SlideShare uma empresa Scribd logo
A CRISE DO PAPADO
História da Igreja I
O Auge do Papado - Século XIII
 Gregório IX (1227-1241):
  • Era sobrinho de Inocêncio III e tinha sido
    cardeal com o nome de Hugolino.
  • Protetor dos Franciscanos e das mulheres
    religiosas.
  • Criador do Tribunal de Inquisição → 1231.
  • A ordem de que os bispos deveriam inquirir
    sobre a heresia vinha de 1215.
  • Os cátaros foram um dos seus alvos
    preferenciais nos primeiros tempos.
O Auge do Papado - Século XIII
 Gregório IX (1227-1241):
  • Gregório proporcionou a base jurídica para o
    Tribunal → foi extinta em 1832.
  • O novo modelo substitui os tribunais episcopais.
  • 1244 → tortura é método legítimo de obter a
    confissão.
  • Os franciscanos retardam seus estabelecimento
    na Itália.
  • Não havia a necessidade de confronto entre
    denunciante e acusado.
  • A Igreja condena, o poder secular pune.
O Início da Crise
• A segunda metade do século XIII, foi marcada
  por uma rápida sucessão de papas, 13 entre
  1252-1296.
• Para se ter uma idéia, entre 1216 (*morte de
  Inocêncio III*) e 1252 foram somente 4: Honório
  III, Gregório IX, Celestino IV e Inocêncio IV.
• Verdade, que o papado teve relativa autonomia
  e força entre 1254-1273, mas isso se deve
  muito mais aos conflitos entre os grandes
  senhores alemães pela coroa imperial.
O Início da Crise
• Foram os próprios papas – Gregório X – que
  tiveram que intervir para levar Rodolfo de
  Habsburgo ao trono imperial.
• Os Habsburgo a partir de então serão fiéis à
  Igreja Católica.
• Gegório X (1271-1276) foi o mais competente
  dos papas do final do século XIII → tentou
  controlar os partidos dentro da cúria, convocou
  o Concílio de Lião e estabeleceu que o conclave
  seria à portas fechadas, com redução de rações
  e que duraria 10 dias.
O Início da Crise
• Gregório tentou negociar com a igreja oriental →
  fragilizados, os gregos aceitaram o Filioque e o
  purgatório → reconheceram, também, a
  supremacia papal.
• O clero bizantino resistiu mesmo sob pressão do
  imperador → posteriormente, as exigências dos
  sucessores de Gregório comprometeram o
  acordo.
• Durante o pontificado de Nicolau III (1277-1280),
  o imperador Habsburgo concedeu total
  autonomia aos estados papais.
O Início da Crise
• O primeiro papa dominicano foi Inocêncio V,
  governou poucos dias em 1276, o primeiro
  franciscano foi Nicolau IV (1288-1292).
• A eleição do papa Celestino V foi eleito em 1294
  e governou por 6 meses → era eremita, visto
  como visionário e santo ainda em vida → o
  Papa Angelicus de algumas profecias → não
  suportando a pressão, renunciou.
• Único caso de renúncia na história do papado,
  nenhum outro papa tomou o nome “Celestino”.
O Início da Crise
• O sucessor de Celestino V, Bonifácio VIII,
  mandou tirar o velho papa de seu retiro
  espiritual e o colocou na prisão → submetido à
  condições miseráveis, Celestino morreu aos 90
  anos.
• Bonifácio VIII é lembrado por suas realizações,
  mas, também, por sua soberba e incapacidade
  de impôr sua vontade ao rei da França.
• Criou a universidade de Roma, mandou
  codificar o Direito Canônico, estabeleceu o
  primeiro Jubileu em 1300.
O Início da Crise
• Os grandes problemas de Bonifácio VIII
  começaram quando entrou em conflito com o
  Rei Felipe IV, o Belo (1285-1314).
• O rei queria fazer uma guerra e mandou cobrar
  impostos semelhantes aos que os papas
  cobravam para promover uma Cruzada.
• O papa proibiu que a Igreja fosse tributada na
  Bula Clericis Laicos → o rei a ignorou.
• Com a bula Ineffabilis amor (1296) → o papa
  permite as doações voluntárias, mas isso não
  satisfez o rei.
O Cativeiro de Avignon
• Em 1302, com a bula Ausculta fili, o papa
  convocava o rei a respeitar a Igreja → o rei
  queimou publicamente o documento.
• Com a bula Unam Sancta (1303), que declarava
  a supremacia total do papa → além disso,
  excomungou o rei.
• O pontífice tinha a lei e a tradição ao seu lado,
  mas o rei tinha a força e a certeza da vitória.
• Em 7 de setembro de 1303, um exército francês
  liderado pelo ministro Nogaret invade os
  territórios papais.
O Cativeiro de Avignon
• Bonifácio VIII foi capturado, espancado e morreu
  no dia 11 de outubro.
• A partir desse momento, o rei da França manobra
  para levar o papado para os seus territórios.
• Começa o Cativeiro de Avignon ou Cativeiro
  Babilônico da Igreja (1309-1376).
• Em 1307, Filipe IV conseguiu que a Ordem dos
  Templários fosse dissolvida → seus bens
  confiscados, e seus líderes mortos → somente
  em Portugal a Ordem sobreviveu com o nome de
  Ordem de Cristo.
O Cativeiro de Avignon
• Firmemente centrado em Roma → a presença
  em Avignon debilitava o papado.
• Se o poder do papa se afirmou como
  internacional nos séculos XII e XIII → sua luta
  era contra outro poder universal → o imperador.
• Agora, eram os poderes nacionais emergentes
  que questionavam os pontífices.
• Filipe IV pressionou Clemente V (1305-1314) a
  condenar Bonifácio VIII em um concílio universal
  → Viena, 1311.
A Maldição dos Templários
“Papa     Clemente... cavaleiro
Guilherme de Nogaret... rei
Filipe... dentro do espaço de
um ano, vocês estarão diante
do tribunal de Deus para
receberem         o      vosso
julgamento! ... Malditos!
Malditos!       Vocês serão
malditos até a décima
terceira geração de vossa
raça!...”
AULA 28 – PREVEST HISTÓRIA – 2009 – LIVRO 1 – PROF.ª VALÉRIA



