Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial

10.032 visualizações

Publicada em

Este foi o período que marcou a aparente vitória da igreja, porém vimos aqui o fracasso desta instituição paganizada, o momento em que a pseudo igreja entrou por outro caminho.

Publicada em: Educação
3 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.032
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
143
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.126
Comentários
3
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial

  1. 1. Lição 03 TERCEIRO PERÍODO: A IGREJA IMPERIAL Do Édito de Constantino a queda de Roma, 313 à 476 d.C.Fonte: História da Igreja: dos primórdios à atualidade (IBUHT)
  2. 2.  LEITURA BÍBLICA ~ IIPe 2. 20-2220 Porquanto se, depois de terem escapado dascorrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor eSalvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidosnelas e vencidos, tornou-se o último estado pior doque o primeiro.21 Porque melhor lhes fora não conhecerem ocaminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado;22 Deste modo sobreveio-lhes o que por umverdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seupróprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro delama.
  3. 3. ESBOÇO INTRODUÇÃO I O ÉDITO DE CONSTANTINO E SUASCONSEQUÊNCIAS1. Pontos Positivos; 2. Pontos Negativos; 3. Resultados daUnião da Igreja com o Estado; 4. O Culto na Igreja. II HERESIAS1. Arianismo; 2. Apolinarianismo; 3. Pelagianismo III PRINCIPAIS LÍDERES DO PERÍODO1. Atanásio (293 –373); 2. Ambrósio de Milão (340 – 407); 3.João Crisóstomo ( 345 – 407); 4. Agostinho (354 – 430). CONCLUSÃO
  4. 4. INTRODUÇÃO Neste período um fato notável foi a cessação dasperseguições contra o cristianismo. Quando Dioclecianoabdicou o trono em 305, em favor de Galério, a religião cristãera terminantemente proibida. A pena para os que professavamo nome de Cristo era tortura e morte. Entretanto algumasdécadas mais tarde, no governo de Teodósio, o cristianismofoi elevado à condição de religião oficial do Império Romano. No ano 313, o Imperador Constantino, consideradoprimeiro imperador cristão, proclamou o Édito de Milãofazendo cessar as perseguições religiosas noimpério, principalmente contra os cristãos, tornando legal asua prática e adoração.
  5. 5.  O vasto império romano foi rapidamente transformado depagão que era em um império cristão, por decreto.Aparentemente, no início do quarto século, os antigos deusesestavam arraigados na reverência do mundo romano;porém, antes que esse século chegasse ao fim, os temploshaviam sido transformados em templos cristãos. O ImpérioRomano era cristão. Em toda parte os bisposgovernavam as igrejas, porémuma pergunta surgiaconstantemente: Quemgovernará os bispos? Essequestionamento lançaria asbases do governo eclesiásticocentral, em Roma.
  6. 6. I O ÉDITO DE CONSTANTINO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Assim é conhecido odocumento que, publicado em313, e atribuído ao imperadorromano, ConstantinoMagno, concedia a liberdadede credo aoscristãos, abolindo, concomitantemente, o culto imperial. No entanto, o cristianismodeixou de ser inimigo destemundo, e dele se tornou umfeliz participante. Os cultos deadoração aumentaram emesplendor, é certo, porém erammenos espirituais e menossinceros do que no passado.
  7. 7.  Aos poucos as festaspagãs foramincorporadas aos rituaisda Igreja, porém comnovos nomes que se“adequassem” aocristianismo. Aadoração a Vênus eDiana foi substituídapela adoração à virgemMaria. As imagens dosmártires começaram aaparecer nostemplos, como objetode reverência.
  8. 8. 1. Pontos Positivos Fim das perseguições Cessação dos sacrifícios pagãos Instituição do domingo como dia de descanso2. Pontos Negativos Todos na igreja por decreto Costumes pagãos introduzidos na igreja Mundanismo, secularismo Dedicação de templos pagãos ao culto cristão3. Resultados da União da Igreja com o Estado Interferência do Imperador no governo da igreja Privilégios concedidos ao clero Instituição do domingo como dia de descanso Doações oficiais às igrejas
  9. 9. 4. O Culto na Igreja A celebração daEucaristia tornou-se umacerimônia imponente,com formas fixas, commuita atenção dispensadaaos detalhes, tornandoenfática a idéia de que osacramento era umsacrifício oferecido pelosacerdote a favor dopovo, sacrifício eficazpara salvação, tornando apregação menosimportante.
  10. 10.  Muitíssimos pagãos entraram na igreja sem conversão. Oculto dos santos é um exemplo frisante dessa tendência. Eranatural que se atribuísse veneração aos mártires e a outroshomens e mulheres, famosos por sua santidade. Para essagente que estava acostumada aos deuses das suas cidades e aosseus lugares sagrados, e que não estava bastantecristianizada, a veneração dos santos transformou-serapidamente em adoração.
  11. 11.  Os santos passaram a ser considerados como pequenasdivindades cuja intercessão era valiosa diante de Deus. Oslugares onde nasceram e viveram passaram a ser consideradossantos. Surgiram as peregrinações. Começaram a venerarrelíquias, partes de corpos e objetos que pertecenram aossantos e a tributar a esses objetos poderes miraculosos. Tudoisto foi fácil para aqueles que ainda persistiam nas supertiçõesdo paganismo. A idéia do culto aos santos foi mais acentuadano caso da Virgem Maria.
