SlideShare uma empresa Scribd logo
intonia e Afinidade
Introdução Pensamentos Filtros
Afinidades
Espíritos Elevados
Padrão Vibratório
intonia e Afinidade
intonia e Afinidade
Conclusão
Atração Relacionamentos
Quais as condições para que se estabeleçam os
laços de sintonia entre dois Espíritos?
Terem os mesmos interesses
Como diferenciar o que é Afinidade e o que é
Sintonia?
As duas definições são muito parecidas. São quase sinônimos.
Podemos admitir, para nosso trabalho, que são a mesma coisa,
já que as diferenças são muito sutis. Mais na área da
semântica do que na área prática.
Há uma lei da eletricidade que nos mostra que
"polos de polaridades opostas se atraem".
No mundo dos Espíritos, é natural que o mais
esclarecido atraia para si Espíritos que necessitem
de seu amparo, mas que, logicamente, não têm com
ele afinidade vibratória, mas necessidade de seu
suporte.
Jesus mesmo nos disse: "Os doentes não
precisam de médico?”
Seria essa atração natural
(‘polos opostos’)
uma "exceção" à Lei de Afinidade?
Na realidade não são só os que necessitam de amparo que
buscam os Espíritos mais esclarecidos. É o oposto. São os
mais elevados que buscam os menos elevados. Neste caso,
a sintonia dos Espíritos mais elevados é com a lei da
caridade.
O espiritismo enfatiza a questão energética do
ser humano, colocando o componente
energético e suas relações como tão ou mais
importante que o componente material (físico,
orgânico).
A base dos sistemas de autoajuda está na
mentalização positiva, ou seja, na geração de
energias positivas ao redor da pessoa. A natureza é
um imenso oceano de vibrações e energias, onde os
seres transitam, influenciando e sendo influenciado
por essa torrente energética e vibratória.
Vamos abordar a questão específica dos nossos
pensamentos e de nossa sintonia energética e
vibratória. O ser humano absorve energias das
mais diversas, de forma automática, e as
metaboliza em sua estrutura energética, que o
espiritismo denomina de “perispírito”.
A base dos sistemas de autoajuda está na
mentalização positiva, ou seja, na geração de
energias positivas ao redor da pessoa. A natureza é
um imenso oceano de vibrações e energias, onde os
seres transitam, influenciando e sendo influenciado
por essa torrente energética e vibratória.
Essa absorção e metabolização, faz
parte normal do funcionamento do
complexo humano, ocorrendo de
maneira automática, ou seja, é um
processo inconsciente ou
transparente, numa linguagem mais
moderna, que ocorre independente
da percepção ou decisão voluntária
da pessoa.
A metabolização no nosso complexo,
transforma essas energias
absorvidas em componentes
específicos da nossa “circulação
energética”, distribuindo estes em
todo o nosso organismo físico e
perispiritual, servindo como
verdadeiro “alimento” para o
complexo humano.
Por ser um processo automático, a
absorção de energias pelo nosso
organismo está ajustada,
naturalmente e automaticamente, ao
padrão energético e vibratório
específico do indivíduo, ou seja, ao
nível vibratório correspondente ao
seu estado mental e espiritual do
momento.
Isso significa dizer que as
energias absorvidas pelo
indivíduo são do mesmo padrão
vibratório em que ele se
encontra no momento, ou seja,
nosso complexo energético tem
uma espécie de “filtro”, que
deixa passar apenas as energias
com as quais afinamos e
sintonizamos.
Evidentemente, um estado de
desequilíbrio no nosso campo mental
e espiritual, promove imediatamente
um reajuste no nosso sistema
energético, o que nos leva também a
sintonia com determinado tipo de
energia, que passará a ser “filtrada”
para o nosso sistema energético,
incorporando-se, pela metabolização
ao sistema perispiritual e físico.
O equilíbrio ou o desequilíbrio no
campo mental e espiritual do indivíduo,
determina, portanto, que “qualidade”
ou “tipo” de energia será absorvido por
ele.
Se estamos equilibrados, harmonizados,
vibrando no bem, nosso “filtro” promove a
absorção de boas energias,
correspondentes ao nosso “patamar
vibratório”, bloqueando a absorção de
padrões energéticos “ruins”.
Se estamos desequilibrados,
desarmonizados, invigilantes com nossos
pensamentos, nosso patamar vibratório se
ajusta com energias “ruins”, e nosso filtro
bloqueia a absorção das energias “boas” e
promove a assimilação de energias
desequilibradas.
É fácil deduzir que se absorvemos um
determinado padrão energético, com uma
certa “qualidade”, seja ela positiva (boa) ou
negativa (ruim), a metabolização dessas
energias produz componentes energéticos
de qualidade similar, que se distribuem pelo
nosso organismo físico e perispiritual,
afetando-o com a qualidade inerente ao
tipo e qualidade da energia absorvida.
Também podemos inferir que o padrão
“vibratório e energético” absorvido, uma
vez metabolizado em nosso complexo
perispirítico, reforça o estado vibratório
(patamar) que permitiu sua absorção, ou
seja, reforçamos o estado de equilíbrio ou
desequilíbrio em que nos encontramos.
Por isso é necessário a vigilância constante sobre nossa
sintonia mental e espiritual, para que não nos
deixemos levar pelos pensamentos inadequados, pelas
