SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
Objetivos dessa apresentação
• Definir Doença Hemolítica Perinatal, suas causas,
consequências, diagnóstico e tratamento.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Público alvo
• Profissionais de saúde que trabalham na assistência ao binômio materno infantil;
• Gestores de maternidades;
• Profissionais que trabalham em farmácia hospitalar e unidades transfusionais que
atuam na assistência materno infantil.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• A Doença Hemolítica Perinatal (DHPN), anteriormente chamada de Eritroblastose Fetal,
caracteriza-se como afecção generalizada, acompanhada de destruição das hemácias,
anemia e presença de suas formas jovens ou imaturas na circulação periférica fetal
(eritroblastos).
• Ocorre quando a mãe forma anticorpos contra antígenos presentes nas hemácias fetais
(herdados do pai) que não estão presentes nas hemácias maternas.
• Principal causa é anticorpo anti-D, mas pode ser causada por outros anticorpos como por
exemplo anti-c, anti-K.
• Pode ocorrer DHPN por incompatibilidade ABO, mas em geral é uma doença bem mais
branda do que a provocada por incompatibilidade Rh.
Definição
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Quando o sangue fetal RhD positivo entra na circulação materna (hemorragia feto-
materna) durante a gravidez, abortamento ou parto, a formação de anticorpos anti-D
pode ser induzida nas gestantes RhD negativo não sensibilizadas (aloimunização).
• A hemorragia feto-materna está relacionada ao aumento da volemia fetal e ocorre mais
frequentemente no terceiro trimestre de gestação e durante o parto.
• Após a primeira exposição antigênica, linfócitos B de memória se diferenciam em
plasmócitos e produzem anticorpos IgG que são capazes de atravessar a barreira
placentária.
Doença Hemolítica Perinatal
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Doença Hemolítica Perinatal
Hemorragia feto materna na primeira gestação
Formação de anticorpos maternos contra antígenos herdados do pai
presentes nas hemácias do feto (aloimunização)
Durante gestação subsequente, esses anticorpos IgG atravessam a placenta
Anticorpos maternos se ligam às hemácias fetais
Hemólise das hemácias fetais
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Prevalência
• A prevalência de DHPN depende, entre outros fatores, da frequência do fenótipo RhD
negativo na população.
• A frequência do fenótipo D negativo é de 15 a 17% na população europeia, 5% na
africana e 0,3% na asiática*
• No Brasil, prevalência de RhD negativo é variável nas regiões. Em média 10%. Estima-se
que a aloimunização materno-fetal afeta 5 a cada 1.000 nascidos vivos**.
*ACOG Practice Bulletin- Prevention of RhD alloimmunization , August , 2017.
**Gestação de Alto Risco: Manual Técnico MS,2012.
Sem imunoprofilaxia 17% das gestantes serão aloimunizadas
após a primeira gestação ABO compatível e RhD incompatível.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Causas de hemorragia
feto materna associada
à aloimunização por
antígeno eritrocitário
Perda da
Gestação
• Gravidez ectópica
• Aborto espontâneo
• Aborto eletivo
• Morte fetal (qualquer trimestre)
Procedimentos
• Coleta de vilosidade coriônica
• Amniocentese
• Coleta de amostra de sangue fetal
Outras
• Parto
• Traumatismo
• Descolamento de placenta
• Sangramento vaginal inexplicável durante
a gravidez
• Versão cefálica externa
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Hiperbilirrubinemia
Icterícia
Kernicterus
Baço
Consequências
Anemia
Hidropisia
Metabolismo da bilirrubina no feto e no recém-nascido
Modificado de Modern blood banking and transfusion practices . Denise Harmening 5th ed.
Excretada
pela mãe
Fígado
materno
Fígado bebê
imaturo
Hemólise Hemoglobina
Período neonatal
(após o nascimento)
Bilirrubina
Indireta
Bilirrubina
Indireta
Bilirrubina
Direta
Período intrauterino
(antes do nascimento)
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• 50% dos casos de DHPN são leves sem necessidade de tratamento
• 25% dos casos apresentam anemia moderada, icterícia, sem hidropisia, mas com
necessidade de tratamento neonatal
• 25% são graves, com hidropisia fetal*
Doença Hemolítica Perinatal
*Bowman, J. "The management of hemolytic disease in the fetus and newborn."
Seminars in perinatology. Vol. 21. No. 1. WB Saunders, 1997.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Doença Hemolítica Perinatal
Neonatal Hematology, Pathogenesis, Diagnosis, and Management of Hematologic Problems, 2nd edn.,p
65-90 ed. Pedro A. de Alarcón, Eric J. Werner, and Robert D. Christensen. Published by Cambridge
University Press. © Cambridge University Press 2013
Risco de aloimunização anti-D em ABO compatível cerca de 15-17% e se ABO incompatível 2%
A incompatibilidade ABO entre mãe e feto reduz o risco de aloimunização anti-
D, pois as hemácias ABO incompatíveis são retiradas precocemente da
circulação.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Diagnóstico no Pré-Natal - Anamnese
