SlideShare uma empresa Scribd logo
Língua Portuguesa
Literatura
Prof.: Fagner Abreu
INTRODUÇÃO A LITERATURA
• Considerada uma forma de arte, aquela que usa a linguagem
verbal como expressão, a literatura também reflete uma época,
a história e a visão de mundo de um autor, além de receber o
legado das obras procedentes, e muitas vezes romper com a
forma literária vigente.
• Assim como o pintor usa tintas para fazer um quadro e levar
sua mensagem, assim como o músico utiliza a combinação
harmoniosa dos sons para comunicar-se com o seu público,
também o literato usa as palavras para expressar suas ideias e
emoções.
2
• Na literatura, as palavras podem não ter o mesmo valor das
palavras que utilizamos na vida diária. Em nosso cotidiano, as
palavras têm um valor utilitário, ao passo que, se usadas no
texto literário, adquirem valor artístico, podendo criar um mundo
poético ou ficcional, por meio da maneira como são usadas.
• Segundo Soares Amora, na literatura, “o mais interessante não
é apenas quem se exprime e o que se exprime, mas como se
exprime”.
• Na literatura se trabalha o conceito de VEROSSIMILHANÇA.
Não confunda verossimilhança com verdade!
3
Odisseia – Livro I (Homero)
Canta, ó Musa, o varão que astucioso,
Rasa Ílion santa, errou de clima em
clima,
Viu de muitas nações costumes vários.
Mil transes padeceu no equóreo ponto,
Por segurar a vida e aos seus a volta;
Baldo afã! pereceram, tendo insanos
Ao claro Hiperiônio os bois comido,
Que não quis para a pátria alumiá-los.
Tudo, ó prole Dial, me aponta e
lembra.
Da guerra e do mar sevo recolhidos
Os que eram salvos, um por seu
consorte
Calipso, ninfa augusta, apetecendo,
Separava-o da esposa em cava gruta.
O céu, porém, traçou, volvendo-se
anos,
De Ítaca reduzi-lo ao seio amigo,
Onde novos trabalhos o aguardavam:
4
Os Lusíadas – Canto I (Camões)
As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
(...)Cessem do sábio Grego e do
Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram:
Cesse tudo o que a Musa antígua
canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.
5
• O poema Odisseia foi escrito no fim do sec. VII a.C. É uma
epopeia que conta a historia de Ulisses herói da guerra de
Troia.
• Publicado pela primeira vem em 1572, a epopeia Os Lusíadas
trata da viagem do navegador Vasco da Gama às Índias, entre
1497 e 1499.
• Os dois fragmentos são de obras, autores e épocas diferentes.
Entretanto há, entre esses fragmentos, forte relação formal e
temática.
• Nota-se que a primeira obra serve como modelo e fonte
inspiradora para a segunda e, na leitura do poema de Camões,
é possível percebermos admiração e respeito pela obra do
autor.
6
TEXTO LITERÁRIO E NÃO
LITERÁRIO
• Texto literário: Está sujeito a várias interpretações, divertir,
entreter, lúdico. É subjetivo, emotivo (eu lírico) e pessoal.
• Texto não literário: única interpretação, informa. É objetivo,
claro e impessoal.
7
• Quando se emprega as palavras em seu sentido mais imediato
e literal, denominamos de Denotativo. Textos como notícia,
reportagem, o texto didático, a bula de um remédio, a ata de
uma reunião são exemplos de produções em que se reconhece
como objetivo primeiro o compartilhamento, de forma mais ou
menos direta, de uma determinada informação. A esses textos
podemos chamar de Não Literários.
• Já os textos que apresentam multiplicidade de sentidos como
características mais marcantes são denominados de
Conotativo. O emprego da língua de forma pouco usual,
exercício de imaginação na criação de enredos inesperados, a
composição de um universo ficcional envolvendo situações que
não correspondem necessariamente com a realidade. A eles
chamamos de Literários.
8
9
SONETO DA FIDELIDADE (Vinicius de Morais
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
• O texto literário pode ser expresso de dois modos: prosa ou
poesia.
• PROSA: a apresentação do conteúdo em linhas continuas e a
organização do texto em parágrafos.
• POESIA: a apresentação do conteúdo em versos e a
organização em estrofes. Pode-se encontrar rimas e certa
ordenação: das sílabas poéticas, quantidade de silabas,
alternância das sílabas átonas ou tônicas.
10
Troço nojento
FERNANDO BONASSI
Por que é sempre esse inferno quando eu
resolvo esmagar as batatas com pimenta e
feijão? É tudo comida, não é? Sou eu que
vou comer esse... esse "troço nojento",