vibrações negativas, pelos sentimentos menos dignos,
pelas emoções descontroladas, pois isso permitirá que
iniciemos um processo de absorção de energias
negativas, que por sua vez reforçam nosso estado de
desequilíbrio, o que pode, em persistindo esta
situação, colocar-nos em contato com seres
desequilibrados, causar-nos doenças e desequilíbrios
físicos, psíquicos e espirituais.
Em contrapartida, a vigilância para que nosso
pensamento, nossa sintonia permaneça sempre
elevada, voltada a prática do bem, do amor e da
caridade, permite que, constantemente, fiquemos
sintonizados e absorvendo as energias
equilibradas, o que reforça nosso equilíbrio e bem-
estar físico, psíquico e espiritual, trazendo a
sensação agradável de estar em sintonia com
energias elevadas. Esse é o retorno, a recompensa
imediata de quem pratica o amor e a caridade.
Traz o prazer em se praticar o bem.
Ao entender este mecanismo, podemos afirmar
que é muito importante que busquemos, com um
esforço constante, com muita consciência, uma
mentalização positiva para o nosso foco mental,
para os nossos pensamentos, em todas as etapas e
momentos de nossa vida, em casa, no trabalho, no
lazer, no trânsito, de modo a garantir a sintonia
com um patamar energético mais elevado, com a
conseqüente absorção e metabolização de energias
benéficas e reforçadoras de nosso comportamento
no caminho do bem.
De outra forma, deve ser evitado que
nosso foco mental vague em paragens
menos dignas. Temos que zelar para que
nosso pensamento não seja direcionado
para as coisas negativas e destruidoras.
Não devemos focar a negatividade, os
problemas, as inconformidades, nem
sintonizar com a desgraça, pois nesse caso
nos comportaremos como urubus, que
voam alto apenas para focalizar a carniça,
para dela se alimentar.
Pensamento no bem, pensamento
calmo, pensamento positivo,
pensamento criador, foco no amor e na
caridade.
Esse é o caminho da mentalização, da
sintonia e da absorção das boas
energias. Lembremo-nos que as
palavras expressam pensamentos. Que
saiam de nossas bocas as boas
palavras e de nosso coração as boas
atitudes.
Devemos sempre ter em mente que a
energização que nos envolverá,
depende, em cada instante, apenas de
nossa atitude mental, e que na
aplicação prática de nossa vida, a
ligação com o alto se faz na aplicação
das boas virtudes, com o exercício
constante do bem, seja em que
atividade estivermos. Nosso bem-estar
depende apenas de nós mesmos.
Compilado do Centro Espírita Luz Eterna – CELE
Sociedade Espírita Fraternidade – SEF
Autor: Carlos Augusto Parchen
Fonte: Harmonia Espiritual
Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus
com os maus (Livro dos Médiuns – 227)
-Na Terra, as criaturas humanas muitas vezes revelam as suas
afinidades nos interesses materiais, que podem dissimular a
verdadeira posição moral da personalidade; no mundo dos Espíritos
elevados, porém, as afinidades legítimas se revelam sem qualquer
artifício pelos sentimentos mais puros.
O Consolador – Francisco C. Xavier
(Emmanuel) pág. 108.
Gostamos de nos reunir com pessoas afins porque nos
entendemos melhor com elas, mas nem por isso pensamos e
vivemos exatamente da mesma maneira.
Se assim fosse, a evolução teria de estagnar. Nossos filhos mais afins, mais
ligados a nós podem tomar caminhos diferentes do nosso. E devemos respeitar-
lhes o desejo de novas experiências, sem que isso importe em rompimento
conosco.
Cada Espírito deve ter a jurisdição de si mesmo.
É por isso que Emmanuel nos lembra o amor sem
apego, sem intenções de sujeição, para que não
criemos problemas à liberdade de ação e de
experiências dos filhos casados. Devemos
ampará-los, auxiliá-los e não torturá-los com as
nossas exigências egoístas.
( Na Era do Espírito - J. Herculano Pires - pág.
136)
A afeição espiritual é a única resistente no domínio do Espírito. Na
Terra e nas esferas do trabalho corporal, concorre para o avanço moral
do Espírito encarnado que, sob a influência simpática, realiza milagres
de abnegação e de devotamento aos seres amados. Aqui, nas
moradas celestes, ela é a satisfação completa de todas as aspirações
e a maior felicidade que o Espírito possa desfrutar.
(Revista Espírita Allan Kardec - pág. 52)
A afinidade é "uma faixa de união" em que nos integramos uns com os
outros. Francisco C. Xavier
Livro dos Espíritos – Afinidades
Basta estarmos pensando em um dado tema ou
assunto, para, de imediato, atrair os Espíritos em
sintonia com o tema?
Com certeza.
Duas perguntas correlatas:
Quando não gostamos de alguém, podemos dizer que isto também
é um processo de sintonia? Gostaria de saber se as antipatias
seguem o mesmo princípio das afinidades.
Quando não gostamos de alguém, o processo é de antipatia. Na realidade, a lei que
rege os dois processos é a mesma: interesses iguais se atraem (simpatia), interesses
diferentes se repelem (antipatia).
Como romper afinidades que nos fazem mal
Na realidade, não há afinidade que nos faz mal.
O que temos, no caso, é uma sintonia com uma determinada
situação, causada pelas nossas imperfeições, que atraem