               Conflito de Poderes
   Poderes Universais (Papa/Imperador)


                Poderes Nacionais (Reis)


     Poderes Locais (Senhores Feudais)
                                                               14
O Cativeiro de Avignon
• Nesse concílio, fez canonizar Celestino V como
  “confessor”, não “mártir” como queria o rei →
  condenou e dissolveu a ordem dos templários
  sob falsas acusações.
• A partir daí, o papado esteve nas mãos do rei da
  França → os da do rei da Inglaterra (*vide
  Guerra dos Cem Anos*) → todos os papas do
  período eram de alguma forma franceses.
• 112 dos 134 cardeais do período eram
  franceses → 70% dos funcionários da cúria
  também eram dessa nacionalidade.
O Cativeiro de Avignon
• Nesse período, emergiu uma teoria política
  secularizada → a base dela estava na
  universidade, na retomada de Aristóteles e do
  direito romano – logo, indiretamente, a Igreja era
  co-responsável.
• Além da separação entre Igreja e Estado,
  defendida por alguns → Marcílio de Pádua
  propunha que a Igreja era um departamento do
  Estado (Pars sacerdotalis) submetido ao rei,
  este, sim, delegado do povo.
O Cativeiro de Avignon
• Um dos papas mais notáveis e controversos de
  Avignon foi João XXII (1316-1334).
• Filho de um sapateiro, estudou medicina, e
  ascendeu por suas capacidades dentro da
  carreira eclesiástica → austero e disciplinado,
  mas convicto da superioridade papal.
• Promoveu a reforma financeira e fiscal da igreja
  → aperfeiçoou a cobrança de anatas e
  indulgências.
• Perseguiu      duramente     os    franciscanos
  “espirituais”.
O Cativeiro de Avignon
• João XXII defendia a teoria controversa de que
  mesmo os santos não verão à Deus antes do
  Julgamento Final.
• Essa doutrina era considerada herética por muitos
  católicos → a crença na intercessão dos santos já
  estava firmemente consolidada.
• Seu sucessor, Benedito XII, transformou em
  doutrina a intercessão dos santos com a encíclica
  Benedictus Deus.
• João XXII é um dos papas malditos → muitos
  consideravam o papa herege.
AULA 27 – PREVEST HISTÓRIA – 2009 – LIVRO 1 – PROF.ª VALÉRIA



