SlideShare uma empresa Scribd logo
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
LIVRO SEGUNDO: Do Mundo Espírita ou
Mundo Dos Espíritos
CAPÍTULO VIII:
Emancipação da Alma
O sono e os
sonhos
Questões 400 à 412
2
Situações em que se pode
encontrar o Espírito:
3
EMANCIPAÇÃO DA ALMA – estado particular da vida
humana, durante o qual, desprendendo-se dos laços
materiais, a alma recobra algumas de suas faculdades de
Espírito, e entra mais facilmente em comunicação com os
seres incorpóreos. Tal estado se manifesta principalmente
pelo fenômeno dos sonhos, da sonolência, da dupla vista, do
sonambulismo natural ou magnético e do êxtase.
DESDOBRAMENTO ESPIRITUAL – é uma faculdade
anímica onde o Espírito encarnado desliga-se parcialmente
do seu corpo físico. É uma capacidade intrínseca ao ser
humano que desenvolveu, ao longo da evolução da espécie,
a possibilidade de desembaraçar-se do corpo material, dentro
de certos limites, adquirindo alguma sensação de liberdade.
O desdobramento espiritual acontece, na maior parte das
vezes, durante o sono.
4
Sono é um estado em que cessam as
atividades físicas motoras e sensoriais.
Sonho é a lembrança dos fatos, dos
acontecimentos ocorridos durante o sono.
5
400 – O Espírito encarnado
permanece voluntariamente
em seu envoltório corporal?
É como se perguntasses
se o prisioneiro se alegra
com a prisão. O Espírito
encarnado aspira sem
cessar à sua libertação, e
quanto mais o envoltório é
grosseiro, mais deseja
estar dele desembaraçado.
6
401 – Durante o sono,
a alma repousa como
o corpo?
Não, o Espírito jamais
está inativo. Durante o
sono, os laços que o
unem ao corpo se
relaxam, e o corpo não
necessita do Espírito.
Então ele percorre o
espaço e entra em
relação mais direta com
os outros Espíritos.
7
Enquanto o corpo trabalha, a alma trabalha;
enquanto o corpo descansa, a alma trabalha.
8
402 – Como podemos apreciar a liberdade do
Espírito durante o sono?
9
Pelos sonhos. Crede, enquanto o corpo repousa, o Espírito
dispõe de mais faculdades do que na vigília. Tem o
conhecimento do passado e, algumas vezes, previsão do
futuro. Adquire maior energia e pode entrar em comunicação
com os outros Espíritos, seja neste mundo, seja em outro.
Muitas vezes, dizes: Tive um sonho bizarro, um sonho horrível,
mas que não tem nada de verossímil; enganaste, é
frequentemente uma lembrança dos lugares e das coisas que
viste e verás em uma outra existência ou em um outro
momento. Estando o corpo entorpecido, o Espírito esforça-se
por quebrar seus grilhões, procurando no passado e no futuro.
Pobres homens, que pouco conheceis os fenômenos mais
simples da vida! Acreditai-vos sábios e vos embaraçais com as
coisas mais vulgares. Ficais perturbados a esta pergunta de
todas as crianças: que fazemos quando dormimos, e que é o
sonho?
10
O sonho liberta, em parte, a alma do corpo. Quando se dorme,
se está, momentaneamente, no estado em que o homem se
encontra, de maneira fixa, depois da morte. Espíritos que se
desligam logo da matéria, em sua morte tiveram sonhos
inteligentes; estes, quando dormem, reúnem-se à sociedade
de outros seres superiores a eles. Com eles, viajam, conversam
e se instruem, trabalhando mesmo em obras que encontram
prontas quando morrem. Isto deve vos ensinar, uma vez mais,
a não temer a morte, pois que morreis todos os dias, segundo
a palavra de um santo¹. Isso para os Espíritos elevados.
Todavia, a massa dos homens que, na morte, deve ficar longas
horas em perturbação, nessa incerteza da qual vos falaram,
esses vão, seja para mundos inferiores à Terra, onde velhas
afeições os evocam, seja a procurar os prazeres que podem ser
mais inferiores que aqueles que têm aí. Eles vão haurir
doutrinas ainda mais vis, mais ignóbeis, mais nocivas que as