Espíritos que se aproveitam dessa imperfeição para nos
causarem danos.
A única forma de afastá-los da nossa ambiência espiritual é
modificá-la, modificando os nossos pensamentos e atos.
A prece sincera também é um recurso extremamente
válido para atrair os bons espíritos que nos suprirão das
forças necessárias para resistirmos às nossas
tendências inferiores. Com relação a lembrança das
vidas passadas, no estado de encarnado, ela não é um
estado natural, visto que esta lembrança mais
atrapalharia do que nos ajudaria.
Na questão 392 de "O Livro dos Espíritos", os
Espíritos nos esclarecem que, esquecido do
seu passado, o encarnado é mais senhor de si.
Esta é uma lei natural que provém de Deus e
que, portanto, é sábia e age a nosso favor.
(A lembrança de vidas passadas ajudaria no processo de rompimento ou prejudicaria
ainda mais?)
Vamos por partes.
Uma pessoa encarnada portadora de possibilidades mediúnicas
se dispõe a utilizá-la em uma determinada direção
(independente de ser boa ou má esta direção). Em função da
direção que ele decide optar, entrará em sintonia com a faixa
vibratória daqueles que têm os mesmos interesses.
Já está feita a conexão necessária.
Como entender a afinidade e sintonia nos processos de intercâmbio
mediúnico?
Qual é exatamente o mecanismo de atração entre dois Espíritos? Como se
reconhece ou se sente um Espírito afim?
Há algum processo físico que explique a afinidade espiritual?
Existem dois tipos de atração. A atração física é regida por leis materiais e que
nada tem a ver com a atração por sentimentos. Entre Espíritos que têm
interesses iguais a atração é por sentimentos. Podemos ter afinidades e
sintonias com pessoas com as quais não temos a menor atração física e
podemos ter atração física com pessoas com as quais não temos nenhuma
afinidade, o que mostra que as origens das duas atrações são diferentes. Uma
é material, a outra é de ordem espiritual.
Pessoas que gostamos, digamos, de graça, tiveram algum relacionamento
conosco em vidas anteriores ou esta simpatia pode se desenvolver na
presente vida?
Na questão 387 de "O Livro dos Espíritos", os Espíritos nos dizem
que dois Espíritos que se ligam bem naturalmente se procuram um
ao outro sem que se tenham conhecido como homens.
Não necessariamente a simpatia se forma nas vidas passadas. Pode também se
formar por interesses iguais nesta própria existência.
Como explicar relacionamentos que pareciam em sintonia
e acabam com grande desarmonia entre o casal?
É o velho problema da atração física sem que haja identidade de
sentimentos. Todas as atrações baseadas na matéria são, por definição,
instáveis, já que o elemento material é instável. Um relacionamento
construído apenas em cima de uma atração física é fadado ao insucesso,
já que esta atração, mais cedo ou mais tarde, terá o seu objeto mudado
por um outro mais a frente que o atraia mais.
As relações construídas não só na atração
física, que é importante, como também na área
do sentimento, tendem a ser mais duradouras
porque são sustentadas por valores espirituais
que, por definição, são estáveis.
Estamos rodeados de testemunhas espirituais que
nos assistem, e atraímos outras tantas pela sintonia
dos nossos sentimentos. O Espírito envolvido na
carne recebe do próprio ambiente impulsos de
magnetismo inferior a todos os momentos. É
preciso orar e vigiar permanentemente. Essas
forças aparecem aos homens como barreira para
cercear suas forças para o bem.
Devemos lutar, não contra o mal, que não merece atenção
nem desperdício de tempo, mas, lutar na sequência do bem
comum, aprimorando, com as qualidades espirituais, a árvore
do amor que se encontra em nosso coração. Busquemos
sempre o melhor, e nessa procura, Jesus aparece com as Suas
mãos que nos encorajam a batalhar com nós mesmos,
aliviando ou fazendo desaparecer as nossas tensões, no que se
refere à nossa consciência.
Os bons Espíritos têm suas lutas no chão do planeta e ainda procuram inspirar
os homens para torná-los bons também. Os Espíritos puros inspiram os bons,
mesmo desencarnados, e eles, fortalecidos ajudam os encarnados. Sabemos
que os homens fazem o bem e o mal, entretanto, a Doutrina dos Espíritos,
como sendo a volta de Jesus, vem nos ajudar a compreender a necessidade de
diminuir o mal, investindo no bem cada vez mais, para que ele domine os
nossos sentimentos na sua amplitude. Se queres paz, trabalha pela paz alheia;
se queres amor, não te esqueças de amar, porque, se é dando que recebemos,
a inteligência nos pede para doar o quanto pudermos.
O Livro dos Espíritos comentado pelo Espírito Miramez
Questão 486 comentada - CAPÍTULO 27
https://www.mensagemespirita.com.br/md/ad/afeicao-dos-bons-espiritos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2.6.1 espiritos errantes
2.6.1   espiritos errantes2.6.1   espiritos errantes
2.6.1 espiritos errantes
Marta Gomes
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo
17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo
17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo
Lar Irmã Zarabatana
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
Jorge Luiz dos Santos
 
