SlideShare uma empresa Scribd logo
orque não faço o
Bem que quero, mas
o Mal que não quero
esse faço! Paulo de Tarso –
Romanos 7.24-25
Origem do bem e do mal
1. Sendo Deus o princípio de todas as coisas e sendo todo
sabedoria, todo bondade, todo justiça, tudo o que dele
procede há de participar dos seus atributos, porquanto o
que é infinitamente sábio, justo e bom nada pode produzir
que seja ininteligente, mau e injusto. O mal que observamos
não pode ter nele a sua origem.
Capítulo III -Gênese
2. Se o mal estivesse nas atribuições de um
ser especial, quer se lhe chame Arimane, quer
Satanás, ou ele seria igual a Deus, e, por
conseguinte, tão poderoso quanto este, e de
toda a eternidade como Ele, ou lhe seria
inferior.
No primeiro caso, haveria duas potências
rivais, incessantemente em luta, procurando
cada uma desfazer o que fizesse a outra,
contrariando-se mutuamente, hipótese esta
inconciliável com a unidade de vistas que se
revela na estrutura do universo.
No segundo caso, sendo inferior a Deus, aquele ser lhe
estaria subordinado. Não podendo existir de toda a
eternidade como Deus, sem ser igual a este, teria tido um
começo.
Se fora criado, só o poderia ter sido por Deus, que, então,
houvera criado o Espírito do mal, o que implicaria negação
da bondade infinita.
(Veja-se: O céu e o inferno, cap. IX: Os demônios.)
3. Entretanto, o mal existe e tem uma causa.
Os males de toda espécie, físicos ou morais, que
afligem a humanidade, formam duas categorias que
importa distinguir: a dos males que o homem pode
evitar e a dos que lhe independem da vontade.
Entre os últimos, cumpre se incluam os flagelos
naturais.
[...]5. Tendo o homem que progredir, os males a que se acha
exposto são um estimulante para o exercício da sua inteligência,
de todas as suas faculdades físicas e morais, incitando-o a
procurar os meios de evitá-los. Se ele nada houvesse de temer,
nenhuma necessidade o induziria a procurar o melhor; o
espírito se lhe entorpeceria na inatividade; nada inventaria,
nem descobriria.
A dor é o aguilhão que o impele para a frente, na senda do
progresso.
6. Porém, os males mais numerosos são os que o homem
cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do
seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus
excessos em tudo.
7. Entretanto, Deus, todo bondade, pôs o
remédio ao lado do mal, isto é, faz que do
próprio mal saia o bem.
Um momento chega em que o excesso do mal moral se torna
intolerável e impõe ao homem a necessidade de mudar de vida.
Instruído pela experiência, ele se sente compelido a procurar no
bem o remédio, sempre por efeito do seu livre-arbítrio.
Quando toma melhor caminho, é por sua vontade e porque
reconheceu os inconvenientes do outro. A necessidade, pois, o
constrange a melhorar-se moralmente, para ser mais feliz, do
mesmo modo que o constrangeu a melhorar as condições
materiais da sua existência.
8. Pode dizer-se que o mal é a ausência do bem, como o frio
é a ausência do calor. Assim como o frio não é um fluido
especial, também o mal não é atributo distinto; um é o
negativo do outro.
Onde não existe o bem, forçosamente existe o mal.
Não praticar o mal, já é um princípio do bem.
Deus somente quer o bem;
Só do homem procede o mal.
Se na Criação houvesse um ser preposto ao
mal, ninguém o poderia evitar; mas, tendo o
homem a causa do mal em
SI MESMO, tendo simultaneamente o
livre-arbítrio e por guia as Leis divinas,
evitá-lo-á sempre que o queira.
Tomemos para comparação um fato vulgar.
Sabe um proprietário que nos confins de suas terras há um
lugar perigoso, onde poderia perecer ou ferir-se quem por
lá se aventurasse.
Que faz, a fim de prevenir os acidentes? Manda colocar perto um
aviso, proibindo que prossigam os que por ali passem, devido ao
perigo.
Aí está a lei, que é sábia e previdente.
Se, apesar de tudo, um imprudente
desatende o aviso, vai além do ponto onde
este se encontra e sai-se mal, de quem se
pode ele queixar, senão de si próprio?
Assim sucede com todo o mal: evitá-lo-ia o homem se
cumprisse as Leis divinas.
Por exemplo: Deus pôs limite à satisfação das necessidades;
por meio da saciedade o homem é avisado desse limite; se o
ultrapassa, fá-lo voluntariamente.
As doenças, as enfermidades, a morte, que daí podem
