SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade

6

Cultura e ideologia
É comum dizer que um indivíduo
é culto porque fala vários idiomas. Há quem
afirme que a cultura de um povo é mais
sofisticada e complexa que a de outro. Esse tipo
de avaliação, baseada no senso comum,
comporta elementos ideológicos.
Afinal, o que significam “cultura” e “ideologia”,
termos tão usados em nosso cotidiano?
Os significados de cultura

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

O francês Félix Guattari (1930-1992) reuniu o significado
de cultura em três grupos:
Cultura-valor  aparece na ideia de “cultivar o espírito”.
Define um julgamento de valor sobre quem tem ou não
cultura.
Cultura-alma coletiva 
sinônimo de “civilização”.
Todas as pessoas, grupos
e povos têm cultura e
identidade cultural.

Marcos André/Opção Brasil Imagens

Cavalhada em Pirenópolis, Goiás, em 2003:
cultura como marca de identidade.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

20th Century/Divulgação

Cultura-mercadoria  é a “cultura de massa”.
Compreende bens ou equipamentos culturais
(como cinemas, bibliotecas e aqueles que trabalham
nesses estabelecimentos), além dos
conteúdos teóricos e ideológicos de produtos (como
filmes,
discos e livros) que estão
disponíveis no mercado.

Cena do filme Cruzada,
sucesso de bilheteria, dirigido
por Ridley Scott (2005).
Cultura como mercadoria.
Cultura segundo a Antropologia

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

ksto
Thin

ck /

ag
y Im
Gett

que as diferenças entre grupos e
sociedades humanas eram
culturais, e não biológicas.
A visão dele era particularista.

es

Para o antropólogo inglês Edward B.
Tylor, cultura é o conjunto de
conhecimentos, crenças, arte, moral,
direito, costumes e hábitos de uma
sociedade. Trata-se de uma visão
universalista. Boas demonstrou
O alemão Franz
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Para o inglês Bronislaw Malinovsky, as culturas seriam
sistemas funcionais e equilibrados, formados por
elementos interdependentes. Sendo interdependentes,
esses elementos não poderiam ser examinados
isoladamente.
As estadunidenses Ruth Benedict e Margareth Mead
procuraram investigar as relações entre cultura e
personalidade.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Ruth Benedict desenvolveu o conceito de padrão cultural
e identificou dois tipos culturais extremos:

Im
ag
es

ages

Ge
tty

dionisíaco  reúne
os ambiciosos, agressivos
e individualistas.

Thin

Im
etty
c k/ G
ksto

Th
ink
sto
c k/

apolínico  representado por
indivíduos conformistas,
tranquilos, solidários,
respeitadores e
comedidos;
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

WernerForman/Corbis/Latin Stock

Margareth Mead investigou o modo como os indivíduos
recebiam os elementos de sua cultura e como isso
formava sua personalidade.

Tampão de flauta usada em cerimônia dos
Mundugumor, povo da Nova Guiné estudado
por Margareth Mead. Datação da peça não
identificada.

Com base em seus estudos,
a antropóloga concluiu que a
diferença das personalidades
não está vinculada a
características biológicas, como o
sexo, mas à maneira como em cada
sociedade a cultura define a
educação das crianças.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Para o belga Claude Lévi-Strauss (1908-2009), a cultura
é um conjunto de sistemas simbólicos, entre os quais se
incluem a linguagem, as regras matrimoniais, a arte, a
ciência, a religião e as normas econômicas.
Thinkstock/Getty Images

Lévi-Strauss analisou o que era
comum e constante em todas as
sociedades – as regras universais
e os elementos indispensáveis
para a vida social. Demonstrou
que os elementos essenciais da maioria dos mitos se
encontravam em todas as sociedades ditas primitivas.
Convivência com a diferença: o etnocentrismo

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Os seres humanos tendem a tomar seu grupo ou
sociedade como medida para avaliar as demais.
Cada grupo ou sociedade considera-se superior
e olha com desprezo os outros, tidos como
estranhos ou estrangeiros.
Na Antiguidade, os romanos
chamavam de bárbaros os que não
eram de sua cultura.
Para os europeus do
Renascimento,
os povos da América eram
selvagens.

