SlideShare uma empresa Scribd logo
ODONTOLOGIA EM SAÚDE COLETIVA I 1/2016
AULA 2 EDUCAÇÃO EM SAÚDE E METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS
Centro Universitário UDF
Profa. Caroline Piske de A. Mohamed
OBJETIVO
O estudo prático e aprendizagem, através de Estudo de Caso,
de metodologias pedagógicas na promoção de saúde.
2.1 Estudo de Caso
2.2 Educação em saúde como estratégia para a promoção de saúde
2.3 Ações de cunho educativo em diferentes níveis estruturais
2.4 Avaliação das ações coletivas
2.5 Planejamento de Ações de educação em saúde
2.6 Contextualizando a prática educativa em saúde
Cena 1 –
• Em uma reunião das Equipes de Saúde da Família e de Saúde Bucal,
avaliou-se o desenvolvimento da programação e planejou-se o mês
seguinte.
Estudo de caso
• Os agentes comunitários e os dentistas perceberam que
apesar de seus esforços as pessoas mantinham seus velhos
hábitos.
“A gente ensina o que é
certo, sobre o controle da
ingestão de açúcares,
limpeza oral para os
adultos, crianças e bebês,
mas não adianta. O que
mais temos que fazer?”
• Sônia: É isso mesmo! Também me preocupo com isso, mas
tenho certeza que estou fazendo a minha parte, transmitindo o
que sei que é certo.
• Pedro Henrique: Acho que nós temos que mudar a forma de
abordar cada usuário, procurando, primeiro, conhecer o que ele
já sabe sobre o seu problema.
• Cláudia: Eu também tenho dúvida de como fazer; é preciso
saber muito sobre cada um e sobre a sua realidade, se não for
assim, não adianta.
• Joana: A repetição é importante, pois, como dizem:
• “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura
Marco Antônio: Sei não, Joana! Também pode acabar a água. Eu tenho um
amigo que é professor e uma vez falou o seguinte: “Se um ou dois alunos de
uma sala não aprendem uma matéria, o problema pode estar com esses
alunos, mas quando a maioria dos 15 alunos não aprende a matéria, o
problema certamente está com o professor”.
Renata: Por que a gente não procura saber mais sobre como lidar com essa
situação? O que você acha, José Ribeiro?
José Ribeiro: Pois é, gente, eu fico satisfeito de ter surgido este assunto na
reunião. Geralmente nós só discutimos as doenças e os cuidados com
os doentes. Acho que precisamos discutir sobre a nossa prática pedagógica.
Mariana: Prática PE-DA-GÓ-GI-CA???!!!
Atividade em grupo
Analise a situação descrita e elabore um texto que expresse:
• Sua opinião sobre o comentário que cada profissional fez em
resposta à demanda dos agentes comunitários de saúde.
• Qual seria sua sugestão para a equipe de saúde, caso você
estivesse participando da reunião e fosse estimulado a dar
sua contribuição.
• Como ser eficaz na transmissão de conhecimento?
• Como ser eficaz na mudança de comportamento?
Métodos pedagógicos que baseiam nossas
práticas em educação em saúde
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Fatores que influenciam a escolha
do método pedagógico
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Métodos Pedagógicos
•Expositivo
•Interrogativos
•Demonstrativos
•Ativos
Métodos Pedagógicos: Diretividade
Diretivos Não Diretivos
Métodos Diretivos
Semi
diretivo
Métodos Não – Diretivos Ativos
Situação
vivida
Formando
Formador
Conteúdo
Métodos Não – Diretivos Ativos
Método expositivo - Transmissão
• O processo educativo está centrado em alguém
que sabe e ensina a alguém que não sabe
• Lógica da transmissão de conhecimentos