resultar, provêm da sua imprevidência, não de Deus.
9. Decorrendo, o mal, das imperfeições do
homem e tendo sido este criado por Deus,
dir-se-á, Deus não deixa de ter criado, se não
o mal, pelo menos, a causa do mal; se
houvesse criado perfeito o homem, o mal não
existiria.
Se fora criado perfeito, o homem fatalmente penderia
para o bem.
Ora, em virtude do seu livre-arbítrio, ele não pende fatalmente
nem para o bem, nem para o mal. Quis Deus que ele ficasse
sujeito à lei do progresso e que o progresso resulte do seu
trabalho, a fim de que lhe pertença o fruto deste, da mesma
maneira que lhe cabe a
responsabilidade do mal que por sua vontade pratique.
A questão, pois, consiste em
saber-se qual é, no homem,
a origem da sua propensão
para o mal.
E nessa linha disse Paulo:
Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.
Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que
habita em mim.
E o que Paulo nos quer dizer com essa frase?
O depoimento de Paulo confirma como é difícil lutar contra
o homem velho que trazemos em nós.
Paulo faz outras advertências nesse mesmo sentido:
Todas as coisas me são licitas, mas nem todas me
Convêm.
Todas as coisas me são licitas, mas nem todas Edificam.
E continua...
Examinai tudo, mas retendes o Bem!
Se não queremos ser mais quem somos e ainda
não somos quem gostaríamos de ser, quem
realmente somos nós?.
Tal questionamento nos conduz a enxergar de maneira
clara, a complexidade que envolve a natureza humana
instituída de dois elementos complementares, porém,
distintos um do outro: corpo e alma.
Enquanto o homem buscar consolações no mundo
exterior e não em Deus, viverá desnorteado e
entregue ao sabor do vento, cultivando a vaidade
e procurando a satisfação dos seus desejos,
mesmo os inconfessáveis.
Cedo ou tarde necessitará reparar justamente a falta do Dever
cumprido. Porque somos juiz e cobradores da nossa própria
consciência. Já sabemos muitas vezes por onde desviaríamos
trilhar.
Para mantermo-nos no caminho do bem, porque a luta que
travamos em nós contra esse homem, ainda arraigado aos
instintos e as más paixões são grandes.
Portanto, o Dever moral que devemos ter para com nossas
atitudes é que será nossa bússola a nos guiar.
E o que é o Dever moral?
Para mantermo-nos no caminho do bem, porque a luta que
travamos em nós contra esse homem, ainda arraigado aos
instintos e as más paixões são grandes.
Portanto, o Dever moral que devemos ter para com nossas
atitudes é que será nossa bússola a nos guiar.
E o que é o Dever moral?
O Dever.
O dever é a obrigação moral da criatura
para consigo mesma, primeiro, e, em
seguida, para com os outros. O dever é
a lei da vida. Com ele deparamos nas
mais ínfimas particularidades, como nos
atos mais elevados. Quero aqui falar
apenas do dever moral e não do dever
que as profissões impõem.
Na ordem dos sentimentos, o dever é muito difícil de cumprir-
se, por se achar em antagonismo com as atrações do
interesse e do coração. Não têm testemunhas as suas vitórias
e não estão sujeitas à repressão suas derrotas. O dever
íntimo do homem fica entregue ao seu livre-arbítrio.
O aguilhão da consciência, guardião da probidade
interior, o adverte e sustenta; mas, muitas vezes, mostra-se
impotente diante dos sofismas da paixão.
Fielmente observado, o dever do coração eleva o homem;
como determiná-lo, porém, com exatidão?
Onde começa ele? onde termina?
O dever principia, para cada um de vós, exatamente no ponto
em que ameaçais a felicidade ou a tranquilidade do vosso
próximo; acaba no limite que não desejais ninguém
transponha com relação a vós.
Deus criou todos os homens iguais para a dor. Pequenos ou grandes,
ignorantes ou instruídos, sofrem todos pelas mesmas causas, a fim de que
cada um julgue em sã consciência o mal que pode fazer.
Com relação ao bem, infinitamente vária nas suas expressões, não é
o mesmo o critério.
A igualdade em face da dor é uma sublime providência de Deus, que
quer que todos os seus filhos, instruídos pela experiência comum,
não pratiquem o mal, alegando ignorância de seus efeitos.[...]
Mas como também nos adverte o apóstolo Paulo:
“[...]
Não vos cansemos de fazer o bem, porque a seu
tempo ceifaremos, se não houvermos
desfalecidos”
(Gálatas, 6:9).
Fim...

