SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Esta pode ser entendida por “Suicídio Assistido” ou “Morte Voluntária”. Este tema já vem a ser debatido desde há muitos séculos atrás, contudo continua a ser controverso e chocante, uma vez que interfere com determinados princípios (éticos [Bioética], religiosos, jurídicos...), assim como choca inevitavelmente com a concepção criada em redor do valor da vida e da dignidade humana. A Bioética é uma disciplina relativamente nova no campo da filosofia e surgiu em função da necessidade de se discutir moralmente os efeitos resultantes do avanço tecnológico das ciências na área da saúde.
Isto distingue a eutanásia da maior parte das outras formas de retirar a vida. Na actualidade, entende-se geralmente que "eutanásia" significa provocar uma boa morte ― "morte misericordiosa", em que uma pessoa acaba com a vida de outra para benefício desta). Este entendimento da palavra realça duas importantes características dos actos de eutanásia: ,[object Object],[object Object]
As raízes da tradição ocidental, no tempo dos gregos e dos romanos, práticas como o infanticídio, o suicídio e a eutanásia eram largamente aceites.  A maior parte dos historiadores da moral ocidental estão de acordo em que o judaísmo e a ascensão do Cristianismo contribuíram enormemente para o sentimento geral de que a vida humana tem santidade e não deve ser deliberadamente tirada. Tirar uma vida humana inocente é, nestas tradições, usurpar o direito de Deus de dar e tirar a vida.  Todas as sociedades que conhecemos aceitam algum princípio ou princípios que proíbem que se tire a vida, mas há grandes variações entre as tradições culturais sobre quando é considerado errado tirar a vida.
Há uma relação estreita entre eutanásia voluntária e suicídio assistido, em que uma pessoa ajuda outra a acabar com a sua vida (por exemplo, quando A obtém os medicamentos que irão permitir a B que se suicide).  Um exemplo destes, é o mundialmente famoso caso de Ramón Sampedro, que solicitou à justiça espanhola o direito de morrer, cujo qual nao lhe foi concedido, levando-o a provocar a sua propria morte, com a ajuda de amigos, através da injestao de cianeto. O caso foi arquivado em tribunal.
Pode ser, por exemplo, um recém-nascido irremediavelmente doente ou incapacitado;ou porque a doença ou um acidente tornaram incapaz uma pessoa anteriormente capaz, sem que tenha previamente indicado se sob certas circunstâncias quereria ou não praticar a eutanásia. A eutanásia é não-voluntária quando a pessoa a quem se retira a vida não pode escolher entre a vida e a morte para si.
Embora os casos claros de eutanásia involuntária possam ser relativamente raros, houve quem defendesse que algumas práticas médicas largamente aceites (como as de administrar doses cada vez maiores de medicamentos contra a dor que eventualmente causarão a morte do doente, ou a suspensão não consentida ― para retirar a vida ― do tratamento) equivalem a eutanásia involuntária. A eutanásia é involuntária quando é realizada numa pessoa que poderia ter consentido ou recusado a sua própria morte, mas não o fez ― seja porque não lhe perguntaram, seja porque lhe perguntaram mas não deu consentimento, querendo continuar a viver.
A eutanásia é definida de forma vaga como "morte misericordiosa".  Casos do primeiro género são vulgarmente referidos como eutanásia "activa" ou "positiva", enquanto casos do segundo género são frequentemente referidos como eutanásia "passiva" ou "negativa".  ,[object Object],[object Object],[object Object],Quaisquer dos três géneros de eutanásia indicados anteriormente ― eutanásia voluntária, não- voluntária e involuntária ― pode ser passivo ou activo.
