SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
A Reforma Protestante
    Até ao início do século XVI, muitos membros do alto clero viviam no luxo e
opulência em contraste com a pobreza que pregavam outras ordens religiosas. A
   corrupção e imoralidade era frequente entre os clérigos. Alguns humanistas
     cristãos apelaram para uma profunda reforma da Igreja, como Erasmo de
       Roterdão, que tentavam moralizar a vida eclesiástica e reconduzisse o
     Cristianismo à sua pureza original. No entanto, os papas não aceitaram as
                                        críticas.
 Em 1513 o papa Leão X enviou pregadores pedindo dinheiro paras as obras da
       Basílica de S. Pedro. Como recompensa, os fiéis recebiam uma bula de
indulgências – documento em que declarava o perdão pelos pecados das almas.
  Em 1517, Martinho Lutero (monge alemão), revoltou-se contra a doutrina em
que se baseavam as indulgências numa proclamação conhecida por: as Noventa
e Cinco Teses. As críticas de Martinho Lutero ensinavam que o crente não podia
alcançar a salvação eterna sem a mediação do clero e a prática de boas obras; o
fundamento era a fé: o homem salvava-se de tivesse fé, era por isso, necessário
 acreditar em Cristo e na sua palavra. Lutero traduziu a Bíblia para alemão, para
 poder ser interpretada por cada pessoa da sua maneira. Lutero defendia que o
  culto devia limitar-se à leitura da Bíblia e cântico de hinos, por isso, reduziu os
    sacramentos, mantendo apenas o batizado e a comunhão. Aboliu o culta à
   Virgem Maria e aos santos. Acabou com o celibato eclesiástico e estabeleceu
    que a Igreja não deveria possuir propriedades. Isto levou a que os príncipes
 alemães apoiassem o luteranismo, pois ficariam com os bens da Igreja Católica.
    As ideias reformistas de Martinho Lutero iniciaram a Reforma Protestante.
Este acabaria por ser excomungado pelo papa e só com a protecção de príncipes
                   alemães impediu que fosse condenado à morte.
Contra - Reforma e Reforma
                       Católica
  Enquanto a adoção do reformismo avançava, a Igreja Católica respondeu com
     um movimento de combate às ideias protestantes (Contra-Reforma) e de
                         renovação interna (Reforma Católica).
     Os bispos analisavam as críticas protestantes. De um modo geral, a Igreja
Católica não aceitou as propostas de mudança: reafirmaram-se todos os dogmas
       da fé cristã, isto é, princípios fundamentais de uma doutrina religiosa,
considerados uma verdade que não se questiona. Nestes dogmas mantinham-se
os sete sacramentos , reforçado o culto aos santos e à Virgem Maria, procuraram
   apenas mudar os costumes do clero e a organização da Igreja, impondo uma
                   disciplina mais severa e conservando o celibato.
   Foi criada, por Inácio de Loyola, uma nova ordem religiosa, a Companhia de
  Jesus, para defender o Catolicismo e promover a sua difusão pelo mundo. Os
  seus membros, os Jesuítas, dedicavam-se à missionação e constituíram uma
    importante barreira para o avanço do reformismo protestante, através da
                  pregação e do ensino em colégios e universidades.
      A Igreja Católica utilizou ainda o Index e a Inquisição para combater o
   reformismo protestante, O Index era um catálogo dos livros que os católicos
      estavam proibidos de ler, podendo ser excomungado quem o fizesse. A
 Inquisição era um tribunal destinado a defender a fé católica: vigiava, perseguia
      e condenava aqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões.
                     Censurava também toda a produção cultural.
Atuação da Inquisição
 Em Espanha, os Reis Católicos reativaram a Inquisição e expulsaram os Judeus
    dos seus territórios. A Inquisição por parte dos espanhóis foi de extrema
 violência para com todos os suspeitos de praticarem outras religiões sem ser a
                                      católica.
Aconteceu parecido em Portugal: D. Manuel I publicou uma lei de “Expulsão dos
Judeus”, ordenando o batismo forçado a menores de 14 anos e de todos os que
 não fossem para o estrangeiro. Os que ficaram passaram a chamar-se cristãos-
   novos, por oposição os que já eram cristãos (cristãos-velhos). E, apesar de
 convertidos, ainda eram mal vistos e suspeitados pela Inquisição. Milhares de
 cristãos-novos foram torturados e condenados em cerimónias públicas: autos-
         de-fé, durante quase todo o período da Inquisição em Portugal.