como você diz. Não, eu não estou
comendo de boca aberta... estou abrindo
agora. Você consegue brigar de boca
fechada? Não, desculpe muito, mas não
vou ficar te aguentando girar em torno do
meu prato como uma galinha
descabeçada. Não mato minha fome pra te
irritar, garota... e também não tenho
vergonha do que ando comendo. Frite um
ovo, compre caviar, pregue um botão, vá
conquistar todos os objetivos nobres
dessas revistas lamentáveis. Aliás, quer
saber? Você está mesmo é morrendo de
vontade de comer um pouco desse "troço
nojento".
11
UM DIA – MARIO QUINTANA
Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável… Um dia
percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples…
Um dia percebemos que o comum não nos atrai…Um dia saberemos
que ser sempre o bonzinho não é bom…
Um dia perceberemos que a pessoa que te desdenha é a que mais
pensa em você… Um dia saberemos a importância da frase: “Tu te
tornas eternamente responsável por aquilo que cativas…”
Um dia percebemos que somos muito importantes para alguém mas
não damos valor a isso… Com o tempo, você vai percebendo que
para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar,
não precisar dela. Percebe também que aquele alguém que você
ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você,
definitivamente não é o alguém da sua vida. Você aprende a gostar
de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem
também gosta de você. O segredo é não correr atrás das
borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você. No
final das contas, você vai achar não quem você estava procurando,
mas quem estava procurando por você…
Enfim, um dia descobrimos que apesar de viver quase 100 anos,
esse tempo todo não é suficiente para realizarmos todos os nossos
sonhos, para dizer tudo o que tem de ser dito… Então, ou nos
conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou
lutamos para realizar todas as nossas loucuras… Quem não
compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa
explicação.
UMA FLOR PARA OUTRA FLOR.
denotação conotação
ELA É UMA GATA!
Depende do contexto
(...) ERRADA (...) ERRANTE (...) VOU ERRANDO
erros à toa ambiguidade
12
GÊNEROS LITERÁRIOS
• A palavra gênero é usada para diferentes classificações. No
caso dos gêneros literários, a classificação é mais especifica e
própria da literatura. De acordo com a classificação proposta
por Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.), os textos literários se
classificam em: épico, lírico, dramático.
13
• GÊNERO ÉPICO: em sua origem era um longo poema narrativo,
também chamado de epopeia que contava acontecimentos
protagonizados por heróis.
14
OS LUSÍADAS
As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
• GÊNERO LÍRICO: desde sua origem na Grécia Antiga,
manifesta aspectos da subjetividade de um “eu” – seus
comportamentos, pensamentos, sentimentos e vivencias
anteriores
15
VOU-ME EMBORA PARA PASARGADA – MANUEL BANDEIRA
Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
• GÊNERO DRAMÁTICO: abarca
os textos para serem
encenados em palco. Em sua
origem o drama se dividia em
duas vertentes: a tragédia e a
comédia.
➢Tragédia: em Poética
Aristóteles apontou a tragédia
como “a imitação de ações de
caráter elevado”. Em geral, a
tragédia apresenta a luta de um
herói contra o destino que os
deuses determinaram para ele.
O espirito trágico estaria ligado
a uma visão pessimista sobre a
vida.16
➢Comédia: Para Aristóteles, ela seria a “imitação de homens inferiores”.
Aproximando-se da vida real, poria em evidencia aspectos poucos nobres da
natureza humana.
O Santo e a Porca – Ariano Suassuna
O pano abre na casa de EURICO ARÁBE, mais conhecido como EURICÃO ENGOLE-COBRA
CAROBA — E foi então que o patrão dele disse: "Pinhão, você sele o cavalo e vá na minha
frente procurar Euricão…"
EURICÃO — Euricão, não. Meu nome é Eurico.
CAROBA — Sim, é isso mesmo. Seu Eudoro Vicente disse: "Pinhão, você sele o cavalo e vá
na minha frente procurar Euriques…"
EURICÃO — Eurico!
CAROBA — "Vá procurar Euríquio…"
EURICÃO — Chame Euricão mesmo.
CAROBA — "Vá procurar Euricão Engole-Cobra…"
EURICÃO — Engole-Cobra é a mãe! Não lhe dei licença de me chamar de Engole- Cobra,
não! Só de Euricão!
17
Percebe-se que no dialogo entre Eurico Árabe e sua empregada Caroba,
anuncia-se a chegada de Eudoro Vicente e seu criado Pinhão. Eurico
