Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida

12.371 visualizações

Publicada em

O 2º e 3º séc. foram tempos de sucessivas perseguições movidas pelos imperadores romanos. Apesar de não ser contínua contudo se repetia, por vezes, durante anos seguidos.
Por mais de dois séculos um exército de milhares de mártires cumpriram At 1:8 ao custo da própria vida (Fp 2:17; Hb 11:36-38). Entretanto a evangelização prosseguiu superando todos os obstáculos, até mesmo a morte ( Ap 2:10,13 ).

Publicada em: Educação
2 comentários
15 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.371
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
185
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.395
Comentários
2
Gostaram
15
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida

  1. 1. Lição 02 SEGUNDO PERÍODO: A IGREJA PERSEGUIDA da morte do apóstolo João até o Édito de Constantino (100 a 313 d.C ).Fonte: História da Igreja: dos primórdios à atualidade (IBUHT)
  2. 2.  LEITURA BÍBLICA ~ IPe 4. 12-1612 Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vóspara vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse;13 Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das afliçõesde Cristo, para que também na revelação da sua glória vosregozijeis e alegreis.14 Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventuradossois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus;quanto a eles, é ele, sim, blasfemado, mas quanto a vós, églorificado.15 Que nenhum de vós padeça como homicida, ou ladrão, oumalfeitor, ou como o que se intromete em negócios alheios;16 Mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antesglorifique a Deus nesta parte. ICMM
  3. 3. ESBOÇOINTRODUÇÃOI CAUSAS PRINCIPAIS DAS PERSEGUIÇÕESII AS DEZ PRIMEIRAS PERSEGUIÇÕES1. Nero; 2. Domiciano; 3. Trajano; 4. Marco Aurélio; 5.Severo; 6. Maximino; 7. Décio; 8. Valeriano; 9. Aureliano; 10.Diocleciano.III APARECIMENTO DE SEITAS E HERESIAS1. Agnosticismo; 2. Gnosticismo 3. Ebionismo.IV OS APOLOGISTAS1. Justino 2. TertulianoCONCLUSÃO
  4. 4. INTRODUÇÃOO 2º e 3º séc. foram tempos de sucessivas perseguiçõesmovidas pelos imperadores romanos. Apesar de não sercontínua contudo se repetia, por vezes, durante anos seguidos.Por mais de dois séculos um exército de milhares de mártirescumpriram At 1:8 ao custo da própria vida (Fp 2:17; Hb11:36-38). Entretanto a evangelização prosseguiu superandotodos os obstáculos, até mesmo a morte ( Ap 2:10,13 ).A primeira geração de cristãos era tida como relacionada comos judeus, uma seita oriunda do judaísmo que sendo essereconhecido como religião permitida, apesar dos judeusviverem separados dos costumes idólatras, proporcionavasegurança aos cristãos em relação ao império. ICMM
  5. 5. Essa suposta relação preservou os cristãos, por algum tempo,da perseguição. Entretanto no ano 70 com a destruição deJerusalém o cristianismo ficou isolado sem nenhuma lei queprotegesse os seus seguidores.
  6. 6. I CAUSAS PRINCIPAIS DAS PERSEGUIÇÕES Acusações de Canibalismo, Incesto, Falta de patriotismo, Ódio à raça humana, Anti-família, Causa de catástrofes, pobreza e ateísmo. Recusa em adorar o imperador. Mais tarde, passaram a ser perseguidos só por terem onome de cristãos. 1Pe 4:16 – “mas, se sofrer como cristão, não seenvergonhe disso; antes, glorifique a Deus com esse nome.” ICMM
  7. 7. II AS DEZ PRIMEIRAS PERSEGUIÇÕES1. Nero, 67 d.C 2. Domiciano, 81 d.C 3. Trajano, 108 d.C4. Marco Aurélio, 5. Severo, 6. Maximino,162 d.C 192 d.C 235 d.C
  8. 8. 7. Décio, 249 d.C 8. Valeriano, 257 d.C9. Aureliano, 274 d.C 10. Diocleciano, 303 d.C
  9. 9. III APARECIMENTO DE SEITAS E HERESIAS1. Agnosticismo (sig. não saber) Nega a capacidade humana de conhecer a Deus. "Amente finita não pode alcançar o infinito", declara oagnóstico. Mas há grande diferença entre conhecer a Deus nosentido absoluto e conhecer algumas coisas acerca deDeus. Não podemos conhecê-lo inteira e perfeitamente;mas podemos ter uma concepção da sua Pessoa. Podemostocar a terra embora não possamos envolvê-la com osbraços. As Escrituras baseiam-se no pensamento de que épossível conhecer a Deus; por outra parte, elas nos avisamque por agora "conhecemos em parte” (ICo 13.12).
  10. 10. 2. Gnosticismo (Gr. gnosis – conhecimento) Márcion tenta introduzir ognosticismo no cristianismo em 160d.C. O Marcionismo foi uma seitareligiosa cristã do século II. Foi umadas primeiras a ser acusadade heresia. (Cânon: Lc e 10 epístolas) Teve maior influência sobre ocristianismo entre os anos de 135 e200, sendo um movimento sincretistareligioso-filosófico da Antiguidadeque pretendia salvar o homem porum conhecimento especial. Penetrando o cristianismo, absorveu várias de suasdoutrinas, rejeitando outras.
  11. 11.  Seu arcabouço doutrinário considerava a matériairremediavelmente má. Por isso, diziam que a humanidade deCristo era apenas aparente. Os gnósticos foram muitocombatidos pelo apóstolo João que, emsuas epístolas, fazia questão de mostrarser o Senhor Jesus verdadeiro homem everdadeiro Deus.  O gnosticismo visava também conciliar todas as religiões, unindo-as através da gnose que, segundo ufanavam-se, era um conhecimento mais profundo.
  12. 12. 3. Ebionismo (do Hb. Evyonim, "pobres") Para os ebionitas é necessárioobedecer a todos os mandamentos daLei de Deus, inclusive aomandamento de fazer a circuncisão. Os gentios que se convertem aDeus devem fazer a circuncisão, edevem obedecer a todos osmandamentos da Lei de Deus. Para os ebionitas Jesus era um simples ser humano, umprofeta. Ensinavam que por ocasião do batismo Cristodesceu sobre Jesus, mas subiu outra vez antes da suacrucificação. É o embrião da doutrina cristológica dasTestemunhas de Jeová. Negavam desta forma a divindade de Jesus.
  13. 13. IV OS APOLOGISTAS1. Justino, o Mártir (100 – 165)Um grego natural da palestina, levousua vida viajando como os filósofos deentão, ensinando o cristianismo comofilosofia perfeita. Foi decapitado noano 165 d.C.2. Tertuliano (160 – 220)Advogado cartaginês, já em meia idade,convertido ao Cristianismo, eraportador de dons extraordinários.Possuía pensamento agudo, linguagemvigorosa. Em muitos escritos refutoufalsas acusações contra os cristãos e oCristianismo. ICMM
  14. 14. CONCLUSÃOVimos neste segundo momento, da história da igreja,como se deu sua expansão, em meio as mais crueis formasde torturas contra aqueles que professavam a fé em Cristo.Na próxima aula estudaremos o terceiro momento daigreja, a Igreja Imperial, momento este em que a igrejapassa de perseguida para perseguidora. Soli Deo gloria! Ir. Adriano Pascoa e-mail e msn: adrianoiuris@hotmail.com Facebook: http://www.facebook.com/adrianoiuris

×