                    Estagnação cultural
 A cultura foi também muito vigiada, através do Index e da censura inquisitorial.
   Alguns humanistas, como Damião de Góis, foram perseguidos e muitas obras
literárias foram alteradas ou proibidas pela Inquisição. A Companhia de Jesus era
   um “exército de Deus” na defesa do Catolicismo, dispondo logo depois da sua
 fundação alguns colégios e uma universidade. O ensino jesuítico que se opunha
  ao espírito crítico renascentista e a Inquisição contribuíram para a travagem do
   reformismo protestante na Península como para uma estagnação cultural nos
                                  séculos seguintes.
Crise no Império Português
Os Portugueses tiveram grandes dificuldades em manter o Império e o comércio
                           do Oriente por várias razões:
  a) Os territórios eram muito vastos e dispersos (havia pouca gente para tão
                                   grande império;
  b) Estavam constantemente sujeitos aos ataques dos Muçulmanos e outros
                                       povos;
   c) Nas viagens pela rota do Cabo, os naufrágios e os ataques dos corsários
     eram frequentes e custavam grandes perdas (vidas, navios e mercadorias);
                 d) As rotas do Levante voltaram a animar-se;
e) Os Franceses, os Ingleses e Holandeses disputavam o monopólio dos mares.
 Todos estes fatores levaram a que o comércio da Rota do Cabo entrasse numa
     grande crise. Aumentavam os custos com a defesa do Império e diminuía o
      número de navios a regressar da Índia. Para tentar reanimar o tráfego do
        Oriente, o rei abriu-o aos particulares, mas não resolveu a contínua
                                     decadência.
Apogeu do Império Espanhol
  Em contraste com a situação de Portugal, Espanha era a maior potência
                                     europeia.
 O Rei Filipe II passou a dominar um imenso império marítimo e colonial, a
  Espanha não só controlava todas as rotas do comércio colonial como recebia
         das minas da América quantidades fabulosas de metais preciosos,
    principalmente prata. Toda esta riqueza se refletiu nas artes, no fausto da
      corte e no poderio militar: o século XVI foi el siglo de oro da Espanha.
 Filipe II tentou impor, na Europa, a hegemonia espanhola e supremacia do
                      Catolicismo, no entanto não conseguiu.

                            União Ibérica
Com o agravamento do comércio do Oriente, muitos portugueses passaram a
    defender a conquista de um império no Norte de África. Então, D. Sebastião
      em 1578, à frente de um numeroso exército desembarcou em Marrocos.
      Esta tentativa foi uma total derrota, na batalha de Alcácer Quibir, em que
                  morreram milhares de portugueses incluindo o Rei.
 A morte de D. Sebastião abriu uma grande crise política, pois o rei não tinha
         filhos nem irmãos. A coroa foi entregue ao seu tio-avô, o cardeal D.
           Henrique, que estava velho e doente, sem descendentes. Havia 3
       pretendentes ao trono, netos de D. Manuel I: Filipe II, rei de Espanha, D.
                          Catarina e D. António, prior do Crato.
 Filipe II com as suas promessas e ameaças conseguiu o apoio da nobreza, da
        burguesia (e clero). Os nobres esperavam que esta união garantisse a
          segurança dos domínios orientais e os burgueses desejavam poder
      comerciar com a América espanhola. O prior de Crato tinha apoio apenas
     das classes populares. Quando D. Henrique morreu, Filipe II enviou tropas
       para Portugal a fim de impor os seus direitos ao trono. O prior de Crato
        tentou resistir, mas o seu exército foi vencido na Batalha de Alcântara.
 D. Filipe II foi aclamado como rei de Portugal como D. Filipe I, nas Cortes de
   Tomar. Estabeleceu-se a União Ibérica : Estados independentes, unidos sob a
      chefia do mesmo soberano. Filipe I jurou manter autonomia de Portugal:
    respeitando os costumes, leis e liberdades, conservando a moeda e a língua
   portuguesa. Os cargos governativos eram exercidos apenas por portugueses.
        Nas primeiras décadas de domínio filipino, Portugal beneficiou de uma
            administração equilibrada mas houve agravamentos mais tarde.
União Ibérica




                  Restauração da Independência
A partir de 1620, começou a sentir-se em Portugal os efeitos da crise que afetava
    os espanhóis. As causas que levaram à restauração da independência foram:
         a) Os espanhóis estavam envolvidos na Guerra dos Trinta Anos;
          b) Os inimigos de Espanha tornaram-se inimigos de Portugal;
      c) O Império do Oriente português ia caindo em poder de ingleses e
                                     holandeses;
    d) Os ingleses e os holandeses começaram a fixar-se no Norte do Brasil;
  e) A ameaça de estar a perder o controlo do tráfego açucareiro (alarmou a
                                     burguesia);
  f) A revolta do povo com o agravamento dos impostos levaram a violentos
                                       motins;
g) A nobreza via com receio o desmoronar do Império como o autoritarismo do
                                conde-duque Olivares;
 h) A notícia de que Portugal se ia transformar numa província de Espanha e a
          ordem de mobilização de muitos nobres para irem combater para a
                                     Catalunha.
 Todos estes fatores fizeram com que, no dia 1 de Dezembro de 1640 um grupo
       de nobres tomou o poder em Lisboa e fez aclamar o duque de Bragança,
     como rei D. João IV. A restauração da independência acabou com a Guerra
        dos Trinta Anos para Portugal, obtendo assim o apoio dos inimigos de
      Espanha: Inglaterra e França. Assim, reorganizou-se o exército e a defesa(
       permitindo ganhar aos espanhóis as batalhas: Linhas de Elvas, Ameixial e
                    Montes Claros (a paz só foi assinada em 1668).
Holanda: crescimento e domínio dos mares