              O Cativeiro de Avignon
 A crise do século XIV
  trouxe a necessidade de
  buscar culpados para as
  tragédias, como a Peste
  Negra (1348-1350).
 Foram eleitos como os
  inimigos da Cristandade:
     1) O Judeu.
     2) O Leproso.
     3) A Mulher, a Bruxa.                                     19
As Vítimas da Peste Negra
Guerra dos Cem Anos
• A Guerra dos Cem Anos (1337-1453):
• Conflito entre França e Inglaterra por questões
  dinásticas, pela posse de feudos e pelo controle
  da Flandres.
• Depois de várias derrotas para os ingleses, os
  franceses conseguiram reverter a situação.
• A camponesa Joana D’Arc é considerada o
  agente mobilizador do espírito nacional francês.
• Terminou queimada na fogueira como bruxa,
  herege e relapsa.
Guerra dos Cem Anos
Fim do Papado em Avignon
• Notáveis personagens que criticaram os papas ou
  instaram o retorno do papado para Roma foram:
   Marsílio de Pádua (1280-1343) → Cristo e os
    apóstolos de submeteram às autoridades seculares
    → soberania do concílio.
   Guilherme de Okham (1285-1347) → A Igreja é o
    conjunto dos fiéis → soberania do concílio.
   Brígida da Suécia (1303-1373).
   Catarina de Siena (1347-1380) → mística,
    visionária, escreveu várias cartas direcionadas ao
    papa instando (ordenando) seu retorno para Roma.
Fim do Papado em Avignon
• Urbano V (1362-1370) → tentou retornar para
  Roma → após breve estadia, não conseguiu
  suportar as pressões políticas e retornou para
  Avignon.
• Gregório XI (1370-1378) → último francês eleito
  papa, profundamente místico, acreditava que o
  lugar da sede da Igreja só poderia ser em Roma.
• Alguns crêem que as cartas de Catarina de Siena
  foram fundamentais para o seu retorno.
• Seu sucessor, Urbano VI, foi eleito em Nápoles →
  os cardeais franceses se revoltaram.
Fim do Papado em Avignon




• As Cartas de Catarina de
  Siena tiveram papel no retorno
  do papado para Roma. Ao
  lado, Gregório XI.
Grande Cisma (1378-1417)
• Os cardeis franceses voltam para Avignon e
  elegem Clemente VII → Urbano VI depõe os
  cardeais franceses e faz eleger novos.
• Essa situação sem precedentes é chamada de
  Grande Cisma → com a concomitância de três
  papas.
• No Concílio de Pisa (1409), Gregório XII e Bento
  XIII aceitaram desistir de suas reivindicações em
  favor de um novo pontífice → ambos voltaram
  atrás e foram depostos → o Concílio elegeu
  Alexandre V, mas o Cisma Persistiu.
Grande Cisma (1378-1417)
• Em Roma
     Papa Urbano VI (1378 - 1389)
     Papa Bonifácio IX (1389 - 1404)
     Papa Inocêncio VII (1404 - 1406)
     Papa Gregório XII (1406 - 1417)
• Em Avignon
   Antipapa Clemente VII (1378 - 1394)
   Antipapa Benedito XIII (1394 - 1417)
• Em Pisa
   Antipapa Alexandre V (1409 - 1410)
   Antipapa João XXIII (1410 - 1417)
Grande Cisma (1378-1417)
• Por fim, com a intervenção do
  Imperador, um Concílio reuniu-se
  em Constança (1417).
• Destituiu todos os papas →
  Martinho V apontado como papa.
• Seguindo as teses de Marsílio de
  Pádua e Okham decidiu-se que o
  concílio era a autoridade máxima
  da Igreja.
• Decidiu-se, também, que um
  concílio deveria se reunir a cada
  dez anos.
Fim do Cisma, mas a Crise
            Continua
• João XXIII (Pisa) e Gregório XII (Roma)
  renunciaram → aguardou-se a morte do último
  para fazer coroar Martinho V (1368-1431).
• Martinho V trabalhou contra as decisões do
  concílio → queria ter poder absoluto.
• O movimento conciliarista foi combatido por papas
  posteriores → heresia.
• Pio II, em 1460, lança a bula Execrabilis.
• Leão X, em 1516, com a bula Pastor Aeternus
  reafirma a autoridade absoluta do papa sobre a
  Igreja → este é o papa que enfrentou Lutero.
Prof.ª Valéria
 F ernandes
 e-mail: shouj ofan@ gmail.com
 Brasília, 26 de junho de 201 2.

