SlideShare uma empresa Scribd logo
Almeida Garrett
. Enredo
O

primeiro marido de D. Madalena de Vilhena tinha partido para a guerra
de Alcácer Quibir (1578) e tinha desaparecido há sete anos, quando ela
decide casar de novo, com D. Manuel de Sousa Coutinho.
Deste

casamento, nasce D. Maria, que se transforma numa jovem pura,
curiosa e impetuosa.
Com

o casal e a filha vive Telmo, um fiel amigo e escudeiro de D. João de
Portugal, primeiro marido de D. Madalena, que após o seu desaparecimento
ficara a servir a sua suposta viúva e a sua família.
Apesar

de viver feliz e amar verdadeiramente D. Manuel Coutinho, D.
Madalena, uma mulher supersticiosa, sente-se constantemente atormentada
com a possibilidade do regresso do seu primeiro marido, cujo corpo nunca
fora encontrado.
Impera

o mito do sebastianismo, que é sustentado pela dúvida e pelo
temor do retorno de D. João, avivado por personagens como Telmo Pais e
Maria.
D.

João de Portugal, que, apesar de se pensar que teria sido morto na
batalha de Alcácer Quibir, está vivo e regressa a Portugal tornando
ilegítimo o casamento de D. Manuel.
Este facto

valoriza o amor, mesmo contra os ideais sociais da época.
. Enredo


Esta obra de Almeida Garrett aconteceu no decorrer do século XVI,
retrata a vida de D. Manuel Coutinho e da sua esposa D. Madalena
de Vilhena, uma mulher muito supersticiosa, que acredita que
qualquer sinal que achasse fora do normal era uma chamada de
atenção para ações futuras, um presságio. Enquanto que D.
Manuel, um homem corajoso, patriota, provado historicamente que
era possuidor de um grande amor por Madalena, não se importa
com o passado da sua esposa. Mas Madalena vive com muitos
receios em relação ao facto do seu primeiro marido, D. João de
Portugal, que, apesar de se pensar que terá sido morto na batalha
de Alcácer Quibir, está ainda vivo e regressa a Portugal tornando
ilegítimo o casamento de D. Manuel. Este facto valoriza o amor,
mesmo contra os ideais sociais da época.


O dramatismo desta obra é mais acentuado quando o autor
concede ao casal uma filha, Maria de Noronha, uma jovem
que sofre de tuberculose. Pura, ingénua, curiosa, corajosa,
perfeitamente inocente dos atos dos seus pais, é a
personificação da própria beleza e pureza que se consegue
originar mesmo num casamento condenável. É-lhes
concedido também um aio, Telmo Pais, que ainda é leal ao
seu antigo amo, D. João de Portugal, para além de ser contra o
segundo casamento de D. Madalena. Conselheiro atencioso e
prestativo que tem um carinho enorme por Maria.
O

desfecho da obra é originado por Manuel de Sousa que incendeia
a sua casa a fim de não alojar os governadores. Ao perceber que D.
Manuel destruíra a sua própria casa, onde residia o quadro de D.
Manuel, Madalena toma esta situação como um presságio,
pressentindo que iria perder D. Manuel tal como perdeu a sua casa e o
seu quadro. Consequentemente, Manuel vê-se forçado a habitar na
residência que dantes fora de D. João de Portugal. Este regressa à sua
antiga habitação, como romeiro, e frisa as apreensões de Madalena ao
identificar o quadro de D. João. Com esta revelação, o casal decide
ingressar na vida religiosa adotando novos nomes: Frei Luís de Sousa e
Sóror Madalena.
O conflito desenvolve-se num crescente até ao clímax,
provocando um sofrimento (pathos) cada vez mais cruel e
doloroso.
Esta obra está tão bem organizada, ou seja, os
acontecimentos estão tão bem organizados, que nada se
pode suprimir sem que se altere o conflito e o respetivo
desenlace. Considera-se um drama romântico pois possui
algumas características de um clássico: o nacionalismo, o
patriotismo, a crença em agoiros e superstições, o amor pela
liberdade (elementos românticos); indícios de uma
catástrofe, o sofrimento crescente, o reduzido número de
personagens, peripécias, o coro (elementos clássicos).
Disciplina de Português

Profª: Helena

Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Filipe Leal
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
António Fernandes
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Resumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousaResumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousa
jomadeira
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
LibnioCarvalhais1
 
Os Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIVOs Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIV
Luís Rita
 
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
sin3stesia
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
Ana Teresa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Paula Oliveira Cruz
 
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de SousaD. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
mauro dinis
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
Dina Baptista
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
António Fernandes
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12
Sara Guerra
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
ericahomemmelo
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
Maria da Paz
 

Mais procurados (20)

Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Resumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousaResumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousa
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
 
Os Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIVOs Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIV
 
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de SousaD. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
 

Destaque

Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
nanasimao
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
nelsonalves70
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
CatarinaNeivas
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
JulianaOmendes
 

Destaque (11)

Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
 

Semelhante a . Enredo

Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptxTRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
JMTCS
 
Esboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maias
Esboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maiasEsboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maias
Esboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maias
Maria Rodrigues
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74
luisprista
 
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoApostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Fernanda Rocha
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
Sofia Yuna
 
frei luis de sousa
 frei luis de sousa frei luis de sousa
frei luis de sousa
Tatiana Raquel
 
O homem que incendiou a casa de Camilo
O homem que incendiou a casa de CamiloO homem que incendiou a casa de Camilo
O homem que incendiou a casa de Camilo
José Mesquita
 
Dom Juan2
Dom Juan2Dom Juan2
Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01
Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01
Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01
Zita Dias
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80
luisprista
 