que professam em vosso meio. 1 – São Francisco de Sales
11
O que gera a simpatia sobre a Terra não é outra coisa que o
fato de se sentirem ao despertar, ligados pelo coração, àqueles
com quem vieram de passar oito ou nove horas de felicidade
ou de prazer. Isso explica também as antipatias invencíveis,
pois sabem no fundo do seu coração que essas pessoas de lá
têm uma consciência diversa da nossa e a conhecem sem as
ter visto jamais com os olhos. Explica, ainda, a indiferença,
visto que não se deseja fazer novos amigos quando a gente
sabe que existem outras pessoas que nos amam e nos querem.
Em uma palavra, o sono influi mais do que pensais sobre vossa
vida.
Pelo efeito do sono, os Espíritos encarnados estão sempre em
relacionamento com o mundo dos Espíritos, e é isso que faz
com que os Espíritos superiores consintam, sem demasiada
repulsa, em encarnarem entre vós. Quis Deus que durante o
seu contato com o vício eles possam ir se renovar nas fontes
do bem, para não falirem, eles que vêm instruir os outros. 12
O sono é a porta que Deus lhes abriu até seus amigos do céu. É
o recreio depois do trabalho, enquanto esperam a grande
libertação, a liberação final que deve devolvê-los ao seu
verdadeiro meio.
O sonho é a lembrança do que vosso Espírito viu durante o
sono. Notai, porém, que não sonhais sempre porque não
recordais sempre do que vistes, ou de tudo o que vistes. Vossa
alma não está em pleno desdobramento. Não é, muitas vezes,
senão a lembrança da perturbação que acompanha vossa
partida ou vossa volta, à qual se junta a do que fizestes ou do
que vos preocupou no estado de vigília. Sem isso, como
explicareis esses sonhos absurdos que têm os sábios, assim
como os mais simples? Os maus Espíritos também se servem
dos sonhos para atormentar as almas fracas e pusilânimes.
De resto, vereis dentro em pouco se desenrolar outra espécie
de sonho, tão velha quanto a que conheceis, mas vós a ignorais.
13
O sonho de Joana, o sonho de Jacob, o sonho dos profetas
judeus e de alguns adivinhos indianos. Esse sonho é a
lembrança da alma, inteiramente desligada do corpo, a
lembrança dessa segunda vida de que sempre vos falo.
Procurai distinguir bem essas duas espécies de sonhos
naqueles dos quais vos lembrais; sem isso, caireis em
contradição e nos erros que serão funestos à vossa fé.
14
Sonhos
Comuns
Sonhos
Reflexivos
15
Sonhos
Espíritas
Nesse tipo de sonho, a alma,
desprendida do corpo, exerce
atividade real e efetiva,
encontrando-se com parentes,
amigos, instrutores e também
com os inimigos desta e de
outras existências.
16
Sonhos
Comuns
- Fisiológico: é aquele que dramatiza
algo que acontece com nosso corpo.
- Psicológico: é aquele que exprime
nossos estados íntimos.
Sonhos
Reflexivos
Exteriorização de impressões e imagens
arquivadas na mente do espírito.
Sonhos
Espíritas
Atividade real e efetiva do Espírito
durante o sono.
TIPOS DE SONHOS
Martins Peralva - Estudando a Mediunidade
17
Allan Kardec:
Os sonhos são o produto da emancipação da alma, que se torna
mais independente pela suspensão da vida ativa e de relação. Daí
uma espécie de clarividência indefinida que se estende aos lugares
mais distantes, ou que jamais se viu e, algumas vezes, mesmo a
outros mundos, assim como a lembrança que traz à memória os
acontecimentos ocorridos na existência presente ou nas
existências anteriores; a estranheza de imagens do que se passa ou
se passou em mundos desconhecidos, entremeadas de coisas do
mundo atual, formam esses conjuntos bizarros e confusos que
parecem não ter nem sentido, nem ligação.
A incoerência dos sonhos se explica, ainda, pelas lacunas que
produz a lembrança incompleta do que nos apareceu em sonho.
Tal seria uma narração qual se tenha truncado frases ao acaso, ou
parte de frases; os fragmentos restantes reunidos perderiam toda
