SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo e Prática da Mediunidade. Programa I - Módulo II ·. FEB
A mediunidade, sendo uma faculdade
natural, eclode ou surge na época
apropriada, definida no planejamento
reencarnatório do indivíduo.
Natural, aparece espontaneamente, mediante
constrição segura, na qual os desencarnados
de tal ou qual estágio evolutivo convocam à
necessária observância de suas leis,
conduzindo o instrumento mediúnico a
precioso labor por cujos serviços adquire
vasto patrimônio de equilíbrio e iluminação,
resgatando, simultaneamente, os
compromissos negativos a que se encontra
enleado desde vidas anteriores.
Outras vezes surge como impositivo
provacional mediante o qual é possível mais
ampla libertação do próprio médium, que,
em dilatando o exercício da nobilitação a
que se dedica, granjeia consideração e
títulos de benemerência que lhe conferem
paz.
Sem dúvida, poderoso
instrumento pode converter-
se em lamentável fator de
perturbação, tendo em vista
o nível espiritual e
moral daquele que se
encontra investido de tal
recurso.
A eclosão mediúnica pode, então,
ocorrer sob duas formas:
• Espontânea
– não causa maiores desconfortos, quer
físicos quer emocionais, ao médium
iniciante;
• rovacional
– o médium apresenta
descompassos emocionais, que
atingem a sua organização física.
Podem ocorrer perturbações
espiritual;
Osurgimento da faculdade mediúnica não
depende de lugar, idade, condição social ou
sexo. Pode surgir na infância, adolescência
ou juventude, na idade madura ou na
velhice. Pode revelar-se no Centro Espírita,
em casa, em templos de quaisquer
denominações religiosas, no materialista. 4
As crianças a possuem, por assim
dizer, à flor da pele, mas resguardadas
pela influência benéfica e
controladora dos Espíritos
protetores, que as religiões chamam
de anjos da guarda, nessa fase infantil
as manifestações mediúnica são mais
de caráter anímicos;
A criança projeta a sua alma nas coisas e nos
serem que a rodeiam, recebe as intuições
orientadoras dos seus protetores, às vezes vê e
denuncia a presença de Espíritos e não raro
transmite avisos e recados dos Espíritos aos
familiares, de maneira positiva e direta ou de
maneira simbólica e indireta. Independente da
persistência do fenômeno mediúnico, a criança
deve ser encaminhada à Evangelização
Espírita, para ser auxiliada mais efetivamente.
Com o crescimento, a criança vai-se
desligando cada vez mais do mundo espiritual,
passando a se envolver com as ocorrências do
plano físico e, em consequência, as
manifestações mediúnicas vão-se escasseando.
Fecha-se o primeiro ciclo mediúnico.
Considera-se então que a criança não tem
mediunidade, a fase anterior é levada à conta
da imaginação e da fabulação infantis.
É geralmente na adolescência,
a partir dos doze ou treze anos,
que se inicia o segundo ciclo.
Na adolescência o seu corpo já amadureceu o
suficiente para que as manifestações mediúnicas
se tornem mais intensas e positivas. É tempo de
encaminhá-la com informações mais precisas
sobre o problema mediúnico. O passe, a prece, as
reuniões de estudo doutrinário são meios de
auxiliar o processo (da eclosão da
mediunidade), sem forçá-la, dando-lhe orientação
necessária.
Oterceiro ciclo ocorre geralmente na
passagem da adolescência para a juventude,
entre os dezoito e vinte e cinco anos. É tempo,
nessa fase, dos estudos sérios do Espiritismo e
da Mediunidade, bem como da prática
mediúnica livre, nos centros e grupos
espíritas.
Há ainda o quarto ciclo, correspondente a
mediunidade que só aparecem após a
maturidade, na velhice ou na sua
aproximação.
Trata-se de manifestações que se tornam possíveis
devido às condições da idade: enfraquecimento físico,
permitindo mais fácil expansão das energias
perispiritica; maior introversão da mente, com a
diminuição de atividades da vida prática, estado de
apatia neuropsíquica, provocado pelas mudanças
orgânicas do envelhecimento. Esse tipo de
mediunidade tardia tem pouca duração, constituindo
uma espécie de preparação mediúnica para a morte.
Restringe-se a fenômenos de vidência, comunicação
oral, intuição, percepção extra-sensorial e psicografia.
É muito comum, nos momentos próximos à
desencarnação, a ampliação das faculdades
mediúnicas, sobretudo pela percepção de