• Mulheres RhD negativo;
• História prévia de transfusão ou
procedimento fetal anterior;
• História de traumatismo ou cirurgia
anterior (pelo risco de transfusão
desconhecida);
• História de compartilhamento de seringas;
• História pregressa de filhos com
hidropisia, icterícia ou que necessitaram
de fototerapia ou
exsanguineotransfusão;
• Mulheres com história de aborto
provocado ou espontâneo;
• Multíparas.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Diagnóstico Pré-natal - Imunohematológico
• Classificação ABO/Rh – mãe e pai
• D fraco (Se RhD negativo)
• Pesquisa de Anticorpos Irregulares – Pai (Coombs Indireto)
• Identificação de anticorpos, se PAI positiva
• Titulação de anticorpos
• Fenotipagem do parceiro
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Brasil, 2016.Orientações de acordo com os resultados dos exames do pré-natal:
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Se menor ou igual a 16 para anti-D -> repetir mensalmente até 24 semanas e
quinzenalmente até 36 semanas.
• Se maior que 16 -> acompanhamento pela medicina fetal (dopplervelocimetria da artéria
cerebral média).
Diagnóstico e acompanhamento da DHPN
Se pesquisa de
anticorpos irregulares
(Coombs indireto)
POSITIVA
Realizar
identificação de
anticorpos e
titulação
Título: técnica com incubação
a 37°C e reagente anti-IgG que
serve para quantificar o
anticorpo.
Título sozinho não é preditor de anemia fetal!
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Ultrassonografia – pesquisa de sinais de
hidropisia
• Dopplervelocimetria da artéria cerebral
média do feto - método consagrado e não
invasivo, pois correlaciona o aumento da
velocidade de fluxo (Pico da velocidade da
artéria cerebral média) com o grau de
anemia fetal (Curva de Mari).
Rastreamento - FETO
Creasy e Resnik Medicina Materno Fetal: Principios e Práticas, cap36, ed Elsevier,2016.
Anemia Fetal
Aumento da velocidade do sangue
(medido pelo doppler)
Diminuição da
viscosidade sanguínea
Aumento do
débito cardíaco
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Rastreamento - FETO
• Medidas seriadas do pico
da velocidade da artéria
cerebral média fetal.
• Zona A indica anemia
moderada a severa ( > 1,5
múltiplos de mediana
MoM).
• Zona B indica anemia leve.
Creasy e Resnik Medicina Materno Fetal: Principios e Práticas, cap36, ed Elsevier,2016.
Hct=hematócrito; PUBS = amostra percutânea do sangue do cordão umbilical.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Cordocentese:
• Método invasivo e com riscos.
• Caracteriza-se pela punção do cordão umbilical
para pesquisa da anemia fetal e tratamento -
PADRÃO OURO de investigação.
Fonte figura: Biomedicina UNA 2016 | Embriologia: Cordocentese
http://embriologiabiomed.blogspot.com/2016/06/cordocentese.html
Rastreamento - FETO
É retirada uma amostra do sangue de cordão para
exames Hb, ABO/Rh e Coombs Direto.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Variam de acordo com o quadro clínico e com a avaliação do feto e do recém-nascido.
Opções Terapêuticas
ANTES DO NASCIMENTO
Transfusão intra-uterina (TIU)
• Indicada em casos de pico da artéria cerebral média >1,5 MoM e/ou sinais de hidropisia.
Hb<10g/dL.
• Realizada através da punção da veia umbilical.
• Pode ser realizada entre 18 e 35 semanas de gestação.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Opções Terapêuticas
CONDUTA NO PARTO
• Nascimento preconizado entre 36 e 38 semanas de idade gestacional. Casos graves
deverão ser avaliados individualmente. Atenção à necessidade de corticoterapia para
amadurecimento pulmonar nos casos de prematuridade.
• Via de parto definida de acordo com a indicação obstétrica.
• Importante comunicar à Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e à Hemoterapia para
que seja realizada a reserva de sangue para eventual necessidade de
exsanguíneotransfusão.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Variam de acordo com o quadro clínico e com a avaliação do feto e do recém-nascido.
Opções Terapêuticas
APÓS O NASCIMENTO
• Fototerapia - Exposição do recém-nascido à luz ultravioleta para converter a bilirrubina
indireta em formas hidrossolúveis e facilitar sua excreção.
• Exsanguineotransfusão - Substituição do sangue do recém-nascido com o objetivo de
retirar bilirrubina da circulação, retirar anticorpos maternos, substituir hemácias
incompatíveis por hemácias compatíveis e suprimir eritropoiese reduzindo a produção de
hemácias incompatíveis.
• Transfusão simples.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Acompanhamento
Acompanhamento Pós-Natal
• ABO,Rh (grupo sanguíneo pós TIU
pode vir alterado)
• TAD (Coombs direto - Teste da
Antiglobulina Direto)
• Bilirrubinas
• Hematócrito
Acompanhamento a Longo Prazo
• Hematócrito/Hb, reticulócitos, TAD,
Pesquisa de anticorpos irregulares
(anticorpos maternos podem persistir na
circulação por várias semanas).
• Cerca de 75% dos fetos que receberam
transfusão intrauterina necessitam de
transfusões simples nos primeiros três