significação razoável.
18
403 – Por que não nos lembramos sempre
dos sonhos?
No que tu chamas de sono, só há o repouso do
corpo, porque o Espírito está sempre em
movimento. Aí ele recobra um pouco de sua
liberdade e se corresponde com aqueles que
lhe são caros, seja neste mundo, seja em
outros. Todavia, como o corpo é matéria pesada
e grosseira, dificilmente conserva as impressões
que o Espírito recebeu, porque este não a
recebeu pelos órgãos do corpo.
19
404 – Que pensar da significação atribuída aos sonhos?
Os sonhos não são verdadeiros como entendem certos adivinhos,
porque é absurdo crer-se que sonhar com tal coisa, anuncia tal coisa.
Eles são verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais
para o Espírito, mas que, frequentemente, não têm relação com o
que se passa na vida corporal. Muitas vezes, também, como já o
dissemos, é uma lembrança e pode ser, enfim, algumas vezes, um
pressentimento do futuro, se Deus o permite, ou a visão do que se
passa nesse momento em outro lugar, para onde a alma se
transporta. Não tendes numerosos exemplos de pessoas que
aparecem em sonho e vêm advertir seus parentes ou seus amigos do
que lhes acontece? Que são essas aparições senão a alma ou o
Espírito dessas pessoas que vêm comunicar-se com o vosso?
Quando estais certos de que aquilo que vistes realmente se deu, não
é uma prova de que a imaginação não tomou parte em nada,
sobretudo se essa coisa não esteve de modo algum em vosso
pensamento durante a vigília?
20
405 – Veem-se frequentemente, em sonhos, coisas que
parecem pressentimentos e que não se cumprem; de
onde vem isso?
Eles podem cumprir-se para o Espírito, se não para o
corpo, isto é, o Espírito vê a coisa que deseja porque vai
procurá-la. É preciso não se esquecer que, durante o sono,
a alma está sempre, mais ou menos, sob a influência da
matéria, e que, por conseguinte, ela jamais se liberta
completamente das ideias terrenas. Disso resulta que as
preocupações da vigília podem dar, ao que se vê, a
aparência do que se deseja ou do que se teme; a isso,
verdadeiramente, pode-se chamar um efeito da
imaginação. Quando se está fortemente preocupado com
uma ideia, a ela se liga tudo aquilo que se vê.
21
Atos em que não pensam, de
maneira alguma? Que sabes tu? Seu
Espírito pode visitar o teu, assim
como o teu pode visitá-lo, e nem
sempre sabes em que ele pensa.
Aliás, frequentemente, atribuís às
pessoas que conheceis, e segundo
vossos desejos, o que se passou ou
que se passa em outras existências.
406 – Quando vemos em sonhos
pessoas vivas, que conhecemos
perfeitamente, realizando atos em
que não pensam, de maneira alguma,
não é um efeito da imaginação?
22
Não, o Espírito recobra sua liberdade
quando os sentidos se entorpecem; ele
aproveita, para se emancipar, de todos
os instantes de repouso que o corpo
lhe dá. Desde que haja prostração das
forças vitais, o Espírito se desprende, e
quanto mais o corpo está
enfraquecido, mais o Espírito está
livre.
407 – O sono completo é necessário para a emancipação do
Espírito?
Allan Kardec:
É assim que a sonolência ou um simples entorpecimento dos
sentidos apresenta, frequentemente, as mesmas imagens do sonho.
23
408 – Parece-nos ouvir,
algumas vezes em nós
mesmos, palavras
pronunciadas distintamente
e que não têm nenhuma
relação com o que nos
preocupa; de onde vem
isso?
Sim, e mesmo frases
inteiras, sobretudo quando
os sentidos começam a se
entorpecer. É, algumas
vezes, um fraco eco de um
Espírito que veio comunicar-
se contigo.
24
409 – Frequentemente, em um
estado que não é ainda de
sonolência, quando temos os
olhos fechados, vemos imagens
distintas, figuras das quais
apreendemos os mais
minuciosos detalhes; é isso um
efeito de visão ou de
imaginação?
Estando o corpo entorpecido, o