 Os países do Norte da Europa (Províncias Unidas, Inglaterra e França) entraram
    em luta contra a hegemonia política da Espanha e contra a sua pretensão do
               controlo exclusivo dos mares e do comércio ultramarino.
   As Províncias Unidas (região norte dos Países Baixos) tinham-se oposto ao
              domínio de Filipe II, formando uma república independente.
Os seus habitantes – nomeadamente os da Holanda dedicavam-se ao comércio e
     à construção naval. Dispunham de grandes navios que lhes permitiam fazer
         fretes baratos, tornaram-se os principais intermediários do comércio
            europeu. Em Amesterdão desenvolveu-se uma ativa burguesia ,
      maioritariamente protestante, tinha hábitos simples e austeros e investia
         todos os seus lucros nos negócios. A tolerância política e religiosa da
    Holanda atraía muitos capitalistas estrangeiros, muitos deles judeus. Devido
           à abundância de capitais, os Holandeses puderam fundar grandes
                                companhias de comércio.
    As companhias holandesas quebraram o monopólio marítimo dos países
       ibéricos. Era o triunfo do princípio do mar liberum, defendido por Hugo
      Grócio: qualquer nação deveria poder navegar livremente até à África, ao
                                 Oriente ou às Américas.
As companhias fundaram feitorias nos pontos estratégicos dos portugueses. Na
      Ásia, a Companhia das Índias Orientais fixou-se no arquipélago indonésio,
     em Ceilão, em Malaca e no Japão. Controlando a rota do Cabo, tornou-se a
    principal fornecedora da Europa em especiarias, sedas e chá. No Atlântico, a
         Companhia das Índias Ocidentais apoderou-se de S. Jorge da Mina e
                         conseguiu ocupar o Nordeste do Brasil.
        Deste modo, os Holandeses mantiveram a hegemonia nos mares.
Império Inglês: atividades; ato de navegação e
                          conflitos
Os Ingleses entraram na competição marítima e colonial. Durante o reinado de
    Isabel I, aventureiros e corsários britânicos atacavam os navios ibéricos e os
       portos peninsulares. D. Filipe II tentou invadir Inglaterra com a Armada
   Invencível mais saiu derrotada. Os Ingleses fundaram as suas companhias de
    comércio, como a Companhia das Índias Orientais, que passou a disputar os
       mercados das especiarias aos portugueses e holandeses. No Atlântico,
       ocuparam as Antilhas e feitorias do no Golfo da Guiné, participando no
      tráfico de escravos. Colonizavam também o litoral da América do Norte;
    fugindo às perseguições políticas e religiosas, numerosos emigrantes foram
         fixar-se no Novo Mundo. Originaram treze colónias naquela região.

A expansão inglesa entrou em choque com as outras novas potências coloniais.
     Primeiro com a hegemonia comercial da Holanda: Cromwell decretou um
      Acto de Navegação – os navios estrangeiros só podiam transportar para
      Inglaterra mercadorias produzidas no país de origem. Foi um duro golpe
       para a Holanda que entrou em confronto com a Inglaterra mas que foi
    vencida. Depois, houve rivalidade com a França pois os franceses ocuparam
     territórios na América do Norte, entrando em confronto com os colonos
         ingleses. Na Índia os franceses conquistaram importantes posições
                         ameaçando os interesses britânicos.
A Guerra dos Sete Anos veio resolver esses conflitos: a Inglaterra saiu vitoriosa e
        conseguiu dos Franceses o Canadá e acabou com as praças que estes
      possuíam no Oriente. Os Ingleses conseguiram a hegemonia marítima e
        colonial. Graças à burguesia e à nobreza, Londres tornou-se o maior
                          entreposto do comércio mundial.
Capitalismo comercial