entidades espirituais. Podem ser momentos de
grande beleza e alegria, se o Espírito cultivou o
bem, ao longo da encarnação. Pode, no entanto,
representar sofrimento para a criatura que não
soube conquistar valores positivos, durante a
experiência terrestre.
Estudo e Desenvolvimento da Mediunidade - FEB
Os sinais ou sintomas que anunciam a
mediunidade variam ao infinito. Reações
emocionais insólitas. Sensação de
enfermidade, só aparente. Calafrios e
mal-estar. Irritações estranhas. 4
Não é a mediunidade que gera o
distúrbio no organismo, mas a ação
fluídica dos Espíritos que favorece a
distonia ou não, de acordo com a
qualidade de que esta se reveste.
Quando do aparecimento da mediunidade,
surgem distúrbios vários, sejam na área
orgânica, através de desequilíbrios e
doenças, ou mediante inquietações
emocionais e psiquiátricas, por debilidade
da sua [do médium] constituição
fisiopsicológica fluídica dos Espíritos que
favorece a distonia ou não, de acordo com a
qualidade de que esta se reveste.
Por outro lado, quando a ação espiritual é
salutar, uma aura de paz e de bem-estar
envolve o medianeiro, auxiliando-o na
preservação das forças que o nutrem e
sustentam durante a existência física. 3 O
momento da eclosão da faculdade mediúnica
no Espírito encarnado é de fundamental
importância, uma vez que essa faculdade
poderá proporcionar benefícios ao próprio
encarnado e ao próximo, se bem orientada e
amparada fraternalmente.
Deve-se considerar, no entanto, que nem sempre a
pessoa é convenientemente assistida logo que
desabrocham suas faculdades mediúnicas; seja por
ignorância a respeito do assunto, o que é mais comum,
seja por desinteresse ou desatenção dos familiares ou
dos amigos. Em outras ocasiões, os médiuns iniciantes,
por se revelarem [...] fascinados pelo entusiasmo
excessivo, diante do impacto das revelações espirituais
que os visitam de jato, solicitam o entendimento e o
apoio dos irmãos experimentados, para que não se
percam, através de engodos brilhantes. 5
Assim, em questão de mediunidade, é importante
conhecer bem o assunto para poder auxiliar,
efetivamente, aquele que busca amparo na casa
Espírita. Não esqueçamos que a [...] maioria dos
estudantes do Espiritismo situam na mediunidade a
pedra basilar de todas as edificações doutrinárias, mas
cometem o erro de considerar por médiuns tão-
somente os trabalhadores da fé renovadora, com tantas
tarefas especiais, ou os doentes psíquicos que, por
vezes, servem admiravelmente à tarefa das
manifestações fenomênicas. 7
Auxiliar a educação e o desenvolvimento
do médium não é tarefa fácil. Exige do
dirigente espírita devotamento nesse
gênero de tarefa, assim como disposição
para orientar com bondade e paciência,
sobretudo se o médium iniciante
apresenta mediunidade provacional.
A criatura, cuja faculdade mediúnica eclodiu, e
que se dispõe a iniciar o seu exercício, deve ter
consciência da importância e da significação
dessa faculdade. Por isso mesmo, os amigos
desencarnados, sempre que responsáveis e
conscientes dos próprios deveres diante das Leis
Divinas, estarão entre os homens exortando-os à
bondade e ao serviço, ao estudo e ao
discernimento, porquanto a força mediúnica, em
verdade, não ajuda e nem edifica quando esteja
distante da caridade e ausente da educação.
Énecessário, contudo, reconhecer que, na
esfera da mediunidade, cada servidor se
reveste de características próprias.
O conteúdo sofrerá sempre a influenciação
da forma e da condição do recipiente. Essa
é a lei do intercâmbio.
[...] Mediunidade, pois, para o serviço de revelação
divina reclama estudo constante e devotamento ao
bem para o indispensável enriquecimento de ciência
e virtude.
A ignorância poderá produzir indiscutíveis e belos
fenômenos, mas só a noção de responsabilidade, a
consagração sistemática ao progresso de todos, a
bondade e o conhecimento conseguem materializar
na Terra os monumentos definitivos da felicidade
humana. 8
Fim
Roteiro. Pelo Espírito Emmanuel - p. 116-117.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
CeiClarencio
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
Jorge Luiz dos Santos
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Maria Alice Sannini
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Cynthia Castro
 