Espírito procura quebrar seus
grilhões: ele se transporta e vê.
Se o sono fosse completo, isso
seria um sonho.
25
410 – A gente tem, algumas vezes, durante o sono ou a
sonolência, ideias que parecem muito boas e que, malgrado
os esforços que se faz para lembrá-las, se apagam da
memória: de onde provêm essas ideias?
Elas são o resultado da liberdade do Espírito, que se emancipa
e goza de mais faculdades durante esse momento.
Frequentemente, são conselhos que dão outros Espíritos.
410.a) De que servem essas ideias e esses conselhos, uma vez
que se perde a lembrança e não se pode aproveitá-los?
Essas ideias pertencem, algumas vezes, mais ao mundo dos
Espíritos que ao mundo corporal; mas, com mais frequência, se
o corpo esquece, o Espírito se lembra, e a ideia revive no
instante necessário, como uma inspiração do momento.
26
Frequentemente, ele a
pressente; algumas vezes
tem plena consciência, e é
isso que, no estado de
vigília, lhe dá a intuição.
Daí vem o fato de certas
pessoas preverem algumas
vezes, sua morte, com
grande exatidão.
411 – O Espírito encarnado,
nos momentos em que se
desliga da matéria e age
como Espírito, conhece a
época de sua morte?
27
412 – A atividade do
Espírito durante o repouso
ou o sono do corpo, pode
fazê-lo experimentar
fadiga, quando retorna?
Sim, porque o Espírito tem
um corpo, como o balão
cativo tem um poste. Ora,
da mesma forma que a
agitação do balão abala o
poste, a atividade do
Espírito reage sobre o
corpo e pode fazê-lo
experimentar fadiga.
28
Prece no momento de dormir
Minha alma vai estar por
alguns instantes com os
outros Espíritos. Venham os
bons ajudar-me com seus
conselhos. Faze, meu anjo
guardião, que, ao despertar,
eu conserve durável e salutar
impressão desse convívio.
ESE – Cap. XXVIII, item 39 29
CRÉDITOS:
• Formatação: Marta Gomes P.
Miranda
• Referências:
KARDEC, Allan. O Livro dos
Espíritos. Tradução de Salvador
Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE,
2009. Pág. 141 à 143.
PERALVA, Martins. Estudando a
Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB,
2009.
XAVIER, Chico. Entre a Terra e o
Céu. 27ª ed. Brasília: FEB, 2018.
Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER, Chico. No Mundo Maior.
28ª ed. Brasília: FEB, 2017. Pelo
Espírito André Luiz.
http://www.ebookespirita.org/Ad
enauerNovaes/SonhosMensag
ensdaAlma.pdf
30
IMAGENS
• Capa – Vídeo – https://mixkit.co
• Moça dormindo – https://br.pinterest.com/pin/494199759079572981/
• Cérebro – https://www.poder360.com.br
• Pássaros e gaiola – https://br.pinterest.com/pin/832040099900245895/
• Meninos na praia – https://br.pinterest.com/pin/4151824644407879/
• Lua cheia – http://benditoingles.com.br/boa-noite-em-ingles
• Joana D’arc - https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/horoscopo/esoterico/santa-joana-darc-conheca-
sua-historia-e-ore-para-receber-gracas,50f5ef4dbaa659e54404517af1dd3288gty9p699.html
• Lua e montanhas – https://pixabay.com/illustrations/planet-sience-fiction-fantasy-world-1702788/
• Duas meninas – https://br.pinterest.com/pin/672303050627755758/
• Moça dormindo – https://www.facebook.com/ - Grupo Aprendizes da Doutrina Espírita
• Rapaz no espelho: https://br.pinterest.com/pin/164240717645493634/
• Moça com vestido vermelho: https://br.pinterest.com/pin/558094578816907065/
• Desdobramento – https://aminoapps.com/c/wiccaebruxaria/page/blog/viagem-astral-facil-mas-dificil-x-
projecao-astral-conciente-dificil-mas-mais-facil/J8vY_Vj5iduZX4nMbd0EqR1rYpgYKPojzV
• Balão – https://br.pinterest.com/pin/547398529685217069/
• Lua entre nuvens – Rosi Gomes
• Universo – https://br.pinterest.com/pin/265642078011106197/
31
CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC”
Rua Ormindo Pires Amorim, nº 1.516
Bairro: Jardim Marajó
Rondonópolis - MT
32