 Com o alargamento da expansão colonial aumentou o volume de mercadorias
     orientais que circulavam pela rota do Cabo: especiarias, sedas, porcelanas,
      chá e tecidos de algodão indianos. No Atlântico desenvolveu-se um ativo
         tráfego triangular. Da África vinha a mão-de-obra escrava em troca de
     produtos de pouco valor, que era levada para as Américas: Tráfico negreiro.
      Da América trazia-se metais preciosos, açúcar, tabaco e algodão em troca
       dos escravos ou produtos manufaturados europeus. As transações eram
     feitas pelas companhias de comércio (sociedades formadas com os capitais
           de acionistas, recebiam privilégios do Estado, como concessão de
           monopólios – exclusivo comercial de certos produtos ou regiões).
 O comércio colonial era muito lucrativo, por isso os comerciantes investiam os
      seus lucros em novos negócios, permitindo uma constante acumulação de
    capital. Esta preocupação surgiu na burguesia mercantil do Norte da Europa.
    Ela constitui a base de um novo sistema económico: o capitalismo comercial.
  O capitalismo comercial exigiu o desenvolvimento de instituição financeiras:
    bancos e bolsas de valores. Os bancos recebiam depósitos de negociantes de
        todo o mundo, que confiavam-lhes o dinheiro para estes saldar os seus
    pagamentos e mais tarde praticavam operações de créditos (empréstimos a
                              troco de pagamento de juros).
As bolsas de valores eram mercados onde se negociavam ações das companhias
      e outros valores. Tanto os bancos como as bolsas de valores contribuíram
                               para a circulação de capitais.
A viragem para o Atlântico da atividade
                         comercial
Apesar da forte concorrência, Portugal continuou a ser uma importante potência
                                         colonial.
À medida que a crise do comércio do Oriente se agravava, os Portugueses foram
    explorando os territórios atlânticos: Brasil e São Tomé. Esta viragem atlântica
                      originou um novo período de prosperidade.
    O Brasil atraía milhares de colonos, por isso, estabeleceram-se extensas
        plantações de cana-de-açúcar e engenhos (instalações com aparelhos
    apropriados para moer a cana e fabricar o açúcar). Utilizava-se mão-de-obra
        escrava. Os colonos tentaram escravizar os Índios, mas a oposição dos
    missionários jesuítas não o permitiu (estes recolhiam-nos em aldeamentos).
       Passaram-se a importar escravos negros do golfo da Guiné e de Angola.
      Organizaram-se bandeiras – expedições que tinham por objetivo capturar
      índios e descobrir ouro e pedras preciosas. Os bandeirantes percorreram
     quase todo o território brasileiro, contribuindo para delimitar as fronteiras
                                         do país.
  Um intenso tráfego passou a ligar Portugal, o Brasil e o litoral africano. Este
     comércio triangular atlântico assentava no tráfego negreiro e nos produtos
     tropicais brasileiros. Da África saíam, para Portugal e para o Brasil milhares
     de escravos a troco de aguardente, panos ou utensílios de metal. Do Brasil
      vinham para a metrópole o açúcar e o tabaco, produtos cuja procura era
                               cada vez maior na Europa.
  Isto explica o desenvolvimento da burguesia mercantil em Lisboa e noutros
                                   portos portugueses.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Joana Filipa Rodrigues
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarRaffaella Ergün
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuCarlos Vieira
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2Vítor Santos
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogueVítor Santos
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaThepatriciamartins12
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIICátia Botelho
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
O domínio de Triade
O domínio de TriadeO domínio de Triade
O domínio de TriadeCarlos Vieira
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesJoão Fernandes
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesasandrabranco
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xivcattonia
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquistaCarina Vale
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Maria Gomes
 

Mais procurados (20)

A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
O domínio de Triade
O domínio de TriadeO domínio de Triade
O domínio de Triade
 
Teste historia renascimento
Teste historia renascimentoTeste historia renascimento
Teste historia renascimento
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesa
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 

Destaque

Características gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xviiCaracterísticas gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xviiTomás Garcez
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuVítor Santos
 
População da europa nos séculos xvii e xviii
População da europa nos séculos xvii e xviiiPopulação da europa nos séculos xvii e xviii
População da europa nos séculos xvii e xviiiJoão Trovão
 
A população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii eA população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii eCarla Teixeira
 
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiVítor Santos
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIMaria Gomes
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)Andreia Pacheco
 
1. população da europa nos séc
1. população da europa nos séc1. população da europa nos séc
1. população da europa nos séccattonia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuVítor Santos
 
Brasil séc XVII e XVIII
Brasil séc XVII e XVIIIBrasil séc XVII e XVIII
Brasil séc XVII e XVIIIMarcos Judice
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIRainha Maga
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoDenis Best
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIIIcruchinho
 
Portugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundoPortugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundoTânia Baptista
 
Exercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º AnoExercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º AnoVera Sezões
 

Destaque (20)

Características gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xviiCaracterísticas gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xvii
 
Sec. XVII e XVIII
Sec. XVII e XVIIISec. XVII e XVIII
Sec. XVII e XVIII
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 
População da europa nos séculos xvii e xviii
População da europa nos séculos xvii e xviiiPopulação da europa nos séculos xvii e xviii
População da europa nos séculos xvii e xviii
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii eA população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii e
 
