SlideShare uma empresa Scribd logo
CULTURA
Os casos que se conhecem de crianças selvagens
revestem-se de grande interesse científico. Elas
constituem uma espécie de grau zero do
desenvolvimento humano, ensinam-nos o que
seríamos sem os outros, mostram de forma abrupta
a fragilidade da nossa animalidade, revelam a raíz
precária da nossa vida humana.
Para mais informações devem consultar:
www.feralchildren.com
 
 
O ser humano é um ser
biologicamente social
Está na nossa biologia a capacidade para
continuamente transformarmos o
mundo, de modo a nos adaptarmos, a
satisfazermos as nossas necessidades,
a vivermos melhor.
Para além da definição de Edward Tylor,
considerado o pai do conceito moderno de
cultura. (ver página 90 do manual)
apresenta-se a de Mischa Titiev ( professor
na Universidade de Michigan)
“ a série completa de instrumentos
não geneticamente adquiridos pelo
ser humano, assim como todas as
facetas do comportamento
adquiridas após o nascimento.”
Um sistema que tanto nos seus aspectos simbólicos
como materiais constitui o ambiente de
protecção do indivíduo na sua relação
com o mundo, sendo capaz de se transformar
e de o transformar.
É a forma como o ser humano se adapta
ao meio, o modo como o transforma e
o transmite às gerações seguintes, ela
distingue o homem dos outros animais.
 Crenças
 Teorias
 Construções
 Objectos
 Valores
 Leis
 Normas
 Artes
 Costumes
O impacto da cultura faz-se
sentir desde o útero materno
até à morte do indivíduo.
Somos produto e produtores de
cultura
Forma colectiva e específica de
conduta cultural que uma sociedade
estabelece como ideal; visa a
normalização do comportamento dos
indivíduos de uma dada sociedade,
possibilitando a satisfação das suas
necessidades, mas também a
previsibilidade dos comportamentos
dos seus membros.
Processo pelo qual, ao longo de
toda a vida, o ser humano
aprende e interioriza os diversos
elementos da cultura
envolvente, integrando-se assim
num meio social e cultural
específico.
PRIMÁRIA SECUNDÁRIA
Ocorre durante a infância Acompanha toda a
E permite a aquisição de vida adulta e designa
De um conjunto de ajustamentos do in-
“saberes básicos” divíduo em função de
alterações significati-
vas do meio social.
 Não é algo de estático, fixo, mas é…
 Dinâmica,
 construída
 É universal, porque todas as sociedades têm uma cultura
 É aprendida; é transmitida de geração em geração: o
homem é um ser biológico, é a aprendizagem da cultura,
a formação do seu carácter sócio-cultural que o torna
realmente humano.
 É partilhada pelos membros de uma mesma sociedade.
 É geral, porque todos os homens que nascem no seio de
comunidades a aprendem.
É relativa
Varia no tempo e no espaço.
Assim, dizemos que existem culturas.
DIVERSIDADE CULTURALDIVERSIDADE CULTURAL
O que é a diversidade
cultural?
 Diferentes culturas
 Diferentes modos de vida
 Diferentes juízos de valor
 Quando pensamos sobre as diversas
comunidades humanas, aquilo que ressalta é a
sua diversidade cultural:
 Hábitos, costumes, comportamentos diversos
 Diferentes formas de pensar, de agir, de dar sentido
à vida
 Diferentes valores
Os Judeus
«É sabido que os judeus são o grupo mais diabólico
da criação divina, o de pior natureza, e aquele que
mais profundas raízes tem na infidelidade e
maldição. Eles são os indivíduos mais mal
intencionados da espécie humana (...). Quando
conseguem ficar a sós com alguém, eles trazem a
destruição, eles introduzem por truques uma
droga espantosa na sua comida, e depois matam-
no.»
Autisemitism, Ann Frank Foundation
 Consiste em entender/olhar para as outras
culturas, tendo a nossa como ponto de referência.
 Consequência: a nossa cultura é sempre
valorizada e há uma estranheza face à cultura
alheia, que é inevitavelmente desvalorizada.
 Uma atitude deste tipo pode conduzir-nos a atitudes de
racismo (afirmação da superioridade da nossa raça em
relação às outras) ou xenofobia (antipatia perante
quem é estrangeiro, ou seja, não pertence à nossa
sociedade/cultura).
 O facto de considerarmos a nossa cultura e os nossos
valores superiores, pode levar-nos a querer impor os
nossos padrões culturais.
 Consiste em entender que as diferentes culturas
existentes são diferentes formas que o ser humano
encontrou para se adaptar ao mundo. Todas as
culturas são, nesta perspectiva, aceitáveis. Trata-se
de compreender que o que nos parece normal pode
parecer estranho a outras pessoas, noutra cultura,