Fundação Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro

“Exotismo” para consumo europeu: índios Umauá, na Amazônia, fotografados em 1865
por Albert Frisch. Imagens como essa foram reproduzidas às centenas no século XIX.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

O etnocentrismo, termo utilizado para designar essa
tendência, gera intolerância e preconceito – cultural,
religioso, étnico e político.
Em nossos dias ele se manifesta, por exemplo, na
ideologia racista da supremacia do branco sobre o
negro ou de uma etnia sobre as outras.
Manifesta-se, também, na ideia de que a cultura
ocidental é superior, e os povos de outras culturas
devem assumi-la, modificando suas crenças, normas
e valores.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições
Trocas culturais e culturas híbridas

O pensador argentino Néstor García Canclini observou
que, até o século XIX, as relações culturais ocorriam
entre grupos próximos, familiares e vizinhos, com
poucos contatos externos.
No início do século XX, a possibilidade de trocas
culturais aumentou com o desenvolvimento dos
transportes e dos meios de comunicação.
Culturas locais se mesclam a expressões
culturais, principalmente dos Estados
Unidos e de alguns países europeus,
formando uma imensa cultura mundial.
As expressões de grupos ou de regiões
coexistem com essas culturas híbridas.

JBC

Hoje, as tecnologias de comunicação
permitem que as trocas culturais sejam
feitas em tal quantidade que não se
sabe mais a origem delas.

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Capa do mangá japonês Inu-Yasha,
lançado no Brasil em 2002. No
mundo globalizado, os produtos
culturais circulam sem fronteiras.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Para o sociólogo holandês Joost
Smiers, é importante preservar
as formas particulares, grupais,
regionais ou nacionais para que
se alcance uma democracia
cultural de fato.

Thinkstock/Getty Images

Para ele, o obstáculo a vencer
é a dominação cultural.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições
Cultura erudita e cultura popular

Thinkstock/Getty Images

A separação entre cultura popular
e cultura erudita está relacionada
à divisão da sociedade em
classes.
De acordo com essa classificação,
há uma cultura dos segmentos
populares e outra identificada
com as elites.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Acervo Museu Villa-Lobos

A cultura erudita abrangeria expressões artísticas
como a música clássica de padrão europeu, as artes
plásticas, o teatro e a literatura de cunho universal.
Como qualquer mercadoria,
alguns desses produtos
culturais podem ser
comprados e até deixados
de herança como
bens físicos.
O maestro Heitor Villa-Lobos rege a orquestra da Rádio Gazeta
em São Paulo, em 1957.
Marcelo Min/Agência Fotogarrafa

A cultura popular encontra expressão nos mitos
e contos, na dança, na música e no artesanato.
Inclui expressões surgidas nos meios urbano e
rural. Demonstra haver constante criação e
recriação no universo cultural de base popular.

Show do grupo Racionais MC’s
em São Paulo, 2003.

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

A palavra cultura vem do latim e designa “o ato de
cultivar a terra”. Está, assim, vinculada ao ato de
trabalhar, a uma ação determinada. Nesses termos,
todos têm acesso à cultura, pois todos podem
trabalhar.
Se alguém compra um livro, um disco ou um quadro,
vai ao teatro ou ao cinema, adquire, mas não produz
cultura. Isso caracteriza o consumo de uma mercadoria
como qualquer outra. Não ter acesso a esses bens, não
significa, portanto, não ter cultura.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Thinkstock/Getty Images

Para o pensador brasileiro Alfredo Bosi, a cultura é alguma
coisa que se faz, e não apenas um produto que se adquire.
Quando afirmamos que ter cultura significa ser superior e
não ter cultura significa ser inferior, utilizamos a condição
de posse de cultura
como elemento de
diferenciação social
e imposição de uma
superioridade que não
existe. Isso é ideologia.
A ideologia, suas origens e perspectivas