Olm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transf
Olm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transfOlm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transf
Olm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transf
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Graça Maciel
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
jcevadro
 
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporteAula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Sergio Lima Dias Junior
 
Roteiro 4 obras básicas
Roteiro 4   obras básicasRoteiro 4   obras básicas
Roteiro 4 obras básicas
Bruno Cechinel Filho
 
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTEVISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
Jorge Luiz dos Santos
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
Leonardo Pereira
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Obras básicas
Obras básicasObras básicas
Obras básicas
Levi Antonio Amancio
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Elysio Laroide Lugarinho
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
igmateus
 
Mediunidade aula 13 - transe
Mediunidade   aula 13 - transeMediunidade   aula 13 - transe
Mediunidade aula 13 - transe
Augusto Luvisotto
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...
Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...
Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...
CeiClarencio
 

Mais procurados (20)

Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
 
Olm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transf
Olm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transfOlm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transf
Olm 100825-manif.visuais-bicorpor.e transf
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporteAula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
 
Roteiro 4 obras básicas
Roteiro 4   obras básicasRoteiro 4   obras básicas
Roteiro 4 obras básicas
 
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTEVISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Obras básicas
Obras básicasObras básicas
Obras básicas
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Mediunidade aula 13 - transe
Mediunidade   aula 13 - transeMediunidade   aula 13 - transe
Mediunidade aula 13 - transe
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...
Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...
Terceiro Módulo - 13ª aula - Mundo espírita e mundo corporal - manifestações ...
 

Semelhante a Eclosão da mediunidade.pptx

Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptxEclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
EduardoJuc8
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
15 mediunidade- processo ciclico
15 mediunidade- processo ciclico15 mediunidade- processo ciclico
15 mediunidade- processo ciclico
Antonio SSantos
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parteTerceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
CeiClarencio
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 01 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 01 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 01 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 01 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
Alencar Santana
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
Movimento da Fraternidade
 
Desenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mentalDesenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mental
Isabel Moraes
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
Joaquim Fontes
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Curso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidadeCurso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidade
Dirceu Jackson
 
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudadeTerceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
CeiClarencio
 
O papel do serviço assistencial no atendimento integral
O papel do serviço assistencial no atendimento integralO papel do serviço assistencial no atendimento integral
O papel do serviço assistencial no atendimento integral
USE Jabaquara
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 15 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 15 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 15 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 15 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
Wagner Quadros
 
Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8
Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8
Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8
Patricia Farias
 

Semelhante a Eclosão da mediunidade.pptx (20)

Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptxEclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
15 mediunidade- processo ciclico
15 mediunidade- processo ciclico15 mediunidade- processo ciclico
15 mediunidade- processo ciclico
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 20 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
 
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parteTerceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
Terceiro Módulo - 8ª aula - Educação mediunica e exerc. mediunico 1ª parte
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 01 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 01 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 01 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 01 doc
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Desenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mentalDesenvolvendo o-poder-mental
Desenvolvendo o-poder-mental
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
 
Curso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidadeCurso básico sobre mediunidade
Curso básico sobre mediunidade
 
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudadeTerceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
Terceiro Módulo - 2ª aula - Mediunidade e natureza da medinudade
 
O papel do serviço assistencial no atendimento integral
O papel do serviço assistencial no atendimento integralO papel do serviço assistencial no atendimento integral
O papel do serviço assistencial no atendimento integral
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 15 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 15 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 15 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 15 doc
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
 
Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8
Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8
Livro dos Espiritos Questão 351 ESE cap28 item8
 

Mais de M.R.L

Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
M.R.L
 
Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....
M.R.L
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
M.R.L
 
Arrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se defineArrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se define
M.R.L
 
Olhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptxOlhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptx
M.R.L
 
Reflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptxReflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptx
M.R.L
 
A Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptxA Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptx
M.R.L
 
Parabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptxParabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptx
M.R.L
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
M.R.L
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
M.R.L
 
Os primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptxOs primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptx
M.R.L
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
M.R.L
 
Afinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptxAfinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptx
M.R.L
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
M.R.L
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
M.R.L
 
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptxOrganizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
M.R.L
 
Ataques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptxAtaques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptx
M.R.L
 
O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
M.R.L
 
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptxPorque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
M.R.L
 
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
M.R.L
 

Mais de M.R.L (20)

Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
 
Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Arrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se defineArrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se define
 
Olhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptxOlhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptx
 
Reflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptxReflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptx
 
A Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptxA Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptx
 
Parabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptxParabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptx
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
 
Os primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptxOs primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptx
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
 
Afinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptxAfinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptx
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
 
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptxOrganizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
 
Ataques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptxAtaques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptx
 
O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
 
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptxPorque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
 
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
 

Último

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 

Último (14)

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 

Eclosão da mediunidade.pptx

  • 1. Estudo e Prática da Mediunidade. Programa I - Módulo II ·. FEB
  • 2. A mediunidade, sendo uma faculdade natural, eclode ou surge na época apropriada, definida no planejamento reencarnatório do indivíduo.
  • 3. Natural, aparece espontaneamente, mediante constrição segura, na qual os desencarnados de tal ou qual estágio evolutivo convocam à necessária observância de suas leis, conduzindo o instrumento mediúnico a precioso labor por cujos serviços adquire vasto patrimônio de equilíbrio e iluminação, resgatando, simultaneamente, os compromissos negativos a que se encontra enleado desde vidas anteriores.
  • 4. Outras vezes surge como impositivo provacional mediante o qual é possível mais ampla libertação do próprio médium, que, em dilatando o exercício da nobilitação a que se dedica, granjeia consideração e títulos de benemerência que lhe conferem paz.
  • 5. Sem dúvida, poderoso instrumento pode converter- se em lamentável fator de perturbação, tendo em vista o nível espiritual e moral daquele que se encontra investido de tal recurso.
  • 6. A eclosão mediúnica pode, então, ocorrer sob duas formas: • Espontânea – não causa maiores desconfortos, quer físicos quer emocionais, ao médium iniciante;
  • 7. • rovacional – o médium apresenta descompassos emocionais, que atingem a sua organização física. Podem ocorrer perturbações espiritual;
  • 8. Osurgimento da faculdade mediúnica não depende de lugar, idade, condição social ou sexo. Pode surgir na infância, adolescência ou juventude, na idade madura ou na velhice. Pode revelar-se no Centro Espírita, em casa, em templos de quaisquer denominações religiosas, no materialista. 4
  • 9. As crianças a possuem, por assim dizer, à flor da pele, mas resguardadas pela influência benéfica e controladora dos Espíritos protetores, que as religiões chamam de anjos da guarda, nessa fase infantil as manifestações mediúnica são mais de caráter anímicos;
  • 10. A criança projeta a sua alma nas coisas e nos serem que a rodeiam, recebe as intuições orientadoras dos seus protetores, às vezes vê e denuncia a presença de Espíritos e não raro transmite avisos e recados dos Espíritos aos familiares, de maneira positiva e direta ou de maneira simbólica e indireta. Independente da persistência do fenômeno mediúnico, a criança deve ser encaminhada à Evangelização Espírita, para ser auxiliada mais efetivamente.
  • 11. Com o crescimento, a criança vai-se desligando cada vez mais do mundo espiritual, passando a se envolver com as ocorrências do plano físico e, em consequência, as manifestações mediúnicas vão-se escasseando. Fecha-se o primeiro ciclo mediúnico. Considera-se então que a criança não tem mediunidade, a fase anterior é levada à conta da imaginação e da fabulação infantis.
  • 12. É geralmente na adolescência, a partir dos doze ou treze anos, que se inicia o segundo ciclo.
