SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina: Química
______________________________________________________
Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: insas@yahoo.com.br
A união de atitudes determinando trabalhos sociais.
VESTIBULAR 2016
Prof. Elio Ferreira
H26 – Avaliar implicações sociais, ambientais e/ou
econômicas na produção ou no consumo de recursos
energéticos ou minerais, identificando transformações
químicas ou de energia envolvidas nesses processos.
O que é corrente elétrica?
Hoje sabemos que é um fluxo (isto é, um movimento
ordenado) de elétrons que transitam pelo fio, e que esse
fluxo pode realizar trabalho, como acender uma lâmpada,
movimentar um moto, etc.
Podemos produzir energia elétrica de dois modos
distintos:
 Pelos geradores elétricos (dinâmicas e
alternadores), que transformam energia mecânica
em energia elétrica;
 Pelas pilhas e baterias, que transformam energia
química em energia elétrica.
Pilhas ou Células Eletroquímicas
Podemos conceituar pilha como dispositivo constituído
de dois compartimentos interligados, os quais ocorre uma
reação de oxirredução entre eles.
As reações de oxirredução pode ser utilizada para gerar
eletricidade através de uma pilha.
Reatividade de Metais
Os metais sofrem oxidação com muita facilidade,
enquanto que seus cátions se reduzem com muita
facilidade:
Oxidação Redução
Zn(s) → Zn(aq)
2+
+ 2e−
Cu(s) → Cu(aq)
2+
+ 2e−
Zn(aq)
2+
+ 2e−
→ Zn(s)
Cu(aq)
2+
+ 2e−
→ Cu(s)
Quando colocamos um metal X na forma de substância
simples em contato com um cátion Y haverá uma
transferência espontânea de elétrons. Poderíamos citar
como exemplo a reação entre Zn(s) e o íon Cu2+, descrita
abaixo:
Zn(s) + Cu(aq)
2+
→ Zn(aq)
2+
+ Cu(s)
 Dizemos que um metal é mais reativo que outro,
quando maior for sua tendência de doar elétrons, isto
é, se oxidar.
A pilha de Daniell
Em 1836 o químico e meteorologista inglês John
Frederic Daniell (1740 – 1845) criou uma pilha construída
de soluções de sais e metais.
A pilha de Daniell funciona a partir de dois eletrodos
(semicélula) interligados. Cada eletrodo é um sistema
constituído por um metal (eletrodo) imerso em uma
solução aquosa (eletrólito) de um sal formado pelos
cátions desse metal. Os dois eletrodos são ligados por
uma ponte salina, que é um tubo conector que contém
KNO3 (por exemplo) em gel, que permite o transportes
de íons de um compartimento a outro para neutralizar o
excesso de carga positiva e negativa.
Reações de Oxidação e Redução na Pilha
Os processos que ocorrem em cada semicélula podem
ser representados da seguinte maneira:
1) Ânodo » É o pólo negativo da pilha, onde ocorre o
fenômeno da oxidação, ou seja, a saída de elétrons. No
exemplo dado, o ânodo seria a semicélula de zinco:
2) Cátodo » É o pólo positivo da pilha, onde ocorre o
fenômeno da redução, ou seja, a chegada de elétrons. No
exemplo dado, o ânodo seria a semicélula de cobre:
É o estudo das reações químicas que produzem
corrente elétrica ou são produzidas pela corrente
elétrica.
ELETROQUIÍMICA
Transformações Químicas e Energia
PILHAS OU CÉLULAS ELETROQUÍMICA
Zn(s) → Zn(aq)
2+
+ 2e−
Exemplo:
Reação geral de oxidação do
ânodo:
Red1 ⇄ Ox1 + n1e-
Reação geral de redução do
cátodo
Ox2 + n2e- ⇄ Red2
Cu(aq)
2+
+ 2e−
→ Cu(s)
Exemplo:
CHIMIE
Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: projetoise@yahoo.com.br
A união de atitudes determinando trabalhos sociais.
No ânodo, o processo de oxidação libera elétrons dos
átomos de zinco, transformando-os em íons zinco que
ficaram na solução desgastando com isso a placa de zinco,
os elétrons seguiram pelo fio condutor até o cátodo, onde
a placa de cobre receberá os elétrons os quais serão
capturados pelos íons cobre que irão se transformam em
cobre sólido:
Durante o funcionamento da pilha a solução de sulfato
