SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BELO JARDIM
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM
DISCIPLINA: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PALIAÇÃO E FINITUDE
DOCENTE: PROF.ª MARGARIDA SANTOS
Discentes:
Débora Emanuelly
Fernanda Marinho
Jéssica Lane
Josielma Marinho
Natalia Marques
Nyedja Luana
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS
CUIDADOS PALIATIVOS
(EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
Discentes:
Débora Emanuelly
Fernanda Marinho
Jéssica Lane
Josielma Marinho
Natalia Marques
Nyedja Luana
Aspectos éticos e cuidados
paliativos
• Avanço nas práticas de saúde e nos recursos
tecnológicos na área de saúde;
• Transformações no que se diz respeito as
decisões éticas de conduta dos profissionais de
saúde.
Ética
• É decorrente das convicções, valores e princípios
morais de uma pessoa, é influenciada pelos
valores morais da sociedade e do momento
histórico em que se insere, resultando da
reflexão acerca dos motivos que justificam uma
ação ser considerada justa ou injusta, boa ou má,
certa ou errada.
Ética
• Ética profissional:
constituindo-se de um
conjunto de normas
sobre como devem se
comportar,
profissionalmente,
indivíduos que
pertencem a um
determinado grupo
sócio-profissional
Ética
• Normas jurídicas: normas jurídicas, na medida
em que estas últimas não requerem adesão
íntima e convicção pessoal do indivíduo, pelo
contrário, "são obrigatórias, impostas e
comportam coerção estatal”.
Princípios éticos básicos:
- Autonomia:
Autonomia ou autodeterminação é a liberdade
de uma pessoa agir conforme seus valores,
prioridades, desejos e crenças próprias.
* Seres livres e autônomos;
* Explicar os riscos e benefícios a cada paciente.
- Beneficência:
O princípio da beneficência significa atuar em
favor do bem-estar ou em benefício de outrem,
evitar ou aliviar o mal e o dano.
- Não Maleficência:
Implica em não causar dano,
inclui-se na obrigação dos
profissionais de saúde de não
provocar nenhum mal ou
dano aos clientes.
- Justiça:
Implica no direito das
pessoas terem oportunidade
de acesso aos cuidados de
saúde de que necessitam de
forma eqüitativa.
Princípios éticos adicionais:
- Princípio do Efeito Duplo:
Esse princípio preconiza que sejam avaliados se
os possíveis efeitos danosos de uma ação serão
aceitáveis quando confrontados ao benefícios
que se pretende alcançar com esta ação.
* Dor oncológica
* Opiáceo
- Integridade dos Profissionais de Saúde:
Embora os profissionais de saúde tenham
deveres éticos severos para com seus pacientes,
decorrentes de sua posição e função profissional,
eles também tem o direito de manterem-se fiéis
às suas próprias crenças e valores.
- Fidelidade (confiança)
É a obrigatoriedade de manter as promessas,
implicando na presença constante de "estar ao
lado" e no cumprimento de promessa expressa
ou subentendida.
- Veracidade
Ser sincero e honesto, não enganando a pessoa é
uma obrigação ética dos profissionais de saúde.
A informação é um direito moral e ético dos
pacientes.
Outras considerações
• Atenção
biopsicossocial e
espiritual do paciente
e seus familiares;
• Scalon (1998), sugere
estratégias para que
facilite a habilidade
das enfermeiras.
Distanásia
O que é DISTANÁSIA?
• Segundo o dicionário Aurélio: “Morte lenta,
ansiosa e com muito sofrimento”
• Palavra de origem grega – Prefixo “dis”, significa
“afastamento”
• Portanto, distanásia = prolongamento da morte
de um paciente.
Distanásia
DISTANÁSIA e PROGRESSO TÉCNICO-
CIENTÍFICO
• O pregresso técnico-científico passou a interferir
nas fases finais da vida humana.
Distanásia
Medicina e tecnologia de mãos dadas:
• A morte nas mãos da tecnologia médica seria um evento
menos sofrido?;
• O conhecimento biológico e as tecnologias serviram para
tornar o morrer mais problemático; difícil de prever,
mais difícil ainda de lidar;
• Se o objetivo da medicina é a preservação e restauração
da saúde, a morte deveria ser entendida e esperada como
o último resultado deste esforço, implícito e inerente
desde o começo.
Os Paradigmas de curar e cuidar
• Tecnologia;
• Paradigma de curar:
▫ Dependente da tecnologia da medicina moderna.
• Paradigma de cuidar:
▫ A morte é vista como uma parte da vida humana.
Relacionamento médico –
paciente: terapia e benefício.
• Childress e Ziegler
▫ Medicina entre estranhos
(não há confiança mútua);
▫ Medicina entre próximos;
A vida como um bem fundamental
• Parenético;
• Científico;
• Ética da sacralidade da vida:
▫ A vida é propriedade de Deus.
• Qualidade de vida