O debate da eutanásia diz respeito a acções e omissões intencionais, isto é, com mortes deliberada e intencionalmente provocadas numa situação em que o agente poderia ter agido de outro modo. Disparar sobre alguém é uma acção que poderá levar à morte, não conseguir ou não querer ajudar a vítima de um tiroteio é uma omissão, mas deixou o outro morrer.  Há alguns problemas em distinguir entre matar e deixar morrer. Muitos não consideraram esta distinção plausível e foram feitas várias tentativas de a traçar de outro modo.   É a distinção entre matar e deixar morrer, ou entre eutanásia activa e passiva, moralmente significativa? Matar uma pessoa é sempre moralmente pior do que deixá-la morrer?  Foram propostas várias razões para que seja assim.  Matar uma pessoa é, então, considerado pior do que deixar uma pessoa morrer.
Consiste em atrasar o mais possível o momento da morte usando todos os meios, proporcionados ou não, ainda que não haja esperança alguma de cura, e ainda que isso signifique infligir ao moribundo sofrimentos adicionais que, obviamente, não conseguirão afastar a inevitável morte, mas apenas atrasá-la umas horas ou uns dias em condições deploráveis para o doente.  A distanásia (do grego “dis”, mal, algo mal feito, e “thánatos”, morte) é o contrário da eutanásia.  Tecnologias médicas poderosas permitem aos médicos manter a vida de muitos pacientes que, apenas há uma década ou duas atrás, teriam morrido porque os meios para impedir a morte não existiam. Devido a isto, coloca-se ainda com mais urgência uma velha questão: Devem os médicos fazer  sempre  tudo o que é possível para tentar salvar a vida de um doente?
Este ponto de vista é partilhado mesmo por aqueles que vêem a eutanásia ou o termo intencional da vida sempre como errado. Isto levanta a necessidade premente de um critério que distinga entre omissões admissíveis e não-admissíveis dos meios de suporte à vida.    A maior parte dos autores da área concordam em que há alturas em que o tratamento de suporte à vida deve ser retirado e se deve permitir que um doente morra.  Se um paciente recusava os meios normais ― por exemplo, a comida ― essa recusa era vista como suicídio, ou termo intencional da vida. A recusa de meios extraordinários (por exemplo, uma cirurgia dolorosa ou de risco), por outro lado, não era vista como o termo intencional da vida. Nem toda a gente concorda que a interrupção do tratamento extraordinário  é um caso de eutanásia passiva
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Nota : Estudo publicado este ano sobre "Atitudes Sociais dos Portugueses" da responsabilidade de José Machado Pais, Manuel Vilaverde Cabral e Jorge Vala, do Instituto de Ciências Sociais, da Universidade de Lisboa
Nota : o estudo consiste em perguntar, igualmente a pessoas de ambos os sexos sem ter em consideração a idade ou estrato social, a opinião sobre eutanásia (pergunta -“Concorda ou não concorda com a permissão da pratica das situação bioética a seguir enunciada? – Eutanásia”). O estudo foi feito a 30 elementos do sexo masculino e 30 do sexo feminino.
A maioria das pessoas inquiridas concorda com a prática da eutanásia embora a maior parte tenha referido que deve haver restrições à aplicação e uma análise profunda das consequências aplicadas a cada caso.    As pessoas admitem frequentemente que pode não haver nenhuma diferença moral intrínseca entre eutanásia activa e passiva, entre meios normais e extraordinários, e entre mortes que são directamente desejadas e mortes que são apenas previstas.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásiamingos11
 
Trabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásiaTrabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásiafigo
 
Eutanasia jorge versao final
Eutanasia jorge versao finalEutanasia jorge versao final
Eutanasia jorge versao finalbenficamateus
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaLetícia R. Maia
 
Trabalho sobre eutanásia.pptxneto
Trabalho sobre eutanásia.pptxnetoTrabalho sobre eutanásia.pptxneto
Trabalho sobre eutanásia.pptxnetoNetosaimon Silva
 
Eutanásia (argumentos contra)
Eutanásia (argumentos contra)Eutanásia (argumentos contra)
Eutanásia (argumentos contra)rtissi22
 
Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...
Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...
Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...Fabiano Da Ventura
 
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Lucas Fontes
 
Eutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º aEutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º amluisavalente
 
Eutanásia, distanásia e ortotanásia
Eutanásia, distanásia e ortotanásiaEutanásia, distanásia e ortotanásia
Eutanásia, distanásia e ortotanásiaMathias Santos
 
Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Futuros Medicos
 

Mais procurados (20)

Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Trabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásiaTrabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásia
 
Eutanasia jorge versao final
Eutanasia jorge versao finalEutanasia jorge versao final
Eutanasia jorge versao final
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
 
Trabalho sobre eutanásia.pptxneto
Trabalho sobre eutanásia.pptxnetoTrabalho sobre eutanásia.pptxneto
Trabalho sobre eutanásia.pptxneto
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia (argumentos contra)
Eutanásia (argumentos contra)Eutanásia (argumentos contra)
Eutanásia (argumentos contra)
 
Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...
Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...
Atuação Ética e Legal do Enfermeiro no Cotidiano - Eutanásia, Distanásia e Or...
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
EUTANÁSIA
EUTANÁSIAEUTANÁSIA
EUTANÁSIA
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Pena de Morte
Pena de Morte Pena de Morte
Pena de Morte
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º aEutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º a
 
Eutanásia, distanásia e ortotanásia
Eutanásia, distanásia e ortotanásiaEutanásia, distanásia e ortotanásia
Eutanásia, distanásia e ortotanásia
 
Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2
 

Semelhante a Eutanasia

Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásiaCópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásiaEmanuel Maldonado
 
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásiaNo sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásiaOscar Bayerlein
 
Ensaio Eutanásia
Ensaio EutanásiaEnsaio Eutanásia
Ensaio Eutanásiananasimao
 
Ética do fim de vida
Ética do fim de vidaÉtica do fim de vida
Ética do fim de vidajmbveiga
 
Bioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaBioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaRaianeEnfermagem
 
EutanáSia
EutanáSiaEutanáSia
EutanáSiacab3032
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxIsadoraPereira32
 
Seminário distanásia
Seminário distanásiaSeminário distanásia
Seminário distanásiaDessa Reis
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaHamilton Souza
 
Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7
Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7
Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7Cleanto Santos Vieira
 

Semelhante a Eutanasia (20)

Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásiaCópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásiaNo sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
 
Ética e Eutanásia
Ética e EutanásiaÉtica e Eutanásia
Ética e Eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Ensaio Eutanásia
Ensaio EutanásiaEnsaio Eutanásia
Ensaio Eutanásia
 
Eutanásia2
Eutanásia2Eutanásia2
Eutanásia2
 
Eutanásia
Eutanásia Eutanásia
Eutanásia
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
 
Eutanásia psic b
Eutanásia psic bEutanásia psic b
Eutanásia psic b
 
Ética do fim de vida
Ética do fim de vidaÉtica do fim de vida
Ética do fim de vida
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
 
Bioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaBioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
EutanáSia
EutanáSiaEutanáSia
EutanáSia
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
 
Seminário distanásia
Seminário distanásiaSeminário distanásia
Seminário distanásia
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
 
Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7
Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7
Ética e bioética - eutanásia - cap 4 aula 7
 

Mais de António Morais

Condicoes comercializacaopaineissolares
Condicoes comercializacaopaineissolaresCondicoes comercializacaopaineissolares
Condicoes comercializacaopaineissolaresAntónio Morais
 
Relatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaRelatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaAntónio Morais
 
Relatório observação de cromossomas 9D
Relatório  observação de cromossomas 9DRelatório  observação de cromossomas 9D
Relatório observação de cromossomas 9DAntónio Morais
 
Trabalho realizado por : Marcos Teixeira
Trabalho realizado por : Marcos TeixeiraTrabalho realizado por : Marcos Teixeira
Trabalho realizado por : Marcos TeixeiraAntónio Morais
 
Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1António Morais
 
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologiaRiscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologiaAntónio Morais
 
Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na MedicinaAplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na MedicinaAntónio Morais
 
Relatorio Avaliacao 2008 09
Relatorio Avaliacao 2008 09Relatorio Avaliacao 2008 09
Relatorio Avaliacao 2008 09António Morais
 