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O bem e o mal.pptx

Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Eduardo Ottonelli Pithan
 
CapíTulo 8 Livro
CapíTulo 8 LivroCapíTulo 8 Livro
CapíTulo 8 Livro
jmeirelles
 
Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios
Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os viciosSegundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios
Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios
CeiClarencio
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
Leonardo Pereira
 
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntasLei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIAESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
Comunidade Católica Oásis
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 5 Livrro
CapíTulo 5   LivrroCapíTulo 5   Livrro
CapíTulo 5 Livrro
jmeirelles
 
Pensante artur soares
Pensante artur soaresPensante artur soares
Pensante artur soares
Luzia Gabriele
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Danilo Galvão
 
Resenha de estudos espiritas 10
Resenha de estudos espiritas 10Resenha de estudos espiritas 10
Resenha de estudos espiritas 10
MRS
 
Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09
MRS
 
LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1
Patricia Farias
 
O Auto Perdão - Espiritismo
O Auto Perdão - EspiritismoO Auto Perdão - Espiritismo
O Auto Perdão - Espiritismo
Valéria Domingues
 
Compromisso Com A Consciência
Compromisso Com A ConsciênciaCompromisso Com A Consciência
Compromisso Com A Consciência
Grupo Espírita Cristão
 
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdadeSegundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
CeiClarencio
 
270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo
mariag81
 
270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo
mariag81
 

Semelhante a O bem e o mal.pptx (20)

Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
CapíTulo 8 Livro
CapíTulo 8 LivroCapíTulo 8 Livro
CapíTulo 8 Livro
 
Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios
Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os viciosSegundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios
Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
 
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntasLei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
 
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIAESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
 
CapíTulo 5 Livrro
CapíTulo 5   LivrroCapíTulo 5   Livrro
CapíTulo 5 Livrro
 
Pensante artur soares
Pensante artur soaresPensante artur soares
Pensante artur soares
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
 
Resenha de estudos espiritas 10
Resenha de estudos espiritas 10Resenha de estudos espiritas 10
Resenha de estudos espiritas 10
 
Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09
 
LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1
 
O Auto Perdão - Espiritismo
O Auto Perdão - EspiritismoO Auto Perdão - Espiritismo
O Auto Perdão - Espiritismo
 
Compromisso Com A Consciência
Compromisso Com A ConsciênciaCompromisso Com A Consciência
Compromisso Com A Consciência
 
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdadeSegundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
 
270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo
 
270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo270741712 estudos-do-sozo
270741712 estudos-do-sozo
 

Mais de M.R.L

Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
M.R.L
 
Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....
M.R.L
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
M.R.L
 
Arrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se defineArrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se define
M.R.L
 
Olhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptxOlhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptx
M.R.L
 
Reflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptxReflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptx
M.R.L
 
A Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptxA Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptx
M.R.L
 
Parabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptxParabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptx
M.R.L
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
M.R.L
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
M.R.L
 
Os primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptxOs primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptx
M.R.L
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
M.R.L
 
Afinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptxAfinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptx
M.R.L
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
M.R.L
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
M.R.L
 
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptxOrganizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
M.R.L
 
Ataques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptxAtaques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptx
M.R.L
 
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptxPorque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
M.R.L
 
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
M.R.L
 
Arrogância.pptx
Arrogância.pptxArrogância.pptx
Arrogância.pptx
M.R.L
 

Mais de M.R.L (20)

Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
Tempo ou Oportunidade? Estamos sabemos lidar com eles?
 
Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....Fluidificação da Água e sua Importância.....
Fluidificação da Água e sua Importância.....
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Arrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se defineArrependimento e expiação... como se define
Arrependimento e expiação... como se define
 
Olhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptxOlhos de ver.pptx
Olhos de ver.pptx
 
Reflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptxReflexões para o ano novo.pptx
Reflexões para o ano novo.pptx
 
A Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptxA Mulher Hemorroíssa.pptx
A Mulher Hemorroíssa.pptx
 
Parabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptxParabola da Grande Ceia.pptx
Parabola da Grande Ceia.pptx
 
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
Quem  me segue não anda nas trevas.pdfQuem  me segue não anda nas trevas.pdf
Quem me segue não anda nas trevas.pdf
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
 
Os primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptxOs primeiros lugares.pptx
Os primeiros lugares.pptx
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
 
Afinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptxAfinidade e sintonia.pptx
Afinidade e sintonia.pptx
 
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptxAparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
Aparelhos utilizados em reunião mediunica.pptx
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
 
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptxOrganizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
Organizações do mal para afastar os trabalhadores das casas espiritas.pptx
 
Ataques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptxAtaques a centros espiritas.pptx
Ataques a centros espiritas.pptx
 
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptxPorque o bem que quero esse não faço.pptx
Porque o bem que quero esse não faço.pptx
 
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptxaparelhos reunião mediunicaa.pptx
aparelhos reunião mediunicaa.pptx
 
Arrogância.pptx
Arrogância.pptxArrogância.pptx
Arrogância.pptx
 

Último

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (15)