• Aquele que supostamente sabe mais assume
funções como aconselhar, corrigir e vigiar
quem deve aprender o conteúdo
MÉTODO EXPOSITIVO - TRANSMISSÃO
Riscos:
• O profissional se considerar a
autoridade máxima e, portanto, o
único responsável pelo processo
educativo
• Ênfase na repetição e, geralmente,
• não há preocupação com a realidade
social nem com as crenças e valores
daquele que “deve” aprender.
Método expositivo – Transmissão
• Cite situações em que essa relação pedagógica se estabelece.
A expectativa é de que o outro mude seu
comportamento em função do que lhe foi
ensinado.
Métodos Demonstrativos
Condicionamento
• Teorias behavioristas – tecnicismo
educacional- (Skinner, Gagné, Bloon e Mager)
• Jogo de estímulo, resposta e recompensa capaz de
condicionar o aprendiz a emitir as respostas
desejadas
• Ex: troca de receitas de medicamentos por presença
em palestra
Teoria Comportamental
Teoria do reforço Skinner
Crença que o reforço pode controlar o comportamento
Reforço positivo ou
recompensa
Recompensa por bom desempenho
aumentam sua frequência
Reforço negativo
O estímulo, quando eliminado, põe fim a uma
situação adversa, desagradável. Serve para
manter ou fortalecer a resposta;
Punição
Visa enfraquecer algum comportamento
através de sua aplicação
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Recompensa sem melhoria no
comportamento não leva à melhoria do
comportamento futuro
Pedagogia Não diretiva
• Pedagogia nova: “ aprender fazendo” e “aprender a aprender”
• Centro da atividade: aprendiz
• Busca pelo conhecimento e o desejo de alterar o
comportamento
• Piaget (perspectiva construtivista- autonomia)
• Paulo Freire ( Pedagogia do Oprimido- valorização da cultura,
individualidade e os conhecimentos empíricos dos educandos)
Educação em Saúde
• Formar para a cidadania
• Para a ação transformadora da realidade social
• Mais do que informar ou mudar um comportamento de risco
• Preparar o indivíduo para o controle e responsabilidade sobre sua
própria saúde e comunidade
• Empowerment, participação, tomada de decisões, exigir direitos,
controle social
• Atuando sobre os fatores determinantes e condicionantes de sua
saúde e qualidade de vida (green & krreuter, 1999)
Educação em saúde é uma importante estratégia para a
promoção de saúde, voltada a promover mudanças nos
campos:
Educacionais (conhecimentos, atitudes e habilidades)
Organizacionais (práticas, programas, políticas e legislações)
Econômicos e ambientais (ambientes físicos e sociais “suportivos”)
Distinções conceituais entre educação e promoção de saúde (adaptado de Piper & Brown,
1998)
Ações de cunho educativo no nível de microestrutura e macro estrutura
Modelo de
Informação do
paciente
Modelo de
mudança
estrutural
Modelo de
empoderamento
do paciente
Modelo de ação
coletiva
Micro
(ênfase
individualista)
Macro (ênfase nas
relações
sociais/comunitárias)
Paciente – Ênfase nos conhecimentos subjetivos
Profissionais de saúde- ênfase nos conhecimentos objetivos
• Regulação corporal
• Controle e correção dos comportamentos inadequados dos indivíduos
• Destacando os riscos à saúde
• Metodologia: Disseminação da informações
Procura impactar no nível de adesão do usuário
aos conselhos
• Objetivo: Diminuir os níveis de morbidade e mortalidade
da população
• Limitações: Culpabilização da vítima
Modelo de Informação do paciente
• Intervenções baseadas nos pacientes