que escondia uma fortuna dentro de uma porca de barro, atribui a
visita de Eudoro a um interesse por seu dinheiro, mas o que ele queria
era permissão para se casar com a filha do avarento. Caroba aproveita-
se da situação para obter vantagens.
18
Figuras de Linguagem
• METÁFORA
“Meu verso é sangue.” Manuel Bandeira
• PLEONASMO
“E rir meu riso e derramar meu pranto.” Vinicius de Morais
• ANTÍTESE
“Morreu!!! Tú viverás nas estradas que abristes.” Olavo Bilac
19
• IRONIA
“A excelente Dona Inacia era mestra na arte de judiar de
crianças.” Monteiro Lobato
• HIPÉRBOLE
“Rios de correrão dos olhos, se chorares.” Olavo Bilac
• EUFEMISMO
“Era uma estrela divina que ao firmamento voou.” Alvares de
Azevedo
20
Escola / Períodos Literários
➢ERA COLONIAL
• Literatura de Informação (Quinhentismo – Século XVI)
• Barroco (Século XVII)
• Arcadismo ou neoclassicismo (Século XVIII)
➢ERA NACIONAL
• Romantismo (Sec. XIX 1ª metade)
• Realismo / naturalismo (Sec. XIX 2ª metade)
• Parnasianismo (Sec. XIX 2ª metade)
• Simbolismo (Sec. XIX 2ª metade)
• Pré modernismo (1900-1922)
• Modernismo (Sec XX – dias atuais)
21
Exercícios
• (ENEM 2009) Gênero dramático é aquele em que o artista usa como
intermediária entre si e o público a representação. A palavra vem do grego
drao (fazer) e quer dizer ação. A peça teatral é, pois, uma composição
literária destinada à apresentação por atores em um palco, atuando e
dialogando entre si. O texto dramático é complementado pela atuação dos
atores no espetáculo teatral e possui uma estrutura específica,
caracterizada: 1) pela presença de personagens que devem estar ligados
com lógica uns aos outros e à ação; 2) pela ação dramática (trama,
enredo), que é o conjunto de atos dramáticos, maneiras de ser e de agir
das personagens encadeadas à unidade do efeito e segundo uma ordem
composta de exposição, conflito, complicação, clímax e desfecho; 3) pela
situação ou ambiente, que é o conjunto de circunstâncias físicas, sociais,
espirituais em que se situa a ação; 4) pelo tema, ou seja, a ideia que o
autor (dramaturgo) deseja expor, ou sua interpretação real por meio da
representação. (COUTINHO, A. Notas de teoria literária. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1973 (adaptado).
22
Considerando o texto e analisando os elementos que constituem um
espetáculo teatral, conclui-se que
A) a criação do espetáculo teatral apresenta-se como um fenômeno de
ordem individual, pois não é possível sua concepção de forma coletiva
B) o cenário onde se desenrola a ação cênica é concebido e construído
pelo cenógrafo de modo autônomo e independente do tema da peça e do
trabalho interpretativo dos atores
C) o texto cênico pode originar-se dos mais variados gêneros textuais,
como contos, lendas, romances, poesias, crônicas, notícias, imagens e
fragmentos textuais, entre outros.
D) o corpo do ator na cena tem pouca importância na comunicação teatral,
visto que o mais importante é a expressão verbal, base da comunicação
cênica em toda a trajetória do teatro até os dias atuais
E) a iluminação e o som de um espetáculo cênico independem do processo
de produção/recepção do espetáculo teatral, já que se trata de linguagens
artísticas diferentes, agregadas posteriormente à cena teatral
23
• (PUC – MG) As questões 2 e 3 devem ser respondidas com
base no texto abaixo, extraído de O livro das Ignorãças, do
poeta mato-Grossense Manoel de Barros.
XIX
O rio que fazia uma volta atrás de nossa casa
Era imagem de um vidro mole que fazia uma volta atrás da casa.
Passou um homem depois e disse: essa volta que o rio faz por
traz de sua casa se chama enseada.
Não era mais a imagem de uma cobra de vidro que fazia uma
volta atrás da casa.
Era uma enseada. Acho que o nome empobreceu a imagem.
24
• No poema não há:
a) Expressão do ponto de vista do sujeito poético
b) Estrutura predominantemente narrativa
c) Emprego do discurso indireto.
d) Mistura de verso e prosa
• O poema aborda, metalinguisticamente, a diferença entre:
a) Denotação e conotação.
b) Metafora e metonímia
c) Significado e significante
d) Linguagem coloquial e norma culta
25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
Denise
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
Elaine Blogger
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
Ana Lúcia Moura Neves
 