▫ A vida é um dom recebido
Dor e sofrimento no contexto
clínico.
• A cura da doença e o alívio do sofrimento são
aceitas como objetivo da medicina. A doença
destrói a integridade do corpo, a dor e o
sofrimento podem destruir a integridade global
da pessoa. Enquanto a medicina está
relativamente bem equipada para combater a
dor, em relação ao sofrimento estamos frente a
uma categoria mais complexa, que pode, mas
não necessariamente envolve a presença da dor.
A dor tem duas características
importantes:
• A primeira é que estamos frente a um fenômeno
dual- de um lado a percepção da sensação e do
outro a resposta emocional do paciente a ela;
• A segunda é que a dor pode ser aguda ou
crônica;
DOR
• FÍSICA: Surge de um ferimento ,doença ou
deterioração progressiva do corpo, no idoso e no
doente terminal. Impede o funcionamento físico
e a interação social.
• PSÍQUICA: Surge do enfrentar a inevitabilidade
da morte, perdendo o controle sobre o processo
de morrer, perdas das esperanças e sonhos.
• SOCIAL: Dor do isolamento.
• ESPIRITUAL: Surge da perda de significado,
sentido e esperança.
A Associação Internacional de
Estudo da Dor definiu a dor como:
• Uma experiência emocional e sensorial
desagradável, associada com dano potencial ou
atual de tecidos, descritas em termos de tais
mudanças.
• Dame Cicely Saunders (fundadora do moderno
hospice), tomando esta descrição como base,
ressaltou a expressão DOR TOTAL.
• Existe um momento na doença crônica, quando
a impotência torna-se mais intolerável que a dor,
em que aparece a diferença entre dor e
sofrimento.
Daniel Callahan definiu sofrimento
como sendo a experiência de
impotência com o prospecto de
dor não aliviada, situação de
doença que leva a interpretar a
vida vazia de sentido. portanto, o
sofrimento é mais global que a dor
e, essencialmente, é sinônimo de
qualidade de vida diminuída.
• Um dos primeiros objetivos da medicina, ao
cuidar dos que morrem, deveria ser o de aliviar a
dor e sofrimento causados pela doença. Embora
a dor física seja a fonte mais comum de
sofrimento, a dor no processo de morrer vai
além do físico, tendo conotações culturais,
subjetivas, sociais, psíquicas e éticas. Portanto,
lidar efetivamente com a dor em todas as suas
formas é algo crítico para um cuidado digno dos
que estão morrendo.
Os códigos brasileiros de ética médica
e a distanásia.
• 9° princípio: “O absoluto
respeito pela vida humana
desde a concepção até a
morte.”
• Morte e dor são vistas
como fracasso pelo médico;
• Quantidade de vida
X
Qualidade de vida;
Os códigos brasileiros de ética médica
e a distanásia.
DOR MORTESOFRIMENTO
TECNOLOGIA
DESPERSONALIZAÇÃO
Os códigos brasileiros de ética médica
e a distanásia.
• “...não abandonar seu paciente por ser este portador de
moléstia crônica ou incurável e continuar a assisti-lo
ainda que apenas para mitigar o sofrimento físico ou
psíquico (art 61).”
Os códigos brasileiros de ética médica
e a distanásia.
• “Utilizar todos os meios de
diagnóstico e tratamento ao
seu alcance.”;
• Questiona-se se mitigar o
sofrimento e adiar a morte é
sempre um interesse do
paciente.
▫ Por exemplo: paciente na fase
final da AIDS.
Os códigos brasileiros de ética médica
e a distanásia.
• Art 130, proíbe ao médico
“realizar experiências com
novos tratamentos clínicos
ou cirúrgicos em pacientes
com afecção incurável ou
terminal sem que haja
esperança razoável de
utilidade para o mesmo, não
lhe impondo sofrimentos
adicionais.”
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Situações contraditórias:
▫ Não matar, mas não prolongar a dor e o sofrimento!
• “Mais atenção ao doente e menos à cura em si mesma”
(Hellegers);
• Dogma médico: "fazer tudo o que for possível para
conservar a vida;
• A missão do médico: “Curar às vezes, aliviar
freqüentemente, confortar sempre.”
OBRIGADA!
REFERÊNCIAS
• Léo Pessini Camiliano - Distanásia: Até
quando investir sem agredir?
• Lúcia Marta Giunta da Silva - Aspectos
éticos e cuidados paliativos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização pltenfanhanguera
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteProqualis
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasivaresenfe2013
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalRegiane Ribeiro
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importânciaCélia Costa
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagemresenfe2013
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioresenfe2013
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoLaíz Coutinho
 