  • 13. Na adolescência o seu corpo já amadureceu o suficiente para que as manifestações mediúnicas se tornem mais intensas e positivas. É tempo de encaminhá-la com informações mais precisas sobre o problema mediúnico. O passe, a prece, as reuniões de estudo doutrinário são meios de auxiliar o processo (da eclosão da mediunidade), sem forçá-la, dando-lhe orientação necessária.
  • 14. Oterceiro ciclo ocorre geralmente na passagem da adolescência para a juventude, entre os dezoito e vinte e cinco anos. É tempo, nessa fase, dos estudos sérios do Espiritismo e da Mediunidade, bem como da prática mediúnica livre, nos centros e grupos espíritas.
  • 15. Há ainda o quarto ciclo, correspondente a mediunidade que só aparecem após a maturidade, na velhice ou na sua aproximação.
  • 16. Trata-se de manifestações que se tornam possíveis devido às condições da idade: enfraquecimento físico, permitindo mais fácil expansão das energias perispiritica; maior introversão da mente, com a diminuição de atividades da vida prática, estado de apatia neuropsíquica, provocado pelas mudanças orgânicas do envelhecimento. Esse tipo de mediunidade tardia tem pouca duração, constituindo uma espécie de preparação mediúnica para a morte. Restringe-se a fenômenos de vidência, comunicação oral, intuição, percepção extra-sensorial e psicografia.
  • 17. É muito comum, nos momentos próximos à desencarnação, a ampliação das faculdades mediúnicas, sobretudo pela percepção de entidades espirituais. Podem ser momentos de grande beleza e alegria, se o Espírito cultivou o bem, ao longo da encarnação. Pode, no entanto, representar sofrimento para a criatura que não soube conquistar valores positivos, durante a experiência terrestre. Estudo e Desenvolvimento da Mediunidade - FEB
  • 18. Os sinais ou sintomas que anunciam a mediunidade variam ao infinito. Reações emocionais insólitas. Sensação de enfermidade, só aparente. Calafrios e mal-estar. Irritações estranhas. 4
  • 19. Não é a mediunidade que gera o distúrbio no organismo, mas a ação fluídica dos Espíritos que favorece a distonia ou não, de acordo com a qualidade de que esta se reveste.
  • 20. Quando do aparecimento da mediunidade, surgem distúrbios vários, sejam na área orgânica, através de desequilíbrios e doenças, ou mediante inquietações emocionais e psiquiátricas, por debilidade da sua [do médium] constituição fisiopsicológica fluídica dos Espíritos que favorece a distonia ou não, de acordo com a qualidade de que esta se reveste.
  • 21. Por outro lado, quando a ação espiritual é salutar, uma aura de paz e de bem-estar envolve o medianeiro, auxiliando-o na preservação das forças que o nutrem e sustentam durante a existência física. 3 O momento da eclosão da faculdade mediúnica no Espírito encarnado é de fundamental importância, uma vez que essa faculdade poderá proporcionar benefícios ao próprio encarnado e ao próximo, se bem orientada e amparada fraternalmente.
  • 22. Deve-se considerar, no entanto, que nem sempre a pessoa é convenientemente assistida logo que desabrocham suas faculdades mediúnicas; seja por ignorância a respeito do assunto, o que é mais comum, seja por desinteresse ou desatenção dos familiares ou dos amigos. Em outras ocasiões, os médiuns iniciantes, por se revelarem [...] fascinados pelo entusiasmo excessivo, diante do impacto das revelações espirituais que os visitam de jato, solicitam o entendimento e o apoio dos irmãos experimentados, para que não se percam, através de engodos brilhantes. 5
  • 23. Assim, em questão de mediunidade, é importante conhecer bem o assunto para poder auxiliar, efetivamente, aquele que busca amparo na casa Espírita. Não esqueçamos que a [...] maioria dos estudantes do Espiritismo situam na mediunidade a pedra basilar de todas as edificações doutrinárias, mas cometem o erro de considerar por médiuns tão- somente os trabalhadores da fé renovadora, com tantas tarefas especiais, ou os doentes psíquicos que, por vezes, servem admiravelmente à tarefa das manifestações fenomênicas. 7
  • 24. Auxiliar a educação e o desenvolvimento do médium não é tarefa fácil. Exige do dirigente espírita devotamento nesse gênero de tarefa, assim como disposição para orientar com bondade e paciência, sobretudo se o médium iniciante apresenta mediunidade provacional.
  • 25. A criatura, cuja faculdade mediúnica eclodiu, e que se dispõe a iniciar o seu exercício, deve ter consciência da importância e da significação dessa faculdade. Por isso mesmo, os amigos desencarnados, sempre que responsáveis e conscientes dos próprios deveres diante das Leis Divinas, estarão entre os homens exortando-os à bondade e ao serviço, ao estudo e ao discernimento, porquanto a força mediúnica, em verdade, não ajuda e nem edifica quando esteja distante da caridade e ausente da educação.
  • 26. Énecessário, contudo, reconhecer que, na esfera da mediunidade, cada servidor se reveste de características próprias. O conteúdo sofrerá sempre a influenciação da forma e da condição do recipiente. Essa é a lei do intercâmbio.
  • 27. [...] Mediunidade, pois, para o serviço de revelação divina reclama estudo constante e devotamento ao bem para o indispensável enriquecimento de ciência e virtude. A ignorância poderá produzir indiscutíveis e belos fenômenos, mas só a noção de responsabilidade, a consagração sistemática ao progresso de todos, a bondade e o conhecimento conseguem materializar na Terra os monumentos definitivos da felicidade humana. 8 Fim Roteiro. Pelo Espírito Emmanuel - p. 116-117.