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
1. população da europa nos séc
1. população da europa nos séc1. população da europa nos séc
1. população da europa nos séc
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Brasil séc XVII e XVIII
Brasil séc XVII e XVIIIBrasil séc XVII e XVIII
Brasil séc XVII e XVIII
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º Ano
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
Portugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundoPortugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundo
 
Exercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º AnoExercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º Ano
 

Semelhante a Reforma Protestante em

Resposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de HistóriaResposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de HistóriaFilipe Machado
 
Apostila protestantismo no brasil
Apostila protestantismo no brasilApostila protestantismo no brasil
Apostila protestantismo no brasiluverlan
 
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasHistória da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasAndre Nascimento
 
História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil
História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e BrasilHistória da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil
História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e BrasilAndre Nascimento
 
A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história
A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da históriaA verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história
A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da históriaFernando Alcoforado
 
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas ReformadasHistória da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas ReformadasAndre Nascimento
 
Revisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoRevisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoeunamahcado
 
08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestanteNaira Oliveira
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim históriaLigia Amaral
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasZé Knust
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoGustavo Cuin
 
CenáRio Europeu
CenáRio EuropeuCenáRio Europeu
CenáRio Europeubloghist
 

Semelhante a Reforma Protestante em (20)

Resposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de HistóriaResposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de História
 
Hist doc 7.3
Hist doc 7.3Hist doc 7.3
Hist doc 7.3
 
Apostila protestantismo no brasil
Apostila protestantismo no brasilApostila protestantismo no brasil
Apostila protestantismo no brasil
 
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasHistória da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
 
História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil
História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e BrasilHistória da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil
História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil
 
A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história
A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da históriaA verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história
A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história
 
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas ReformadasHistória da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
 
Revisão brasil açucar
Revisão brasil açucarRevisão brasil açucar
Revisão brasil açucar
 
Revisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoRevisão de história 1º ano
Revisão de história 1º ano
 
Historia II - M2
Historia II - M2Historia II - M2
Historia II - M2
 
08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim história
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
Idade moderna i
Idade moderna iIdade moderna i
Idade moderna i
 
Revisão brasil açucar
Revisão brasil açucarRevisão brasil açucar
Revisão brasil açucar
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
 
Resumo tempo de reformas
Resumo tempo de reformas Resumo tempo de reformas
Resumo tempo de reformas
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismo
 
CenáRio Europeu
CenáRio EuropeuCenáRio Europeu
CenáRio Europeu
 

Mais de inessalgado

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camõesinessalgado
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasinessalgado
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasinessalgado
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: característicasinessalgado
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"inessalgado
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosinessalgado
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberaisinessalgado
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...inessalgado
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breynerinessalgado
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo inessalgado
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" inessalgado
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner inessalgado
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasinessalgado
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vidainessalgado
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciainessalgado
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioinessalgado
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)inessalgado
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvialinessalgado
 
Triângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosTriângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosinessalgado
 

Mais de inessalgado (20)

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
 
Triângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosTriângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláteros
 