Mais procurados (20)

Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Aula Acreditação
Aula AcreditaçãoAula Acreditação
Aula Acreditação
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Rafael Zarvos
Rafael ZarvosRafael Zarvos
Rafael Zarvos
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 

Destaque

Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherFernanda Marinho
 
monografia-de-principios-bioeticos-basica
 monografia-de-principios-bioeticos-basica monografia-de-principios-bioeticos-basica
monografia-de-principios-bioeticos-basicaLUIS ZAMORA BURGA
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)Fernanda Marinho
 
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaUso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaMônica Firmida
 
de65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandez
de65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandezde65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandez
de65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandezginocuarite2015
 
Guia de estudios segunda unidad
Guia de estudios segunda unidadGuia de estudios segunda unidad
Guia de estudios segunda unidadSócrates Anchondo
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeI.Braz Slideshares
 
Bioetica y enfermeria
Bioetica y enfermeriaBioetica y enfermeria
Bioetica y enfermeriaDave Pizarro
 
Bioetica en enfermeria - CICAT-SALUD
Bioetica en enfermeria - CICAT-SALUDBioetica en enfermeria - CICAT-SALUD
Bioetica en enfermeria - CICAT-SALUDCICAT SALUD
 
Bioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaBioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaRaianeEnfermagem
 
5 bioetica en enfermería
5 bioetica en enfermería5 bioetica en enfermería
5 bioetica en enfermeríaketrijes
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaLetícia R. Maia
 

Destaque (20)

Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Exito ou fracasso
Exito ou fracassoExito ou fracasso
Exito ou fracasso
 
monografia-de-principios-bioeticos-basica
 monografia-de-principios-bioeticos-basica monografia-de-principios-bioeticos-basica
monografia-de-principios-bioeticos-basica
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
 
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaUso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
 
Power caso envejecimiento
Power caso envejecimientoPower caso envejecimiento
Power caso envejecimiento
 
Principios bioeticos-2
Principios bioeticos-2Principios bioeticos-2
Principios bioeticos-2
 
de65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandez
de65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandezde65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandez
de65f76 98uy89u iu90 Etica dra.nidia fernandez
 
Guia de estudios segunda unidad
Guia de estudios segunda unidadGuia de estudios segunda unidad
Guia de estudios segunda unidad
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativos
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
 
Privacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidadePrivacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidade
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Bioetica y enfermeria
Bioetica y enfermeriaBioetica y enfermeria
Bioetica y enfermeria
 
Bioetica en enfermeria - CICAT-SALUD
Bioetica en enfermeria - CICAT-SALUDBioetica en enfermeria - CICAT-SALUD
Bioetica en enfermeria - CICAT-SALUD
 
Bioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaBioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásia
 
4.2
4.24.2
4.2
 
Privacidade e segredo profissional
Privacidade e segredo profissional Privacidade e segredo profissional
Privacidade e segredo profissional
 
5 bioetica en enfermería
5 bioetica en enfermería5 bioetica en enfermería
5 bioetica en enfermería
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
 

Semelhante a ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).

4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativosAlmeida Almeida
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela laiscarlini
 
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlvernePaciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlverneRodrigo Mont'Alverne
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxIsadoraPereira32
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxJessiellyGuimares
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativosleiafrocha
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxCarlaAlves362153
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxDheniseMikaelly
 
Ética Hospitalar
Ética HospitalarÉtica Hospitalar
Ética HospitalarNeida Ramos
 
Slide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdf
Slide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdfSlide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdf
Slide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdfproftecenfmelissa
 
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxCuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxZecaXavier1
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Luciane Santana
 
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.pptCuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.pptMariaFerreiraMaria
 

Semelhante a ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA). (20)

Bioética cuidados paliativos
Bioética   cuidados paliativosBioética   cuidados paliativos
Bioética cuidados paliativos
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
 
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlvernePaciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
 
Aula etica neo 2
Aula etica neo 2Aula etica neo 2
Aula etica neo 2
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
 
Ética Hospitalar
Ética HospitalarÉtica Hospitalar
Ética Hospitalar
 
Slide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdf
Slide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdfSlide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdf
Slide 1 da Unidade - Bioética na Assistência Oncológica.pdf
 
Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3
 
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxCuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.pptCuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
 

Mais de Fernanda Marinho

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMFernanda Marinho
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIAFernanda Marinho
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDAFernanda Marinho
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PEFernanda Marinho
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoFernanda Marinho
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...Fernanda Marinho
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Fernanda Marinho
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalFernanda Marinho
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Fernanda Marinho
 

Mais de Fernanda Marinho (20)

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
 
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDA
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Transtorno de ansiedade
Transtorno de ansiedadeTranstorno de ansiedade
Transtorno de ansiedade
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisão
 
Sinasc
SinascSinasc
Sinasc
 
Transplantes
Transplantes Transplantes
Transplantes
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
 
Cobertura vacinal
Cobertura vacinalCobertura vacinal
Cobertura vacinal
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetal
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
 
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
  HIPERÊMESE GRAVÍDICA  HIPERÊMESE GRAVÍDICA
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Trichuris trichiura
Trichuris trichiuraTrichuris trichiura
Trichuris trichiura
 

ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).