O uso dos porquês
O uso dos porquêsO uso dos porquês
O uso dos porquês
Rebeca Kaus
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas Substantivas
Blog Estudo
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
CDIM Daniel
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
colveromachado
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
Bruno Souza de Oliveira
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
guest6e3949
 
Sintagma nominal slide
Sintagma nominal slideSintagma nominal slide
Sintagma nominal slide
uamusse11
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
borges15
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
Fernanda Monteiro
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
Adjunto adverbial
Adjunto adverbialAdjunto adverbial
Adjunto adverbial
Flávio Ferreira
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
Caroline Cunha
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
Sadrak Silva
 

Mais procurados (20)

Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
 
O uso dos porquês
O uso dos porquêsO uso dos porquês
O uso dos porquês
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas Substantivas
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Sintagma nominal slide
Sintagma nominal slideSintagma nominal slide
Sintagma nominal slide
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Adjunto adverbial
Adjunto adverbialAdjunto adverbial
Adjunto adverbial
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 

Semelhante a Literatura

Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Sérgio Pitaki
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
intertextualidade_.ppt
intertextualidade_.pptintertextualidade_.ppt
intertextualidade_.ppt
VeraGarcia17
 
Generos literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epicoGeneros literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epico
PATRICIA VIANA
 
Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.
Pedroalves141870
 
Aula cursinho
Aula cursinhoAula cursinho
Catulo E Ovídio
Catulo E OvídioCatulo E Ovídio
Catulo E Ovídio
Kleris Ribeiro
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
Caroline Cunha
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
Mário Júnior Silva
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
Bernadete Carrijo Oliveira
 
Eternizadas julho__25
Eternizadas  julho__25Eternizadas  julho__25
Eternizadas julho__25
michelechristine
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
Gustavo Cuin
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
LuisFernando652236
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Carolina Matuck
 
Eternizadas setembro__10
Eternizadas  setembro__10Eternizadas  setembro__10
Eternizadas setembro__10
michelechristine
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
CarolinaDeCastroCerv1
 
Portugues3em
Portugues3emPortugues3em
Portugues3em
Greice Gomes
 
Slides1
Slides1Slides1
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
Ronaldo Assis
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
Ana Karina Silva
 

Semelhante a Literatura (20)

Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
intertextualidade_.ppt
intertextualidade_.pptintertextualidade_.ppt
intertextualidade_.ppt
 
Generos literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epicoGeneros literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epico
 
Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.
 
Aula cursinho
Aula cursinhoAula cursinho
Aula cursinho
 
Catulo E Ovídio
Catulo E OvídioCatulo E Ovídio
Catulo E Ovídio
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
 
Eternizadas julho__25
Eternizadas  julho__25Eternizadas  julho__25
Eternizadas julho__25
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
 
Eternizadas setembro__10
Eternizadas  setembro__10Eternizadas  setembro__10
Eternizadas setembro__10
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
 
Portugues3em
Portugues3emPortugues3em
Portugues3em
 
Slides1
Slides1Slides1
Slides1
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Literatura