de zinco (ZnSO4) estará cada vez mais concentrada de
Zn2+, enquanto que a solução de sulfato de cobre
(CuSO4) estará cada vez negativa (excesso de SO4
2−
) o
desequilíbrio de cargas/concentração é resolvido ao se
adicionar uma ponte salina ao sistema, a qual restabelecerá
o equilíbrio de cargas nas soluções dos eletrodos.
Equação Global da Pilha de Daniell
Red1 ⇄ Ox1 + n1e-
Ox2 + n2e- ⇄ Red2
n2Red1+ n1Ox2 ⇄ n2Ox1 + n1Red2
Considerando a pilha de Zinco e Cu teríamos como
equação global:
Diagrama da Pilha
A pilha eletroquímica é representada por um diagrama
que mostra a forma oxidada e a forma reduzida das
substâncias:
Metal que
Sofre
oxidação
Cátion que
se forma
Cátion que
sofre
redução
Metal que
se forma
Vemos que:
 Os eletrodos metálicos são colocados do lado externo;
 As espécies solúveis são colocadas no centro;
 O limite de uma fase é indicado por uma barra vertical
sólida.
Para o exemplo dado, a expressão seria:
Diferença de Potencial (ddp)
ou Força Eletromotriz (FEM)
Pode-se definir potencial de uma pilha como sendo a
facilidade com que ocorre a transferência de elétrons de
um eletrodo para outro. Esse valor está relacionado à
tendência de oxidação do agente redutor ou a redução do
agente oxidante.
A diferença de potencial (ddp) representa a “pressão”
que move os elétrons através do fio condutor, ela é
medida em volts. Calculamos a ddp de uma pilha com
base nos potenciais padrões dos metais envolvidos:
Semirreação Potencial
(em Volts, V)
𝐋𝐢(𝐚𝐪)
+
+ 𝐞−
⇄ 𝐋𝐢(𝐬) - 3,05
𝐊(𝐚𝐪)
+
+ 𝐞−
⇄ 𝐊(𝐬) -2,93
𝐒𝐫(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐒𝐫(𝐬) -2,89
𝐂𝐚(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐂𝐚(𝐬) -2,87
𝐍𝐚(𝐚𝐪)
+
+ 𝐞−
⇄ 𝐍𝐚(𝐬) -2,71
𝐌𝐠(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐌𝐠(𝐬) -2,37
𝐀𝐥(𝐚𝐪)
𝟑+
+ +𝟑𝐞−
⇄ 𝐀𝐥(𝐬) -1,66
𝐌𝐧(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐌𝐧(𝐬) -1,18
𝐙𝐧(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐙𝐧(𝐬) -0,76
𝐂𝐫(𝐚𝐪)
𝟑+
+ +𝟑𝐞−
⇄ 𝐂𝐫(𝐬) -0,74
𝐅𝐞(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐅𝐞(𝐬) -0,44
𝐒𝐧(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐒𝐧(𝐬) -0,14
𝐏𝐛(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐏𝐛(𝐬) -0,13
𝟐𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪)
+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐇 𝟐(𝐠)
+ 𝟐𝐇 𝟐 𝐎(𝐥)
0,00
𝐒𝐧(𝐚𝐪)
𝟒+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐒𝐧(𝐚𝐪)
𝟐+ +0,13
𝐂𝐮(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝐞−
⇄ 𝐂𝐮(𝐚𝐪)
+ +0,15
𝐂𝐮(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟐𝐞−
⇄ 𝐂𝐮(𝐬) +0,34
𝐌𝐧𝐎 𝟒(𝐚𝐪)
−
+ 𝟐𝐇 𝟐 𝐎(𝐥) + 𝟑𝐞−
⇄ 𝐌𝐧𝐎 𝟐(𝐠)
+ 𝟒𝐎𝐇(𝐚𝐪)
−
+0,59
𝐅𝐞(𝐚𝐪)
𝟑+
+ 𝐞−
⇄ 𝐅𝐞(𝐚𝐪)
𝟐+
+ +0,77
𝐀𝐠(𝐚𝐪)
+
+ 𝐞−
⇄ 𝐀𝐠(𝐬) +0,80
𝐂𝐫𝟐 𝐎 𝟕(𝐚𝐪)
−
+ 𝟏𝟒𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪)
+
+ 𝟔𝐞−
⇄ 𝐂𝐫(𝐚𝐪)
𝟑+
+ 𝟐𝟏𝐇 𝟐 𝐎(𝐥)
+1,33
𝐀𝐮(𝐚𝐪)
𝟑+
+ +𝟑𝐞−
⇄ 𝐀𝐮(𝐬) +1,50
𝐌𝐧𝐎 𝟒(𝐚𝐪)
−
+ 𝟖𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪)
+
+ 𝟓𝐞−
⇄ 𝐌𝐧(𝐚𝐪)
𝟐+
+ 𝟏𝟐𝐇 𝟐 𝐎(𝐚𝐪)
+1,52
𝐏𝐛𝐎 𝟐(𝐠) + 𝐒𝐎 𝟒(𝐚𝐪)
−
+ 𝟒𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪)
+
+ 𝟑𝐞−
⇄ 𝐏𝐛𝐒𝐎 𝟒(𝐠)
+ 𝟔𝐇 𝟐 𝐎(𝐚𝐪)
+1,70
CHIMIE
Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: projetoise@yahoo.com.br
A união de atitudes determinando trabalhos sociais.
De posse desses valores experimentais, podemos
calcular a força eletromotriz ou diferença de potencial
(ddp) da pilha através da formula abaixo:
∆E0
= Emaior
0
− Emenor
0
VAMOS RESOLVER
Calcule a ddp da pilha de Zn | Zn2+
|| Cu2+
| Cu, com base
nos potenciais de redução do Zn e do Cu dado abaixo:
EZn2+/Zn
0
= −0,76
ECu2+/Cu
0
= −0,34
 Como a pilha só é formada a partir de reações
espontâneas, isto é, reações onde o sentido de fluxo
de elétrons é do eletrodo mais reativo (menor
potencial de redução) para o menos reativo (maior
potencial de redução), a ddp dará como resultado
um número positivo, se, o caso contrário ocorrer, isto
é, se o resultado for um número negativo, isso revela
que a reação não é espontânea.
PRÁTIQUE SUAS HABILIDADES
01. (ENEM/2012) O boato de que os lacres das latas de
alumínio teriam um alto valor comercial levou pessoas a
juntarem esse material na expectativa de ganhar dinheiro
com sua venda. As empresas fabricantes de alumínio
esclarecem que isso não passa de uma “lenda urbana”,
pois ao retirar o anel da lata, dificulta-se a reciclagem do
alumínio. Como a liga do qual do qual é feito o anel
contém alto teor de magnésio, se ele não estiver junto
com a lata, fica mais fácil ocorrer à oxidação do alumínio
no forno. A tabela apresenta semirreações e os valores de
potencial padrão de redução de alguns materiais:
Semirreação Potencial Padrão de
Redução (V)
𝐋𝐢+
+ 𝐞−
→ 𝐋𝐢 - 3,05
𝐊+
+ 𝐞−
→ 𝐊 - 2,93
𝐌𝐠 𝟐+
+ 𝟐𝐞−
→ 𝐌𝐠 - 2,36
𝐀𝐥 𝟑+
+ 𝟑𝐞−
→ 𝐀𝐥 -1,66
𝐙𝐧+
+ 𝐞−
→ 𝐙𝐧 -0,76
𝐂𝐮 𝟐+
+ 𝟐𝐞−
→ 𝐂𝐮 +0,34
Disponível em: www.sucatas.com.Acesso em: 28 fev. 2012 (adaptado)
Com base no texto e na tabela, que metais poderiam
entrar na composição do anel das latas com a mesma
função do magnésio, ou seja, proteger o alumínio da
oxidação dos fornos e não deixar diminuir o
rendimento da sua reciclagem?
a) Somente o lítio, pois ele possui o menor potencial de
redução.
b) Somente o cobre, pois possui o maior potencial de
redução.
c) Somente o potássio, pois ele possui potencial de
redução mais próximo do magnésio.
d) Somente o cobre e o zinco, pois eles sofrem oxidação
mais facilmente que o alumínio.
e) Somente o lítio e o potássio, pois seus potenciais de
redução são menores do que o do alumínio.
02. (ENEM/2009) Para que apresente condutividade
elétrica adequada a muitas aplicações, o cobre bruto
obtido por métodos térmicos é purificado
eletronicamente. Nesse processo, o cobre bruto
impuro constitui o ânodo da célula, que está imerso
em uma solução a CuSO4. Á medida que o cobre
impuro é oxidado no ânodo, íons Cu2+ da solução
depositados na forma pura no cátodo. Quando às
impurezas metálicas, algumas são oxidadas,
passando à solução, enquanto outras simplesmente
se desprendem do ânodo e se sedimentam abaixo
dele. As impurezas sedimentadas são posteriormente
processadas, e sua comercialização gera receita que
ajuda a cobrir os custos do processo. A série
eletroquímica a seguir lista o cobre e alguns metais
presentes como impurezas no cobre bruto de acordo
com suas forças redutoras relativas.
Ouro
Platina
Prata
Cobre Força Redutora
Chumbo
Níquel
Zinco
Entre as impurezas metálicas que constam na série
apresentada, as que sedimentam abaixo do ânodo de
cobre são:
a) Au, Pt, Ag, Zn, Ni e Pb.
b) Au, Pt e Ag. c) Zn, Ni e Pb.
d) Au e Zn. e) Ag e Pb.
02. "(...) A função das pilhas ou células combustíveis é
gerar a corrente elétrica que faz, por exemplo, o motor
de um veículo funcionar. O tipo de célula que vem
sendo mais desenvolvido é o da Membrana de Troca de
Prótons (PEM). Trata-se de um conjunto de placas
metálicas, geralmente feitas de platina, que recebe os
gases e estimula (através de processos físicos e
eletroquímicos) a transformação de suas moléculas. Nas
células, são inseridos de um lado o hidrogênio (H‚), que
possui dois átomos, e de outro o oxigênio (O‚), também
com dois átomos". ("O Globo" / 2001)
Uma pilha de combustível é um dispositivo
eletroquímico de conversão de energia química em
eletricidade. As reações envolvidas na reportagem
acima estão descritas a seguir:
2H2(g) + 4OH(aq)
−
→ 4H2O(l) + 4e−
O2(g) + 2H2O(l) + 4e−
→ 4OH(aq)
−
A partir das reações apresentadas, conclui-se que o:
a) oxigênio sofre oxidação no cátodo do sistema.
b) hidrogênio sofre oxidação no ânodo do sistema.
c) hidrogênio sofre oxidação no cátodo do sistema.
d) hidrogênio sofre redução no ânodo do sistema.
e) oxigênio sofre redução no ânodo do sistema.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Marilena Meira
 
TEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICATEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICA
Cursos Profissionalizantes
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
Gilzinho Gadelha
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
Quimica Ensino
 
Exercicios pilha
Exercicios pilhaExercicios pilha
Exercicios pilha
Professora Analynne Almeida
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
stagewd
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
Renato Reis
 
Aula+escrita+eletrólise
Aula+escrita+eletróliseAula+escrita+eletrólise
Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
leveson
 
Eletrolise
EletroliseEletrolise
Eletrolise
Josinaldo Meneses
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Fernando Abreu
 
Pilhas e baterias
Pilhas e bateriasPilhas e baterias
Pilhas e baterias
Ramon Batalha
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
sabinosilva
 
Eletroquímica ii
Eletroquímica iiEletroquímica ii
Eletroquímica ii
japquimica
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
Charles Qmc
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
Cursos Profissionalizantes
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
Alice Almeida
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
Profa Fabíola Química
 
Aplicações da eletrolise
Aplicações  da eletroliseAplicações  da eletrolise
Aplicações da eletrolise
Adrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
TEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICATEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICA
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
 
Exercicios pilha
Exercicios pilhaExercicios pilha
Exercicios pilha
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
 
Aula+escrita+eletrólise
Aula+escrita+eletróliseAula+escrita+eletrólise
Aula+escrita+eletrólise
 
Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
 
Eletrolise
EletroliseEletrolise
Eletrolise
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
 
Pilhas e baterias
Pilhas e bateriasPilhas e baterias
Pilhas e baterias
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquímica ii
Eletroquímica iiEletroquímica ii
Eletroquímica ii
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
 
Aplicações da eletrolise
Aplicações  da eletroliseAplicações  da eletrolise
Aplicações da eletrolise
 

Semelhante a Aula 2 (pilhas)

CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CleideSilva988844
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
Felicio1956
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
Felicio1956
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
Felicio1956
 
Pr tica 9
Pr tica 9Pr tica 9
Pr tica 9
Paula Almeida
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
cris_bastardis
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
CamachoJAAMC
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
Andre Semensato
 
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
sintiasousa3
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
Alberto Pethrus
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
leveson
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
leveson
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
Celestino Silva
 
eletroquimica - filipe martins (1).pdf
eletroquimica - filipe martins (1).pdfeletroquimica - filipe martins (1).pdf
eletroquimica - filipe martins (1).pdf
CarlaGrosso7
 
Eletroquimica1
Eletroquimica1Eletroquimica1
Eletroquimica1
Catarina Moura
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
Vinny Silva
 
A primeira pilha alessandro volta
A primeira pilha alessandro voltaA primeira pilha alessandro volta
A primeira pilha alessandro volta
Eurico Agostinho
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Vilmar Pereira
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
Profa Fabíola Química
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
Quimica Ensino
 

Semelhante a Aula 2 (pilhas) (20)

CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
 
Pr tica 9
Pr tica 9Pr tica 9
Pr tica 9
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
 
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
 
eletroquimica - filipe martins (1).pdf
eletroquimica - filipe martins (1).pdfeletroquimica - filipe martins (1).pdf
eletroquimica - filipe martins (1).pdf
 
Eletroquimica1
Eletroquimica1Eletroquimica1
Eletroquimica1
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
 
A primeira pilha alessandro volta
A primeira pilha alessandro voltaA primeira pilha alessandro volta
A primeira pilha alessandro volta
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
 

Mais de Elio Junior

Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)
Elio Junior
 
Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)
Elio Junior
 
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Elio Junior
 
Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)
Elio Junior
 
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Elio Junior
 
Aula 8 (propriedades do carbono)
Aula 8 (propriedades do carbono)Aula 8 (propriedades do carbono)
Aula 8 (propriedades do carbono)
Elio Junior
 
Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)
Elio Junior
 
Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)
Elio Junior
 
Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)
Elio Junior
 
Quimica (elio) i
Quimica (elio) iQuimica (elio) i
Quimica (elio) i
Elio Junior
 
Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)
Elio Junior
 
Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)
Elio Junior
 

Mais de Elio Junior (12)

Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)
 
Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)
 
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
 
Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)
 
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
 
Aula 8 (propriedades do carbono)
Aula 8 (propriedades do carbono)Aula 8 (propriedades do carbono)
Aula 8 (propriedades do carbono)
 
Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)
 
Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)
 
Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)
 
Quimica (elio) i
Quimica (elio) iQuimica (elio) i
Quimica (elio) i
 
Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)
 
Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)
 

Último

TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 

Último (20)

TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 

Aula 2 (pilhas)

  • 1. Disciplina: Química ______________________________________________________ Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: insas@yahoo.com.br A união de atitudes determinando trabalhos sociais. VESTIBULAR 2016 Prof. Elio Ferreira H26 – Avaliar implicações sociais, ambientais e/ou econômicas na produção ou no consumo de recursos energéticos ou minerais, identificando transformações químicas ou de energia envolvidas nesses processos. O que é corrente elétrica? Hoje sabemos que é um fluxo (isto é, um movimento ordenado) de elétrons que transitam pelo fio, e que esse fluxo pode realizar trabalho, como acender uma lâmpada, movimentar um moto, etc. Podemos produzir energia elétrica de dois modos distintos:  Pelos geradores elétricos (dinâmicas e alternadores), que transformam energia mecânica em energia elétrica;  Pelas pilhas e baterias, que transformam energia química em energia elétrica. Pilhas ou Células Eletroquímicas Podemos conceituar pilha como dispositivo constituído de dois compartimentos interligados, os quais ocorre uma reação de oxirredução entre eles. As reações de oxirredução pode ser utilizada para gerar eletricidade através de uma pilha. Reatividade de Metais Os metais sofrem oxidação com muita facilidade, enquanto que seus cátions se reduzem com muita facilidade: Oxidação Redução Zn(s) → Zn(aq) 2+ + 2e− Cu(s) → Cu(aq) 2+ + 2e− Zn(aq) 2+ + 2e− → Zn(s) Cu(aq) 2+ + 2e− → Cu(s) Quando colocamos um metal X na forma de substância simples em contato com um cátion Y haverá uma transferência espontânea de elétrons. Poderíamos citar como exemplo a reação entre Zn(s) e o íon Cu2+, descrita abaixo: Zn(s) + Cu(aq) 2+ → Zn(aq) 2+ + Cu(s)  Dizemos que um metal é mais reativo que outro, quando maior for sua tendência de doar elétrons, isto é, se oxidar. A pilha de Daniell Em 1836 o químico e meteorologista inglês John Frederic Daniell (1740 – 1845) criou uma pilha construída de soluções de sais e metais. A pilha de Daniell funciona a partir de dois eletrodos (semicélula) interligados. Cada eletrodo é um sistema constituído por um metal (eletrodo) imerso em uma solução aquosa (eletrólito) de um sal formado pelos cátions desse metal. Os dois eletrodos são ligados por uma ponte salina, que é um tubo conector que contém KNO3 (por exemplo) em gel, que permite o transportes de íons de um compartimento a outro para neutralizar o excesso de carga positiva e negativa. Reações de Oxidação e Redução na Pilha Os processos que ocorrem em cada semicélula podem ser representados da seguinte maneira: 1) Ânodo » É o pólo negativo da pilha, onde ocorre o fenômeno da oxidação, ou seja, a saída de elétrons. No exemplo dado, o ânodo seria a semicélula de zinco: 2) Cátodo » É o pólo positivo da pilha, onde ocorre o fenômeno da redução, ou seja, a chegada de elétrons. No exemplo dado, o ânodo seria a semicélula de cobre: É o estudo das reações químicas que produzem corrente elétrica ou são produzidas pela corrente elétrica. ELETROQUIÍMICA Transformações Químicas e Energia PILHAS OU CÉLULAS ELETROQUÍMICA Zn(s) → Zn(aq) 2+ + 2e− Exemplo: Reação geral de oxidação do ânodo: Red1 ⇄ Ox1 + n1e- Reação geral de redução do cátodo Ox2 + n2e- ⇄ Red2 Cu(aq) 2+ + 2e− → Cu(s) Exemplo:
  • 2. CHIMIE Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: projetoise@yahoo.com.br A união de atitudes determinando trabalhos sociais. No ânodo, o processo de oxidação libera elétrons dos átomos de zinco, transformando-os em íons zinco que ficaram na solução desgastando com isso a placa de zinco, os elétrons seguiram pelo fio condutor até o cátodo, onde a placa de cobre receberá os elétrons os quais serão capturados pelos íons cobre que irão se transformam em cobre sólido: Durante o funcionamento da pilha a solução de sulfato de zinco (ZnSO4) estará cada vez mais concentrada de Zn2+, enquanto que a solução de sulfato de cobre (CuSO4) estará cada vez negativa (excesso de SO4 2− ) o desequilíbrio de cargas/concentração é resolvido ao se adicionar uma ponte salina ao sistema, a qual restabelecerá o equilíbrio de cargas nas soluções dos eletrodos. Equação Global da Pilha de Daniell Red1 ⇄ Ox1 + n1e- Ox2 + n2e- ⇄ Red2 n2Red1+ n1Ox2 ⇄ n2Ox1 + n1Red2 Considerando a pilha de Zinco e Cu teríamos como equação global: Diagrama da Pilha A pilha eletroquímica é representada por um diagrama que mostra a forma oxidada e a forma reduzida das substâncias: Metal que Sofre oxidação Cátion que se forma Cátion que sofre redução Metal que se forma Vemos que:  Os eletrodos metálicos são colocados do lado externo;  As espécies solúveis são colocadas no centro;  O limite de uma fase é indicado por uma barra vertical sólida. Para o exemplo dado, a expressão seria: Diferença de Potencial (ddp) ou Força Eletromotriz (FEM) Pode-se definir potencial de uma pilha como sendo a facilidade com que ocorre a transferência de elétrons de um eletrodo para outro. Esse valor está relacionado à tendência de oxidação do agente redutor ou a redução do agente oxidante. A diferença de potencial (ddp) representa a “pressão” que move os elétrons através do fio condutor, ela é medida em volts. Calculamos a ddp de uma pilha com base nos potenciais padrões dos metais envolvidos: Semirreação Potencial (em Volts, V) 𝐋𝐢(𝐚𝐪) + + 𝐞− ⇄ 𝐋𝐢(𝐬) - 3,05 𝐊(𝐚𝐪) + + 𝐞− ⇄ 𝐊(𝐬) -2,93 𝐒𝐫(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐒𝐫(𝐬) -2,89 𝐂𝐚(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐂𝐚(𝐬) -2,87 𝐍𝐚(𝐚𝐪) + + 𝐞− ⇄ 𝐍𝐚(𝐬) -2,71 𝐌𝐠(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐌𝐠(𝐬) -2,37 𝐀𝐥(𝐚𝐪) 𝟑+ + +𝟑𝐞− ⇄ 𝐀𝐥(𝐬) -1,66 𝐌𝐧(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐌𝐧(𝐬) -1,18 𝐙𝐧(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐙𝐧(𝐬) -0,76 𝐂𝐫(𝐚𝐪) 𝟑+ + +𝟑𝐞− ⇄ 𝐂𝐫(𝐬) -0,74 𝐅𝐞(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐅𝐞(𝐬) -0,44 𝐒𝐧(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐒𝐧(𝐬) -0,14 𝐏𝐛(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐏𝐛(𝐬) -0,13 𝟐𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪) + + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐇 𝟐(𝐠) + 𝟐𝐇 𝟐 𝐎(𝐥) 0,00 𝐒𝐧(𝐚𝐪) 𝟒+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐒𝐧(𝐚𝐪) 𝟐+ +0,13 𝐂𝐮(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝐞− ⇄ 𝐂𝐮(𝐚𝐪) + +0,15 𝐂𝐮(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟐𝐞− ⇄ 𝐂𝐮(𝐬) +0,34 𝐌𝐧𝐎 𝟒(𝐚𝐪) − + 𝟐𝐇 𝟐 𝐎(𝐥) + 𝟑𝐞− ⇄ 𝐌𝐧𝐎 𝟐(𝐠) + 𝟒𝐎𝐇(𝐚𝐪) − +0,59 𝐅𝐞(𝐚𝐪) 𝟑+ + 𝐞− ⇄ 𝐅𝐞(𝐚𝐪) 𝟐+ + +0,77 𝐀𝐠(𝐚𝐪) + + 𝐞− ⇄ 𝐀𝐠(𝐬) +0,80 𝐂𝐫𝟐 𝐎 𝟕(𝐚𝐪) − + 𝟏𝟒𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪) + + 𝟔𝐞− ⇄ 𝐂𝐫(𝐚𝐪) 𝟑+ + 𝟐𝟏𝐇 𝟐 𝐎(𝐥) +1,33 𝐀𝐮(𝐚𝐪) 𝟑+ + +𝟑𝐞− ⇄ 𝐀𝐮(𝐬) +1,50 𝐌𝐧𝐎 𝟒(𝐚𝐪) − + 𝟖𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪) + + 𝟓𝐞− ⇄ 𝐌𝐧(𝐚𝐪) 𝟐+ + 𝟏𝟐𝐇 𝟐 𝐎(𝐚𝐪) +1,52 𝐏𝐛𝐎 𝟐(𝐠) + 𝐒𝐎 𝟒(𝐚𝐪) − + 𝟒𝐇 𝟑 𝐎(𝐚𝐪) + + 𝟑𝐞− ⇄ 𝐏𝐛𝐒𝐎 𝟒(𝐠) + 𝟔𝐇 𝟐 𝐎(𝐚𝐪) +1,70
  • 3. CHIMIE Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: projetoise@yahoo.com.br A união de atitudes determinando trabalhos sociais. De posse desses valores experimentais, podemos calcular a força eletromotriz ou diferença de potencial (ddp) da pilha através da formula abaixo: ∆E0 = Emaior 0 − Emenor 0 VAMOS RESOLVER Calcule a ddp da pilha de Zn | Zn2+ || Cu2+ | Cu, com base nos potenciais de redução do Zn e do Cu dado abaixo: EZn2+/Zn 0 = −0,76 ECu2+/Cu 0 = −0,34  Como a pilha só é formada a partir de reações espontâneas, isto é, reações onde o sentido de fluxo de elétrons é do eletrodo mais reativo (menor potencial de redução) para o menos reativo (maior potencial de redução), a ddp dará como resultado um número positivo, se, o caso contrário ocorrer, isto