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

O bem e o mal.pptx

  • 1. orque não faço o Bem que quero, mas o Mal que não quero esse faço! Paulo de Tarso – Romanos 7.24-25
  • 2. Origem do bem e do mal 1. Sendo Deus o princípio de todas as coisas e sendo todo sabedoria, todo bondade, todo justiça, tudo o que dele procede há de participar dos seus atributos, porquanto o que é infinitamente sábio, justo e bom nada pode produzir que seja ininteligente, mau e injusto. O mal que observamos não pode ter nele a sua origem. Capítulo III -Gênese
  • 3. 2. Se o mal estivesse nas atribuições de um ser especial, quer se lhe chame Arimane, quer Satanás, ou ele seria igual a Deus, e, por conseguinte, tão poderoso quanto este, e de toda a eternidade como Ele, ou lhe seria inferior.
  • 4. No primeiro caso, haveria duas potências rivais, incessantemente em luta, procurando cada uma desfazer o que fizesse a outra, contrariando-se mutuamente, hipótese esta inconciliável com a unidade de vistas que se revela na estrutura do universo.
  • 5. No segundo caso, sendo inferior a Deus, aquele ser lhe estaria subordinado. Não podendo existir de toda a eternidade como Deus, sem ser igual a este, teria tido um começo. Se fora criado, só o poderia ter sido por Deus, que, então, houvera criado o Espírito do mal, o que implicaria negação da bondade infinita. (Veja-se: O céu e o inferno, cap. IX: Os demônios.)
  • 6. 3. Entretanto, o mal existe e tem uma causa. Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a humanidade, formam duas categorias que importa distinguir: a dos males que o homem pode evitar e a dos que lhe independem da vontade. Entre os últimos, cumpre se incluam os flagelos naturais.
  • 7. [...]5. Tendo o homem que progredir, os males a que se acha exposto são um estimulante para o exercício da sua inteligência, de todas as suas faculdades físicas e morais, incitando-o a procurar os meios de evitá-los. Se ele nada houvesse de temer, nenhuma necessidade o induziria a procurar o melhor; o espírito se lhe entorpeceria na inatividade; nada inventaria, nem descobriria. A dor é o aguilhão que o impele para a frente, na senda do progresso.
  • 8. 6. Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo. 7. Entretanto, Deus, todo bondade, pôs o remédio ao lado do mal, isto é, faz que do próprio mal saia o bem.
  • 9. Um momento chega em que o excesso do mal moral se torna intolerável e impõe ao homem a necessidade de mudar de vida. Instruído pela experiência, ele se sente compelido a procurar no bem o remédio, sempre por efeito do seu livre-arbítrio. Quando toma melhor caminho, é por sua vontade e porque reconheceu os inconvenientes do outro. A necessidade, pois, o constrange a melhorar-se moralmente, para ser mais feliz, do mesmo modo que o constrangeu a melhorar as condições materiais da sua existência.
  • 10. 8. Pode dizer-se que o mal é a ausência do bem, como o frio é a ausência do calor. Assim como o frio não é um fluido especial, também o mal não é atributo distinto; um é o negativo do outro. Onde não existe o bem, forçosamente existe o mal. Não praticar o mal, já é um princípio do bem. Deus somente quer o bem; Só do homem procede o mal.
  • 11. Se na Criação houvesse um ser preposto ao mal, ninguém o poderia evitar; mas, tendo o homem a causa do mal em SI MESMO, tendo simultaneamente o livre-arbítrio e por guia as Leis divinas, evitá-lo-á sempre que o queira.
  • 12. Tomemos para comparação um fato vulgar. Sabe um proprietário que nos confins de suas terras há um lugar perigoso, onde poderia perecer ou ferir-se quem por lá se aventurasse. Que faz, a fim de prevenir os acidentes? Manda colocar perto um aviso, proibindo que prossigam os que por ali passem, devido ao perigo. Aí está a lei, que é sábia e previdente.
  • 13. Se, apesar de tudo, um imprudente desatende o aviso, vai além do ponto onde este se encontra e sai-se mal, de quem se pode ele queixar, senão de si próprio?
  • 14. Assim sucede com todo o mal: evitá-lo-ia o homem se cumprisse as Leis divinas. Por exemplo: Deus pôs limite à satisfação das necessidades; por meio da saciedade o homem é avisado desse limite; se o ultrapassa, fá-lo voluntariamente. As doenças, as enfermidades, a morte, que daí podem resultar, provêm da sua imprevidência, não de Deus.
  • 15. 9. Decorrendo, o mal, das imperfeições do homem e tendo sido este criado por Deus, dir-se-á, Deus não deixa de ter criado, se não o mal, pelo menos, a causa do mal; se houvesse criado perfeito o homem, o mal não existiria.
  • 16. Se fora criado perfeito, o homem fatalmente penderia para o bem. Ora, em virtude do seu livre-arbítrio, ele não pende fatalmente nem para o bem, nem para o mal. Quis Deus que ele ficasse sujeito à lei do progresso e que o progresso resulte do seu trabalho, a fim de que lhe pertença o fruto deste, da mesma maneira que lhe cabe a responsabilidade do mal que por sua vontade pratique.
  • 17. A questão, pois, consiste em saber-se qual é, no homem, a origem da sua propensão para o mal.
  • 18. E nessa linha disse Paulo: Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim. E o que Paulo nos quer dizer com essa frase? O depoimento de Paulo confirma como é difícil lutar contra o homem velho que trazemos em nós.
  • 19. Paulo faz outras advertências nesse mesmo sentido: Todas as coisas me são licitas, mas nem todas me Convêm. Todas as coisas me são licitas, mas nem todas Edificam. E continua... Examinai tudo, mas retendes o Bem!
  • 20. Se não queremos ser mais quem somos e ainda não somos quem gostaríamos de ser, quem realmente somos nós?. Tal questionamento nos conduz a enxergar de maneira clara, a complexidade que envolve a natureza humana instituída de dois elementos complementares, porém, distintos um do outro: corpo e alma.
  • 21. Enquanto o homem buscar consolações no mundo exterior e não em Deus, viverá desnorteado e entregue ao sabor do vento, cultivando a vaidade e procurando a satisfação dos seus desejos, mesmo os inconfessáveis. Cedo ou tarde necessitará reparar justamente a falta do Dever cumprido. Porque somos juiz e cobradores da nossa própria consciência. Já sabemos muitas vezes por onde desviaríamos trilhar.
  • 22. Para mantermo-nos no caminho do bem, porque a luta que travamos em nós contra esse homem, ainda arraigado aos instintos e as más paixões são grandes. Portanto, o Dever moral que devemos ter para com nossas atitudes é que será nossa bússola a nos guiar. E o que é o Dever moral?
  • 23. Para mantermo-nos no caminho do bem, porque a luta que travamos em nós contra esse homem, ainda arraigado aos instintos e as más paixões são grandes. Portanto, o Dever moral que devemos ter para com nossas atitudes é que será nossa bússola a nos guiar. E o que é o Dever moral?
  • 24. O Dever. O dever é a obrigação moral da criatura para consigo mesma, primeiro, e, em seguida, para com os outros. O dever é a lei da vida. Com ele deparamos nas mais ínfimas particularidades, como nos atos mais elevados. Quero aqui falar apenas do dever moral e não do dever que as profissões impõem.
  • 25. Na ordem dos sentimentos, o dever é muito difícil de cumprir- se, por se achar em antagonismo com as atrações do interesse e do coração. Não têm testemunhas as suas vitórias e não estão sujeitas à repressão suas derrotas. O dever íntimo do homem fica entregue ao seu livre-arbítrio. O aguilhão da consciência, guardião da probidade interior, o adverte e sustenta; mas, muitas vezes, mostra-se impotente diante dos sofismas da paixão.
  • 26. Fielmente observado, o dever do coração eleva o homem; como determiná-lo, porém, com exatidão? Onde começa ele? onde termina? O dever principia, para cada um de vós, exatamente no ponto em que ameaçais a felicidade ou a tranquilidade do vosso próximo; acaba no limite que não desejais ninguém transponha com relação a vós.
  • 27. Deus criou todos os homens iguais para a dor. Pequenos ou grandes, ignorantes ou instruídos, sofrem todos pelas mesmas causas, a fim de que cada um julgue em sã consciência o mal que pode fazer. Com relação ao bem, infinitamente vária nas suas expressões, não é o mesmo o critério. A igualdade em face da dor é uma sublime providência de Deus, que quer que todos os seus filhos, instruídos pela experiência comum, não pratiquem o mal, alegando ignorância de seus efeitos.[...]
  • 28. Mas como também nos adverte o apóstolo Paulo: “[...] Não vos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecidos” (Gálatas, 6:9). Fim...