2.9.5 influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida
2.9.5   influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida2.9.5   influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida
2.9.5 influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida
Marta Gomes
 
Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11
Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11
Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11
Patricia Farias
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
Instituto Espírita de Educação
 
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
CeiClarencio
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptxA QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
BrunoSimoes23
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Ricardo Azevedo
 
Lei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãOLei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
M.R.L
 

Mais procurados (20)

2.6.1 espiritos errantes
2.6.1   espiritos errantes2.6.1   espiritos errantes
2.6.1 espiritos errantes
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
 
17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo
17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo
17 de janeiro 2014 - O "Ano Novo" e o Espiritismo
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
 
2.9.5 influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida
2.9.5   influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida2.9.5   influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida
2.9.5 influencia dos espiritos sobre os acontecimentos da vida
 
Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11
Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11
Livro dos Espiritos Q. 301 e 302 ESE cap.25 item 9, 10 e 11
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
 
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
Palestra Evangelho - Não se pode servir a Deus e a Mamon - Rosana De Rosa
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptxA QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ.pptx
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
 
Lei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãOLei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãO
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 

Semelhante a Afinidade e sintonia.pptx

Terapeuta naturalista
Terapeuta naturalistaTerapeuta naturalista
Terapeuta naturalista
Elizabeth Marçola Herrgen
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
Helio Cruz
 
Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12
Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12
Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12
Levi Antonio Amancio
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corposMocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Sergio Lima Dias Junior
 
Processos de autocura
Processos de autocuraProcessos de autocura
Processos de autocura
Levi Antonio Amancio
 
7 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas2
7 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas27 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas2
7 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas2
Roserene Fernandes
 
210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx
210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx
210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx
Drª Fabia Silva
 
24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise
Antonio SSantos
 
Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)
Fatima Carvalho
 
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  xDesequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Filosofia quantica poder do pensamento
Filosofia quantica poder do pensamentoFilosofia quantica poder do pensamento
Filosofia quantica poder do pensamento
Doni Cia
 
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do PensamentoFilosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
AndySans 2008
 
Filosofia quantica (1)
Filosofia quantica (1)Filosofia quantica (1)
Filosofia quantica (1)
ClaudiaPFerreira
 
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do PensamentoFilosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Rosário Rocha
 
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do PensamentoFilosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Pupi Crystel
 
7 principais chakras do corpo humano.pdf
7 principais chakras do corpo humano.pdf7 principais chakras do corpo humano.pdf
7 principais chakras do corpo humano.pdf
RafaelN7
 
Universalismo crstico apostila - 030 - 2011 - lar
Universalismo crstico   apostila - 030 - 2011 - larUniversalismo crstico   apostila - 030 - 2011 - lar
Universalismo crstico apostila - 030 - 2011 - lar
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
CeiClarencio
 
apreesentação palestra 1 de maio.docx
apreesentação palestra 1 de maio.docxapreesentação palestra 1 de maio.docx
apreesentação palestra 1 de maio.docx
RicardoRogrioBargade
 