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

University of Oklahoma Libraries

O conceito de ideologia é moderno.
Antes da Idade Moderna, a realidade
era explicada pelos mitos ou pelo
pensamento religioso.
O termo ideologia foi inicialmente
utilizado pelo francês Destutt de
Tracy (1754-1836) como “ciência da
gênese das ideias”.
Em 1822, a palavra foi utilizada por
Frontispício de Instauratio magna, de
Francis Bacon. A publicação de 1620 incluía
Napoleão Bonaparte com o sentido
estudo que expressou umas das primeiras
ideias sobre ideologia.
de “ideia falsa” ou “ilusão”.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Augusto Comte retomou o sentido de ideologia usado
por Tracy, acrescentando outro – o de conjunto de
ideias de determinada época.
Para Karl Marx, a ideologia é um sistema elaborado de
representações e de ideias que correspondem a formas
de consciência que os homens têm em determinada
época. De acordo com ele, as ideias dominantes em
qualquer época são sempre as de quem domina a vida
material e, portanto, a vida intelectual.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Segundo Émile Durkheim, o cientista deve deixar de
lado as noções pré-científicas e as ideias subjetivas. São
essas noções e ideias que ele entende por ideologia, ou
seja, o contrário de ciência.
De acordo com Karl Mannheim , as ideologias são
sempre conservadoras, pois expressam o pensamento
das classes dominantes, que visam à estabilização da
ordem. Em oposição, utopia é o pensamento das
classes oprimidas, que buscam a transformação social.
A ideologia no cotidiano

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Editora Abril

Nas relações entre as pessoas, uma série de elementos
ideológicos se manifestam por meio de ações, palavras
e sentimentos.
No capitalismo, a ideologia se
expressa, por exemplo, no discurso
que procura ocultar as contradições
existentes na sociedade. Baseado
em categorias genéricas, esse
discurso transmite uma ideia de
uniformidade.
Felicidade: fórmula prometida em
chamada de revista (2006). A celebração
da felicidade obscurece as dificuldades
que cada um enfrenta em seu cotidiano.
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

A crença na verdade inquestionável do conhecimento
científico talvez seja a maior de todas as expressões
ideológicas presentes em nosso cotidiano. Da busca
do sentido da vida às possibilidades de sucesso, a
ciência seria a grande solução para todos os
problemas, males e enigmas.
No entanto, o pensamento científico se distancia da
ideia de verdade absoluta. Ele é histórico e tem validade
temporária, sendo a dúvida seu maior valor.
Exercícios

18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

1. Leia o texto abaixo e, com base no que você estudou,
responda às perguntas formuladas pelo autor.
No mundo globalizado em que vivemos,
tendo nosso cotidiano invadido por situações e
informações provenientes dos mais diversos lugares, é
possível afirmar que haja uma cultura “pura”? Até que
ponto chegou o processo de mundialização da cultura?
Nelson Dacio Tomazi
18

Capítulo

Dois conceitos e suas definições

Bruno Miranda/Folha Imagem

Dado Galdieri/Folha Imagem

2. Observe as imagens e discuta com os colegas a
seguinte questão: existe uma juventude, como prefere o
discurso ideológico, ou jovens em situações diversas?

O jovem fotografado em canavial no interior de
São Paulo, em 2000, precisa cortar 300 metros de
cana-de-açúcar por dia. Não sobra tempo para
estudar, ao contrário da vestibulanda
fotografada na capital paulista, que pôde se
dedicar aos estudos e procura seu nome na lista
de aprovados da Unesp, em 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
Paula Meyer Piagentini
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
Escola Estadual Alonso de Morais Andrade
 
Movimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na AtualidadeMovimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na Atualidade
Brenda Grazielle
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
José Ferreira Júnior
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
Ex Votos Do Brasil
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
Alexandre Ramos
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Prof. Noe Assunção
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
roberto mosca junior
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
Bruno Barbosa
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Beatriz cerqueira frança
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
roberto mosca junior
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
progerio81
 

Mais procurados (20)

Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
 
Movimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na AtualidadeMovimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na Atualidade
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 

Semelhante a Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia

Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
pascoalnaib
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Silvana
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Silvana
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Péricles Penuel
 
3º ano cultura - ii período
3º ano   cultura - ii período3º ano   cultura - ii período
3º ano cultura - ii período
Socorro Vasconcelos
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
aulasgege
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
WillianVieira54
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Socorro Vasconcelos
 
Aula diversidade diferença identidade
Aula diversidade diferença identidadeAula diversidade diferença identidade
Aula diversidade diferença identidade
Otavio ciências humanas
 
Jornalismocultural fabiogomes
Jornalismocultural fabiogomesJornalismocultural fabiogomes
Jornalismocultural fabiogomes
Natália Faria
 