Reforma Protestante em

  • 1. A Reforma Protestante Até ao início do século XVI, muitos membros do alto clero viviam no luxo e opulência em contraste com a pobreza que pregavam outras ordens religiosas. A corrupção e imoralidade era frequente entre os clérigos. Alguns humanistas cristãos apelaram para uma profunda reforma da Igreja, como Erasmo de Roterdão, que tentavam moralizar a vida eclesiástica e reconduzisse o Cristianismo à sua pureza original. No entanto, os papas não aceitaram as críticas. Em 1513 o papa Leão X enviou pregadores pedindo dinheiro paras as obras da Basílica de S. Pedro. Como recompensa, os fiéis recebiam uma bula de indulgências – documento em que declarava o perdão pelos pecados das almas. Em 1517, Martinho Lutero (monge alemão), revoltou-se contra a doutrina em que se baseavam as indulgências numa proclamação conhecida por: as Noventa e Cinco Teses. As críticas de Martinho Lutero ensinavam que o crente não podia alcançar a salvação eterna sem a mediação do clero e a prática de boas obras; o fundamento era a fé: o homem salvava-se de tivesse fé, era por isso, necessário acreditar em Cristo e na sua palavra. Lutero traduziu a Bíblia para alemão, para poder ser interpretada por cada pessoa da sua maneira. Lutero defendia que o culto devia limitar-se à leitura da Bíblia e cântico de hinos, por isso, reduziu os sacramentos, mantendo apenas o batizado e a comunhão. Aboliu o culta à Virgem Maria e aos santos. Acabou com o celibato eclesiástico e estabeleceu que a Igreja não deveria possuir propriedades. Isto levou a que os príncipes alemães apoiassem o luteranismo, pois ficariam com os bens da Igreja Católica. As ideias reformistas de Martinho Lutero iniciaram a Reforma Protestante. Este acabaria por ser excomungado pelo papa e só com a protecção de príncipes alemães impediu que fosse condenado à morte.
  • 2. Contra - Reforma e Reforma Católica Enquanto a adoção do reformismo avançava, a Igreja Católica respondeu com um movimento de combate às ideias protestantes (Contra-Reforma) e de renovação interna (Reforma Católica). Os bispos analisavam as críticas protestantes. De um modo geral, a Igreja Católica não aceitou as propostas de mudança: reafirmaram-se todos os dogmas da fé cristã, isto é, princípios fundamentais de uma doutrina religiosa, considerados uma verdade que não se questiona. Nestes dogmas mantinham-se os sete sacramentos , reforçado o culto aos santos e à Virgem Maria, procuraram apenas mudar os costumes do clero e a organização da Igreja, impondo uma disciplina mais severa e conservando o celibato. Foi criada, por Inácio de Loyola, uma nova ordem religiosa, a Companhia de Jesus, para defender o Catolicismo e promover a sua difusão pelo mundo. Os seus membros, os Jesuítas, dedicavam-se à missionação e constituíram uma importante barreira para o avanço do reformismo protestante, através da pregação e do ensino em colégios e universidades. A Igreja Católica utilizou ainda o Index e a Inquisição para combater o reformismo protestante, O Index era um catálogo dos livros que os católicos estavam proibidos de ler, podendo ser excomungado quem o fizesse. A Inquisição era um tribunal destinado a defender a fé católica: vigiava, perseguia e condenava aqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões. Censurava também toda a produção cultural.
  • 3. Atuação da Inquisição Em Espanha, os Reis Católicos reativaram a Inquisição e expulsaram os Judeus dos seus territórios. A Inquisição por parte dos espanhóis foi de extrema violência para com todos os suspeitos de praticarem outras religiões sem ser a católica. Aconteceu parecido em Portugal: D. Manuel I publicou uma lei de “Expulsão dos Judeus”, ordenando o batismo forçado a menores de 14 anos e de todos os que não fossem para o estrangeiro. Os que ficaram passaram a chamar-se cristãos- novos, por oposição os que já eram cristãos (cristãos-velhos). E, apesar de convertidos, ainda eram mal vistos e suspeitados pela Inquisição. Milhares de cristãos-novos foram torturados e condenados em cerimónias públicas: autos- de-fé, durante quase todo o período da Inquisição em Portugal. Estagnação cultural A cultura foi também muito vigiada, através do Index e da censura inquisitorial. Alguns humanistas, como Damião de Góis, foram perseguidos e muitas obras literárias foram alteradas ou proibidas pela Inquisição. A Companhia de Jesus era um “exército de Deus” na defesa do Catolicismo, dispondo logo depois da sua fundação alguns colégios e uma universidade. O ensino jesuítico que se opunha ao espírito crítico renascentista e a Inquisição contribuíram para a travagem do reformismo protestante na Península como para uma estagnação cultural nos séculos seguintes.
  • 4. Crise no Império Português Os Portugueses tiveram grandes dificuldades em manter o Império e o comércio do Oriente por várias razões: a) Os territórios eram muito vastos e dispersos (havia pouca gente para tão grande império; b) Estavam constantemente sujeitos aos ataques dos Muçulmanos e outros povos; c) Nas viagens pela rota do Cabo, os naufrágios e os ataques dos corsários eram frequentes e custavam grandes perdas (vidas, navios e mercadorias); d) As rotas do Levante voltaram a animar-se; e) Os Franceses, os Ingleses e Holandeses disputavam o monopólio dos mares. Todos estes fatores levaram a que o comércio da Rota do Cabo entrasse numa grande crise. Aumentavam os custos com a defesa do Império e diminuía o número de navios a regressar da Índia. Para tentar reanimar o tráfego do Oriente, o rei abriu-o aos particulares, mas não resolveu a contínua decadência.