Filosofia quantica
Filosofia quanticaFilosofia quantica
Filosofia quantica
Doni Cia
 

Semelhante a Afinidade e sintonia.pptx (20)

Terapeuta naturalista
Terapeuta naturalistaTerapeuta naturalista
Terapeuta naturalista
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
 
Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12
Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12
Curso de passe-2012-aula -2-06.10.12
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corposMocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
 
Processos de autocura
Processos de autocuraProcessos de autocura
Processos de autocura
 
7 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas2
7 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas27 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas2
7 0 1_despertamento_das_faculdades_mediunicas2
 
210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx
210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx
210104487 como-usar-o-bastao-atlante-docx
 
24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise
 
Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)
 
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  xDesequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos  x
Desequil%80%a0%a6%cdbrios %80%a0%a6%cdntimos x
 
Filosofia quantica poder do pensamento
Filosofia quantica poder do pensamentoFilosofia quantica poder do pensamento
Filosofia quantica poder do pensamento
 
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do PensamentoFilosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
 
Filosofia quantica (1)
Filosofia quantica (1)Filosofia quantica (1)
Filosofia quantica (1)
 
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do PensamentoFilosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
 
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do PensamentoFilosofia Quantica Poder Do Pensamento
Filosofia Quantica Poder Do Pensamento
 
7 principais chakras do corpo humano.pdf
7 principais chakras do corpo humano.pdf7 principais chakras do corpo humano.pdf
7 principais chakras do corpo humano.pdf
 
Universalismo crstico apostila - 030 - 2011 - lar
Universalismo crstico   apostila - 030 - 2011 - larUniversalismo crstico   apostila - 030 - 2011 - lar
Universalismo crstico apostila - 030 - 2011 - lar
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
 
apreesentação palestra 1 de maio.docx
apreesentação palestra 1 de maio.docxapreesentação palestra 1 de maio.docx
apreesentação palestra 1 de maio.docx
 
Filosofia quantica
Filosofia quanticaFilosofia quantica
Filosofia quantica
 

Mais de M.R.L

Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
M.R.L
 
Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....
M.R.L
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
M.R.L
 
Arrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se defineArrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se define
M.R.L
 
Olhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptxOlhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptx
M.R.L
 
Reflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptxReflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptx
M.R.L
 
A Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptxA Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptx
M.R.L
 
Parabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptxParabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptx
M.R.L
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
M.R.L
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
M.R.L
 
Os primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptxOs primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptx
M.R.L
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
M.R.L
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
M.R.L
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
M.R.L
 
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptxOrganizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
M.R.L
 
Ataques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptxAtaques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptx
M.R.L
 
O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
M.R.L
 
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptxPorque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
M.R.L
 
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
M.R.L
 
Arrogância.pptx
Arrogância.pptxArrogância.pptx
Arrogância.pptx
M.R.L
 

Mais de M.R.L (20)

Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
 
Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Arrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se defineArrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se define
 
Olhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptxOlhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptx
 
Reflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptxReflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptx
 
A Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptxA Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptx
 
Parabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptxParabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptx
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
 
Os primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptxOs primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptx
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
 
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptxOrganizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
 
Ataques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptxAtaques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptx
 
O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
 
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptxPorque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
 
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
 
Arrogância.pptx
Arrogância.pptxArrogância.pptx
Arrogância.pptx
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 