isto é, relativizar tanto quanto possível o nosso ponto
de vista e as nossas referências.
 Crítica:
 Aparentemente coloca-se como uma atitude
positiva ao apelar à tolerância face às expressões
culturais das outras comunidades.
 Não incentiva a abertura aos modelos das outras
comunidades, ao incluir o pressuposto de que cada
cultura deve promover os seus próprios valores.
 Conduz ao isolamento, à estagnação.
 Exemplos: a culinária e o vestuário adoptado pelas
diversas culturas estão intimamente relacionados com
o clima e a situação geográfica da comunidade. Muitos
costumes que temos são puramente convencionais ou
simbólicos, pelo que não é de estranhar que outras
culturas tenham adoptado costumes diferentes relativos
às mesmas práticas (ex. do luto, das cerimónias de
casamento).
 Consequências: Conhecer outras culturas e tentar
compreendê-las relativizando a nossa própria referência
cultural:
 Relativismo cultural implica compreender que os
hábitos alimentares, o vestuário, as cerimónias de
casamento, os funerais, os ideais de beleza, etc, variam
de sociedade para sociedade.
 Respeita todas as Culturas, defendendo a igualdade entre
todas elas, e assenta nos seguintes objectivos:
1. Compreender a natureza pluralista da sociedade/mundo.
2. Compreender a complexidade e riqueza da relação entre as
diferentes Culturas.
3. Colaborar na procura de respostas para os problemas
mundiais (sociais, económicos, políticos, ecológicos…)
4. Promover o diálogo entre Culturas.
5. Salvaguardar valores partilhados: os direitos humanos, a
tolerância activa, a promoção do diálogo, o respeito pela
diferença cultural, liberdade, igualdade, solidariedade...
Diálogo
COEXISTÊNCIA
Rejeição
Rejeição
Rejeição
A variedade cultural resulta de uma
característica tipicamente humana.
O ser humano é biologicamente
inacabado, um ser dotado de um programa
genético aberto e deixa espaço para a
aprendizagem.
A variedade foi também favorecida pela
falta de contacto em que os seres humanos
viveram durante muitos séculos.
Convenção para protecção e
promoção da diversidade
cultural
Comente o artigo 2, ponto 1 e ponto 3:
“1. Princípio do respeito pelos direitos
humanos e pelas liberdades
fundamentais
A diversidade cultural só pode ser protegida e
promovida se estiverem assegurados os
direitos humanos e as liberdades
fundamentais, como a liberdade de
expressão, de informação e de comunicação
ou a possibilidade de os indivíduos
escolherem as suas expressões culturais.”
“3. Princípio da igual dignidade de
todas as culturas e do respeito
pelas mesmas
A protecção e a promoção da diversidade
das expressões culturais implicam o
reconhecimento da igual dignidade de
todas as culturas, incluindo as das
pessoas pertencentes a minorias e as
dos povos autóctones, e do respeito
pelas mesmas.”
 Cada um de nós é influenciado por:
 Factores biológicos  identidade específica
 Factores sócio-culturais  identidade cultural
 História de vida; experiências de vida que nos
tornam únicos  identidade pessoal
 A identidade específica e cultural, mas também a
história pessoal – diálogo entre o que se é, o que
acontece e o que se experiencia
IDENTIDADE PESSOAL
 ENTRE A NOSSA SINGULARIDADE E OS
CONTEXTOS BIO-CULTURAIS
 Cada experiência é vivida de forma diferente,
de acordo com os significados que lhe
atribuímos
 uma síntese complexa entre os factores
biológicos, sociais, culturais
 a história do modo como vivemos, interpretamos e
interiorizamos as experiências que marcam o
nosso desenvolvimento
 Algo de dinâmico somos um ser em constante
auto-organização, à medida das experiências que
vamos vivendo
 Dar um sentido ao que somos, com coerência,
continuidade
 Adaptarmo-nos de forma activa e autónoma ao
meio
 Que continuemos a ser as mesmas pessoas
para nós e para os outros
 Que nos auto-organizemos em função das
novas experiências que vamos vivendo
 No modo como nos encaramos a nós próprios.
 No modo como nos relacionamos com os
outros
 No modo como encaramos os diversos
acontecimentos, as ocorrências, os acasos da vida
 No modo como superamos desafios, contratempos
 No significado que atribuímos às
coisas
 Na forma como representamos as
nossas experiências
Numa forma única de ser e de estar no
mundo, na vida
Numa forma única de ser e de estar no
mundo, na vida
Cultura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanosMulticulturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
Wilson Melo
 