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
Semente de Esperança
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
Graça Maciel
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
Ricardo Azevedo
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
Levi Antonio Amancio
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
Denise Aguiar
 
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Daura Alves
 
Espirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpoEspirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpo
Ailton Guimaraes
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
Graça Maciel
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Denise Aguiar
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
grupodepaisceb
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
2.1.4 perispirito
2.1.4   perispirito2.1.4   perispirito
2.1.4 perispirito
Marta Gomes
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Rosimeire Alves
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
duadv
 

Mais procurados (20)

Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
 
Espirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpoEspirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpo
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
2.1.4 perispirito
2.1.4   perispirito2.1.4   perispirito
2.1.4 perispirito
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 

Semelhante a 2.8.1 O sono e os sonhos

Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
dariosr40
 
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
Carlos Alberto Freire De Souza
 
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
Antonino Silva
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da almaCapitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Marta Gomes
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
Marta Gomes
 
Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
Graça Maciel
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Exposicao interpretacao dos sonhos
Exposicao   interpretacao dos sonhosExposicao   interpretacao dos sonhos
Exposicao interpretacao dos sonhos
caminhodaluz41
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e SonhosMocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Sergio Lima Dias Junior
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
Shantappa Jewur
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
Shantappa Jewur
 
53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos
Antonio SSantos
 
090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo
090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo
090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo
Carlos Alberto Freire De Souza
 

Semelhante a 2.8.1 O sono e os sonhos (20)

Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
 
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
 
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
 
Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
 
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da almaCapitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
 
Sono e sonhos
Sono e sonhosSono e sonhos
Sono e sonhos
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Exposicao interpretacao dos sonhos
Exposicao   interpretacao dos sonhosExposicao   interpretacao dos sonhos
Exposicao interpretacao dos sonhos
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e SonhosMocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Sono e Sonhos
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
 
53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos53 o sono e os sonhos
53 o sono e os sonhos
 
090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo
090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo
090722 visitas espíritas entre pessoas vivas–sonambulismo
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 

