SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
“Enquanto quis
Fortuna que tivesse”
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.
Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,
escureceu-me o engenho co tormento,
Para que seus enganos não dissesse
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes
num breve livro casos tão diversos,
verdades puras são e não defeitos;
E sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos.
Tema e desenvolvimento
• Contradições do amor:
- 1ª estrofe – a fortuna ou sorte permitiram a
alegria e a escrita sobre a temática do Amor
- 2ª estrofe – o Amor temeu que algo de negativo
fosse registado e retira o engenho ao “eu”
- 3ª e 4ª estrofes – o apelo é endereçado a todas
as vítimas do amor, para que ao ler versos tão
diversos, entendam que estes terão tanto mais
sentido quanto tiver sido o amor vivido/sentido
pelos leitores.
Amor
Esperança / Sorte (forças
adjuvantes - Fortuna)

Dor / Sofrimento
(forças contrárias -Cupido)

Contentamento
(leva Camões a escrever
sobre os efeitos do Amor)

Tristeza
(inspiração / engenho
ausentes)

Contradições do Amor
(forças contrárias exercidas por Fortuna
e Cupido)
Puras verdades
Estrutura
•Soneto: 2 quadras e 2 tercetos
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.

A
B
B
A

Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,
escureceu-me o engenho co tormento,
Para que seus enganos não dissesse

A
B
B
A

Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes
num breve livro casos tão diversos,

C
D
E

verdades puras são e não defeitos;
C
E sabei que, segundo o amor tiverdes, D
tereis o entendimento de meus versos. E

Interpolada

Emparelhada

Cruzada
Divisão em termos temáticos
Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,

1ª Parte – efeitos positivos
do amor

o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.

2ª Parte – efeitos negativos
do amor

Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,
escureceu-me o engenho co tormento,
Para que seus enganos não dissesse.
Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes

3ª Parte – apelo e aviso a
todos os amantes
Figuras de estilo
Anástrofe:
“Enquanto quis que Fortuna tivesse” (l.1)
“Para que seus enganos não dissesse” (l.8)
“num breve livro casos tão diversos” (l.11)
“verdades puras são, e não defeitos” (l.12)
Apóstrofe:
“Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos”
Antítese: (entre a primeira e a segunda quadra)
Significado das maiúsculas

Fortuna:
Deusa Fortuna e/ou sorte, destino (para salientar a
sua importância)
Amor:
Cupido; a relevância do sentimento de que está
possuído.
Questões a colocar:
• Diz a quem se dirige o eu-poético ao utilizar o
vocativo “Ó vós”
• Identifique a que livro se refere o sujeito poético
quando afirma: “Quando lerdes num breve livro
casos tão diversos”.
• A que enganos se refere o enunciador quando
declara: “Escureceu-me o engenho co tormento,
para que seus enganos não dissesse”?
• Que outro título darias a este poema? Porquê?
Questões a colocar:
• Diz a quem se dirige o eu-poético ao utilizar o
vocativo “Ó vós”
• Identifique a que livro se refere o sujeito poético
quando afirma: “Quando lerdes num breve livro
casos tão diversos”.
• A que enganos se refere o enunciador quando
declara: “Escureceu-me o engenho co tormento,
para que seus enganos não dissesse”?
• Que outro título darias a este poema? Porquê?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
4 fases para fazer um texto expositivo
4 fases para fazer um  texto expositivo4 fases para fazer um  texto expositivo
4 fases para fazer um texto expositivoJaicinha
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os temposMaria Góis
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradeAnaGomes40
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularAMLDRP
 
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os RecursosRecursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os RecursosBruno Pinto
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalPatrícia Faria
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteErros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteJoão Paulo Freire
 
Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3
Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3
Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3Cristina Tomé
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseBruno Jardim
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 

Mais procurados (20)

Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
4 fases para fazer um texto expositivo
4 fases para fazer um  texto expositivo4 fases para fazer um  texto expositivo
4 fases para fazer um texto expositivo
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os RecursosRecursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteErros meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
o paralelismo
 o paralelismo o paralelismo
o paralelismo
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3
Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3
Santillana port12 unidade_1_ficha_avaliacaoformativa3
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 

Destaque

Destaque (7)

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Mitologia Romana
Mitologia RomanaMitologia Romana
Mitologia Romana
 
Apostila literatura
Apostila literaturaApostila literatura
Apostila literatura
 
A mitologia romana
A mitologia romanaA mitologia romana
A mitologia romana
 
Mitologia Grega
Mitologia GregaMitologia Grega
Mitologia Grega
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 

Semelhante a As contradições do amor (17)

Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Amorfogoquearde
Amorfogoquearde Amorfogoquearde
Amorfogoquearde
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
 
Cartas de Amor
Cartas de AmorCartas de Amor
Cartas de Amor
 
Amor é
Amor éAmor é
Amor é
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Amor, dom supremo
Amor, dom supremoAmor, dom supremo
Amor, dom supremo
 
Amor Segundo Filósofos
 Amor Segundo Filósofos  Amor Segundo Filósofos
Amor Segundo Filósofos
 