É permitido o uso deste
material, desde que
devidamente creditado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império Romano
Glauco Gonçalves
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
Ana Barreiros
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
Andre Nascimento
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Adriano Pascoa
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx
PIB Penha - SP
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Gleicy Laranjeira - Consultora de Marketing Digital
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
O adventismo do 7º dia
O adventismo do 7º diaO adventismo do 7º dia
O adventismo do 7º dia
Magayver Silva Galvão
 
5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante
Viva a Igreja
 

Mais procurados (20)

A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império Romano
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
 
O adventismo do 7º dia
O adventismo do 7º diaO adventismo do 7º dia
O adventismo do 7º dia
 
5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante
 

Destaque

JOANA D'ARC, Médium
JOANA D'ARC, MédiumJOANA D'ARC, Médium
JOANA D'ARC, Médium
Jorge Luiz dos Santos
 
Os Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo XxOs Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo Xx
JNR
 
O Primado de São Pedro
O Primado de São PedroO Primado de São Pedro
O Primado de São Pedro
Glauco Gonçalves
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
Glauco Gonçalves
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
Laguat
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
Glauco Gonçalves
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
Professores História
 
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeHistória da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
Glauco Gonçalves
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
Francisco Rodrigues
 
Igreja medieval
Igreja medievalIgreja medieval
Igreja medieval
PROFºWILTONREIS
 
Igreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade MédiaIgreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade Média
Fernando Cesar Gouveia
 
Igreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romanaIgreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romana
Mateus Lima
 

Destaque (12)

JOANA D'ARC, Médium
JOANA D'ARC, MédiumJOANA D'ARC, Médium
JOANA D'ARC, Médium
 
Os Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo XxOs Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo Xx
 
O Primado de São Pedro
O Primado de São PedroO Primado de São Pedro
O Primado de São Pedro
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
 
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeHistória da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
 
Igreja medieval
Igreja medievalIgreja medieval
Igreja medieval
 
Igreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade MédiaIgreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade Média
 
Igreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romanaIgreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romana
 

Semelhante a Crise do Papado

A crise do papado
A crise do papadoA crise do papado
A crise do papado
Prof:Carlos Oliveira
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidente
Diego Silva
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papalHistória da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
Andre Nascimento
 
Os antipapas
Os antipapasOs antipapas
Os antipapas
Flavio Pereira
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidente
João Couto
 
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Marcos Mamute
 
Estados Pontifícios
Estados Pontifícios Estados Pontifícios
Estados Pontifícios
Virna Salgado Barra
 
Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
Valéria Shoujofan
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
nany1523
 
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
Andre Nascimento
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
Jose Renato Dos Santos
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
inessalgado
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
Grazi Oliveira
 
A cultura medieval
A cultura medievalA cultura medieval
A cultura medieval
cattonia
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do Ocidente
Laguat
 
2 a igreja medieval
2 a igreja medieval2 a igreja medieval
2 a igreja medieval
Cindiane Módolo Pico
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Clara Mendes
 
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
cristianoperinpissolato
 

Semelhante a Crise do Papado (20)

A crise do papado
A crise do papadoA crise do papado
A crise do papado
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidente
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papalHistória da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
 
Os antipapas
Os antipapasOs antipapas
Os antipapas
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidente
 
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
 
Estados Pontifícios
Estados Pontifícios Estados Pontifícios
Estados Pontifícios
 
Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
 
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
 
A cultura medieval
A cultura medievalA cultura medieval
A cultura medieval
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do Ocidente
 
