Os francos, imp. carolingio

2.104 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.104
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os francos, imp. carolingio

  1. 1. Os Francos
  2. 2. • No ano de 476 o Império Romano do Ocidente chegou ao fim. Em seu lugar encontramos a partir de então diversos Reinos Bárbaros. É verdade que esses reinos não surgiram ao mesmo tempo; desde o século III vários povos bárbaros ocuparam partes do território romano. Os reinos formaram-se lentamente e de maneira desigual.
  3. 3. • O início da Idade Média é marcado pela queda do Império Romano em 476 d.C. A Era Medieval é dividida em Alta e Baixa Idade Média. A Alta Idade Média vai do século V ao século XI d.C., o período medieval inicia com o surgimento de diversos reinos no território do antigo império romano.
  4. 4. Povos bárbaros invasores ao Império Romano:• Germanos: francos, visigodos, saxões e vândalos.• Eslavos: sérvios, russos e croatas.• Tártaros - Mongóis: turcos e húngaros.
  5. 5. • Principais Reinos Bárbaros:• Reino dos Vândalos: Península Ibérica• Reino dos Ostrogodos: Península Itálica• Reino dos Anglo-Saxões: Inglaterra• Reino dos Francos: França e Alemanha
  6. 6. O Reino dos Francos:• Os Francos eram tribos de origem germânica que habitavam a região onde hoje é a Alemanha.• Em busca de novas terras, os francos invadem a GÁLIA, atual França.• No século V, o rei Clóvis I unifica as tribos francas tornando-se seu primeiro rei.
  7. 7. O batismo de Clóvis:
  8. 8. • Clóvis, que era cristão, alia-se a Igreja Católica e inicia um processo de expansão territorial.• Clóvis deu origem a dinastia dos MEROVÍNGIOS, nome em homenagem ao seu avô MEROVEU.• Após a morte de Clóvis o reino foi dividido e passou por um período de crises e disputas internas, período em que o poder real se enfraqueceu -
  9. 9. • E os governantes deste período foram chamados de: "reis indolentes“; cria-se o cargo de "Major Domus" (Prefeito do Palácio) e eles se fortalecem cada vez mais.Durante essa crise se destacaram Pepino de Heristal e depois seu filho, Carlos Martel. Na prática Carlos Martel governou como se fosse rei e conseguiu vitórias contra os saxões e povos da região do Rio Reno, porém seu feito mais importante foi a vitória sobre os muçulmanos na batalha de Poitiers, em 732.
  10. 10. A batalha de Poitiers:
  11. 11. • A política interna e externa - de guerras - adotada por Carlos Martel garantiram a seu filho, , Pepino, o breve, força suficiente para assumir o trono, iniciando a Dinastia Carolíngia, oficialmente em 751. Ele expulsa os lombardos da Itália doando suas terras à Igreja Católica, esta torna-se aliada dos Francos.
  12. 12. • A importância do reinado de Pepino III, o breve, residiu no fato de reunificar os povos e territórios francos, consolidar a aliança com a Igreja Católica ao combater os lombardos na Itália e centralizar o poder.
  13. 13. Carlos Magno:
  14. 14. O Império Carolíngio:• Em 768, Carlos Magno, filho de Pepino, sobe ao trono dos francos. Carlos Magno Manteve a política expansionista iniciada pelo pai, assim como a aliança com a Igreja Católica. Derrotou os lombardos e os saxões e do lado oriental dominou a Baviera e submeteu todas as tribos germânicas ocidentais.
  15. 15. • Embora as conquistas militares tenham sido significativas, foi nas áreas cultural, educacional e administrativa que o Império Carolíngio demonstrou grande avanço. Carlos Magno preocupou-se em preservar a cultura greco- romana, investiu na construção de escolas, criou um novo sistema monetário e estimulou o desenvolvimento das artes. Graças a estes avanços, o período ficou conhecido como o Renascimento Carolíngio.
  16. 16. • Na área educacional, o monge inglês Alcuíno foi o responsável pelo desenvolvimento do projeto escolar de Carlos Magno. A manutenção dos conhecimentos clássicos (gregos e romanos) tornou-se o objetivo principal desta reforma educacional. As escolas funcionavam junto aos mosteiros, aos bispados ou às cortes . Nestas escolas eram ensinadas as sete artes liberais: aritmética, geometria, astronomia, música, gramática, retórica e dialética.
  17. 17. • Para facilitar a administração do vasto território, Carlos Magno criou um sistema bem eficiente. As regiões foram divididas em condados (administradas pelos condes). Para fiscalizar a atuação dos condes, foi criado o cargo de missi dominici. Estes funcionários eram os enviados do imperador para fiscalizar os territórios. Ou seja, eles deveriam verificar e avisar ao imperador sobre a cobrança dos impostos, aplicação das leis e etc.
  18. 18. • A arte sofreu uma grande influência das culturas grega, romana e bizantina. Destacam- se a construção de palácios e igrejas. As iluminuras (livros pequenos com muitas ilustrações, com detalhes em dourado) e os relicários (recipientes decorados para guardar relíquias sagradas) também marcaram este período.
  19. 19. • No ano de 800, um importante fato histórico representou o poder de Carlos Magno. Aproximou-se da Igreja Católica e foi coroado imperador, do Sacro Império Romano- Germânico, pelo papa Leão III. Desta forma, colocou-se como um defensor e disseminador da fé cristã pelas terras dominadas.
  20. 20. O Império Carolíngio:
  21. 21. • Principais regiões conquistadas por Carlos Magno:• - Conquista da Germânia em 772. - Conquista da Pavia em 774. - Anexação do Ducado de Friuli (Itália). - Conquista das Ilhas Baleares em 779. - Conquista do Ducado de Spoleto na Itália em 780. - Tomada da cidade de Barcelona em 801.-
  22. 22. • O imperador morreu em 814 e seu herdeiro, Luís, o piedoso, não conseguiu preservar a centralização política. A principal contradição no reinado de Luís envolveu o costume bárbaro de dividir o reino e a pretensão da Igreja em mantê-lo unido.
  23. 23. • Quebrando a tradição o rei deixou o reino para o filho mais velho e, ao preterir os outros dois herdeiros, estabeleceu as condições para a disputa, marcada por rebeliões e guerras até 843, quando foi firmado o Tratado de Verdun, que dividiu o Império Franco entre os três herdeiros de Luís.
  24. 24. O Tratado de Verdún:

×