A cultura e a sociedade
A cultura e a sociedadeA cultura e a sociedade
A cultura e a sociedade
Danusy Déia
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia
Erica Frau
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
Edenilson Morais
 
Identidade, igualdade e diferença
Identidade, igualdade e diferençaIdentidade, igualdade e diferença
Identidade, igualdade e diferença
Claudio Henrique Ramos Sales
 
racismo
racismoracismo
Identidade Cultural.ppt
Identidade Cultural.pptIdentidade Cultural.ppt
Identidade Cultural.ppt
Nertan Dias
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
DRamoa
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
Ex Votos Do Brasil
 
Industria cultural
Industria culturalIndustria cultural
Industria cultural
pacobr
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
Prof. Noe Assunção
 
Sociedade do espetáculo
Sociedade do espetáculoSociedade do espetáculo
Sociedade do espetáculo
Laércio Góes
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
ProfMario De Mori
 
Relativismo moral breve apresentação
Relativismo moral   breve apresentaçãoRelativismo moral   breve apresentação
Relativismo moral breve apresentação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Cultura
CulturaCultura
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
mikto
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 

Mais procurados (20)

Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanosMulticulturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
 
A cultura e a sociedade
A cultura e a sociedadeA cultura e a sociedade
A cultura e a sociedade
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Identidade, igualdade e diferença
Identidade, igualdade e diferençaIdentidade, igualdade e diferença
Identidade, igualdade e diferença
 
racismo
racismoracismo
racismo
 
Identidade Cultural.ppt
Identidade Cultural.pptIdentidade Cultural.ppt
Identidade Cultural.ppt
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
 
Industria cultural
Industria culturalIndustria cultural
Industria cultural
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
 
Sociedade do espetáculo
Sociedade do espetáculoSociedade do espetáculo
Sociedade do espetáculo
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Relativismo moral breve apresentação
Relativismo moral   breve apresentaçãoRelativismo moral   breve apresentação
Relativismo moral breve apresentação
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 

Semelhante a Cultura

3 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp013 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp01
Joelson Nascimento
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
RubensMartins36
 
Identidade cultural fap
Identidade cultural  fapIdentidade cultural  fap
Identidade cultural fap
SONIAPASSOS7
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
Maira Conde
 
Sociologia civ i
Sociologia civ   iSociologia civ   i
Sociologia civ i
DiedNuenf
 
Cultura
CulturaCultura
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
Marcos Barros de Miranda
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfO Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
Luziane Santos
 
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
FabioAbagabir1
 
CULTURA.ppt
CULTURA.pptCULTURA.ppt
CULTURA.ppt
JosWilliam14
 
Cultura
CulturaCultura
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e SociedadetxSociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
marioaraujorosas1
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Cultura e a dimensão axiológica da convivência
Cultura e a dimensão axiológica da convivência Cultura e a dimensão axiológica da convivência
Cultura e a dimensão axiológica da convivência
Isaque Tomé
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jornal Ovale
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Texto val. e cultura
Texto val. e culturaTexto val. e cultura
Texto val. e cultura
Filipe Prado
 

Semelhante a Cultura (20)

3 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp013 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp01
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
 
Identidade cultural fap
Identidade cultural  fapIdentidade cultural  fap
Identidade cultural fap
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
 
Sociologia civ i
Sociologia civ   iSociologia civ   i
Sociologia civ i
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfO Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
 
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
 
CULTURA.ppt
CULTURA.pptCULTURA.ppt
CULTURA.ppt
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e SociedadetxSociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
 
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Cultura e a dimensão axiológica da convivência
Cultura e a dimensão axiológica da convivência Cultura e a dimensão axiológica da convivência
Cultura e a dimensão axiológica da convivência
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
 
Texto val. e cultura
Texto val. e culturaTexto val. e cultura
Texto val. e cultura
 

Mais de Silvia Revez

Freud
FreudFreud
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
Silvia Revez
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4
Silvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
Silvia Revez
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011
Silvia Revez
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3
Silvia Revez
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somático
Silvia Revez
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
Silvia Revez
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
Silvia Revez
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 

Mais de Silvia Revez (20)

Freud
FreudFreud
Freud
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somático
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 