meses de vida.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Imunoglobulina anti-RhD
• A imunoglobulina ataca as células fetais na circulação materna e essas hemácias são
removidas pelos macrófagos.
• Dessa forma, não há estímulo para formação de anticorpos anti-D.
• Houve grande impacto na redução da incidência de DHPN por anti-D desde o início de
sua comercialização na década de 1960.
Prevenção
A dose padronizada é de 300µg de RhIG por via IM. Essa dose protegerá a mãe contra
uma hemorragia de até 15 ml de hemácias D-positivo ou 30 ml de sangue fetal.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Recomendações para Profilaxia com Imunoglobulina anti-RhD
• Na ameaça de abortamento com sangramento
• No aborto espontâneo ou terapêutico
• Após doença trofoblástica gestacional (“mola”) ou gravidez ectópica
• Na investigação fetal invasiva (biópsia de vilo corial, amniocentese ou cordocentese)
• Alguns protocolos recomendam a profilaxia na 28ª semana de gestação, e em 12 semanas
e meia, se o parto não aconteceu não precisando ser repetida no pós-parto se o mesmo
ocorrer dentro de 3 semanas (I-A)
Gestação de Alto Risco - Manual Técnico. 5 ed. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2010.
A profilaxia está indicada para mulher RhD negativo não imunizada,
cujo pai do bebê seja RhD positivo ou fator RhD desconhecido:
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Em vigência de sangramento durante qualquer fase da gestação (Hemorragia feto-
materna maciça)
• Até 72 horas pós-parto, se RN for RhD positivo I-A (até 28 dias pode ser feita) III-B
• Puérperas RhD negativo submetidas à laqueadura tubária também deverão receber
imunoglobulina anti-RhD.
Recomendações para Profilaxia com Imunoglobulina anti-RhD
A profilaxia está indicada para mulher RhD negativo não imunizada,
cujo pai do bebê seja RhD positivo ou fator RhD desconhecido:
Gestação de Alto Risco - Manual Técnico. 5 ed. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2010.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Falhas na Profilaxia
ACOG Practice Bulletin- Prevention of RhD alloimmunization, August, 2017.
Falha na administração da imunoglobulina anti-D
Erro de tipagem sanguínea/ Variantes RhD
Hemorragia feto-materna oculta
Hemorragia feto-materna não quantificada
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento – PHPN (MS,
2000), recomenda a solicitação da tipagem sanguínea (ABO-Rh) na
primeira consulta de pré-natal.
A Aloimunização RhD e a DHPN devem ser consideradas pelos gestores e
profissionais de saúde que trabalham com gestantes como evento
sentinela, pois refletem a qualidade da assistência nos serviços de saúde
e as condições de saúde da população.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL
Referências
• ACOG Practice Bulletin- Prevention of RhD alloimmunization. August 2017.
• Alarcón, Pedro , Eric J. Werner, and Robert D. Christensen Neonatal Hematology, Pathogenesis, Diagnosis, and Management of Hematologic Problems, 2nd edn.,p 65-90 ed. Published
by Cambridge University Press. © Cambridge University Press, 2013.
• Bowman, J. "The management of hemolytic disease in the fetus and newborn." Seminars in perinatology. Vol. 21. No. 1. WB Saunders, 1997.
• Contreras, M. ABC of Transfusion. 3 ed. BMJ Books, 1998.
• MARI, Giancarlo et al. Noninvasive diagnosis by Doppler ultrasonography of fetal anemia due to maternal red-cell alloimmunization. New England Journal of Medicine, v. 342, n. 1, p. 9-
14, 2000.
• Ministério da Saúde. Área Técnica da Saúde da Mulher, Secretaria de Atenção à Saúde. Manual técnico de Gestação de Alto Risco 5ª Edição. Brasília DF: Ministério da Saúde; 2010.
• Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica : Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Brasília : Ministério da Saúde, 2016
• Moise K. Management of Rhesus Alloimmunization in Pregnancy. Obstetrics & Gynecology 2008 Jul;112(1):164-76.
• Rezende J, Coslousky S. Experiência inicial com a Imunoglobulina Humana anti-Rh para prevenção da Doença Hemolítica Perinatal. Rev Brás Ginecol 1972. p. 73-183.
• Rezende J. Obstetrícia, 13ªEd. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2016.
• Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Resolução SES n.º 2.590 dispõe sobre o Programa de Profilaxia da Aloimunização Rh (D) e define o protocolo de utilização e o
fluxo de distribuição da Imunoglobulina Anti-Rh (D). Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro 2004; 17 de novembro.
• Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro. Resolução SES n° 1355 de 26.08.2010, dispõe sobre o Programa de Profilaxia da Aloimunização Rh (D) publicada no
DOERJ DE 13.09.2010
• Gary F. Obstetrícia de Williams, 24ª Ed. Amgh Editora; 2016.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 11 de setembro de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoCaroline Reis Gonçalves
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherEnfº Ícaro Araújo
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasSUELLEN SILVA
 
Aloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multipla
Aloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multiplaAloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multipla
Aloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multiplaMari Sousa
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOblogped1
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno blogped1
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfMariaRuthBacelar1
 

Mais procurados (20)

Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Aloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multipla
Aloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multiplaAloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multipla
Aloimunização materno –fetal e Assistência de Enfermagem a gestação multipla
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Hipertensão na gestação
Hipertensão na gestaçãoHipertensão na gestação
Hipertensão na gestação
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
 

Semelhante a Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)

Hidropsia Fetal Não Imune
Hidropsia Fetal Não ImuneHidropsia Fetal Não Imune
Hidropsia Fetal Não Imunefetalufpr
 
Doença Hemolítica Perinatal (1).pptx
Doença Hemolítica Perinatal (1).pptxDoença Hemolítica Perinatal (1).pptx
Doença Hemolítica Perinatal (1).pptxPriscilaCunha51
 
Síndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian Eckert
Síndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian EckertSíndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian Eckert
Síndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian Eckertfetalufpr
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatalblogped1
 
Anemia e Coagulopatias
Anemia e CoagulopatiasAnemia e Coagulopatias
Anemia e Coagulopatiastvf
 
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - temaAtraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - temaUEM - Faculity of Medicine
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte iiLurdesmartins17
 
Alterações da duração da gravidez.pdf
Alterações da duração da gravidez.pdfAlterações da duração da gravidez.pdf
Alterações da duração da gravidez.pdfMariaRuthBacelar1
 
Profilaxia da isoimunizacao
Profilaxia da isoimunizacaoProfilaxia da isoimunizacao
Profilaxia da isoimunizacaouccarcozelo
 