2 a igreja medieval
2 a igreja medieval2 a igreja medieval
2 a igreja medieval
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Crise do Papado

  • 1. A CRISE DO PAPADO História da Igreja I
  • 2. O Auge do Papado - Século XIII  Gregório IX (1227-1241): • Era sobrinho de Inocêncio III e tinha sido cardeal com o nome de Hugolino. • Protetor dos Franciscanos e das mulheres religiosas. • Criador do Tribunal de Inquisição → 1231. • A ordem de que os bispos deveriam inquirir sobre a heresia vinha de 1215. • Os cátaros foram um dos seus alvos preferenciais nos primeiros tempos.
  • 3. O Auge do Papado - Século XIII  Gregório IX (1227-1241): • Gregório proporcionou a base jurídica para o Tribunal → foi extinta em 1832. • O novo modelo substitui os tribunais episcopais. • 1244 → tortura é método legítimo de obter a confissão. • Os franciscanos retardam seus estabelecimento na Itália. • Não havia a necessidade de confronto entre denunciante e acusado. • A Igreja condena, o poder secular pune.
  • 4. O Início da Crise • A segunda metade do século XIII, foi marcada por uma rápida sucessão de papas, 13 entre 1252-1296. • Para se ter uma idéia, entre 1216 (*morte de Inocêncio III*) e 1252 foram somente 4: Honório III, Gregório IX, Celestino IV e Inocêncio IV. • Verdade, que o papado teve relativa autonomia e força entre 1254-1273, mas isso se deve muito mais aos conflitos entre os grandes senhores alemães pela coroa imperial.
  • 5. O Início da Crise • Foram os próprios papas – Gregório X – que tiveram que intervir para levar Rodolfo de Habsburgo ao trono imperial. • Os Habsburgo a partir de então serão fiéis à Igreja Católica. • Gegório X (1271-1276) foi o mais competente dos papas do final do século XIII → tentou controlar os partidos dentro da cúria, convocou o Concílio de Lião e estabeleceu que o conclave seria à portas fechadas, com redução de rações e que duraria 10 dias.
  • 6. O Início da Crise • Gregório tentou negociar com a igreja oriental → fragilizados, os gregos aceitaram o Filioque e o purgatório → reconheceram, também, a supremacia papal. • O clero bizantino resistiu mesmo sob pressão do imperador → posteriormente, as exigências dos sucessores de Gregório comprometeram o acordo. • Durante o pontificado de Nicolau III (1277-1280), o imperador Habsburgo concedeu total autonomia aos estados papais.
  • 7. O Início da Crise • O primeiro papa dominicano foi Inocêncio V, governou poucos dias em 1276, o primeiro franciscano foi Nicolau IV (1288-1292). • A eleição do papa Celestino V foi eleito em 1294 e governou por 6 meses → era eremita, visto como visionário e santo ainda em vida → o Papa Angelicus de algumas profecias → não suportando a pressão, renunciou. • Único caso de renúncia na história do papado, nenhum outro papa tomou o nome “Celestino”.
  • 8. O Início da Crise • O sucessor de Celestino V, Bonifácio VIII, mandou tirar o velho papa de seu retiro espiritual e o colocou na prisão → submetido à condições miseráveis, Celestino morreu aos 90 anos. • Bonifácio VIII é lembrado por suas realizações, mas, também, por sua soberba e incapacidade de impôr sua vontade ao rei da França. • Criou a universidade de Roma, mandou codificar o Direito Canônico, estabeleceu o primeiro Jubileu em 1300.
  • 9. O Início da Crise • Os grandes problemas de Bonifácio VIII começaram quando entrou em conflito com o Rei Felipe IV, o Belo (1285-1314). • O rei queria fazer uma guerra e mandou cobrar impostos semelhantes aos que os papas cobravam para promover uma Cruzada. • O papa proibiu que a Igreja fosse tributada na Bula Clericis Laicos → o rei a ignorou. • Com a bula Ineffabilis amor (1296) → o papa permite as doações voluntárias, mas isso não satisfez o rei.