  12. 12. II HERESIAS1. Arianismo Fundada no século IV por Ario, um presbíterode Alexandria, no Egito. A sua doutrina baseava-seessencialmente no princípio da negação de Cristo como di-vindade. Para eles Cristo era uma criatura elevada, por ser filhode Deus, mas CRIATURA. A Igreja estava aindaem processo de discussãode suas doutrinas edogmas. Um dosprincipais assuntos nessaépoca era a existência daTrindade, ou seja, omistério de Deus Uno eTrino ao mesmo tempo.
  13. 13.  Diante desta situação foi realizado o primei-ro concílioecumênico da história, con-vocado pelo imperadorConstantino, em 325. Teve como objetivo solucionar osproblemas que dividiam a cristandade causados peloarianismo. O ARIANISMO AINDA EXISTE? Os T.J, por exemplo, trazem filosofias bem semelhantesao pensamento principal do arianismo. A Igreja Mundialdo Poder de Deus, também defende o pensamento deque Jesus não existe desde sempre e para sempre, “Ele é aimagem do Deus invisível, a encarnação do verbo. Mas elenão é sempiterno, é eterno. O pai que é Deus ésempiterno, aquele que antes dele nunca existiu comoele, nem existirá depois dele, sempre existiu e sempreexistirá. A primeira obra dele foi Jesus Cristo”. (Valdemiro
  14. 14. 2. Apolinarianismo Nascido por volta de 310, este bispo de Laodicéiaensinava que, na encarnação, o logos de Deus veio aocupar o lugar da psique humana, restringindo assim ahumanidade de Jesus ao corpo físico. A doutrina de Apolinário foi condenada pelo Concíliode Constantinopla em 381 a.C. Esta heresia do IV século ensinava que o Filho de Deusnão assumiu por completo a natureza humana, e que oprocesso de encarnação limitou-se a induzir o Logos aocupar o lugar da psique de Jesus. Segundo tal doutrina,Jesus não passaria de meio homem e meio Deus.
  15. 15.  Hoje em dia existem diversas seitas que subtraem algoda pessoa de Jesus, seja sua natureza humana ou divina. Por exemplo: a Maçonaria diz ser Jesus somente maisum fundador de religião, ao lado de diversos outros"grandes homens". A LBV subtrai de Jesus sua natureza humana, dizendoque este possuiu apenas um corpo aparente ou fluídico;também negam a divindade, afirmando que Ele não éDeus, tampouco afirmou sê-lo. T.J dizem que Jesus é um anjo. Seriam Jesus e o arcanjoMiguel as mesmas pessoas. Os Kardecistas dizem que Jesus foi um médium deDeus.
  16. 16. 3. Pelagianismo Promovida por Pelágio, clérigo britânico do séculoIV, sustenta basicamente que todo homem é totalmenteresponsável pela sua própria salvação e portanto, nãonecessita da graça divina. Pois todo homem nasce"moralmente neutro", sendo capaz, por si mesmo, semqualquer influência divina, de salvar-se quando assim odesejar. Agostinho combateu o pelagianismo defendendo que opecado original de Adão foi herdado por toda ahumanidade e que, mesmo que o homem caído retenha ahabilidade para escolher, ele está escravizado ao pecado enão pode não pecar. Por outro lado, Pelágio insistia que aqueda de Adão afetara apenas a Adão.
  17. 17.  O resultado dessa discussão teve fim no ano de 529, noConcílio de Oranges, e a Igreja deu razão a SantoAgostinho. Pelágio por sua vez, não abriu mão da suacrença herege e por isso acabou sendo excomungado juntocom muitos de seus seguidores. Refutação:  Sl 51:5  Rm 5:12
  18. 18. III PRINCIPAIS LÍDERES DO PERÍODO1. Atanásio (293 –373)Patriarca de Alexandria, foi um dos mais destacados paisda Igreja. Ainda diácono, contribuiu decisivamente para acondenação da heresia ariana em 325 no Concílio deNicéia.2. Ambrósio de Milão (340 – 407)Teólogo e líder da Igreja, foi preceptor de Agostinho, aquem discipulou e batizou. Era honrado por todos nãosomente como intelectual, mas principalmente comoamoroso pastor de almas. Agostinho, em suasconfissões, mostra-o como um homem de Deusdedicadíssimo aos estudos. Em suas obras, procuroucombater energicamente o arianismo.
  19. 19. 3. João Crisóstomo ( 345 – 407)Foi um teólogo e escritor cristão, arcebispode Constantinopla. Pela sua inflamadaretórica, ficou conhecido comoCrisóstomo (que em grego significa boca deouro).4. Agostinho (354 – 430)Bispo de Hipona, Agostinho (354-430) éconsiderado o maior teólogo da IgrejaPrimitiva. Grande intérprete esistematizador das doutrinascristãs, deixou mais de 600 obras, entre asquais Confissões, SantíssimaTrindade, Cidade de Deus, Narrações Sobre
  20. 20. IV ALGUNS ACONTECIMENTOS 367: Concílio de Hipo: Ratificação dos 66 livros daBíblia. 386: São Jerônimo prepara a tradução latina da Bíblia(Vulgata). 400: Maria passa a ser considerada "mãe de Deus" e oscatólicos começam a interceder pelos mortos. 431: instituição do culto a Maria no Concílio de Éfeso. 451: Surge a doutrina da virgindade perpétua de Maria.
  21. 21. CONCLUSÃO Este foi o período que marcou a aparente vitória daigreja, porém vimos aqui o fracasso desta instituiçãopaganizada, o momento em que a pseudo igreja entroupor outro caminho. No próximo assunto veremos o Quarto Períododessa história, dez séculos de distanciamento dosprincípios, doutrinas e práticas bíblicas. Um período deprotestos por uma práxis, na Igreja, que correspondesseaos ditames da Palavra de Deus. Soli Deo gloria! Ir. Adriano Pascoa e-mail e msn: adrianoiuris@hotmail.com Facebook: http://www.facebook.com/adrianoiuris

×