Cultura

  • 1.
  • 2.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Os casos que se conhecem de crianças selvagens revestem-se de grande interesse científico. Elas constituem uma espécie de grau zero do desenvolvimento humano, ensinam-nos o que seríamos sem os outros, mostram de forma abrupta a fragilidade da nossa animalidade, revelam a raíz precária da nossa vida humana. Para mais informações devem consultar: www.feralchildren.com    
  • 10.
  • 11. O ser humano é um ser biologicamente social
  • 12. Está na nossa biologia a capacidade para continuamente transformarmos o mundo, de modo a nos adaptarmos, a satisfazermos as nossas necessidades, a vivermos melhor.
  • 13. Para além da definição de Edward Tylor, considerado o pai do conceito moderno de cultura. (ver página 90 do manual) apresenta-se a de Mischa Titiev ( professor na Universidade de Michigan) “ a série completa de instrumentos não geneticamente adquiridos pelo ser humano, assim como todas as facetas do comportamento adquiridas após o nascimento.”
  • 14. Um sistema que tanto nos seus aspectos simbólicos como materiais constitui o ambiente de protecção do indivíduo na sua relação com o mundo, sendo capaz de se transformar e de o transformar. É a forma como o ser humano se adapta ao meio, o modo como o transforma e o transmite às gerações seguintes, ela distingue o homem dos outros animais.
  • 15.
  • 16.
  • 17.  Crenças  Teorias  Construções  Objectos  Valores  Leis  Normas  Artes  Costumes
  • 18.
  • 19. O impacto da cultura faz-se sentir desde o útero materno até à morte do indivíduo. Somos produto e produtores de cultura
  • 20. Forma colectiva e específica de conduta cultural que uma sociedade estabelece como ideal; visa a normalização do comportamento dos indivíduos de uma dada sociedade, possibilitando a satisfação das suas necessidades, mas também a previsibilidade dos comportamentos dos seus membros.
  • 21. Processo pelo qual, ao longo de toda a vida, o ser humano aprende e interioriza os diversos elementos da cultura envolvente, integrando-se assim num meio social e cultural específico.
  • 22. PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Ocorre durante a infância Acompanha toda a E permite a aquisição de vida adulta e designa De um conjunto de ajustamentos do in- “saberes básicos” divíduo em função de alterações significati- vas do meio social.
  • 23.  Não é algo de estático, fixo, mas é…  Dinâmica,  construída  É universal, porque todas as sociedades têm uma cultura  É aprendida; é transmitida de geração em geração: o homem é um ser biológico, é a aprendizagem da cultura, a formação do seu carácter sócio-cultural que o torna realmente humano.  É partilhada pelos membros de uma mesma sociedade.  É geral, porque todos os homens que nascem no seio de comunidades a aprendem.
  • 24. É relativa Varia no tempo e no espaço. Assim, dizemos que existem culturas. DIVERSIDADE CULTURALDIVERSIDADE CULTURAL
  • 25. O que é a diversidade cultural?
  • 26.  Diferentes culturas  Diferentes modos de vida  Diferentes juízos de valor
  • 27.  Quando pensamos sobre as diversas comunidades humanas, aquilo que ressalta é a sua diversidade cultural:  Hábitos, costumes, comportamentos diversos  Diferentes formas de pensar, de agir, de dar sentido à vida  Diferentes valores
  • 28.
  • 29. Os Judeus «É sabido que os judeus são o grupo mais diabólico da criação divina, o de pior natureza, e aquele que mais profundas raízes tem na infidelidade e maldição. Eles são os indivíduos mais mal intencionados da espécie humana (...). Quando conseguem ficar a sós com alguém, eles trazem a destruição, eles introduzem por truques uma droga espantosa na sua comida, e depois matam- no.» Autisemitism, Ann Frank Foundation
  • 30.  Consiste em entender/olhar para as outras culturas, tendo a nossa como ponto de referência.
  • 31.  Consequência: a nossa cultura é sempre valorizada e há uma estranheza face à cultura alheia, que é inevitavelmente desvalorizada.  Uma atitude deste tipo pode conduzir-nos a atitudes de racismo (afirmação da superioridade da nossa raça em relação às outras) ou xenofobia (antipatia perante quem é estrangeiro, ou seja, não pertence à nossa sociedade/cultura).  O facto de considerarmos a nossa cultura e os nossos valores superiores, pode levar-nos a querer impor os nossos padrões culturais.
  • 32.