Oficina: Jornalismo cultural
Oficina: Jornalismo culturalOficina: Jornalismo cultural
Oficina: Jornalismo cultural
Andréa Karinne Albuquerque Maia
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Aline Corso
 
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIACULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
Dennis De Oliveira Sinnedos
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
Elisio Estanque
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
EDUARDOSOARESGUIA1
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
CBD0282 - Estados e Formas da Cultura na Atualidade
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 

Semelhante a Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia (20)

Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 18 do Tomazi
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
3º ano cultura - ii período
3º ano   cultura - ii período3º ano   cultura - ii período
3º ano cultura - ii período
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
 
Aula diversidade diferença identidade
Aula diversidade diferença identidadeAula diversidade diferença identidade
Aula diversidade diferença identidade
 
Jornalismocultural fabiogomes
Jornalismocultural fabiogomesJornalismocultural fabiogomes
Jornalismocultural fabiogomes
 
Oficina: Jornalismo cultural
Oficina: Jornalismo culturalOficina: Jornalismo cultural
Oficina: Jornalismo cultural
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
 
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIACULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 

Mais de Miro Santos

Prova de sociologia - concurso
Prova de sociologia - concursoProva de sociologia - concurso
Prova de sociologia - concurso
Miro Santos
 
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Sociologia  EJA CULTURA_aula_1Sociologia  EJA CULTURA_aula_1
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Miro Santos
 
Pesquisa em sociologia II
Pesquisa em sociologia IIPesquisa em sociologia II
Pesquisa em sociologia II
Miro Santos
 
Pesquisa em sociologia
Pesquisa em sociologiaPesquisa em sociologia
Pesquisa em sociologia
Miro Santos
 
Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.
Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.
Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.
Miro Santos
 
Projeto de vida 1
Projeto de vida 1Projeto de vida 1
Projeto de vida 1
Miro Santos
 
Simulado Ciências Humanas Enem
Simulado Ciências Humanas EnemSimulado Ciências Humanas Enem
Simulado Ciências Humanas Enem
Miro Santos
 
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Miro Santos
 
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Miro Santos
 
Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1
Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1
Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1
Miro Santos
 
Conteúdo 3 ano 2 bim filosofia
Conteúdo 3 ano 2 bim filosofiaConteúdo 3 ano 2 bim filosofia
Conteúdo 3 ano 2 bim filosofia
Miro Santos
 
Conteúdo 2° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 2° ano 2° bim FilosofiaConteúdo 2° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 2° ano 2° bim Filosofia
Miro Santos
 
Conteúdo 1° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 1° ano 2° bim FilosofiaConteúdo 1° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 1° ano 2° bim Filosofia
Miro Santos
 
Sociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no Brasil
Sociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no BrasilSociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no Brasil
Sociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no Brasil
Miro Santos
 
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Miro Santos
 
Sociologia 2º Estado e Poder
Sociologia 2º Estado e PoderSociologia 2º Estado e Poder
Sociologia 2º Estado e Poder
Miro Santos
 
Sociologia 1 °Iinstituições Sociais
Sociologia 1 °Iinstituições Sociais Sociologia 1 °Iinstituições Sociais
Sociologia 1 °Iinstituições Sociais
Miro Santos
 
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no BrasilSociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Miro Santos
 
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no BrasilSociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Miro Santos
 
Sociologia Capítulo 14- Direitos e cidadania
Sociologia Capítulo 14- Direitos e cidadaniaSociologia Capítulo 14- Direitos e cidadania
Sociologia Capítulo 14- Direitos e cidadania
Miro Santos
 

Mais de Miro Santos (20)

Prova de sociologia - concurso
Prova de sociologia - concursoProva de sociologia - concurso
Prova de sociologia - concurso
 
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Sociologia  EJA CULTURA_aula_1Sociologia  EJA CULTURA_aula_1
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
 
Pesquisa em sociologia II
Pesquisa em sociologia IIPesquisa em sociologia II
Pesquisa em sociologia II
 
Pesquisa em sociologia
Pesquisa em sociologiaPesquisa em sociologia
Pesquisa em sociologia
 
Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.
Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.
Cap 1_Sociologia em Movimento - Formas de conhecimento.
 