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalHemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalLeandro Junior
 
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxEPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxJessiellyGuimares
 
Exames da consulta pré-natal.pdf
Exames da consulta pré-natal.pdfExames da consulta pré-natal.pdf
Exames da consulta pré-natal.pdfelisa162943
 

Semelhante a Doença Hemolítica Perinatal (DHPN) (20)

Hidropsia Fetal Não Imune
Hidropsia Fetal Não ImuneHidropsia Fetal Não Imune
Hidropsia Fetal Não Imune
 
Doença Hemolítica Perinatal (1).pptx
Doença Hemolítica Perinatal (1).pptxDoença Hemolítica Perinatal (1).pptx
Doença Hemolítica Perinatal (1).pptx
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
Síndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian Eckert
Síndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian EckertSíndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian Eckert
Síndrome de Transfusão Feto Fetal - Willian Eckert
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia NeonatalHipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
Anemia e Coagulopatias
Anemia e CoagulopatiasAnemia e Coagulopatias
Anemia e Coagulopatias
 
Anemias em pediatria
Anemias em pediatriaAnemias em pediatria
Anemias em pediatria
 
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - temaAtraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
 
Terapias Fetais
Terapias FetaisTerapias Fetais
Terapias Fetais
 
Aloimunizacao
AloimunizacaoAloimunizacao
Aloimunizacao
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
 
Alterações da duração da gravidez.pdf
Alterações da duração da gravidez.pdfAlterações da duração da gravidez.pdf
Alterações da duração da gravidez.pdf
 
Profilaxia da isoimunizacao
Profilaxia da isoimunizacaoProfilaxia da isoimunizacao
Profilaxia da isoimunizacao
 
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalHemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular Neonatal
 
Gestação na Doença Falciforme
Gestação na Doença FalciformeGestação na Doença Falciforme
Gestação na Doença Falciforme
 
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxEPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
 