  • 10. O Cativeiro de Avignon • Em 1302, com a bula Ausculta fili, o papa convocava o rei a respeitar a Igreja → o rei queimou publicamente o documento. • Com a bula Unam Sancta (1303), que declarava a supremacia total do papa → além disso, excomungou o rei. • O pontífice tinha a lei e a tradição ao seu lado, mas o rei tinha a força e a certeza da vitória. • Em 7 de setembro de 1303, um exército francês liderado pelo ministro Nogaret invade os territórios papais.
  • 11. O Cativeiro de Avignon • Bonifácio VIII foi capturado, espancado e morreu no dia 11 de outubro. • A partir desse momento, o rei da França manobra para levar o papado para os seus territórios. • Começa o Cativeiro de Avignon ou Cativeiro Babilônico da Igreja (1309-1376). • Em 1307, Filipe IV conseguiu que a Ordem dos Templários fosse dissolvida → seus bens confiscados, e seus líderes mortos → somente em Portugal a Ordem sobreviveu com o nome de Ordem de Cristo.
  • 12. O Cativeiro de Avignon • Firmemente centrado em Roma → a presença em Avignon debilitava o papado. • Se o poder do papa se afirmou como internacional nos séculos XII e XIII → sua luta era contra outro poder universal → o imperador. • Agora, eram os poderes nacionais emergentes que questionavam os pontífices. • Filipe IV pressionou Clemente V (1305-1314) a condenar Bonifácio VIII em um concílio universal → Viena, 1311.
  • 13. A Maldição dos Templários “Papa Clemente... cavaleiro Guilherme de Nogaret... rei Filipe... dentro do espaço de um ano, vocês estarão diante do tribunal de Deus para receberem o vosso julgamento! ... Malditos! Malditos! Vocês serão malditos até a décima terceira geração de vossa raça!...”
  • 14. AULA 28 – PREVEST HISTÓRIA – 2009 – LIVRO 1 – PROF.ª VALÉRIA Conflito de Poderes Poderes Universais (Papa/Imperador) Poderes Nacionais (Reis) Poderes Locais (Senhores Feudais) 14
  • 15. O Cativeiro de Avignon • Nesse concílio, fez canonizar Celestino V como “confessor”, não “mártir” como queria o rei → condenou e dissolveu a ordem dos templários sob falsas acusações. • A partir daí, o papado esteve nas mãos do rei da França → os da do rei da Inglaterra (*vide Guerra dos Cem Anos*) → todos os papas do período eram de alguma forma franceses. • 112 dos 134 cardeais do período eram franceses → 70% dos funcionários da cúria também eram dessa nacionalidade.
  • 16. O Cativeiro de Avignon • Nesse período, emergiu uma teoria política secularizada → a base dela estava na universidade, na retomada de Aristóteles e do direito romano – logo, indiretamente, a Igreja era co-responsável. • Além da separação entre Igreja e Estado, defendida por alguns → Marcílio de Pádua propunha que a Igreja era um departamento do Estado (Pars sacerdotalis) submetido ao rei, este, sim, delegado do povo.
  • 17. O Cativeiro de Avignon • Um dos papas mais notáveis e controversos de Avignon foi João XXII (1316-1334). • Filho de um sapateiro, estudou medicina, e ascendeu por suas capacidades dentro da carreira eclesiástica → austero e disciplinado, mas convicto da superioridade papal. • Promoveu a reforma financeira e fiscal da igreja → aperfeiçoou a cobrança de anatas e indulgências. • Perseguiu duramente os franciscanos “espirituais”.
  • 18. O Cativeiro de Avignon • João XXII defendia a teoria controversa de que mesmo os santos não verão à Deus antes do Julgamento Final. • Essa doutrina era considerada herética por muitos católicos → a crença na intercessão dos santos já estava firmemente consolidada. • Seu sucessor, Benedito XII, transformou em doutrina a intercessão dos santos com a encíclica Benedictus Deus. • João XXII é um dos papas malditos → muitos consideravam o papa herege.