Projeto de vida 1
Projeto de vida 1Projeto de vida 1
Projeto de vida 1
 
Simulado Ciências Humanas Enem
Simulado Ciências Humanas EnemSimulado Ciências Humanas Enem
Simulado Ciências Humanas Enem
 
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
 
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
 
Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1
Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1
Filosofia 2º ano_ativ_reflexao_1
 
Conteúdo 3 ano 2 bim filosofia
Conteúdo 3 ano 2 bim filosofiaConteúdo 3 ano 2 bim filosofia
Conteúdo 3 ano 2 bim filosofia
 
Conteúdo 2° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 2° ano 2° bim FilosofiaConteúdo 2° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 2° ano 2° bim Filosofia
 
Conteúdo 1° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 1° ano 2° bim FilosofiaConteúdo 1° ano 2° bim Filosofia
Conteúdo 1° ano 2° bim Filosofia
 
Sociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no Brasil
Sociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no BrasilSociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no Brasil
Sociologia Capítulo 20 - Cultura e Indústria Cultural no Brasil
 
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 19 - Mesclando Cultura e Ideologia
 
Sociologia 2º Estado e Poder
Sociologia 2º Estado e PoderSociologia 2º Estado e Poder
Sociologia 2º Estado e Poder
 
Sociologia 1 °Iinstituições Sociais
Sociologia 1 °Iinstituições Sociais Sociologia 1 °Iinstituições Sociais
Sociologia 1 °Iinstituições Sociais
 
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no BrasilSociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
Sociologia Capítulo 17-os movimentos sociais no Brasil
 
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no BrasilSociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
 
Sociologia Capítulo 14- Direitos e cidadania
Sociologia Capítulo 14- Direitos e cidadaniaSociologia Capítulo 14- Direitos e cidadania
Sociologia Capítulo 14- Direitos e cidadania
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia

  • 1. Unidade 6 Cultura e ideologia É comum dizer que um indivíduo é culto porque fala vários idiomas. Há quem afirme que a cultura de um povo é mais sofisticada e complexa que a de outro. Esse tipo de avaliação, baseada no senso comum, comporta elementos ideológicos. Afinal, o que significam “cultura” e “ideologia”, termos tão usados em nosso cotidiano?
  • 2. Os significados de cultura 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições O francês Félix Guattari (1930-1992) reuniu o significado de cultura em três grupos: Cultura-valor  aparece na ideia de “cultivar o espírito”. Define um julgamento de valor sobre quem tem ou não cultura. Cultura-alma coletiva  sinônimo de “civilização”. Todas as pessoas, grupos e povos têm cultura e identidade cultural. Marcos André/Opção Brasil Imagens Cavalhada em Pirenópolis, Goiás, em 2003: cultura como marca de identidade.
  • 3. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições 20th Century/Divulgação Cultura-mercadoria  é a “cultura de massa”. Compreende bens ou equipamentos culturais (como cinemas, bibliotecas e aqueles que trabalham nesses estabelecimentos), além dos conteúdos teóricos e ideológicos de produtos (como filmes, discos e livros) que estão disponíveis no mercado. Cena do filme Cruzada, sucesso de bilheteria, dirigido por Ridley Scott (2005). Cultura como mercadoria.
  • 4. Cultura segundo a Antropologia 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições ksto Thin ck / ag y Im Gett que as diferenças entre grupos e sociedades humanas eram culturais, e não biológicas. A visão dele era particularista. es Para o antropólogo inglês Edward B. Tylor, cultura é o conjunto de conhecimentos, crenças, arte, moral, direito, costumes e hábitos de uma sociedade. Trata-se de uma visão universalista. Boas demonstrou O alemão Franz
  • 5. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Para o inglês Bronislaw Malinovsky, as culturas seriam sistemas funcionais e equilibrados, formados por elementos interdependentes. Sendo interdependentes, esses elementos não poderiam ser examinados isoladamente. As estadunidenses Ruth Benedict e Margareth Mead procuraram investigar as relações entre cultura e personalidade.
  • 6. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Ruth Benedict desenvolveu o conceito de padrão cultural e identificou dois tipos culturais extremos: Im ag es ages Ge tty dionisíaco  reúne os ambiciosos, agressivos e individualistas. Thin Im etty c k/ G ksto Th ink sto c k/ apolínico  representado por indivíduos conformistas, tranquilos, solidários, respeitadores e comedidos;
  • 7. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições WernerForman/Corbis/Latin Stock Margareth Mead investigou o modo como os indivíduos recebiam os elementos de sua cultura e como isso formava sua personalidade. Tampão de flauta usada em cerimônia dos Mundugumor, povo da Nova Guiné estudado por Margareth Mead. Datação da peça não identificada. Com base em seus estudos, a antropóloga concluiu que a diferença das personalidades não está vinculada a características biológicas, como o sexo, mas à maneira como em cada sociedade a cultura define a educação das crianças.
  • 8. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Para o belga Claude Lévi-Strauss (1908-2009), a cultura é um conjunto de sistemas simbólicos, entre os quais se incluem a linguagem, as regras matrimoniais, a arte, a ciência, a religião e as normas econômicas. Thinkstock/Getty Images Lévi-Strauss analisou o que era comum e constante em todas as sociedades – as regras universais e os elementos indispensáveis para a vida social. Demonstrou que os elementos essenciais da maioria dos mitos se encontravam em todas as sociedades ditas primitivas.
  • 9. Convivência com a diferença: o etnocentrismo 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Os seres humanos tendem a tomar seu grupo ou sociedade como medida para avaliar as demais. Cada grupo ou sociedade considera-se superior e olha com desprezo os outros, tidos como estranhos ou estrangeiros. Na Antiguidade, os romanos chamavam de bárbaros os que não eram de sua cultura. Para os europeus do Renascimento, os povos da América eram selvagens. Fundação Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro “Exotismo” para consumo europeu: índios Umauá, na Amazônia, fotografados em 1865 por Albert Frisch. Imagens como essa foram reproduzidas às centenas no século XIX.
  • 10. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições O etnocentrismo, termo utilizado para designar essa tendência, gera intolerância e preconceito – cultural, religioso, étnico e político. Em nossos dias ele se manifesta, por exemplo, na ideologia racista da supremacia do branco sobre o negro ou de uma etnia sobre as outras. Manifesta-se, também, na ideia de que a cultura ocidental é superior, e os povos de outras culturas devem assumi-la, modificando suas crenças, normas e valores.
  • 11. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Trocas culturais e culturas híbridas O pensador argentino Néstor García Canclini observou que, até o século XIX, as relações culturais ocorriam entre grupos próximos, familiares e vizinhos, com poucos contatos externos. No início do século XX, a possibilidade de trocas culturais aumentou com o desenvolvimento dos transportes e dos meios de comunicação.
  • 12. Culturas locais se mesclam a expressões culturais, principalmente dos Estados Unidos e de alguns países europeus, formando uma imensa cultura mundial. As expressões de grupos ou de regiões coexistem com essas culturas híbridas. JBC Hoje, as tecnologias de comunicação permitem que as trocas culturais sejam feitas em tal quantidade que não se sabe mais a origem delas. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Capa do mangá japonês Inu-Yasha, lançado no Brasil em 2002. No mundo globalizado, os produtos culturais circulam sem fronteiras.