  • 2. INTRODUÇÃO A LITERATURA • Considerada uma forma de arte, aquela que usa a linguagem verbal como expressão, a literatura também reflete uma época, a história e a visão de mundo de um autor, além de receber o legado das obras procedentes, e muitas vezes romper com a forma literária vigente. • Assim como o pintor usa tintas para fazer um quadro e levar sua mensagem, assim como o músico utiliza a combinação harmoniosa dos sons para comunicar-se com o seu público, também o literato usa as palavras para expressar suas ideias e emoções. 2
  • 3. • Na literatura, as palavras podem não ter o mesmo valor das palavras que utilizamos na vida diária. Em nosso cotidiano, as palavras têm um valor utilitário, ao passo que, se usadas no texto literário, adquirem valor artístico, podendo criar um mundo poético ou ficcional, por meio da maneira como são usadas. • Segundo Soares Amora, na literatura, “o mais interessante não é apenas quem se exprime e o que se exprime, mas como se exprime”. • Na literatura se trabalha o conceito de VEROSSIMILHANÇA. Não confunda verossimilhança com verdade! 3
  • 4. Odisseia – Livro I (Homero) Canta, ó Musa, o varão que astucioso, Rasa Ílion santa, errou de clima em clima, Viu de muitas nações costumes vários. Mil transes padeceu no equóreo ponto, Por segurar a vida e aos seus a volta; Baldo afã! pereceram, tendo insanos Ao claro Hiperiônio os bois comido, Que não quis para a pátria alumiá-los. Tudo, ó prole Dial, me aponta e lembra. Da guerra e do mar sevo recolhidos Os que eram salvos, um por seu consorte Calipso, ninfa augusta, apetecendo, Separava-o da esposa em cava gruta. O céu, porém, traçou, volvendo-se anos, De Ítaca reduzi-lo ao seio amigo, Onde novos trabalhos o aguardavam: 4 Os Lusíadas – Canto I (Camões) As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados, Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; (...)Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandro e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram: Cesse tudo o que a Musa antígua canta, Que outro valor mais alto se alevanta.
  • 5. 5
  • 6. • O poema Odisseia foi escrito no fim do sec. VII a.C. É uma epopeia que conta a historia de Ulisses herói da guerra de Troia. • Publicado pela primeira vem em 1572, a epopeia Os Lusíadas trata da viagem do navegador Vasco da Gama às Índias, entre 1497 e 1499. • Os dois fragmentos são de obras, autores e épocas diferentes. Entretanto há, entre esses fragmentos, forte relação formal e temática. • Nota-se que a primeira obra serve como modelo e fonte inspiradora para a segunda e, na leitura do poema de Camões, é possível percebermos admiração e respeito pela obra do autor. 6
  • 7. TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO • Texto literário: Está sujeito a várias interpretações, divertir, entreter, lúdico. É subjetivo, emotivo (eu lírico) e pessoal. • Texto não literário: única interpretação, informa. É objetivo, claro e impessoal. 7
  • 8. • Quando se emprega as palavras em seu sentido mais imediato e literal, denominamos de Denotativo. Textos como notícia, reportagem, o texto didático, a bula de um remédio, a ata de uma reunião são exemplos de produções em que se reconhece como objetivo primeiro o compartilhamento, de forma mais ou menos direta, de uma determinada informação. A esses textos podemos chamar de Não Literários. • Já os textos que apresentam multiplicidade de sentidos como características mais marcantes são denominados de Conotativo. O emprego da língua de forma pouco usual, exercício de imaginação na criação de enredos inesperados, a composição de um universo ficcional envolvendo situações que não correspondem necessariamente com a realidade. A eles chamamos de Literários. 8
  • 9. 9 SONETO DA FIDELIDADE (Vinicius de Morais De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.
  • 10. • O texto literário pode ser expresso de dois modos: prosa ou poesia. • PROSA: a apresentação do conteúdo em linhas continuas e a organização do texto em parágrafos. • POESIA: a apresentação do conteúdo em versos e a organização em estrofes. Pode-se encontrar rimas e certa ordenação: das sílabas poéticas, quantidade de silabas, alternância das sílabas átonas ou tônicas. 10