Exames da consulta pré-natal.pdf
Exames da consulta pré-natal.pdfExames da consulta pré-natal.pdf
Exames da consulta pré-natal.pdf
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL Objetivos dessa apresentação • Definir Doença Hemolítica Perinatal, suas causas, consequências, diagnóstico e tratamento.
  • 3. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Público alvo • Profissionais de saúde que trabalham na assistência ao binômio materno infantil; • Gestores de maternidades; • Profissionais que trabalham em farmácia hospitalar e unidades transfusionais que atuam na assistência materno infantil.
  • 4. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • A Doença Hemolítica Perinatal (DHPN), anteriormente chamada de Eritroblastose Fetal, caracteriza-se como afecção generalizada, acompanhada de destruição das hemácias, anemia e presença de suas formas jovens ou imaturas na circulação periférica fetal (eritroblastos). • Ocorre quando a mãe forma anticorpos contra antígenos presentes nas hemácias fetais (herdados do pai) que não estão presentes nas hemácias maternas. • Principal causa é anticorpo anti-D, mas pode ser causada por outros anticorpos como por exemplo anti-c, anti-K. • Pode ocorrer DHPN por incompatibilidade ABO, mas em geral é uma doença bem mais branda do que a provocada por incompatibilidade Rh. Definição
  • 5. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Quando o sangue fetal RhD positivo entra na circulação materna (hemorragia feto- materna) durante a gravidez, abortamento ou parto, a formação de anticorpos anti-D pode ser induzida nas gestantes RhD negativo não sensibilizadas (aloimunização). • A hemorragia feto-materna está relacionada ao aumento da volemia fetal e ocorre mais frequentemente no terceiro trimestre de gestação e durante o parto. • Após a primeira exposição antigênica, linfócitos B de memória se diferenciam em plasmócitos e produzem anticorpos IgG que são capazes de atravessar a barreira placentária. Doença Hemolítica Perinatal
  • 6. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Doença Hemolítica Perinatal Hemorragia feto materna na primeira gestação Formação de anticorpos maternos contra antígenos herdados do pai presentes nas hemácias do feto (aloimunização) Durante gestação subsequente, esses anticorpos IgG atravessam a placenta Anticorpos maternos se ligam às hemácias fetais Hemólise das hemácias fetais
  • 7. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Prevalência • A prevalência de DHPN depende, entre outros fatores, da frequência do fenótipo RhD negativo na população. • A frequência do fenótipo D negativo é de 15 a 17% na população europeia, 5% na africana e 0,3% na asiática* • No Brasil, prevalência de RhD negativo é variável nas regiões. Em média 10%. Estima-se que a aloimunização materno-fetal afeta 5 a cada 1.000 nascidos vivos**. *ACOG Practice Bulletin- Prevention of RhD alloimmunization , August , 2017. **Gestação de Alto Risco: Manual Técnico MS,2012. Sem imunoprofilaxia 17% das gestantes serão aloimunizadas após a primeira gestação ABO compatível e RhD incompatível.
  • 8. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Causas de hemorragia feto materna associada à aloimunização por antígeno eritrocitário Perda da Gestação • Gravidez ectópica • Aborto espontâneo • Aborto eletivo • Morte fetal (qualquer trimestre) Procedimentos • Coleta de vilosidade coriônica • Amniocentese • Coleta de amostra de sangue fetal Outras • Parto • Traumatismo • Descolamento de placenta • Sangramento vaginal inexplicável durante a gravidez • Versão cefálica externa
  • 9. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Hiperbilirrubinemia Icterícia Kernicterus Baço Consequências Anemia Hidropisia Metabolismo da bilirrubina no feto e no recém-nascido Modificado de Modern blood banking and transfusion practices . Denise Harmening 5th ed. Excretada pela mãe Fígado materno Fígado bebê imaturo Hemólise Hemoglobina Período neonatal (após o nascimento) Bilirrubina Indireta Bilirrubina Indireta Bilirrubina Direta Período intrauterino (antes do nascimento)
  • 10. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • 50% dos casos de DHPN são leves sem necessidade de tratamento • 25% dos casos apresentam anemia moderada, icterícia, sem hidropisia, mas com necessidade de tratamento neonatal • 25% são graves, com hidropisia fetal* Doença Hemolítica Perinatal *Bowman, J. "The management of hemolytic disease in the fetus and newborn." Seminars in perinatology. Vol. 21. No. 1. WB Saunders, 1997.
  • 11. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Doença Hemolítica Perinatal Neonatal Hematology, Pathogenesis, Diagnosis, and Management of Hematologic Problems, 2nd edn.,p 65-90 ed. Pedro A. de Alarcón, Eric J. Werner, and Robert D. Christensen. Published by Cambridge University Press. © Cambridge University Press 2013 Risco de aloimunização anti-D em ABO compatível cerca de 15-17% e se ABO incompatível 2% A incompatibilidade ABO entre mãe e feto reduz o risco de aloimunização anti- D, pois as hemácias ABO incompatíveis são retiradas precocemente da circulação.