Último

A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 

2.8.1 O sono e os sonhos

  • 1. O LIVRO DOS ESPÍRITOS LIVRO SEGUNDO: Do Mundo Espírita ou Mundo Dos Espíritos
  • 2. CAPÍTULO VIII: Emancipação da Alma O sono e os sonhos Questões 400 à 412 2
  • 3. Situações em que se pode encontrar o Espírito: 3
  • 4. EMANCIPAÇÃO DA ALMA – estado particular da vida humana, durante o qual, desprendendo-se dos laços materiais, a alma recobra algumas de suas faculdades de Espírito, e entra mais facilmente em comunicação com os seres incorpóreos. Tal estado se manifesta principalmente pelo fenômeno dos sonhos, da sonolência, da dupla vista, do sonambulismo natural ou magnético e do êxtase. DESDOBRAMENTO ESPIRITUAL – é uma faculdade anímica onde o Espírito encarnado desliga-se parcialmente do seu corpo físico. É uma capacidade intrínseca ao ser humano que desenvolveu, ao longo da evolução da espécie, a possibilidade de desembaraçar-se do corpo material, dentro de certos limites, adquirindo alguma sensação de liberdade. O desdobramento espiritual acontece, na maior parte das vezes, durante o sono. 4
  • 5. Sono é um estado em que cessam as atividades físicas motoras e sensoriais. Sonho é a lembrança dos fatos, dos acontecimentos ocorridos durante o sono. 5
  • 6. 400 – O Espírito encarnado permanece voluntariamente em seu envoltório corporal? É como se perguntasses se o prisioneiro se alegra com a prisão. O Espírito encarnado aspira sem cessar à sua libertação, e quanto mais o envoltório é grosseiro, mais deseja estar dele desembaraçado. 6
  • 7. 401 – Durante o sono, a alma repousa como o corpo? Não, o Espírito jamais está inativo. Durante o sono, os laços que o unem ao corpo se relaxam, e o corpo não necessita do Espírito. Então ele percorre o espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos. 7
  • 8. Enquanto o corpo trabalha, a alma trabalha; enquanto o corpo descansa, a alma trabalha. 8
  • 9. 402 – Como podemos apreciar a liberdade do Espírito durante o sono? 9
  • 10. Pelos sonhos. Crede, enquanto o corpo repousa, o Espírito dispõe de mais faculdades do que na vigília. Tem o conhecimento do passado e, algumas vezes, previsão do futuro. Adquire maior energia e pode entrar em comunicação com os outros Espíritos, seja neste mundo, seja em outro. Muitas vezes, dizes: Tive um sonho bizarro, um sonho horrível, mas que não tem nada de verossímil; enganaste, é frequentemente uma lembrança dos lugares e das coisas que viste e verás em uma outra existência ou em um outro momento. Estando o corpo entorpecido, o Espírito esforça-se por quebrar seus grilhões, procurando no passado e no futuro. Pobres homens, que pouco conheceis os fenômenos mais simples da vida! Acreditai-vos sábios e vos embaraçais com as coisas mais vulgares. Ficais perturbados a esta pergunta de todas as crianças: que fazemos quando dormimos, e que é o sonho? 10
  • 11. O sonho liberta, em parte, a alma do corpo. Quando se dorme, se está, momentaneamente, no estado em que o homem se encontra, de maneira fixa, depois da morte. Espíritos que se desligam logo da matéria, em sua morte tiveram sonhos inteligentes; estes, quando dormem, reúnem-se à sociedade de outros seres superiores a eles. Com eles, viajam, conversam e se instruem, trabalhando mesmo em obras que encontram prontas quando morrem. Isto deve vos ensinar, uma vez mais, a não temer a morte, pois que morreis todos os dias, segundo a palavra de um santo¹. Isso para os Espíritos elevados. Todavia, a massa dos homens que, na morte, deve ficar longas horas em perturbação, nessa incerteza da qual vos falaram, esses vão, seja para mundos inferiores à Terra, onde velhas afeições os evocam, seja a procurar os prazeres que podem ser mais inferiores que aqueles que têm aí. Eles vão haurir doutrinas ainda mais vis, mais ignóbeis, mais nocivas que as que professam em vosso meio. 1 – São Francisco de Sales 11
  • 12. O que gera a simpatia sobre a Terra não é outra coisa que o fato de se sentirem ao despertar, ligados pelo coração, àqueles com quem vieram de passar oito ou nove horas de felicidade ou de prazer. Isso explica também as antipatias invencíveis, pois sabem no fundo do seu coração que essas pessoas de lá têm uma consciência diversa da nossa e a conhecem sem as ter visto jamais com os olhos. Explica, ainda, a indiferença, visto que não se deseja fazer novos amigos quando a gente sabe que existem outras pessoas que nos amam e nos querem. Em uma palavra, o sono influi mais do que pensais sobre vossa vida. Pelo efeito do sono, os Espíritos encarnados estão sempre em relacionamento com o mundo dos Espíritos, e é isso que faz com que os Espíritos superiores consintam, sem demasiada repulsa, em encarnarem entre vós. Quis Deus que durante o seu contato com o vício eles possam ir se renovar nas fontes do bem, para não falirem, eles que vêm instruir os outros. 12