  • 5. Apogeu do Império Espanhol Em contraste com a situação de Portugal, Espanha era a maior potência europeia. O Rei Filipe II passou a dominar um imenso império marítimo e colonial, a Espanha não só controlava todas as rotas do comércio colonial como recebia das minas da América quantidades fabulosas de metais preciosos, principalmente prata. Toda esta riqueza se refletiu nas artes, no fausto da corte e no poderio militar: o século XVI foi el siglo de oro da Espanha. Filipe II tentou impor, na Europa, a hegemonia espanhola e supremacia do Catolicismo, no entanto não conseguiu. União Ibérica Com o agravamento do comércio do Oriente, muitos portugueses passaram a defender a conquista de um império no Norte de África. Então, D. Sebastião em 1578, à frente de um numeroso exército desembarcou em Marrocos. Esta tentativa foi uma total derrota, na batalha de Alcácer Quibir, em que morreram milhares de portugueses incluindo o Rei. A morte de D. Sebastião abriu uma grande crise política, pois o rei não tinha filhos nem irmãos. A coroa foi entregue ao seu tio-avô, o cardeal D. Henrique, que estava velho e doente, sem descendentes. Havia 3 pretendentes ao trono, netos de D. Manuel I: Filipe II, rei de Espanha, D. Catarina e D. António, prior do Crato. Filipe II com as suas promessas e ameaças conseguiu o apoio da nobreza, da burguesia (e clero). Os nobres esperavam que esta união garantisse a segurança dos domínios orientais e os burgueses desejavam poder comerciar com a América espanhola. O prior de Crato tinha apoio apenas das classes populares. Quando D. Henrique morreu, Filipe II enviou tropas para Portugal a fim de impor os seus direitos ao trono. O prior de Crato tentou resistir, mas o seu exército foi vencido na Batalha de Alcântara. D. Filipe II foi aclamado como rei de Portugal como D. Filipe I, nas Cortes de Tomar. Estabeleceu-se a União Ibérica : Estados independentes, unidos sob a chefia do mesmo soberano. Filipe I jurou manter autonomia de Portugal: respeitando os costumes, leis e liberdades, conservando a moeda e a língua portuguesa. Os cargos governativos eram exercidos apenas por portugueses. Nas primeiras décadas de domínio filipino, Portugal beneficiou de uma administração equilibrada mas houve agravamentos mais tarde.
  • 6. União Ibérica Restauração da Independência A partir de 1620, começou a sentir-se em Portugal os efeitos da crise que afetava os espanhóis. As causas que levaram à restauração da independência foram: a) Os espanhóis estavam envolvidos na Guerra dos Trinta Anos; b) Os inimigos de Espanha tornaram-se inimigos de Portugal; c) O Império do Oriente português ia caindo em poder de ingleses e holandeses; d) Os ingleses e os holandeses começaram a fixar-se no Norte do Brasil; e) A ameaça de estar a perder o controlo do tráfego açucareiro (alarmou a burguesia); f) A revolta do povo com o agravamento dos impostos levaram a violentos motins; g) A nobreza via com receio o desmoronar do Império como o autoritarismo do conde-duque Olivares; h) A notícia de que Portugal se ia transformar numa província de Espanha e a ordem de mobilização de muitos nobres para irem combater para a Catalunha. Todos estes fatores fizeram com que, no dia 1 de Dezembro de 1640 um grupo de nobres tomou o poder em Lisboa e fez aclamar o duque de Bragança, como rei D. João IV. A restauração da independência acabou com a Guerra dos Trinta Anos para Portugal, obtendo assim o apoio dos inimigos de Espanha: Inglaterra e França. Assim, reorganizou-se o exército e a defesa( permitindo ganhar aos espanhóis as batalhas: Linhas de Elvas, Ameixial e Montes Claros (a paz só foi assinada em 1668).
  • 7. Holanda: crescimento e domínio dos mares Os países do Norte da Europa (Províncias Unidas, Inglaterra e França) entraram em luta contra a hegemonia política da Espanha e contra a sua pretensão do controlo exclusivo dos mares e do comércio ultramarino. As Províncias Unidas (região norte dos Países Baixos) tinham-se oposto ao domínio de Filipe II, formando uma república independente. Os seus habitantes – nomeadamente os da Holanda dedicavam-se ao comércio e à construção naval. Dispunham de grandes navios que lhes permitiam fazer fretes baratos, tornaram-se os principais intermediários do comércio europeu. Em Amesterdão desenvolveu-se uma ativa burguesia , maioritariamente protestante, tinha hábitos simples e austeros e investia todos os seus lucros nos negócios. A tolerância política e religiosa da Holanda atraía muitos capitalistas estrangeiros, muitos deles judeus. Devido à abundância de capitais, os Holandeses puderam fundar grandes companhias de comércio. As companhias holandesas quebraram o monopólio marítimo dos países ibéricos. Era o triunfo do princípio do mar liberum, defendido por Hugo Grócio: qualquer nação deveria poder navegar livremente até à África, ao Oriente ou às Américas. As companhias fundaram feitorias nos pontos estratégicos dos portugueses. Na Ásia, a Companhia das Índias Orientais fixou-se no arquipélago indonésio, em Ceilão, em Malaca e no Japão. Controlando a rota do Cabo, tornou-se a principal fornecedora da Europa em especiarias, sedas e chá. No Atlântico, a Companhia das Índias Ocidentais apoderou-se de S. Jorge da Mina e conseguiu ocupar o Nordeste do Brasil. Deste modo, os Holandeses mantiveram a hegemonia nos mares.