Notas do Editor

  1. Faculdade mediúnica é inerente ao ser humano. Ela compõe a estrutura da psique humana. Todas as pessoas são dotadas com mediunidade, algumas são dotadas com compromissos da faculdade ostensiva , ou seja ela é capaz de produzir fenômenos mediúnicos. A mediunidade varia de pessoa para pessoa e suas manifestações tbm variam ao infinito. Ela pode ir a uma simples inspiração, intuição, vidência, transe, materialização ... A mais comum na maioria das pessoas é a intuição e a inspiração O desenvolvimento se processa pela pratica e a educação pelo aspecto moral da pessoa
  2. A mediunidade provacional é a mais difícil de se lidar pela falta de aceitação da pessoa pelo recurso a qual lhe foi destinado, com o intuito de lhe encurtar os débitos adquiridos de outras reencarnações.
  3. A mediunidade vira perturbação quando a pessoa tendo esse recurso como ferramenta não conseguindo trabalhar seu intimo e se deixando levar pelos seus vícios e suas deficiências atrai com mais facilidade as mentes perturbadoras que encontram nele as condições mais favoráveis para atingi-lo de cheio. E a ignorância muitas vezes do fato em si, também corrobora para o seu desequilíbrio. Portanto, dois fatores mais comuns que contribuem para essa perturbação são a ignorância e o compromisso de sua melhoria moral.
  4. Esta última é a forma mais comum do surgimento da mediunidade no estado evolutivo em que ainda nos encontramos. Vamos citar mais esse aspecto.
  5. Infelizmente, não há um aspecto-chave que diferencia a mediunidade da imaginação, mas, acompanhar os comportamentos e hábitos das crianças pode ajudar os pais a distinguir uma coisa da outra. Descrever ou mencionar pessoas desencarnadas e o excesso de detalhe nos relatos, por exemplo, podem ser indícios da faculdade mediúnica.
  6. Primeiramente, os pais devem saber que a mediunidade infantil não é sinal de garantia de que o filho se tornará um médium na vida adulta.
  7. se a mediunidade, se não for espontânea, não deve ser desenvolvida e estimulada na tenra idade pelos inconvenientes que um organismo frágil pode sofrer como abalos psicológicos, imaginação excessiva e sobre-excitação. Tratando-se apenas de uma percepção extrassensorial mais aflorada ela pode ou não ser desenvolvida. Entretanto, os pais precisam ter consciência de que as manifestações são espontâneas e não há como impedir a comunicação dos Espíritos. O melhor mesmo é aceitá-las e ensinar os pequenos a lidar com elas.
  8. A partir dos sete anos de idade, as percepções extrafísicas tendem a diminuir. Meninas que ajudaram Kardec na Codificação No início da codificação da Doutrina Espírita, Allan Kardec contou com a ajuda de duas irmãs, Caroline e Pélagie Baudin. Não se sabe ao certo com que idade (em torno de 12 ou 15 anos de idade) as duas tiveram as primeiras manifestações da mediunidade. Entretanto, à época dos trabalhos com Kardec, Caroline e Pélagie já tinham suas faculdades bem desenvolvidas. 3. Ermance Dufaux Ela foi a médium que o codificador da Doutrina Espírita procurou para consultar o mundo espiritual sobre a ideia de publicar a Revista Espírita, que circulou entre 1858 e 1869 em Paris, na França. Ermance Dufaux descobriu sua mediunidade muito cedo.