  • 13. O sono é a porta que Deus lhes abriu até seus amigos do céu. É o recreio depois do trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a liberação final que deve devolvê-los ao seu verdadeiro meio. O sonho é a lembrança do que vosso Espírito viu durante o sono. Notai, porém, que não sonhais sempre porque não recordais sempre do que vistes, ou de tudo o que vistes. Vossa alma não está em pleno desdobramento. Não é, muitas vezes, senão a lembrança da perturbação que acompanha vossa partida ou vossa volta, à qual se junta a do que fizestes ou do que vos preocupou no estado de vigília. Sem isso, como explicareis esses sonhos absurdos que têm os sábios, assim como os mais simples? Os maus Espíritos também se servem dos sonhos para atormentar as almas fracas e pusilânimes. De resto, vereis dentro em pouco se desenrolar outra espécie de sonho, tão velha quanto a que conheceis, mas vós a ignorais. 13
  • 14. O sonho de Joana, o sonho de Jacob, o sonho dos profetas judeus e de alguns adivinhos indianos. Esse sonho é a lembrança da alma, inteiramente desligada do corpo, a lembrança dessa segunda vida de que sempre vos falo. Procurai distinguir bem essas duas espécies de sonhos naqueles dos quais vos lembrais; sem isso, caireis em contradição e nos erros que serão funestos à vossa fé. 14
  • 16. Sonhos Espíritas Nesse tipo de sonho, a alma, desprendida do corpo, exerce atividade real e efetiva, encontrando-se com parentes, amigos, instrutores e também com os inimigos desta e de outras existências. 16
  • 17. Sonhos Comuns - Fisiológico: é aquele que dramatiza algo que acontece com nosso corpo. - Psicológico: é aquele que exprime nossos estados íntimos. Sonhos Reflexivos Exteriorização de impressões e imagens arquivadas na mente do espírito. Sonhos Espíritas Atividade real e efetiva do Espírito durante o sono. TIPOS DE SONHOS Martins Peralva - Estudando a Mediunidade 17
  • 18. Allan Kardec: Os sonhos são o produto da emancipação da alma, que se torna mais independente pela suspensão da vida ativa e de relação. Daí uma espécie de clarividência indefinida que se estende aos lugares mais distantes, ou que jamais se viu e, algumas vezes, mesmo a outros mundos, assim como a lembrança que traz à memória os acontecimentos ocorridos na existência presente ou nas existências anteriores; a estranheza de imagens do que se passa ou se passou em mundos desconhecidos, entremeadas de coisas do mundo atual, formam esses conjuntos bizarros e confusos que parecem não ter nem sentido, nem ligação. A incoerência dos sonhos se explica, ainda, pelas lacunas que produz a lembrança incompleta do que nos apareceu em sonho. Tal seria uma narração qual se tenha truncado frases ao acaso, ou parte de frases; os fragmentos restantes reunidos perderiam toda significação razoável. 18
  • 19. 403 – Por que não nos lembramos sempre dos sonhos? No que tu chamas de sono, só há o repouso do corpo, porque o Espírito está sempre em movimento. Aí ele recobra um pouco de sua liberdade e se corresponde com aqueles que lhe são caros, seja neste mundo, seja em outros. Todavia, como o corpo é matéria pesada e grosseira, dificilmente conserva as impressões que o Espírito recebeu, porque este não a recebeu pelos órgãos do corpo. 19
  • 20. 404 – Que pensar da significação atribuída aos sonhos? Os sonhos não são verdadeiros como entendem certos adivinhos, porque é absurdo crer-se que sonhar com tal coisa, anuncia tal coisa. Eles são verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais para o Espírito, mas que, frequentemente, não têm relação com o que se passa na vida corporal. Muitas vezes, também, como já o dissemos, é uma lembrança e pode ser, enfim, algumas vezes, um pressentimento do futuro, se Deus o permite, ou a visão do que se passa nesse momento em outro lugar, para onde a alma se transporta. Não tendes numerosos exemplos de pessoas que aparecem em sonho e vêm advertir seus parentes ou seus amigos do que lhes acontece? Que são essas aparições senão a alma ou o Espírito dessas pessoas que vêm comunicar-se com o vosso? Quando estais certos de que aquilo que vistes realmente se deu, não é uma prova de que a imaginação não tomou parte em nada, sobretudo se essa coisa não esteve de modo algum em vosso pensamento durante a vigília? 20
  • 21. 405 – Veem-se frequentemente, em sonhos, coisas que parecem pressentimentos e que não se cumprem; de onde vem isso? Eles podem cumprir-se para o Espírito, se não para o corpo, isto é, o Espírito vê a coisa que deseja porque vai procurá-la. É preciso não se esquecer que, durante o sono, a alma está sempre, mais ou menos, sob a influência da matéria, e que, por conseguinte, ela jamais se liberta completamente das ideias terrenas. Disso resulta que as preocupações da vigília podem dar, ao que se vê, a aparência do que se deseja ou do que se teme; a isso, verdadeiramente, pode-se chamar um efeito da imaginação. Quando se está fortemente preocupado com uma ideia, a ela se liga tudo aquilo que se vê. 21
  • 22. Atos em que não pensam, de maneira alguma? Que sabes tu? Seu Espírito pode visitar o teu, assim como o teu pode visitá-lo, e nem sempre sabes em que ele pensa. Aliás, frequentemente, atribuís às pessoas que conheceis, e segundo vossos desejos, o que se passou ou que se passa em outras existências. 406 – Quando vemos em sonhos pessoas vivas, que conhecemos perfeitamente, realizando atos em que não pensam, de maneira alguma, não é um efeito da imaginação? 22