• Procura-se aumentar as habilidades do indivíduo p/
que realizem decisões informadas e estruturem
estratégias de enfrentamento mais efetivas
• Auto estima e autocontrole
• Metodologia Humanística e não hierárquicas via
elucidação e interpretação de crenças, valores e
percepções dos pacientes relativos à sua saúde
(Reflexão crítica)
• Individual e coletivo
Modelo de empoderamento do paciente
• Estratégia de empoderamento voltadas às comunidades
• A saúde dos indivíduos está entrelaçada com a saúde das
comunidades em que vivem, se a comunidade, como um
todo, estiver empoderada, o impacto na saúde global da
coletividade será muito maior
Modelo de mudança estrutural
Modelo de ação coletiva
• Metodologia:
• Trabalho multriprofissional e intersetorial
com colaboração da sociedade, instituições
públicas, privadas, ONGs para desenvolver
estratégias de promoção de saúde
comunitárias
• Desenvolvimento comunitário, advocacia
política, formulação de estratégias integradas
de saúde e o marketing social
Modelo de mudança estrutural
Modelo de ação coletiva
Avaliação da Efetividade das ações coletivas
• Mudanças de comportamento de características clínicas
(diminuição de peso, profundidade de bolsa periodontal)
• Aumento do conhecimento, das habilidades, da consciência,
da autoestima, da autoeficácia e mudança de um estágio de
contemplação para a ação
Perguntas a fazermos quando implementamos
educação em saúde
• Estou estimulando meu paciente a se sentir culpado ou os estou ajudando a
exercer o controle sobre sua própria saúde?
• Estou ajudando os pacientes a entenderem as origens econômicas e sociais
dos problemas de saúde?
• Estou ajudando os pacientes a entenderem seus próprios corpos e as
doenças, ou estou mistificando ambos?
• Estou ouvindo o que os pacientes relatam sobre suas próprias experiências
de vida e ajudando-os a identificar os problemas-chave que podem
enfrentar?
• Estou ajudando os pacientes que apresentam problemas similares a
formarem redes de apoio entre si?
• Em que tipos de ações coletivas em questões de saúde posso dar suporte?
Pontos a lembrar quando atuando em promoção
de saúde na comunidade
• O adulto já tem um “alicerce,” tem conhecimentos construídos a partir de
suas experiências e condições de vida: socioeconômica e cultural; mudança de
comportamento é processo e, portanto, o resultado pode ocorrer em longo
prazo;
• falta de experiência e de conhecimento sobre técnicas de negociação
por parte do profissional;
• relações de poder entre profissional-usuário: arrogância x humildade;
saber-poder-intimidação;
• relações de poder na família – é preciso identificar quem tem o “poder” de
decisão na família;
• diferença de linguagem, cultura e valores dos usuários e dos profissionais;
• dificuldade de reconhecer qual é a real
necessidade do usuário;
• falta de confiança do usuário no
profissional;
• dificuldade de analisar a situação para
definir a melhor estratégia;
• dificuldade do profissional para
respeitar a autonomia do outro,
• entender e saber trabalhar as
diferenças.
Contextualizando a prática educativa em saúde
• Construção de um Sistema Único de Saúde (SUS):
• Universal
• Equânime
• Com atenção resolutiva
• Integral
• Controle social
• Desafio técnico, ético e político
REFERÊNCIAS
LOPES, M. G. M. Saúde bucal coletiva. São Paulo: Rubio,
2008. Parte I. Pág. 17-30.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Ghiordanno Bruno
 