Notas do Editor

  1. Arimane para os seguidores do zoroastrismo, é o nome do senhor das trevas; seus métodos são vis e enganadores, ele corrompe os homens com desejos que os desviam da vida correta. Deus não nos vê como seres inferiores a Ele, mas como seres ignorantes.
  2. Sempre por efeito do seu livre arbítrio: ou seja, ninguém muda ninguém, e ninguém evolui pelo outro Inconveniente do outro: Que outro ele se refere aqui? mal
  3. O que é um atributo? são as particularidades, qualidades e características que são próprias de alguém ou algo. Não fomos criados maus, a maldade é uma escolha, um caminho que escolhemos
  4. Preposta ao mal, ou seja alguém que representasse esse mal
  5. Aqui limite a satisfação das necessidades: a maioria das pessoas não agem de forma a usar uma droga, a se alimentar mal, ou usar substancias que o leve a adoecer com proposito de morrer, pode não ter intenção disso, mas pelo fato de saber que isso é algo nocivo a sua saúde e pode o levar a ter uma doença e por consequência disso a morte não o tira a responsabilidade do seu livre arbítrio, ou seja a má escolha e isso terá consequência e se a pessoa não consegue compreender isso precisará da dor para o fazer despertar da ilusão que ele criou pra si mesmo, o isentando da responsabilidade de seus atos.
  6. Então onde está a causa do mal em nós? Nas nossas imperfeições
  7. Fatalmente, ou seja que não se pode evitar
  8. Nota de Allan Kardec: O erro está em pretender-se que a alma haja saído perfeita das mãos do Criador, quando este, ao contrário, quis que a perfeição resulte da depuração gradual do Espírito e seja obra sua. Houve Deus por bem que a alma, dotada de livre-arbítrio, pudesse optar entre o bem e o mal e chegasse às suas finalidades últimas de forma militante e resistindo ao mal. Se houvera criado a alma tão perfeita quanto Ele e, ao sair-lhe ela das mãos, a houvesse associado à sua beatitude eterna, Deus tê-la-ia feito, não à sua imagem, mas semelhante a si próprio. (Bonnamy, A razão do espiritismo, cap. VI.
  9. Esse pecado a que Paulo se refere aqui podemos claramente interpretar como nossas inferioridades