  • 1. AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BELO JARDIM CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PALIAÇÃO E FINITUDE DOCENTE: PROF.ª MARGARIDA SANTOS Discentes: Débora Emanuelly Fernanda Marinho Jéssica Lane Josielma Marinho Natalia Marques Nyedja Luana
  • 2. ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA). Discentes: Débora Emanuelly Fernanda Marinho Jéssica Lane Josielma Marinho Natalia Marques Nyedja Luana
  • 3. Aspectos éticos e cuidados paliativos • Avanço nas práticas de saúde e nos recursos tecnológicos na área de saúde; • Transformações no que se diz respeito as decisões éticas de conduta dos profissionais de saúde.
  • 4. Ética • É decorrente das convicções, valores e princípios morais de uma pessoa, é influenciada pelos valores morais da sociedade e do momento histórico em que se insere, resultando da reflexão acerca dos motivos que justificam uma ação ser considerada justa ou injusta, boa ou má, certa ou errada.
  • 5. Ética • Ética profissional: constituindo-se de um conjunto de normas sobre como devem se comportar, profissionalmente, indivíduos que pertencem a um determinado grupo sócio-profissional
  • 6. Ética • Normas jurídicas: normas jurídicas, na medida em que estas últimas não requerem adesão íntima e convicção pessoal do indivíduo, pelo contrário, "são obrigatórias, impostas e comportam coerção estatal”.
  • 7. Princípios éticos básicos: - Autonomia: Autonomia ou autodeterminação é a liberdade de uma pessoa agir conforme seus valores, prioridades, desejos e crenças próprias. * Seres livres e autônomos; * Explicar os riscos e benefícios a cada paciente. - Beneficência: O princípio da beneficência significa atuar em favor do bem-estar ou em benefício de outrem, evitar ou aliviar o mal e o dano.
  • 8. - Não Maleficência: Implica em não causar dano, inclui-se na obrigação dos profissionais de saúde de não provocar nenhum mal ou dano aos clientes. - Justiça: Implica no direito das pessoas terem oportunidade de acesso aos cuidados de saúde de que necessitam de forma eqüitativa.
  • 9. Princípios éticos adicionais: - Princípio do Efeito Duplo: Esse princípio preconiza que sejam avaliados se os possíveis efeitos danosos de uma ação serão aceitáveis quando confrontados ao benefícios que se pretende alcançar com esta ação. * Dor oncológica * Opiáceo
  • 10. - Integridade dos Profissionais de Saúde: Embora os profissionais de saúde tenham deveres éticos severos para com seus pacientes, decorrentes de sua posição e função profissional, eles também tem o direito de manterem-se fiéis às suas próprias crenças e valores.
  • 11. - Fidelidade (confiança) É a obrigatoriedade de manter as promessas, implicando na presença constante de "estar ao lado" e no cumprimento de promessa expressa ou subentendida. - Veracidade Ser sincero e honesto, não enganando a pessoa é uma obrigação ética dos profissionais de saúde. A informação é um direito moral e ético dos pacientes.
  • 12. Outras considerações • Atenção biopsicossocial e espiritual do paciente e seus familiares; • Scalon (1998), sugere estratégias para que facilite a habilidade das enfermeiras.
  • 13. Distanásia O que é DISTANÁSIA? • Segundo o dicionário Aurélio: “Morte lenta, ansiosa e com muito sofrimento” • Palavra de origem grega – Prefixo “dis”, significa “afastamento” • Portanto, distanásia = prolongamento da morte de um paciente.
  • 14. Distanásia DISTANÁSIA e PROGRESSO TÉCNICO- CIENTÍFICO • O pregresso técnico-científico passou a interferir nas fases finais da vida humana.
  • 15. Distanásia Medicina e tecnologia de mãos dadas: • A morte nas mãos da tecnologia médica seria um evento menos sofrido?; • O conhecimento biológico e as tecnologias serviram para tornar o morrer mais problemático; difícil de prever, mais difícil ainda de lidar; • Se o objetivo da medicina é a preservação e restauração da saúde, a morte deveria ser entendida e esperada como o último resultado deste esforço, implícito e inerente desde o começo.
  • 16. Os Paradigmas de curar e cuidar • Tecnologia; • Paradigma de curar: ▫ Dependente da tecnologia da medicina moderna. • Paradigma de cuidar: ▫ A morte é vista como uma parte da vida humana.