Mais de António Morais (20)

Condicoes comercializacaopaineissolares
Condicoes comercializacaopaineissolaresCondicoes comercializacaopaineissolares
Condicoes comercializacaopaineissolares
 
Relatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaRelatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebola
 
Relatório observação de cromossomas 9D
Relatório  observação de cromossomas 9DRelatório  observação de cromossomas 9D
Relatório observação de cromossomas 9D
 
Ninho joão de barro
Ninho joão de barroNinho joão de barro
Ninho joão de barro
 
Relatorio cn
Relatorio cnRelatorio cn
Relatorio cn
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
 
Leão marinho
Leão marinhoLeão marinho
Leão marinho
 
Trabalho realizado por : Marcos Teixeira
Trabalho realizado por : Marcos TeixeiraTrabalho realizado por : Marcos Teixeira
Trabalho realizado por : Marcos Teixeira
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Violência Doméstica
Violência DomésticaViolência Doméstica
Violência Doméstica
 
Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1
 
Nº17 Manuela 9 F
Nº17 Manuela 9 FNº17 Manuela 9 F
Nº17 Manuela 9 F
 
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologiaRiscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
 
Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na MedicinaAplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
 
Alimentação e Saúde
Alimentação e SaúdeAlimentação e Saúde
Alimentação e Saúde
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Relatorio Avaliacao 2008 09
Relatorio Avaliacao 2008 09Relatorio Avaliacao 2008 09
Relatorio Avaliacao 2008 09
 
Nós
NósNós
Nós
 
Tipos de Nós - Ivan 7d
Tipos de Nós - Ivan 7dTipos de Nós - Ivan 7d
Tipos de Nós - Ivan 7d
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 

Último (20)