William shakespear
William shakespearWilliam shakespear
William shakespear
 
Catulo E Ovídio
Catulo E OvídioCatulo E Ovídio
Catulo E Ovídio
 
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
Ainda como uma simples flor de liz(poesia)
 
Aula 24 simbolismo
Aula 24   simbolismoAula 24   simbolismo
Aula 24 simbolismo
 
arcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfarcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdf
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literatura
 
Vinicius 090528094340-phpapp01
Vinicius 090528094340-phpapp01Vinicius 090528094340-phpapp01
Vinicius 090528094340-phpapp01
 
1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc
 

Mais de ameliapadrao

Espaco social_memorial
 Espaco social_memorial Espaco social_memorial
Espaco social_memorialameliapadrao
 
Exp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialExp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialameliapadrao
 
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseExp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseameliapadrao
 
Exp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaExp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaameliapadrao
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaExp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaameliapadrao
 
Exp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroExp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroameliapadrao
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixesameliapadrao
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticasameliapadrao
 

Mais de ameliapadrao (20)

Espaco social_memorial
 Espaco social_memorial Espaco social_memorial
Espaco social_memorial
 
Exp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialExp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorial
 
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseExp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
 
Exp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaExp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianica
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaExp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
 
Exp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroExp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiro
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Episodios maias
Episodios maiasEpisodios maias
Episodios maias
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Pt9 cdr relativas
Pt9 cdr relativasPt9 cdr relativas
Pt9 cdr relativas
 
P.antónio v.
P.antónio v.P.antónio v.
P.antónio v.
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Aspeto modalidade
Aspeto modalidadeAspeto modalidade
Aspeto modalidade
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticas
 
La négation _8_
La négation _8_La négation _8_
La négation _8_
 
9monumentsdeparis
9monumentsdeparis9monumentsdeparis
9monumentsdeparis
 

As contradições do amor

  • 2. Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, escureceu-me o engenho co tormento, Para que seus enganos não dissesse Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes num breve livro casos tão diversos, verdades puras são e não defeitos; E sabei que, segundo o amor tiverdes, tereis o entendimento de meus versos.
  • 3. Tema e desenvolvimento • Contradições do amor: - 1ª estrofe – a fortuna ou sorte permitiram a alegria e a escrita sobre a temática do Amor - 2ª estrofe – o Amor temeu que algo de negativo fosse registado e retira o engenho ao “eu” - 3ª e 4ª estrofes – o apelo é endereçado a todas as vítimas do amor, para que ao ler versos tão diversos, entendam que estes terão tanto mais sentido quanto tiver sido o amor vivido/sentido pelos leitores.
  • 4. Amor Esperança / Sorte (forças adjuvantes - Fortuna) Dor / Sofrimento (forças contrárias -Cupido) Contentamento (leva Camões a escrever sobre os efeitos do Amor) Tristeza (inspiração / engenho ausentes) Contradições do Amor (forças contrárias exercidas por Fortuna e Cupido) Puras verdades
  • 5. Estrutura •Soneto: 2 quadras e 2 tercetos Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. A B B A Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, escureceu-me o engenho co tormento, Para que seus enganos não dissesse A B B A Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes num breve livro casos tão diversos, C D E verdades puras são e não defeitos; C E sabei que, segundo o amor tiverdes, D tereis o entendimento de meus versos. E Interpolada Emparelhada Cruzada
  • 6. Divisão em termos temáticos Enquanto quis Fortuna que tivesse esperança de algum contentamento, 1ª Parte – efeitos positivos do amor o gosto de um suave pensamento me fez que seus efeitos escrevesse. 2ª Parte – efeitos negativos do amor Porém, temendo Amor que aviso desse minha escritura a algum juízo isento, escureceu-me o engenho co tormento, Para que seus enganos não dissesse. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos a diversas vontades! Quando lerdes 3ª Parte – apelo e aviso a todos os amantes
  • 7. Figuras de estilo Anástrofe: “Enquanto quis que Fortuna tivesse” (l.1) “Para que seus enganos não dissesse” (l.8) “num breve livro casos tão diversos” (l.11) “verdades puras são, e não defeitos” (l.12) Apóstrofe: “Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos” Antítese: (entre a primeira e a segunda quadra)
  • 8. Significado das maiúsculas Fortuna: Deusa Fortuna e/ou sorte, destino (para salientar a sua importância) Amor: Cupido; a relevância do sentimento de que está possuído.
  • 9. Questões a colocar: • Diz a quem se dirige o eu-poético ao utilizar o vocativo “Ó vós” • Identifique a que livro se refere o sujeito poético quando afirma: “Quando lerdes num breve livro casos tão diversos”. • A que enganos se refere o enunciador quando declara: “Escureceu-me o engenho co tormento, para que seus enganos não dissesse”? • Que outro título darias a este poema? Porquê?
  • 10. Questões a colocar: • Diz a quem se dirige o eu-poético ao utilizar o vocativo “Ó vós” • Identifique a que livro se refere o sujeito poético quando afirma: “Quando lerdes num breve livro casos tão diversos”. • A que enganos se refere o enunciador quando declara: “Escureceu-me o engenho co tormento, para que seus enganos não dissesse”? • Que outro título darias a este poema? Porquê?