  • 8. Império Inglês: atividades; ato de navegação e conflitos Os Ingleses entraram na competição marítima e colonial. Durante o reinado de Isabel I, aventureiros e corsários britânicos atacavam os navios ibéricos e os portos peninsulares. D. Filipe II tentou invadir Inglaterra com a Armada Invencível mais saiu derrotada. Os Ingleses fundaram as suas companhias de comércio, como a Companhia das Índias Orientais, que passou a disputar os mercados das especiarias aos portugueses e holandeses. No Atlântico, ocuparam as Antilhas e feitorias do no Golfo da Guiné, participando no tráfico de escravos. Colonizavam também o litoral da América do Norte; fugindo às perseguições políticas e religiosas, numerosos emigrantes foram fixar-se no Novo Mundo. Originaram treze colónias naquela região. A expansão inglesa entrou em choque com as outras novas potências coloniais. Primeiro com a hegemonia comercial da Holanda: Cromwell decretou um Acto de Navegação – os navios estrangeiros só podiam transportar para Inglaterra mercadorias produzidas no país de origem. Foi um duro golpe para a Holanda que entrou em confronto com a Inglaterra mas que foi vencida. Depois, houve rivalidade com a França pois os franceses ocuparam territórios na América do Norte, entrando em confronto com os colonos ingleses. Na Índia os franceses conquistaram importantes posições ameaçando os interesses britânicos. A Guerra dos Sete Anos veio resolver esses conflitos: a Inglaterra saiu vitoriosa e conseguiu dos Franceses o Canadá e acabou com as praças que estes possuíam no Oriente. Os Ingleses conseguiram a hegemonia marítima e colonial. Graças à burguesia e à nobreza, Londres tornou-se o maior entreposto do comércio mundial.
  • 9. Capitalismo comercial Com o alargamento da expansão colonial aumentou o volume de mercadorias orientais que circulavam pela rota do Cabo: especiarias, sedas, porcelanas, chá e tecidos de algodão indianos. No Atlântico desenvolveu-se um ativo tráfego triangular. Da África vinha a mão-de-obra escrava em troca de produtos de pouco valor, que era levada para as Américas: Tráfico negreiro. Da América trazia-se metais preciosos, açúcar, tabaco e algodão em troca dos escravos ou produtos manufaturados europeus. As transações eram feitas pelas companhias de comércio (sociedades formadas com os capitais de acionistas, recebiam privilégios do Estado, como concessão de monopólios – exclusivo comercial de certos produtos ou regiões). O comércio colonial era muito lucrativo, por isso os comerciantes investiam os seus lucros em novos negócios, permitindo uma constante acumulação de capital. Esta preocupação surgiu na burguesia mercantil do Norte da Europa. Ela constitui a base de um novo sistema económico: o capitalismo comercial. O capitalismo comercial exigiu o desenvolvimento de instituição financeiras: bancos e bolsas de valores. Os bancos recebiam depósitos de negociantes de todo o mundo, que confiavam-lhes o dinheiro para estes saldar os seus pagamentos e mais tarde praticavam operações de créditos (empréstimos a troco de pagamento de juros). As bolsas de valores eram mercados onde se negociavam ações das companhias e outros valores. Tanto os bancos como as bolsas de valores contribuíram para a circulação de capitais.
  • 10. A viragem para o Atlântico da atividade comercial Apesar da forte concorrência, Portugal continuou a ser uma importante potência colonial. À medida que a crise do comércio do Oriente se agravava, os Portugueses foram explorando os territórios atlânticos: Brasil e São Tomé. Esta viragem atlântica originou um novo período de prosperidade. O Brasil atraía milhares de colonos, por isso, estabeleceram-se extensas plantações de cana-de-açúcar e engenhos (instalações com aparelhos apropriados para moer a cana e fabricar o açúcar). Utilizava-se mão-de-obra escrava. Os colonos tentaram escravizar os Índios, mas a oposição dos missionários jesuítas não o permitiu (estes recolhiam-nos em aldeamentos). Passaram-se a importar escravos negros do golfo da Guiné e de Angola. Organizaram-se bandeiras – expedições que tinham por objetivo capturar índios e descobrir ouro e pedras preciosas. Os bandeirantes percorreram quase todo o território brasileiro, contribuindo para delimitar as fronteiras do país. Um intenso tráfego passou a ligar Portugal, o Brasil e o litoral africano. Este comércio triangular atlântico assentava no tráfego negreiro e nos produtos tropicais brasileiros. Da África saíam, para Portugal e para o Brasil milhares de escravos a troco de aguardente, panos ou utensílios de metal. Do Brasil vinham para a metrópole o açúcar e o tabaco, produtos cuja procura era cada vez maior na Europa. Isto explica o desenvolvimento da burguesia mercantil em Lisboa e noutros portos portugueses.