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Eutanasia

  • 1.  
  • 2.
  • 3. Esta pode ser entendida por “Suicídio Assistido” ou “Morte Voluntária”. Este tema já vem a ser debatido desde há muitos séculos atrás, contudo continua a ser controverso e chocante, uma vez que interfere com determinados princípios (éticos [Bioética], religiosos, jurídicos...), assim como choca inevitavelmente com a concepção criada em redor do valor da vida e da dignidade humana. A Bioética é uma disciplina relativamente nova no campo da filosofia e surgiu em função da necessidade de se discutir moralmente os efeitos resultantes do avanço tecnológico das ciências na área da saúde.
  • 4.
  • 5. As raízes da tradição ocidental, no tempo dos gregos e dos romanos, práticas como o infanticídio, o suicídio e a eutanásia eram largamente aceites. A maior parte dos historiadores da moral ocidental estão de acordo em que o judaísmo e a ascensão do Cristianismo contribuíram enormemente para o sentimento geral de que a vida humana tem santidade e não deve ser deliberadamente tirada. Tirar uma vida humana inocente é, nestas tradições, usurpar o direito de Deus de dar e tirar a vida. Todas as sociedades que conhecemos aceitam algum princípio ou princípios que proíbem que se tire a vida, mas há grandes variações entre as tradições culturais sobre quando é considerado errado tirar a vida.
  • 6. Há uma relação estreita entre eutanásia voluntária e suicídio assistido, em que uma pessoa ajuda outra a acabar com a sua vida (por exemplo, quando A obtém os medicamentos que irão permitir a B que se suicide). Um exemplo destes, é o mundialmente famoso caso de Ramón Sampedro, que solicitou à justiça espanhola o direito de morrer, cujo qual nao lhe foi concedido, levando-o a provocar a sua propria morte, com a ajuda de amigos, através da injestao de cianeto. O caso foi arquivado em tribunal.
  • 7. Pode ser, por exemplo, um recém-nascido irremediavelmente doente ou incapacitado;ou porque a doença ou um acidente tornaram incapaz uma pessoa anteriormente capaz, sem que tenha previamente indicado se sob certas circunstâncias quereria ou não praticar a eutanásia. A eutanásia é não-voluntária quando a pessoa a quem se retira a vida não pode escolher entre a vida e a morte para si.
  • 8. Embora os casos claros de eutanásia involuntária possam ser relativamente raros, houve quem defendesse que algumas práticas médicas largamente aceites (como as de administrar doses cada vez maiores de medicamentos contra a dor que eventualmente causarão a morte do doente, ou a suspensão não consentida ― para retirar a vida ― do tratamento) equivalem a eutanásia involuntária. A eutanásia é involuntária quando é realizada numa pessoa que poderia ter consentido ou recusado a sua própria morte, mas não o fez ― seja porque não lhe perguntaram, seja porque lhe perguntaram mas não deu consentimento, querendo continuar a viver.
  • 9.
  • 10. O debate da eutanásia diz respeito a acções e omissões intencionais, isto é, com mortes deliberada e intencionalmente provocadas numa situação em que o agente poderia ter agido de outro modo. Disparar sobre alguém é uma acção que poderá levar à morte, não conseguir ou não querer ajudar a vítima de um tiroteio é uma omissão, mas deixou o outro morrer. Há alguns problemas em distinguir entre matar e deixar morrer. Muitos não consideraram esta distinção plausível e foram feitas várias tentativas de a traçar de outro modo.   É a distinção entre matar e deixar morrer, ou entre eutanásia activa e passiva, moralmente significativa? Matar uma pessoa é sempre moralmente pior do que deixá-la morrer? Foram propostas várias razões para que seja assim. Matar uma pessoa é, então, considerado pior do que deixar uma pessoa morrer.
  • 11. Consiste em atrasar o mais possível o momento da morte usando todos os meios, proporcionados ou não, ainda que não haja esperança alguma de cura, e ainda que isso signifique infligir ao moribundo sofrimentos adicionais que, obviamente, não conseguirão afastar a inevitável morte, mas apenas atrasá-la umas horas ou uns dias em condições deploráveis para o doente. A distanásia (do grego “dis”, mal, algo mal feito, e “thánatos”, morte) é o contrário da eutanásia. Tecnologias médicas poderosas permitem aos médicos manter a vida de muitos pacientes que, apenas há uma década ou duas atrás, teriam morrido porque os meios para impedir a morte não existiam. Devido a isto, coloca-se ainda com mais urgência uma velha questão: Devem os médicos fazer sempre tudo o que é possível para tentar salvar a vida de um doente?
  • 12. Este ponto de vista é partilhado mesmo por aqueles que vêem a eutanásia ou o termo intencional da vida sempre como errado. Isto levanta a necessidade premente de um critério que distinga entre omissões admissíveis e não-admissíveis dos meios de suporte à vida.   A maior parte dos autores da área concordam em que há alturas em que o tratamento de suporte à vida deve ser retirado e se deve permitir que um doente morra. Se um paciente recusava os meios normais ― por exemplo, a comida ― essa recusa era vista como suicídio, ou termo intencional da vida. A recusa de meios extraordinários (por exemplo, uma cirurgia dolorosa ou de risco), por outro lado, não era vista como o termo intencional da vida. Nem toda a gente concorda que a interrupção do tratamento extraordinário é um caso de eutanásia passiva
  • 13.
  • 14. Nota : o estudo consiste em perguntar, igualmente a pessoas de ambos os sexos sem ter em consideração a idade ou estrato social, a opinião sobre eutanásia (pergunta -“Concorda ou não concorda com a permissão da pratica das situação bioética a seguir enunciada? – Eutanásia”). O estudo foi feito a 30 elementos do sexo masculino e 30 do sexo feminino.
  • 15. A maioria das pessoas inquiridas concorda com a prática da eutanásia embora a maior parte tenha referido que deve haver restrições à aplicação e uma análise profunda das consequências aplicadas a cada caso.   As pessoas admitem frequentemente que pode não haver nenhuma diferença moral intrínseca entre eutanásia activa e passiva, entre meios normais e extraordinários, e entre mortes que são directamente desejadas e mortes que são apenas previstas.
  • 16.