  • 13. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Para o sociólogo holandês Joost Smiers, é importante preservar as formas particulares, grupais, regionais ou nacionais para que se alcance uma democracia cultural de fato. Thinkstock/Getty Images Para ele, o obstáculo a vencer é a dominação cultural.
  • 14. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Cultura erudita e cultura popular Thinkstock/Getty Images A separação entre cultura popular e cultura erudita está relacionada à divisão da sociedade em classes. De acordo com essa classificação, há uma cultura dos segmentos populares e outra identificada com as elites.
  • 15. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Acervo Museu Villa-Lobos A cultura erudita abrangeria expressões artísticas como a música clássica de padrão europeu, as artes plásticas, o teatro e a literatura de cunho universal. Como qualquer mercadoria, alguns desses produtos culturais podem ser comprados e até deixados de herança como bens físicos. O maestro Heitor Villa-Lobos rege a orquestra da Rádio Gazeta em São Paulo, em 1957.
  • 16. Marcelo Min/Agência Fotogarrafa A cultura popular encontra expressão nos mitos e contos, na dança, na música e no artesanato. Inclui expressões surgidas nos meios urbano e rural. Demonstra haver constante criação e recriação no universo cultural de base popular. Show do grupo Racionais MC’s em São Paulo, 2003. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições
  • 17. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições A palavra cultura vem do latim e designa “o ato de cultivar a terra”. Está, assim, vinculada ao ato de trabalhar, a uma ação determinada. Nesses termos, todos têm acesso à cultura, pois todos podem trabalhar. Se alguém compra um livro, um disco ou um quadro, vai ao teatro ou ao cinema, adquire, mas não produz cultura. Isso caracteriza o consumo de uma mercadoria como qualquer outra. Não ter acesso a esses bens, não significa, portanto, não ter cultura.
  • 18. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Thinkstock/Getty Images Para o pensador brasileiro Alfredo Bosi, a cultura é alguma coisa que se faz, e não apenas um produto que se adquire. Quando afirmamos que ter cultura significa ser superior e não ter cultura significa ser inferior, utilizamos a condição de posse de cultura como elemento de diferenciação social e imposição de uma superioridade que não existe. Isso é ideologia.
  • 19. A ideologia, suas origens e perspectivas 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições University of Oklahoma Libraries O conceito de ideologia é moderno. Antes da Idade Moderna, a realidade era explicada pelos mitos ou pelo pensamento religioso. O termo ideologia foi inicialmente utilizado pelo francês Destutt de Tracy (1754-1836) como “ciência da gênese das ideias”. Em 1822, a palavra foi utilizada por Frontispício de Instauratio magna, de Francis Bacon. A publicação de 1620 incluía Napoleão Bonaparte com o sentido estudo que expressou umas das primeiras ideias sobre ideologia. de “ideia falsa” ou “ilusão”.
  • 20. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Augusto Comte retomou o sentido de ideologia usado por Tracy, acrescentando outro – o de conjunto de ideias de determinada época. Para Karl Marx, a ideologia é um sistema elaborado de representações e de ideias que correspondem a formas de consciência que os homens têm em determinada época. De acordo com ele, as ideias dominantes em qualquer época são sempre as de quem domina a vida material e, portanto, a vida intelectual.
  • 21. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Segundo Émile Durkheim, o cientista deve deixar de lado as noções pré-científicas e as ideias subjetivas. São essas noções e ideias que ele entende por ideologia, ou seja, o contrário de ciência. De acordo com Karl Mannheim , as ideologias são sempre conservadoras, pois expressam o pensamento das classes dominantes, que visam à estabilização da ordem. Em oposição, utopia é o pensamento das classes oprimidas, que buscam a transformação social.
  • 22. A ideologia no cotidiano 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Editora Abril Nas relações entre as pessoas, uma série de elementos ideológicos se manifestam por meio de ações, palavras e sentimentos. No capitalismo, a ideologia se expressa, por exemplo, no discurso que procura ocultar as contradições existentes na sociedade. Baseado em categorias genéricas, esse discurso transmite uma ideia de uniformidade. Felicidade: fórmula prometida em chamada de revista (2006). A celebração da felicidade obscurece as dificuldades que cada um enfrenta em seu cotidiano.
  • 23. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições A crença na verdade inquestionável do conhecimento científico talvez seja a maior de todas as expressões ideológicas presentes em nosso cotidiano. Da busca do sentido da vida às possibilidades de sucesso, a ciência seria a grande solução para todos os problemas, males e enigmas. No entanto, o pensamento científico se distancia da ideia de verdade absoluta. Ele é histórico e tem validade temporária, sendo a dúvida seu maior valor.
  • 24. Exercícios 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições 1. Leia o texto abaixo e, com base no que você estudou, responda às perguntas formuladas pelo autor. No mundo globalizado em que vivemos, tendo nosso cotidiano invadido por situações e informações provenientes dos mais diversos lugares, é possível afirmar que haja uma cultura “pura”? Até que ponto chegou o processo de mundialização da cultura? Nelson Dacio Tomazi
  • 25. 18 Capítulo Dois conceitos e suas definições Bruno Miranda/Folha Imagem Dado Galdieri/Folha Imagem 2. Observe as imagens e discuta com os colegas a seguinte questão: existe uma juventude, como prefere o discurso ideológico, ou jovens em situações diversas? O jovem fotografado em canavial no interior de São Paulo, em 2000, precisa cortar 300 metros de cana-de-açúcar por dia. Não sobra tempo para estudar, ao contrário da vestibulanda fotografada na capital paulista, que pôde se dedicar aos estudos e procura seu nome na lista de aprovados da Unesp, em 2006.