O homem que incendiou a casa de camilo
O homem que incendiou a casa de camiloO homem que incendiou a casa de camilo
O homem que incendiou a casa de camilo
J. C. Vilhena Mesquita
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
luisprista
 
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
helder goncalves
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74
luisprista
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa romântica
Seduc/AM
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
luisprista
 
1 enredo
1  enredo1  enredo
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31
luisprista
 

Semelhante a . Enredo (20)

Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
 
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
 
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptxTRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
 
Esboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maias
Esboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maiasEsboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maias
Esboço de estudo paralelo de frei luís de sousa e os maias
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 73-74
 
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoApostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
frei luis de sousa
 frei luis de sousa frei luis de sousa
frei luis de sousa
 
O homem que incendiou a casa de Camilo
O homem que incendiou a casa de CamiloO homem que incendiou a casa de Camilo
O homem que incendiou a casa de Camilo
 
Dom Juan2
Dom Juan2Dom Juan2
Dom Juan2
 
Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01
Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01
Apresentaoparadcimoprimeiroanode2012 3aula79-80-130228123846-phpapp01
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 79-80
 
O homem que incendiou a casa de camilo
O homem que incendiou a casa de camiloO homem que incendiou a casa de camilo
O homem que incendiou a casa de camilo
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
 
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 73 74
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa romântica
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
 
1 enredo
1  enredo1  enredo
1 enredo
 
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 31
 

Mais de Helena Coutinho

Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Helena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
Helena Coutinho
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
Helena Coutinho
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

. Enredo

  • 3. O primeiro marido de D. Madalena de Vilhena tinha partido para a guerra de Alcácer Quibir (1578) e tinha desaparecido há sete anos, quando ela decide casar de novo, com D. Manuel de Sousa Coutinho. Deste casamento, nasce D. Maria, que se transforma numa jovem pura, curiosa e impetuosa. Com o casal e a filha vive Telmo, um fiel amigo e escudeiro de D. João de Portugal, primeiro marido de D. Madalena, que após o seu desaparecimento ficara a servir a sua suposta viúva e a sua família. Apesar de viver feliz e amar verdadeiramente D. Manuel Coutinho, D. Madalena, uma mulher supersticiosa, sente-se constantemente atormentada com a possibilidade do regresso do seu primeiro marido, cujo corpo nunca fora encontrado.
  • 4. Impera o mito do sebastianismo, que é sustentado pela dúvida e pelo temor do retorno de D. João, avivado por personagens como Telmo Pais e Maria. D. João de Portugal, que, apesar de se pensar que teria sido morto na batalha de Alcácer Quibir, está vivo e regressa a Portugal tornando ilegítimo o casamento de D. Manuel. Este facto valoriza o amor, mesmo contra os ideais sociais da época.
  • 6.  Esta obra de Almeida Garrett aconteceu no decorrer do século XVI, retrata a vida de D. Manuel Coutinho e da sua esposa D. Madalena de Vilhena, uma mulher muito supersticiosa, que acredita que qualquer sinal que achasse fora do normal era uma chamada de atenção para ações futuras, um presságio. Enquanto que D. Manuel, um homem corajoso, patriota, provado historicamente que era possuidor de um grande amor por Madalena, não se importa com o passado da sua esposa. Mas Madalena vive com muitos receios em relação ao facto do seu primeiro marido, D. João de Portugal, que, apesar de se pensar que terá sido morto na batalha de Alcácer Quibir, está ainda vivo e regressa a Portugal tornando ilegítimo o casamento de D. Manuel. Este facto valoriza o amor, mesmo contra os ideais sociais da época.
  • 7.  O dramatismo desta obra é mais acentuado quando o autor concede ao casal uma filha, Maria de Noronha, uma jovem que sofre de tuberculose. Pura, ingénua, curiosa, corajosa, perfeitamente inocente dos atos dos seus pais, é a personificação da própria beleza e pureza que se consegue originar mesmo num casamento condenável. É-lhes concedido também um aio, Telmo Pais, que ainda é leal ao seu antigo amo, D. João de Portugal, para além de ser contra o segundo casamento de D. Madalena. Conselheiro atencioso e prestativo que tem um carinho enorme por Maria.
  • 8. O desfecho da obra é originado por Manuel de Sousa que incendeia a sua casa a fim de não alojar os governadores. Ao perceber que D. Manuel destruíra a sua própria casa, onde residia o quadro de D. Manuel, Madalena toma esta situação como um presságio, pressentindo que iria perder D. Manuel tal como perdeu a sua casa e o seu quadro. Consequentemente, Manuel vê-se forçado a habitar na residência que dantes fora de D. João de Portugal. Este regressa à sua antiga habitação, como romeiro, e frisa as apreensões de Madalena ao identificar o quadro de D. João. Com esta revelação, o casal decide ingressar na vida religiosa adotando novos nomes: Frei Luís de Sousa e Sóror Madalena.
  • 9. O conflito desenvolve-se num crescente até ao clímax, provocando um sofrimento (pathos) cada vez mais cruel e doloroso. Esta obra está tão bem organizada, ou seja, os acontecimentos estão tão bem organizados, que nada se pode suprimir sem que se altere o conflito e o respetivo desenlace. Considera-se um drama romântico pois possui algumas características de um clássico: o nacionalismo, o patriotismo, a crença em agoiros e superstições, o amor pela liberdade (elementos românticos); indícios de uma catástrofe, o sofrimento crescente, o reduzido número de personagens, peripécias, o coro (elementos clássicos).
  • 10. Disciplina de Português Profª: Helena Maria Coutinho