  • 12. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Diagnóstico no Pré-Natal - Anamnese • Mulheres RhD negativo; • História prévia de transfusão ou procedimento fetal anterior; • História de traumatismo ou cirurgia anterior (pelo risco de transfusão desconhecida); • História de compartilhamento de seringas; • História pregressa de filhos com hidropisia, icterícia ou que necessitaram de fototerapia ou exsanguineotransfusão; • Mulheres com história de aborto provocado ou espontâneo; • Multíparas.
  • 13. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Diagnóstico Pré-natal - Imunohematológico • Classificação ABO/Rh – mãe e pai • D fraco (Se RhD negativo) • Pesquisa de Anticorpos Irregulares – Pai (Coombs Indireto) • Identificação de anticorpos, se PAI positiva • Titulação de anticorpos • Fenotipagem do parceiro
  • 14. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Brasil, 2016.Orientações de acordo com os resultados dos exames do pré-natal:
  • 15. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Se menor ou igual a 16 para anti-D -> repetir mensalmente até 24 semanas e quinzenalmente até 36 semanas. • Se maior que 16 -> acompanhamento pela medicina fetal (dopplervelocimetria da artéria cerebral média). Diagnóstico e acompanhamento da DHPN Se pesquisa de anticorpos irregulares (Coombs indireto) POSITIVA Realizar identificação de anticorpos e titulação Título: técnica com incubação a 37°C e reagente anti-IgG que serve para quantificar o anticorpo. Título sozinho não é preditor de anemia fetal!
  • 16. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Ultrassonografia – pesquisa de sinais de hidropisia • Dopplervelocimetria da artéria cerebral média do feto - método consagrado e não invasivo, pois correlaciona o aumento da velocidade de fluxo (Pico da velocidade da artéria cerebral média) com o grau de anemia fetal (Curva de Mari). Rastreamento - FETO Creasy e Resnik Medicina Materno Fetal: Principios e Práticas, cap36, ed Elsevier,2016. Anemia Fetal Aumento da velocidade do sangue (medido pelo doppler) Diminuição da viscosidade sanguínea Aumento do débito cardíaco
  • 17. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Rastreamento - FETO • Medidas seriadas do pico da velocidade da artéria cerebral média fetal. • Zona A indica anemia moderada a severa ( > 1,5 múltiplos de mediana MoM). • Zona B indica anemia leve. Creasy e Resnik Medicina Materno Fetal: Principios e Práticas, cap36, ed Elsevier,2016. Hct=hematócrito; PUBS = amostra percutânea do sangue do cordão umbilical.
  • 18. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Cordocentese: • Método invasivo e com riscos. • Caracteriza-se pela punção do cordão umbilical para pesquisa da anemia fetal e tratamento - PADRÃO OURO de investigação. Fonte figura: Biomedicina UNA 2016 | Embriologia: Cordocentese http://embriologiabiomed.blogspot.com/2016/06/cordocentese.html Rastreamento - FETO É retirada uma amostra do sangue de cordão para exames Hb, ABO/Rh e Coombs Direto.
  • 19. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Variam de acordo com o quadro clínico e com a avaliação do feto e do recém-nascido. Opções Terapêuticas ANTES DO NASCIMENTO Transfusão intra-uterina (TIU) • Indicada em casos de pico da artéria cerebral média >1,5 MoM e/ou sinais de hidropisia. Hb<10g/dL. • Realizada através da punção da veia umbilical. • Pode ser realizada entre 18 e 35 semanas de gestação.
  • 20. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Opções Terapêuticas CONDUTA NO PARTO • Nascimento preconizado entre 36 e 38 semanas de idade gestacional. Casos graves deverão ser avaliados individualmente. Atenção à necessidade de corticoterapia para amadurecimento pulmonar nos casos de prematuridade. • Via de parto definida de acordo com a indicação obstétrica. • Importante comunicar à Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e à Hemoterapia para que seja realizada a reserva de sangue para eventual necessidade de exsanguíneotransfusão.
  • 21. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Variam de acordo com o quadro clínico e com a avaliação do feto e do recém-nascido. Opções Terapêuticas APÓS O NASCIMENTO • Fototerapia - Exposição do recém-nascido à luz ultravioleta para converter a bilirrubina indireta em formas hidrossolúveis e facilitar sua excreção. • Exsanguineotransfusão - Substituição do sangue do recém-nascido com o objetivo de retirar bilirrubina da circulação, retirar anticorpos maternos, substituir hemácias incompatíveis por hemácias compatíveis e suprimir eritropoiese reduzindo a produção de hemácias incompatíveis. • Transfusão simples.
  • 22. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Acompanhamento Acompanhamento Pós-Natal • ABO,Rh (grupo sanguíneo pós TIU pode vir alterado) • TAD (Coombs direto - Teste da Antiglobulina Direto) • Bilirrubinas • Hematócrito Acompanhamento a Longo Prazo • Hematócrito/Hb, reticulócitos, TAD, Pesquisa de anticorpos irregulares (anticorpos maternos podem persistir na circulação por várias semanas). • Cerca de 75% dos fetos que receberam transfusão intrauterina necessitam de transfusões simples nos primeiros três meses de vida.