  • 23. Não, o Espírito recobra sua liberdade quando os sentidos se entorpecem; ele aproveita, para se emancipar, de todos os instantes de repouso que o corpo lhe dá. Desde que haja prostração das forças vitais, o Espírito se desprende, e quanto mais o corpo está enfraquecido, mais o Espírito está livre. 407 – O sono completo é necessário para a emancipação do Espírito? Allan Kardec: É assim que a sonolência ou um simples entorpecimento dos sentidos apresenta, frequentemente, as mesmas imagens do sonho. 23
  • 24. 408 – Parece-nos ouvir, algumas vezes em nós mesmos, palavras pronunciadas distintamente e que não têm nenhuma relação com o que nos preocupa; de onde vem isso? Sim, e mesmo frases inteiras, sobretudo quando os sentidos começam a se entorpecer. É, algumas vezes, um fraco eco de um Espírito que veio comunicar- se contigo. 24
  • 25. 409 – Frequentemente, em um estado que não é ainda de sonolência, quando temos os olhos fechados, vemos imagens distintas, figuras das quais apreendemos os mais minuciosos detalhes; é isso um efeito de visão ou de imaginação? Estando o corpo entorpecido, o Espírito procura quebrar seus grilhões: ele se transporta e vê. Se o sono fosse completo, isso seria um sonho. 25
  • 26. 410 – A gente tem, algumas vezes, durante o sono ou a sonolência, ideias que parecem muito boas e que, malgrado os esforços que se faz para lembrá-las, se apagam da memória: de onde provêm essas ideias? Elas são o resultado da liberdade do Espírito, que se emancipa e goza de mais faculdades durante esse momento. Frequentemente, são conselhos que dão outros Espíritos. 410.a) De que servem essas ideias e esses conselhos, uma vez que se perde a lembrança e não se pode aproveitá-los? Essas ideias pertencem, algumas vezes, mais ao mundo dos Espíritos que ao mundo corporal; mas, com mais frequência, se o corpo esquece, o Espírito se lembra, e a ideia revive no instante necessário, como uma inspiração do momento. 26
  • 27. Frequentemente, ele a pressente; algumas vezes tem plena consciência, e é isso que, no estado de vigília, lhe dá a intuição. Daí vem o fato de certas pessoas preverem algumas vezes, sua morte, com grande exatidão. 411 – O Espírito encarnado, nos momentos em que se desliga da matéria e age como Espírito, conhece a época de sua morte? 27
  • 28. 412 – A atividade do Espírito durante o repouso ou o sono do corpo, pode fazê-lo experimentar fadiga, quando retorna? Sim, porque o Espírito tem um corpo, como o balão cativo tem um poste. Ora, da mesma forma que a agitação do balão abala o poste, a atividade do Espírito reage sobre o corpo e pode fazê-lo experimentar fadiga. 28
  • 29. Prece no momento de dormir Minha alma vai estar por alguns instantes com os outros Espíritos. Venham os bons ajudar-me com seus conselhos. Faze, meu anjo guardião, que, ao despertar, eu conserve durável e salutar impressão desse convívio. ESE – Cap. XXVIII, item 39 29
  • 30. CRÉDITOS: • Formatação: Marta Gomes P. Miranda • Referências: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 141 à 143. PERALVA, Martins. Estudando a Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 2009. XAVIER, Chico. Entre a Terra e o Céu. 27ª ed. Brasília: FEB, 2018. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER, Chico. No Mundo Maior. 28ª ed. Brasília: FEB, 2017. Pelo Espírito André Luiz. http://www.ebookespirita.org/Ad enauerNovaes/SonhosMensag ensdaAlma.pdf 30
  • 31. IMAGENS • Capa – Vídeo – https://mixkit.co • Moça dormindo – https://br.pinterest.com/pin/494199759079572981/ • Cérebro – https://www.poder360.com.br • Pássaros e gaiola – https://br.pinterest.com/pin/832040099900245895/ • Meninos na praia – https://br.pinterest.com/pin/4151824644407879/ • Lua cheia – http://benditoingles.com.br/boa-noite-em-ingles • Joana D’arc - https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/horoscopo/esoterico/santa-joana-darc-conheca- sua-historia-e-ore-para-receber-gracas,50f5ef4dbaa659e54404517af1dd3288gty9p699.html • Lua e montanhas – https://pixabay.com/illustrations/planet-sience-fiction-fantasy-world-1702788/ • Duas meninas – https://br.pinterest.com/pin/672303050627755758/ • Moça dormindo – https://www.facebook.com/ - Grupo Aprendizes da Doutrina Espírita • Rapaz no espelho: https://br.pinterest.com/pin/164240717645493634/ • Moça com vestido vermelho: https://br.pinterest.com/pin/558094578816907065/ • Desdobramento – https://aminoapps.com/c/wiccaebruxaria/page/blog/viagem-astral-facil-mas-dificil-x- projecao-astral-conciente-dificil-mas-mais-facil/J8vY_Vj5iduZX4nMbd0EqR1rYpgYKPojzV • Balão – https://br.pinterest.com/pin/547398529685217069/ • Lua entre nuvens – Rosi Gomes • Universo – https://br.pinterest.com/pin/265642078011106197/ 31
  • 32. CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC” Rua Ormindo Pires Amorim, nº 1.516 Bairro: Jardim Marajó Rondonópolis - MT 32