é, se o resultado for um número negativo, isso revela que a reação não é espontânea. PRÁTIQUE SUAS HABILIDADES 01. (ENEM/2012) O boato de que os lacres das latas de alumínio teriam um alto valor comercial levou pessoas a juntarem esse material na expectativa de ganhar dinheiro com sua venda. As empresas fabricantes de alumínio esclarecem que isso não passa de uma “lenda urbana”, pois ao retirar o anel da lata, dificulta-se a reciclagem do alumínio. Como a liga do qual do qual é feito o anel contém alto teor de magnésio, se ele não estiver junto com a lata, fica mais fácil ocorrer à oxidação do alumínio no forno. A tabela apresenta semirreações e os valores de potencial padrão de redução de alguns materiais: Semirreação Potencial Padrão de Redução (V) 𝐋𝐢+ + 𝐞− → 𝐋𝐢 - 3,05 𝐊+ + 𝐞− → 𝐊 - 2,93 𝐌𝐠 𝟐+ + 𝟐𝐞− → 𝐌𝐠 - 2,36 𝐀𝐥 𝟑+ + 𝟑𝐞− → 𝐀𝐥 -1,66 𝐙𝐧+ + 𝐞− → 𝐙𝐧 -0,76 𝐂𝐮 𝟐+ + 𝟐𝐞− → 𝐂𝐮 +0,34 Disponível em: www.sucatas.com.Acesso em: 28 fev. 2012 (adaptado) Com base no texto e na tabela, que metais poderiam entrar na composição do anel das latas com a mesma função do magnésio, ou seja, proteger o alumínio da oxidação dos fornos e não deixar diminuir o rendimento da sua reciclagem? a) Somente o lítio, pois ele possui o menor potencial de redução. b) Somente o cobre, pois possui o maior potencial de redução. c) Somente o potássio, pois ele possui potencial de redução mais próximo do magnésio. d) Somente o cobre e o zinco, pois eles sofrem oxidação mais facilmente que o alumínio. e) Somente o lítio e o potássio, pois seus potenciais de redução são menores do que o do alumínio. 02. (ENEM/2009) Para que apresente condutividade elétrica adequada a muitas aplicações, o cobre bruto obtido por métodos térmicos é purificado eletronicamente. Nesse processo, o cobre bruto impuro constitui o ânodo da célula, que está imerso em uma solução a CuSO4. Á medida que o cobre impuro é oxidado no ânodo, íons Cu2+ da solução depositados na forma pura no cátodo. Quando às impurezas metálicas, algumas são oxidadas, passando à solução, enquanto outras simplesmente se desprendem do ânodo e se sedimentam abaixo dele. As impurezas sedimentadas são posteriormente processadas, e sua comercialização gera receita que ajuda a cobrir os custos do processo. A série eletroquímica a seguir lista o cobre e alguns metais presentes como impurezas no cobre bruto de acordo com suas forças redutoras relativas. Ouro Platina Prata Cobre Força Redutora Chumbo Níquel Zinco Entre as impurezas metálicas que constam na série apresentada, as que sedimentam abaixo do ânodo de cobre são: a) Au, Pt, Ag, Zn, Ni e Pb. b) Au, Pt e Ag. c) Zn, Ni e Pb. d) Au e Zn. e) Ag e Pb. 02. "(...) A função das pilhas ou células combustíveis é gerar a corrente elétrica que faz, por exemplo, o motor de um veículo funcionar. O tipo de célula que vem sendo mais desenvolvido é o da Membrana de Troca de Prótons (PEM). Trata-se de um conjunto de placas metálicas, geralmente feitas de platina, que recebe os gases e estimula (através de processos físicos e eletroquímicos) a transformação de suas moléculas. Nas células, são inseridos de um lado o hidrogênio (H‚), que possui dois átomos, e de outro o oxigênio (O‚), também com dois átomos". ("O Globo" / 2001) Uma pilha de combustível é um dispositivo eletroquímico de conversão de energia química em eletricidade. As reações envolvidas na reportagem acima estão descritas a seguir: 2H2(g) + 4OH(aq) − → 4H2O(l) + 4e− O2(g) + 2H2O(l) + 4e− → 4OH(aq) − A partir das reações apresentadas, conclui-se que o: a) oxigênio sofre oxidação no cátodo do sistema. b) hidrogênio sofre oxidação no ânodo do sistema. c) hidrogênio sofre oxidação no cátodo do sistema. d) hidrogênio sofre redução no ânodo do sistema. e) oxigênio sofre redução no ânodo do sistema.