Último (14)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 

Afinidade e sintonia.pptx

  • 1. intonia e Afinidade Introdução Pensamentos Filtros
  • 4. Quais as condições para que se estabeleçam os laços de sintonia entre dois Espíritos? Terem os mesmos interesses Como diferenciar o que é Afinidade e o que é Sintonia? As duas definições são muito parecidas. São quase sinônimos. Podemos admitir, para nosso trabalho, que são a mesma coisa, já que as diferenças são muito sutis. Mais na área da semântica do que na área prática.
  • 5. Há uma lei da eletricidade que nos mostra que "polos de polaridades opostas se atraem". No mundo dos Espíritos, é natural que o mais esclarecido atraia para si Espíritos que necessitem de seu amparo, mas que, logicamente, não têm com ele afinidade vibratória, mas necessidade de seu suporte.
  • 6. Jesus mesmo nos disse: "Os doentes não precisam de médico?” Seria essa atração natural (‘polos opostos’) uma "exceção" à Lei de Afinidade? Na realidade não são só os que necessitam de amparo que buscam os Espíritos mais esclarecidos. É o oposto. São os mais elevados que buscam os menos elevados. Neste caso, a sintonia dos Espíritos mais elevados é com a lei da caridade.
  • 7. O espiritismo enfatiza a questão energética do ser humano, colocando o componente energético e suas relações como tão ou mais importante que o componente material (físico, orgânico). A base dos sistemas de autoajuda está na mentalização positiva, ou seja, na geração de energias positivas ao redor da pessoa. A natureza é um imenso oceano de vibrações e energias, onde os seres transitam, influenciando e sendo influenciado por essa torrente energética e vibratória.
  • 8. Vamos abordar a questão específica dos nossos pensamentos e de nossa sintonia energética e vibratória. O ser humano absorve energias das mais diversas, de forma automática, e as metaboliza em sua estrutura energética, que o espiritismo denomina de “perispírito”. A base dos sistemas de autoajuda está na mentalização positiva, ou seja, na geração de energias positivas ao redor da pessoa. A natureza é um imenso oceano de vibrações e energias, onde os seres transitam, influenciando e sendo influenciado por essa torrente energética e vibratória.
  • 9. Essa absorção e metabolização, faz parte normal do funcionamento do complexo humano, ocorrendo de maneira automática, ou seja, é um processo inconsciente ou transparente, numa linguagem mais moderna, que ocorre independente da percepção ou decisão voluntária da pessoa.
  • 10. A metabolização no nosso complexo, transforma essas energias absorvidas em componentes específicos da nossa “circulação energética”, distribuindo estes em todo o nosso organismo físico e perispiritual, servindo como verdadeiro “alimento” para o complexo humano.
  • 11. Por ser um processo automático, a absorção de energias pelo nosso organismo está ajustada, naturalmente e automaticamente, ao padrão energético e vibratório específico do indivíduo, ou seja, ao nível vibratório correspondente ao seu estado mental e espiritual do momento.
  • 12. Isso significa dizer que as energias absorvidas pelo indivíduo são do mesmo padrão vibratório em que ele se encontra no momento, ou seja, nosso complexo energético tem uma espécie de “filtro”, que deixa passar apenas as energias com as quais afinamos e sintonizamos.
  • 13. Evidentemente, um estado de desequilíbrio no nosso campo mental e espiritual, promove imediatamente um reajuste no nosso sistema energético, o que nos leva também a sintonia com determinado tipo de energia, que passará a ser “filtrada” para o nosso sistema energético, incorporando-se, pela metabolização ao sistema perispiritual e físico.
  • 14. O equilíbrio ou o desequilíbrio no campo mental e espiritual do indivíduo, determina, portanto, que “qualidade” ou “tipo” de energia será absorvido por ele. Se estamos equilibrados, harmonizados, vibrando no bem, nosso “filtro” promove a absorção de boas energias, correspondentes ao nosso “patamar vibratório”, bloqueando a absorção de padrões energéticos “ruins”.
  • 15. Se estamos desequilibrados, desarmonizados, invigilantes com nossos pensamentos, nosso patamar vibratório se ajusta com energias “ruins”, e nosso filtro bloqueia a absorção das energias “boas” e promove a assimilação de energias desequilibradas.
  • 16. É fácil deduzir que se absorvemos um determinado padrão energético, com uma certa “qualidade”, seja ela positiva (boa) ou negativa (ruim), a metabolização dessas energias produz componentes energéticos de qualidade similar, que se distribuem pelo nosso organismo físico e perispiritual, afetando-o com a qualidade inerente ao tipo e qualidade da energia absorvida.
  • 17. Também podemos inferir que o padrão “vibratório e energético” absorvido, uma vez metabolizado em nosso complexo perispirítico, reforça o estado vibratório (patamar) que permitiu sua absorção, ou seja, reforçamos o estado de equilíbrio ou desequilíbrio em que nos encontramos.