  • 23. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Imunoglobulina anti-RhD • A imunoglobulina ataca as células fetais na circulação materna e essas hemácias são removidas pelos macrófagos. • Dessa forma, não há estímulo para formação de anticorpos anti-D. • Houve grande impacto na redução da incidência de DHPN por anti-D desde o início de sua comercialização na década de 1960. Prevenção A dose padronizada é de 300µg de RhIG por via IM. Essa dose protegerá a mãe contra uma hemorragia de até 15 ml de hemácias D-positivo ou 30 ml de sangue fetal.
  • 24. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Recomendações para Profilaxia com Imunoglobulina anti-RhD • Na ameaça de abortamento com sangramento • No aborto espontâneo ou terapêutico • Após doença trofoblástica gestacional (“mola”) ou gravidez ectópica • Na investigação fetal invasiva (biópsia de vilo corial, amniocentese ou cordocentese) • Alguns protocolos recomendam a profilaxia na 28ª semana de gestação, e em 12 semanas e meia, se o parto não aconteceu não precisando ser repetida no pós-parto se o mesmo ocorrer dentro de 3 semanas (I-A) Gestação de Alto Risco - Manual Técnico. 5 ed. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2010. A profilaxia está indicada para mulher RhD negativo não imunizada, cujo pai do bebê seja RhD positivo ou fator RhD desconhecido:
  • 25. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Em vigência de sangramento durante qualquer fase da gestação (Hemorragia feto- materna maciça) • Até 72 horas pós-parto, se RN for RhD positivo I-A (até 28 dias pode ser feita) III-B • Puérperas RhD negativo submetidas à laqueadura tubária também deverão receber imunoglobulina anti-RhD. Recomendações para Profilaxia com Imunoglobulina anti-RhD A profilaxia está indicada para mulher RhD negativo não imunizada, cujo pai do bebê seja RhD positivo ou fator RhD desconhecido: Gestação de Alto Risco - Manual Técnico. 5 ed. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2010.
  • 26. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Falhas na Profilaxia ACOG Practice Bulletin- Prevention of RhD alloimmunization, August, 2017. Falha na administração da imunoglobulina anti-D Erro de tipagem sanguínea/ Variantes RhD Hemorragia feto-materna oculta Hemorragia feto-materna não quantificada
  • 27. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento – PHPN (MS, 2000), recomenda a solicitação da tipagem sanguínea (ABO-Rh) na primeira consulta de pré-natal. A Aloimunização RhD e a DHPN devem ser consideradas pelos gestores e profissionais de saúde que trabalham com gestantes como evento sentinela, pois refletem a qualidade da assistência nos serviços de saúde e as condições de saúde da população.
  • 28. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL Referências • ACOG Practice Bulletin- Prevention of RhD alloimmunization. August 2017. • Alarcón, Pedro , Eric J. Werner, and Robert D. Christensen Neonatal Hematology, Pathogenesis, Diagnosis, and Management of Hematologic Problems, 2nd edn.,p 65-90 ed. Published by Cambridge University Press. © Cambridge University Press, 2013. • Bowman, J. "The management of hemolytic disease in the fetus and newborn." Seminars in perinatology. Vol. 21. No. 1. WB Saunders, 1997. • Contreras, M. ABC of Transfusion. 3 ed. BMJ Books, 1998. • MARI, Giancarlo et al. Noninvasive diagnosis by Doppler ultrasonography of fetal anemia due to maternal red-cell alloimmunization. New England Journal of Medicine, v. 342, n. 1, p. 9- 14, 2000. • Ministério da Saúde. Área Técnica da Saúde da Mulher, Secretaria de Atenção à Saúde. Manual técnico de Gestação de Alto Risco 5ª Edição. Brasília DF: Ministério da Saúde; 2010. • Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica : Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Brasília : Ministério da Saúde, 2016 • Moise K. Management of Rhesus Alloimmunization in Pregnancy. Obstetrics & Gynecology 2008 Jul;112(1):164-76. • Rezende J, Coslousky S. Experiência inicial com a Imunoglobulina Humana anti-Rh para prevenção da Doença Hemolítica Perinatal. Rev Brás Ginecol 1972. p. 73-183. • Rezende J. Obstetrícia, 13ªEd. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2016. • Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Resolução SES n.º 2.590 dispõe sobre o Programa de Profilaxia da Aloimunização Rh (D) e define o protocolo de utilização e o fluxo de distribuição da Imunoglobulina Anti-Rh (D). Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro 2004; 17 de novembro. • Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro. Resolução SES n° 1355 de 26.08.2010, dispõe sobre o Programa de Profilaxia da Aloimunização Rh (D) publicada no DOERJ DE 13.09.2010 • Gary F. Obstetrícia de Williams, 24ª Ed. Amgh Editora; 2016.
  • 29. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 11 de setembro de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL