11.
No meio do caminho me falece,                Esclarece a sua expressi-vidade.
Mil vezes caio, e perco a confiança.         3.1 Metáfora e hipérbole. Metáfora - «No meio do
                                             caminho» - percurso de vida; hipérbole - «Mil vezes
                                             caio» vida cheia de obstáculos, dificuldades que o
Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,   «eu», persistentemente, tenta ultrapassar/vencer.
Se os olhos ergo a ver se inda parece,
Da vista se me perde e da esperança.         4. Identifica o tema do soneto.
                                             4. Balanço de vida.
Oh, como se me alonga, de ano em ano,
A peregrinação cansada minha!                Aprecia    o     ritmo    da     composição
Como se encurta, e como ao fim caminha       poética,     relacionando-o       com     o
Este meu breve e vão discurso humano!        desenvolvimento do tema.

Vai-se gastando a idade e cresce o dano;     O ritmo é lento nas duas primeiras quadras e
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;      rápido nos dois tercetos.
Se por experiência se adivinha,              Nas quadras, o balanço do eu poético realiza-
Qualquer grande esperança é grande engano.   se de modo claramente denso, revelando um
                                             pesado desânimo e pessimismo em relação à
Corro após este bem que não se alcança;      sua vida.
No meio do caminho me falece,                Nos tercetos, o ritmo é rápido, concretizado
Mil vezes caio, e perco a confiança.         através de vocábulos com menor número de
                                             sílabas e de sentido dinâmico.
Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,   Note-se, contudo, que o último verso
Se os olhos ergo a ver se inda parece,       recupera o ritmo lento inicial com a palavra
Da vista se me perde e da esperança.         «esperança», pois que a sua conotação
                                             positiva é anulada pela forma verbal «perde».
Tendo em conta o seu esquema
                                             estrófico, classifique esta composição
Oh, como se me alonga, de ano em ano,
                                             poética.
A peregrinação cansada minha!
                                             O poema é um soneto, pois é constituído
Como se encurta, e como ao fim caminha
                                             por duas quadras e dois tercetos.
Este meu breve e vão discurso humano!
                                             Atente na estrutura formal do texto.
Vai-se gastando a idade e cresce o dano;           Apresente o seu esquema rimático e
Perde-se-me um remédio, que inda tinha;            classifique as rimas que o integram.
Se por experiência se adivinha,              O poema apresenta o seguinte esquema
Qualquer grande esperança é grande engano.   rimático: ABBA / ABBA / CDC / CDC. A rima
                                             é interpolada (A__A) e emparelhada (_BB_)
Corro após este bem que não se alcança;      nas quadras e cruzada nos tercetos.
No meio do caminho me falece,
Mil vezes caio, e perco a confiança.               Faça a escansão do primeiro verso e
                                                   classifique-o.
Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,   “Oh!| Co|mo| se| me a|lon|ga,| de a|no
Se os olhos ergo a ver se inda parece,       em| a|no” – Trata-se de um verso de dez
Da vista se me perde e da esperança.         sílabas métricas; é, portanto, um decassílabo
                                             (verso decassilábico).
Disciplina: Português
Prof.ª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Raffaella Ergün
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
Sofia_Afonso
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
quintaldasletras
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
Helena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
Helena Coutinho
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
Maria Teresa Soveral
 
Cap vi
Cap viCap vi
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 

Mais procurados (20)

Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
 

Destaque

Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
Helena Coutinho
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Angela Silva
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
Lírica Camoniana
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
Catarina Oliveira
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
rita Silva
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Nuno Eusébio
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
Helena Coutinho
 
Sois uma dama
Sois uma damaSois uma dama
Sois uma dama
Helena Coutinho
 

Destaque (19)

Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Lírica Camoniana
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
Aquela triste e leda madrugada - Luís de Camões ( Análise )
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
 
Sois uma dama
Sois uma damaSois uma dama
Sois uma dama
 

Semelhante a Oh! como se me alonga, de ano em ano

Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)
Arthur Dellarubia
 
Poema vencedor menções_honrosas
Poema vencedor menções_honrosasPoema vencedor menções_honrosas
Poema vencedor menções_honrosas
Anaigreja
 
Angela Carneiro: As quebradas nos transformam
Angela Carneiro: As quebradas nos transformamAngela Carneiro: As quebradas nos transformam
Angela Carneiro: As quebradas nos transformam
Universidade das Quebradas
 
Livro Itinerância Poética
Livro Itinerância PoéticaLivro Itinerância Poética
Livro Itinerância Poética
guieduca
 
A arte de envelhecer com sabedoria -
  A arte de envelhecer com sabedoria   -           A arte de envelhecer com sabedoria   -
A arte de envelhecer com sabedoria -
Maria Luzinete Alves
 
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A arte de envelhecer com sabedoria - ( psicologia) - abrahao gri...
  A arte de envelhecer com sabedoria   -          ( psicologia) - abrahao gri...  A arte de envelhecer com sabedoria   -          ( psicologia) - abrahao gri...
A arte de envelhecer com sabedoria - ( psicologia) - abrahao gri...
Alexandre Moreira
 
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoria
Nucleo Nacional
 
Constância
ConstânciaConstância
Constância
guida04
 
Idade outono
Idade outonoIdade outono
Idade outono
Mauro Moraes
 
Idade outono
Idade outonoIdade outono
Idade outono
Maivo falcão
 
Desesperanca
DesesperancaDesesperanca
Desesperanca
IARA FAGUNDES
 

Semelhante a Oh! como se me alonga, de ano em ano (14)

Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)
 
Poema vencedor menções_honrosas
Poema vencedor menções_honrosasPoema vencedor menções_honrosas
Poema vencedor menções_honrosas
 
Angela Carneiro: As quebradas nos transformam
Angela Carneiro: As quebradas nos transformamAngela Carneiro: As quebradas nos transformam
Angela Carneiro: As quebradas nos transformam
 
Livro Itinerância Poética
Livro Itinerância PoéticaLivro Itinerância Poética
Livro Itinerância Poética
 
A arte de envelhecer com sabedoria -
  A arte de envelhecer com sabedoria   -           A arte de envelhecer com sabedoria   -
A arte de envelhecer com sabedoria -
 
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
 
A arte de envelhecer com sabedoria - ( psicologia) - abrahao gri...
  A arte de envelhecer com sabedoria   -          ( psicologia) - abrahao gri...  A arte de envelhecer com sabedoria   -          ( psicologia) - abrahao gri...
A arte de envelhecer com sabedoria - ( psicologia) - abrahao gri...
 
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
 
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...#   Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
# Abrahao grinberg & bertha grinberg - a arte de envelhecer com sabedoria -...
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoria
 
Constância
ConstânciaConstância
Constância
 
Idade outono
Idade outonoIdade outono
Idade outono
 
Idade outono
Idade outonoIdade outono
Idade outono
 
Desesperanca
DesesperancaDesesperanca
Desesperanca
 

Mais de Helena Coutinho

P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
Helena Coutinho
 
6. sequências narrativas
6. sequências narrativas6. sequências narrativas
6. sequências narrativas
Helena Coutinho
 
5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas
Helena Coutinho
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (13)

P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
 
6. sequências narrativas
6. sequências narrativas6. sequências narrativas
6. sequências narrativas
 
5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Oh! como se me alonga, de ano em ano

  • 1. Camões Corrente renascentista
  • 2. Oh! como se me alonga, de ano em ano, a peregrinação cansada minha! Como se encurta, e como ao fim caminha este meu breve e vão discurso humano! Vai se gastando a idade e cresce o dano; perde se me um remédio, que inda tinha; se por experiência se adivinha, qualquer grande esperança é grande engano. Corro após este bem que não se alcança; no meio do caminho me falece, mil vezes caio, e perco a confiança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, se os olhos ergo a ver se inda parece, da vista se me perde, e da esperança.
  • 3. Vocabulário: 1. peregrinação: longo percurso 2. vão: inútil 3. discurso humano: passagem pela vida Oh, como se me alonga, de ano em ano, 4. dano: mal, sofrimento A peregrinação cansada minha! 5. se por experiência se adivinha: se a Como se encurta, e como ao fim caminha experiência permite prever o futuro Este meu breve e vão discurso humano! 6. bem: felicidade 7. falece: falta (capacidade de atingir um fim) Vai-se gastando a idade e cresce o dano; 8. parece: aparece Perde-se-me um remédio, que inda tinha; Se por experiência se adivinha, Qualquer grande esperança é grande engano. Corro após este bem que não se alcança; No meio do caminho me falece, Mil vezes caio, e perco a confiança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança.
  • 4. Tema: A DESILUSÃO DE VIVER Oh, como se me alonga, de ano em ano, A peregrinação cansada minha! Como se encurta, e como ao fim caminha Uma reflexão sobre a sua vida Este meu breve e vão discurso humano! suscita no poeta sentimentos contraditórios: o cansaço de Vai-se gastando a idade e cresce o dano; viver e pena de caminhar Perde-se-me um remédio, que inda tinha; para o fim. Se por experiência se adivinha, Lamenta ao mesmo tempo o Qualquer grande esperança é grande engano. prolongamento e a brevidade da sua vida. O tempo Corro após este bem que não se alcança; No meio do caminho me falece, passa, as mágoas crescem e Mil vezes caio, e perco a confiança. desvanecem-se as últimas esperanças. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança.
  • 5. Tema: Desconcerto Pessoal Oh, como se me alonga, de ano em ano, Passagem do tempo (peregrinação) e A peregrinação cansada minha! Como se encurta, e como ao fim caminha mudança para pior, que leva à perda Este meu breve e vão discurso humano! da confiança. Vai-se gastando a idade e cresce o dano; Perde-se-me um remédio, que inda tinha; Se por experiência se adivinha, Assunto: Fala sobre a esperança que o Qualquer grande esperança é grande engano. sujeito poético teve ao longo da sua vida e respetivas consequências Corro após este bem que não se alcança; No meio do caminho me falece, Mil vezes caio, e perco a confiança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança.
  • 6. O sentido trágico da vida Os poetas maneiristas, dentre eles Oh, como se me alonga, de ano em ano, Camões, confrontados com a crise geral que A peregrinação cansada minha! se abate sobre o homem e a sociedade pós- Como se encurta, e como ao fim caminha renascentista, “os maneiristas passam a Este meu breve e vão discurso humano! integrar obsessivamente o sentimento trágico da vida, a postura melancólica e Vai-se gastando a idade e cresce o dano; saturniana, a contemplação da morte.” Essa Perde-se-me um remédio, que inda tinha; atitude existencial que subjaz à lírica Se por experiência se adivinha, maneirista tem ampla conexão com a Qualquer grande esperança é grande engano. convicção dos poetas acerca da predestinação do homem à dor e ao Corro após este bem que não se alcança; sofrimento, a uma vida transitória e No meio do caminho me falece, infeliz, que apenas serve como um doloroso Mil vezes caio, e perco a confiança. hiato entre o berço e o túmulo. Toda ela transcorrida em agonias, em dores, em Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, pranto e em desventuras, a vida, para os Se os olhos ergo a ver se inda parece, maneiristas, só oferece tormentos Da vista se me perde e da esperança. físicos, morais e espirituais. Daí o lamentoso canto camoniano, no qual o poeta tece reflexões acerca da sua dolorosa trajetória existencial.
  • 7. Oh, como se me alonga, de ano em ano, Nesse soneto, é nítido o sentimento A peregrinação cansada minha! trágico da vida, tipicamente maneirista. Como se encurta, e como ao fim caminha Ano após ano se vai alongando a cansada Este meu breve e vão discurso humano! peregrinação do poeta pelo mundo e se vai aproximando o fim de sua vida, que ele Vai-se gastando a idade e cresce o dano; sente ter vivido inutilmente. Regida pela Perde-se-me um remédio, que inda tinha; tirania de Cronos, que a todos e a tudo Se por experiência se adivinha, metamorfoseia e destrói, em seu fluir Qualquer grande esperança é grande engano. contínuo, a vida humana é concebida pelo poeta como uma dolorosa via crucis, sem Corro após este bem que não se alcança; sentido, vã. É uma caminhada num mundo No meio do caminho me falece, de enganos, sempre à espera de uma Mil vezes caio, e perco a confiança. esperança que nunca chega. Com o passar dos anos, veio-lhe o cansaço, cresceu-lhe o Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, desgosto, ele perdeu a esperança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, chegando à velhice despojado da Da vista se me perde e da esperança. confiança e perdido.
  • 8. Oh! como se me alonga, de ano em ano, 1º momento: a peregrinação cansada minha! O poeta está cansado de viver em busca da Como se encurta, e como ao fim caminha felicidade. Mas, apesar de ter cada vez menos este meu breve e vão discurso humano! esperança de encontrar o que busca, lamenta que o fim da vida se aproxime. Vai se gastando a idade e cresce o dano; O que é verdadeiramente doloroso é a frustração perde se me um remédio, que inda tinha; de ter lutado por algo que não alcançou e sentir se por experiência se adivinha, qualquer grande esperança é grande engano. que toda a sua vida foi em vão. Corro após este bem que não se alcança; no meio do caminho me falece, mil vezes caio, e perco a confiança. 2º momento: A sua vida consiste numa busca incessante da Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, felicidade, “um bem que não se alcança”. se os olhos ergo a ver se inda parece, da vista se me perde, e da esperança.
  • 9. Recursos de Estilo Paradoxo: ”Como se me alonga/Como se encurta” Oh, como se me alonga, de ano em ano, A peregrinação cansada minha! Como se encurta, e como ao fim caminha Este meu breve e vão discurso humano! Vai-se gastando a idade e cresce o dano; Perde-se-me um remédio, que inda tinha; Se por experiência se adivinha, Qualquer grande esperança é grande engano. Corro após este bem que não se alcança; No meio do caminho me falece, Mil vezes caio, e perco a confiança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança.
  • 10. Na primeira estrofe, o sujeito poético manifesta desalento em relação à vida. 1. Refere as duas formas de designar a vida. 1. «peregrinação»; «vão discurso humano». Oh, como se me alonga, de ano em ano, 1.1 Explicita o seu sentido. A peregrinação cansada minha! 1.1 «peregrinação» -percurso de vida, caminhada Como se encurta, e como ao fim caminha difícil, com sofrimento; «vão discurso humano» - tempo Este meu breve e vão discurso humano! inutilmente gasto. Vai-se gastando a idade e cresce o dano; 1.2 Interpreta a expressividade do aparente contraste Perde-se-me um remédio, que inda tinha; entre «se (...) alonga» (v. 1) e «se encurta» (v. 3). Se por experiência se adivinha, 2. 1.2 À medida que o tempo passa («alonga»), o «eu» Qualquer grande esperança é grande engano. poético fica mais velho e consequentemente mais perto do final da sua vida («se encurta»), da morte. Corro após este bem que não se alcança; No meio do caminho me falece, Mil vezes caio, e perco a confiança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança.
  • 11. Oh, como se me alonga, de ano em ano, A peregrinação cansada minha! Como se encurta, e como ao fim caminha Este meu breve e vão discurso humano! Atenta na segunda estrofe. 2.1 Explica o sentido do primeiro verso. Vai-se gastando a idade e cresce o dano; 2.1 O desgaste físico e psicológico originam a Perde-se-me um remédio, que inda tinha; intensificação do sofrimento do «eu», Se por experiência se adivinha, Qualquer grande esperança é grande engano. 2.2 O sujeito poético afirma que se perde «um remédio, que inda tinha» (v. 6). Clarifica o significado Corro após este bem que não se alcança; do vocábulo «remédio». No meio do caminho me falece, 2.2 O remédio remete para a juventude. Mil vezes caio, e perco a confiança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança.
  • 12. Oh, como se me alonga, de ano em ano, A peregrinação cansada minha! Como se encurta, e como ao fim caminha Este meu breve e vão discurso humano! 3. Das últimas duas estrofes, transcreve as expressões que transmitem a ideia de luta e de Vai-se gastando a idade e cresce o dano; busca do bem desejado. 3. «Corro após este bem que não se alcança» (v. 9); Perde-se-me um remédio, que inda tinha; «Mil vezes caio» (v. 1); «Se os olhos ergo a ver se Se por experiência se adivinha, inda parece» (v. 13). Qualquer grande esperança é grande engano. 3.1 Refere o nome das figuras de estilo presentes Corro após este bem que não se alcança; nos versos 10 e 11. No meio do caminho me falece, Esclarece a sua expressi-vidade. Mil vezes caio, e perco a confiança. 3.1 Metáfora e hipérbole. Metáfora - «No meio do caminho» - percurso de vida; hipérbole - «Mil vezes caio» vida cheia de obstáculos, dificuldades que o Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, «eu», persistentemente, tenta ultrapassar/vencer. Se os olhos ergo a ver se inda parece, Da vista se me perde e da esperança. 4. Identifica o tema do soneto. 4. Balanço de vida.
  • 13. Oh, como se me alonga, de ano em ano, A peregrinação cansada minha! Aprecia o ritmo da composição Como se encurta, e como ao fim caminha poética, relacionando-o com o Este meu breve e vão discurso humano! desenvolvimento do tema. Vai-se gastando a idade e cresce o dano; O ritmo é lento nas duas primeiras quadras e Perde-se-me um remédio, que inda tinha; rápido nos dois tercetos. Se por experiência se adivinha, Nas quadras, o balanço do eu poético realiza- Qualquer grande esperança é grande engano. se de modo claramente denso, revelando um pesado desânimo e pessimismo em relação à Corro após este bem que não se alcança; sua vida. No meio do caminho me falece, Nos tercetos, o ritmo é rápido, concretizado Mil vezes caio, e perco a confiança. através de vocábulos com menor número de sílabas e de sentido dinâmico. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, Note-se, contudo, que o último verso Se os olhos ergo a ver se inda parece, recupera o ritmo lento inicial com a palavra Da vista se me perde e da esperança. «esperança», pois que a sua conotação positiva é anulada pela forma verbal «perde».
  • 14. Tendo em conta o seu esquema estrófico, classifique esta composição Oh, como se me alonga, de ano em ano, poética. A peregrinação cansada minha! O poema é um soneto, pois é constituído Como se encurta, e como ao fim caminha por duas quadras e dois tercetos. Este meu breve e vão discurso humano! Atente na estrutura formal do texto. Vai-se gastando a idade e cresce o dano; Apresente o seu esquema rimático e Perde-se-me um remédio, que inda tinha; classifique as rimas que o integram. Se por experiência se adivinha, O poema apresenta o seguinte esquema Qualquer grande esperança é grande engano. rimático: ABBA / ABBA / CDC / CDC. A rima é interpolada (A__A) e emparelhada (_BB_) Corro após este bem que não se alcança; nas quadras e cruzada nos tercetos. No meio do caminho me falece, Mil vezes caio, e perco a confiança. Faça a escansão do primeiro verso e classifique-o. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, “Oh!| Co|mo| se| me a|lon|ga,| de a|no Se os olhos ergo a ver se inda parece, em| a|no” – Trata-se de um verso de dez Da vista se me perde e da esperança. sílabas métricas; é, portanto, um decassílabo (verso decassilábico).
  • 15.