  • 18. Por isso é necessário a vigilância constante sobre nossa sintonia mental e espiritual, para que não nos deixemos levar pelos pensamentos inadequados, pelas vibrações negativas, pelos sentimentos menos dignos, pelas emoções descontroladas, pois isso permitirá que iniciemos um processo de absorção de energias negativas, que por sua vez reforçam nosso estado de desequilíbrio, o que pode, em persistindo esta situação, colocar-nos em contato com seres desequilibrados, causar-nos doenças e desequilíbrios físicos, psíquicos e espirituais.
  • 19. Em contrapartida, a vigilância para que nosso pensamento, nossa sintonia permaneça sempre elevada, voltada a prática do bem, do amor e da caridade, permite que, constantemente, fiquemos sintonizados e absorvendo as energias equilibradas, o que reforça nosso equilíbrio e bem- estar físico, psíquico e espiritual, trazendo a sensação agradável de estar em sintonia com energias elevadas. Esse é o retorno, a recompensa imediata de quem pratica o amor e a caridade. Traz o prazer em se praticar o bem.
  • 20. Ao entender este mecanismo, podemos afirmar que é muito importante que busquemos, com um esforço constante, com muita consciência, uma mentalização positiva para o nosso foco mental, para os nossos pensamentos, em todas as etapas e momentos de nossa vida, em casa, no trabalho, no lazer, no trânsito, de modo a garantir a sintonia com um patamar energético mais elevado, com a conseqüente absorção e metabolização de energias benéficas e reforçadoras de nosso comportamento no caminho do bem.
  • 21. De outra forma, deve ser evitado que nosso foco mental vague em paragens menos dignas. Temos que zelar para que nosso pensamento não seja direcionado para as coisas negativas e destruidoras. Não devemos focar a negatividade, os problemas, as inconformidades, nem sintonizar com a desgraça, pois nesse caso nos comportaremos como urubus, que voam alto apenas para focalizar a carniça, para dela se alimentar.
  • 22. Pensamento no bem, pensamento calmo, pensamento positivo, pensamento criador, foco no amor e na caridade. Esse é o caminho da mentalização, da sintonia e da absorção das boas energias. Lembremo-nos que as palavras expressam pensamentos. Que saiam de nossas bocas as boas palavras e de nosso coração as boas atitudes.
  • 23. Devemos sempre ter em mente que a energização que nos envolverá, depende, em cada instante, apenas de nossa atitude mental, e que na aplicação prática de nossa vida, a ligação com o alto se faz na aplicação das boas virtudes, com o exercício constante do bem, seja em que atividade estivermos. Nosso bem-estar depende apenas de nós mesmos. Compilado do Centro Espírita Luz Eterna – CELE Sociedade Espírita Fraternidade – SEF Autor: Carlos Augusto Parchen Fonte: Harmonia Espiritual
  • 24. Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus (Livro dos Médiuns – 227)
  • 25. -Na Terra, as criaturas humanas muitas vezes revelam as suas afinidades nos interesses materiais, que podem dissimular a verdadeira posição moral da personalidade; no mundo dos Espíritos elevados, porém, as afinidades legítimas se revelam sem qualquer artifício pelos sentimentos mais puros. O Consolador – Francisco C. Xavier (Emmanuel) pág. 108.
  • 26. Gostamos de nos reunir com pessoas afins porque nos entendemos melhor com elas, mas nem por isso pensamos e vivemos exatamente da mesma maneira. Se assim fosse, a evolução teria de estagnar. Nossos filhos mais afins, mais ligados a nós podem tomar caminhos diferentes do nosso. E devemos respeitar- lhes o desejo de novas experiências, sem que isso importe em rompimento conosco. Cada Espírito deve ter a jurisdição de si mesmo.
  • 27. É por isso que Emmanuel nos lembra o amor sem apego, sem intenções de sujeição, para que não criemos problemas à liberdade de ação e de experiências dos filhos casados. Devemos ampará-los, auxiliá-los e não torturá-los com as nossas exigências egoístas. ( Na Era do Espírito - J. Herculano Pires - pág. 136)
  • 28. A afeição espiritual é a única resistente no domínio do Espírito. Na Terra e nas esferas do trabalho corporal, concorre para o avanço moral do Espírito encarnado que, sob a influência simpática, realiza milagres de abnegação e de devotamento aos seres amados. Aqui, nas moradas celestes, ela é a satisfação completa de todas as aspirações e a maior felicidade que o Espírito possa desfrutar. (Revista Espírita Allan Kardec - pág. 52) A afinidade é "uma faixa de união" em que nos integramos uns com os outros. Francisco C. Xavier
  • 29. Livro dos Espíritos – Afinidades Basta estarmos pensando em um dado tema ou assunto, para, de imediato, atrair os Espíritos em sintonia com o tema? Com certeza.
  • 30. Duas perguntas correlatas: Quando não gostamos de alguém, podemos dizer que isto também é um processo de sintonia? Gostaria de saber se as antipatias seguem o mesmo princípio das afinidades. Quando não gostamos de alguém, o processo é de antipatia. Na realidade, a lei que rege os dois processos é a mesma: interesses iguais se atraem (simpatia), interesses diferentes se repelem (antipatia).