  • 33.  Consiste em entender que as diferentes culturas existentes são diferentes formas que o ser humano encontrou para se adaptar ao mundo. Todas as culturas são, nesta perspectiva, aceitáveis. Trata-se de compreender que o que nos parece normal pode parecer estranho a outras pessoas, noutra cultura, isto é, relativizar tanto quanto possível o nosso ponto de vista e as nossas referências.
  • 34.  Crítica:  Aparentemente coloca-se como uma atitude positiva ao apelar à tolerância face às expressões culturais das outras comunidades.  Não incentiva a abertura aos modelos das outras comunidades, ao incluir o pressuposto de que cada cultura deve promover os seus próprios valores.  Conduz ao isolamento, à estagnação.
  • 35.  Exemplos: a culinária e o vestuário adoptado pelas diversas culturas estão intimamente relacionados com o clima e a situação geográfica da comunidade. Muitos costumes que temos são puramente convencionais ou simbólicos, pelo que não é de estranhar que outras culturas tenham adoptado costumes diferentes relativos às mesmas práticas (ex. do luto, das cerimónias de casamento).  Consequências: Conhecer outras culturas e tentar compreendê-las relativizando a nossa própria referência cultural:  Relativismo cultural implica compreender que os hábitos alimentares, o vestuário, as cerimónias de casamento, os funerais, os ideais de beleza, etc, variam de sociedade para sociedade.
  • 36.
  • 37.  Respeita todas as Culturas, defendendo a igualdade entre todas elas, e assenta nos seguintes objectivos: 1. Compreender a natureza pluralista da sociedade/mundo. 2. Compreender a complexidade e riqueza da relação entre as diferentes Culturas. 3. Colaborar na procura de respostas para os problemas mundiais (sociais, económicos, políticos, ecológicos…) 4. Promover o diálogo entre Culturas. 5. Salvaguardar valores partilhados: os direitos humanos, a tolerância activa, a promoção do diálogo, o respeito pela diferença cultural, liberdade, igualdade, solidariedade...
  • 38.
  • 42. A variedade cultural resulta de uma característica tipicamente humana. O ser humano é biologicamente inacabado, um ser dotado de um programa genético aberto e deixa espaço para a aprendizagem. A variedade foi também favorecida pela falta de contacto em que os seres humanos viveram durante muitos séculos.
  • 43. Convenção para protecção e promoção da diversidade cultural
  • 44. Comente o artigo 2, ponto 1 e ponto 3: “1. Princípio do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais A diversidade cultural só pode ser protegida e promovida se estiverem assegurados os direitos humanos e as liberdades fundamentais, como a liberdade de expressão, de informação e de comunicação ou a possibilidade de os indivíduos escolherem as suas expressões culturais.”
  • 45. “3. Princípio da igual dignidade de todas as culturas e do respeito pelas mesmas A protecção e a promoção da diversidade das expressões culturais implicam o reconhecimento da igual dignidade de todas as culturas, incluindo as das pessoas pertencentes a minorias e as dos povos autóctones, e do respeito pelas mesmas.”
  • 46.  Cada um de nós é influenciado por:  Factores biológicos  identidade específica  Factores sócio-culturais  identidade cultural  História de vida; experiências de vida que nos tornam únicos  identidade pessoal
  • 47.  A identidade específica e cultural, mas também a história pessoal – diálogo entre o que se é, o que acontece e o que se experiencia IDENTIDADE PESSOAL
  • 48.  ENTRE A NOSSA SINGULARIDADE E OS CONTEXTOS BIO-CULTURAIS  Cada experiência é vivida de forma diferente, de acordo com os significados que lhe atribuímos
  • 49.  uma síntese complexa entre os factores biológicos, sociais, culturais  a história do modo como vivemos, interpretamos e interiorizamos as experiências que marcam o nosso desenvolvimento  Algo de dinâmico somos um ser em constante auto-organização, à medida das experiências que vamos vivendo
  • 50.  Dar um sentido ao que somos, com coerência, continuidade  Adaptarmo-nos de forma activa e autónoma ao meio  Que continuemos a ser as mesmas pessoas para nós e para os outros  Que nos auto-organizemos em função das novas experiências que vamos vivendo
  • 51.  No modo como nos encaramos a nós próprios.
  • 52.  No modo como nos relacionamos com os outros
  • 53.  No modo como encaramos os diversos acontecimentos, as ocorrências, os acasos da vida  No modo como superamos desafios, contratempos
  • 54.  No significado que atribuímos às coisas  Na forma como representamos as nossas experiências
  • 55. Numa forma única de ser e de estar no mundo, na vida
  • 56. Numa forma única de ser e de estar no mundo, na vida