Saúde: um direito humano ameaçado
Saúde: um direito humano ameaçadoSaúde: um direito humano ameaçado
Saúde: um direito humano ameaçado
João Alfredo Telles Melo
 
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativas
AbenaNacional
 
Plano de curso para capacitação do auxiliar de farmácia
Plano de curso para capacitação do auxiliar de farmáciaPlano de curso para capacitação do auxiliar de farmácia
Plano de curso para capacitação do auxiliar de farmácia
Fernando Amaral de Calais
 
Aula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Aula 01 - Saúde, Cultura e SociedadeAula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Aula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Ghiordanno Bruno
 
O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
Luís Fernando Tófoli
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
GustavoWallaceAlvesd
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
Leonardo Savassi
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
Aroldo Gavioli
 
Cartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicaçãoCartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicação
Ana Filadelfi
 
Saude+do+idoso
Saude+do+idosoSaude+do+idoso
Saude+do+idoso
Karolina Peixoto
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Marta Elini Borges
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
agemais
 

Mais procurados (20)

Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
 
Saúde: um direito humano ameaçado
Saúde: um direito humano ameaçadoSaúde: um direito humano ameaçado
Saúde: um direito humano ameaçado
 
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
Apresentação - Uso Racional de Medicamentos e Educação Continuada Multiprofis...
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativas
 
Plano de curso para capacitação do auxiliar de farmácia
Plano de curso para capacitação do auxiliar de farmáciaPlano de curso para capacitação do auxiliar de farmácia
Plano de curso para capacitação do auxiliar de farmácia
 
Aula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Aula 01 - Saúde, Cultura e SociedadeAula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Aula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
 
O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Cartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicaçãoCartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicação
 
Saude+do+idoso
Saude+do+idosoSaude+do+idoso
Saude+do+idoso
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 

Semelhante a Aula 2 educação e metodologias pedagógicas

Educacao em Saude - RMSF Betim
Educacao em Saude - RMSF BetimEducacao em Saude - RMSF Betim
Educacao em Saude - RMSF Betim
Leonardo Savassi
 
Educação para a Saúde
Educação para a SaúdeEducação para a Saúde
Educação para a Saúde
Catarina Regina
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
ssuser51d27c1
 
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVelAjudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
a20061577
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Caio Maximino
 
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
CENAT Cursos
 

Semelhante a Aula 2 educação e metodologias pedagógicas (6)

Educacao em Saude - RMSF Betim
Educacao em Saude - RMSF BetimEducacao em Saude - RMSF Betim
Educacao em Saude - RMSF Betim
 
Educação para a Saúde
Educação para a SaúdeEducação para a Saúde
Educação para a Saúde
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVelAjudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
 