  • 31. Como romper afinidades que nos fazem mal Na realidade, não há afinidade que nos faz mal. O que temos, no caso, é uma sintonia com uma determinada situação, causada pelas nossas imperfeições, que atraem Espíritos que se aproveitam dessa imperfeição para nos causarem danos. A única forma de afastá-los da nossa ambiência espiritual é modificá-la, modificando os nossos pensamentos e atos.
  • 32. A prece sincera também é um recurso extremamente válido para atrair os bons espíritos que nos suprirão das forças necessárias para resistirmos às nossas tendências inferiores. Com relação a lembrança das vidas passadas, no estado de encarnado, ela não é um estado natural, visto que esta lembrança mais atrapalharia do que nos ajudaria.
  • 33. Na questão 392 de "O Livro dos Espíritos", os Espíritos nos esclarecem que, esquecido do seu passado, o encarnado é mais senhor de si. Esta é uma lei natural que provém de Deus e que, portanto, é sábia e age a nosso favor. (A lembrança de vidas passadas ajudaria no processo de rompimento ou prejudicaria ainda mais?)
  • 34. Vamos por partes. Uma pessoa encarnada portadora de possibilidades mediúnicas se dispõe a utilizá-la em uma determinada direção (independente de ser boa ou má esta direção). Em função da direção que ele decide optar, entrará em sintonia com a faixa vibratória daqueles que têm os mesmos interesses. Já está feita a conexão necessária. Como entender a afinidade e sintonia nos processos de intercâmbio mediúnico?
  • 35. Qual é exatamente o mecanismo de atração entre dois Espíritos? Como se reconhece ou se sente um Espírito afim? Há algum processo físico que explique a afinidade espiritual? Existem dois tipos de atração. A atração física é regida por leis materiais e que nada tem a ver com a atração por sentimentos. Entre Espíritos que têm interesses iguais a atração é por sentimentos. Podemos ter afinidades e sintonias com pessoas com as quais não temos a menor atração física e podemos ter atração física com pessoas com as quais não temos nenhuma afinidade, o que mostra que as origens das duas atrações são diferentes. Uma é material, a outra é de ordem espiritual.
  • 36. Pessoas que gostamos, digamos, de graça, tiveram algum relacionamento conosco em vidas anteriores ou esta simpatia pode se desenvolver na presente vida? Na questão 387 de "O Livro dos Espíritos", os Espíritos nos dizem que dois Espíritos que se ligam bem naturalmente se procuram um ao outro sem que se tenham conhecido como homens. Não necessariamente a simpatia se forma nas vidas passadas. Pode também se formar por interesses iguais nesta própria existência.
  • 37. Como explicar relacionamentos que pareciam em sintonia e acabam com grande desarmonia entre o casal? É o velho problema da atração física sem que haja identidade de sentimentos. Todas as atrações baseadas na matéria são, por definição, instáveis, já que o elemento material é instável. Um relacionamento construído apenas em cima de uma atração física é fadado ao insucesso, já que esta atração, mais cedo ou mais tarde, terá o seu objeto mudado por um outro mais a frente que o atraia mais.
  • 38. As relações construídas não só na atração física, que é importante, como também na área do sentimento, tendem a ser mais duradouras porque são sustentadas por valores espirituais que, por definição, são estáveis.
  • 39. Estamos rodeados de testemunhas espirituais que nos assistem, e atraímos outras tantas pela sintonia dos nossos sentimentos. O Espírito envolvido na carne recebe do próprio ambiente impulsos de magnetismo inferior a todos os momentos. É preciso orar e vigiar permanentemente. Essas forças aparecem aos homens como barreira para cercear suas forças para o bem.
  • 40. Devemos lutar, não contra o mal, que não merece atenção nem desperdício de tempo, mas, lutar na sequência do bem comum, aprimorando, com as qualidades espirituais, a árvore do amor que se encontra em nosso coração. Busquemos sempre o melhor, e nessa procura, Jesus aparece com as Suas mãos que nos encorajam a batalhar com nós mesmos, aliviando ou fazendo desaparecer as nossas tensões, no que se refere à nossa consciência.
  • 41. Os bons Espíritos têm suas lutas no chão do planeta e ainda procuram inspirar os homens para torná-los bons também. Os Espíritos puros inspiram os bons, mesmo desencarnados, e eles, fortalecidos ajudam os encarnados. Sabemos que os homens fazem o bem e o mal, entretanto, a Doutrina dos Espíritos, como sendo a volta de Jesus, vem nos ajudar a compreender a necessidade de diminuir o mal, investindo no bem cada vez mais, para que ele domine os nossos sentimentos na sua amplitude. Se queres paz, trabalha pela paz alheia; se queres amor, não te esqueças de amar, porque, se é dando que recebemos, a inteligência nos pede para doar o quanto pudermos. O Livro dos Espíritos comentado pelo Espírito Miramez Questão 486 comentada - CAPÍTULO 27 https://www.mensagemespirita.com.br/md/ad/afeicao-dos-bons-espiritos