  • 19. AULA 27 – PREVEST HISTÓRIA – 2009 – LIVRO 1 – PROF.ª VALÉRIA O Cativeiro de Avignon  A crise do século XIV trouxe a necessidade de buscar culpados para as tragédias, como a Peste Negra (1348-1350).  Foram eleitos como os inimigos da Cristandade: 1) O Judeu. 2) O Leproso. 3) A Mulher, a Bruxa. 19
  • 20. As Vítimas da Peste Negra
  • 21. Guerra dos Cem Anos • A Guerra dos Cem Anos (1337-1453): • Conflito entre França e Inglaterra por questões dinásticas, pela posse de feudos e pelo controle da Flandres. • Depois de várias derrotas para os ingleses, os franceses conseguiram reverter a situação. • A camponesa Joana D’Arc é considerada o agente mobilizador do espírito nacional francês. • Terminou queimada na fogueira como bruxa, herege e relapsa.
  • 23. Fim do Papado em Avignon • Notáveis personagens que criticaram os papas ou instaram o retorno do papado para Roma foram:  Marsílio de Pádua (1280-1343) → Cristo e os apóstolos de submeteram às autoridades seculares → soberania do concílio.  Guilherme de Okham (1285-1347) → A Igreja é o conjunto dos fiéis → soberania do concílio.  Brígida da Suécia (1303-1373).  Catarina de Siena (1347-1380) → mística, visionária, escreveu várias cartas direcionadas ao papa instando (ordenando) seu retorno para Roma.
  • 24. Fim do Papado em Avignon • Urbano V (1362-1370) → tentou retornar para Roma → após breve estadia, não conseguiu suportar as pressões políticas e retornou para Avignon. • Gregório XI (1370-1378) → último francês eleito papa, profundamente místico, acreditava que o lugar da sede da Igreja só poderia ser em Roma. • Alguns crêem que as cartas de Catarina de Siena foram fundamentais para o seu retorno. • Seu sucessor, Urbano VI, foi eleito em Nápoles → os cardeais franceses se revoltaram.
  • 25. Fim do Papado em Avignon • As Cartas de Catarina de Siena tiveram papel no retorno do papado para Roma. Ao lado, Gregório XI.
  • 26. Grande Cisma (1378-1417) • Os cardeis franceses voltam para Avignon e elegem Clemente VII → Urbano VI depõe os cardeais franceses e faz eleger novos. • Essa situação sem precedentes é chamada de Grande Cisma → com a concomitância de três papas. • No Concílio de Pisa (1409), Gregório XII e Bento XIII aceitaram desistir de suas reivindicações em favor de um novo pontífice → ambos voltaram atrás e foram depostos → o Concílio elegeu Alexandre V, mas o Cisma Persistiu.
  • 27. Grande Cisma (1378-1417) • Em Roma  Papa Urbano VI (1378 - 1389)  Papa Bonifácio IX (1389 - 1404)  Papa Inocêncio VII (1404 - 1406)  Papa Gregório XII (1406 - 1417) • Em Avignon  Antipapa Clemente VII (1378 - 1394)  Antipapa Benedito XIII (1394 - 1417) • Em Pisa  Antipapa Alexandre V (1409 - 1410)  Antipapa João XXIII (1410 - 1417)
  • 28. Grande Cisma (1378-1417) • Por fim, com a intervenção do Imperador, um Concílio reuniu-se em Constança (1417). • Destituiu todos os papas → Martinho V apontado como papa. • Seguindo as teses de Marsílio de Pádua e Okham decidiu-se que o concílio era a autoridade máxima da Igreja. • Decidiu-se, também, que um concílio deveria se reunir a cada dez anos.
  • 29. Fim do Cisma, mas a Crise Continua • João XXIII (Pisa) e Gregório XII (Roma) renunciaram → aguardou-se a morte do último para fazer coroar Martinho V (1368-1431). • Martinho V trabalhou contra as decisões do concílio → queria ter poder absoluto. • O movimento conciliarista foi combatido por papas posteriores → heresia. • Pio II, em 1460, lança a bula Execrabilis. • Leão X, em 1516, com a bula Pastor Aeternus reafirma a autoridade absoluta do papa sobre a Igreja → este é o papa que enfrentou Lutero.
  • 30. Prof.ª Valéria F ernandes e-mail: shouj ofan@ gmail.com Brasília, 26 de junho de 201 2. É permitido o uso deste material, desde que devidamente creditado.