  • 11. Troço nojento FERNANDO BONASSI Por que é sempre esse inferno quando eu resolvo esmagar as batatas com pimenta e feijão? É tudo comida, não é? Sou eu que vou comer esse... esse "troço nojento", como você diz. Não, eu não estou comendo de boca aberta... estou abrindo agora. Você consegue brigar de boca fechada? Não, desculpe muito, mas não vou ficar te aguentando girar em torno do meu prato como uma galinha descabeçada. Não mato minha fome pra te irritar, garota... e também não tenho vergonha do que ando comendo. Frite um ovo, compre caviar, pregue um botão, vá conquistar todos os objetivos nobres dessas revistas lamentáveis. Aliás, quer saber? Você está mesmo é morrendo de vontade de comer um pouco desse "troço nojento". 11 UM DIA – MARIO QUINTANA Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável… Um dia percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples… Um dia percebemos que o comum não nos atrai…Um dia saberemos que ser sempre o bonzinho não é bom… Um dia perceberemos que a pessoa que te desdenha é a que mais pensa em você… Um dia saberemos a importância da frase: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas…” Um dia percebemos que somos muito importantes para alguém mas não damos valor a isso… Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o alguém da sua vida. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás das borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você… Enfim, um dia descobrimos que apesar de viver quase 100 anos, esse tempo todo não é suficiente para realizarmos todos os nossos sonhos, para dizer tudo o que tem de ser dito… Então, ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas as nossas loucuras… Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.
  • 12. UMA FLOR PARA OUTRA FLOR. denotação conotação ELA É UMA GATA! Depende do contexto (...) ERRADA (...) ERRANTE (...) VOU ERRANDO erros à toa ambiguidade 12
  • 13. GÊNEROS LITERÁRIOS • A palavra gênero é usada para diferentes classificações. No caso dos gêneros literários, a classificação é mais especifica e própria da literatura. De acordo com a classificação proposta por Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.), os textos literários se classificam em: épico, lírico, dramático. 13
  • 14. • GÊNERO ÉPICO: em sua origem era um longo poema narrativo, também chamado de epopeia que contava acontecimentos protagonizados por heróis. 14 OS LUSÍADAS As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados, Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram;
  • 15. • GÊNERO LÍRICO: desde sua origem na Grécia Antiga, manifesta aspectos da subjetividade de um “eu” – seus comportamentos, pensamentos, sentimentos e vivencias anteriores 15 VOU-ME EMBORA PARA PASARGADA – MANUEL BANDEIRA Vou-me embora pra Pasárgada Lá sou amigo do rei Lá tenho a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada Vou-me embora pra Pasárgada Aqui eu não sou feliz
  • 16. • GÊNERO DRAMÁTICO: abarca os textos para serem encenados em palco. Em sua origem o drama se dividia em duas vertentes: a tragédia e a comédia. ➢Tragédia: em Poética Aristóteles apontou a tragédia como “a imitação de ações de caráter elevado”. Em geral, a tragédia apresenta a luta de um herói contra o destino que os deuses determinaram para ele. O espirito trágico estaria ligado a uma visão pessimista sobre a vida.16
  • 17. ➢Comédia: Para Aristóteles, ela seria a “imitação de homens inferiores”. Aproximando-se da vida real, poria em evidencia aspectos poucos nobres da natureza humana. O Santo e a Porca – Ariano Suassuna O pano abre na casa de EURICO ARÁBE, mais conhecido como EURICÃO ENGOLE-COBRA CAROBA — E foi então que o patrão dele disse: "Pinhão, você sele o cavalo e vá na minha frente procurar Euricão…" EURICÃO — Euricão, não. Meu nome é Eurico. CAROBA — Sim, é isso mesmo. Seu Eudoro Vicente disse: "Pinhão, você sele o cavalo e vá na minha frente procurar Euriques…" EURICÃO — Eurico! CAROBA — "Vá procurar Euríquio…" EURICÃO — Chame Euricão mesmo. CAROBA — "Vá procurar Euricão Engole-Cobra…" EURICÃO — Engole-Cobra é a mãe! Não lhe dei licença de me chamar de Engole- Cobra, não! Só de Euricão! 17
  • 18. Percebe-se que no dialogo entre Eurico Árabe e sua empregada Caroba, anuncia-se a chegada de Eudoro Vicente e seu criado Pinhão. Eurico que escondia uma fortuna dentro de uma porca de barro, atribui a visita de Eudoro a um interesse por seu dinheiro, mas o que ele queria era permissão para se casar com a filha do avarento. Caroba aproveita- se da situação para obter vantagens. 18
  • 19. Figuras de Linguagem • METÁFORA “Meu verso é sangue.” Manuel Bandeira • PLEONASMO “E rir meu riso e derramar meu pranto.” Vinicius de Morais • ANTÍTESE “Morreu!!! Tú viverás nas estradas que abristes.” Olavo Bilac 19
  • 20. • IRONIA “A excelente Dona Inacia era mestra na arte de judiar de crianças.” Monteiro Lobato • HIPÉRBOLE “Rios de correrão dos olhos, se chorares.” Olavo Bilac • EUFEMISMO “Era uma estrela divina que ao firmamento voou.” Alvares de Azevedo 20
  • 21. Escola / Períodos Literários ➢ERA COLONIAL • Literatura de Informação (Quinhentismo – Século XVI) • Barroco (Século XVII) • Arcadismo ou neoclassicismo (Século XVIII) ➢ERA NACIONAL • Romantismo (Sec. XIX 1ª metade) • Realismo / naturalismo (Sec. XIX 2ª metade) • Parnasianismo (Sec. XIX 2ª metade) • Simbolismo (Sec. XIX 2ª metade) • Pré modernismo (1900-1922) • Modernismo (Sec XX – dias atuais) 21
  • 22. Exercícios • (ENEM 2009) Gênero dramático é aquele em que o artista usa como intermediária entre si e o público a representação. A palavra vem do grego drao (fazer) e quer dizer ação. A peça teatral é, pois, uma composição literária destinada à apresentação por atores em um palco, atuando e dialogando entre si. O texto dramático é complementado pela atuação dos atores no espetáculo teatral e possui uma estrutura específica, caracterizada: 1) pela presença de personagens que devem estar ligados com lógica uns aos outros e à ação; 2) pela ação dramática (trama, enredo), que é o conjunto de atos dramáticos, maneiras de ser e de agir das personagens encadeadas à unidade do efeito e segundo uma ordem composta de exposição, conflito, complicação, clímax e desfecho; 3) pela situação ou ambiente, que é o conjunto de circunstâncias físicas, sociais, espirituais em que se situa a ação; 4) pelo tema, ou seja, a ideia que o autor (dramaturgo) deseja expor, ou sua interpretação real por meio da representação. (COUTINHO, A. Notas de teoria literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973 (adaptado). 22
  • 23. Considerando o texto e analisando os elementos que constituem um espetáculo teatral, conclui-se que A) a criação do espetáculo teatral apresenta-se como um fenômeno de ordem individual, pois não é possível sua concepção de forma coletiva B) o cenário onde se desenrola a ação cênica é concebido e construído pelo cenógrafo de modo autônomo e independente do tema da peça e do trabalho interpretativo dos atores C) o texto cênico pode originar-se dos mais variados gêneros textuais, como contos, lendas, romances, poesias, crônicas, notícias, imagens e fragmentos textuais, entre outros. D) o corpo do ator na cena tem pouca importância na comunicação teatral, visto que o mais importante é a expressão verbal, base da comunicação cênica em toda a trajetória do teatro até os dias atuais E) a iluminação e o som de um espetáculo cênico independem do processo de produção/recepção do espetáculo teatral, já que se trata de linguagens artísticas diferentes, agregadas posteriormente à cena teatral 23
  • 24. • (PUC – MG) As questões 2 e 3 devem ser respondidas com base no texto abaixo, extraído de O livro das Ignorãças, do poeta mato-Grossense Manoel de Barros. XIX O rio que fazia uma volta atrás de nossa casa Era imagem de um vidro mole que fazia uma volta atrás da casa. Passou um homem depois e disse: essa volta que o rio faz por traz de sua casa se chama enseada. Não era mais a imagem de uma cobra de vidro que fazia uma volta atrás da casa. Era uma enseada. Acho que o nome empobreceu a imagem. 24
  • 25. • No poema não há: a) Expressão do ponto de vista do sujeito poético b) Estrutura predominantemente narrativa c) Emprego do discurso indireto. d) Mistura de verso e prosa • O poema aborda, metalinguisticamente, a diferença entre: a) Denotação e conotação. b) Metafora e metonímia c) Significado e significante d) Linguagem coloquial e norma culta 25