  • 17. Relacionamento médico – paciente: terapia e benefício. • Childress e Ziegler ▫ Medicina entre estranhos (não há confiança mútua); ▫ Medicina entre próximos;
  • 18. A vida como um bem fundamental • Parenético; • Científico; • Ética da sacralidade da vida: ▫ A vida é propriedade de Deus. • Qualidade de vida ▫ A vida é um dom recebido
  • 19. Dor e sofrimento no contexto clínico. • A cura da doença e o alívio do sofrimento são aceitas como objetivo da medicina. A doença destrói a integridade do corpo, a dor e o sofrimento podem destruir a integridade global da pessoa. Enquanto a medicina está relativamente bem equipada para combater a dor, em relação ao sofrimento estamos frente a uma categoria mais complexa, que pode, mas não necessariamente envolve a presença da dor.
  • 20. A dor tem duas características importantes: • A primeira é que estamos frente a um fenômeno dual- de um lado a percepção da sensação e do outro a resposta emocional do paciente a ela; • A segunda é que a dor pode ser aguda ou crônica;
  • 21. DOR • FÍSICA: Surge de um ferimento ,doença ou deterioração progressiva do corpo, no idoso e no doente terminal. Impede o funcionamento físico e a interação social. • PSÍQUICA: Surge do enfrentar a inevitabilidade da morte, perdendo o controle sobre o processo de morrer, perdas das esperanças e sonhos. • SOCIAL: Dor do isolamento. • ESPIRITUAL: Surge da perda de significado, sentido e esperança.
  • 22. A Associação Internacional de Estudo da Dor definiu a dor como: • Uma experiência emocional e sensorial desagradável, associada com dano potencial ou atual de tecidos, descritas em termos de tais mudanças. • Dame Cicely Saunders (fundadora do moderno hospice), tomando esta descrição como base, ressaltou a expressão DOR TOTAL. • Existe um momento na doença crônica, quando a impotência torna-se mais intolerável que a dor, em que aparece a diferença entre dor e sofrimento.
  • 23. Daniel Callahan definiu sofrimento como sendo a experiência de impotência com o prospecto de dor não aliviada, situação de doença que leva a interpretar a vida vazia de sentido. portanto, o sofrimento é mais global que a dor e, essencialmente, é sinônimo de qualidade de vida diminuída.
  • 24. • Um dos primeiros objetivos da medicina, ao cuidar dos que morrem, deveria ser o de aliviar a dor e sofrimento causados pela doença. Embora a dor física seja a fonte mais comum de sofrimento, a dor no processo de morrer vai além do físico, tendo conotações culturais, subjetivas, sociais, psíquicas e éticas. Portanto, lidar efetivamente com a dor em todas as suas formas é algo crítico para um cuidado digno dos que estão morrendo.
  • 25. Os códigos brasileiros de ética médica e a distanásia. • 9° princípio: “O absoluto respeito pela vida humana desde a concepção até a morte.” • Morte e dor são vistas como fracasso pelo médico; • Quantidade de vida X Qualidade de vida;
  • 26. Os códigos brasileiros de ética médica e a distanásia. DOR MORTESOFRIMENTO TECNOLOGIA DESPERSONALIZAÇÃO
  • 27. Os códigos brasileiros de ética médica e a distanásia. • “...não abandonar seu paciente por ser este portador de moléstia crônica ou incurável e continuar a assisti-lo ainda que apenas para mitigar o sofrimento físico ou psíquico (art 61).”
  • 28. Os códigos brasileiros de ética médica e a distanásia. • “Utilizar todos os meios de diagnóstico e tratamento ao seu alcance.”; • Questiona-se se mitigar o sofrimento e adiar a morte é sempre um interesse do paciente. ▫ Por exemplo: paciente na fase final da AIDS.
  • 29. Os códigos brasileiros de ética médica e a distanásia. • Art 130, proíbe ao médico “realizar experiências com novos tratamentos clínicos ou cirúrgicos em pacientes com afecção incurável ou terminal sem que haja esperança razoável de utilidade para o mesmo, não lhe impondo sofrimentos adicionais.”
  • 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Situações contraditórias: ▫ Não matar, mas não prolongar a dor e o sofrimento! • “Mais atenção ao doente e menos à cura em si mesma” (Hellegers); • Dogma médico: "fazer tudo o que for possível para conservar a vida; • A missão do médico: “Curar às vezes, aliviar freqüentemente, confortar sempre.”
  • 32. REFERÊNCIAS • Léo Pessini Camiliano - Distanásia: Até quando investir sem agredir? • Lúcia Marta Giunta da Silva - Aspectos éticos e cuidados paliativos.