Aula 2 educação e metodologias pedagógicas

  • 1. ODONTOLOGIA EM SAÚDE COLETIVA I 1/2016 AULA 2 EDUCAÇÃO EM SAÚDE E METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS Centro Universitário UDF Profa. Caroline Piske de A. Mohamed
  • 2. OBJETIVO O estudo prático e aprendizagem, através de Estudo de Caso, de metodologias pedagógicas na promoção de saúde. 2.1 Estudo de Caso 2.2 Educação em saúde como estratégia para a promoção de saúde 2.3 Ações de cunho educativo em diferentes níveis estruturais 2.4 Avaliação das ações coletivas 2.5 Planejamento de Ações de educação em saúde 2.6 Contextualizando a prática educativa em saúde
  • 3. Cena 1 – • Em uma reunião das Equipes de Saúde da Família e de Saúde Bucal, avaliou-se o desenvolvimento da programação e planejou-se o mês seguinte. Estudo de caso
  • 4. • Os agentes comunitários e os dentistas perceberam que apesar de seus esforços as pessoas mantinham seus velhos hábitos. “A gente ensina o que é certo, sobre o controle da ingestão de açúcares, limpeza oral para os adultos, crianças e bebês, mas não adianta. O que mais temos que fazer?”
  • 5. • Sônia: É isso mesmo! Também me preocupo com isso, mas tenho certeza que estou fazendo a minha parte, transmitindo o que sei que é certo. • Pedro Henrique: Acho que nós temos que mudar a forma de abordar cada usuário, procurando, primeiro, conhecer o que ele já sabe sobre o seu problema. • Cláudia: Eu também tenho dúvida de como fazer; é preciso saber muito sobre cada um e sobre a sua realidade, se não for assim, não adianta. • Joana: A repetição é importante, pois, como dizem: • “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura
  • 6. Marco Antônio: Sei não, Joana! Também pode acabar a água. Eu tenho um amigo que é professor e uma vez falou o seguinte: “Se um ou dois alunos de uma sala não aprendem uma matéria, o problema pode estar com esses alunos, mas quando a maioria dos 15 alunos não aprende a matéria, o problema certamente está com o professor”. Renata: Por que a gente não procura saber mais sobre como lidar com essa situação? O que você acha, José Ribeiro? José Ribeiro: Pois é, gente, eu fico satisfeito de ter surgido este assunto na reunião. Geralmente nós só discutimos as doenças e os cuidados com os doentes. Acho que precisamos discutir sobre a nossa prática pedagógica. Mariana: Prática PE-DA-GÓ-GI-CA???!!!
  • 7. Atividade em grupo Analise a situação descrita e elabore um texto que expresse: • Sua opinião sobre o comentário que cada profissional fez em resposta à demanda dos agentes comunitários de saúde. • Qual seria sua sugestão para a equipe de saúde, caso você estivesse participando da reunião e fosse estimulado a dar sua contribuição. • Como ser eficaz na transmissão de conhecimento? • Como ser eficaz na mudança de comportamento?
  • 8. Métodos pedagógicos que baseiam nossas práticas em educação em saúde
  • 12. Fatores que influenciam a escolha do método pedagógico
  • 17. Métodos Não – Diretivos Ativos Situação vivida Formando Formador Conteúdo
  • 18. Métodos Não – Diretivos Ativos
  • 19. Método expositivo - Transmissão • O processo educativo está centrado em alguém que sabe e ensina a alguém que não sabe • Lógica da transmissão de conhecimentos • Aquele que supostamente sabe mais assume funções como aconselhar, corrigir e vigiar quem deve aprender o conteúdo
  • 20. MÉTODO EXPOSITIVO - TRANSMISSÃO Riscos: • O profissional se considerar a autoridade máxima e, portanto, o único responsável pelo processo educativo • Ênfase na repetição e, geralmente, • não há preocupação com a realidade social nem com as crenças e valores daquele que “deve” aprender.
  • 21. Método expositivo – Transmissão • Cite situações em que essa relação pedagógica se estabelece. A expectativa é de que o outro mude seu comportamento em função do que lhe foi ensinado.
  • 23. Condicionamento • Teorias behavioristas – tecnicismo educacional- (Skinner, Gagné, Bloon e Mager) • Jogo de estímulo, resposta e recompensa capaz de condicionar o aprendiz a emitir as respostas desejadas • Ex: troca de receitas de medicamentos por presença em palestra
  • 24. Teoria Comportamental Teoria do reforço Skinner Crença que o reforço pode controlar o comportamento Reforço positivo ou recompensa Recompensa por bom desempenho aumentam sua frequência Reforço negativo O estímulo, quando eliminado, põe fim a uma situação adversa, desagradável. Serve para manter ou fortalecer a resposta; Punição Visa enfraquecer algum comportamento através de sua aplicação
  • 26. Recompensa sem melhoria no comportamento não leva à melhoria do comportamento futuro
  • 27. Pedagogia Não diretiva • Pedagogia nova: “ aprender fazendo” e “aprender a aprender” • Centro da atividade: aprendiz • Busca pelo conhecimento e o desejo de alterar o comportamento • Piaget (perspectiva construtivista- autonomia) • Paulo Freire ( Pedagogia do Oprimido- valorização da cultura, individualidade e os conhecimentos empíricos dos educandos)
  • 28. Educação em Saúde • Formar para a cidadania • Para a ação transformadora da realidade social • Mais do que informar ou mudar um comportamento de risco • Preparar o indivíduo para o controle e responsabilidade sobre sua própria saúde e comunidade • Empowerment, participação, tomada de decisões, exigir direitos, controle social • Atuando sobre os fatores determinantes e condicionantes de sua saúde e qualidade de vida (green & krreuter, 1999)
  • 29. Educação em saúde é uma importante estratégia para a promoção de saúde, voltada a promover mudanças nos campos: Educacionais (conhecimentos, atitudes e habilidades) Organizacionais (práticas, programas, políticas e legislações) Econômicos e ambientais (ambientes físicos e sociais “suportivos”)
  • 30. Distinções conceituais entre educação e promoção de saúde (adaptado de Piper & Brown, 1998) Ações de cunho educativo no nível de microestrutura e macro estrutura Modelo de Informação do paciente Modelo de mudança estrutural Modelo de empoderamento do paciente Modelo de ação coletiva Micro (ênfase individualista) Macro (ênfase nas relações sociais/comunitárias) Paciente – Ênfase nos conhecimentos subjetivos Profissionais de saúde- ênfase nos conhecimentos objetivos
  • 31. • Regulação corporal • Controle e correção dos comportamentos inadequados dos indivíduos • Destacando os riscos à saúde • Metodologia: Disseminação da informações Procura impactar no nível de adesão do usuário aos conselhos • Objetivo: Diminuir os níveis de morbidade e mortalidade da população • Limitações: Culpabilização da vítima Modelo de Informação do paciente
  • 32. • Intervenções baseadas nos pacientes • Procura-se aumentar as habilidades do indivíduo p/ que realizem decisões informadas e estruturem estratégias de enfrentamento mais efetivas • Auto estima e autocontrole • Metodologia Humanística e não hierárquicas via elucidação e interpretação de crenças, valores e percepções dos pacientes relativos à sua saúde (Reflexão crítica) • Individual e coletivo Modelo de empoderamento do paciente
  • 33. • Estratégia de empoderamento voltadas às comunidades • A saúde dos indivíduos está entrelaçada com a saúde das comunidades em que vivem, se a comunidade, como um todo, estiver empoderada, o impacto na saúde global da coletividade será muito maior Modelo de mudança estrutural Modelo de ação coletiva
  • 34. • Metodologia: • Trabalho multriprofissional e intersetorial com colaboração da sociedade, instituições públicas, privadas, ONGs para desenvolver estratégias de promoção de saúde comunitárias • Desenvolvimento comunitário, advocacia política, formulação de estratégias integradas de saúde e o marketing social Modelo de mudança estrutural Modelo de ação coletiva
  • 35. Avaliação da Efetividade das ações coletivas • Mudanças de comportamento de características clínicas (diminuição de peso, profundidade de bolsa periodontal) • Aumento do conhecimento, das habilidades, da consciência, da autoestima, da autoeficácia e mudança de um estágio de contemplação para a ação
  • 36. Perguntas a fazermos quando implementamos educação em saúde • Estou estimulando meu paciente a se sentir culpado ou os estou ajudando a exercer o controle sobre sua própria saúde? • Estou ajudando os pacientes a entenderem as origens econômicas e sociais dos problemas de saúde? • Estou ajudando os pacientes a entenderem seus próprios corpos e as doenças, ou estou mistificando ambos? • Estou ouvindo o que os pacientes relatam sobre suas próprias experiências de vida e ajudando-os a identificar os problemas-chave que podem enfrentar? • Estou ajudando os pacientes que apresentam problemas similares a formarem redes de apoio entre si? • Em que tipos de ações coletivas em questões de saúde posso dar suporte?
  • 37. Pontos a lembrar quando atuando em promoção de saúde na comunidade • O adulto já tem um “alicerce,” tem conhecimentos construídos a partir de suas experiências e condições de vida: socioeconômica e cultural; mudança de comportamento é processo e, portanto, o resultado pode ocorrer em longo prazo; • falta de experiência e de conhecimento sobre técnicas de negociação por parte do profissional; • relações de poder entre profissional-usuário: arrogância x humildade; saber-poder-intimidação; • relações de poder na família – é preciso identificar quem tem o “poder” de decisão na família; • diferença de linguagem, cultura e valores dos usuários e dos profissionais;
  • 38. • dificuldade de reconhecer qual é a real necessidade do usuário; • falta de confiança do usuário no profissional; • dificuldade de analisar a situação para definir a melhor estratégia; • dificuldade do profissional para respeitar a autonomia do outro, • entender e saber trabalhar as diferenças.
  • 39. Contextualizando a prática educativa em saúde • Construção de um Sistema Único de Saúde (SUS): • Universal • Equânime • Com atenção resolutiva • Integral • Controle social • Desafio técnico, ético e político
  • 40. REFERÊNCIAS LOPES, M. G. M. Saúde bucal coletiva. São Paulo: Rubio, 2008. Parte I. Pág. 17-30.